SlideShare uma empresa Scribd logo
Mecanismos de Desgaste
O desgaste é um processo de degradação de um material quando em serviço.
Está presente em diferentes situações, onde ocorre a perda progressiva de material a partir
da superfície, por contato ou movimento relativo de um sólido, em relação a outro sólido,
líquido ou gás. Assim, equipamentos com partes móveis, como mancais de deslizamento,
rotores de bombas, válvulas tipo esféricas e, sofrem desgaste. Como resultado, as
empresas gastam um enorme montante de dinheiro com a recuperação de peças,
recuperação de equipamentos e perdas de produção
A causa e os mecanismos que provocam o desgaste em materiais são muito
variados, e devem ser abordados dentro de uma maior complexidade, definida pelo
sistema tribológico. O sistema tribológico engloba a superfície que sofre o desgaste, o
agente de desgaste e o meio em que as partes envolvidas estão atuando. O balanço de
energia na interface de contato é provavelmente a mais importante informação, e tem
considerável influência no tipo de mecanismo de desgaste. Para determinados
mecanismos, dureza e tenacidade à fratura são propriedades consideradas as mais
importantes para fazer frente a solicitações que provocam desgaste.
Para desenvolver uma solução que elimine ou reduza o nível de desgaste de uma
superfície é necessário ter o conhecimento dos mecanismos de desgaste que estão
atuando. O objetivo desse artigo é apresentar como atuam os mecanismos de desgaste e
como eles agem sobre as superfícies de peças e equipamentos.
Desgaste
Desgaste é o dano gerado a uma superfície sólida, usualmente envolvendo perda
progressiva de material devido ao movimento relativo entre aquela superfície e uma
substância contatante ou substancias. Segundo Zum Ghar, “existem somente dois modos
de remover material de uma superfície: o material pode ser dissolvido da superfície
como em uma reação química ou material pode ser fraturado da superfície. As peças de
máquinas e equipamentos não desgastam-se simplesmente. Elas se desgastam em vários
modos que são diferentes em:
- aparência;
- mecanismo;
- solução
Antes de propor uma solução para um problema de desgaste é necessário
identificar-se o tipo ou modo de desgaste causando o problema. O desconhecimento do
que está ocasionando o desgaste de superfícies pode fazer com que uma empresa perca
tempo em dinheiro em soluções que não vão resolver o problema.
O objetivo é:
- definir os modos de desgaste mais importantes;
- mostrar suas manifestações;
- resumir o que se sabe sobre os mecanismos que controlam estes modos de
desgaste.
Na literatura técnica é comum se encontrar diversos termos para definir os mesmos
mecanismos de desgaste, o que pode causar certa confusão de entendimento dos modos
de desgaste para a proposição de uma solução. Pode-se afirmar que os desgastes são
classificados em 4 categorias: desgaste por abrasão, desgaste por erosão, desgaste por
adesão e desgaste por fadiga superficial. A seguir vai ser dada uma explicação de cada
uma delas.
1 – Desgaste por abrasão
Desgaste produzido por partículas duras ou protuberâncias forçadas contra e
movendo-se ao longo de uma superfície sólida. O termo duro significa que a substância
produzindo o desgaste é realmente mais dura que a superfície sendo danificada por
desgaste. Um qualificador adicional é que as partículas que causam o desgaste
usualmente têm cantos agudos para produzir um corte ou ação cisalhante no sólido que
está sendo submetido ao desgaste. O desgaste por abrasão pode ainda ser dividido em
duas categorias: desgaste por abrasão em alta e em baixa tensão.
1.1 Desgaste por abrasão em baixa tensão: A superfície apresenta-se ranhurada
(como arada). Partículas duras e agudas ou uma outra superfície aguda e dura como que
fresa (ou ara) material para formar canais profundos. Neste tipo de desgaste pode-se
estabelecer o critério que as forças devem ser baixas o suficiente para não causar a
trituração do abrasivo. Exemplos desse tipo de desgaste por abrasão são os mancais de
deslizamento quando atuam em ambientes sujos, roscas transportadoras, equipamentos de
mineração, equipamentos da indústria de cimento, peças de máquinas agrícolas, etc.
Características da abrasão à baixas tensões:
1. Taxas de abrasão aumentam com o aumento da agudeza do abrasivo.
2. Taxas de abrasão diminuem a medida que a dureza da superfície submetida a
abrasão aumenta.
3. Taxas de abrasão diminuem com a redução do tamanho do abrasivo. Abaixo de
um tamanho de partícula de 3µm, cessa o desgaste abrasivo; desgaste por polimento
começa e não ocorre mais a formação de micro-junções.
4. A taxa de abrasão é diretamente proporcional a distância de deslizamento e à
carga sobre as partículas ou protuberâncias.
5. Taxas de abrasão aumentam muito se a dureza do abrasivo for mais de duas
vezes a dureza da superfície sofrendo abrasão.
6. A microestrura dos metais afeta a abrasão, a presença de micro constituinte duros
diminui a abrasão.
7. Abrasivos fixos produzem maior abrasão do que em sistema de três corpos
(lapidação) onde as partículas duras podem rolar.
8. Elastômeros têm maior resistência a abrasão à baixas tensões que metais, pois
deformam-se elasticamente.
9. Cerâmicos e cermets (metais duros) podem ter resistência efetiva a abrasão à
baixas tensões se a cerâmica é mais dura que o abrasivo e se a fração das fases duras no
cermet é significante.
1.2 Abrasão à altas tensões
O desgaste por abrasão com altas tensões caracteriza-se pelo arranhamento,
deformação plástica e crateras (buracos ou „pits“) marcados na superfície. Normalmente
esse tipo de desgaste é mais severo e produz deformações plásticas e ranhuras profundas
na direção do movimento.
Características:
Similares as da Abrasão à baixas tensões. Porém a resistência a compressão da
superfície se torna mais importante. Para resistir a este tipo de desgaste a resistência a
compressão da superfície deve ser maior do que aquela do abrasivo.
Exemplos: Fresamento de minerais, rolos ou esferas rolando sobre pistas de
rolamento sujo, equipamento de movimentação de terra, utilização de implementos
agrícolas em solos duros, sistemas de deslizamento de metais contra metais com carga
elevada ocorrendo em ambientes sujos.
2. Erosão
2.1 Erosão por Choque de sólido (Solid Particle impingement) Continua sucessão
de impactos de partículas sólidas sobre uma superfície. As partículas impactantes são
muito menores do que a superfície submetida a erosão.
O exemplo mais severo desse tipo de desgaste é o jateamento erosivo.
Esse mecanismo de desgaste pode envolver simplesmente deformação plástica com
cada partícula formando uma cratera ou pode haver remoção de cavaco. No jateamento
abrasivo a cratera produzida poderá reproduzir o formato do fluxo com a formação de
uma cratera de mesmo tamanho e bordas arredondadas.
Alguns fatores que devem ser considerados quando existe impacto repetido:
- A taxa de remoção de material (w) é proporcional ao tipo de partícula, tamanho,
(m, massa), velocidade (v), fluxo de partículas, e fluência, e é inversamente proporcional
a dureza da superfície submetida à erosão:
W=(mv2/H)*k, onde “k” é uma função do ângulo de incidência e da natureza das
partículas, (algumas vezes é aplicado um expoente ao termo de dureza).
- Partículas duras e agudas produzem as taxas mais altas
- Materiais dúcteis como metais moles mostram uma taxa de erosão máxima com
um ângulo de incidência de 15 a 30 graus.
- Cerâmicas e aços ferramentas com alta dureza: 90°.
Quando a remoção é por fratura.
- O expoente da velocidade pode variar até 6.
- O grau de erosão diminui com o tamanho das partículas (menor que 1µm quase
não há erosão)
2.2 Cavitação
Cavitação é a perda progressiva de material de um sólido devido a ação de bolhas
em um líquido colapsando próximo a superfície deste sólido. Cria jatos de líquidos muito
pequenos para preencher o espaço vazio. Pode causar a remoção de camadas passivas
