SlideShare uma empresa Scribd logo
Danças Nordestinas
Em geral, as festas no Brasil se voltam para uma reunião de
pessoas que comemoram um batizado, um casamento, uma data
cívica, ou o dia consagrado a um santo. As datas comemorativas
brasileiras mais esperadas do ano são o Natal, o Carnaval e o São
João.
A seqüência de gestos, passos e movimentos corporais,
acompanhados pelo ritmo musical, que expressam estados
emocionais e situações 'imaginárias' de uma cultura, são
chamados de Dança. É a partir dos costumes populares que se dá
sua origem, seja ela ritual, mágica, religiosa, voltada para a
guerra ou para a arte.
No Brasil, a dança é um dos pontos mais fortes da cultura.
Conhecido por seu povo alegre e entusiasmado, o país possui os
estilos mais variados e significativos, como produto de uma
grande difusão cultural.
Bumba-Meu-Boi
O Nordeste é considerado berço das
principais variedades, tais como: boi
calemba, bumba (Recife), boi-de-reis, boi-
bumbá (Maranhão, Pará, Amazonas), Três
pedaços (Porto da Rua, Porto de Pedras) em
Alagoas. A narrativa encenada sobre o boi é
muito semelhante nas diferentes regiões do
país. No Maranhão, o boi é tocado com
pandeirões e roncador (uma cuíca enorme,
de som grave). No sul utiliza-se o acordeão.
Mas um dos mais populares nos últimos
anos é o boi-bumbá no Amazonas. O folclore
caboclo é celebrado nas fantasias dos blocos
de boi-bumbá, versão amazonense muito
popular do bumba-meu-boi.
Capoeira
A Capoeira chegou no século XVI ao
Brasil, com os escravos africanos. Sua
prática era aplicada com os pés e a
cabeça para defenderem-se dos
europeus, lutavam com as mãos, tanto
para o ataque quanto para defesa. A
capoeira foi camuflada na forma de
pantomimas mímicas e danças, para
evitar a repressão dos senhores de
escravos e da polícia. Sempre ao som
da música de berimbaus, da boca e das
palmas, sua prática tornou-se popular
em todo o país.
Frevo
Essa dança de rua e salão é a maior atração do carnaval pernambucano.
Característica pela marcha de ritmo sincopado, violento e frenético, trata-se
de uma dança coletiva, que se desenvolve em meio à multidão até ferver.
Essa idéia de fervura (que o povo pronuncia frevura, frever) deu origem ao
nome "frevo". O frevo possui um andamento semelhante ao da marchinha
carioca, mais pesada e barulhenta, mas com execução vigorosa e estridente
como a de fanfarra. Seu símbolo é o guarda-chuva, que serve para manter o
equilíbrio dos passistas. O curioso é que a coreografia dessa dança de
multidão é individual. Seus foliões dançam de modos diversos, são raros
aqueles que fazem gestos iguais.
Maracatú
O maracatu tem origem africana,
baseado nas cerimônias de coroação dos
reis do Congo. O ritmo é marcado
apenas com percussão, produzindo
aquilo que chamam de "baque virado", o
qual instiga à dança. No início, a tradição
se deu pela necessidade que os chefes
tribais vindos do Congo e Angola tinham
de mostrar sua força e poder, mesmo
com a escravidão. Foi símbolo da
resistência negra no Brasil contra a
dominação portuguesa, passando com o
tempo a ser incorporado à cultura
brasileira. Atualmente o maracatu, entre
outras manifestações populares, fazem
parte do carnaval pernambucano.
Reisado
Dança popular profana-religiosa, de origem
portuguesa, com que se festeja a véspera e o Dia
de Reis. No período de 24 de dezembro a 06 de
janeiro, um grupo formado por músicos, cantores e
dançadores vão de porta em porta anunciando a
chegada do Messias e fazendo louvações aos
donos das casas por onde passam e dançam. O
Reisado é de origem portuguesa e instalou-se em
Sergipe no período colonial. Atualmente, é
dançado em qualquer época do ano, os temas de
seu enredo, variam de acordo com o local e a
época em que são encenados, podem ser: amor,
guerra, religião entre outros. O Reisado se compõe
de várias partes e tem diversos personagens como
o rei, o mestre, contramestre, figuras e moleques.
Os instrumentos que acompanham o grupo são
violão, sanfona, ganzá, zabumba, triângulo e
pandeiro.
Coco
Dança típica de Alagoas, de origem africana, que se espalhou por
todo o Nordeste recebendo nomes e formas de coreografias
diferentes. A dança é cantada e acompanhada pela batida dos pés
ou pela vibração do patear dos cavalos. O mestre ou o tocador de
coco entoa as cantigas cujo refrão é respondido pelos cantadores.
Xaxado
Dança popular do sertão nordestino, cujo nome foi dado devido ao som do ruído
que as sandálias dos cangaceiros faziam ao arrastarem sobre o solo durante as
comemorações celebradas nos momentos de glória do grupo de "Lampião",
considerado entre outras denominações o "Rei do Cangaço". É dançada somente
por homens, razão pela qual nunca se tornou uma dança de salão.
Primeiramente a melodia era apenas cantada e o tempo forte marcado pela
batida de um rifle no chão, as letras eram e continuam satíricas. O grande
divulgador do xaxado foi Luís Gonzaga, que conseguiu que este gênero fosse
tocado nas rádios, televisões e teatros.
Forró
O nome forró deriva de forrobodó, "divertimento pagodeiro", segundo o
folclorista Câmara Cascudo. Tanto o pagode (que hoje designa samba) como o
forró são festas que foram transformadas em gêneros musicais.
O forrobodó, "baile ordinário, sem etiqueta", também conhecido por arrasta-pé,
bate-chinela ou fobó, sempre foi movido por vários tipos de música nordestina
(baião, coco, rojão, quadrilha, xaxado, xote) e animado pela pé de bode, a
popular sanfona de oito baixos.
Uma versão fantasiosa chegou a atribuir a origem do forró à deturpação da
pronúncia dos bailes for all (para todos), que no começo do século os
engenheiros ingleses da estrada de ferro Great Western, que servia Pernambuco,
Paraíba e Alagoas, promoviam para os operários nos fins de semana.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A diversidade cultural do Brasil
A diversidade cultural do BrasilA diversidade cultural do Brasil
A diversidade cultural do Brasil
Andreia Bastos
 
