SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
- TRABALHO REALIZADO POR ALUNOS DO 8º4 - ESCOLA E.B. 2/3 TEIXEIRA LOPES 2009
T.M.A 14,5 ºC A.T.A 11,8 ºC P.ANO 1374,2 mm Meses Secos 2 T.M.A 13,4 ºC A.T.A 16,2 ºC P.ANO 741,1 mm Meses Secos 3 T.M.A . – Temperatura média anual A.T.A. – Amplitude térmica anual P.ANO – Precipitação total anual Meses Secos – Nº meses secos Legenda A proximidade do mar e a continentalidade exercem influência no clima: a temperatura média anual (TMA) é maior em Santo Tirso; a amplitude térmica anual (ATA) é mais elevada em Bragança; a precipitação total é mais elevada em Santo Tirso que tem, também, menos meses secos. Trabalho de Rita Pinto Fonte do mapa: http://www.igeo.pt/atlas/ Trabalho de Sara Alexandra
M.D Pi F.C T.M.A 12,0 ºC A.T.A 16,9 ºC P.ANO 554,7 mm Meses Secos 4 T.M.A 12,3 ºC A.T.A 16,6 ºC P.ANO 590,7 mm Meses Secos 3 T.M.A 15,6 ºC A.T.A 16,5 ºC P.ANO 671,7 mm Meses Secos 4 M.D Pi F.C T.M.A . – Temperatura média anual A.T.A. – Amplitude térmica anual P.ANO – Precipitação total anual Meses Secos – Nº meses secos Legenda Trabalho de António Machado Trabalho de Luísa Quaresma Trabalho de Mª João Teixeira Nestas três estações, as temperaturas médias anuais são moderadas, as amplitudes térmicas anuais são altas e a precipitação anual é baixa, por influência da localização no vale encaixado do rio Douro. [Análise elaborada por Mª João Teixeira]
Viana Castelo Porto Estarreja Elementos Clima 20,0 ºC 19,8 ºC 19,1 ºC Temp. média do mês mais quente 9,5 ºC 9,3 ºC 8,8 ºC Temp. média do mês mais frio 14,3 ºC 14,4 ºC 13,9 ºC Temp. média  anual 10,5 ºC 10,5 ºC 10,3 ºC Amplitude térmica anual 1427,1 mm 1235,5 mm 1151,6 mm Precipitação anual 2 (Julho/Agosto) 2 (Julho/Agosto) 2 (Julho/Agosto) Meses secos V.C P E E V.C Trabalho de Dora Oliveira P Trabalho de Elisabete Pinto
Viana Castelo Porto Estarreja Viana do Castelo, Porto e Estarreja situam-se no litoral norte de Portugal em altitudes inferiores a 100 metros. Os valores das temperaturas médias do mês mais quente são muito aproximados, entre 19ºC e 20ºC. As temperaturas médias do mês mais frio também são muito semelhantes, entre 8,8ºC e 9,5ºC. A amplitude térmica anual nas três localizações é praticamente igual (10,3 – 10,5ºC). Já a precipitação mostra diferenças, ela é de 1427,1 mm em Viana do Castelo e 1151,6 mm em Estarreja. Esta diferença deve-se ao factor latitude, isto é, à medida que o lugar está mais a sul o valor da precipitação diminui. As três localidades têm apenas 2 meses secos devido à influência do oceano. [Análise e Relatório de António Miguel Machado]
-  A influência da altitude no clima  - Penhas da Saúde 1510 metros Guarda 1019 metros Castelo Branco 380 metros T.M.A 10,4 ºC A.T.A 15,0 ºC P.ANO 935,5 mm Meses Secos 2 T.M.A 7,4 ºC A.T.A 14,6 ºC P.ANO 2965,0 mm Meses Secos 2 T.M.A 15,6 ºC A.T.A 16,3 ºC P.ANO 821,4 mm Meses Secos 4 T.M.A . – Temperatura média anual A.T.A. – Amplitude térmica anual P.ANO – Precipitação total anual Meses Secos – Nº meses secos Legenda C.B P.D G C.B P.D G
A temperatura média mensal mais elevada é de 22,6ºC em Agosto e a temperatura média mais baixa é de 11,3ºC em Janeiro. A amplitude térmica anual é de 11,3 ºC.  A precipitação é mais elevada de Outubro a Março e no ano chove 778,0 mm e há 4 meses secos. A temperatura média anual é de 15,6 ºC, a média mensal mais elevada é de 23,2ºC em Agosto e a média mensal mais baixa é de 8,8ºC em Janeiro. A amplitude térmica anual é de 14,4 ºC.  A precipitação é mais elevada de Outubro a Março, com Fevereiro menos chuvoso. No ano chove 655,6 mm e há 4 meses secos A temperatura média mensal mais elevada é de 24,8ºC em Julho e a temperatura média mais baixa é de 8,0ºC em Janeiro. A temperatura média anual é de 15,9 ºC e a amplitude térmica anual é de 16,8 ºC.   No ano chove 604,2 mm, sobretudo de Outubro a Abril e há 4 meses secos