levando a um mecanismo combinado de corrosão. Existe um período de incubação e após
um regime estável. Metais que tem um alto limite de resistência e uma camada passiva
tenaz são os mais resistentes.
Exemplos. Qualquer sistema de bombeamento ou propulsor. Propulsores de navios,
tubulações, sistemas de mistura, agitadores ultra sônicos.
2.3 Erosão por lodo (slurry erosion)
Ação de um mistura de partículas sólidas em um líquido (lodo) em movimento com
respeito a superfície sólidas. A corrosão, se presente, gera partículas abrasiva e mais
corrosão pela abrasão de filmes protetores. As partículas devem estar em suspensão.
Normalmente seus tamanhos variam entre 10µm ate vários milímetros. Muitas vezes é
necessário se utilizar partes substituíveis em curvas. Exemplos: tubulações de
bombeamento, bombas, sistemas de flotação mineral, agitadores, equipamento de
manuseio com cimento.
2.4 Jatos Líquidos
Remoção de material progressiva pela ação de impacto de um fluido contra uma
superfície. Mecanismo similar à erosão sólida. Dependem do tamanho das gotas,
velocidade, ângulo e fluxo. Se o fluxo é de baixa velocidade o mecanismo principal pode
ser somente corrosão, mas quando a velocidade aumenta há efeito erosivo com remoção
de possíveis camadas passivas protetoras. Materiais resilientes são adequados
(elastômeros, principalmente borracha natural). Para metais é desejável camada passiva
tenaz e resistência a compressão alta. Exemplo: Gotas de chuva contra aeronaves,
ventiladores para exaustão de gotas líquidas, dispositivos hipersônicos guiando líquidos,
palhetas de turbina.
3. Adesão
3.1 Fretting Fatigue
Movimento oscilatório de pequena amplitude entre duas superfícies. É usualmente
tangencial e não intencional. Geralmente ocorre entre peças para as quais não há previsão
de movimento relativo. O desgaste inicia-se por adesão microscópica. Uma vez que a
superfície é piorada o desgaste progride por formação de “pitting“. Geralmente é
desconsiderado, mas torna-se importante quando o pitting gera uma falha por fadiga.
3.2 Fretting corrosion:
As junções fraturadas reagem com o oxigênio ou ambiente para formar óxidos ou
outros compostos, aumentando taxas de desgaste.
Fatores a serem considerados:
1. Metais ferrosos com Fretting corrosion ao ar, oxidam de ferro (alfa) com dureza
de aprox. 500Hv é produzido.
2. Efeito da carga não é diretamente proporcional
3. Amplitude de movimento de 10 a 300µm. Dano aumenta com a amplitude.
4. Aumenta com altas freqüência, mas somente devido ao aumento de percurso
total.
5. Ambiente determina se ocorrerá Fretting fatigue ou Fretting Corrosion
6. Nenhum material é imune (metais, plásticos, cerâmicos e mesmo elastômeros).
Melhor maneira de evitar é evitar o movimento relativo. Exemplos: Engrenagens
presas a eixos, rolamentos presos a eixos, peças de metal vibrando em trânsito.
3.3 Desgaste Adesivo
Devido a junção localizada entre superfícies sólidas em contato, levando a
transferência de material entre as duas superfícies ou perda de uma delas. Sólidos têm a
tendência de se unir. Na vida real, todas as superfícies perfeitamente limpas têm áreas nas
suas superfícies que estão em intimo contato de tal modo que há uma tendência a junção.
A adesão ocorre nos contatos de asperezas. A área real de contato entre superfícies é
aprox. 1/10.000 da área aparente. A pressão sobre as asperezas que suportam o contato
pode ser extremamente alta. Deformação plástica pode ocorrer e algumas asperezas terão
tal contato intimo que a adesão pode ocorrer. O desgaste adesivo ocorre quanto as
junções formadas neste processo deformam–se plasticamente, transferem-se ou fraturam.
O desgaste adesivo é a fase de iniciação de quase todos os sistemas de desgaste de
escorregamento à seco, mas a medida que o desgaste progride ele se torna de modo
misto. Desde que outras formas de desgaste podem estar co-atuando com o desgaste
adesivo, é preferível se referir a esta forma de desgaste em outros termos, como desgaste
metal – metal, etc…
Equação básica de Archard:
W= kLP/H
W= taxas de desgaste (volume /tempo ou distância)
K = coeficiente para o sistema (sem dimensões)
P = força normal no membro deslizante
H = Dureza do membro mais macio no par de materiais.
As taxas de desgaste podem ser reduzidas em várias ordens de grandeza através da
utilização de lubrificação;
Também pode ser reduzida por uma ordem de grandeza usando-se materiais
dissimilares. Em sistemas não lubrificados o desgaste pode ser reduzido em três ordens
de grandeza num sistema metal em um não metal. Exemplos: Engrenagens, cames,
pistões, parafusos, etc..
3.3 Emperramento (Seizure)
Soldagem local em estado sólido pode ser parte do mecanismo. A causa mais
freqüente é a perda de folga para deslizamento por erro de projeto (dilatações) ou por
crescimento de partícula de desgaste entre elas. A melhor solução é uso de folgas
adequadas e lubrificação.
Exemplos, pistões em cilindros, válvulas, mecanismos deslizante que são usados
muito raramente.
3.4 Galling
Na Europa é chamado Scuffing. Dano à um ou ambos membros em um sistema
sólido – sólido, causado por deformação plástica macroscópica da área aparente de
contato, levando a formação de excrescência por transferência ou adesão.
Se um par é propenso a galling, o dano pode ocorrer já após uma viajem.
Não há leis para prever ou maneiras de medir a resistência ao Galling. (somente
teste). Exemplos: Peças deslizantes ajustadas, Válvulas plug, válvulas gaveta, membros
de sistemas deslizantes não lubrificados altamente carregados.
3.5 Desgate Oxidativo
Superfícies deslizantes reagem com seu ambiente para formar filmes de óxidos que
separam as superfícies e mantém a taxa de desgaste baixa. Observado comumente entre
aços num sistema não lubrificado e com baixa carga. Desgaste oxidativo inicia com
adesão, e a taxa de remoção é relativamente alta. A medida que os filmes de óxido se
formam, as taxas de desgaste diminuem Também chamado “mild wear“.
Lubrificação
Exemplos. Sistemas deslizantes secos, partes deslizantes em máquinas ferramenta,
partes deslizantes em fornos, componentes difíceis de lubrificar, etc.
4. Fadiga Superficial
4.1 Desgaste por Cratera (pitting wear) Pitting
Pode ocorrer em inúmeros processos, como por exemplo, cavitação e fretting.
Pitting é definido como a remoção ou deslocamento de material por uma ação de fadiga
para formar cavidade na superfície. Esforços repetitivos por deslizamento ou rolamento
causam trincas subsuperficiais que crescem em direção a superfície para produzir uma
fratura em uma área local da superfície.
Carbonetos massivos concentram tensões que facilitam a formação de trincas
subsuperficiais. Exemplos Rolamentos, engrenagens, cames, etc..
4.2 Lascamentos (Spalling)
Partículas fraturam da superfície na forma de escamas. Surge dos mesmos
mecanismos que Pitting.Comum em peças revestidas.
Examplos: cames e engrenagens revestidas, endurecimento superficial muito fino
em cames e engrenagens, válvula, etc.
4.3 Desgaste por Impacto
Impacto repetitivo entre duas superfícies produzindo dano e remoção de material.
Mecanismos é usualmente a deformação plástica, mas quando repetitivo pode
ocorrer pitting ou lascamento ou dano por fretting.
Exemplo : Martelo, furadeiras pneumáticas, batentes,
etc…
4.4 Brinelling
A origem do termo é provavelmente da similaridade desta forma de dano a uma
endentação de dureza Brinell. Deformação plástica localizada por aplicação de carga
estática. Exemplo: Sobrecargas em superfícies concordantes, em rodas sobre trilhos, em
rolamentos, peça de maquinário pesada transportada em estrada esburacada, fechamento
inadvertido de moldes de injeção de plástico com plástico em excesso.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Materiais nao ferrosos.pptx
Aula Materiais nao ferrosos.pptxAula Materiais nao ferrosos.pptx
Aula Materiais nao ferrosos.pptx
Miguel Jose
 