Danças regionais
Danças regionaisDanças regionais
Danças regionais
Jair Marcolino GatoFelix
 
As danças africanas
As danças africanas As danças africanas
As danças africanas
minella14
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro BrasileiraCultura Afro Brasileira
Cultura Afro Brasileira
brendazarza
 
Arte indígena na chegada dos portugueses
Arte indígena na chegada dos portuguesesArte indígena na chegada dos portugueses
Arte indígena na chegada dos portugueses
Claudio Bastos
 
Cultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no BrasilCultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no Brasil
Bruna Medeiros
 
Características sobre a cultura da Região Norte no Brasil
Características sobre a cultura da Região Norte no BrasilCaracterísticas sobre a cultura da Região Norte no Brasil
Características sobre a cultura da Região Norte no Brasil
Larissa Barreis
 
Tipos de danças
Tipos de dançasTipos de danças
Tipos de danças
iedaromao
 
Dança
DançaDança
Projeto arte e africanidades
Projeto arte e africanidadesProjeto arte e africanidades
Projeto arte e africanidades
campacheco
 
Danças brasileiras
Danças brasileirasDanças brasileiras
Danças brasileiras
VALDIR CONCEICAO
 
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
guestb74f0c
 
História da dança
História da dançaHistória da dança
História da dança
Isaque Marques Pascoal
 
Folclore 9º ano
Folclore 9º anoFolclore 9º ano
Folclore 9º ano
Escola Municipal
 
Continete Africano
Continete AfricanoContinete Africano
Continete Africano
pratesclaudio
 