B F BEJA FARO Elementos Clima 23,8 ºC 24,0 ºC Temp. média do mês mais quente 9,5 ºC 12,2 ºC Temp. média do mês mais frio 16,1 ºC 17,8 ºC Temp. média  anual 14,3 ºC 11,8 ºC Amplitude térmica anual 605,6 mm 452,6 mm Precipitação anual 4  (J/JL/A/S) 6 (A/M/J/JL/A/S) Meses secos Trabalho de Vasco Teixeira
Faro e Beja situam-se no sul e têm ambas temperaturas médias anuais elevadas. Faro, a uma latitude mais a sul, com maior influência das zonas anticiclónicas, não tem invernos muito frios mas os verões são muito quentes. Beja, mais no interior e com latitude ligeiramente superior, tem invernos mais frios mas verões também muito quentes. Devido a estes factores está a diferença na A.T.A. entre as duas estações: Faro tem invernos pouco frios e verões muito quentes e uma A.T.A. baixa; Beja tem invernos frios e verões mais quentes e a A.T.A. é de média a elevada. Devido à latitude, Faro tem menor precipitação ao longo do ano do que Beja, mas a precipitação também é devida à altitude, daí que Beja tenha um pouco mais de precipitação. Associado aos elementos anteriores estão os meses secos, Faro com seis meses secos e Beja com quatro. [Análise e Relatório de Vasco Teixeira e João M. Rocha] B F
Fonte mapa - http://www.igeo.pt/atlas/ No verão, as temperaturas médias são progressivamente mais elevadas de Noroeste para Sudeste. No litoral norte e centro as temperaturas rodam os 20ºC. No centro-norte as temperaturas são ligeiramente mais baixas (14 -16ºC) por causa da Cordilheira Central. No interior norte as temperaturas são mais elevadas (20-24ºC). No centro e no sul as temperaturas são as mais as elevadas, sobretudo no interior sul. As temperaturas médias nos meses de inverno diminuem no sentido Sudoeste-Nordeste. No sul e no litoral oeste as temperaturas rondam os 10-14ºC e passam para os 8-10ºC no centro e no litoral norte. Todo o interior norte e centro tem temperaturas de 4-8ºC e as áreas mais montanhosas têm temperaturas inferiores a 4ºC.  [Relatório de Sara Alexandra e Tatiana] Temperatura média do ar nos meses de verão Temperatura média do ar nos meses de inverno
Fonte mapa - http://www.igeo.pt/atlas/ O norte de Portugal na parte mais próxima do litoral tem uma precipitação total anual muito alta, entre 1600 e 3300 mm; o norte interior tem uma precipitação anual inferior a 1400 mm, que é cada vez menor quanto mais próximo da fronteira com Espanha. O centro de Portugal tem uma precipitação total anual entre os 1000 e os 1400 mm e só mais para o interior é que a precipitação é menor. A precipitação elevada é devido às altitudes elevadas das serras, entre elas a serra da Estrela. O sul de Portugal tem uma precipitação total anual muito baixa, entre 400 e 800 mm, mas podemos encontrar um valor um pouco superior nas serras algarvias. [Análise e Relatório de Nuno Mendes] Precipitação Total Anual
No Norte de Portugal, o clima temperado de feição marítima observa-se na parte Oeste (litoral), onde temos as cidades de Viana do Castelo, Braga,  Porto , Aveiro e Coimbra, entre outras. O clima temperado mediterrânico de feição continental observa-se no interior centro e no nordeste. Todo o sul de Portugal tem um clima temperado mediterrânico. O clima temperado com influência da altitude ocorre nas serras de maior altitude, como a Cordilheira Central e as serras da Peneda e do Gerês. [Relatório de Dora Oliveira] A Distribuição dos Climas
Pela latitude a que se encontra Portugal e pelo regime termo-pluviométrico, distinguem-se duas regiões de vegetação ‘natural’: a norte, vegetação atlântica, com espécies de folha caduca; a sul, vegetação mediterrânea, com espécies de folha persistente. Quercus robur Quercus pyrenaica Quercus suber Quercus ilex spp rotundifolia Quercus faginea Climas Vegetação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coordenadas geográficas 7ano
Coordenadas geográficas 7anoCoordenadas geográficas 7ano
Coordenadas geográficas 7anoSuely Takahashi
 
