SlideShare uma empresa Scribd logo
Instalações prediais
hidrossanitárias
Aula 08 – INSTALAÇÃO DE GAS
INSTALAÇÃO PREDIAL DE GÁS
 Normas:
 NBR 13932/97 - Instalações internas de gás liquefeito de petróleo (GLP) - Projeto e execução
 NBR 13933/97 - Instalações internas de gás natural (GN) - Projeto e execução
 NBR 14570/00 - Instalações internas para uso alternativo dos gases GN e GLP - Projeto e execução
 NBR 15526/13 - Redes de distribuição interna para gases combustíveis em instalações residenciais e
comerciais — Projeto e execução
 NBR 6493/94 - Emprego de cores para identificação de tubulações
 COMGÁS – Regulamento de instalação prediais – gás
 (http://www.comgas.com.br/pt/nossosServicos/orientacaoConstrucoes/Paginas/orientacao-
construcoes.aspx)
 Materiais e recomendações gerais
 Dimensionamento
 Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências.
Cancelada
Cancelada
Cancelada
Em vigor
TIPOS DE GASES
 Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são:
 GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) Botijões
 GN (Gás Natural)
 GNV (Gás Natural Veicular)
www.anp.gov.br
TIPOS DE GASES
 Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são:
 GN (Gás Natural)
Associado
Aquele que, no reservatório geológico, se encontra dissolvido no
petróleo ou sob a forma de uma capa de gás. Neste caso,
normalmente privilegia-se a produção inicial do óleo,
utilizando-se o gás para manter a pressão do reservatório.
Aquele que está livre do óleo e da água no reservatório; sua
concentração é predominante na camada rochosa, permitindo a
produção basicamente de gás natural.
Não associado
www.anp.gov.br
TIPOS DE GASES
 Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são:
 GNV (Gás Natural Veicular)
 O Gás Natural Veicular (GNV) é uma mistura
combustível gasosa, proveniente do gás natural ou
do biometano, destinada ao uso veicular e cujo
componente principal é o metano. Os cilindros de
armazenamento de GNV são dimensionados para
suportar a alta pressão à qual o gás é submetido.
Na revenda, a máxima pressão é limitada em 22,0
MPa. A qualidade do GNV é a mesma conferida
para o GN.
 Do ponto de vista ambiental, social e econômico, o
gás natural parece ser a melhor solução disponível
atualmente para o transporte sustentável. O uso de
GNV traz uma redução direta na emissão de gases
de efeito estufa e emissões regulamentadas
usando praticamente os mesmos tipos de veículos
na estrada.
Gas Natural
Biometano
www.anp.gov.br
TIPOS DE GASES
 Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são:
 GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) Botijões
Petrobras
NBR 15526 - Redes de distribuição interna para gases
combustíveis em instalações residenciais e comerciais —
Projeto e execução
Definições
 3.29 recomenda - expressão utilizada para indicar que entre várias possibilidades uma é mais
apropriada, sem com isto excluir outras, ou que um certo modo de proceder é preferível, mas não
necessariamente exigível, ou ainda, na forma negativa, outra possibilidade é desaconselhável,
mas não proibida.
 3.30 rede de distribuição interna - conjunto de tubulações, medidores, reguladores e válvulas, com
os necessários complementos, destinados à condução e ao uso do gás, compreendido entre o
limite de propriedade até os pontos de utilização, com pressão de operação não superior a 150
kPa (1,53 kgf/cm²)
Documentação
 Para a rede de distribuição interna recomenda-se que sejam providenciados, pelo seu
responsável, os seguintes documentos:
