SlideShare uma empresa Scribd logo
FG Controle & Otimização
Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561
82530-270 – Curitiba – PR
(41)3524-3853
www.fgcontrole.com.br
Controle Preditivo na Otimização de Moinho
Secador de Carvão na Indústria de Mineração
Página 1 de 9
CONTROLE PREDITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE MOINHO SECADOR
DE CARVÃO NA INDÚSTRIA DE MINERAÇÃO
(Apresentado no Brasil Automation/2010)
Luciano França Rocha
1
Cláudio José Barcelos Dal´col
2
Gabriel Queiroz3
Joaquim Ferreira Guimarães Neto
4
Resumo
Este trabalho tem como objetivo a redução da variabilidade no processo de moagem de carvão e,
principalmente, o aumento da alimentação média do moinho obtido através do otimizador
embutido. O carvão é um importante insumo numa planta de pelotização, tendo como uma de
suas funções garantir o aporte térmico necessário dentro da pelota, formando as pontes de
escória. Além disso, contribui para a redução do consumo de óleo combustível, que, atualmente,
tem o custo mais elevado no processo de endurecimento. Na implementação deste controle, foi
empregada a técnica de controle preditivo com uma camada de otimização. Na estrutura do
controle, foram utilizadas como váriaveis manipuladas três válvulas para realizar o controle do
fluxo e da temperatura dos gases, e uma correia alimentadora. O controle preditivo mostrou-se
bastante robusto nesta aplicação, que possui distúrbios medidos, não medidos e acoplamento
entre variáveis. Também foi observado que não é necessário um modelo muito exato para que o
controle tenha um bom desempenho ao longo do tempo, o que caracteriza uma boa robustez
mesmo com pequenas mudanças nos modelos dinâmicos do processo a ser controlado. Utilizando
a malha de controle em modo automático, foi observada uma redução da variabilidade nas
principais variáveis de processo em torno de 70% e um aumento da alimentação média da ordem
de 8%.
Palavras-chave: Controle Preditivo; Processos; MPC; Otimização.
Multivariable predictive control with feed otimization on a coal mill
Abstract
This work objective the reduction of variability in the coal grinding process and, mainly, an
increasing of the average feeding to the coal mill through by the optimizer embedded. The coal is
an important additive in a pelletizing plant, providing a necessary thermal contribution in order to
guarantee the sintering reactions, forming the scoria bridges. In addition it contributes to the
reducing oil consumption that, currently, has the highest cost in the indurating process. In the
implementation of this control strategy was used the technical of model predict control and an
optimization layer. In the control structure, were used, like manipulated variables, three valves to
control the gas flow and temperature, and a feeding conveyor belt. The predictive control technique
has been shown very robust at this application, which has measured disturbances, unmeasured
disturbances and coupled variables. In addiction, it was observed that is not mandatory an exact
model in order to have a good performance in a long term period, that means a good robustness
even with little changes in the dynamic process models that need to be controlled. Using the
control loop in automatic mode was noticed a reduction 70% in the main process variables and an
increasing of 8% in the average feed rate.
Key words: Control; Predictive; Automation; Process; MPC; Optimization.
1
Engenheiro de Automação – Samarco Mineração
2
Engenheiro de Automação – Samarco Mineração
3
Técnico de Controle de Processos – Samarco Mineração
4
Consultor em Controle de Processo – FG Controle & Otimização
FG Controle & Otimização
Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561
82530-270 – Curitiba – PR
(41)3524-3853
www.fgcontrole.com.br
Controle Preditivo na Otimização de Moinho
Secador de Carvão na Indústria de Mineração
Página 2 de 9
Este artigo relata a experiência na concepção, desenvolvimento e implementação da
tecnologia de Controle Preditivo para a otimização no moinho secador de carvão da planta de
pelotização da Samarco Mineração em Ubu/ES.
O objetivo da empresa com este projeto era reduzir a variabilidade do processo e
aumentar a capacidade média de moagem de carvão. O carvão é um importante insumo numa
planta de pelotização, tendo como função garantir o aporte térmico necessário dentro da pelota,
formando as pontes de escória e contribuindo para a redução do consumo de óleo combustível,
que tem custo elevado no processo de endurecimento do minério.
Descrição do Processo e seu Controle
O processo de moagem de carvão consiste em alimentar um moinho secador com um
material de alta granulometria para adequá-la ao tamanho necessário ao processo dosagem de
insumos nas linhas de mistura.
O moinho de carvão possui dois rolos de moagem fixos e uma mesa rotativa, onde é
acomodado o material que entra para ser moído. Os rolos moedores são permanentemente
pressionados contra a mesa giratória, desta forma o material que se encontra dentro do moinho é
moído e esmagado entre a mesa e os rolos. Um fluxo de gás quente vindo do forno de
endurecimento atravessa o moinho no sentido ascendente e é responsável pela secagem e
transporte do carvão.
Figura 1- Visão em corte do moinho secador de carvão
O material seco e moído é transportado pneumaticamente até um filtro de mangas, onde a
separação do ar e do produto é realizada. Após a separação ar/sólido o carvão é transportado via
um sistema de transportadores pneumáticos para o silo diário de dosagem.
FG Controle & Otimização
Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561
82530-270 – Curitiba – PR
(41)3524-3853
www.fgcontrole.com.br
Controle Preditivo na Otimização de Moinho
Secador de Carvão na Indústria de Mineração
Página 3 de 9
Figura 2 - Visão geral do fluxo de processo
Para que o processo de moagem e secagem do carvão aconteça adequadamente é
importante que se controle o fluxo e a temperatura dos gases. A válvula de gás quente é
responsável por controlar o volume de gás proveniente do forno de endurecimento na entrada do
moinho. A válvula de retorno controla a recirculação de gases e, com isso, a pressão de entrada
do moinho tendo uma pequena influência na temperatura de saída, uma vez que este volume de
ar reaproveitado tem uma temperatura menor que a temperatura do gás proveniente do forno. A
válvula de chaminé controla o volume de gás que é lançado na atmosfera e também pode ser
utilizada para controlar a pressão na entrada do moinho, que deve ser sempre negativa em
relação à pressão atmosférica. O dumper do ventilador também tem influência nas pressões.
Figura 3 – Principais válvulas de controle do moinho
No controle convencional do moinho apenas a válvula de retorno e a válvula de gás
quente são manipuladas por controladores PID’s, a primeira para controlar a pressão de entrada
Valv. Gás Quente
Valv. Retorno
Valv. Chaminé
Dumper
FG Controle & Otimização
Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561
82530-270 – Curitiba – PR
(41)3524-3853
www.fgcontrole.com.br
Controle Preditivo na Otimização de Moinho
Secador de Carvão na Indústria de Mineração
Página 4 de 9
do moinho e a segunda para controlar a temperatura de saída em malhas independentes. O
dumper do ventilador é fechado durante a partida e depois disso posicionado em 60%, e a válvula
de chaminé é operada manualmente pelo operador e normalmente deixada em torno de 50% de
