SlideShare uma empresa Scribd logo
POR QUE VISUALIZAR DADOS? WHY DO WE NEED DATAVIZ?
Ref. Papanek: HAPTIC (TACTILE) 3D MAP, Inuits.
__________________________________________________________
   “Consider a future device for individual use, which is a sort of mechanized

    private file and library. It needs a name, and, to coin one at random, "memex"

    will do. A memex is a device in which an individual stores all his books,

    records, and communications, and which is mechanized so that it may be

    consulted with exceeding speed and flexibility. It is an enlarged intimate

    supplement to his memory.”                                   BUSH, 1930-45.
__________________________________________________________




                    Ref. Alan Kay: A personal computer for children of all ages, 1972
IDEALINE, M. Wattenberg, 2001
link
INVISIBLE CITIES, Christian Marc Schmidt & Liangjie Xia, 2010
3 FORMAS DE VISUALIZAÇÃO DE
                      OSCILAÇÕES DE TEMPERATURA
                      EM CIDADE DURANTE 11 ANOS.
DISCO VOYAGER, 1977   Fonte: LUIS CARLI
VISUALIZAÇÃO DE MUDANÇAS DE DIMENSÃO
           DA MADEIRA POR TEMPERATURA (vermelho)
           UMIDADE (azul) E UMIDADE PRESENTE NA
           MADEIRA (cinza) NAS CIDADES NO ANO DE 2011.
DISCO VOYAGER, link
                1977
           Fonte: LUIS CARLI E RAFAEL PASSARELLI (USP)
LAYAR, 2010
DISCO (VOYAGER)
MAPEAMENTO COLABORATIVO DE TRÂNSITO NA CIDADE, GOOGLEMAPS, 2010
MEDIENFLUSS, FORMA DE TANGIBILIZAÇÃO (SONORA, VISUAL, TÁTIL) DE INFORMAÇÕES
PRESENTES EM NETZSPANNUNG. MONIKA FLEISCHMANN E WOLFGANG STRAUSS.
LIBRARY, 2010. FERNANDO VELASQUEZ E FRANCISCO LAPETINA
URNOTHERE, 2012. FERNANDO VELAZQUES & GISELLE BEIGUELMAN
Pedro Miguel Cruz, aluno do Mestrado de
Engenharia Informática da Faculdade de
Ciências e Tecnologia da Universidade de
Coimbra, trabalha desde 2010 com estudos
que permitem a visualização das cidades
como um sistema circulatório.

Com base o tráfego nas ruas de Lisboa, o
projeto revela com uma série de gráficos, as
oscilações no deslocamento pelas principais
artérias da cidade, durante um dia.
Graphing the history of philosophy. O estatístico inglês
Simon Raper demonstra meio de uma visualização de
dados uma rede de relações e influências entre filósofos
e pensadores de diferentes épocas a partir das
informações inseridas por colaboradores na Wikipédia.
Cada filósofo representa um nó na rede, e as linhas
entre eles (arestas, conforme a teoria dos grafos)
revelam as relações de influência. O tamanho dos nós
são dimensionados conforme o número de conexões.
Raper utilizou o software gratuito Gephi, que funciona
como ferramenta para análise e visualização de dados.
Os dados da Wikipédia foram recolhidos por meio da
DBpedia, um projeto direcionado a extrair conteúdo
estruturado das informações da Wikipédia para
disponibilização num banco de dados acessível na
internet. Os gráficos foram desenhados com a utilização
de princípios da classe de algoritmos de Fruchterman-
Reingold (force-directed). Desenvolvidos por Thomas
Fruchterman e Edward Reingold em 1991, os algoritmos
apresentam entre as principais características, uma
visualização em que os vértices são distribuidos
igualmente no espaço disponível, a redução do
cruzamento de arestas, a uniformização do tamanho das
arestas, e busca de simetria.
Conductor, de Alexandre Chen, é um projeto que recria o sistema de
metrô na forma de um instrumento musical. O trabalho teve como base o
diagrama icônico do metrô de Nova York, criado em 1972. Com HTML5 e
Javascript, e utilizando as informações sobre a movimentação dos carros
que são disponibilizadas publicamente em tempo real, Chen elaborou um
sistema que produz acordes cada vez que os trens se cruzam. Um dos
próximos passos do projeto é o desenvolvimento de uma versão para
Ipad que funcionaria como um instrumento de grande utilidade para os
usuários do sistema de metrô.
“FALA/SPEAK” – Rejane Cantoni & Leonardo Crescenti. 2012.
40 Celulares se comunicam entre si em várias línguas através
do reconhecimento de palavras (semântica, fonética).
DANIELA KUTSCHAT HANNS
LabVisual/ FAUUSP
dk.hanns@usp.br; dk.hanns@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Destaque (8)