 a) projeto e memorial de cálculo, incluindo isométrico da rede, identificação dos materiais,
diâmetro e comprimento da tubulação, tipo e localização de válvulas e acessórios, tipo de gás a
que se destina;
 a) atualização do projeto conforme construído (“as built”);
 b) laudo do ensaio de estanqueidade;
 c) registro de liberação da rede para utilização em carga;
 d) anotação de responsabilidade técnica (ART) de elaboração do projeto, da execução da
instalação e do ensaio de estanqueidade;
 e) anotação de responsabilidade técnica (ART) de inspeção ou manutenção (modificação e
extensão de instalação), quando houver.
As Built é uma expressão inglesa que significa
“como construído”.
Tubos
Para a execução da rede de distribuição interna
 a) tubos de condução de aço-carbono, com ou sem costura, conforme
ABNT NBR 5580 no mínimo classe média, ABNT NBR 5590 no mínimo
classe normal, API 5-L grau A com espessura mínima correspondente a
SCH40 conforme ASME/ANSI B36.10M;
 b) tubos de condução de cobre rígido, sem costura, conforme ABNT NBR
13206;
 c) tubo de condução de cobre flexível, sem costura, classes 2 ou 3,
conforme ABNT NBR 14745;
 d) tubo de condução de polietileno (PE80 ou PE100), para redes
enterradas conforme ABNT NBR 14462, somente utilizado em trechos
enterrados e externos às projeções horizontais das edificações
Conexões / Elementos para interligação / Válvulas
de bloqueio / Reguladores de pressão
ADAPTADOR FIXO FEMEA
LUVA TEE JOELHO
VÁLVULA SEGURANÇA VÁLVULA ESFERAADAPTADOR FIXO MACHO
Levantamento de consumo de gás
 Deve ser levantado o perfi l de consumo de gás, com relação aos aparelhos a gás a serem
utilizados, de forma a se determinar o consumo máximo instantâneo da rede de distribuição
interna.
 Para efeito do estabelecimento do consumo máximo instantâneo, deve ser considerado o poder
calorífico inferior (PCI).
 Pode ser também considerada eventual simultaneidade dos consumos na rede de distribuição
interna, bem como previsão para aumento de demanda futura.
Observar
 a) disponibilidade e fl exibilidade de fornecimento de gás combustível atual e futuro (levantar junto às empresas
autorizadas a distribuir gás as regiões nas quais diversos tipos de gases estarão disponíveis para os consumidores, e
dimensionar a rede de distribuição para esta condição);
 b) previsão para acréscimo de demanda associado aos aparelhos a gás combustível (analisar a possibilidade de projetar
a rede para outros aparelhos a gás frente às características sociais, climáticas, de costumes e outros);
 c) existência de legislação local referente à instalação de rede e uso de gases combustíveis (aplicar as exigências das
legislações locais nos projetos, construção e operação).
 A pressão da rede de distribuição interna dentro das unidades habitacionais deve ser limitada a 7,5 kPa.
PCI Densidade relativa ao ar
GN 8.600 kcal/m³ 0,6
GLP 24.000 kcal/m³ 1,8
Considerar
 a) perda de carga máxima admitida para trecho de rede que alimenta diretamente um aparelho a gás: 10%
da pressão de operação, devendo ser respeitada a faixa de pressão de funcionamento do aparelho a gás;
 b) perda de carga máxima admitida para trecho de rede que alimenta um regulador de pressão: 30% da
pressão de operação, devendo ser respeitada a faixa de pressão de funcionamento do regulador de
pressão;
 c) velocidade máxima admitida para a rede: 20 m/s
Condições gerais
Permitido
a. aparente (instalada com elementos
adequados);
b. embutida em paredes ou muros; (recomenda-
se evitar percursos horizontais ao longo dos
mesmos);
c. enterrada.
Negado