abertura.
A alimentação é manipulada por outro PID de modo a controlar a pressão diferencial do
moinho. O valor da pressão diferencial está diretamente ligado à quantidade de material circulante
dentro do moinho, e acima de determinado limite pode levar a um “embuxamento”. Esta é a pior
situação operacional do moinho e ocorre quando a quantidade de material circulante é grande
suficiente para impedir o fluxo de gases dentro do moinho, o que causa uma queda brusca da
temperatura de saída, um aumento rápido da pressão diferencial e da vibração do moinho. Nesta
situação é possível que alguma condição limite de segurança seja violada e consequentemente o
moinho pare de operar.
Tecnologia de controle
Devido às características do processo escolhemos para o desenvolvimento deste projeto a
tecnologia de Controle Preditivo com Otimização (MPC).
A tecnologia de controle do tipo MPC (Model Predictive Control) é mais utilizada
atualmente em aplicações (mais de 10.000 no mundo) com características de dinâmica difíceis
(tempo-morto, interagentes, não-linear). Esta tecnologia é ideal para controle em casos de
sistemas multivariável, compensação de perturbações medidas (“feed-forward”), controle por
restrição (“override”) ou para otimização econômica do processo. O algoritmo MPC tem
característica preditiva, ou seja, utiliza um modelo interno do processo para prever o
comportamento das variáveis dependentes (CV - controladas ou restrições) ao longo de um
horizonte futuro de tempo, em função de variações nas variáveis manipuladas (MV) ou
perturbações (DV). Este modelo é gerado por meio de testes de variação na própria unidade de
processo. Utilizando as predições futuras das variáveis dependentes, o algoritmo calcula os
movimentos necessários nas variáveis manipuladas que minimizem a soma dos erros futuros.
Estes erros são equivalentes às diferenças entre os valores previstos e a trajetória desejada para
estas variáveis.
Figura 4 – Ações do Controle Preditivo
O MPC permite a otimização do processo usando uma função objetivo, como para este
caso, a maximização de capacidade. O algoritmo calcula os valores dos objetivos (“set-points”)
para que a função objetivo seja otimizada respeitando os limites estabelecidos para o processo.
Desta forma o processo opera sempre em seu ponto de melhor rendimento econômico.
CV Objetivo
Valor previsto - Modo manual
Valor previsto - Modo automático
PresentePassado Futuro
MV
FG Controle & Otimização
Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561
82530-270 – Curitiba – PR
(41)3524-3853
www.fgcontrole.com.br
Controle Preditivo na Otimização de Moinho
Secador de Carvão na Indústria de Mineração
Página 5 de 9
A Samarco dispõe desta tecnologia de forma integrada como bloco funcional em seu atual
sistema digital de controle (SDCD), usando o mesmo hardware, software e padrões de segurança
comuns a todos os outros blocos de controle do sistema. Estas características permitem
implementações dos projetos com rapidez, economia e confiabilidade superiores quando
comparadas às comumente encontradas em outros sistemas convencionais.
Método de Trabalho
O correto desenvolvimento de uma aplicação de controle do tipo MPC deve seguir algumas etapas
como:
1. Análise do processo;
2. Projeto Funcional e definição da estrutura de controle;
3. Pré-teste e revisão do controle regulatório;
4. Projeto detalhado e configuração do sistema;
5. Testes e identificação do processo;
6. Geração, análise e validação dos modelos;
7. Revisão do projeto e geração do controlador;
8. Sintonia e testes em simulação;
9. Comissionamento e pré-operação.
Para o desenvolvimento deste projeto reuniu-se uma equipe multifuncional, envolvendo dois Engº
de Automação, um Técnico de Controle de Produção, e um consultor externo com experiência em
controle de processos e tecnologia MPC.
A importância desta equipe multifuncional reunindo conhecimento de processo, sistemas, controle
e especificamente da tecnologia de controle utilizada (MPC), ficou evidenciada no
desenvolvimento do projeto, conseguindo-se superar as dificuldades inerentes e obter um ótimo
resultado final em tempo compatível.
Desenvolvimento do Projeto
Durante alguns dias, discutiu-se exaustivamente o processo de moagem, suas características e
suas particularidades. O objetivo era obter dados e conhecimento para propor uma estratégia de
controle que fosse adequada à otimização do moinho. A primeira proposta foi projetar um
controlador único devido às características fortemente interagentes entre as entradas e saídas de
processo, com a seguinte estrutura:
Controladas Restrições Manipuladas Perturbações
Pressão na entrada Temperatura na entrada Taxa de Alimentação Rotação do Ventilador
Temperatura na saída Pressão diferencial Válvula de Gás Quente
Temperatura dos rolos Válvula de Retorno
Válvula da Chaminé
Esta abordagem teria o problema de misturar variáveis dependentes (controladas e restrições)
com respostas dinâmicas muito diferentes como pressões e temperaturas. O controlador MPC
disponível no SDCD, como a grande maioria, usa período de amostragem único para todas as
variáveis, proporcional ao tempo de estabilização da variável com dinâmica mais lenta. Isto
poderia levar a um controle deficiente para as pressões (variáveis mais rápidas), porém decidiu-se
por testar esta estrutura mesmo assim.
A instrumentação existente foi previamente verificada e as malhas de controle PID sintonizadas
pela equipe de Automação da Samarco.
Para quantificação dos modelos foi inicialmente usada uma ferramenta para identificação
automática de processo, disponível no SDCD. Esta ferramenta aplica pulsos pseudo-aleatórios
FG Controle & Otimização
Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561
82530-270 – Curitiba – PR
(41)3524-3853
www.fgcontrole.com.br
Controle Preditivo na Otimização de Moinho
Secador de Carvão na Indústria de Mineração
Página 6 de 9
(PRBS) em todas as manipuladas de forma simultânea. Os resultados não foram aceitáveis,
apresentando uma baixa correlação com os dados reais e respostas dinâmicas conhecidas do
moinho, provavelmente devido à ocorrência de perturbações não medidas durante os testes.
Decidiu-se então pela identificação manual do efeito em cada variável de restrição ou controlada,
a partir de uma variação em degrau em cada manipulada. Com as malhas de controle em modo
manual, esperou-se a estabilização do processo e aplicou-se uma variação em degrau em uma
manipulada, repetindo-se o procedimento para todas. Ao final dos testes os dados foram
trabalhados matematicamente e forneceram os parâmetros para modelos de primeira ordem em
série com um tempo morto. Os parâmetros obtidos são apresentados na Figura 5.
Figura 5 – Parâmetros dos modelos identificados
Os modelos acima apresentaram grandes diferenças nas dinâmicas (constantes de tempo) das
pressões (10 a 20 segundos) e temperaturas (120 a 180 segundos). A pré-operação deste
controlador mostrou um comportamento adequado para o controle de temperatura, porém pouco
efetivo para o controle da pressão, confirmando nossa suposição inicial.
Decidiu-se então revisar a estrutura do controlador de forma a separar os módulos de controle, ou
seja, criar um controlador para a pressão e outro para a temperatura. Desta forma, o tempo de
amostragem de cada controlador MPC seria adequado a dinâmica de cada variável importante ao