José Luis de Vicente - Armazenando a si: sobre a produção social dos dados / ...
José Luis de Vicente - Armazenando a si: sobre a produção social dos dados / ...José Luis de Vicente - Armazenando a si: sobre a produção social dos dados / ...
José Luis de Vicente - Armazenando a si: sobre a produção social dos dados / ...
 
Data Visualization: Teoria, Técnicas e Práticas
Data Visualization: Teoria, Técnicas e PráticasData Visualization: Teoria, Técnicas e Práticas
Data Visualization: Teoria, Técnicas e Práticas
 
Scaling Business Intelligence: from infrastruture to visualization (pt-br)
Scaling Business Intelligence: from infrastruture to visualization (pt-br)Scaling Business Intelligence: from infrastruture to visualization (pt-br)
Scaling Business Intelligence: from infrastruture to visualization (pt-br)
 
Monika Fleischmann & Wolfgang Strauss - Inter-Facing the Archive:The Media Ar...
Monika Fleischmann & Wolfgang Strauss - Inter-Facing the Archive:The Media Ar...Monika Fleischmann & Wolfgang Strauss - Inter-Facing the Archive:The Media Ar...
Monika Fleischmann & Wolfgang Strauss - Inter-Facing the Archive:The Media Ar...
 
Christiane Paul - Arquivando o contexto: estratégias de preservação para a ne...
Christiane Paul - Arquivando o contexto: estratégias de preservação para a ne...Christiane Paul - Arquivando o contexto: estratégias de preservação para a ne...
Christiane Paul - Arquivando o contexto: estratégias de preservação para a ne...
 
Do and don't de la dataviz
Do and don't de la datavizDo and don't de la dataviz
Do and don't de la dataviz
 
Técnicas básicas de dataviz
Técnicas básicas de datavizTécnicas básicas de dataviz
Técnicas básicas de dataviz
 
Dataviz com Julie Teixeira
Dataviz com Julie TeixeiraDataviz com Julie Teixeira
Dataviz com Julie Teixeira
 

Semelhante a Daniela Kutschat Hanns - Por que visualizar dados?/ Why do we need dataviz?

Lp 136 2014 cronograma atividades (2)
Lp 136 2014   cronograma atividades (2)Lp 136 2014   cronograma atividades (2)
Lp 136 2014 cronograma atividades (2)
virgginialab
 
Lp 136 2014 cronograma atividades
Lp 136 2014   cronograma atividadesLp 136 2014   cronograma atividades
Lp 136 2014 cronograma atividades
virgginialab
 
Paisagem Sonora : Expedição ao Rio São Francisco
Paisagem Sonora : Expedição ao Rio São FranciscoPaisagem Sonora : Expedição ao Rio São Francisco
Paisagem Sonora : Expedição ao Rio São Francisco
Leci Augusto
 
Informação e redes de informação
Informação e redes de informaçãoInformação e redes de informação
Informação e redes de informação
Raquel de Oliveira
 

Semelhante a Daniela Kutschat Hanns - Por que visualizar dados?/ Why do we need dataviz? (20)

A rede e o ser
A rede e o serA rede e o ser
A rede e o ser
 
Excavando Interfaces: elementos de arqueologia de los medios como contribucio...
Excavando Interfaces: elementos de arqueologia de los medios como contribucio...Excavando Interfaces: elementos de arqueologia de los medios como contribucio...
Excavando Interfaces: elementos de arqueologia de los medios como contribucio...
 