Extrusão
Extrusão Extrusão
Extrusão
vanessa maria
 
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1   ensaios mecânicos e end - introduçãoAula 1   ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introdução
Alex Leal
 
Desgaste abrasivo - parte 2
Desgaste abrasivo - parte 2Desgaste abrasivo - parte 2
Đồ-án-Lựa-chọn-vật-liệu cuối.docx
Đồ-án-Lựa-chọn-vật-liệu cuối.docxĐồ-án-Lựa-chọn-vật-liệu cuối.docx
Đồ-án-Lựa-chọn-vật-liệu cuối.docx
TnThaSc
 
97104570 relatorio-de-ensaio-liquido-penetrante
97104570 relatorio-de-ensaio-liquido-penetrante97104570 relatorio-de-ensaio-liquido-penetrante
97104570 relatorio-de-ensaio-liquido-penetrante
Robson Cunha
 
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos
Profjorge Silva
 
Falha ou ruptura nos metais
Falha ou ruptura nos metaisFalha ou ruptura nos metais
Falha ou ruptura nos metais
edmarluis
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
henriq23
 
Abnt nbr iso 4287 rugosidade - método do perfil - termos, definições e par...
Abnt nbr iso 4287    rugosidade - método do perfil - termos, definições e par...Abnt nbr iso 4287    rugosidade - método do perfil - termos, definições e par...
Abnt nbr iso 4287 rugosidade - método do perfil - termos, definições e par...
Robsoncn
 