 a) duto em atividade (ventilação de ar-condicionado,
produtos residuais, exaustão, chaminés etc.);
 b) cisterna e reservatório de água;
 c) compartimento de equipamento ou dispositivo
elétrico (painéis elétricos, subestação, outros);
 d) depósito de combustível inflamável;
 e) elementos estruturais (lajes, pilares, vigas);
 f) espaços fechados que possibilitem o acúmulo de
gás eventualmente vazado;
 g) poço ou vazio de elevador.
 É proibida a utilização de tubulações de gás como
condutor ou aterramento elétrico.
Condições gerais
a. Aparente
b. Embutida em paredes ou muros
a. Pode atravessar elementos estruturais, desde que não exista
o contato entre a tubulação e os elementos estruturais
c. Enterrada
a. Afastamento de 0,30m de tubulações e estruturas
b. 0,30m locais não sujeitos a tráfego de veículos, em zonas
ajardinadas ou sujeitas a escavações
c. 0,50m locais sujeitos a tráfego de veículos
d. 5,00m entrada de energia elétrica
Ex - Dimensionamento –
levantamento do consumo
1º Equipamentos
2º Localização medidor
A
B
CDE
C’
D’
B’
Pressão de entrada
2,74 kPa
Coluna 1 – Nomear os trechos
Coluna 2 – Determinar a potencia computada
Dimensionamento –
levantamento do consumo
Fogão 6 bocas com forno
Aquecedor de passagem
15l/min
Lareira a gás
Aquecedor de Ambiente
a Gás
Potência
11.000 kcal/h
22.000 kcal/h
7.000 kcal/h
2.730 kCal/h
Equipamento
Dimensionamento – Fator de simultaneidade
Fator de
simultaneidade
Coluna 3 – Transformar em kcal/min
Coluna 4 – Determina o fator de simultaniedade
Dimensionamento –
levantamento do consumo
Nota: Para uma unidade habitacional não se aplica o
fatos de simultaneidade, portanto a potencia adotada é
igual a potencia computada.
Coluna 5 – Calcula a potencia adotada
Coluna 6 – Determina a vazão
𝑄 =
𝐴
𝑃𝐶𝐼
Nota: Pode ser determinado a vazão pelo fabricante e
ou determinada pela formula.
A
B
CDE
C’
D’
B’
AB
1 joelho 90
1 RG
BB’
1 Tee saída lateral
2 joelho 90
1 RG
BC
1 Tee passagem direta
CC’
1 Tee saída lateral
2 joelho 90
1 RG
CD
1 Tee passagem direta
DE
1 Tee Passagem direta
2 joelho 90
1 RG
DD’
1 Tee saída lateral
2 joelho 90
1 RG
5.1.6.7 Adotar um diâmetro interno inicial (D) para determinação do comprimento equivalente total (L) da
tubulação considerando-se os trechos retos somados aos comprimentos equivalentes de conexões e válvulas de
acordo com informações dos fabricantes.
Distribuição 22mm
Pontos de uso 15mm
Coluna 7 – Medir no projeto
Coluna 8 – Peças especiais e
comprimento equivalente
Coluna 10 – Medir no projeto
Coluna 8 – Peças especiais e
comprimento equivalente
Coluna 9 – Comprimento total
Coluna 11 – Determinar o diâmetro
inicial
Coluna 12 – Diâmetro Interno
Dimensionamento –
levantamento do consumo
Δ𝑃 = 𝑃𝐴 − 𝑃𝐵
𝐺𝐿𝑃 𝑃𝐴 − 𝑃𝐵 = 2273 . 𝑆 . 𝐿 .
𝑄1,82
𝐷4,82 [𝑘𝑃𝑎]
𝐺𝑁 𝑄0,9
= 0,0222 .
𝐻 . 𝐷4,8
𝑆0,8 . 𝐿
0,5
[𝑘𝑃𝑎]
Coluna 13 – Perda de carga de operação (USO)
Coluna 14 – Variação de pressão nos trechos verticais
∆𝑃 = 1,318 . 10−2
. 𝐻 . 𝑆 − 1 [𝑘𝑃𝑎]
𝐺𝐿𝑃 𝐺𝑁
Dimensionamento –
levantamento do consumo
Coluna 15 – Perda de carga total = coluna 13 + coluna 14
Coluna 16 – Pressão de entrega depois do medidor Coluna 17 – Coluna 16 – coluna 15
Coluna 18 – Pressão manométrica de operação
Perda de carga máxima admitida para trecho de rede que alimenta diretamente um aparelho a gás: 10 %
da pressão de operação, devendo ser respeitada a faixa de pressão de funcionamento do aparelho a gás;
Coluna 20 – Cálculo de velocidade
1 kPa = 101,971621298 kgf/m²Coluna 19 – Transformar kPa em kgf/m²
𝑉 = 354 . 𝑄 . 𝑃 + 1,033 −1 . 𝐷−2 [𝑚/𝑠]
Determinar o tipo de rede de distribuição