Spm 06 set
Spm 06 setSpm 06 set
Spm 06 set
 
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Felipe Sobral
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Felipe SobralApresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Felipe Sobral
Apresentação do Workshop Colaborativo com Professores - Felipe Sobral
 
DADOS ABERTOS DE INSTITUIÇÕES DE MEMÓRIA E CULTURA: papel dos vocabulários na...
DADOS ABERTOS DE INSTITUIÇÕES DE MEMÓRIA E CULTURA:papel dos vocabulários na...DADOS ABERTOS DE INSTITUIÇÕES DE MEMÓRIA E CULTURA:papel dos vocabulários na...
DADOS ABERTOS DE INSTITUIÇÕES DE MEMÓRIA E CULTURA: papel dos vocabulários na...
 
Informações documentárias
Informações documentáriasInformações documentárias
Informações documentárias
 
Cartografia 2.0: Pensando o Mapeamento Participativo na Internet
Cartografia 2.0: Pensando o Mapeamento Participativo na InternetCartografia 2.0: Pensando o Mapeamento Participativo na Internet
Cartografia 2.0: Pensando o Mapeamento Participativo na Internet
 
Lp 136 2014 cronograma atividades (2)
Lp 136 2014   cronograma atividades (2)Lp 136 2014   cronograma atividades (2)
Lp 136 2014 cronograma atividades (2)
 
Lp 136 2014 cronograma atividades
Lp 136 2014   cronograma atividadesLp 136 2014   cronograma atividades
Lp 136 2014 cronograma atividades
 
7Game Design Interface Kao Tokio Unibero 2010
7Game Design Interface Kao Tokio Unibero 20107Game Design Interface Kao Tokio Unibero 2010
7Game Design Interface Kao Tokio Unibero 2010
 
Francis eduardo
Francis eduardoFrancis eduardo
Francis eduardo
 
Informatica3
Informatica3Informatica3
Informatica3
 
interatividade e podcast
interatividade e podcastinteratividade e podcast
interatividade e podcast
 
Paisagem Sonora : Expedição ao Rio São Francisco
Paisagem Sonora : Expedição ao Rio São FranciscoPaisagem Sonora : Expedição ao Rio São Francisco
Paisagem Sonora : Expedição ao Rio São Francisco
 
Informação e redes de informação
Informação e redes de informaçãoInformação e redes de informação
Informação e redes de informação
 
Cts apresentacao
Cts apresentacaoCts apresentacao
Cts apresentacao
 
ApresentacCOMPLEXIDADE, LINEARIDADE E DESIGN COMPLEXITY, LINEARITY AND DESIG...
ApresentacCOMPLEXIDADE, LINEARIDADE E DESIGN  COMPLEXITY, LINEARITY AND DESIG...ApresentacCOMPLEXIDADE, LINEARIDADE E DESIGN  COMPLEXITY, LINEARITY AND DESIG...
ApresentacCOMPLEXIDADE, LINEARIDADE E DESIGN COMPLEXITY, LINEARITY AND DESIG...
 
Análise dos elementos básicos de visualização de dados
Análise dos elementos básicos de visualização de dadosAnálise dos elementos básicos de visualização de dados
Análise dos elementos básicos de visualização de dados
 
A interatividade nos livros infantis em tablets e outros aspectos
A interatividade nos livros infantis em tablets e outros aspectosA interatividade nos livros infantis em tablets e outros aspectos
A interatividade nos livros infantis em tablets e outros aspectos
 
Os sentidos de mapear
Os sentidos de mapearOs sentidos de mapear
Os sentidos de mapear
 

Daniela Kutschat Hanns - Por que visualizar dados?/ Why do we need dataviz?

