SlideShare uma empresa Scribd logo
I

ELECTRICIDADE E ELEORÓNICA
Opinião IEP

A Compatibilidade Electromagnética
de equipamentDs electrónicos
~m

~
~

Textos_Paulo Cabral [ pc@iep.pt); Esaú Cardoso [ec@iep.pt]:
Laboratório de Metrologia e Ensaios do Instituto Electrotécnico Português
Fotos e imagens_IEP

Quando na imagem do televisor surgem riscas, sempre que na
cozinha se liga a varinha mágica, ou quando o computador bloqueia ao ribombar um trovão nas proximidades e se perde todo
o trabalho que estávamos a fazer, estamos perante problemas
de Compatibilidade Electromagnética (CEM). Esta é a designação
que se dá a um processo que foi sendo estudado cada vez mais
à medida que os equipamentos electrónicos se introduziram nas
nossas vidas: a televisão, a aparelhagem de alta-fidelidade, o telemóvel, o forno microondas, o computador, o leitor de DVD e tantos
outros. Também a outros níveis, os sistemas de comunicação, de

Porquê a actual preocupação com a CEM
Quando durante a descolagem e a aterragem do avião em que
seguimos surge uma Indicação para desligar o telemóvel ou o
computador portátil, o que se pretende é evitar problemas de
compatibilidade electromagnética. A radiação electromagnética
proveniente do nosso equipamento electrónico pode interferir com
os sistemas de navegação e controlo do avião, podendo causar
comportamentos imprevisíveis da aeronave.

diagnóstico médico, de controlo do tráfego aéreo, etc., levantam
questões sérias de CEM.

Quando o monitor de um electrocardiógrafo apresenta leituras
erradas de forma intermitente no momento em que alguém passa
por perto a falar ao telemóvel, estamos na presença de problemas

Em termos simplistas. podemos dizer que a CEM consiste nas
regras de "boa educação" que devem ser respeitadas pelos
equipamentos eléctricos e electrónicos, de forma a conviverem

de compatibilidade electromagnética.

harmoniosamente entre si.

Quando um helicóptero se descontrola misteriosamente e se despenha ao passar perto de uma antena emissora de uma rádio local
ou de uma torre de emissão de uma estação de televisão, ocorreu
uma situação grave de CEM.

Como se define a CEM
Entende-se por Compatibilidade Electromagnética a capacidade
do equipamento para funcionar satisfatoriamente no seu ambiente
electromagnético sem introduzir perturbações electromagnéticas
intoleráveis a outro equipamento nesse ambiente.
A compatibilidade electromagnética é conseguida quando um
equipamento (ou um sistema) eléctrico ou electrónico satisfaz
as seguintes três condições básicas:
• O equipamento não produz interferências electromagnéticas
a si próprio;
• O equipamento não produz interferências electromagnéticas
noutros equipamentos quando estes estão inseridos no seu
ambiente electromagnético adequado ou habitual;
• O equipamento é imune a interferências electromagnéticas
geradas por outros equipamentos que com ele partilham
o mesmo ambiente electromagnético.

60 ~ O lnstetedor Ab( 13 www.otnstlltador com

Podemos compreender como este tipo de situações extr~mamen­
te preocupantes, a par de outros problemas de menor gravidade
que podem ocorrer em ambiente doméstico, obrigaram os fabricantes e os poderes públicos a tenw_r limitar os efeitos prejudiciais
das interferências electromagnéticas.
A CEM é por isso uma força motriz no desenvolvimento da tecnologia, exigindo um amplo consenso entre fabricantes e poderes
públicos para que a sociedade em geral beneficie da cada vez
mais rápida evolução da electrónica.

O controlo dos fenómenos CEM
Na tentativa de controlar estes fenómenos de compatibilidade
electromagnética nos dispositivos electrónicos, as entidades que
se ocupam das questões normativas em todo o mundo elaboraram
(e estão em processo continuo de elaboração e revisão) normas
e legislação específicas. Pretende-se que todos os equipamentos ou sistemas electrónicos, incluindo os que se destinam
a usos domésticos, sejam aprovados em rigorosos ensaios
laboratoriais de compatibilidade electromagnética, de acordo
com as normas aplicáveis.
A União Europeia estabeleceu legislação específica no âmbito CEM. Presentemente, está em vigor a directiva 2004/108/
CE relativa à aproximação das legislações dos Estados-Membros respeitantes à compatibilidade electromagnética (directiva
CEM). Em Portugal esta directiva foi transposta pelo Dec-lei n.0
325/2007 (alterado pelo Dec-lei n.0 20/2009). Trata-se de uma
directiva de marcação CE, e o seu incumprimento pode acarretar
pesadas sanções e obrigar à retirada dos produtos do mercado.
A lista de normas harmonizadas no âmbito da directiva CEM
é publicada no Jornal Oficial da União Europeia (a versão mais
recente é de 2012-10-23). A conformidade de um equipamento com as normas harmonizadas que lhe são aplicáveis no
âmbito da CEM confere presunção da conformidade desse
equipamento com os requisitos essenciais da directiva.