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vazão máxima admissível em tubulação de PVC
Vazão máxima admissível em tubulação de PVCVazão máxima admissível em tubulação de PVC
Vazão máxima admissível em tubulação de PVC
Pool Shop Piscinas Ltda
 
Abrigo de-gas-4-cilindros-de-45 kg-pdf
Abrigo de-gas-4-cilindros-de-45 kg-pdfAbrigo de-gas-4-cilindros-de-45 kg-pdf
Abrigo de-gas-4-cilindros-de-45 kg-pdf
Greison Nogueira
 
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Aula 2   componentes sistema predial de esgotoAula 2   componentes sistema predial de esgoto
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Claudio Santos
 
Gas 45kg
Gas 45kgGas 45kg
Gas 45kg
alanmotas
 
Projeto de esgoto
Projeto de esgotoProjeto de esgoto
Projeto de esgoto
Ricardo Deboni
 
Aula 24 trocadores-de-calor
Aula 24 trocadores-de-calorAula 24 trocadores-de-calor
Aula 24 trocadores-de-calor
Sidiane Iltchenco
 
Aula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água friaAula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água fria
Andréa Camara
 
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações HidraulicasDimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Guilherme Camargos
 
NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999
UNIFIA
 
3662715454cdgfgf
3662715454cdgfgf3662715454cdgfgf
3662715454cdgfgf
Marc Souza
 
Nt 28 2014-gas-liquefeito-de-petroleo-parte-1-manipulacao-utilizacao-e-centra...
Nt 28 2014-gas-liquefeito-de-petroleo-parte-1-manipulacao-utilizacao-e-centra...Nt 28 2014-gas-liquefeito-de-petroleo-parte-1-manipulacao-utilizacao-e-centra...
Nt 28 2014-gas-liquefeito-de-petroleo-parte-1-manipulacao-utilizacao-e-centra...
waltermoreira
 
NBR 10844/1989
NBR 10844/1989NBR 10844/1989
NBR 10844/1989
UNIFIA
 
Nbr10897 sprinklers
Nbr10897   sprinklersNbr10897   sprinklers
Nbr10897 sprinklers
Edimilson de Jesus Lana
 
Vasos de pressao (3)
Vasos de pressao (3)Vasos de pressao (3)
Vasos de pressao (3)
Jupira Silva
 
Calculo rede de hidrantes
Calculo rede de hidrantesCalculo rede de hidrantes
Calculo rede de hidrantes
luck1973
 
NBR 5626/1998
NBR 5626/1998NBR 5626/1998
NBR 5626/1998
UNIFIA
 
Aula 4 dimensionamento
Aula 4   dimensionamentoAula 4   dimensionamento
Aula 4 dimensionamento
Anderson Barroso Silva
 
46468277 procedimento-de-tubulacao
46468277 procedimento-de-tubulacao46468277 procedimento-de-tubulacao
46468277 procedimento-de-tubulacao
alexromfx
 
Geração de vapor
Geração de  vaporGeração de  vapor
Geração de vapor
Vava Vava
 
Guia orientativo para elaboracao de projeto eletrico residencial
Guia orientativo para elaboracao de projeto eletrico residencialGuia orientativo para elaboracao de projeto eletrico residencial
Guia orientativo para elaboracao de projeto eletrico residencial
Ranieri Abrantes Sarmento
 

Mais procurados (20)

Vazão máxima admissível em tubulação de PVC
Vazão máxima admissível em tubulação de PVCVazão máxima admissível em tubulação de PVC
Vazão máxima admissível em tubulação de PVC
 
Abrigo de-gas-4-cilindros-de-45 kg-pdf
Abrigo de-gas-4-cilindros-de-45 kg-pdfAbrigo de-gas-4-cilindros-de-45 kg-pdf
Abrigo de-gas-4-cilindros-de-45 kg-pdf
 
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Aula 2   componentes sistema predial de esgotoAula 2   componentes sistema predial de esgoto
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
 
Gas 45kg
Gas 45kgGas 45kg
Gas 45kg
 
Projeto de esgoto
Projeto de esgotoProjeto de esgoto
Projeto de esgoto
 
Aula 24 trocadores-de-calor
Aula 24 trocadores-de-calorAula 24 trocadores-de-calor
Aula 24 trocadores-de-calor
 
Aula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água friaAula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água fria
 
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações HidraulicasDimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
 
NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999
 
3662715454cdgfgf
3662715454cdgfgf3662715454cdgfgf
3662715454cdgfgf
 
Nt 28 2014-gas-liquefeito-de-petroleo-parte-1-manipulacao-utilizacao-e-centra...
Nt 28 2014-gas-liquefeito-de-petroleo-parte-1-manipulacao-utilizacao-e-centra...Nt 28 2014-gas-liquefeito-de-petroleo-parte-1-manipulacao-utilizacao-e-centra...
Nt 28 2014-gas-liquefeito-de-petroleo-parte-1-manipulacao-utilizacao-e-centra...
 