controle do moinho. O desacoplamento entre os dois controladores é obtido pelo uso das saídas
de controle de um módulo como perturbações do outro. A figura 6 mostra a estrutura de controle
definitiva que foi utilizada.
Entradas / Saídas
de Processo
Alimentação Válvula da Chaminé Válvula de Retorno
Válvula de Gás
Quente
TM (s) Kp TS1 (s) TM (s) Kp
TS1
(s)
TM
(s)
Kp
TS1
(s)
TM (s) Kp TS1 (s)
Temperatura de Saída 60 -0,47 180 60 0,05 120 60 -0,03 150 60 0,80 120
Temperatura dos Rolos 60 -0,40 180 60 0,02 120 60 -0,01 150 60 0,05 120
Temperatura de Entrada 60 0,05 120 60 -0,30 180 60 0,60 120
Pressão na Entrada 30 0,08 20 5 -0,30 10 5 0,25 10 5 1,30 10
Pressão Diferencial 30 0,08 20 5 0,10 10 5 0,13 10 5 0,70 10
FG Controle & Otimização
Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561
82530-270 – Curitiba – PR
(41)3524-3853
www.fgcontrole.com.br
Controle Preditivo na Otimização de Moinho
Secador de Carvão na Indústria de Mineração
Página 7 de 9
Figura 6 - Estrutura final dos controladores
Durante o comissionamento do controlador observou-se alguma instabilidade no controle da
pressão diferencial do moinho quando este operava com alimentação próxima ao limite máximo
nominal. Como este modelo foi levantado com uma alimentação menor, conclui-se que o ganho do
processo era diferente do ponto de operação no qual foi levantado o modelo. Outro teste de
resposta ao degrau foi realizado em um ponto bem próximo ao máximo do moinho. Carregou-se o
controlador com o novo modelo obtendo-se uma operação estável.
Os próximos passos para a sustentabilidade dos resultados foram o treinamento de toda
equipe envolvida na operação da planta de moagem e a avaliação contínua do desempenho do
controle MPC. Algumas estatísticas, como indicadores de variabilidade, percentual do tempo que o
controle MPC está em operação e a alimentação média do moinho, são monitoradas
constantemente para confirmar se a operação do controle avançado está adequada ou não às
necessidades operacionais.
Rotação do 06VT003
Válvula de Gás Quente
Pressão de entrada
Pressão Diferencial
Válvula de Retorno
Rotação do 06VT03
Temperatura na Saída
Temperatura de Entrada
Perturbações
Controladas
304-MPC-001
Pressão
Perturbações
Controladas
304-MPC-002
Temperatura
Restrições
Pressão Diferencial
Pressão de Entrada
Temperatura dos Rolos
Restrições
Alimentação (t/h)
Válvula da Chaminé
FG Controle & Otimização
Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561
82530-270 – Curitiba – PR
(41)3524-3853
www.fgcontrole.com.br
Controle Preditivo na Otimização de Moinho
Secador de Carvão na Indústria de Mineração
Página 8 de 9
Resultados obtidos
Durante o primeiro mês de operação observou-se que a estabilidade do moinho aumentou
significativamente. Mesmo durante os períodos de parada do forno (fonte de gás quente para o
moinho), o moinho conseguia controlar a pressão de entrada e manter a temperatura de saída no
“set-point” de operação, sem reduzir a alimentação média, durante um período de até 30 minutos.
Após esse tempo a temperatura começava a cair e, por consequência a alimentação. É importante
observar que o processo de moagem tinha anteriormente sua operação interrompida
frequentemente durante paradas do forno de endurecimento.
Considerando apenas período após moinho já em funcionamento por pelo menos 30
minutos, foi feita uma comparação estatística entre as variáveis de maior importância para o
moinho para avaliar ganhos relacionados à variabilidade e ao aumento da alimentação média. A
comparação entre o controle preditivo ligado e o controle convencional ligado, utilizando dados
adquiridos durante o período de um mês, mostra que os ganhos são consideráveis (Tabela 1).
Antes Depois Ganho
Alimentação media (ton/h) 23,25 24,97 +7,4%
Desvio na Temperatura de Saída (º C) 3,67 1,48 -59,6%
Desvio na Pressão de Entrada (mbar) 6,82 1,40 -79,5%
Tabela 1 – Redução de variabilidade e aumento de produção média
Os gráficos das figuras 7 A/B são cópias da tela de operação do controlador MPC. A linha
em vermelho mostra a tendência da pressão diferencial do moinho. A área cinza mostra os dados
do instante presente em direção ao passado e a área verde a predição futura calculada. No
instante retratado em 7A o controlador está prevendo que às 11:00 a pressão diferencial estará
em 62,7 mbar caso não aconteça nenhum disturbio não medido. Pode-se ver na figura 7B que a
previsão se concretizou com uma margem pequena de erro, o que caracteriza que os modelos
estão bastante adequados para a aplicação.
Figura 7A - Previsão para a pressão diferencial. Atingirá 62,7mbar às 11:00
FG Controle & Otimização
Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561
82530-270 – Curitiba – PR
(41)3524-3853
www.fgcontrole.com.br
Controle Preditivo na Otimização de Moinho
Secador de Carvão na Indústria de Mineração
Página 9 de 9
Figura 7B - Pressão diferencial em 62,3 mbar às 11:00
Conclusões
A utilização de controle preditivo representou uma excelente oportunidade para atingir níveis
inéditos de estabilidade mesmo em grandes distúrbios. Além disso, o controle preditivo apresentou
um alto nível de confiabilidade e robustez, sendo pouco sensível a mudanças comuns do
processo. O otimizador embutido é o grande diferencial quando aplicado em conjunto com o
controlador. Apenas a redução de variabilidade em si não traz grandes vantagens econômicas
quando não está associada a um aumento de uma produtividade ou redução de algum custo. Esta
ferramenta é fundamental para extrair o máximo de ganhos de uma aplicação de controle
avançado.
É importante destacar o desempenho e a disponibilidade da equipe operacional neste trabalho que
foi fundamental para o sucesso do projeto. A atitude dos operadores, técnicos e engenheiros, em
participar dos testes de identificação, sugerir melhorias no controle, participar das reuniões
ativamente, observar as questões de segurança das pessoas e dos equipamentos envolvidos
durante a implementação deste controle, é digna de elogios e fundamental para que outras áreas
da empresa possam atingir o nível de automação que hoje é realidade na planta de moagem de
carvão.
Ressalta-se a importância da orientação de uma consultoria com experiência no tema como forma
de mostrar os caminhos corretos, abreviar o projeto e obter os melhores resultados.
Finalmente, é extremamente importante estudar aplicações dessa tecnologia em outras partes do
processo produtivo. Existem outros processos na Samarco que, possivelmente, o controle
preditivo tem grande potencial de aplicação e, com certeza, serão estudados futuramente.
Referências
1) Blevins, Terrence, “Advanced Control Unleashed: Plant Performance Management for Optimum Benefit”, Research
Triangle Park, ISA – The International Society of Automation, ISBN 1-55617-815-8.
2) Guimarães, Joaquim F., “Usar Controle Avançado é fácil... e lucrativo!”, Revista Intech Brasil, outubro/2006
(www.fgcontrol.com.br).
3) Guimarães, Joaquim F., “Aplicação de controle multivariável preditivo com otimização em unidade de grande porte”,
Congresso Internacional de Automação Sistemas e Instrumentação (ISA), São Paulo, outubro/2001
(www.fgcontrole.com.br).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Proses pembuatan semen - bahan galian industri
Proses pembuatan semen - bahan galian industriProses pembuatan semen - bahan galian industri
Proses pembuatan semen - bahan galian industri
Bonita Susimah
 