Aspectos práticos da CEM
Há diversas formas para as perturbações electromagnéticas se transmitirem desde a "fonte" da perturbação até à sua
"vítima". Os fenómenos que originam problemas de CEM nos
equipamentos podem ser transmitidos por conduç ão (através de
linhas eléctricas. sejam estas de energia ou de comunicação)
ou por radiação (propagação através do ar ou de outro meio
dieléctrico). Podem ainda resultar de descargas electrostáticas (quem nunca sentiu um violento choque eléctrico ao tocar
na porta de um automóvel num dia seco?). Ver figu ra 1.
Susceptibilidade
ou Imunidade

Emlssilo

Radiaç!o
~

Por wndu~o

Por radia~o

~ >))) ~
~
I
I
~
Conduç!o

Descargas Electrostáticas

Fig. 1 - Tipos de interferência

Fala-se em CEM por emissão quando se avaliam as perturbações que um determinado equipamento provoca na sua
vizinhança electromagnética. Ao contrário, quando se pretende
avaliar se um equipamento suporta sem problemas as perturbações previsíveis no seu ambiente electromagnético, fala-se
na sua imunidade, ou susceptibilidade, às perturbações.
Conceptualmente, diz-se que existe compatibilidade electromagnética quando os níveis de emissão e de imunidade dos
equipamentos respeitam o modelo esquematizado na figura 2.
I

ELECTRICIDADE E ELECTRÓNICA
Opinião IEP
perturbações

Nfvel mlnimo de Imunidade ou susceptibilidade do equipamento

Ambiente elacttomacn6tlco

Nlvel mblmo de perturbações emitidas pelo equipamento

Fig. 2 - Modelo base para a abordagem à CEM

Desde que cada equipamento respeite individualmente os níveis de emissão
e de imunidade estabelecidos, garante-se que ao operarem no mesmo
ambienta electromagnético típico não causarão interferências entre si.
Qualquer equipamento poda ser encarado (do ponto de vista da CEM)
como um conjunto de portos de entrada e de saída das perturbações
(isto é, imunidade e emissão, respectivamente) nos quais serâ necessário
avaliar se os níveis estabelecidos são respeitados.

EMISSAO

PonfM PlrtUhadO'I tom
~arot equlpemrnlo•

IMUNIOAOE

......

..." .........,.

(NO 'fM(Ofh Oflj>III'P!I'tO

'"

~

Fig. 3 - Modelo CEM de um equipamento electrónico

Melhorar e divulgar estes conceitos é uma das tarefas de quem elabora os documentos normativos (organismos de normalização nacionais,
europeus e internacionais). O objectivo é que todos nós (fabricantes
e consumidores) possamos beneficiar plenamente das tecnologias
ao nosso dispor.

Serviços CEM do IEP
Os laboratórios do IEP prestam numerosos serviços de avaliação
da CEM em produtos eléctricos e electrónicos, de acordo com as
normas europeias (EN) e internacionais (IEC e CISPR) aplicáveis a cada
tipo de equipamento.
Estes laboratórios estão acreditados pelo IPAC, Instituto Português de
Acreditação, para efectuar ensaios CEM, entre muitos outros. Estão
igualmente reconhecidos a nivel europeu (acordos EEPCA do CENELEC)
e a nível internacional (esquema CB da IEC), fazendo parte de acordos que
permitem o reconhecimento mútuo de certificados de produtos eléctricos
e electrónicos.

62 • O tnslolodot Abfll wwwolnslaledouom

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Riscos em instalações e serviços com eletricidade
Riscos em instalações e serviços com eletricidadeRiscos em instalações e serviços com eletricidade
Riscos em instalações e serviços com eletricidade
Markkinhos
 
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod ISegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
Santos de Castro
 
Riscos Elétricos
Riscos ElétricosRiscos Elétricos
Riscos Elétricos
g3rafael
 
NR-10
NR-10NR-10
NR-10
luizgraf
 
Apostila nr-10
Apostila nr-10Apostila nr-10
Apostila nr-10
Ricardo Carvalho
 
NR10 - Riscos Elétricos
NR10 - Riscos ElétricosNR10 - Riscos Elétricos
NR10 - Riscos Elétricos
Iago Mendes
 
NR10 - Riscos Elétricos
NR10 - Riscos ElétricosNR10 - Riscos Elétricos
NR10 - Riscos Elétricos
Iago Mendes
 
Riscos elétricos
Riscos elétricosRiscos elétricos
Riscos elétricos
Viviane Arantes
 
Sep NR-10
Sep NR-10Sep NR-10
Lição 01 - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
Lição 01 - INSTALAÇÕES ELÉTRICASLição 01 - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
Lição 01 - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
Filiphe Amorim
 