NBR 10844/1989
NBR 10844/1989NBR 10844/1989
NBR 10844/1989
 
Nbr10897 sprinklers
Nbr10897   sprinklersNbr10897   sprinklers
Nbr10897 sprinklers
 
Vasos de pressao (3)
Vasos de pressao (3)Vasos de pressao (3)
Vasos de pressao (3)
 
Calculo rede de hidrantes
Calculo rede de hidrantesCalculo rede de hidrantes
Calculo rede de hidrantes
 
NBR 5626/1998
NBR 5626/1998NBR 5626/1998
NBR 5626/1998
 
Aula 4 dimensionamento
Aula 4   dimensionamentoAula 4   dimensionamento
Aula 4 dimensionamento
 
46468277 procedimento-de-tubulacao
46468277 procedimento-de-tubulacao46468277 procedimento-de-tubulacao
46468277 procedimento-de-tubulacao
 
Geração de vapor
Geração de  vaporGeração de  vapor
Geração de vapor
 
Guia orientativo para elaboracao de projeto eletrico residencial
Guia orientativo para elaboracao de projeto eletrico residencialGuia orientativo para elaboracao de projeto eletrico residencial
Guia orientativo para elaboracao de projeto eletrico residencial
 

Semelhante a Instalação de sistema de distribuição de gas em edificações

Analise critica (1)
Analise critica (1)Analise critica (1)
Analise critica (1)
Emanuel Gonsalves Campos
 
Nbr 13714 sistema de hidrantes e mangotinhos e acessórios
Nbr 13714   sistema de hidrantes e mangotinhos e acessóriosNbr 13714   sistema de hidrantes e mangotinhos e acessórios
Nbr 13714 sistema de hidrantes e mangotinhos e acessórios
Santiago Resgate
 
NBR13.714 - Sistemas de hidrantes e de.pdf
NBR13.714 - Sistemas de hidrantes e de.pdfNBR13.714 - Sistemas de hidrantes e de.pdf
NBR13.714 - Sistemas de hidrantes e de.pdf
Juemy Moraes
 
Elaboração projetos pr-75-174-cpg-002
Elaboração projetos   pr-75-174-cpg-002Elaboração projetos   pr-75-174-cpg-002
Elaboração projetos pr-75-174-cpg-002
ROBINSON CARLOS CRISTOVAM SILVA
 
1ª Aula - Veiculos pesados parte 3+4 - Gustavo Galiazzi (27.06.22)- final.pdf
1ª Aula - Veiculos pesados parte 3+4 - Gustavo Galiazzi (27.06.22)- final.pdf1ª Aula - Veiculos pesados parte 3+4 - Gustavo Galiazzi (27.06.22)- final.pdf
1ª Aula - Veiculos pesados parte 3+4 - Gustavo Galiazzi (27.06.22)- final.pdf
KillderyPereira1
 
Npt 022
Npt 022Npt 022
Npt 022
carvalho001
 

Semelhante a Instalação de sistema de distribuição de gas em edificações (6)

Analise critica (1)
Analise critica (1)Analise critica (1)
Analise critica (1)
 
Nbr 13714 sistema de hidrantes e mangotinhos e acessórios
Nbr 13714   sistema de hidrantes e mangotinhos e acessóriosNbr 13714   sistema de hidrantes e mangotinhos e acessórios
Nbr 13714 sistema de hidrantes e mangotinhos e acessórios
 
NBR13.714 - Sistemas de hidrantes e de.pdf
NBR13.714 - Sistemas de hidrantes e de.pdfNBR13.714 - Sistemas de hidrantes e de.pdf
NBR13.714 - Sistemas de hidrantes e de.pdf
 
Elaboração projetos pr-75-174-cpg-002
Elaboração projetos   pr-75-174-cpg-002Elaboração projetos   pr-75-174-cpg-002
Elaboração projetos pr-75-174-cpg-002
 
