SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 95
Professor Samuel Lima
        Geologia
2o. Ano do Ensino Médio
Tempo              das   É o tempo que mede
transformações           a idade da Terra. O
humanas. Tempo em
que as transformações
                         tempo geológico é
ocorrem     com   uma    dividido em eras,
intensidade de tempo     que são subdivididas
maior que as do tempo    em períodos. Cada
geológicos.              etapa desse tempo é
                         marcado          por
                         acontecimentos que
                         o caracterizam.
– A primeira Era é a chamada Pré-cambriana, que
  se divide em três períodos:

– Azóica: por volta de 4,5 bilhões de anos atrás,
  esse período é marcado pela não existência de
  vida, esse período durou bilhões de anos.

– Arqueozóica e Proterozóica: nesse período
  passaram a surgir os seres unicelulares e
  invertebrados (algas e bactérias). Formação das
  rochas magmáticas.
– A Era Paleozóica está dividida nos períodos:
  Permiano, Carbonífero, Devoniano, Siluriano,
  Ordoviciano e Cambriano.

– Nestes períodos houve a existência de
  rochas sedimentares e metamórficas. Surgiu
  os peixes e os primeiros répteis.
– A próxima Era foi a Mesozóica, dividida pelos
  períodos Cretáceo, Jurássico e Triássico.
  Surgiram mamíferos e aves; répteis
  gigantescos (dinossauros); grandes florestas;
  e rochas sedimentares e vulcânicas.
– Já na Era Cenozóica existem dois períodos,
  Quaternário e Terciário. Este último houve o
  desenvolvimento dos mamíferos. Os répteis
  gigantes foram extintos, formou-se as bacias
  sedimentares.
– No período do Quaternário houve a glaciação
  no hemisfério norte; delineamento dos atuais
  continentes;    formação      das     bacias
  sedimentares recentes; aparecimento do
  homem.
• crosta: constituída de materiais mais leves

• manto: camada intermediária

• núcleo: formado por materiais mais densos.
• É dividida em crosta :
  • continental
  • Oceânica


• Abaixo da litosfera está a astenosfera, e
  abaixo encontramos a mesosfera.

• Logo em seguida encontramos a endosfera
  (núcleo) formada por ferro e níquel.
• Crosta         continental   • crosta       continental
  superior, com 15 a 25 km       inferior, com 30 a 35
  de espessura, formada          km de espessura; nela
  principalmente por silício     predomina silício e
  e alumínio (SIAL)              magnésio (SIMA)
• A crosta é formada por rochas e minerais.
• As rochas são agrupamentos de minerais.
• Minerais são elementos ou compostos
  naturais sólidos, que possuem uma
  composição química bem definida, ou seja, é
  possível determinar com precisão os
  elementos que compõem um mineral.
  Exemplo, o elemento que compõem o
  diamante é o carbono.
• São exemplos de minerais: apatita, quartzo, calcita, fluorita
  topázio.
• Os minerais e as rochas que possuem valor comercial são
  considerados minérios.
• Minério, portanto, é uma rocha ou mineral dos quais são
  extraídas substâncias valiosas, como o ouro, o ferro, o
  cobre, o diamante etc.
• Jazida mineral é a massa ou volume de minério que existe
  nas rochas, em um determinado lugar da crosta, seja na
  superfície ou no interior.
• Quando um ou mais minerais se agregam, eles
  formam as rochas.

• O granito por exemplo é formado pôr três
  minerais: quartzo, feldspato e mica.

• São exemplos de rochas: areia, xisto dobrado,
  gnaisse, sienito, pedra-pomes, basalto, granito,
  calcário, carvão mineral, argilito, arenito, mármore
  entre outras.
• Conceito: resultam da solidificação e
  resfriamento do magma que é lançado
  pelos vulcões.

• Classificação: Intrusiva e Extrusiva
• Formam-se quando o magma se resfria
  lentamente     nas     profundezas     da
  Terra,    dando    origem     a   cristais
  relativamente grandes.
• Granito Amarelo Real
• Formam-se pela solidificação do magma
  expelido pelas erupções vulcânicas. Como
  seu resfriamento e solidificação são
  rápidos, não há tempo para a formação de
  macro-cristais.
• Através da litificação dos sedimentos que
  procedem da erosão, transporte e deposição
  de sedimentos, realizado pela água, vento,
  reações físicas e químicas. Derivam-se de
  rochas que sofrem a ação de processos
  erosivos.

  – Litificação: processo    de sedimentação e
    cimentação, exercida    através das camadas
    superiores.
Detríticas: constituída pelo fragmento de outras
 rochas.

Químicas: provenientes de transformações
 químicas de materiais rochosos com a água.