Const. gráficos termop. final
Const. gráficos termop. finalConst. gráficos termop. final
Const. gráficos termop. finalGina Espenica
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Rosária Zamith
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoHneves
 
Distribuição Mundial da População
Distribuição Mundial da PopulaçãoDistribuição Mundial da População
Distribuição Mundial da PopulaçãoGeografia .
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaIlda Bicacro
 
5 indicadores demográficos
5  indicadores demográficos5  indicadores demográficos
5 indicadores demográficosMayjö .
 
Portugal na europa e no mundo
Portugal na europa e no mundoPortugal na europa e no mundo
Portugal na europa e no mundoTânia Baptista
 
Mobilidade da população.ppt
Mobilidade da população.pptMobilidade da população.ppt
Mobilidade da população.pptSusanaP5
 
Áreas povoadas Vazios Humanos
Áreas povoadas Vazios HumanosÁreas povoadas Vazios Humanos
Áreas povoadas Vazios Humanoscristina Mendes
 
O Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos AçoresO Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos AçoresJoana Marques
 
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentoPaíses desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentolidia76
 
Furacões e tornados
Furacões e tornadosFuracões e tornados
Furacões e tornadosIlda Bicacro
 
Climas quentes, geografia 7ºano
Climas quentes, geografia 7ºanoClimas quentes, geografia 7ºano
Climas quentes, geografia 7ºanononofrias
 
Evolução da população mundial
Evolução da população mundialEvolução da população mundial
Evolução da população mundialANAMSIGOT
 
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitaçãoMassas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitaçãoelsaki72
 

Mais procurados (20)

Clima Em Portugal
Clima Em PortugalClima Em Portugal
Clima Em Portugal
 
Coordenadas geográficas 7ano
Coordenadas geográficas 7anoCoordenadas geográficas 7ano
Coordenadas geográficas 7ano
 
Const. gráficos termop. final
Const. gráficos termop. finalConst. gráficos termop. final
Const. gráficos termop. final
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
 
Distribuição Mundial da População
Distribuição Mundial da PopulaçãoDistribuição Mundial da População
Distribuição Mundial da População
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
5 indicadores demográficos
5  indicadores demográficos5  indicadores demográficos
5 indicadores demográficos
 
Clima temperado mediterrâneo
Clima temperado mediterrâneo Clima temperado mediterrâneo
Clima temperado mediterrâneo
 
Portugal na europa e no mundo
Portugal na europa e no mundoPortugal na europa e no mundo
Portugal na europa e no mundo
 
Mobilidade da população.ppt
Mobilidade da população.pptMobilidade da população.ppt
Mobilidade da população.ppt
 
Áreas povoadas Vazios Humanos
Áreas povoadas Vazios HumanosÁreas povoadas Vazios Humanos
Áreas povoadas Vazios Humanos
 
Clima temperado marítimo
Clima temperado marítimoClima temperado marítimo
Clima temperado marítimo
 
O Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos AçoresO Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
 
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentoPaíses desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
 
Furacões e tornados
Furacões e tornadosFuracões e tornados
Furacões e tornados
 
POPULAÇÃO
POPULAÇÃOPOPULAÇÃO
POPULAÇÃO
 
Climas quentes, geografia 7ºano
Climas quentes, geografia 7ºanoClimas quentes, geografia 7ºano
Climas quentes, geografia 7ºano
 
Evolução da população mundial
Evolução da população mundialEvolução da população mundial
Evolução da população mundial
 
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitaçãoMassas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
 

Semelhante a Clima Portugal 8º4

Semelhante a Clima Portugal 8º4 (20)

Distribuição da temperatura portuguesa- Contrastes
Distribuição da temperatura portuguesa- ContrastesDistribuição da temperatura portuguesa- Contrastes
Distribuição da temperatura portuguesa- Contrastes
 
Precipitação
PrecipitaçãoPrecipitação
Precipitação
 
Clima boletim de stem 2020:09
Clima boletim de stem 2020:09Clima boletim de stem 2020:09
Clima boletim de stem 2020:09
 