Instalações em áreas classificadas - principais erros.
Instalações em áreas classificadas - principais erros.Instalações em áreas classificadas - principais erros.
Instalações em áreas classificadas - principais erros.
Anthony Kelper
 
Riscos associados a electricidade
Riscos associados a electricidadeRiscos associados a electricidade
Riscos associados a electricidade
isabelourenco
 
Nr 10
Nr 10Nr 10
2. riscos em instalações e serviços com eletricidade.eps
2. riscos em instalações e serviços com eletricidade.eps2. riscos em instalações e serviços com eletricidade.eps
2. riscos em instalações e serviços com eletricidade.eps
MA Consultoria e Treinamentos LTDA
 
Nr10 treinamentos eletroalta
Nr10   treinamentos eletroaltaNr10   treinamentos eletroalta
Nr10 treinamentos eletroalta
João Pires de Moraes
 
Reativa Service Engenharia Elétrica - Apresentação dos serviços da empresa.
Reativa Service Engenharia Elétrica - Apresentação dos serviços da empresa.Reativa Service Engenharia Elétrica - Apresentação dos serviços da empresa.
Reativa Service Engenharia Elétrica - Apresentação dos serviços da empresa.
Reativa Service
 
Curso de segurança com eletricidade pela NR 10
Curso de segurança com eletricidade pela NR 10Curso de segurança com eletricidade pela NR 10
Curso de segurança com eletricidade pela NR 10
Edgar Arana
 
Curso nr10 básico
Curso nr10 básicoCurso nr10 básico
Curso nr10 básico
Sergio Roberto Silva
 
Alarme Automatico - Eletrônica Aplicada - Aula 1
Alarme Automatico - Eletrônica Aplicada - Aula 1Alarme Automatico - Eletrônica Aplicada - Aula 1
Alarme Automatico - Eletrônica Aplicada - Aula 1
PeslPinguim
 
Mte nr10 comentada
Mte   nr10 comentadaMte   nr10 comentada
Mte nr10 comentada
EvandroPFonseca
 

Mais procurados (20)

Riscos em instalações e serviços com eletricidade
Riscos em instalações e serviços com eletricidadeRiscos em instalações e serviços com eletricidade
Riscos em instalações e serviços com eletricidade
 
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod ISegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
 
Riscos Elétricos
Riscos ElétricosRiscos Elétricos
Riscos Elétricos
 
NR-10
NR-10NR-10
NR-10
 
Apostila nr-10
Apostila nr-10Apostila nr-10
Apostila nr-10
 
NR10 - Riscos Elétricos
NR10 - Riscos ElétricosNR10 - Riscos Elétricos
NR10 - Riscos Elétricos
 
NR10 - Riscos Elétricos
NR10 - Riscos ElétricosNR10 - Riscos Elétricos
NR10 - Riscos Elétricos
 
Riscos elétricos
Riscos elétricosRiscos elétricos
Riscos elétricos
 
Sep NR-10
Sep NR-10Sep NR-10
Sep NR-10
 
Lição 01 - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
Lição 01 - INSTALAÇÕES ELÉTRICASLição 01 - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
Lição 01 - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
 
Instalações em áreas classificadas - principais erros.
Instalações em áreas classificadas - principais erros.Instalações em áreas classificadas - principais erros.
Instalações em áreas classificadas - principais erros.
 
Riscos associados a electricidade
Riscos associados a electricidadeRiscos associados a electricidade
Riscos associados a electricidade
 
Nr 10
Nr 10Nr 10
Nr 10
 
2. riscos em instalações e serviços com eletricidade.eps
2. riscos em instalações e serviços com eletricidade.eps2. riscos em instalações e serviços com eletricidade.eps
2. riscos em instalações e serviços com eletricidade.eps
 
Nr10 treinamentos eletroalta
Nr10   treinamentos eletroaltaNr10   treinamentos eletroalta
Nr10 treinamentos eletroalta
 
Reativa Service Engenharia Elétrica - Apresentação dos serviços da empresa.
Reativa Service Engenharia Elétrica - Apresentação dos serviços da empresa.Reativa Service Engenharia Elétrica - Apresentação dos serviços da empresa.
Reativa Service Engenharia Elétrica - Apresentação dos serviços da empresa.
 
Curso de segurança com eletricidade pela NR 10
Curso de segurança com eletricidade pela NR 10Curso de segurança com eletricidade pela NR 10
Curso de segurança com eletricidade pela NR 10
 
Curso nr10 básico
Curso nr10 básicoCurso nr10 básico
Curso nr10 básico
 
Alarme Automatico - Eletrônica Aplicada - Aula 1
Alarme Automatico - Eletrônica Aplicada - Aula 1Alarme Automatico - Eletrônica Aplicada - Aula 1
Alarme Automatico - Eletrônica Aplicada - Aula 1
 