Orgâncias: formada pelo acúmulo de dejetos de
 animais e vegetais.
• Conceito: foram originalmente rochas
  magmáticas,      sedimentares         ou
  metamórficas que, pela ação do calor ou
  da      pressão     do       interior da
  Terra, adquiriram outra estrutura.
• Mármore azul mediterrâneo
• Arabescato
• Onix
• Rosa Egeo
• Pedreira de Mármore - Espanha
• teoria da deriva



• placas tectônicas
• Resultado de um processo na fragmentação
  e no afastamento das terras emersas, a partir
  de um bloco único chamado PANGÉIA.

• Duas teorias que se completam, procuram
  explicar as etapas desse processo.
• Defendida pelo geofísico alemão Alfred
  Wegener, em 1912.
• Havia originalmente uma única massa
  continental, a Pangéia, cercada pelo um
  único oceano, o Pantalassa.
• Na era Mesozóica, há cerca de 135 milhões
  de anos teria começado a fragmentação.
• Formou-se dois continentes: Laurásia, ao
  norte e Gondwana, ao sul. A partir daí foram
  se sucedendo até a configuração atual.
• Wegener não definiu as causas. Sugeriu o
  movimento de rotação da Terra e as marés.
• As maiores evidências eram as identidades
  geológicas e de vida animal e vegetal entre
  os continentes.
• Na comunidade científica da época poucos
  davam créditos às ideias de Wegener,
  acabando esquecida durante anos, voltando
  a ser considerada com o passar dos anos
  com os avanços tecnológicos.
• Durante a década de 60, geólogos americanos
  encontraram uma resposta para a causa da deriva. A
  respostas estava no fundo dos oceanos.
• As rochas situadas no centro do assoalho submarino
  são mais recentes do que as das bordas, portanto,
  chegou-se a conclusão de que verdadeiras “esteiras
  rolantes ”    submarinas são responsáveis pelo
  movimento das placas tectônicas.
• Ao longo das grandes cordilheiras submarinas
  (dorsais oceânicas), abrem-se fendas por onde passa
  o material magmático, que após se resfriar, forma uma
  nova crosta, provocando a expansão do fundo do mar.
• Resultado da teoria de Wegener e da
  descoberta da expansão do fundo do mar.

• A crosta terrestre esta dividida em placas de
  espessura média de 150 km que flutuam
  sobre um substrato pastoso: a astensofera e
  sobre o magma.
• É justamente na região de encontro entre
  uma placa e outra que ocorrem fenômenos e
  as consequentes modificações na crosta
  terrestre.
• Estas regiões estão sujeitas a vulcanismo e
  terremotos
• As áreas mais estáveis localizam-se no
  interior das placas.
• Estes encontros não acontecem da mesma
  forma.
– Americana
– Pacífico
– Antártica
– Indo-australiana
– Euro-asiática
– Africana
• Consequências:
  vulcanismo, terremotos, orogênese
  (movimento horizontal das
  placas), epirogênese (movimento vertical
  das placas)
• Uma das manifestações mais temidas e
  destruidoras dos movimentos da crosta
  terrestre.
• Ocorrem quando as forças tectônicas atuam
  prolongadamente em áreas de rochas duras,
  elas provocam fraturas ou o deslocamento de
  camadas. Se uma das camadas se mover
  horizontalmente ou verticalmente, serão
  produzidas ondas vibratórias que se espalham
  em várias direções, causando um terremoto.
• Portanto, o terremoto é produzido por
  acomodações geológicas de camadas
  internas da crosta ou pela movimentações
  das placas.
• Em limites transformantes, onde não há
  convergência nem divergência de placas.
  Podemos citar como exemplo a falha de
  San Andreas, na Califórnia, EUA e a falha
  da Anatólia, na Turquia.
• O ponto onde o terremoto se origina recebe o
  nome de Centro ou Foco.
• O ponto da superfície terrestre diretamente
  acima do centro é o Epicentro, onde o terremoto
  é sentido com maior intensidade.
• O aparelho utilizado para medir a intensidade de
  um terremoto é o Sismógrafo, que segue a
  escala Richter - uma escala com 10 graus, cada
  um indicando uma intensidade 10 vezes maior
  que a anterior.
• Ocorrem em áreas onde as rochas são
  rígidas e resistentes às forças internas e
  “quebram-se” em vez de dobrar.
• Caracterizam-se por um desnível do
  terreno: uma parte elevada e outra
  rebaixada.
• Chamamos de vulcanismo os fatos e
  fenômenos geográficos relacionados com
  as atividades vulcânicas, através dos
  quais o magma do interior da Terra chega
  até a superfície.
• Manifestações vulcânicas secundárias
• Expelem água quente no sentido vertical.
• Seus jatos podem durar segundos ou
  semanas e atingir muitos metros de altura.
• Seu    funcionamento     dependem      da
  quantidade e da temperatura da água
  subterrânea.
– Quando a temperatura da água se torna
  muito elevada, formam-se jatos de água no
  sentido vertical. A água expelida do interior
  da Terra se infiltra lateralmente no solo, é
  novamente aquecida e recomeça o ciclo das
  águas quentes.
• Caldas novas(GO)   Thermas (RN)
● Convergência ou Zona de subducção

● Afastamento, limites divergentes ou cristas em
  expansão

● Deslizamento ou limites transformantes

● Colisão (obducção)

● Soerguimento
• As placas movem-se uma em direção a
  outra e a placa oceânica mais densa
  mergulha sob a continental menos densa
  e mais espessa. A placa oceânica entra
  em estado de fusão no manto.