Festas religiosas no Brasil
Festas religiosas no BrasilFestas religiosas no Brasil
Festas religiosas no Brasil
Leonaldo Brandao
 
cultura e religião do norte
cultura e religião do nortecultura e religião do norte
cultura e religião do norte
MAIANASC
 
Danças da região sudeste
Danças da região sudesteDanças da região sudeste
Danças da região sudeste
Rose Gonçalves
 
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdfARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
WeslleyDias8
 
Dança da cultura Afro-brasileira
Dança da cultura Afro-brasileiraDança da cultura Afro-brasileira
Dança da cultura Afro-brasileira
Thelsy
 

Mais procurados (20)

A diversidade cultural do Brasil
A diversidade cultural do BrasilA diversidade cultural do Brasil
A diversidade cultural do Brasil
 
Danças regionais
Danças regionaisDanças regionais
Danças regionais
 
As danças africanas
As danças africanas As danças africanas
As danças africanas
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro BrasileiraCultura Afro Brasileira
Cultura Afro Brasileira
 
Arte indígena na chegada dos portugueses
Arte indígena na chegada dos portuguesesArte indígena na chegada dos portugueses
Arte indígena na chegada dos portugueses
 
Cultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no BrasilCultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no Brasil
 
Características sobre a cultura da Região Norte no Brasil
Características sobre a cultura da Região Norte no BrasilCaracterísticas sobre a cultura da Região Norte no Brasil
Características sobre a cultura da Região Norte no Brasil
 
Tipos de danças
Tipos de dançasTipos de danças
Tipos de danças
 
Dança
DançaDança
Dança
 
Projeto arte e africanidades
Projeto arte e africanidadesProjeto arte e africanidades
Projeto arte e africanidades
 
Danças brasileiras
Danças brasileirasDanças brasileiras
Danças brasileiras
 
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
 
História da dança
História da dançaHistória da dança
História da dança
 
Folclore 9º ano
Folclore 9º anoFolclore 9º ano
Folclore 9º ano
 
Continete Africano
Continete AfricanoContinete Africano
Continete Africano
 
Festas religiosas no Brasil
Festas religiosas no BrasilFestas religiosas no Brasil
Festas religiosas no Brasil
 
cultura e religião do norte
cultura e religião do nortecultura e religião do norte
cultura e religião do norte
 
Danças da região sudeste
Danças da região sudesteDanças da região sudeste
Danças da região sudeste
 
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdfARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
 
Dança da cultura Afro-brasileira
Dança da cultura Afro-brasileiraDança da cultura Afro-brasileira
Dança da cultura Afro-brasileira
 

Destaque

Reisado
ReisadoReisado
Reisado
Marcos Otilio
 
Apresentação1 aula danças
Apresentação1   aula dançasApresentação1   aula danças
Apresentação1 aula danças
Annete Melo
 
Danças nordestinas
Danças nordestinasDanças nordestinas
Danças nordestinas
Marcos Bee
 
MARACATU | Antropologia da cultura
MARACATU | Antropologia da culturaMARACATU | Antropologia da cultura
MARACATU | Antropologia da cultura
Pedro Otaviano
 
Maracatu
MaracatuMaracatu
Maracatu
Diana Lins
 
Bumba-meu-boi - Matheus S. 5B
Bumba-meu-boi - Matheus S. 5BBumba-meu-boi - Matheus S. 5B
Bumba-meu-boi - Matheus S. 5B
Jean Carvalho
 
Presentación corporativa aje madrid
Presentación corporativa aje madridPresentación corporativa aje madrid
Presentación corporativa aje madrid
AJE MADRID
 
DançAs Nordestinas
DançAs NordestinasDançAs Nordestinas
DançAs Nordestinas
frv
 
Maracatu
MaracatuMaracatu
Maracatu
Tânia Regina
 
Carnaval - História e Curiosidades
Carnaval - História e CuriosidadesCarnaval - História e Curiosidades
Carnaval - História e Curiosidades
priscilafgl
 
Danças folclóricas
Danças folclóricasDanças folclóricas
Danças folclóricas
Rosely Modesto
 