Mte nr10 comentada
Mte   nr10 comentadaMte   nr10 comentada
Mte nr10 comentada
 

Destaque

Iste 2011 googlespatial kolvoord
Iste 2011 googlespatial kolvoordIste 2011 googlespatial kolvoord
Iste 2011 googlespatial kolvoord
papersh21
 
Google the presentation
Google the presentationGoogle the presentation
Google the presentation
Sean Robinson
 
Shakespeare Lives
Shakespeare LivesShakespeare Lives
Seattle 2011 AFS Program
Seattle 2011 AFS ProgramSeattle 2011 AFS Program
ENBE FINAL PROJECT REPORT
ENBE FINAL PROJECT REPORTENBE FINAL PROJECT REPORT
ENBE FINAL PROJECT REPORT
ForestedTiger
 
Taller de sistemas bryan melo
Taller de sistemas bryan meloTaller de sistemas bryan melo
Taller de sistemas bryan melo
bryanmelo
 
2010 Visit Indiana Leaf Cam/Foursquare Case Study
2010 Visit Indiana Leaf Cam/Foursquare Case Study2010 Visit Indiana Leaf Cam/Foursquare Case Study
2010 Visit Indiana Leaf Cam/Foursquare Case Study
Indiana Office of Tourism Development
 
Crossroads
CrossroadsCrossroads
Crossroads
Kirkens Bymisjon
 
The Coconut Grove Arts Festival, 51 years in the making! On President's Weeke...
The Coconut Grove Arts Festival, 51 years in the making! On President's Weeke...The Coconut Grove Arts Festival, 51 years in the making! On President's Weeke...
The Coconut Grove Arts Festival, 51 years in the making! On President's Weeke...
Damaso V Santana
 
Manual ipaq 216
Manual ipaq 216Manual ipaq 216
Charles spurgeon pastores cristinaos
Charles spurgeon pastores cristinaosCharles spurgeon pastores cristinaos
Charles spurgeon pastores cristinaos
Nikos Cuatro
 
Rightside group
Rightside groupRightside group
Rightside group
Cameron Fen
 
Alphatech 2011-12
Alphatech 2011-12Alphatech 2011-12
Alphatech 2011-12
thinkict
 
ENVIRON Utility MACT Regulatory Summary
ENVIRON Utility MACT Regulatory SummaryENVIRON Utility MACT Regulatory Summary
ENVIRON Utility MACT Regulatory Summary
askao555
 
Taking on the Tide of Social Media
Taking on the Tide of Social MediaTaking on the Tide of Social Media
Taking on the Tide of Social Media
Indiana Office of Tourism Development
 
Gerta
GertaGerta
Gerta
gutgvcgh
 
PDF Ebook Synopsis
PDF Ebook SynopsisPDF Ebook Synopsis
PDF Ebook Synopsis
Jane C. Glavan
 
Brighton
BrightonBrighton
Brighton
davidedosso
 
Gale Cengage Learning Webinar: Measuring Library Success, May 22
Gale Cengage Learning Webinar: Measuring Library Success, May 22Gale Cengage Learning Webinar: Measuring Library Success, May 22
Gale Cengage Learning Webinar: Measuring Library Success, May 22
Cengage Learning
 
Final ehoh ppt.apr 6 2014
Final ehoh ppt.apr 6 2014Final ehoh ppt.apr 6 2014
Final ehoh ppt.apr 6 2014
Emily Steen
 

Destaque (20)

Iste 2011 googlespatial kolvoord
Iste 2011 googlespatial kolvoordIste 2011 googlespatial kolvoord
Iste 2011 googlespatial kolvoord
 
Google the presentation
Google the presentationGoogle the presentation
Google the presentation
 
Shakespeare Lives
Shakespeare LivesShakespeare Lives
Shakespeare Lives
 
Seattle 2011 AFS Program
Seattle 2011 AFS ProgramSeattle 2011 AFS Program
Seattle 2011 AFS Program
 
ENBE FINAL PROJECT REPORT
ENBE FINAL PROJECT REPORTENBE FINAL PROJECT REPORT
ENBE FINAL PROJECT REPORT
 
Taller de sistemas bryan melo
Taller de sistemas bryan meloTaller de sistemas bryan melo
Taller de sistemas bryan melo
 
2010 Visit Indiana Leaf Cam/Foursquare Case Study
2010 Visit Indiana Leaf Cam/Foursquare Case Study2010 Visit Indiana Leaf Cam/Foursquare Case Study
2010 Visit Indiana Leaf Cam/Foursquare Case Study
 
Crossroads
CrossroadsCrossroads
Crossroads
 
The Coconut Grove Arts Festival, 51 years in the making! On President's Weeke...
The Coconut Grove Arts Festival, 51 years in the making! On President's Weeke...The Coconut Grove Arts Festival, 51 years in the making! On President's Weeke...
The Coconut Grove Arts Festival, 51 years in the making! On President's Weeke...
 