Tribologia e cinemática
Tribologia e cinemáticaTribologia e cinemática
Tribologia e cinemática
Claudemir Reis
 
Cominuição: Moagem
Cominuição: MoagemCominuição: Moagem
Cominuição: Moagem
Thiago Meira
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
Joana Ferreira
 
Rugosidade superficial.ppt
Rugosidade superficial.pptRugosidade superficial.ppt
Rugosidade superficial.ppt
VagnerRodriguesDosSa1
 
Ensaio metal
Ensaio metalEnsaio metal
Ensaio metal
luizjustinosj
 
01 fluidos de corte
01 fluidos de corte01 fluidos de corte
01 fluidos de corte
Uanderson Marques da Silva
 
Peneiramento
PeneiramentoPeneiramento
Peneiramento
Thiago Meira
 
Aula 13 ferros fundidos nodulares
Aula 13   ferros fundidos nodularesAula 13   ferros fundidos nodulares
Aula 13 ferros fundidos nodulares
Ronald Vasconcelos
 
Potências de corte artigo
Potências de corte   artigoPotências de corte   artigo
Potências de corte artigo
Stéfano Bellote
 
Aula 1 estruturas-madeira_tracao
Aula 1 estruturas-madeira_tracaoAula 1 estruturas-madeira_tracao
Aula 1 estruturas-madeira_tracao
Marcio Araujo Mortoni Silva
 

Mais procurados (20)

Aula Materiais nao ferrosos.pptx
Aula Materiais nao ferrosos.pptxAula Materiais nao ferrosos.pptx
Aula Materiais nao ferrosos.pptx
 
Extrusão
Extrusão Extrusão
Extrusão
 
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1   ensaios mecânicos e end - introduçãoAula 1   ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introdução
 
Desgaste abrasivo - parte 2
Desgaste abrasivo - parte 2Desgaste abrasivo - parte 2
Desgaste abrasivo - parte 2
 
Đồ-án-Lựa-chọn-vật-liệu cuối.docx
Đồ-án-Lựa-chọn-vật-liệu cuối.docxĐồ-án-Lựa-chọn-vật-liệu cuối.docx
Đồ-án-Lựa-chọn-vật-liệu cuối.docx
 
97104570 relatorio-de-ensaio-liquido-penetrante
97104570 relatorio-de-ensaio-liquido-penetrante97104570 relatorio-de-ensaio-liquido-penetrante
97104570 relatorio-de-ensaio-liquido-penetrante
 
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos
37473822 prevencao-da-corrosao-em-elementos-metalicos
 
Falha ou ruptura nos metais
Falha ou ruptura nos metaisFalha ou ruptura nos metais
Falha ou ruptura nos metais
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
Abnt nbr iso 4287 rugosidade - método do perfil - termos, definições e par...
Abnt nbr iso 4287    rugosidade - método do perfil - termos, definições e par...Abnt nbr iso 4287    rugosidade - método do perfil - termos, definições e par...
Abnt nbr iso 4287 rugosidade - método do perfil - termos, definições e par...
 
Tribologia e cinemática
Tribologia e cinemáticaTribologia e cinemática
Tribologia e cinemática
 
Cominuição: Moagem
Cominuição: MoagemCominuição: Moagem
Cominuição: Moagem
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Rugosidade superficial.ppt
Rugosidade superficial.pptRugosidade superficial.ppt
Rugosidade superficial.ppt
 
Ensaio metal
Ensaio metalEnsaio metal
Ensaio metal
 
01 fluidos de corte
01 fluidos de corte01 fluidos de corte
01 fluidos de corte
 
Peneiramento
PeneiramentoPeneiramento
Peneiramento
 
Aula 13 ferros fundidos nodulares
Aula 13   ferros fundidos nodularesAula 13   ferros fundidos nodulares
Aula 13 ferros fundidos nodulares
 
Potências de corte artigo
Potências de corte   artigoPotências de corte   artigo
Potências de corte artigo
 
Aula 1 estruturas-madeira_tracao
Aula 1 estruturas-madeira_tracaoAula 1 estruturas-madeira_tracao
Aula 1 estruturas-madeira_tracao
 

Semelhante a Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)

Apostila lubrificantes e lubrificação
Apostila   lubrificantes e lubrificaçãoApostila   lubrificantes e lubrificação
Apostila lubrificantes e lubrificação
Vanessa Gabriela
 
Trefilacao
Trefilacao   Trefilacao
Trefilacao
Angela Guerra
 
Brunimento
BrunimentoBrunimento
Brunimento
Renan Ribeiro
 
Usinagem prof daniel aula 07
Usinagem  prof daniel   aula 07Usinagem  prof daniel   aula 07
Usinagem prof daniel aula 07
Daniel Alves de Andrade
 
Concretos refratarios
Concretos refratariosConcretos refratarios
Concretos refratarios
Geraldo Martins
 
Retificação
RetificaçãoRetificação
Retificação
Rogger Antunes
 
O desgaste de componentes e equipamentos
O desgaste de componentes e equipamentosO desgaste de componentes e equipamentos
O desgaste de componentes e equipamentos
Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies
 
Manutencao mecanica
Manutencao mecanicaManutencao mecanica
Manutencao mecanica
Airton José Monteiro
 
Manutencao mecanica
Manutencao mecanicaManutencao mecanica
Manutencao mecanica
Lilson Silva
 
Desgaste por deslizamento - parte 2
Desgaste por deslizamento - parte 2Desgaste por deslizamento - parte 2
Desgaste por deslizamento - parte 2
Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies
 
Ferrametnas de corte rev01
Ferrametnas de corte rev01Ferrametnas de corte rev01
Ferrametnas de corte rev01
Luana Martins
 
12 aula corrosão tanque e purgadores
12 aula corrosão tanque e purgadores12 aula corrosão tanque e purgadores
12 aula corrosão tanque e purgadores
Homero Alves de Lima
 