ENRICHMENT IRON BY REDUCTION ROASTING-MAGNETIC SEPARATION.pdf
ENRICHMENT IRON BY REDUCTION ROASTING-MAGNETIC SEPARATION.pdfENRICHMENT IRON BY REDUCTION ROASTING-MAGNETIC SEPARATION.pdf
ENRICHMENT IRON BY REDUCTION ROASTING-MAGNETIC SEPARATION.pdf
Geology Department, Faculty of Science, Tanta University
 
Optimasi spasi pemboran endapan batubara dengan pendekatan geostatistik 2011
Optimasi spasi pemboran endapan batubara dengan pendekatan geostatistik 2011Optimasi spasi pemboran endapan batubara dengan pendekatan geostatistik 2011
Optimasi spasi pemboran endapan batubara dengan pendekatan geostatistik 2011
rudyhendrawan
 
Perfuração
PerfuraçãoPerfuração
Perfuração
Edilson Magaia
 
Tahapanpenambanganbatubara
TahapanpenambanganbatubaraTahapanpenambanganbatubara
Tahapanpenambanganbatubara
yannick99
 
Apostila de pmf 2012 (1)
Apostila de pmf 2012 (1)Apostila de pmf 2012 (1)
Apostila de pmf 2012 (1)
Silvia Garcez
 
Ppt pengecoran logam
Ppt pengecoran logamPpt pengecoran logam
Ppt pengecoran logam
FickySaputra2
 
Bab ii tinjauan umum PTBA
Bab ii tinjauan umum PTBABab ii tinjauan umum PTBA
Bab ii tinjauan umum PTBA
LeonardoSitorus
 
proses pengecoran logam
proses pengecoran logamproses pengecoran logam
proses pengecoran logam
Yudi Hartono
 
Ventilasi untuk miner
Ventilasi untuk minerVentilasi untuk miner
Ventilasi untuk minerUVRI - UKDM
 
Makalah alat berat
Makalah alat beratMakalah alat berat
Makalah alat berat
roni_279
 
Kamus tambang
Kamus tambangKamus tambang
Kamus tambang
Mario Yuven
 
Istilah dalam-pengolahan-bahan-galian referensi kuliah di kampus
Istilah dalam-pengolahan-bahan-galian referensi kuliah di kampusIstilah dalam-pengolahan-bahan-galian referensi kuliah di kampus
Istilah dalam-pengolahan-bahan-galian referensi kuliah di kampus
Aling Syahril
 
Deformação por maclação
Deformação por maclaçãoDeformação por maclação
Deformação por maclação
Antonio Da Silva
 
Processos de fabricação
Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação
Processos de fabricação
Djeison secco
 
Dimensionamento de equipamentos de mina (1)
Dimensionamento de equipamentos de mina (1)Dimensionamento de equipamentos de mina (1)
Dimensionamento de equipamentos de mina (1)
Rafael Silva
 
Rod mill
Rod millRod mill
Aula 15 equipamentos para escavação e compactação e transporte ll
Aula 15 equipamentos para  escavação e compactação e transporte llAula 15 equipamentos para  escavação e compactação e transporte ll
Aula 15 equipamentos para escavação e compactação e transporte ll
Homero Alves de Lima
 
Bahan ajar cnc ppt mesin frais
Bahan ajar cnc ppt mesin fraisBahan ajar cnc ppt mesin frais
Bahan ajar cnc ppt mesin frais
christian tarigan
 
Aula 05 - Tipo de lavras, tratamento de minério.pdf
Aula 05 - Tipo de lavras, tratamento de minério.pdfAula 05 - Tipo de lavras, tratamento de minério.pdf
Aula 05 - Tipo de lavras, tratamento de minério.pdf
eulerdixan
 

Mais procurados (20)

Proses pembuatan semen - bahan galian industri
Proses pembuatan semen - bahan galian industriProses pembuatan semen - bahan galian industri
Proses pembuatan semen - bahan galian industri
 
ENRICHMENT IRON BY REDUCTION ROASTING-MAGNETIC SEPARATION.pdf
ENRICHMENT IRON BY REDUCTION ROASTING-MAGNETIC SEPARATION.pdfENRICHMENT IRON BY REDUCTION ROASTING-MAGNETIC SEPARATION.pdf
ENRICHMENT IRON BY REDUCTION ROASTING-MAGNETIC SEPARATION.pdf
 
Optimasi spasi pemboran endapan batubara dengan pendekatan geostatistik 2011
Optimasi spasi pemboran endapan batubara dengan pendekatan geostatistik 2011Optimasi spasi pemboran endapan batubara dengan pendekatan geostatistik 2011
Optimasi spasi pemboran endapan batubara dengan pendekatan geostatistik 2011
 
Perfuração
PerfuraçãoPerfuração
Perfuração
 
Tahapanpenambanganbatubara
TahapanpenambanganbatubaraTahapanpenambanganbatubara
Tahapanpenambanganbatubara
 
Apostila de pmf 2012 (1)
Apostila de pmf 2012 (1)Apostila de pmf 2012 (1)
Apostila de pmf 2012 (1)
 
Ppt pengecoran logam
Ppt pengecoran logamPpt pengecoran logam
Ppt pengecoran logam
 
Bab ii tinjauan umum PTBA
Bab ii tinjauan umum PTBABab ii tinjauan umum PTBA
Bab ii tinjauan umum PTBA
 
proses pengecoran logam
proses pengecoran logamproses pengecoran logam
proses pengecoran logam
 
Ventilasi untuk miner
Ventilasi untuk minerVentilasi untuk miner
Ventilasi untuk miner
 
Makalah alat berat
Makalah alat beratMakalah alat berat
Makalah alat berat
 
Kamus tambang
Kamus tambangKamus tambang
Kamus tambang
 
Istilah dalam-pengolahan-bahan-galian referensi kuliah di kampus
Istilah dalam-pengolahan-bahan-galian referensi kuliah di kampusIstilah dalam-pengolahan-bahan-galian referensi kuliah di kampus
Istilah dalam-pengolahan-bahan-galian referensi kuliah di kampus
 
Deformação por maclação
Deformação por maclaçãoDeformação por maclação
Deformação por maclação
 
Processos de fabricação
Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação
Processos de fabricação
 
Dimensionamento de equipamentos de mina (1)
Dimensionamento de equipamentos de mina (1)Dimensionamento de equipamentos de mina (1)
Dimensionamento de equipamentos de mina (1)
 
Rod mill
Rod millRod mill
Rod mill
 
Aula 15 equipamentos para escavação e compactação e transporte ll
Aula 15 equipamentos para  escavação e compactação e transporte llAula 15 equipamentos para  escavação e compactação e transporte ll
Aula 15 equipamentos para escavação e compactação e transporte ll
 
Bahan ajar cnc ppt mesin frais
Bahan ajar cnc ppt mesin fraisBahan ajar cnc ppt mesin frais
Bahan ajar cnc ppt mesin frais
 
Aula 05 - Tipo de lavras, tratamento de minério.pdf
Aula 05 - Tipo de lavras, tratamento de minério.pdfAula 05 - Tipo de lavras, tratamento de minério.pdf
Aula 05 - Tipo de lavras, tratamento de minério.pdf
 

Semelhante a Estudo de caso de moinho

ISA 2011 - Francisco Salvador
ISA 2011 - Francisco SalvadorISA 2011 - Francisco Salvador
ISA 2011 - Francisco Salvador
Francisco Salvador
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
tomvgp
 
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAIS
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAISAUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAIS
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAIS
IHM Engenharia
 
PERFIL DE PERDAS ATRIBUIDO AOS MOINHOS DE BOLAS DE UMA USINA DE PELOTIZAÇÃO E...
PERFIL DE PERDAS ATRIBUIDO AOS MOINHOS DE BOLAS DE UMA USINA DE PELOTIZAÇÃO E...PERFIL DE PERDAS ATRIBUIDO AOS MOINHOS DE BOLAS DE UMA USINA DE PELOTIZAÇÃO E...
PERFIL DE PERDAS ATRIBUIDO AOS MOINHOS DE BOLAS DE UMA USINA DE PELOTIZAÇÃO E...
Alice Figueira
 
Operacao e manutencao de sistemas de cogeracao1
Operacao e manutencao de sistemas de cogeracao1Operacao e manutencao de sistemas de cogeracao1
Operacao e manutencao de sistemas de cogeracao1
Pedro Amone
 
Autos - GNV - 59-pratico.pdf
Autos - GNV - 59-pratico.pdfAutos - GNV - 59-pratico.pdf
Autos - GNV - 59-pratico.pdf
BendliveLumorady
 
Processo de pelotização.
Processo de pelotização.Processo de pelotização.
Processo de pelotização.
luciano da silva
 