  • 1. POR QUE VISUALIZAR DADOS? WHY DO WE NEED DATAVIZ?
  • 2. Ref. Papanek: HAPTIC (TACTILE) 3D MAP, Inuits.
  • 3. __________________________________________________________ “Consider a future device for individual use, which is a sort of mechanized private file and library. It needs a name, and, to coin one at random, "memex" will do. A memex is a device in which an individual stores all his books, records, and communications, and which is mechanized so that it may be consulted with exceeding speed and flexibility. It is an enlarged intimate supplement to his memory.” BUSH, 1930-45.
  • 4.
  • 5. __________________________________________________________ Ref. Alan Kay: A personal computer for children of all ages, 1972
  • 7. INVISIBLE CITIES, Christian Marc Schmidt & Liangjie Xia, 2010
  • 8. 3 FORMAS DE VISUALIZAÇÃO DE OSCILAÇÕES DE TEMPERATURA EM CIDADE DURANTE 11 ANOS. DISCO VOYAGER, 1977 Fonte: LUIS CARLI
  • 9. VISUALIZAÇÃO DE MUDANÇAS DE DIMENSÃO DA MADEIRA POR TEMPERATURA (vermelho) UMIDADE (azul) E UMIDADE PRESENTE NA MADEIRA (cinza) NAS CIDADES NO ANO DE 2011. DISCO VOYAGER, link 1977 Fonte: LUIS CARLI E RAFAEL PASSARELLI (USP)
  • 11. MAPEAMENTO COLABORATIVO DE TRÂNSITO NA CIDADE, GOOGLEMAPS, 2010
  • 12. MEDIENFLUSS, FORMA DE TANGIBILIZAÇÃO (SONORA, VISUAL, TÁTIL) DE INFORMAÇÕES PRESENTES EM NETZSPANNUNG. MONIKA FLEISCHMANN E WOLFGANG STRAUSS.
  • 13. LIBRARY, 2010. FERNANDO VELASQUEZ E FRANCISCO LAPETINA
  • 14. URNOTHERE, 2012. FERNANDO VELAZQUES & GISELLE BEIGUELMAN
  • 15. Pedro Miguel Cruz, aluno do Mestrado de Engenharia Informática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, trabalha desde 2010 com estudos que permitem a visualização das cidades como um sistema circulatório. Com base o tráfego nas ruas de Lisboa, o projeto revela com uma série de gráficos, as oscilações no deslocamento pelas principais artérias da cidade, durante um dia.
  • 16. Graphing the history of philosophy. O estatístico inglês Simon Raper demonstra meio de uma visualização de dados uma rede de relações e influências entre filósofos e pensadores de diferentes épocas a partir das informações inseridas por colaboradores na Wikipédia. Cada filósofo representa um nó na rede, e as linhas entre eles (arestas, conforme a teoria dos grafos) revelam as relações de influência. O tamanho dos nós são dimensionados conforme o número de conexões. Raper utilizou o software gratuito Gephi, que funciona como ferramenta para análise e visualização de dados. Os dados da Wikipédia foram recolhidos por meio da DBpedia, um projeto direcionado a extrair conteúdo estruturado das informações da Wikipédia para disponibilização num banco de dados acessível na internet. Os gráficos foram desenhados com a utilização de princípios da classe de algoritmos de Fruchterman- Reingold (force-directed). Desenvolvidos por Thomas Fruchterman e Edward Reingold em 1991, os algoritmos apresentam entre as principais características, uma visualização em que os vértices são distribuidos igualmente no espaço disponível, a redução do cruzamento de arestas, a uniformização do tamanho das arestas, e busca de simetria.
  • 17. Conductor, de Alexandre Chen, é um projeto que recria o sistema de metrô na forma de um instrumento musical. O trabalho teve como base o diagrama icônico do metrô de Nova York, criado em 1972. Com HTML5 e Javascript, e utilizando as informações sobre a movimentação dos carros que são disponibilizadas publicamente em tempo real, Chen elaborou um sistema que produz acordes cada vez que os trens se cruzam. Um dos próximos passos do projeto é o desenvolvimento de uma versão para Ipad que funcionaria como um instrumento de grande utilidade para os usuários do sistema de metrô.
  • 18. “FALA/SPEAK” – Rejane Cantoni & Leonardo Crescenti. 2012. 40 Celulares se comunicam entre si em várias línguas através do reconhecimento de palavras (semântica, fonética).
  • 19. DANIELA KUTSCHAT HANNS LabVisual/ FAUUSP dk.hanns@usp.br; dk.hanns@gmail.com