Manual ipaq 216
Manual ipaq 216Manual ipaq 216
Manual ipaq 216
 
Charles spurgeon pastores cristinaos
Charles spurgeon pastores cristinaosCharles spurgeon pastores cristinaos
Charles spurgeon pastores cristinaos
 
Rightside group
Rightside groupRightside group
Rightside group
 
Alphatech 2011-12
Alphatech 2011-12Alphatech 2011-12
Alphatech 2011-12
 
ENVIRON Utility MACT Regulatory Summary
ENVIRON Utility MACT Regulatory SummaryENVIRON Utility MACT Regulatory Summary
ENVIRON Utility MACT Regulatory Summary
 
Taking on the Tide of Social Media
Taking on the Tide of Social MediaTaking on the Tide of Social Media
Taking on the Tide of Social Media
 
Gerta
GertaGerta
Gerta
 
PDF Ebook Synopsis
PDF Ebook SynopsisPDF Ebook Synopsis
PDF Ebook Synopsis
 
Brighton
BrightonBrighton
Brighton
 
Gale Cengage Learning Webinar: Measuring Library Success, May 22
Gale Cengage Learning Webinar: Measuring Library Success, May 22Gale Cengage Learning Webinar: Measuring Library Success, May 22
Gale Cengage Learning Webinar: Measuring Library Success, May 22
 
Final ehoh ppt.apr 6 2014
Final ehoh ppt.apr 6 2014Final ehoh ppt.apr 6 2014
Final ehoh ppt.apr 6 2014
 

Semelhante a A Compatibilidade Electromagnética de equipamentos electrónicos (Instalador Abr2013)

Segurança No Trabalho - NR 10.pptx
Segurança No Trabalho - NR 10.pptxSegurança No Trabalho - NR 10.pptx
Segurança No Trabalho - NR 10.pptx
GeoesteAssistente
 
Modulo 12 - Material dos Tópicos Completo.pdf
Modulo 12 - Material dos Tópicos Completo.pdfModulo 12 - Material dos Tópicos Completo.pdf
Modulo 12 - Material dos Tópicos Completo.pdf
EduardoRobertodeCicc
 
Aula 01&02
Aula 01&02Aula 01&02
Aula 01&02
EzequieldaRosaHonora
 
Estabilizador eletrônico de tensão
Estabilizador eletrônico de tensãoEstabilizador eletrônico de tensão
Estabilizador eletrônico de tensão
MARCDOCS
 
Segurança_em_serviços_com_eletricidade.ppt
Segurança_em_serviços_com_eletricidade.pptSegurança_em_serviços_com_eletricidade.ppt
Segurança_em_serviços_com_eletricidade.ppt
RodrigoFurlan14
 
MÓ D U L O I N R 10 Segurança Em Instalações E Serviços Com Eletricidade
MÓ D U L O  I  N R 10   Segurança Em  Instalações E  Serviços Com  EletricidadeMÓ D U L O  I  N R 10   Segurança Em  Instalações E  Serviços Com  Eletricidade
MÓ D U L O I N R 10 Segurança Em Instalações E Serviços Com Eletricidade
Santos de Castro
 
Tutorial aterramento
Tutorial aterramentoTutorial aterramento
Tutorial aterramento
Eduardo Soares
 
varixx_nota_2014_006
varixx_nota_2014_006varixx_nota_2014_006
varixx_nota_2014_006
S Mazucato
 
AULA NR 10.pptx
AULA NR 10.pptxAULA NR 10.pptx
AULA NR 10.pptx
rafael756547
 
NR10 APRESENTAÇÃO 97-2003.ppt
NR10 APRESENTAÇÃO 97-2003.pptNR10 APRESENTAÇÃO 97-2003.ppt
NR10 APRESENTAÇÃO 97-2003.ppt
Alexandre Rosa Oliveira
 
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
NewAge16
 
Eletricidade 2.ppt
Eletricidade 2.pptEletricidade 2.ppt
Eletricidade 2.ppt
MarcioCarrera1
 
projeto_residencial_1_v08_19_15656977440702_9731.pdf
projeto_residencial_1_v08_19_15656977440702_9731.pdfprojeto_residencial_1_v08_19_15656977440702_9731.pdf
projeto_residencial_1_v08_19_15656977440702_9731.pdf
ClebersonDaLuz
 
Apostila nr 10
Apostila nr 10Apostila nr 10
Apostila nr 10
Cicero Rodrigo De Luca
 
Abc seg
Abc segAbc seg
Abc seg
Leandro Souza
 
Serviços em Instalações Elétricas
Serviços em Instalações ElétricasServiços em Instalações Elétricas
Serviços em Instalações Elétricas
Allan Almeida de Araújo
 
Treinamento NR10 Chirlene Métron.pptx
Treinamento NR10  Chirlene Métron.pptxTreinamento NR10  Chirlene Métron.pptx
Treinamento NR10 Chirlene Métron.pptx
RosinaldoSena
 
NR10 BASICO modulo 2.pptx
NR10 BASICO modulo 2.pptxNR10 BASICO modulo 2.pptx
NR10 BASICO modulo 2.pptx
EduardoRobertodeCicc
 