• Obducção: choque entre placas na porção
  continental.
• A fossa entre elas é preenchida por
  rochas liquefeitas do manto, no fundo do
  mar damos nome de cordilheiras
  submarinas e no continente vales de
  afundamento
• as camadas de rocha elástica formam
  grandes cadeias de montanha muitas
  vezes vulcânica, tais como, Andes,
  Himalaia.
Maciços antigos ou Escudos cristalinos
Correspondem aos terrenos de formação pré cambriana,
  que afloram em cerca de 36% do território do país.

Bacias sedimentares
Correspondem às formações recentes, recobrindo cerca
  de 64% do território brasileiro.

Dobramentos modernos
Não temos presença desse terreno aqui no Brasil.
Quatro formas de relevo:
•Planalto: formado a partir de erosões
eólicas (pelo vento) ou pela água.
•Planície: como o próprio nome já diz são
áreas planas e baixas. As principais
planícies brasileiras são as planícies
Amazônica, do Pantanal e Litorânea.
•Depressões: resultado de erosões.
•Cadeias de montanhas.
• Intemperismo físico




• Intemperismo químico
Conceito:
      primeiro passo no processo erosivo,
ocorre principalmente devido a contração e
dilatação das rochas provocadas pelas
mudanças de temperatura. No frio, as
rochas contraem e no calor dilatam. Este
processo ao longo de vários anos provoca
sua fratura.
Conceito:
     segundo passo no processo erosivo,
após o Intemperismo físico, ou seja, com a
rocha fraturada, a penetração da água da
chuva     dissolvendo   alguns     minerais
hidrossolúveis ocasiona a quebra das
rochas.
• Resultado do processo de desintegração
  e decomposição de rochas devido ao
  intemperismo.
• Classificam-se em:
  * Eluviais (origem da desagregação ou
  decomposição da rocha do próprio local)
 *Aluviais(acúmulo      de        material
  transportado).
Horizonte O - Camada de restos orgânicos.

Horizonte A - Horizonte de pedras e argila.


Horizonte B - Chamado horizonte de acumulação,
com grande concentração de minerais.


Horizonte C - começa na rocha que deu origem ao
solo.
• Plantio direto: consiste em plantar sobre
  os restos de plantas da colheita anterior.
• Rotação de culturas: cultivo alternado de
  culturas.
• Curvas de nível: Plantação em fileiras de
  plantas na mesma cota altimétrica.
• Afloramento: terra dividida três: área de
  repouso e as outras duas com culturas
  diferentes.
Geologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Litosfera parte 1
Litosfera parte 1Litosfera parte 1
Litosfera parte 1
 
Geologia e Rochas
Geologia e RochasGeologia e Rochas
Geologia e Rochas
 
Dinâmica Interna da Terra
Dinâmica Interna da TerraDinâmica Interna da Terra
Dinâmica Interna da Terra
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestreDinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
 
Crosta terrestre
Crosta terrestreCrosta terrestre
Crosta terrestre
 
Eras geologicas placas_tectonicas
Eras geologicas placas_tectonicasEras geologicas placas_tectonicas
Eras geologicas placas_tectonicas
 
Litosfera e sua Dinâmicas
Litosfera e sua DinâmicasLitosfera e sua Dinâmicas
Litosfera e sua Dinâmicas
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestreDinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
 
Geologia 10º ano II
Geologia 10º ano IIGeologia 10º ano II
Geologia 10º ano II
 
Aula 3 vulcanismo
Aula 3 vulcanismoAula 3 vulcanismo
Aula 3 vulcanismo
 
Dinâmicas Internas do Planeta Terra
Dinâmicas Internas do Planeta TerraDinâmicas Internas do Planeta Terra
Dinâmicas Internas do Planeta Terra
 
DinâMica Interna Da Terra
DinâMica Interna Da TerraDinâMica Interna Da Terra
DinâMica Interna Da Terra
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
Crosta Terrestre e seus movimentos
Crosta Terrestre e seus movimentosCrosta Terrestre e seus movimentos
Crosta Terrestre e seus movimentos
 
