SlideShare uma empresa Scribd logo
Uma Abordagem Geral sobre o Câncer e a Quimioterapia Profª. Leila Maria
O que é o Câncer?   Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado ( maligno ) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se ( metástase ) para outras regiões do corpo. Formação de Tumores  – acúmulo de células cancerosas ou neoplasias malignas. Multiplicação acelerada das células. *  Tumor benigno  – massa localizada de células. Multiplicação vagarosa.
O que causa o câncer? Causas Externas  – meio ambiente, hábitos ou costumes. Causas Internas  – geneticamente pré-determinadas, ligadas à capacidade do organismo se defender das agressões externas. Obs.:  80 a 90% dos casos de câncer estão associados a fatores  ambientais . * Ambiente : ambiente ocupacional; ambiente de consumo; ambiente social e cultural.
Fatores de Risco de Natureza Ambiental Hábitos Alimentares   Alguns tipos de alimentos, se consumidos regularmente durante longos períodos de tempo, parecem fornecer o tipo de ambiente que uma célula cancerosa necessita para crescer, se multiplicar e se disseminar. Exemplos:  Alimentos ricos em gorduras  (carnes vermelhas, frituras,  leite integral e derivados, etc.). Nitritos  – conservante – transformam-se em nitrosaminas no estômago. (picles, salsichas e alguns tipos de enlatados) Defumados e churrascos  – alcatrão, proveniente da fumaça do carvão.   Alimentos preservados em sal  – carne-de-sol, charque e peixes salgados; Tipo de preparo do alimento  – temperaturas muito elevadas favorecem a formação de compostos que aumentam o risco de câncer. Dieta pobre em fibras com altos teores de gorduras e calóricas.
Como prevenir-se   através da alimentação Algumas mudanças nos nossos hábitos alimentares podem nos ajudar a reduzir os riscos de desenvolvermos câncer. A adoção de simples regras para uma alimentação saudável contribui não só para a prevenção do câncer, mas também de doenças cardíacas, obesidade e outras enfermidades crônicas como diabetes. Fibras  – redução da formação de substâncias cancerígenas no intestino grosso e diminuição da absorção de gorduras; Verduras, frutas, legumes e cereais ricos em vitaminas C, A, E e fibras  – menor incidência de cânceres originários em epitélios de revestimento. A vitamina E diminui o risco de câncer. Obs.:  Somente funciona como fator protetor.
Alcoolismo:  Relação com o Câncer   A relação entre álcool e câncer tem sido avaliada, no Brasil, por meio de estudos de caso-controle, que estabeleceram a associação epidemiológica entre o consumo de álcool e cânceres da cavidade bucal e de esôfago. Combinado com o tabaco – faringe e laringe supraglótica. Está relacionado a 2 – 4% das mortes por câncer. Os estudos epidemiológicos têm demonstrado que o tipo de bebida (cerveja, vinho, cachaça etc.) é indiferente, pois parece ser o etanol, propriamente, o agente agressor.
Hábitos Sexuais Certas características de comportamento sexual aumentam a chance de exposição a vírus carcinogênicos sexualmente transmissíveis. Eis alguns tipos de vírus com potencial carcingênico que podem ser transmitidos sexualmente: •  o herpesvírus tipo II e o papilomavírus ( HPV )  estão relacionados ao câncer do colo uterino; •  o vírus HIV  (Human Immunodeficiency Virus), associado a outros tipos de vírus, como o  citomegalovírus  e os  herpesvírus I e II , pode desencadear o aparecimento de sacoma de Kaposi, câncer de língua e de reto, respectivamente, em pacientes portadores de AIDS; •  o vírus HTLV-I  associa-se a leucemias e ao linfoma de linfócitos T; •  o vírus da hepatite B  relaciona-se ao câncer de fígado.
Medicamentos Apesar da valiosa contribuição para o controle de muitas doenças, a incorporação de medicamentos à pratica médica produz também efeitos indesejáveis, entre os quais a carcinogênese. Dentre alguns estudos, podem ser citados: O efeito carcinogênico indubitável da  clornafazina  e do  melfalan . Supressores imunológicos , como a azatio-prina e prednisona, já foram relacionados com linfomas malignos e com o câncer de pele. Quando administrados a transplantados, aumentam, agudamente, em meses, o risco de desenvolver o linfoma linfocítico e outros tumores malignos nesses pacientes. A  fenacetina  tem sido responsabilizada por tumores da pelve renal. O uso de  estrogênios conjugados , para o tratamento dos sintomas da menopausa, correlaciona-se com uma maior ocorrência do câncer de endométrio, e alguns estudos relacionaram o câncer de mama com o uso prolongado de contraceptivos, antes da primeira gravidez.