Nota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicas
Nota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicasNota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicas
Nota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicas
ROGERIO MANTUANI
 
MODERNIZAÇÃO DA SINTERIZAÇÃO DA BELGO ARCELOR - USINA MONLEVADE
MODERNIZAÇÃO DA SINTERIZAÇÃO DA BELGO ARCELOR - USINA MONLEVADEMODERNIZAÇÃO DA SINTERIZAÇÃO DA BELGO ARCELOR - USINA MONLEVADE
MODERNIZAÇÃO DA SINTERIZAÇÃO DA BELGO ARCELOR - USINA MONLEVADE
IHM Engenharia
 
11898 4
11898 411898 4
TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...
TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...
TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...
jordanaveiga
 
Centrais de ar condicionado Artur Rodrigues
Centrais de ar condicionado  Artur RodriguesCentrais de ar condicionado  Artur Rodrigues
Centrais de ar condicionado Artur Rodrigues
Artur César
 
cogeração
cogeraçãocogeração
Treinamento captação de pó
Treinamento captação de póTreinamento captação de pó
Treinamento captação de pó
Sérgio Valadão
 
Umidificação de açúcar
Umidificação de açúcarUmidificação de açúcar
Umidificação de açúcar
Spraying Systems do Brasil
 
Aplicaes 140425105404-phpapp01
Aplicaes 140425105404-phpapp01Aplicaes 140425105404-phpapp01
Aplicaes 140425105404-phpapp01
Luiz Otavio Da Silva Ladeira
 
Aplicações
AplicaçõesAplicações
Aplicações
confidencial
 
Icaro Barbosa - Artigo TCC - Otimização da gestão de paradas de manutenção
Icaro Barbosa - Artigo TCC - Otimização da gestão de paradas de manutençãoIcaro Barbosa - Artigo TCC - Otimização da gestão de paradas de manutenção
Icaro Barbosa - Artigo TCC - Otimização da gestão de paradas de manutenção
Icaro Barbosa
 
Apresentação e defesa do tema atualizado
Apresentação e defesa do tema atualizadoApresentação e defesa do tema atualizado
Apresentação e defesa do tema atualizado
Carlos Wilson Zanchini
 
Compressores.pdf
Compressores.pdfCompressores.pdf
Compressores.pdf
FabinhoGarcia
 

Semelhante a Estudo de caso de moinho (20)

ISA 2011 - Francisco Salvador
ISA 2011 - Francisco SalvadorISA 2011 - Francisco Salvador
ISA 2011 - Francisco Salvador
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
 
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAIS
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAISAUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAIS
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAIS
 
PERFIL DE PERDAS ATRIBUIDO AOS MOINHOS DE BOLAS DE UMA USINA DE PELOTIZAÇÃO E...
PERFIL DE PERDAS ATRIBUIDO AOS MOINHOS DE BOLAS DE UMA USINA DE PELOTIZAÇÃO E...PERFIL DE PERDAS ATRIBUIDO AOS MOINHOS DE BOLAS DE UMA USINA DE PELOTIZAÇÃO E...
PERFIL DE PERDAS ATRIBUIDO AOS MOINHOS DE BOLAS DE UMA USINA DE PELOTIZAÇÃO E...
 
Operacao e manutencao de sistemas de cogeracao1
Operacao e manutencao de sistemas de cogeracao1Operacao e manutencao de sistemas de cogeracao1
Operacao e manutencao de sistemas de cogeracao1
 
Autos - GNV - 59-pratico.pdf
Autos - GNV - 59-pratico.pdfAutos - GNV - 59-pratico.pdf
Autos - GNV - 59-pratico.pdf
 
Processo de pelotização.
Processo de pelotização.Processo de pelotização.
Processo de pelotização.
 
Nota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicas
Nota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicasNota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicas
Nota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicas
 
MODERNIZAÇÃO DA SINTERIZAÇÃO DA BELGO ARCELOR - USINA MONLEVADE
MODERNIZAÇÃO DA SINTERIZAÇÃO DA BELGO ARCELOR - USINA MONLEVADEMODERNIZAÇÃO DA SINTERIZAÇÃO DA BELGO ARCELOR - USINA MONLEVADE
MODERNIZAÇÃO DA SINTERIZAÇÃO DA BELGO ARCELOR - USINA MONLEVADE
 
11898 4
11898 411898 4
11898 4
 
TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...
TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...
TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...
 
Centrais de ar condicionado Artur Rodrigues
Centrais de ar condicionado  Artur RodriguesCentrais de ar condicionado  Artur Rodrigues
Centrais de ar condicionado Artur Rodrigues
 
cogeração
cogeraçãocogeração
cogeração
 
Treinamento captação de pó
Treinamento captação de póTreinamento captação de pó
Treinamento captação de pó
 
Umidificação de açúcar
Umidificação de açúcarUmidificação de açúcar
Umidificação de açúcar
 
Aplicaes 140425105404-phpapp01
Aplicaes 140425105404-phpapp01Aplicaes 140425105404-phpapp01
Aplicaes 140425105404-phpapp01
 
Aplicações
AplicaçõesAplicações
Aplicações
 
Icaro Barbosa - Artigo TCC - Otimização da gestão de paradas de manutenção
Icaro Barbosa - Artigo TCC - Otimização da gestão de paradas de manutençãoIcaro Barbosa - Artigo TCC - Otimização da gestão de paradas de manutenção
Icaro Barbosa - Artigo TCC - Otimização da gestão de paradas de manutenção
 
Apresentação e defesa do tema atualizado
Apresentação e defesa do tema atualizadoApresentação e defesa do tema atualizado
Apresentação e defesa do tema atualizado
 
Compressores.pdf
Compressores.pdfCompressores.pdf
Compressores.pdf
 

Mais de Tiago Gomes

Bomba (1)
Bomba (1)Bomba (1)
Bomba (1)
Tiago Gomes
 
Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)
Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)
Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)
Tiago Gomes
 
Norma astm d2270 apenas a tabela
Norma astm d2270 apenas a tabelaNorma astm d2270 apenas a tabela
Norma astm d2270 apenas a tabela
Tiago Gomes
 
Met quantitativa
Met quantitativa Met quantitativa
Met quantitativa
Tiago Gomes
 
Automação na caracterizacao granulométrica
Automação na caracterizacao granulométricaAutomação na caracterizacao granulométrica
Automação na caracterizacao granulométrica
Tiago Gomes
 
Apostila dt cad 2012
Apostila dt cad 2012Apostila dt cad 2012
Apostila dt cad 2012
Tiago Gomes
 
Capitulo 8 flexão (2)
Capitulo 8   flexão (2)Capitulo 8   flexão (2)
Capitulo 8 flexão (2)
Tiago Gomes
 
Processos de soldagem 3
Processos de soldagem 3Processos de soldagem 3
Processos de soldagem 3
Tiago Gomes
 
Apostila end
Apostila endApostila end
Apostila end
Tiago Gomes
 
Capacidade de britador
Capacidade de britadorCapacidade de britador
Capacidade de britador
Tiago Gomes
 
Elementos de-maquinas - prof moro - ifsc
Elementos de-maquinas - prof moro - ifscElementos de-maquinas - prof moro - ifsc
Elementos de-maquinas - prof moro - ifsc
Tiago Gomes
 
Perspectiva isometrica
Perspectiva isometricaPerspectiva isometrica
Perspectiva isometrica
Tiago Gomes
 
Desenho arquitetônico cortes
Desenho arquitetônico cortesDesenho arquitetônico cortes
Desenho arquitetônico cortes
Tiago Gomes
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
Tiago Gomes
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
Tiago Gomes
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
Tiago Gomes
 