Desgaste abrasivo
Desgaste abrasivoDesgaste abrasivo
Mecanismos de endurecimento
Mecanismos de endurecimentoMecanismos de endurecimento
Mecanismos de endurecimento
elizethalves
 
Corrosão sob tensão
Corrosão sob tensãoCorrosão sob tensão
Corrosão sob tensão
Virginia
 
propriedades mecânicas metálicas.pdf
propriedades mecânicas metálicas.pdfpropriedades mecânicas metálicas.pdf
propriedades mecânicas metálicas.pdf
MarclioDQuintela
 
Analise de fratura (1)
Analise de fratura (1)Analise de fratura (1)
Analise de fratura (1)
Douglas Birkheuer
 
Princípios básicos da Tribologia - atrito.pptx
Princípios básicos da Tribologia - atrito.pptxPrincípios básicos da Tribologia - atrito.pptx
Princípios básicos da Tribologia - atrito.pptx
edinhocad
 
Rectificação mecânica
Rectificação mecânicaRectificação mecânica
Rectificação mecânica
pinhata
 
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressãoAula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Alex Leal
 

Semelhante a Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1) (20)

Apostila lubrificantes e lubrificação
Apostila   lubrificantes e lubrificaçãoApostila   lubrificantes e lubrificação
Apostila lubrificantes e lubrificação
 
Trefilacao
Trefilacao   Trefilacao
Trefilacao
 
Brunimento
BrunimentoBrunimento
Brunimento
 
Usinagem prof daniel aula 07
Usinagem  prof daniel   aula 07Usinagem  prof daniel   aula 07
Usinagem prof daniel aula 07
 
Concretos refratarios
Concretos refratariosConcretos refratarios
Concretos refratarios
 
Retificação
RetificaçãoRetificação
Retificação
 
O desgaste de componentes e equipamentos
O desgaste de componentes e equipamentosO desgaste de componentes e equipamentos
O desgaste de componentes e equipamentos
 
Manutencao mecanica
Manutencao mecanicaManutencao mecanica
Manutencao mecanica
 
Manutencao mecanica
Manutencao mecanicaManutencao mecanica
Manutencao mecanica
 
Desgaste por deslizamento - parte 2
Desgaste por deslizamento - parte 2Desgaste por deslizamento - parte 2
Desgaste por deslizamento - parte 2
 
Ferrametnas de corte rev01
Ferrametnas de corte rev01Ferrametnas de corte rev01
Ferrametnas de corte rev01
 
12 aula corrosão tanque e purgadores
12 aula corrosão tanque e purgadores12 aula corrosão tanque e purgadores
12 aula corrosão tanque e purgadores
 
Desgaste abrasivo
Desgaste abrasivoDesgaste abrasivo
Desgaste abrasivo
 
Mecanismos de endurecimento
Mecanismos de endurecimentoMecanismos de endurecimento
Mecanismos de endurecimento
 
Corrosão sob tensão
Corrosão sob tensãoCorrosão sob tensão
Corrosão sob tensão
 
propriedades mecânicas metálicas.pdf
propriedades mecânicas metálicas.pdfpropriedades mecânicas metálicas.pdf
propriedades mecânicas metálicas.pdf
 
Analise de fratura (1)
Analise de fratura (1)Analise de fratura (1)
Analise de fratura (1)
 
Princípios básicos da Tribologia - atrito.pptx
Princípios básicos da Tribologia - atrito.pptxPrincípios básicos da Tribologia - atrito.pptx
Princípios básicos da Tribologia - atrito.pptx
 
Rectificação mecânica
Rectificação mecânicaRectificação mecânica
Rectificação mecânica
 
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressãoAula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
 

Mais de Tiago Gomes

Bomba (1)
Bomba (1)Bomba (1)
Bomba (1)
Tiago Gomes
 
Norma astm d2270 apenas a tabela
Norma astm d2270 apenas a tabelaNorma astm d2270 apenas a tabela
Norma astm d2270 apenas a tabela
Tiago Gomes
 
Met quantitativa
Met quantitativa Met quantitativa
Met quantitativa
Tiago Gomes
 
Estudo de caso de moinho
Estudo de caso de moinhoEstudo de caso de moinho
Estudo de caso de moinho
Tiago Gomes
 
Automação na caracterizacao granulométrica
Automação na caracterizacao granulométricaAutomação na caracterizacao granulométrica
Automação na caracterizacao granulométrica
Tiago Gomes
 
Apostila dt cad 2012
Apostila dt cad 2012Apostila dt cad 2012
Apostila dt cad 2012
Tiago Gomes
 
Capitulo 8 flexão (2)
Capitulo 8   flexão (2)Capitulo 8   flexão (2)
Capitulo 8 flexão (2)
Tiago Gomes
 
Processos de soldagem 3
Processos de soldagem 3Processos de soldagem 3
Processos de soldagem 3
Tiago Gomes
 
Apostila end
Apostila endApostila end
Apostila end
Tiago Gomes
 
Capacidade de britador
Capacidade de britadorCapacidade de britador
Capacidade de britador
Tiago Gomes
 
Elementos de-maquinas - prof moro - ifsc
Elementos de-maquinas - prof moro - ifscElementos de-maquinas - prof moro - ifsc
Elementos de-maquinas - prof moro - ifsc
Tiago Gomes
 
Perspectiva isometrica
Perspectiva isometricaPerspectiva isometrica
Perspectiva isometrica
Tiago Gomes
 
Desenho arquitetônico cortes
Desenho arquitetônico cortesDesenho arquitetônico cortes
Desenho arquitetônico cortes
Tiago Gomes
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
Tiago Gomes
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
Tiago Gomes
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
Tiago Gomes
 
S.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfn
S.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfnS.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfn
S.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfn
Tiago Gomes
 
duplex artigo
duplex artigoduplex artigo
duplex artigo
Tiago Gomes
 

Mais de Tiago Gomes (18)