Fatores Ocupacionais O câncer provocado por exposições ocupacionais geralmente atinge regiões do corpo que estão em contato direto com as substâncias cancerígenas, seja durante a fase de absorção (pele, aparelho respiratório) ou de excreção (aparelho urinário), o que explica a maior freqüência de câncer de pulmão, de pele e de bexiga nesse tipo de exposição. Ocupação Locais Primários dos Tumores Marceneiro Carcinoma de nariz e seios para-nasais Sapateiro Carcinoma de nariz e seios para-nasais Limpador de chaminé Carcinoma de pele, pulmão e bexiga Relacionada à sí Carcinoma de pulmão
Substâncias Tóxicas Locais Primários dos Tumores Nitrito de acrílico Pulmão, cólon e próstata Alumínio e seus compostos Pulmão Arsênico Pulmão, pele e fígado Asbesto Pulmão, serosas, trato gastrointestinal e rim Aminas aromáticas Bexiga Benzeno Medula óssea (leucemia mielóide) Benzidina Bexiga Berílio e seus compostos Pulmão Cádmio Próstata Cromo e seus compostos Pulmão Álcool isopropílico Seios para-nasais Borracha Medula óssea e bexiga Compostos de níquel Pulmão e seios para-nasais Pó de madeiras Seios para-nasais Radônio Pulmão Tinturas de cabelo Bexiga Material de pintura Pulmão
Radiação Solar Exposição Excessiva  No Brasil, o câncer mais freqüente é o de pele, correspondendo a cerca de 25% de todos os tumores diagnosticados em todas as regiões geográficas. A radiação ultra-violeta natural, proveniente do sol, é o seu maior agente etiológico.  Raios UV-C Raios UV-A (320-400nm) Raios UV-B (280-320nm) Para a prevenção não só do câncer de pele como também das outras lesões provocadas pelos raios UV é necessário evitar a exposição ao sol sem proteção. É preciso incentivar o uso de  chapéus, guarda-sóis, óculos escuros e filtros solares  durante qualquer atividade ao ar livre e evitar a exposição em horários em que os raios ultravioleta são mais intensos, ou seja, das  10 às 16 horas .
Outras radiações   Estima-se que menos de 3% dos cânceres resultem da exposição às radiações ionizantes.  Estudos feitos entre os sobreviventes da  explosão das bombas atômicas  e entre pacientes que se submeteram à  radioterapia , mostraram que o risco de câncer  aumenta em proporção direta à dose de radiação recebida , e que os tecidos mais sensíveis às radiações ionizantes são o  hematopoético, o tiroidiano, o mamário e o ósseo .  As leucemias ocorrem entre 2 e 5 anos após a exposição, e os tumores sólidos surgem entre 5 e 10 anos.
Tabaco 90% dos casos de câncer no pulmão (entre os 10% restantes, 1/3 é de fumantes passivos); 30% das mortes decorrentes de outros tipos de câncer (de boca, laringe, faringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga e colo de útero); As doenças cardiovasculares e o câncer são as principais causas de morte por doença no Brasil, sendo que o câncer de pulmão é a primeira causa de morte por câncer.
Hereditariedade retinoblastoma que, em 10% dos casos, apresentam história familiar deste tumor. Alguns tipos de câncer de mama, estômago e intestino parecem ter um forte componente familiar.   São raros os casos de cânceres que se devem exclusivamente a fatores hereditários, familiares e étnicos, apesar de o fator genético exercer um importante papel na oncogênese.  retinoblastoma
Como surge o Câncer?   Genes:  arquivos que guardam e fornecem instruções para a organização das estruturas, formas e atividades das células no  organismo; DNA:  informação genética; passam informações para o funcionamento da célula; Mutação genética:  alterações no DNA dos genes; Protooncogenes:  genes especiais, inativos em células normais; Oncogenes:  protooncogenes ativados, responsáveis pela cancerização das células normais.
Como se comportam as células cancerosas?   Multiplicam-se de maneira descontrolada; Têm capacidade para formar novos vasos sanguíneos que as nutrirão e manterão as atividades de crescimento descontrolado; O acúmulo dessas células forma os tumores malignos; Adquirem a capacidade de se desprender do tumor e de migrar; Chegam ao interior de um vaso sangüíneo ou linfático e, através desses, disseminam-se, chegando a órgãos distantes do local onde o tumor se iniciou, formando as metástases; Menos especializadas nas suas funções do que as suas correspondentes normais.