Qualidade energia - 105 Slides de conteúdo verdadeiramente relevante
Qualidade  energia - 105 Slides de conteúdo verdadeiramente relevanteQualidade  energia - 105 Slides de conteúdo verdadeiramente relevante
Qualidade energia - 105 Slides de conteúdo verdadeiramente relevante
Sala da Elétrica
 
NR 10 - 40 horas.ppt
NR 10 - 40 horas.pptNR 10 - 40 horas.ppt
NR 10 - 40 horas.ppt
AndrerlSiqueira
 

Semelhante a A Compatibilidade Electromagnética de equipamentos electrónicos (Instalador Abr2013) (20)

Segurança No Trabalho - NR 10.pptx
Segurança No Trabalho - NR 10.pptxSegurança No Trabalho - NR 10.pptx
Segurança No Trabalho - NR 10.pptx
 
Modulo 12 - Material dos Tópicos Completo.pdf
Modulo 12 - Material dos Tópicos Completo.pdfModulo 12 - Material dos Tópicos Completo.pdf
Modulo 12 - Material dos Tópicos Completo.pdf
 
Aula 01&02
Aula 01&02Aula 01&02
Aula 01&02
 
Estabilizador eletrônico de tensão
Estabilizador eletrônico de tensãoEstabilizador eletrônico de tensão
Estabilizador eletrônico de tensão
 
Segurança_em_serviços_com_eletricidade.ppt
Segurança_em_serviços_com_eletricidade.pptSegurança_em_serviços_com_eletricidade.ppt
Segurança_em_serviços_com_eletricidade.ppt
 
MÓ D U L O I N R 10 Segurança Em Instalações E Serviços Com Eletricidade
MÓ D U L O  I  N R 10   Segurança Em  Instalações E  Serviços Com  EletricidadeMÓ D U L O  I  N R 10   Segurança Em  Instalações E  Serviços Com  Eletricidade
MÓ D U L O I N R 10 Segurança Em Instalações E Serviços Com Eletricidade
 
Tutorial aterramento
Tutorial aterramentoTutorial aterramento
Tutorial aterramento
 
varixx_nota_2014_006
varixx_nota_2014_006varixx_nota_2014_006
varixx_nota_2014_006
 
AULA NR 10.pptx
AULA NR 10.pptxAULA NR 10.pptx
AULA NR 10.pptx
 
NR10 APRESENTAÇÃO 97-2003.ppt
NR10 APRESENTAÇÃO 97-2003.pptNR10 APRESENTAÇÃO 97-2003.ppt
NR10 APRESENTAÇÃO 97-2003.ppt
 
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
00 - NR 10 Rev_02- 01.01.2021.
 
Eletricidade 2.ppt
Eletricidade 2.pptEletricidade 2.ppt
Eletricidade 2.ppt
 
projeto_residencial_1_v08_19_15656977440702_9731.pdf
projeto_residencial_1_v08_19_15656977440702_9731.pdfprojeto_residencial_1_v08_19_15656977440702_9731.pdf
projeto_residencial_1_v08_19_15656977440702_9731.pdf
 
Apostila nr 10
Apostila nr 10Apostila nr 10
Apostila nr 10
 
Abc seg
Abc segAbc seg
Abc seg
 
Serviços em Instalações Elétricas
Serviços em Instalações ElétricasServiços em Instalações Elétricas
Serviços em Instalações Elétricas
 
Treinamento NR10 Chirlene Métron.pptx
Treinamento NR10  Chirlene Métron.pptxTreinamento NR10  Chirlene Métron.pptx
Treinamento NR10 Chirlene Métron.pptx
 
NR10 BASICO modulo 2.pptx
NR10 BASICO modulo 2.pptxNR10 BASICO modulo 2.pptx
NR10 BASICO modulo 2.pptx
 
Qualidade energia - 105 Slides de conteúdo verdadeiramente relevante
Qualidade  energia - 105 Slides de conteúdo verdadeiramente relevanteQualidade  energia - 105 Slides de conteúdo verdadeiramente relevante
Qualidade energia - 105 Slides de conteúdo verdadeiramente relevante
 
NR 10 - 40 horas.ppt
NR 10 - 40 horas.pptNR 10 - 40 horas.ppt
NR 10 - 40 horas.ppt
 

Mais de Paulo Cabral

Manual de Protocolo e Etiqueta
Manual de Protocolo e EtiquetaManual de Protocolo e Etiqueta
Manual de Protocolo e Etiqueta
Paulo Cabral
 
100 erros de Português
100 erros de Português100 erros de Português
100 erros de Português
Paulo Cabral
 
Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...
Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...
Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...
Paulo Cabral
 
Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004
Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004
Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004
Paulo Cabral
 
Matosinhos Valoriza - biodiversidade
Matosinhos Valoriza - biodiversidadeMatosinhos Valoriza - biodiversidade
Matosinhos Valoriza - biodiversidade
Paulo Cabral
 