Bomba (1)
Bomba (1)Bomba (1)
Bomba (1)
 
Norma astm d2270 apenas a tabela
Norma astm d2270 apenas a tabelaNorma astm d2270 apenas a tabela
Norma astm d2270 apenas a tabela
 
Met quantitativa
Met quantitativa Met quantitativa
Met quantitativa
 
Estudo de caso de moinho
Estudo de caso de moinhoEstudo de caso de moinho
Estudo de caso de moinho
 
Automação na caracterizacao granulométrica
Automação na caracterizacao granulométricaAutomação na caracterizacao granulométrica
Automação na caracterizacao granulométrica
 
Apostila dt cad 2012
Apostila dt cad 2012Apostila dt cad 2012
Apostila dt cad 2012
 
Capitulo 8 flexão (2)
Capitulo 8   flexão (2)Capitulo 8   flexão (2)
Capitulo 8 flexão (2)
 
Processos de soldagem 3
Processos de soldagem 3Processos de soldagem 3
Processos de soldagem 3
 
Apostila end
Apostila endApostila end
Apostila end
 
Capacidade de britador
Capacidade de britadorCapacidade de britador
Capacidade de britador
 
Elementos de-maquinas - prof moro - ifsc
Elementos de-maquinas - prof moro - ifscElementos de-maquinas - prof moro - ifsc
Elementos de-maquinas - prof moro - ifsc
 
Perspectiva isometrica
Perspectiva isometricaPerspectiva isometrica
Perspectiva isometrica
 
Desenho arquitetônico cortes
Desenho arquitetônico cortesDesenho arquitetônico cortes
Desenho arquitetônico cortes
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
 
S.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfn
S.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfnS.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfn
S.bugat 2001 dbnrrfnthmm dfnrtfn
 
duplex artigo
duplex artigoduplex artigo
duplex artigo
 

Mecanismos desgaste-erosao-abrasao-corrosao (1)