Como é o precesso de carcinogênise?   As células sofrem o efeito dos  agentes cancerígenos ou carcinógenos . Nesta fase as células se encontram, geneticamente alteradas, porém ainda não é possível se detectar um tumor clinicamente.   Estágio de iniciação
Como é o precesso de carcinogênise?   Sofrem o efeito dos agentes cancerígenos classificados como oncopromotores. A célula iniciada é transformada em célula maligna, de forma lenta e gradual. A suspensão do contato com agentes promotores muitas vezes interrompe o processo nesse estágio.  Estágio de promoção
Como é o precesso de carcinogênise?   Caracteriza-se pela multiplicação descontrolada e irreversível das células alteradas.  Nesse estágio o câncer já está instalado. Os fatores que promovem a iniciação ou progressão da carcinogênese são chamados agentes oncoaceleradores ou carcinógenos.  O fumo é um agente carcinógeno completo, pois possui componentes que atuam nos três estágios da carcinogênese. Estágio de progressão
Tipos de Câncer Linfomas É denominado linfoma todo tipo de câncer que afeta o sistema linfático. O sistema linfático é constituído por gânglios interligados pelos vasos linfáticos que atuam na defesa do organismo contra infecções.  Ex.:  pescoço, axilas e virilha; amídalas, fígado e baço.  O tumor tem início quando há uma multiplicação desordenada das células do sangue relacionadas ao sistema imunológico (linfócitos).  Principais Sintomas: •   Aumento progressivo e indolor do abdome; • Aumento progressivo e indolor dos gânglios (ínguas); • Febre persistente sem evidência de infecção; • Suor noturno abundante; • Perda de peso relevante; • Coceiras pelo corpo; • Cansaço.
Tipos de Câncer Leucemias A leucemia é uma doença maligna dos  glóbulos brancos (leucócitos) ,  de origem, na maioria das vezes, não conhecida. Ela tem como principal característica o acúmulo de células jovens (blásticas) anormais (Fig. 1) na medula óssea que substituem as células sanguíneas normais. A presença das células anormais prejudica ou impede a formação na medula, dos glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas.
O tipo de leucemia mais freqüente na criança é a leucemia linfóide aguda (ou linfoblástica). A leucemia mielóide aguda é mais freqüente no adulto. •  Falta de apetite; • Comprometimento das ínguas; • Aumento do baço e fígado; • Dor nos ossos ou nas articulações; • Palidez; • Manchas arroxeadas; • Sangramentos não ligados a traumas e febre; • Febre.
Neuroblastoma  (tumor de gânglios simpáticos) Os neuroblastomas se originam de células responsáveis pela formação de partes do sistema nervoso. Pode ocorrer em diversos áreas do organismo, desde a região do cérebro até a área mais inferior da coluna, incluindo todo abdômen. Tumor de Wilms  (tumor renal) É o tumor renal mais comum em crianças correspondendo a 94,7% dos casos de câncer renal em crianças com menos de 15 anos. Normalmente,  o tumor somente se desenvolve em um rim , mas em um pequeno número de casos, pode atingir os dois rins. O primeiro sinal, normalmente, é a presença de uma  massa no abdômen lisa e firme, não dolorosa . Também pode ser comum apresentar sintomas como  dor no estômago, febre, sangue na urina ou pressão arterial alta.  Tipos de Câncer
Retinoblastoma  (tumor da retina do olho) Tumor que se desenvolve na retina, decorrente da mutação de um gene.  O sintoma mais frequente é a leucocoria, um reflexo branco amarelado na pupila causado pelo tumor localizado atrás das lentes, conhecido mais popularmente como  "olho de gato".   Osteossarcoma  (tumor ósseo) O osteossarcoma é o mais comum dos tumores malignos primários dos ossos, costumam atingir as extremidades dos ossos longos, na maioria das vezes acomete o úmero e a tíbia proximais e o fêmur distal. Os sintomas mais comuns são  dor localizada e inchaço do local . As metástases ocorrem principalmente para pulmões e outros ossos e geralmente dão pequenos sintomas desde um estágio precoce da doença . Tipos de Câncer
Sarcomas   (tumores de partes moles) Em geral, os sarcomas de partes moles recebem o nome do tecido onde se originam, o mais comum é o  Rabdomiossarcoma , o sarcoma do tecido muscular estriado. A maioria dos tumores localizam-se na  região da cabeça e pescoço, seguido da região genito-urinário e extremidades .  A primeira manifestação da doença se dá pela presença de um tumor e os sintomas decorrem da sua localização. Tipos de Câncer
Ordem de Incidência de Câncer no Brasil*: Entre mulheres   1º Pele 2ª Mama 3º Colo do útero 4º Colón e reto 5º Estômago Entre homens   1º Pele 2º Próstata 3º Pulmão 4ª Estômago 5º Cólon e reto * Fonte: Instituto Nacional de Câncer
Quimioterapia A quimioterapia é o método que utiliza compostos químicos, chamados  quimioterápicos , no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia  antineoplásica  ou quimioterapia  antiblástica .