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terra
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terraIfes aula 5-formação-geológica_da_terra
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terra
 
Litosfera terrestre
Litosfera terrestreLitosfera terrestre
Litosfera terrestre
 
MaGeologia
MaGeologiaMaGeologia
MaGeologia
 
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
 
Litosfera
LitosferaLitosfera
Litosfera
 
Trabalho de geologia
Trabalho de geologiaTrabalho de geologia
Trabalho de geologia
 

Semelhante a Geologia

Geologia, geomorfologia e estrutura do relevo mundial e brasileiro phn
Geologia, geomorfologia e estrutura do relevo mundial e brasileiro phnGeologia, geomorfologia e estrutura do relevo mundial e brasileiro phn
Geologia, geomorfologia e estrutura do relevo mundial e brasileiro phnPaulo Henrique Netinho
 
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta TerraAula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta TerraAndreaGama16
 
Aula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologiaAula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologiaItalo Alan
 
Estrutura geológica e relevo
Estrutura geológica e relevoEstrutura geológica e relevo
Estrutura geológica e relevoDiana Lima
 
geografia origem do mundo
geografia origem do mundogeografia origem do mundo
geografia origem do mundoLanna Hyuuga
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestreDinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestrerdbtava
 
AULA 3 - A Terra e suas características.ppt
AULA 3 - A Terra e suas características.pptAULA 3 - A Terra e suas características.ppt
AULA 3 - A Terra e suas características.pptandreiasaraujogr
 
Dinamica interna
Dinamica internaDinamica interna
Dinamica internarsaloes
 
1 Aula formaçao das rochas.pptx
1 Aula formaçao das rochas.pptx1 Aula formaçao das rochas.pptx
1 Aula formaçao das rochas.pptxSergio Luis Baraldi
 
Geomorfologia brasileira recursos minerais
Geomorfologia brasileira   recursos mineraisGeomorfologia brasileira   recursos minerais
Geomorfologia brasileira recursos mineraisJulia Selistre
 
Geologia evoluçao da terra e fenomenos geologicos
Geologia evoluçao da terra e fenomenos geologicosGeologia evoluçao da terra e fenomenos geologicos
Geologia evoluçao da terra e fenomenos geologicosWander Junior
 
Geografia natureza e riscos ambientais
Geografia   natureza e riscos ambientaisGeografia   natureza e riscos ambientais
Geografia natureza e riscos ambientaisgeografiafelipe
 
Geografia natureza e riscos ambientais
Geografia   natureza e riscos ambientaisGeografia   natureza e riscos ambientais
Geografia natureza e riscos ambientaisgeografiafelipe
 
3 tectónica de placas
3   tectónica de placas3   tectónica de placas
3 tectónica de placasmargaridabt
 

Semelhante a Geologia (20)

Geologia, geomorfologia e estrutura do relevo mundial e brasileiro phn
Geologia, geomorfologia e estrutura do relevo mundial e brasileiro phnGeologia, geomorfologia e estrutura do relevo mundial e brasileiro phn
Geologia, geomorfologia e estrutura do relevo mundial e brasileiro phn
 
Litosfera
LitosferaLitosfera
Litosfera
 
Cap. 5 Crosta Terrestre
Cap. 5 Crosta TerrestreCap. 5 Crosta Terrestre
Cap. 5 Crosta Terrestre
 
COMPOSIÇÃO DA TERRA.pptx
COMPOSIÇÃO DA TERRA.pptxCOMPOSIÇÃO DA TERRA.pptx
COMPOSIÇÃO DA TERRA.pptx
 
Aula Geografia
Aula Geografia Aula Geografia
Aula Geografia
 
A Estrutura da terra
A Estrutura da terra A Estrutura da terra
A Estrutura da terra
 
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta TerraAula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
 
Aula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologiaAula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologia
 
Estrutura geológica e relevo
Estrutura geológica e relevoEstrutura geológica e relevo
Estrutura geológica e relevo
 
geografia origem do mundo
geografia origem do mundogeografia origem do mundo
geografia origem do mundo
 
Relevo novo
Relevo novo Relevo novo
Relevo novo
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestreDinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
 
AULA 3 - A Terra e suas características.ppt
AULA 3 - A Terra e suas características.pptAULA 3 - A Terra e suas características.ppt
AULA 3 - A Terra e suas características.ppt
 
Dinamica interna
Dinamica internaDinamica interna
Dinamica interna
 
1 Aula formaçao das rochas.pptx
1 Aula formaçao das rochas.pptx1 Aula formaçao das rochas.pptx
1 Aula formaçao das rochas.pptx
 
Geomorfologia brasileira recursos minerais
Geomorfologia brasileira   recursos mineraisGeomorfologia brasileira   recursos minerais
Geomorfologia brasileira recursos minerais
 