1ª Aula - Veiculos pesados parte 3+4 - Gustavo Galiazzi (27.06.22)- final.pdf
1ª Aula - Veiculos pesados parte 3+4 - Gustavo Galiazzi (27.06.22)- final.pdf1ª Aula - Veiculos pesados parte 3+4 - Gustavo Galiazzi (27.06.22)- final.pdf
1ª Aula - Veiculos pesados parte 3+4 - Gustavo Galiazzi (27.06.22)- final.pdf
 
Npt 022
Npt 022Npt 022
Npt 022
 

Instalação de sistema de distribuição de gas em edificações

  • 2. INSTALAÇÃO PREDIAL DE GÁS  Normas:  NBR 13932/97 - Instalações internas de gás liquefeito de petróleo (GLP) - Projeto e execução  NBR 13933/97 - Instalações internas de gás natural (GN) - Projeto e execução  NBR 14570/00 - Instalações internas para uso alternativo dos gases GN e GLP - Projeto e execução  NBR 15526/13 - Redes de distribuição interna para gases combustíveis em instalações residenciais e comerciais — Projeto e execução  NBR 6493/94 - Emprego de cores para identificação de tubulações  COMGÁS – Regulamento de instalação prediais – gás  (http://www.comgas.com.br/pt/nossosServicos/orientacaoConstrucoes/Paginas/orientacao- construcoes.aspx)  Materiais e recomendações gerais  Dimensionamento  Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências. Cancelada Cancelada Cancelada Em vigor
  • 3. TIPOS DE GASES  Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são:  GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) Botijões  GN (Gás Natural)  GNV (Gás Natural Veicular) www.anp.gov.br
  • 4. TIPOS DE GASES  Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são:  GN (Gás Natural) Associado Aquele que, no reservatório geológico, se encontra dissolvido no petróleo ou sob a forma de uma capa de gás. Neste caso, normalmente privilegia-se a produção inicial do óleo, utilizando-se o gás para manter a pressão do reservatório. Aquele que está livre do óleo e da água no reservatório; sua concentração é predominante na camada rochosa, permitindo a produção basicamente de gás natural. Não associado www.anp.gov.br
  • 5. TIPOS DE GASES  Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são:  GNV (Gás Natural Veicular)  O Gás Natural Veicular (GNV) é uma mistura combustível gasosa, proveniente do gás natural ou do biometano, destinada ao uso veicular e cujo componente principal é o metano. Os cilindros de armazenamento de GNV são dimensionados para suportar a alta pressão à qual o gás é submetido. Na revenda, a máxima pressão é limitada em 22,0 MPa. A qualidade do GNV é a mesma conferida para o GN.  Do ponto de vista ambiental, social e econômico, o gás natural parece ser a melhor solução disponível atualmente para o transporte sustentável. O uso de GNV traz uma redução direta na emissão de gases de efeito estufa e emissões regulamentadas usando praticamente os mesmos tipos de veículos na estrada. Gas Natural Biometano www.anp.gov.br
  • 6. TIPOS DE GASES  Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são:  GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) Botijões Petrobras
  • 7. NBR 15526 - Redes de distribuição interna para gases combustíveis em instalações residenciais e comerciais — Projeto e execução Definições  3.29 recomenda - expressão utilizada para indicar que entre várias possibilidades uma é mais apropriada, sem com isto excluir outras, ou que um certo modo de proceder é preferível, mas não necessariamente exigível, ou ainda, na forma negativa, outra possibilidade é desaconselhável, mas não proibida.  3.30 rede de distribuição interna - conjunto de tubulações, medidores, reguladores e válvulas, com os necessários complementos, destinados à condução e ao uso do gás, compreendido entre o limite de propriedade até os pontos de utilização, com pressão de operação não superior a 150 kPa (1,53 kgf/cm²)