S.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfn
S.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfnS.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfn
S.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfn
Tiago Gomes
 
duplex artigo
duplex artigoduplex artigo
duplex artigo
Tiago Gomes
 

Mais de Tiago Gomes (18)

Bomba (1)
Bomba (1)Bomba (1)
Bomba (1)
 
Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)
Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)
Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)
 
Norma astm d2270 apenas a tabela
Norma astm d2270 apenas a tabelaNorma astm d2270 apenas a tabela
Norma astm d2270 apenas a tabela
 
Met quantitativa
Met quantitativa Met quantitativa
Met quantitativa
 
Automação na caracterizacao granulométrica
Automação na caracterizacao granulométricaAutomação na caracterizacao granulométrica
Automação na caracterizacao granulométrica
 
Apostila dt cad 2012
Apostila dt cad 2012Apostila dt cad 2012
Apostila dt cad 2012
 
Capitulo 8 flexão (2)
Capitulo 8   flexão (2)Capitulo 8   flexão (2)
Capitulo 8 flexão (2)
 
Processos de soldagem 3
Processos de soldagem 3Processos de soldagem 3
Processos de soldagem 3
 
Apostila end
Apostila endApostila end
Apostila end
 
Capacidade de britador
Capacidade de britadorCapacidade de britador
Capacidade de britador
 
Elementos de-maquinas - prof moro - ifsc
Elementos de-maquinas - prof moro - ifscElementos de-maquinas - prof moro - ifsc
Elementos de-maquinas - prof moro - ifsc
 
Perspectiva isometrica
Perspectiva isometricaPerspectiva isometrica
Perspectiva isometrica
 
Desenho arquitetônico cortes
Desenho arquitetônico cortesDesenho arquitetônico cortes
Desenho arquitetônico cortes
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
 
S.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfn
S.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfnS.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfn
S.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfn
 