  • 1. Mecanismos de Desgaste O desgaste é um processo de degradação de um material quando em serviço. Está presente em diferentes situações, onde ocorre a perda progressiva de material a partir da superfície, por contato ou movimento relativo de um sólido, em relação a outro sólido, líquido ou gás. Assim, equipamentos com partes móveis, como mancais de deslizamento, rotores de bombas, válvulas tipo esféricas e, sofrem desgaste. Como resultado, as empresas gastam um enorme montante de dinheiro com a recuperação de peças, recuperação de equipamentos e perdas de produção A causa e os mecanismos que provocam o desgaste em materiais são muito variados, e devem ser abordados dentro de uma maior complexidade, definida pelo sistema tribológico. O sistema tribológico engloba a superfície que sofre o desgaste, o agente de desgaste e o meio em que as partes envolvidas estão atuando. O balanço de energia na interface de contato é provavelmente a mais importante informação, e tem considerável influência no tipo de mecanismo de desgaste. Para determinados mecanismos, dureza e tenacidade à fratura são propriedades consideradas as mais importantes para fazer frente a solicitações que provocam desgaste. Para desenvolver uma solução que elimine ou reduza o nível de desgaste de uma superfície é necessário ter o conhecimento dos mecanismos de desgaste que estão atuando. O objetivo desse artigo é apresentar como atuam os mecanismos de desgaste e como eles agem sobre as superfícies de peças e equipamentos. Desgaste Desgaste é o dano gerado a uma superfície sólida, usualmente envolvendo perda progressiva de material devido ao movimento relativo entre aquela superfície e uma substância contatante ou substancias. Segundo Zum Ghar, “existem somente dois modos
  • 2. de remover material de uma superfície: o material pode ser dissolvido da superfície como em uma reação química ou material pode ser fraturado da superfície. As peças de máquinas e equipamentos não desgastam-se simplesmente. Elas se desgastam em vários modos que são diferentes em: - aparência; - mecanismo; - solução Antes de propor uma solução para um problema de desgaste é necessário identificar-se o tipo ou modo de desgaste causando o problema. O desconhecimento do que está ocasionando o desgaste de superfícies pode fazer com que uma empresa perca tempo em dinheiro em soluções que não vão resolver o problema. O objetivo é: - definir os modos de desgaste mais importantes; - mostrar suas manifestações; - resumir o que se sabe sobre os mecanismos que controlam estes modos de desgaste. Na literatura técnica é comum se encontrar diversos termos para definir os mesmos mecanismos de desgaste, o que pode causar certa confusão de entendimento dos modos de desgaste para a proposição de uma solução. Pode-se afirmar que os desgastes são classificados em 4 categorias: desgaste por abrasão, desgaste por erosão, desgaste por adesão e desgaste por fadiga superficial. A seguir vai ser dada uma explicação de cada uma delas.
  • 3. 1 – Desgaste por abrasão Desgaste produzido por partículas duras ou protuberâncias forçadas contra e movendo-se ao longo de uma superfície sólida. O termo duro significa que a substância produzindo o desgaste é realmente mais dura que a superfície sendo danificada por desgaste. Um qualificador adicional é que as partículas que causam o desgaste usualmente têm cantos agudos para produzir um corte ou ação cisalhante no sólido que está sendo submetido ao desgaste. O desgaste por abrasão pode ainda ser dividido em duas categorias: desgaste por abrasão em alta e em baixa tensão. 1.1 Desgaste por abrasão em baixa tensão: A superfície apresenta-se ranhurada (como arada). Partículas duras e agudas ou uma outra superfície aguda e dura como que fresa (ou ara) material para formar canais profundos. Neste tipo de desgaste pode-se estabelecer o critério que as forças devem ser baixas o suficiente para não causar a trituração do abrasivo. Exemplos desse tipo de desgaste por abrasão são os mancais de deslizamento quando atuam em ambientes sujos, roscas transportadoras, equipamentos de mineração, equipamentos da indústria de cimento, peças de máquinas agrícolas, etc.
  • 4. Características da abrasão à baixas tensões: 1. Taxas de abrasão aumentam com o aumento da agudeza do abrasivo. 2. Taxas de abrasão diminuem a medida que a dureza da superfície submetida a abrasão aumenta. 3. Taxas de abrasão diminuem com a redução do tamanho do abrasivo. Abaixo de um tamanho de partícula de 3µm, cessa o desgaste abrasivo; desgaste por polimento começa e não ocorre mais a formação de micro-junções. 4. A taxa de abrasão é diretamente proporcional a distância de deslizamento e à carga sobre as partículas ou protuberâncias. 5. Taxas de abrasão aumentam muito se a dureza do abrasivo for mais de duas vezes a dureza da superfície sofrendo abrasão. 6. A microestrura dos metais afeta a abrasão, a presença de micro constituinte duros diminui a abrasão. 7. Abrasivos fixos produzem maior abrasão do que em sistema de três corpos (lapidação) onde as partículas duras podem rolar. 8. Elastômeros têm maior resistência a abrasão à baixas tensões que metais, pois deformam-se elasticamente. 9. Cerâmicos e cermets (metais duros) podem ter resistência efetiva a abrasão à baixas tensões se a cerâmica é mais dura que o abrasivo e se a fração das fases duras no cermet é significante.
  • 5. 1.2 Abrasão à altas tensões O desgaste por abrasão com altas tensões caracteriza-se pelo arranhamento, deformação plástica e crateras (buracos ou „pits“) marcados na superfície. Normalmente esse tipo de desgaste é mais severo e produz deformações plásticas e ranhuras profundas na direção do movimento. Características: Similares as da Abrasão à baixas tensões. Porém a resistência a compressão da superfície se torna mais importante. Para resistir a este tipo de desgaste a resistência a compressão da superfície deve ser maior do que aquela do abrasivo. Exemplos: Fresamento de minerais, rolos ou esferas rolando sobre pistas de rolamento sujo, equipamento de movimentação de terra, utilização de implementos agrícolas em solos duros, sistemas de deslizamento de metais contra metais com carga elevada ocorrendo em ambientes sujos.
  • 6. 2. Erosão 2.1 Erosão por Choque de sólido (Solid Particle impingement) Continua sucessão de impactos de partículas sólidas sobre uma superfície. As partículas impactantes são muito menores do que a superfície submetida a erosão. O exemplo mais severo desse tipo de desgaste é o jateamento erosivo. Esse mecanismo de desgaste pode envolver simplesmente deformação plástica com cada partícula formando uma cratera ou pode haver remoção de cavaco. No jateamento abrasivo a cratera produzida poderá reproduzir o formato do fluxo com a formação de uma cratera de mesmo tamanho e bordas arredondadas. Alguns fatores que devem ser considerados quando existe impacto repetido: - A taxa de remoção de material (w) é proporcional ao tipo de partícula, tamanho, (m, massa), velocidade (v), fluxo de partículas, e fluência, e é inversamente proporcional a dureza da superfície submetida à erosão: W=(mv2/H)*k, onde “k” é uma função do ângulo de incidência e da natureza das partículas, (algumas vezes é aplicado um expoente ao termo de dureza). - Partículas duras e agudas produzem as taxas mais altas - Materiais dúcteis como metais moles mostram uma taxa de erosão máxima com um ângulo de incidência de 15 a 30 graus. - Cerâmicas e aços ferramentas com alta dureza: 90°.