Geologia evoluçao da terra e fenomenos geologicos
Geologia evoluçao da terra e fenomenos geologicosGeologia evoluçao da terra e fenomenos geologicos
Geologia evoluçao da terra e fenomenos geologicos
 
Geografia natureza e riscos ambientais
Geografia   natureza e riscos ambientaisGeografia   natureza e riscos ambientais
Geografia natureza e riscos ambientais
 
Geografia natureza e riscos ambientais
Geografia   natureza e riscos ambientaisGeografia   natureza e riscos ambientais
Geografia natureza e riscos ambientais
 
3 tectónica de placas
3   tectónica de placas3   tectónica de placas
3 tectónica de placas
 

Mais de espacoaberto

Exercício de trigonometria 3o. ano
Exercício de trigonometria   3o. anoExercício de trigonometria   3o. ano
Exercício de trigonometria 3o. anoespacoaberto
 
Binômio de newton e triângulo de pascal
Binômio de newton e triângulo de pascalBinômio de newton e triângulo de pascal
Binômio de newton e triângulo de pascalespacoaberto
 
Função logarítmica - Exercícios
Função logarítmica - ExercíciosFunção logarítmica - Exercícios
Função logarítmica - Exercíciosespacoaberto
 
Função Exponencial 2
Função Exponencial 2 Função Exponencial 2
Função Exponencial 2 espacoaberto
 
Função exponencial - Exercícios
Função exponencial - ExercíciosFunção exponencial - Exercícios
Função exponencial - Exercíciosespacoaberto
 
Aulas 23 e 24 - Matemática
Aulas 23 e 24 - MatemáticaAulas 23 e 24 - Matemática
Aulas 23 e 24 - Matemáticaespacoaberto
 
Aula 22 - Matemática
Aula 22 - MatemáticaAula 22 - Matemática
Aula 22 - Matemáticaespacoaberto
 
Aula 21 - Matemática
Aula 21 - MatemáticaAula 21 - Matemática
Aula 21 - Matemáticaespacoaberto
 
Aula 19 e 20 - Matemática
Aula 19 e 20 - MatemáticaAula 19 e 20 - Matemática
Aula 19 e 20 - Matemáticaespacoaberto
 
Aula 18 - Matemática
Aula 18 - MatemáticaAula 18 - Matemática
Aula 18 - Matemáticaespacoaberto
 
Aula 17 - Matemática
Aula 17 - MatemáticaAula 17 - Matemática
Aula 17 - Matemáticaespacoaberto
 
Aula 16 - Matemática
Aula 16 - MatemáticaAula 16 - Matemática
Aula 16 - Matemáticaespacoaberto
 
Aula 14 a 15 - Matemática
Aula 14 a 15 - MatemáticaAula 14 a 15 - Matemática
Aula 14 a 15 - Matemáticaespacoaberto
 
Aulas 11 a 13 - Matemática
Aulas 11 a 13 - MatemáticaAulas 11 a 13 - Matemática
Aulas 11 a 13 - Matemáticaespacoaberto
 
Aulas 09 e 10 - Matemática
Aulas 09 e 10 - MatemáticaAulas 09 e 10 - Matemática
Aulas 09 e 10 - Matemáticaespacoaberto
 
Aulas 07 e 08 - Matemática
Aulas 07 e 08 - MatemáticaAulas 07 e 08 - Matemática
Aulas 07 e 08 - Matemáticaespacoaberto
 
Aula 06 - Matemática
Aula 06 - MatemáticaAula 06 - Matemática
Aula 06 - Matemáticaespacoaberto
 
Aula 05 - Matemática
Aula 05 - MatemáticaAula 05 - Matemática
Aula 05 - Matemáticaespacoaberto
 

Mais de espacoaberto (20)

Exercício de trigonometria 3o. ano
Exercício de trigonometria   3o. anoExercício de trigonometria   3o. ano
Exercício de trigonometria 3o. ano
 
C a n a d á
C  a  n  a  d  áC  a  n  a  d  á
C a n a d á
 
Binômio de newton e triângulo de pascal
Binômio de newton e triângulo de pascalBinômio de newton e triângulo de pascal
Binômio de newton e triângulo de pascal
 
Fatorial
Fatorial  Fatorial
Fatorial
 
Função logarítmica - Exercícios
Função logarítmica - ExercíciosFunção logarítmica - Exercícios
Função logarítmica - Exercícios
 
Função Exponencial 2
Função Exponencial 2 Função Exponencial 2
Função Exponencial 2
 
Função exponencial - Exercícios
Função exponencial - ExercíciosFunção exponencial - Exercícios
Função exponencial - Exercícios
 
Aulas 23 e 24 - Matemática
Aulas 23 e 24 - MatemáticaAulas 23 e 24 - Matemática
Aulas 23 e 24 - Matemática
 