Histórico 1946 -   O primeiro quimioterápico antineoplásico foi desenvolvido a partir do  gás mostarda , usado nas duas Guerras Mundiais como arma química. Após a exposição de soldados a este agente, observou-se que eles desenvolveram hipoplasia medular e linfóide, o que levou ao seu uso no tratamento dos linfomas malignos.  *mostardas nitrogenadas  (metil-di(2-cloroetil)amina e tri(-2-cloroetil)amina) – efeitos sobre tecidos em estado de rápido crescimento. Nas décadas de 60 e 70 inicia-se a era da quimioterapia científica, com o conhecimento da cinética celular e da ação farmacológica das drogas. Introdução da poliquimioterapia.
Mecanismos de ação   afetam tanto as células normais como as neoplásicas; maior dano às células malignas; diferenças quantitativas entre os processos metabólicos dessas duas populações celulares; crescimento das células malignas e os das células normais; ação nas enzimas, que são responsáveis pela maioria das funções celulares; afeta a função e a proliferação tanto das células normais como das neoplásicas.
Classificação das drogas antineoplásicas   •  Ciclo-inespecíficos  - Aqueles que atuam nas células que estão ou não no ciclo proliferativo, como, por exemplo, a mostarda nitrogenada. •  Ciclo-específicos  - atuam somente nas células que se encontram em proliferação, como é o caso da ciclofosfamida. •  Fase-específicos  - Aqueles que atuam em determinadas fases do ciclo celular
Tipos e finalidades da quimioterapia   •  Curativa  - quando é usada com o objetivo de se conseguir o controle completo do tumor  •  Adjuvante  - quando se segue à cirurgia curativa, tendo o objetivo de esterilizar células residuais locais ou circulantes, diminuindo a incidência de metástases à distância.  •  Neoadjuvante ou prévia  - quando indicada para se obter a redução parcial do tumor, visando a permitir uma complementação terapêutica com a cirurgia e/ou radioterapia.  •  Paliativa  - não tem finalidade curativa. Usada com a finalidade de melhorar a qualidade da sobrevida do paciente.
Como a quimioterapia pode ser aplicada?              Das seguintes maneiras: Intramuscular:   Injeção no músculo. Subcutânea:  Injeção sob a pele. Intralesional:   Injeção diretamente na área cancerosa. Intratecal:  Injeção dentro do canal espinhal. Intravenosa:   Injeção na veia. Uso tópico:   Aplicada na  pele . Via oral:   Pílulas, cápsulas ou líquidos.
Toxicidade dos quimioterápicos   Afetam estruturas normais que se  renovam constantemente , como a medula óssea, os pêlos e a mucosa do tubo digestivo. As células normais apresentam um  tempo de recuperação  previsível, sendo possível que a quimioterapia seja aplicada repetidamente, desde que observado o intervalo de tempo necessário para a recuperação da medula óssea e da mucosa do tubo digestivo. ( ciclos periódicos ) A toxicidade é variável para os diversos tecidos e depende da droga utilizada.
Toxicidade dos quimioterápicos   Efeitos tóxicos dos quimioterápicos, conforme a época em que se manifestam após a aplicação.