  • 8. Documentação  Para a rede de distribuição interna recomenda-se que sejam providenciados, pelo seu responsável, os seguintes documentos:  a) projeto e memorial de cálculo, incluindo isométrico da rede, identificação dos materiais, diâmetro e comprimento da tubulação, tipo e localização de válvulas e acessórios, tipo de gás a que se destina;  a) atualização do projeto conforme construído (“as built”);  b) laudo do ensaio de estanqueidade;  c) registro de liberação da rede para utilização em carga;  d) anotação de responsabilidade técnica (ART) de elaboração do projeto, da execução da instalação e do ensaio de estanqueidade;  e) anotação de responsabilidade técnica (ART) de inspeção ou manutenção (modificação e extensão de instalação), quando houver. As Built é uma expressão inglesa que significa “como construído”.
  • 9. Tubos Para a execução da rede de distribuição interna  a) tubos de condução de aço-carbono, com ou sem costura, conforme ABNT NBR 5580 no mínimo classe média, ABNT NBR 5590 no mínimo classe normal, API 5-L grau A com espessura mínima correspondente a SCH40 conforme ASME/ANSI B36.10M;  b) tubos de condução de cobre rígido, sem costura, conforme ABNT NBR 13206;  c) tubo de condução de cobre flexível, sem costura, classes 2 ou 3, conforme ABNT NBR 14745;  d) tubo de condução de polietileno (PE80 ou PE100), para redes enterradas conforme ABNT NBR 14462, somente utilizado em trechos enterrados e externos às projeções horizontais das edificações
  • 10. Conexões / Elementos para interligação / Válvulas de bloqueio / Reguladores de pressão ADAPTADOR FIXO FEMEA LUVA TEE JOELHO VÁLVULA SEGURANÇA VÁLVULA ESFERAADAPTADOR FIXO MACHO
  • 11. Levantamento de consumo de gás  Deve ser levantado o perfi l de consumo de gás, com relação aos aparelhos a gás a serem utilizados, de forma a se determinar o consumo máximo instantâneo da rede de distribuição interna.  Para efeito do estabelecimento do consumo máximo instantâneo, deve ser considerado o poder calorífico inferior (PCI).  Pode ser também considerada eventual simultaneidade dos consumos na rede de distribuição interna, bem como previsão para aumento de demanda futura.
  • 12. Observar  a) disponibilidade e fl exibilidade de fornecimento de gás combustível atual e futuro (levantar junto às empresas autorizadas a distribuir gás as regiões nas quais diversos tipos de gases estarão disponíveis para os consumidores, e dimensionar a rede de distribuição para esta condição);  b) previsão para acréscimo de demanda associado aos aparelhos a gás combustível (analisar a possibilidade de projetar a rede para outros aparelhos a gás frente às características sociais, climáticas, de costumes e outros);  c) existência de legislação local referente à instalação de rede e uso de gases combustíveis (aplicar as exigências das legislações locais nos projetos, construção e operação).  A pressão da rede de distribuição interna dentro das unidades habitacionais deve ser limitada a 7,5 kPa. PCI Densidade relativa ao ar GN 8.600 kcal/m³ 0,6 GLP 24.000 kcal/m³ 1,8
  • 13. Considerar  a) perda de carga máxima admitida para trecho de rede que alimenta diretamente um aparelho a gás: 10% da pressão de operação, devendo ser respeitada a faixa de pressão de funcionamento do aparelho a gás;  b) perda de carga máxima admitida para trecho de rede que alimenta um regulador de pressão: 30% da pressão de operação, devendo ser respeitada a faixa de pressão de funcionamento do regulador de pressão;  c) velocidade máxima admitida para a rede: 20 m/s