Aula 22 - Matemática
Aula 22 - MatemáticaAula 22 - Matemática
Aula 22 - Matemática
 
Aula 21 - Matemática
Aula 21 - MatemáticaAula 21 - Matemática
Aula 21 - Matemática
 
Aula 19 e 20 - Matemática
Aula 19 e 20 - MatemáticaAula 19 e 20 - Matemática
Aula 19 e 20 - Matemática
 
Aula 18 - Matemática
Aula 18 - MatemáticaAula 18 - Matemática
Aula 18 - Matemática
 
Aula 17 - Matemática
Aula 17 - MatemáticaAula 17 - Matemática
Aula 17 - Matemática
 
Aula 16 - Matemática
Aula 16 - MatemáticaAula 16 - Matemática
Aula 16 - Matemática
 
Aula 14 a 15 - Matemática
Aula 14 a 15 - MatemáticaAula 14 a 15 - Matemática
Aula 14 a 15 - Matemática
 
Aulas 11 a 13 - Matemática
Aulas 11 a 13 - MatemáticaAulas 11 a 13 - Matemática
Aulas 11 a 13 - Matemática
 
Aulas 09 e 10 - Matemática
Aulas 09 e 10 - MatemáticaAulas 09 e 10 - Matemática
Aulas 09 e 10 - Matemática
 
Aulas 07 e 08 - Matemática
Aulas 07 e 08 - MatemáticaAulas 07 e 08 - Matemática
Aulas 07 e 08 - Matemática
 
Aula 06 - Matemática
Aula 06 - MatemáticaAula 06 - Matemática
Aula 06 - Matemática
 
Aula 05 - Matemática
Aula 05 - MatemáticaAula 05 - Matemática
Aula 05 - Matemática
 

Último

análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfEversonFerreira20
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 

Último (20)

análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 

Geologia

  • 1. Professor Samuel Lima Geologia 2o. Ano do Ensino Médio
  • 2. Tempo das É o tempo que mede transformações a idade da Terra. O humanas. Tempo em que as transformações tempo geológico é ocorrem com uma dividido em eras, intensidade de tempo que são subdivididas maior que as do tempo em períodos. Cada geológicos. etapa desse tempo é marcado por acontecimentos que o caracterizam.
  • 3. – A primeira Era é a chamada Pré-cambriana, que se divide em três períodos: – Azóica: por volta de 4,5 bilhões de anos atrás, esse período é marcado pela não existência de vida, esse período durou bilhões de anos. – Arqueozóica e Proterozóica: nesse período passaram a surgir os seres unicelulares e invertebrados (algas e bactérias). Formação das rochas magmáticas.
  • 4. – A Era Paleozóica está dividida nos períodos: Permiano, Carbonífero, Devoniano, Siluriano, Ordoviciano e Cambriano. – Nestes períodos houve a existência de rochas sedimentares e metamórficas. Surgiu os peixes e os primeiros répteis.
  • 5. – A próxima Era foi a Mesozóica, dividida pelos períodos Cretáceo, Jurássico e Triássico. Surgiram mamíferos e aves; répteis gigantescos (dinossauros); grandes florestas; e rochas sedimentares e vulcânicas.
  • 6. – Já na Era Cenozóica existem dois períodos, Quaternário e Terciário. Este último houve o desenvolvimento dos mamíferos. Os répteis gigantes foram extintos, formou-se as bacias sedimentares.
  • 7. – No período do Quaternário houve a glaciação no hemisfério norte; delineamento dos atuais continentes; formação das bacias sedimentares recentes; aparecimento do homem.
  • 8. • crosta: constituída de materiais mais leves • manto: camada intermediária • núcleo: formado por materiais mais densos.
  • 9.
  • 10. • É dividida em crosta : • continental • Oceânica • Abaixo da litosfera está a astenosfera, e abaixo encontramos a mesosfera. • Logo em seguida encontramos a endosfera (núcleo) formada por ferro e níquel.
  • 11. • Crosta continental • crosta continental superior, com 15 a 25 km inferior, com 30 a 35 de espessura, formada km de espessura; nela principalmente por silício predomina silício e e alumínio (SIAL) magnésio (SIMA)
  • 12. • A crosta é formada por rochas e minerais. • As rochas são agrupamentos de minerais. • Minerais são elementos ou compostos naturais sólidos, que possuem uma composição química bem definida, ou seja, é possível determinar com precisão os elementos que compõem um mineral. Exemplo, o elemento que compõem o diamante é o carbono.
  • 13. • São exemplos de minerais: apatita, quartzo, calcita, fluorita topázio. • Os minerais e as rochas que possuem valor comercial são considerados minérios. • Minério, portanto, é uma rocha ou mineral dos quais são extraídas substâncias valiosas, como o ouro, o ferro, o cobre, o diamante etc. • Jazida mineral é a massa ou volume de minério que existe nas rochas, em um determinado lugar da crosta, seja na superfície ou no interior.
  • 14.
  • 15. • Quando um ou mais minerais se agregam, eles formam as rochas. • O granito por exemplo é formado pôr três minerais: quartzo, feldspato e mica. • São exemplos de rochas: areia, xisto dobrado, gnaisse, sienito, pedra-pomes, basalto, granito, calcário, carvão mineral, argilito, arenito, mármore entre outras.
  • 16. • Conceito: resultam da solidificação e resfriamento do magma que é lançado pelos vulcões. • Classificação: Intrusiva e Extrusiva
  • 17. • Formam-se quando o magma se resfria lentamente nas profundezas da Terra, dando origem a cristais relativamente grandes.
  • 19.
  • 20.
  • 21. • Formam-se pela solidificação do magma expelido pelas erupções vulcânicas. Como seu resfriamento e solidificação são rápidos, não há tempo para a formação de macro-cristais.
  • 22.
  • 23.
  • 24. • Através da litificação dos sedimentos que procedem da erosão, transporte e deposição de sedimentos, realizado pela água, vento, reações físicas e químicas. Derivam-se de rochas que sofrem a ação de processos erosivos. – Litificação: processo de sedimentação e cimentação, exercida através das camadas superiores.
  • 25. Detríticas: constituída pelo fragmento de outras rochas. Químicas: provenientes de transformações químicas de materiais rochosos com a água. Orgâncias: formada pelo acúmulo de dejetos de animais e vegetais.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. • Conceito: foram originalmente rochas magmáticas, sedimentares ou metamórficas que, pela ação do calor ou da pressão do interior da Terra, adquiriram outra estrutura.
  • 34.
  • 35.
  • 36. • Mármore azul mediterrâneo
  • 40. • Pedreira de Mármore - Espanha
  • 41. • teoria da deriva • placas tectônicas
  • 42. • Resultado de um processo na fragmentação e no afastamento das terras emersas, a partir de um bloco único chamado PANGÉIA. • Duas teorias que se completam, procuram explicar as etapas desse processo.
  • 43. • Defendida pelo geofísico alemão Alfred Wegener, em 1912. • Havia originalmente uma única massa continental, a Pangéia, cercada pelo um único oceano, o Pantalassa. • Na era Mesozóica, há cerca de 135 milhões de anos teria começado a fragmentação. • Formou-se dois continentes: Laurásia, ao norte e Gondwana, ao sul. A partir daí foram se sucedendo até a configuração atual.
  • 44. • Wegener não definiu as causas. Sugeriu o movimento de rotação da Terra e as marés. • As maiores evidências eram as identidades geológicas e de vida animal e vegetal entre os continentes. • Na comunidade científica da época poucos davam créditos às ideias de Wegener, acabando esquecida durante anos, voltando a ser considerada com o passar dos anos com os avanços tecnológicos.
  • 45. • Durante a década de 60, geólogos americanos encontraram uma resposta para a causa da deriva. A respostas estava no fundo dos oceanos. • As rochas situadas no centro do assoalho submarino são mais recentes do que as das bordas, portanto, chegou-se a conclusão de que verdadeiras “esteiras rolantes ” submarinas são responsáveis pelo movimento das placas tectônicas. • Ao longo das grandes cordilheiras submarinas (dorsais oceânicas), abrem-se fendas por onde passa o material magmático, que após se resfriar, forma uma nova crosta, provocando a expansão do fundo do mar.