  • 7. Quando a remoção é por fratura. - O expoente da velocidade pode variar até 6. - O grau de erosão diminui com o tamanho das partículas (menor que 1µm quase não há erosão) 2.2 Cavitação Cavitação é a perda progressiva de material de um sólido devido a ação de bolhas em um líquido colapsando próximo a superfície deste sólido. Cria jatos de líquidos muito pequenos para preencher o espaço vazio. Pode causar a remoção de camadas passivas levando a um mecanismo combinado de corrosão. Existe um período de incubação e após um regime estável. Metais que tem um alto limite de resistência e uma camada passiva tenaz são os mais resistentes. Exemplos. Qualquer sistema de bombeamento ou propulsor. Propulsores de navios, tubulações, sistemas de mistura, agitadores ultra sônicos. 2.3 Erosão por lodo (slurry erosion) Ação de um mistura de partículas sólidas em um líquido (lodo) em movimento com respeito a superfície sólidas. A corrosão, se presente, gera partículas abrasiva e mais corrosão pela abrasão de filmes protetores. As partículas devem estar em suspensão. Normalmente seus tamanhos variam entre 10µm ate vários milímetros. Muitas vezes é necessário se utilizar partes substituíveis em curvas. Exemplos: tubulações de bombeamento, bombas, sistemas de flotação mineral, agitadores, equipamento de manuseio com cimento.
  • 8. 2.4 Jatos Líquidos Remoção de material progressiva pela ação de impacto de um fluido contra uma superfície. Mecanismo similar à erosão sólida. Dependem do tamanho das gotas, velocidade, ângulo e fluxo. Se o fluxo é de baixa velocidade o mecanismo principal pode ser somente corrosão, mas quando a velocidade aumenta há efeito erosivo com remoção de possíveis camadas passivas protetoras. Materiais resilientes são adequados (elastômeros, principalmente borracha natural). Para metais é desejável camada passiva tenaz e resistência a compressão alta. Exemplo: Gotas de chuva contra aeronaves, ventiladores para exaustão de gotas líquidas, dispositivos hipersônicos guiando líquidos, palhetas de turbina.
  • 9. 3. Adesão 3.1 Fretting Fatigue Movimento oscilatório de pequena amplitude entre duas superfícies. É usualmente tangencial e não intencional. Geralmente ocorre entre peças para as quais não há previsão de movimento relativo. O desgaste inicia-se por adesão microscópica. Uma vez que a superfície é piorada o desgaste progride por formação de “pitting“. Geralmente é desconsiderado, mas torna-se importante quando o pitting gera uma falha por fadiga. 3.2 Fretting corrosion: As junções fraturadas reagem com o oxigênio ou ambiente para formar óxidos ou outros compostos, aumentando taxas de desgaste. Fatores a serem considerados: 1. Metais ferrosos com Fretting corrosion ao ar, oxidam de ferro (alfa) com dureza de aprox. 500Hv é produzido. 2. Efeito da carga não é diretamente proporcional 3. Amplitude de movimento de 10 a 300µm. Dano aumenta com a amplitude. 4. Aumenta com altas freqüência, mas somente devido ao aumento de percurso total. 5. Ambiente determina se ocorrerá Fretting fatigue ou Fretting Corrosion 6. Nenhum material é imune (metais, plásticos, cerâmicos e mesmo elastômeros).
  • 10. Melhor maneira de evitar é evitar o movimento relativo. Exemplos: Engrenagens presas a eixos, rolamentos presos a eixos, peças de metal vibrando em trânsito. 3.3 Desgaste Adesivo Devido a junção localizada entre superfícies sólidas em contato, levando a transferência de material entre as duas superfícies ou perda de uma delas. Sólidos têm a tendência de se unir. Na vida real, todas as superfícies perfeitamente limpas têm áreas nas suas superfícies que estão em intimo contato de tal modo que há uma tendência a junção. A adesão ocorre nos contatos de asperezas. A área real de contato entre superfícies é aprox. 1/10.000 da área aparente. A pressão sobre as asperezas que suportam o contato pode ser extremamente alta. Deformação plástica pode ocorrer e algumas asperezas terão tal contato intimo que a adesão pode ocorrer. O desgaste adesivo ocorre quanto as junções formadas neste processo deformam–se plasticamente, transferem-se ou fraturam. O desgaste adesivo é a fase de iniciação de quase todos os sistemas de desgaste de escorregamento à seco, mas a medida que o desgaste progride ele se torna de modo misto. Desde que outras formas de desgaste podem estar co-atuando com o desgaste adesivo, é preferível se referir a esta forma de desgaste em outros termos, como desgaste metal – metal, etc… Equação básica de Archard: W= kLP/H W= taxas de desgaste (volume /tempo ou distância) K = coeficiente para o sistema (sem dimensões) P = força normal no membro deslizante
  • 11. H = Dureza do membro mais macio no par de materiais. As taxas de desgaste podem ser reduzidas em várias ordens de grandeza através da utilização de lubrificação; Também pode ser reduzida por uma ordem de grandeza usando-se materiais dissimilares. Em sistemas não lubrificados o desgaste pode ser reduzido em três ordens de grandeza num sistema metal em um não metal. Exemplos: Engrenagens, cames, pistões, parafusos, etc.. 3.3 Emperramento (Seizure) Soldagem local em estado sólido pode ser parte do mecanismo. A causa mais freqüente é a perda de folga para deslizamento por erro de projeto (dilatações) ou por crescimento de partícula de desgaste entre elas. A melhor solução é uso de folgas adequadas e lubrificação. Exemplos, pistões em cilindros, válvulas, mecanismos deslizante que são usados muito raramente. 3.4 Galling Na Europa é chamado Scuffing. Dano à um ou ambos membros em um sistema sólido – sólido, causado por deformação plástica macroscópica da área aparente de contato, levando a formação de excrescência por transferência ou adesão. Se um par é propenso a galling, o dano pode ocorrer já após uma viajem.
  • 12. Não há leis para prever ou maneiras de medir a resistência ao Galling. (somente teste). Exemplos: Peças deslizantes ajustadas, Válvulas plug, válvulas gaveta, membros de sistemas deslizantes não lubrificados altamente carregados. 3.5 Desgate Oxidativo Superfícies deslizantes reagem com seu ambiente para formar filmes de óxidos que separam as superfícies e mantém a taxa de desgaste baixa. Observado comumente entre aços num sistema não lubrificado e com baixa carga. Desgaste oxidativo inicia com adesão, e a taxa de remoção é relativamente alta. A medida que os filmes de óxido se formam, as taxas de desgaste diminuem Também chamado “mild wear“. Lubrificação Exemplos. Sistemas deslizantes secos, partes deslizantes em máquinas ferramenta, partes deslizantes em fornos, componentes difíceis de lubrificar, etc.
  • 13. 4. Fadiga Superficial 4.1 Desgaste por Cratera (pitting wear) Pitting Pode ocorrer em inúmeros processos, como por exemplo, cavitação e fretting. Pitting é definido como a remoção ou deslocamento de material por uma ação de fadiga para formar cavidade na superfície. Esforços repetitivos por deslizamento ou rolamento causam trincas subsuperficiais que crescem em direção a superfície para produzir uma fratura em uma área local da superfície. Carbonetos massivos concentram tensões que facilitam a formação de trincas subsuperficiais. Exemplos Rolamentos, engrenagens, cames, etc.. 4.2 Lascamentos (Spalling) Partículas fraturam da superfície na forma de escamas. Surge dos mesmos mecanismos que Pitting.Comum em peças revestidas. Examplos: cames e engrenagens revestidas, endurecimento superficial muito fino em cames e engrenagens, válvula, etc.
  • 14. 4.3 Desgaste por Impacto Impacto repetitivo entre duas superfícies produzindo dano e remoção de material. Mecanismos é usualmente a deformação plástica, mas quando repetitivo pode ocorrer pitting ou lascamento ou dano por fretting. Exemplo : Martelo, furadeiras pneumáticas, batentes, etc… 4.4 Brinelling A origem do termo é provavelmente da similaridade desta forma de dano a uma endentação de dureza Brinell. Deformação plástica localizada por aplicação de carga estática. Exemplo: Sobrecargas em superfícies concordantes, em rodas sobre trilhos, em rolamentos, peça de maquinário pesada transportada em estrada esburacada, fechamento inadvertido de moldes de injeção de plástico com plástico em excesso.