Matosinhos Valoriza - ar
Matosinhos Valoriza - arMatosinhos Valoriza - ar
Matosinhos Valoriza - ar
Paulo Cabral
 
Matosinhos Valoriza - solos paisagem
Matosinhos Valoriza - solos paisagemMatosinhos Valoriza - solos paisagem
Matosinhos Valoriza - solos paisagem
Paulo Cabral
 
RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...
RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...
RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...
Paulo Cabral
 
Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)
Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)
Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)
Paulo Cabral
 

Mais de Paulo Cabral (9)

Manual de Protocolo e Etiqueta
Manual de Protocolo e EtiquetaManual de Protocolo e Etiqueta
Manual de Protocolo e Etiqueta
 
100 erros de Português
100 erros de Português100 erros de Português
100 erros de Português
 
Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...
Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...
Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...
 
Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004
Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004
Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004
 
Matosinhos Valoriza - biodiversidade
Matosinhos Valoriza - biodiversidadeMatosinhos Valoriza - biodiversidade
Matosinhos Valoriza - biodiversidade
 
Matosinhos Valoriza - ar
Matosinhos Valoriza - arMatosinhos Valoriza - ar
Matosinhos Valoriza - ar
 
Matosinhos Valoriza - solos paisagem
Matosinhos Valoriza - solos paisagemMatosinhos Valoriza - solos paisagem
Matosinhos Valoriza - solos paisagem
 
RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...
RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...
RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...
 
Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)
Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)
Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)
 

A Compatibilidade Electromagnética de equipamentos electrónicos (Instalador Abr2013)