A Diversidade Dos Climas No Nosso Planeta
A Diversidade Dos Climas No Nosso PlanetaA Diversidade Dos Climas No Nosso Planeta
A Diversidade Dos Climas No Nosso Planeta
 
Infoclima
InfoclimaInfoclima
Infoclima
 
Clima e regioes subtropical e outros
Clima e regioes subtropical e outrosClima e regioes subtropical e outros
Clima e regioes subtropical e outros
 
Diversidade Climática Mundial
Diversidade Climática MundialDiversidade Climática Mundial
Diversidade Climática Mundial
 
Tipos de Clima
Tipos de ClimaTipos de Clima
Tipos de Clima
 
Se Virem Nos 40
Se Virem Nos 40Se Virem Nos 40
Se Virem Nos 40
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Clima mediterrânico
Clima mediterrânicoClima mediterrânico
Clima mediterrânico
 
Clima desértico quente
Clima desértico quenteClima desértico quente
Clima desértico quente
 
Região e Espaço Nacional
Região e Espaço NacionalRegião e Espaço Nacional
Região e Espaço Nacional
 
Climas do mundo
Climas do mundoClimas do mundo
Climas do mundo
 
Climas e climogramas do brasil
Climas e climogramas do brasilClimas e climogramas do brasil
Climas e climogramas do brasil
 
CLIMARE
CLIMARECLIMARE
CLIMARE
 
Tipos De Clima
Tipos De ClimaTipos De Clima
Tipos De Clima
 
Climas
ClimasClimas
Climas
 
Clima de angola
Clima de angolaClima de angola
Clima de angola
 
climas do brasil e seus respectivos biomas
climas do brasil e seus respectivos biomasclimas do brasil e seus respectivos biomas
climas do brasil e seus respectivos biomas
 

Mais de FloraCosta

Douro Vasco Fim
Douro Vasco FimDouro Vasco Fim
Douro Vasco FimFloraCosta
 
Azinheira ( Vegetação)
Azinheira ( Vegetação)Azinheira ( Vegetação)
Azinheira ( Vegetação)FloraCosta
 
Oliveira ( V Vegetação)
Oliveira ( V Vegetação)Oliveira ( V Vegetação)
Oliveira ( V Vegetação)FloraCosta
 
Eucalipto (VegetaçãO)
Eucalipto (VegetaçãO)Eucalipto (VegetaçãO)
Eucalipto (VegetaçãO)FloraCosta
 
Amendoeira (VegetaçãO)
Amendoeira (VegetaçãO)Amendoeira (VegetaçãO)
Amendoeira (VegetaçãO)FloraCosta
 
ApresentaçãO7º8
ApresentaçãO7º8ApresentaçãO7º8
ApresentaçãO7º8FloraCosta
 
Power Point Música de Intervenção
Power Point Música de IntervençãoPower Point Música de Intervenção
Power Point Música de IntervençãoFloraCosta
 

Mais de FloraCosta (7)

Douro Vasco Fim
Douro Vasco FimDouro Vasco Fim
Douro Vasco Fim
 
Azinheira ( Vegetação)
Azinheira ( Vegetação)Azinheira ( Vegetação)
Azinheira ( Vegetação)
 
Oliveira ( V Vegetação)
Oliveira ( V Vegetação)Oliveira ( V Vegetação)
Oliveira ( V Vegetação)
 
Eucalipto (VegetaçãO)
Eucalipto (VegetaçãO)Eucalipto (VegetaçãO)
Eucalipto (VegetaçãO)
 
Amendoeira (VegetaçãO)
Amendoeira (VegetaçãO)Amendoeira (VegetaçãO)
Amendoeira (VegetaçãO)
 
ApresentaçãO7º8
ApresentaçãO7º8ApresentaçãO7º8
ApresentaçãO7º8
 
Power Point Música de Intervenção
Power Point Música de IntervençãoPower Point Música de Intervenção
Power Point Música de Intervenção
 

Último

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 

Último (20)