duplex artigo
duplex artigoduplex artigo
duplex artigo
 

Estudo de caso de moinho

  • 1. FG Controle & Otimização Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561 82530-270 – Curitiba – PR (41)3524-3853 www.fgcontrole.com.br Controle Preditivo na Otimização de Moinho Secador de Carvão na Indústria de Mineração Página 1 de 9 CONTROLE PREDITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE MOINHO SECADOR DE CARVÃO NA INDÚSTRIA DE MINERAÇÃO (Apresentado no Brasil Automation/2010) Luciano França Rocha 1 Cláudio José Barcelos Dal´col 2 Gabriel Queiroz3 Joaquim Ferreira Guimarães Neto 4 Resumo Este trabalho tem como objetivo a redução da variabilidade no processo de moagem de carvão e, principalmente, o aumento da alimentação média do moinho obtido através do otimizador embutido. O carvão é um importante insumo numa planta de pelotização, tendo como uma de suas funções garantir o aporte térmico necessário dentro da pelota, formando as pontes de escória. Além disso, contribui para a redução do consumo de óleo combustível, que, atualmente, tem o custo mais elevado no processo de endurecimento. Na implementação deste controle, foi empregada a técnica de controle preditivo com uma camada de otimização. Na estrutura do controle, foram utilizadas como váriaveis manipuladas três válvulas para realizar o controle do fluxo e da temperatura dos gases, e uma correia alimentadora. O controle preditivo mostrou-se bastante robusto nesta aplicação, que possui distúrbios medidos, não medidos e acoplamento entre variáveis. Também foi observado que não é necessário um modelo muito exato para que o controle tenha um bom desempenho ao longo do tempo, o que caracteriza uma boa robustez mesmo com pequenas mudanças nos modelos dinâmicos do processo a ser controlado. Utilizando a malha de controle em modo automático, foi observada uma redução da variabilidade nas principais variáveis de processo em torno de 70% e um aumento da alimentação média da ordem de 8%. Palavras-chave: Controle Preditivo; Processos; MPC; Otimização. Multivariable predictive control with feed otimization on a coal mill Abstract This work objective the reduction of variability in the coal grinding process and, mainly, an increasing of the average feeding to the coal mill through by the optimizer embedded. The coal is an important additive in a pelletizing plant, providing a necessary thermal contribution in order to guarantee the sintering reactions, forming the scoria bridges. In addition it contributes to the reducing oil consumption that, currently, has the highest cost in the indurating process. In the implementation of this control strategy was used the technical of model predict control and an optimization layer. In the control structure, were used, like manipulated variables, three valves to control the gas flow and temperature, and a feeding conveyor belt. The predictive control technique has been shown very robust at this application, which has measured disturbances, unmeasured disturbances and coupled variables. In addiction, it was observed that is not mandatory an exact model in order to have a good performance in a long term period, that means a good robustness even with little changes in the dynamic process models that need to be controlled. Using the control loop in automatic mode was noticed a reduction 70% in the main process variables and an increasing of 8% in the average feed rate. Key words: Control; Predictive; Automation; Process; MPC; Optimization. 1 Engenheiro de Automação – Samarco Mineração 2 Engenheiro de Automação – Samarco Mineração 3 Técnico de Controle de Processos – Samarco Mineração 4 Consultor em Controle de Processo – FG Controle & Otimização
  • 2. FG Controle & Otimização Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561 82530-270 – Curitiba – PR (41)3524-3853 www.fgcontrole.com.br Controle Preditivo na Otimização de Moinho Secador de Carvão na Indústria de Mineração Página 2 de 9 Este artigo relata a experiência na concepção, desenvolvimento e implementação da tecnologia de Controle Preditivo para a otimização no moinho secador de carvão da planta de pelotização da Samarco Mineração em Ubu/ES. O objetivo da empresa com este projeto era reduzir a variabilidade do processo e aumentar a capacidade média de moagem de carvão. O carvão é um importante insumo numa planta de pelotização, tendo como função garantir o aporte térmico necessário dentro da pelota, formando as pontes de escória e contribuindo para a redução do consumo de óleo combustível, que tem custo elevado no processo de endurecimento do minério. Descrição do Processo e seu Controle O processo de moagem de carvão consiste em alimentar um moinho secador com um material de alta granulometria para adequá-la ao tamanho necessário ao processo dosagem de insumos nas linhas de mistura. O moinho de carvão possui dois rolos de moagem fixos e uma mesa rotativa, onde é acomodado o material que entra para ser moído. Os rolos moedores são permanentemente pressionados contra a mesa giratória, desta forma o material que se encontra dentro do moinho é moído e esmagado entre a mesa e os rolos. Um fluxo de gás quente vindo do forno de endurecimento atravessa o moinho no sentido ascendente e é responsável pela secagem e transporte do carvão. Figura 1- Visão em corte do moinho secador de carvão O material seco e moído é transportado pneumaticamente até um filtro de mangas, onde a separação do ar e do produto é realizada. Após a separação ar/sólido o carvão é transportado via um sistema de transportadores pneumáticos para o silo diário de dosagem.
  • 3. FG Controle & Otimização Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561 82530-270 – Curitiba – PR (41)3524-3853 www.fgcontrole.com.br Controle Preditivo na Otimização de Moinho Secador de Carvão na Indústria de Mineração Página 3 de 9 Figura 2 - Visão geral do fluxo de processo Para que o processo de moagem e secagem do carvão aconteça adequadamente é importante que se controle o fluxo e a temperatura dos gases. A válvula de gás quente é responsável por controlar o volume de gás proveniente do forno de endurecimento na entrada do moinho. A válvula de retorno controla a recirculação de gases e, com isso, a pressão de entrada do moinho tendo uma pequena influência na temperatura de saída, uma vez que este volume de ar reaproveitado tem uma temperatura menor que a temperatura do gás proveniente do forno. A válvula de chaminé controla o volume de gás que é lançado na atmosfera e também pode ser utilizada para controlar a pressão na entrada do moinho, que deve ser sempre negativa em relação à pressão atmosférica. O dumper do ventilador também tem influência nas pressões. Figura 3 – Principais válvulas de controle do moinho No controle convencional do moinho apenas a válvula de retorno e a válvula de gás quente são manipuladas por controladores PID’s, a primeira para controlar a pressão de entrada Valv. Gás Quente Valv. Retorno Valv. Chaminé Dumper
  • 4. FG Controle & Otimização Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561 82530-270 – Curitiba – PR (41)3524-3853 www.fgcontrole.com.br Controle Preditivo na Otimização de Moinho Secador de Carvão na Indústria de Mineração Página 4 de 9 do moinho e a segunda para controlar a temperatura de saída em malhas independentes. O dumper do ventilador é fechado durante a partida e depois disso posicionado em 60%, e a válvula de chaminé é operada manualmente pelo operador e normalmente deixada em torno de 50% de abertura. A alimentação é manipulada por outro PID de modo a controlar a pressão diferencial do moinho. O valor da pressão diferencial está diretamente ligado à quantidade de material circulante dentro do moinho, e acima de determinado limite pode levar a um “embuxamento”. Esta é a pior situação operacional do moinho e ocorre quando a quantidade de material circulante é grande suficiente para impedir o fluxo de gases dentro do moinho, o que causa uma queda brusca da temperatura de saída, um aumento rápido da pressão diferencial e da vibração do moinho. Nesta situação é possível que alguma condição limite de segurança seja violada e consequentemente o moinho pare de operar. Tecnologia de controle Devido às características do processo escolhemos para o desenvolvimento deste projeto a tecnologia de Controle Preditivo com Otimização (MPC). A tecnologia de controle do tipo MPC (Model Predictive Control) é mais utilizada atualmente em aplicações (mais de 10.000 no mundo) com características de dinâmica difíceis (tempo-morto, interagentes, não-linear). Esta tecnologia é ideal para controle em casos de sistemas multivariável, compensação de perturbações medidas (“feed-forward”), controle por restrição (“override”) ou para otimização econômica do processo. O algoritmo MPC tem característica preditiva, ou seja, utiliza um modelo interno do processo para prever o comportamento das variáveis dependentes (CV - controladas ou restrições) ao longo de um horizonte futuro de tempo, em função de variações nas variáveis manipuladas (MV) ou perturbações (DV). Este modelo é gerado por meio de testes de variação na própria unidade de processo. Utilizando as predições futuras das variáveis dependentes, o algoritmo calcula os movimentos necessários nas variáveis manipuladas que minimizem a soma dos erros futuros. Estes erros são equivalentes às diferenças entre os valores previstos e a trajetória desejada para estas variáveis. Figura 4 – Ações do Controle Preditivo O MPC permite a otimização do processo usando uma função objetivo, como para este caso, a maximização de capacidade. O algoritmo calcula os valores dos objetivos (“set-points”) para que a função objetivo seja otimizada respeitando os limites estabelecidos para o processo. Desta forma o processo opera sempre em seu ponto de melhor rendimento econômico. CV Objetivo Valor previsto - Modo manual Valor previsto - Modo automático PresentePassado Futuro MV