  • 1.
  • 2. I ELECTRICIDADE E ELEORÓNICA Opinião IEP A Compatibilidade Electromagnética de equipamentDs electrónicos ~m ~ ~ Textos_Paulo Cabral [ pc@iep.pt); Esaú Cardoso [ec@iep.pt]: Laboratório de Metrologia e Ensaios do Instituto Electrotécnico Português Fotos e imagens_IEP Quando na imagem do televisor surgem riscas, sempre que na cozinha se liga a varinha mágica, ou quando o computador bloqueia ao ribombar um trovão nas proximidades e se perde todo o trabalho que estávamos a fazer, estamos perante problemas de Compatibilidade Electromagnética (CEM). Esta é a designação que se dá a um processo que foi sendo estudado cada vez mais à medida que os equipamentos electrónicos se introduziram nas nossas vidas: a televisão, a aparelhagem de alta-fidelidade, o telemóvel, o forno microondas, o computador, o leitor de DVD e tantos outros. Também a outros níveis, os sistemas de comunicação, de Porquê a actual preocupação com a CEM Quando durante a descolagem e a aterragem do avião em que seguimos surge uma Indicação para desligar o telemóvel ou o computador portátil, o que se pretende é evitar problemas de compatibilidade electromagnética. A radiação electromagnética proveniente do nosso equipamento electrónico pode interferir com os sistemas de navegação e controlo do avião, podendo causar comportamentos imprevisíveis da aeronave. diagnóstico médico, de controlo do tráfego aéreo, etc., levantam questões sérias de CEM. Quando o monitor de um electrocardiógrafo apresenta leituras erradas de forma intermitente no momento em que alguém passa por perto a falar ao telemóvel, estamos na presença de problemas Em termos simplistas. podemos dizer que a CEM consiste nas regras de "boa educação" que devem ser respeitadas pelos equipamentos eléctricos e electrónicos, de forma a conviverem de compatibilidade electromagnética. harmoniosamente entre si. Quando um helicóptero se descontrola misteriosamente e se despenha ao passar perto de uma antena emissora de uma rádio local ou de uma torre de emissão de uma estação de televisão, ocorreu uma situação grave de CEM. Como se define a CEM Entende-se por Compatibilidade Electromagnética a capacidade do equipamento para funcionar satisfatoriamente no seu ambiente electromagnético sem introduzir perturbações electromagnéticas intoleráveis a outro equipamento nesse ambiente. A compatibilidade electromagnética é conseguida quando um equipamento (ou um sistema) eléctrico ou electrónico satisfaz as seguintes três condições básicas: • O equipamento não produz interferências electromagnéticas a si próprio; • O equipamento não produz interferências electromagnéticas noutros equipamentos quando estes estão inseridos no seu ambiente electromagnético adequado ou habitual; • O equipamento é imune a interferências electromagnéticas geradas por outros equipamentos que com ele partilham o mesmo ambiente electromagnético. 60 ~ O lnstetedor Ab( 13 www.otnstlltador com Podemos compreender como este tipo de situações extr~mamen­ te preocupantes, a par de outros problemas de menor gravidade que podem ocorrer em ambiente doméstico, obrigaram os fabricantes e os poderes públicos a tenw_r limitar os efeitos prejudiciais das interferências electromagnéticas. A CEM é por isso uma força motriz no desenvolvimento da tecnologia, exigindo um amplo consenso entre fabricantes e poderes públicos para que a sociedade em geral beneficie da cada vez mais rápida evolução da electrónica. O controlo dos fenómenos CEM Na tentativa de controlar estes fenómenos de compatibilidade electromagnética nos dispositivos electrónicos, as entidades que se ocupam das questões normativas em todo o mundo elaboraram (e estão em processo continuo de elaboração e revisão) normas
  • 3. e legislação específicas. Pretende-se que todos os equipamentos ou sistemas electrónicos, incluindo os que se destinam a usos domésticos, sejam aprovados em rigorosos ensaios laboratoriais de compatibilidade electromagnética, de acordo com as normas aplicáveis. A União Europeia estabeleceu legislação específica no âmbito CEM. Presentemente, está em vigor a directiva 2004/108/ CE relativa à aproximação das legislações dos Estados-Membros respeitantes à compatibilidade electromagnética (directiva CEM). Em Portugal esta directiva foi transposta pelo Dec-lei n.0 325/2007 (alterado pelo Dec-lei n.0 20/2009). Trata-se de uma directiva de marcação CE, e o seu incumprimento pode acarretar pesadas sanções e obrigar à retirada dos produtos do mercado. A lista de normas harmonizadas no âmbito da directiva CEM é publicada no Jornal Oficial da União Europeia (a versão mais recente é de 2012-10-23). A conformidade de um equipamento com as normas harmonizadas que lhe são aplicáveis no âmbito da CEM confere presunção da conformidade desse equipamento com os requisitos essenciais da directiva. Aspectos práticos da CEM Há diversas formas para as perturbações electromagnéticas se transmitirem desde a "fonte" da perturbação até à sua "vítima". Os fenómenos que originam problemas de CEM nos equipamentos podem ser transmitidos por conduç ão (através de linhas eléctricas. sejam estas de energia ou de comunicação) ou por radiação (propagação através do ar ou de outro meio dieléctrico). Podem ainda resultar de descargas electrostáticas (quem nunca sentiu um violento choque eléctrico ao tocar na porta de um automóvel num dia seco?). Ver figu ra 1. Susceptibilidade ou Imunidade Emlssilo Radiaç!o ~ Por wndu~o Por radia~o ~ >))) ~ ~ I I ~ Conduç!o Descargas Electrostáticas Fig. 1 - Tipos de interferência Fala-se em CEM por emissão quando se avaliam as perturbações que um determinado equipamento provoca na sua vizinhança electromagnética. Ao contrário, quando se pretende avaliar se um equipamento suporta sem problemas as perturbações previsíveis no seu ambiente electromagnético, fala-se na sua imunidade, ou susceptibilidade, às perturbações. Conceptualmente, diz-se que existe compatibilidade electromagnética quando os níveis de emissão e de imunidade dos equipamentos respeitam o modelo esquematizado na figura 2.
  • 4. I ELECTRICIDADE E ELECTRÓNICA Opinião IEP perturbações Nfvel mlnimo de Imunidade ou susceptibilidade do equipamento Ambiente elacttomacn6tlco Nlvel mblmo de perturbações emitidas pelo equipamento Fig. 2 - Modelo base para a abordagem à CEM Desde que cada equipamento respeite individualmente os níveis de emissão e de imunidade estabelecidos, garante-se que ao operarem no mesmo ambienta electromagnético típico não causarão interferências entre si. Qualquer equipamento poda ser encarado (do ponto de vista da CEM) como um conjunto de portos de entrada e de saída das perturbações (isto é, imunidade e emissão, respectivamente) nos quais serâ necessário avaliar se os níveis estabelecidos são respeitados. EMISSAO PonfM PlrtUhadO'I tom ~arot equlpemrnlo• IMUNIOAOE ...... ..." .........,. (NO 'fM(Ofh Oflj>III'P!I'tO '" ~ Fig. 3 - Modelo CEM de um equipamento electrónico Melhorar e divulgar estes conceitos é uma das tarefas de quem elabora os documentos normativos (organismos de normalização nacionais, europeus e internacionais). O objectivo é que todos nós (fabricantes e consumidores) possamos beneficiar plenamente das tecnologias ao nosso dispor. Serviços CEM do IEP Os laboratórios do IEP prestam numerosos serviços de avaliação da CEM em produtos eléctricos e electrónicos, de acordo com as normas europeias (EN) e internacionais (IEC e CISPR) aplicáveis a cada tipo de equipamento. Estes laboratórios estão acreditados pelo IPAC, Instituto Português de Acreditação, para efectuar ensaios CEM, entre muitos outros. Estão igualmente reconhecidos a nivel europeu (acordos EEPCA do CENELEC) e a nível internacional (esquema CB da IEC), fazendo parte de acordos que permitem o reconhecimento mútuo de certificados de produtos eléctricos e electrónicos. 62 • O tnslolodot Abfll wwwolnslaledouom