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 

Clima Portugal 8º4

  • 1. - TRABALHO REALIZADO POR ALUNOS DO 8º4 - ESCOLA E.B. 2/3 TEIXEIRA LOPES 2009
  • 2. T.M.A 14,5 ºC A.T.A 11,8 ºC P.ANO 1374,2 mm Meses Secos 2 T.M.A 13,4 ºC A.T.A 16,2 ºC P.ANO 741,1 mm Meses Secos 3 T.M.A . – Temperatura média anual A.T.A. – Amplitude térmica anual P.ANO – Precipitação total anual Meses Secos – Nº meses secos Legenda A proximidade do mar e a continentalidade exercem influência no clima: a temperatura média anual (TMA) é maior em Santo Tirso; a amplitude térmica anual (ATA) é mais elevada em Bragança; a precipitação total é mais elevada em Santo Tirso que tem, também, menos meses secos. Trabalho de Rita Pinto Fonte do mapa: http://www.igeo.pt/atlas/ Trabalho de Sara Alexandra
  • 3. M.D Pi F.C T.M.A 12,0 ºC A.T.A 16,9 ºC P.ANO 554,7 mm Meses Secos 4 T.M.A 12,3 ºC A.T.A 16,6 ºC P.ANO 590,7 mm Meses Secos 3 T.M.A 15,6 ºC A.T.A 16,5 ºC P.ANO 671,7 mm Meses Secos 4 M.D Pi F.C T.M.A . – Temperatura média anual A.T.A. – Amplitude térmica anual P.ANO – Precipitação total anual Meses Secos – Nº meses secos Legenda Trabalho de António Machado Trabalho de Luísa Quaresma Trabalho de Mª João Teixeira Nestas três estações, as temperaturas médias anuais são moderadas, as amplitudes térmicas anuais são altas e a precipitação anual é baixa, por influência da localização no vale encaixado do rio Douro. [Análise elaborada por Mª João Teixeira]
  • 4. Viana Castelo Porto Estarreja Elementos Clima 20,0 ºC 19,8 ºC 19,1 ºC Temp. média do mês mais quente 9,5 ºC 9,3 ºC 8,8 ºC Temp. média do mês mais frio 14,3 ºC 14,4 ºC 13,9 ºC Temp. média anual 10,5 ºC 10,5 ºC 10,3 ºC Amplitude térmica anual 1427,1 mm 1235,5 mm 1151,6 mm Precipitação anual 2 (Julho/Agosto) 2 (Julho/Agosto) 2 (Julho/Agosto) Meses secos V.C P E E V.C Trabalho de Dora Oliveira P Trabalho de Elisabete Pinto
  • 5. Viana Castelo Porto Estarreja Viana do Castelo, Porto e Estarreja situam-se no litoral norte de Portugal em altitudes inferiores a 100 metros. Os valores das temperaturas médias do mês mais quente são muito aproximados, entre 19ºC e 20ºC. As temperaturas médias do mês mais frio também são muito semelhantes, entre 8,8ºC e 9,5ºC. A amplitude térmica anual nas três localizações é praticamente igual (10,3 – 10,5ºC). Já a precipitação mostra diferenças, ela é de 1427,1 mm em Viana do Castelo e 1151,6 mm em Estarreja. Esta diferença deve-se ao factor latitude, isto é, à medida que o lugar está mais a sul o valor da precipitação diminui. As três localidades têm apenas 2 meses secos devido à influência do oceano. [Análise e Relatório de António Miguel Machado]
  • 6. - A influência da altitude no clima - Penhas da Saúde 1510 metros Guarda 1019 metros Castelo Branco 380 metros T.M.A 10,4 ºC A.T.A 15,0 ºC P.ANO 935,5 mm Meses Secos 2 T.M.A 7,4 ºC A.T.A 14,6 ºC P.ANO 2965,0 mm Meses Secos 2 T.M.A 15,6 ºC A.T.A 16,3 ºC P.ANO 821,4 mm Meses Secos 4 T.M.A . – Temperatura média anual A.T.A. – Amplitude térmica anual P.ANO – Precipitação total anual Meses Secos – Nº meses secos Legenda C.B P.D G C.B P.D G
  • 7. A temperatura média mensal mais elevada é de 22,6ºC em Agosto e a temperatura média mais baixa é de 11,3ºC em Janeiro. A amplitude térmica anual é de 11,3 ºC. A precipitação é mais elevada de Outubro a Março e no ano chove 778,0 mm e há 4 meses secos. A temperatura média anual é de 15,6 ºC, a média mensal mais elevada é de 23,2ºC em Agosto e a média mensal mais baixa é de 8,8ºC em Janeiro. A amplitude térmica anual é de 14,4 ºC. A precipitação é mais elevada de Outubro a Março, com Fevereiro menos chuvoso. No ano chove 655,6 mm e há 4 meses secos A temperatura média mensal mais elevada é de 24,8ºC em Julho e a temperatura média mais baixa é de 8,0ºC em Janeiro. A temperatura média anual é de 15,9 ºC e a amplitude térmica anual é de 16,8 ºC. No ano chove 604,2 mm, sobretudo de Outubro a Abril e há 4 meses secos