Geografia
GeografiaGeografia
AULA CONCEITUAL GEOGRAFIA
AULA CONCEITUAL GEOGRAFIAAULA CONCEITUAL GEOGRAFIA
AULA CONCEITUAL GEOGRAFIA
Marcos Vinicius Andrade Steidle
 
Slide dança
Slide dançaSlide dança
Slide dança
danmetallord
 
Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1
Palloma Luana
 

Destaque (15)

Reisado
ReisadoReisado
Reisado
 
Apresentação1 aula danças
Apresentação1   aula dançasApresentação1   aula danças
Apresentação1 aula danças
 
Danças nordestinas
Danças nordestinasDanças nordestinas
Danças nordestinas
 
MARACATU | Antropologia da cultura
MARACATU | Antropologia da culturaMARACATU | Antropologia da cultura
MARACATU | Antropologia da cultura
 
Maracatu
MaracatuMaracatu
Maracatu
 
Bumba-meu-boi - Matheus S. 5B
Bumba-meu-boi - Matheus S. 5BBumba-meu-boi - Matheus S. 5B
Bumba-meu-boi - Matheus S. 5B
 
Presentación corporativa aje madrid
Presentación corporativa aje madridPresentación corporativa aje madrid
Presentación corporativa aje madrid
 
DançAs Nordestinas
DançAs NordestinasDançAs Nordestinas
DançAs Nordestinas
 
Maracatu
MaracatuMaracatu
Maracatu
 
Carnaval - História e Curiosidades
Carnaval - História e CuriosidadesCarnaval - História e Curiosidades
Carnaval - História e Curiosidades
 
Danças folclóricas
Danças folclóricasDanças folclóricas
Danças folclóricas
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
AULA CONCEITUAL GEOGRAFIA
AULA CONCEITUAL GEOGRAFIAAULA CONCEITUAL GEOGRAFIA
AULA CONCEITUAL GEOGRAFIA
 
Slide dança
Slide dançaSlide dança
Slide dança
 
Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1
 

Semelhante a Danças Nordestinas - Kellyson Yalan

Danças nordestinas
Danças nordestinasDanças nordestinas
Danças nordestinas
Gilvan Ressurreição
 
Danças brasileiras
Danças brasileirasDanças brasileiras
Danças brasileiras
Paola Oniesko
 
MúSicas Populares E FolclóRicas Brasileiras
MúSicas Populares E FolclóRicas BrasileirasMúSicas Populares E FolclóRicas Brasileiras
MúSicas Populares E FolclóRicas Brasileiras
HOME
 
O som do nordeste
O som do nordesteO som do nordeste
O som do nordeste
Francisco Nascimento
 
Dança
DançaDança
Danças existentes no brasil
Danças existentes no brasilDanças existentes no brasil
Danças existentes no brasil
Atylla Maria
 
Danças,Festas e Músicas Brasileiras com influencias africanas
Danças,Festas e Músicas Brasileiras com influencias africanas Danças,Festas e Músicas Brasileiras com influencias africanas
Danças,Festas e Músicas Brasileiras com influencias africanas
Helena Santana
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
Weberth Diniz
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
Luana Aragão
 
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
MiriamCamily
 
danasbrasileiras0-170415153903.pdf
danasbrasileiras0-170415153903.pdfdanasbrasileiras0-170415153903.pdf
danasbrasileiras0-170415153903.pdf
WeslleyDias8
 
GENEROS.pptx
GENEROS.pptxGENEROS.pptx
GENEROS.pptx
AndreJose15
 
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino FundamentalRoteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
VALDOMIRO PEREIRA DE PEREIRA DE SOUZA JUNIOR
 
Carvanal
CarvanalCarvanal
Carvanal
Ronaldo Moraes
 
Danças existentes
Danças existentesDanças existentes
Danças existentes
euler223
 
7309 a arte_de_dancar
7309 a arte_de_dancar7309 a arte_de_dancar
7309 a arte_de_dancar
James Williams de Oliveira Geraldo
 
Danças centro oeste1
Danças centro oeste1Danças centro oeste1
Danças centro oeste1
Jorge Alexandre Pinto Flexa
 
Dancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasilDancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasil
RaiRosa1
 
Carlos
CarlosCarlos
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e Organização
Gabriel Resende
 

Semelhante a Danças Nordestinas - Kellyson Yalan (20)

Danças nordestinas
Danças nordestinasDanças nordestinas
Danças nordestinas
 
Danças brasileiras
Danças brasileirasDanças brasileiras
Danças brasileiras
 
MúSicas Populares E FolclóRicas Brasileiras
MúSicas Populares E FolclóRicas BrasileirasMúSicas Populares E FolclóRicas Brasileiras
MúSicas Populares E FolclóRicas Brasileiras
 
O som do nordeste
O som do nordesteO som do nordeste
O som do nordeste
 
Dança
DançaDança
Dança
 
Danças existentes no brasil
Danças existentes no brasilDanças existentes no brasil
Danças existentes no brasil
 
Danças,Festas e Músicas Brasileiras com influencias africanas
Danças,Festas e Músicas Brasileiras com influencias africanas Danças,Festas e Músicas Brasileiras com influencias africanas
Danças,Festas e Músicas Brasileiras com influencias africanas
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
 
danasbrasileiras0-170415153903.pdf
danasbrasileiras0-170415153903.pdfdanasbrasileiras0-170415153903.pdf
danasbrasileiras0-170415153903.pdf
 
GENEROS.pptx
GENEROS.pptxGENEROS.pptx
GENEROS.pptx
 
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino FundamentalRoteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
 
Carvanal
CarvanalCarvanal
Carvanal
 
Danças existentes
Danças existentesDanças existentes
Danças existentes
 
7309 a arte_de_dancar
7309 a arte_de_dancar7309 a arte_de_dancar
7309 a arte_de_dancar
 
Danças centro oeste1
Danças centro oeste1Danças centro oeste1
Danças centro oeste1
 
Dancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasilDancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasil
 
Carlos
CarlosCarlos
Carlos
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e Organização
 