  • 14. Condições gerais Permitido a. aparente (instalada com elementos adequados); b. embutida em paredes ou muros; (recomenda- se evitar percursos horizontais ao longo dos mesmos); c. enterrada. Negado  a) duto em atividade (ventilação de ar-condicionado, produtos residuais, exaustão, chaminés etc.);  b) cisterna e reservatório de água;  c) compartimento de equipamento ou dispositivo elétrico (painéis elétricos, subestação, outros);  d) depósito de combustível inflamável;  e) elementos estruturais (lajes, pilares, vigas);  f) espaços fechados que possibilitem o acúmulo de gás eventualmente vazado;  g) poço ou vazio de elevador.  É proibida a utilização de tubulações de gás como condutor ou aterramento elétrico.
  • 15. Condições gerais a. Aparente b. Embutida em paredes ou muros a. Pode atravessar elementos estruturais, desde que não exista o contato entre a tubulação e os elementos estruturais c. Enterrada a. Afastamento de 0,30m de tubulações e estruturas b. 0,30m locais não sujeitos a tráfego de veículos, em zonas ajardinadas ou sujeitas a escavações c. 0,50m locais sujeitos a tráfego de veículos d. 5,00m entrada de energia elétrica
  • 16. Ex - Dimensionamento – levantamento do consumo 1º Equipamentos 2º Localização medidor
  • 17. A B CDE C’ D’ B’ Pressão de entrada 2,74 kPa Coluna 1 – Nomear os trechos Coluna 2 – Determinar a potencia computada
  • 18. Dimensionamento – levantamento do consumo Fogão 6 bocas com forno Aquecedor de passagem 15l/min Lareira a gás Aquecedor de Ambiente a Gás Potência 11.000 kcal/h 22.000 kcal/h 7.000 kcal/h 2.730 kCal/h Equipamento
  • 19. Dimensionamento – Fator de simultaneidade Fator de simultaneidade Coluna 3 – Transformar em kcal/min Coluna 4 – Determina o fator de simultaniedade
  • 20. Dimensionamento – levantamento do consumo Nota: Para uma unidade habitacional não se aplica o fatos de simultaneidade, portanto a potencia adotada é igual a potencia computada. Coluna 5 – Calcula a potencia adotada Coluna 6 – Determina a vazão 𝑄 = 𝐴 𝑃𝐶𝐼 Nota: Pode ser determinado a vazão pelo fabricante e ou determinada pela formula.
  • 21. A B CDE C’ D’ B’ AB 1 joelho 90 1 RG BB’ 1 Tee saída lateral 2 joelho 90 1 RG BC 1 Tee passagem direta CC’ 1 Tee saída lateral 2 joelho 90 1 RG CD 1 Tee passagem direta DE 1 Tee Passagem direta 2 joelho 90 1 RG DD’ 1 Tee saída lateral 2 joelho 90 1 RG 5.1.6.7 Adotar um diâmetro interno inicial (D) para determinação do comprimento equivalente total (L) da tubulação considerando-se os trechos retos somados aos comprimentos equivalentes de conexões e válvulas de acordo com informações dos fabricantes. Distribuição 22mm Pontos de uso 15mm Coluna 7 – Medir no projeto Coluna 8 – Peças especiais e comprimento equivalente Coluna 10 – Medir no projeto
  • 22. Coluna 8 – Peças especiais e comprimento equivalente Coluna 9 – Comprimento total Coluna 11 – Determinar o diâmetro inicial Coluna 12 – Diâmetro Interno
  • 23. Dimensionamento – levantamento do consumo Δ𝑃 = 𝑃𝐴 − 𝑃𝐵 𝐺𝐿𝑃 𝑃𝐴 − 𝑃𝐵 = 2273 . 𝑆 . 𝐿 . 𝑄1,82 𝐷4,82 [𝑘𝑃𝑎] 𝐺𝑁 𝑄0,9 = 0,0222 . 𝐻 . 𝐷4,8 𝑆0,8 . 𝐿 0,5 [𝑘𝑃𝑎] Coluna 13 – Perda de carga de operação (USO) Coluna 14 – Variação de pressão nos trechos verticais ∆𝑃 = 1,318 . 10−2 . 𝐻 . 𝑆 − 1 [𝑘𝑃𝑎] 𝐺𝐿𝑃 𝐺𝑁
  • 24. Dimensionamento – levantamento do consumo Coluna 15 – Perda de carga total = coluna 13 + coluna 14 Coluna 16 – Pressão de entrega depois do medidor Coluna 17 – Coluna 16 – coluna 15 Coluna 18 – Pressão manométrica de operação Perda de carga máxima admitida para trecho de rede que alimenta diretamente um aparelho a gás: 10 % da pressão de operação, devendo ser respeitada a faixa de pressão de funcionamento do aparelho a gás; Coluna 20 – Cálculo de velocidade 1 kPa = 101,971621298 kgf/m²Coluna 19 – Transformar kPa em kgf/m² 𝑉 = 354 . 𝑄 . 𝑃 + 1,033 −1 . 𝐷−2 [𝑚/𝑠]
  • 25. Determinar o tipo de rede de distribuição