  • 5. FG Controle & Otimização Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561 82530-270 – Curitiba – PR (41)3524-3853 www.fgcontrole.com.br Controle Preditivo na Otimização de Moinho Secador de Carvão na Indústria de Mineração Página 5 de 9 A Samarco dispõe desta tecnologia de forma integrada como bloco funcional em seu atual sistema digital de controle (SDCD), usando o mesmo hardware, software e padrões de segurança comuns a todos os outros blocos de controle do sistema. Estas características permitem implementações dos projetos com rapidez, economia e confiabilidade superiores quando comparadas às comumente encontradas em outros sistemas convencionais. Método de Trabalho O correto desenvolvimento de uma aplicação de controle do tipo MPC deve seguir algumas etapas como: 1. Análise do processo; 2. Projeto Funcional e definição da estrutura de controle; 3. Pré-teste e revisão do controle regulatório; 4. Projeto detalhado e configuração do sistema; 5. Testes e identificação do processo; 6. Geração, análise e validação dos modelos; 7. Revisão do projeto e geração do controlador; 8. Sintonia e testes em simulação; 9. Comissionamento e pré-operação. Para o desenvolvimento deste projeto reuniu-se uma equipe multifuncional, envolvendo dois Engº de Automação, um Técnico de Controle de Produção, e um consultor externo com experiência em controle de processos e tecnologia MPC. A importância desta equipe multifuncional reunindo conhecimento de processo, sistemas, controle e especificamente da tecnologia de controle utilizada (MPC), ficou evidenciada no desenvolvimento do projeto, conseguindo-se superar as dificuldades inerentes e obter um ótimo resultado final em tempo compatível. Desenvolvimento do Projeto Durante alguns dias, discutiu-se exaustivamente o processo de moagem, suas características e suas particularidades. O objetivo era obter dados e conhecimento para propor uma estratégia de controle que fosse adequada à otimização do moinho. A primeira proposta foi projetar um controlador único devido às características fortemente interagentes entre as entradas e saídas de processo, com a seguinte estrutura: Controladas Restrições Manipuladas Perturbações Pressão na entrada Temperatura na entrada Taxa de Alimentação Rotação do Ventilador Temperatura na saída Pressão diferencial Válvula de Gás Quente Temperatura dos rolos Válvula de Retorno Válvula da Chaminé Esta abordagem teria o problema de misturar variáveis dependentes (controladas e restrições) com respostas dinâmicas muito diferentes como pressões e temperaturas. O controlador MPC disponível no SDCD, como a grande maioria, usa período de amostragem único para todas as variáveis, proporcional ao tempo de estabilização da variável com dinâmica mais lenta. Isto poderia levar a um controle deficiente para as pressões (variáveis mais rápidas), porém decidiu-se por testar esta estrutura mesmo assim. A instrumentação existente foi previamente verificada e as malhas de controle PID sintonizadas pela equipe de Automação da Samarco. Para quantificação dos modelos foi inicialmente usada uma ferramenta para identificação automática de processo, disponível no SDCD. Esta ferramenta aplica pulsos pseudo-aleatórios
  • 6. FG Controle & Otimização Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561 82530-270 – Curitiba – PR (41)3524-3853 www.fgcontrole.com.br Controle Preditivo na Otimização de Moinho Secador de Carvão na Indústria de Mineração Página 6 de 9 (PRBS) em todas as manipuladas de forma simultânea. Os resultados não foram aceitáveis, apresentando uma baixa correlação com os dados reais e respostas dinâmicas conhecidas do moinho, provavelmente devido à ocorrência de perturbações não medidas durante os testes. Decidiu-se então pela identificação manual do efeito em cada variável de restrição ou controlada, a partir de uma variação em degrau em cada manipulada. Com as malhas de controle em modo manual, esperou-se a estabilização do processo e aplicou-se uma variação em degrau em uma manipulada, repetindo-se o procedimento para todas. Ao final dos testes os dados foram trabalhados matematicamente e forneceram os parâmetros para modelos de primeira ordem em série com um tempo morto. Os parâmetros obtidos são apresentados na Figura 5. Figura 5 – Parâmetros dos modelos identificados Os modelos acima apresentaram grandes diferenças nas dinâmicas (constantes de tempo) das pressões (10 a 20 segundos) e temperaturas (120 a 180 segundos). A pré-operação deste controlador mostrou um comportamento adequado para o controle de temperatura, porém pouco efetivo para o controle da pressão, confirmando nossa suposição inicial. Decidiu-se então revisar a estrutura do controlador de forma a separar os módulos de controle, ou seja, criar um controlador para a pressão e outro para a temperatura. Desta forma, o tempo de amostragem de cada controlador MPC seria adequado a dinâmica de cada variável importante ao controle do moinho. O desacoplamento entre os dois controladores é obtido pelo uso das saídas de controle de um módulo como perturbações do outro. A figura 6 mostra a estrutura de controle definitiva que foi utilizada. Entradas / Saídas de Processo Alimentação Válvula da Chaminé Válvula de Retorno Válvula de Gás Quente TM (s) Kp TS1 (s) TM (s) Kp TS1 (s) TM (s) Kp TS1 (s) TM (s) Kp TS1 (s) Temperatura de Saída 60 -0,47 180 60 0,05 120 60 -0,03 150 60 0,80 120 Temperatura dos Rolos 60 -0,40 180 60 0,02 120 60 -0,01 150 60 0,05 120 Temperatura de Entrada 60 0,05 120 60 -0,30 180 60 0,60 120 Pressão na Entrada 30 0,08 20 5 -0,30 10 5 0,25 10 5 1,30 10 Pressão Diferencial 30 0,08 20 5 0,10 10 5 0,13 10 5 0,70 10
  • 7. FG Controle & Otimização Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561 82530-270 – Curitiba – PR (41)3524-3853 www.fgcontrole.com.br Controle Preditivo na Otimização de Moinho Secador de Carvão na Indústria de Mineração Página 7 de 9 Figura 6 - Estrutura final dos controladores Durante o comissionamento do controlador observou-se alguma instabilidade no controle da pressão diferencial do moinho quando este operava com alimentação próxima ao limite máximo nominal. Como este modelo foi levantado com uma alimentação menor, conclui-se que o ganho do processo era diferente do ponto de operação no qual foi levantado o modelo. Outro teste de resposta ao degrau foi realizado em um ponto bem próximo ao máximo do moinho. Carregou-se o controlador com o novo modelo obtendo-se uma operação estável. Os próximos passos para a sustentabilidade dos resultados foram o treinamento de toda equipe envolvida na operação da planta de moagem e a avaliação contínua do desempenho do controle MPC. Algumas estatísticas, como indicadores de variabilidade, percentual do tempo que o controle MPC está em operação e a alimentação média do moinho, são monitoradas constantemente para confirmar se a operação do controle avançado está adequada ou não às necessidades operacionais. Rotação do 06VT003 Válvula de Gás Quente Pressão de entrada Pressão Diferencial Válvula de Retorno Rotação do 06VT03 Temperatura na Saída Temperatura de Entrada Perturbações Controladas 304-MPC-001 Pressão Perturbações Controladas 304-MPC-002 Temperatura Restrições Pressão Diferencial Pressão de Entrada Temperatura dos Rolos Restrições Alimentação (t/h) Válvula da Chaminé
  • 8. FG Controle & Otimização Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561 82530-270 – Curitiba – PR (41)3524-3853 www.fgcontrole.com.br Controle Preditivo na Otimização de Moinho Secador de Carvão na Indústria de Mineração Página 8 de 9 Resultados obtidos Durante o primeiro mês de operação observou-se que a estabilidade do moinho aumentou significativamente. Mesmo durante os períodos de parada do forno (fonte de gás quente para o moinho), o moinho conseguia controlar a pressão de entrada e manter a temperatura de saída no “set-point” de operação, sem reduzir a alimentação média, durante um período de até 30 minutos. Após esse tempo a temperatura começava a cair e, por consequência a alimentação. É importante observar que o processo de moagem tinha anteriormente sua operação interrompida frequentemente durante paradas do forno de endurecimento. Considerando apenas período após moinho já em funcionamento por pelo menos 30 minutos, foi feita uma comparação estatística entre as variáveis de maior importância para o moinho para avaliar ganhos relacionados à variabilidade e ao aumento da alimentação média. A comparação entre o controle preditivo ligado e o controle convencional ligado, utilizando dados adquiridos durante o período de um mês, mostra que os ganhos são consideráveis (Tabela 1). Antes Depois Ganho Alimentação media (ton/h) 23,25 24,97 +7,4% Desvio na Temperatura de Saída (º C) 3,67 1,48 -59,6% Desvio na Pressão de Entrada (mbar) 6,82 1,40 -79,5% Tabela 1 – Redução de variabilidade e aumento de produção média Os gráficos das figuras 7 A/B são cópias da tela de operação do controlador MPC. A linha em vermelho mostra a tendência da pressão diferencial do moinho. A área cinza mostra os dados do instante presente em direção ao passado e a área verde a predição futura calculada. No instante retratado em 7A o controlador está prevendo que às 11:00 a pressão diferencial estará em 62,7 mbar caso não aconteça nenhum disturbio não medido. Pode-se ver na figura 7B que a previsão se concretizou com uma margem pequena de erro, o que caracteriza que os modelos estão bastante adequados para a aplicação. Figura 7A - Previsão para a pressão diferencial. Atingirá 62,7mbar às 11:00
  • 9. FG Controle & Otimização Rua Pres. Epitácio Pessoa, 561 82530-270 – Curitiba – PR (41)3524-3853 www.fgcontrole.com.br Controle Preditivo na Otimização de Moinho Secador de Carvão na Indústria de Mineração Página 9 de 9 Figura 7B - Pressão diferencial em 62,3 mbar às 11:00 Conclusões A utilização de controle preditivo representou uma excelente oportunidade para atingir níveis inéditos de estabilidade mesmo em grandes distúrbios. Além disso, o controle preditivo apresentou um alto nível de confiabilidade e robustez, sendo pouco sensível a mudanças comuns do processo. O otimizador embutido é o grande diferencial quando aplicado em conjunto com o controlador. Apenas a redução de variabilidade em si não traz grandes vantagens econômicas quando não está associada a um aumento de uma produtividade ou redução de algum custo. Esta ferramenta é fundamental para extrair o máximo de ganhos de uma aplicação de controle avançado. É importante destacar o desempenho e a disponibilidade da equipe operacional neste trabalho que foi fundamental para o sucesso do projeto. A atitude dos operadores, técnicos e engenheiros, em participar dos testes de identificação, sugerir melhorias no controle, participar das reuniões ativamente, observar as questões de segurança das pessoas e dos equipamentos envolvidos durante a implementação deste controle, é digna de elogios e fundamental para que outras áreas da empresa possam atingir o nível de automação que hoje é realidade na planta de moagem de carvão. Ressalta-se a importância da orientação de uma consultoria com experiência no tema como forma de mostrar os caminhos corretos, abreviar o projeto e obter os melhores resultados. Finalmente, é extremamente importante estudar aplicações dessa tecnologia em outras partes do processo produtivo. Existem outros processos na Samarco que, possivelmente, o controle preditivo tem grande potencial de aplicação e, com certeza, serão estudados futuramente. Referências 1) Blevins, Terrence, “Advanced Control Unleashed: Plant Performance Management for Optimum Benefit”, Research Triangle Park, ISA – The International Society of Automation, ISBN 1-55617-815-8. 2) Guimarães, Joaquim F., “Usar Controle Avançado é fácil... e lucrativo!”, Revista Intech Brasil, outubro/2006 (www.fgcontrol.com.br). 3) Guimarães, Joaquim F., “Aplicação de controle multivariável preditivo com otimização em unidade de grande porte”, Congresso Internacional de Automação Sistemas e Instrumentação (ISA), São Paulo, outubro/2001 (www.fgcontrole.com.br).