Último

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 

Danças Nordestinas - Kellyson Yalan

  • 1. Danças Nordestinas Em geral, as festas no Brasil se voltam para uma reunião de pessoas que comemoram um batizado, um casamento, uma data cívica, ou o dia consagrado a um santo. As datas comemorativas brasileiras mais esperadas do ano são o Natal, o Carnaval e o São João. A seqüência de gestos, passos e movimentos corporais, acompanhados pelo ritmo musical, que expressam estados emocionais e situações 'imaginárias' de uma cultura, são chamados de Dança. É a partir dos costumes populares que se dá sua origem, seja ela ritual, mágica, religiosa, voltada para a guerra ou para a arte. No Brasil, a dança é um dos pontos mais fortes da cultura. Conhecido por seu povo alegre e entusiasmado, o país possui os estilos mais variados e significativos, como produto de uma grande difusão cultural.
  • 2. Bumba-Meu-Boi O Nordeste é considerado berço das principais variedades, tais como: boi calemba, bumba (Recife), boi-de-reis, boi- bumbá (Maranhão, Pará, Amazonas), Três pedaços (Porto da Rua, Porto de Pedras) em Alagoas. A narrativa encenada sobre o boi é muito semelhante nas diferentes regiões do país. No Maranhão, o boi é tocado com pandeirões e roncador (uma cuíca enorme, de som grave). No sul utiliza-se o acordeão. Mas um dos mais populares nos últimos anos é o boi-bumbá no Amazonas. O folclore caboclo é celebrado nas fantasias dos blocos de boi-bumbá, versão amazonense muito popular do bumba-meu-boi.
  • 3. Capoeira A Capoeira chegou no século XVI ao Brasil, com os escravos africanos. Sua prática era aplicada com os pés e a cabeça para defenderem-se dos europeus, lutavam com as mãos, tanto para o ataque quanto para defesa. A capoeira foi camuflada na forma de pantomimas mímicas e danças, para evitar a repressão dos senhores de escravos e da polícia. Sempre ao som da música de berimbaus, da boca e das palmas, sua prática tornou-se popular em todo o país.
  • 4. Frevo Essa dança de rua e salão é a maior atração do carnaval pernambucano. Característica pela marcha de ritmo sincopado, violento e frenético, trata-se de uma dança coletiva, que se desenvolve em meio à multidão até ferver. Essa idéia de fervura (que o povo pronuncia frevura, frever) deu origem ao nome "frevo". O frevo possui um andamento semelhante ao da marchinha carioca, mais pesada e barulhenta, mas com execução vigorosa e estridente como a de fanfarra. Seu símbolo é o guarda-chuva, que serve para manter o equilíbrio dos passistas. O curioso é que a coreografia dessa dança de multidão é individual. Seus foliões dançam de modos diversos, são raros aqueles que fazem gestos iguais.
  • 5. Maracatú O maracatu tem origem africana, baseado nas cerimônias de coroação dos reis do Congo. O ritmo é marcado apenas com percussão, produzindo aquilo que chamam de "baque virado", o qual instiga à dança. No início, a tradição se deu pela necessidade que os chefes tribais vindos do Congo e Angola tinham de mostrar sua força e poder, mesmo com a escravidão. Foi símbolo da resistência negra no Brasil contra a dominação portuguesa, passando com o tempo a ser incorporado à cultura brasileira. Atualmente o maracatu, entre outras manifestações populares, fazem parte do carnaval pernambucano.
  • 6. Reisado Dança popular profana-religiosa, de origem portuguesa, com que se festeja a véspera e o Dia de Reis. No período de 24 de dezembro a 06 de janeiro, um grupo formado por músicos, cantores e dançadores vão de porta em porta anunciando a chegada do Messias e fazendo louvações aos donos das casas por onde passam e dançam. O Reisado é de origem portuguesa e instalou-se em Sergipe no período colonial. Atualmente, é dançado em qualquer época do ano, os temas de seu enredo, variam de acordo com o local e a época em que são encenados, podem ser: amor, guerra, religião entre outros. O Reisado se compõe de várias partes e tem diversos personagens como o rei, o mestre, contramestre, figuras e moleques. Os instrumentos que acompanham o grupo são violão, sanfona, ganzá, zabumba, triângulo e pandeiro.
  • 7. Coco Dança típica de Alagoas, de origem africana, que se espalhou por todo o Nordeste recebendo nomes e formas de coreografias diferentes. A dança é cantada e acompanhada pela batida dos pés ou pela vibração do patear dos cavalos. O mestre ou o tocador de coco entoa as cantigas cujo refrão é respondido pelos cantadores.
  • 8. Xaxado Dança popular do sertão nordestino, cujo nome foi dado devido ao som do ruído que as sandálias dos cangaceiros faziam ao arrastarem sobre o solo durante as comemorações celebradas nos momentos de glória do grupo de "Lampião", considerado entre outras denominações o "Rei do Cangaço". É dançada somente por homens, razão pela qual nunca se tornou uma dança de salão. Primeiramente a melodia era apenas cantada e o tempo forte marcado pela batida de um rifle no chão, as letras eram e continuam satíricas. O grande divulgador do xaxado foi Luís Gonzaga, que conseguiu que este gênero fosse tocado nas rádios, televisões e teatros.
  • 9. Forró O nome forró deriva de forrobodó, "divertimento pagodeiro", segundo o folclorista Câmara Cascudo. Tanto o pagode (que hoje designa samba) como o forró são festas que foram transformadas em gêneros musicais. O forrobodó, "baile ordinário, sem etiqueta", também conhecido por arrasta-pé, bate-chinela ou fobó, sempre foi movido por vários tipos de música nordestina (baião, coco, rojão, quadrilha, xaxado, xote) e animado pela pé de bode, a popular sanfona de oito baixos. Uma versão fantasiosa chegou a atribuir a origem do forró à deturpação da pronúncia dos bailes for all (para todos), que no começo do século os engenheiros ingleses da estrada de ferro Great Western, que servia Pernambuco, Paraíba e Alagoas, promoviam para os operários nos fins de semana.
  • 10. FIM