  • 8. B F BEJA FARO Elementos Clima 23,8 ºC 24,0 ºC Temp. média do mês mais quente 9,5 ºC 12,2 ºC Temp. média do mês mais frio 16,1 ºC 17,8 ºC Temp. média anual 14,3 ºC 11,8 ºC Amplitude térmica anual 605,6 mm 452,6 mm Precipitação anual 4 (J/JL/A/S) 6 (A/M/J/JL/A/S) Meses secos Trabalho de Vasco Teixeira
  • 9. Faro e Beja situam-se no sul e têm ambas temperaturas médias anuais elevadas. Faro, a uma latitude mais a sul, com maior influência das zonas anticiclónicas, não tem invernos muito frios mas os verões são muito quentes. Beja, mais no interior e com latitude ligeiramente superior, tem invernos mais frios mas verões também muito quentes. Devido a estes factores está a diferença na A.T.A. entre as duas estações: Faro tem invernos pouco frios e verões muito quentes e uma A.T.A. baixa; Beja tem invernos frios e verões mais quentes e a A.T.A. é de média a elevada. Devido à latitude, Faro tem menor precipitação ao longo do ano do que Beja, mas a precipitação também é devida à altitude, daí que Beja tenha um pouco mais de precipitação. Associado aos elementos anteriores estão os meses secos, Faro com seis meses secos e Beja com quatro. [Análise e Relatório de Vasco Teixeira e João M. Rocha] B F
  • 10. Fonte mapa - http://www.igeo.pt/atlas/ No verão, as temperaturas médias são progressivamente mais elevadas de Noroeste para Sudeste. No litoral norte e centro as temperaturas rodam os 20ºC. No centro-norte as temperaturas são ligeiramente mais baixas (14 -16ºC) por causa da Cordilheira Central. No interior norte as temperaturas são mais elevadas (20-24ºC). No centro e no sul as temperaturas são as mais as elevadas, sobretudo no interior sul. As temperaturas médias nos meses de inverno diminuem no sentido Sudoeste-Nordeste. No sul e no litoral oeste as temperaturas rondam os 10-14ºC e passam para os 8-10ºC no centro e no litoral norte. Todo o interior norte e centro tem temperaturas de 4-8ºC e as áreas mais montanhosas têm temperaturas inferiores a 4ºC. [Relatório de Sara Alexandra e Tatiana] Temperatura média do ar nos meses de verão Temperatura média do ar nos meses de inverno
  • 11. Fonte mapa - http://www.igeo.pt/atlas/ O norte de Portugal na parte mais próxima do litoral tem uma precipitação total anual muito alta, entre 1600 e 3300 mm; o norte interior tem uma precipitação anual inferior a 1400 mm, que é cada vez menor quanto mais próximo da fronteira com Espanha. O centro de Portugal tem uma precipitação total anual entre os 1000 e os 1400 mm e só mais para o interior é que a precipitação é menor. A precipitação elevada é devido às altitudes elevadas das serras, entre elas a serra da Estrela. O sul de Portugal tem uma precipitação total anual muito baixa, entre 400 e 800 mm, mas podemos encontrar um valor um pouco superior nas serras algarvias. [Análise e Relatório de Nuno Mendes] Precipitação Total Anual
  • 12. No Norte de Portugal, o clima temperado de feição marítima observa-se na parte Oeste (litoral), onde temos as cidades de Viana do Castelo, Braga, Porto , Aveiro e Coimbra, entre outras. O clima temperado mediterrânico de feição continental observa-se no interior centro e no nordeste. Todo o sul de Portugal tem um clima temperado mediterrânico. O clima temperado com influência da altitude ocorre nas serras de maior altitude, como a Cordilheira Central e as serras da Peneda e do Gerês. [Relatório de Dora Oliveira] A Distribuição dos Climas
  • 13. Pela latitude a que se encontra Portugal e pelo regime termo-pluviométrico, distinguem-se duas regiões de vegetação ‘natural’: a norte, vegetação atlântica, com espécies de folha caduca; a sul, vegetação mediterrânea, com espécies de folha persistente. Quercus robur Quercus pyrenaica Quercus suber Quercus ilex spp rotundifolia Quercus faginea Climas Vegetação