  • 46. • Resultado da teoria de Wegener e da descoberta da expansão do fundo do mar. • A crosta terrestre esta dividida em placas de espessura média de 150 km que flutuam sobre um substrato pastoso: a astensofera e sobre o magma.
  • 47. • É justamente na região de encontro entre uma placa e outra que ocorrem fenômenos e as consequentes modificações na crosta terrestre. • Estas regiões estão sujeitas a vulcanismo e terremotos • As áreas mais estáveis localizam-se no interior das placas. • Estes encontros não acontecem da mesma forma.
  • 48.
  • 49.
  • 50. – Americana – Pacífico – Antártica – Indo-australiana – Euro-asiática – Africana
  • 51. • Consequências: vulcanismo, terremotos, orogênese (movimento horizontal das placas), epirogênese (movimento vertical das placas)
  • 52.
  • 53. • Uma das manifestações mais temidas e destruidoras dos movimentos da crosta terrestre. • Ocorrem quando as forças tectônicas atuam prolongadamente em áreas de rochas duras, elas provocam fraturas ou o deslocamento de camadas. Se uma das camadas se mover horizontalmente ou verticalmente, serão produzidas ondas vibratórias que se espalham em várias direções, causando um terremoto.
  • 54. • Portanto, o terremoto é produzido por acomodações geológicas de camadas internas da crosta ou pela movimentações das placas. • Em limites transformantes, onde não há convergência nem divergência de placas. Podemos citar como exemplo a falha de San Andreas, na Califórnia, EUA e a falha da Anatólia, na Turquia.
  • 55. • O ponto onde o terremoto se origina recebe o nome de Centro ou Foco. • O ponto da superfície terrestre diretamente acima do centro é o Epicentro, onde o terremoto é sentido com maior intensidade. • O aparelho utilizado para medir a intensidade de um terremoto é o Sismógrafo, que segue a escala Richter - uma escala com 10 graus, cada um indicando uma intensidade 10 vezes maior que a anterior.
  • 56. • Ocorrem em áreas onde as rochas são rígidas e resistentes às forças internas e “quebram-se” em vez de dobrar. • Caracterizam-se por um desnível do terreno: uma parte elevada e outra rebaixada.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60. • Chamamos de vulcanismo os fatos e fenômenos geográficos relacionados com as atividades vulcânicas, através dos quais o magma do interior da Terra chega até a superfície.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64. • Manifestações vulcânicas secundárias • Expelem água quente no sentido vertical. • Seus jatos podem durar segundos ou semanas e atingir muitos metros de altura. • Seu funcionamento dependem da quantidade e da temperatura da água subterrânea.
  • 65. – Quando a temperatura da água se torna muito elevada, formam-se jatos de água no sentido vertical. A água expelida do interior da Terra se infiltra lateralmente no solo, é novamente aquecida e recomeça o ciclo das águas quentes.
  • 66. • Caldas novas(GO) Thermas (RN)
  • 67.
  • 68.
  • 69.
  • 70.
  • 71. ● Convergência ou Zona de subducção ● Afastamento, limites divergentes ou cristas em expansão ● Deslizamento ou limites transformantes ● Colisão (obducção) ● Soerguimento
  • 72. • As placas movem-se uma em direção a outra e a placa oceânica mais densa mergulha sob a continental menos densa e mais espessa. A placa oceânica entra em estado de fusão no manto. • Obducção: choque entre placas na porção continental.
  • 73.
  • 74. • A fossa entre elas é preenchida por rochas liquefeitas do manto, no fundo do mar damos nome de cordilheiras submarinas e no continente vales de afundamento
  • 75.
  • 76.
  • 77. • as camadas de rocha elástica formam grandes cadeias de montanha muitas vezes vulcânica, tais como, Andes, Himalaia.
  • 78.
  • 79. Maciços antigos ou Escudos cristalinos Correspondem aos terrenos de formação pré cambriana, que afloram em cerca de 36% do território do país. Bacias sedimentares Correspondem às formações recentes, recobrindo cerca de 64% do território brasileiro. Dobramentos modernos Não temos presença desse terreno aqui no Brasil.
  • 80.
  • 81. Quatro formas de relevo: •Planalto: formado a partir de erosões eólicas (pelo vento) ou pela água. •Planície: como o próprio nome já diz são áreas planas e baixas. As principais planícies brasileiras são as planícies Amazônica, do Pantanal e Litorânea. •Depressões: resultado de erosões. •Cadeias de montanhas.
  • 82. • Intemperismo físico • Intemperismo químico
  • 83. Conceito: primeiro passo no processo erosivo, ocorre principalmente devido a contração e dilatação das rochas provocadas pelas mudanças de temperatura. No frio, as rochas contraem e no calor dilatam. Este processo ao longo de vários anos provoca sua fratura.
  • 84. Conceito: segundo passo no processo erosivo, após o Intemperismo físico, ou seja, com a rocha fraturada, a penetração da água da chuva dissolvendo alguns minerais hidrossolúveis ocasiona a quebra das rochas.
  • 85.
  • 86.
  • 87.
  • 88.
  • 89.
  • 90.
  • 91. • Resultado do processo de desintegração e decomposição de rochas devido ao intemperismo. • Classificam-se em: * Eluviais (origem da desagregação ou decomposição da rocha do próprio local) *Aluviais(acúmulo de material transportado).
  • 92. Horizonte O - Camada de restos orgânicos. Horizonte A - Horizonte de pedras e argila. Horizonte B - Chamado horizonte de acumulação, com grande concentração de minerais. Horizonte C - começa na rocha que deu origem ao solo.
  • 93.
  • 94. • Plantio direto: consiste em plantar sobre os restos de plantas da colheita anterior. • Rotação de culturas: cultivo alternado de culturas. • Curvas de nível: Plantação em fileiras de plantas na mesma cota altimétrica. • Afloramento: terra dividida três: área de repouso e as outras duas com culturas diferentes.