Critérios para aplicação da quimioterapia Condições gerais do paciente:  •  menos de 10% de perda do peso corporal desde o início da doença; •  ausência de contra-indicações clínicas para as drogas selecionadas;  •  ausência de infecção ou infecção presente, mas sob controle; •  capacidade funcional correspondente aos  três primeiros níveis , segundo os índices propostos por Zubrod e Karnofsky. Avaliação da capacidade funcional Níveis Critérios ZUBROD KARNOFSKY 0 100-90% Paciente assintomático ou com sintomas mínimos 1 89-70% Paciente sintomático, mas com capacidade para o atendimento ambulatorial 2 69-50% Paciente permanece no leito menos da metade do dia 3 49-30% Paciente permanece no leito mais da metade do dia 4 29-10% Paciente acamado, necessitando de cuidados constantes
Critérios para aplicação da quimioterapia Contagem das células do sangue e dosagem de hemoglobina. (Os valores exigidos para aplicação da quimioterapia em crianças são menores.):   Leucócitos > 4.000/mm³  Neutrófilos > 2.000/mm³  Plaquetas > 150.000/mm³  Hemoglobina > 10 g/dl Dosagens séricas:   Uréia < 50 mg/dl  Creatinina < 1,5 mg/dl  Bilirrubina total < 3,0 mg/dl  Ácido Úrico < 5,0 mg/dl  Transferasses (transaminases) < 50 Ul/ml
Resistência aos quimioterápicos   populações celulares desenvolvem nova codificação genética (mutação);   são estimuladas a desenvolver tipos celulares resistentes ao serem expostas às drogas, enveredando por vias metabólicas alternativas, através da síntese de novas enzimas;   o tratamento é descontinuado, quando a população tumoral é ainda sensível às drogas;   é aplicada a intervalos irregulares;  doses inadequadas são administradas;  &quot;resistência a múltiplas drogas“, está relacionado à diminuição da concentração intracelular do quimioterápico e a presença da glicoproteína 170-P.  Deve-se iniciar a quimioterapia quando a população tumoral é pequena, a fração de crescimento é grande e a probabilidade de resistência por parte das células com potencial mutagênico é mínima.
Principais drogas utilizadas no tratamento do câncer Alquilantes  Capazes de substituir em outra molécula um átomo de hidrogênio por um  radical alquil . Eles se ligam ao ADN de modo a  impedir a separação dos dois filamentos do ADN  na dupla hélice espiralar, fenômeno este indispensável para a  replicação . Os alquilantes afetam as células em todas as fases do ciclo celular de modo inespecífico. Ex.: mostarda nitrogenada, a mostarda fenil-alanina, a ciclofosfamida, o bussulfam, as nitrosuréias, a cisplatina e o seu análago carboplatina, e a ifosfamida.  Antimetabólitos   Afetam as células  inibindo a   biossíntese dos componentes essenciais do ADN e do ARN . Deste modo,  impedem a multiplicação e função  normais da célula.
Principais drogas utilizadas no tratamento do câncer Antibióticos   Estrutura química variada, possuem em comum  anéis insaturados que permitem a incorporação de excesso de elétrons e a conseqüente produção de radicais livres reativos . Podem apresentar outro grupo funcional que lhes acrescenta novos mecanismos de ação, como alquilação, inibição enzimática, ou inibição da função do ADN por intercalação.  Inibidores mitóticos   Podem paralisar a mitose na metáfase. Os cromossomos, durante a metáfase, ficam impedidos de migrar, ocorrendo a  interrupção da divisão celular . Devem ser associados a outros agentes para maior efetividade da quimioterapia.
Principais drogas utilizadas no tratamento do câncer Outros agentes Algumas drogas não podem ser agrupadas em uma determinada classe de ação farmacológica. Ex.:  dacarbazina  - melanoma avançado, sarcomas de partes moles e linfomas;  procarbazina  - doença de Hodgkin;  L-asparaginase , que hidrolisa a L-asparagina e impede a síntese protéica, utilizada no tratamento da leucemia linfocítica aguda.
Referências http://www.inca.gov.br/ http://www.nacc.org.br/infantil http://www.quimioterapia.com.sapo.pt http://www.caccdurvalpaiva.org.br/informacoes/quimioterapia.htm Greenstein, J.P. –  BIOQUIMICA DEL CANCER . Revista de Occidente. Madrid. 1959.  RECOMENDADO http://www.oncoguia.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Câncer de cólo de útero
Câncer de cólo de úteroCâncer de cólo de útero
Câncer de cólo de útero
Roberta Araujo
 
Cancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero prontoCancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero pronto
cristiano Alves dos santos
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
Stefanny Corrêa
 
Câncer de mama - Palestra para comunidade
Câncer de mama -  Palestra para comunidadeCâncer de mama -  Palestra para comunidade
Câncer de mama - Palestra para comunidade
Maylu Souza
 
Outubro Rosa
Outubro RosaOutubro Rosa
Outubro Rosa
Ana Luzia
 
Cancer de Próstata
Cancer de PróstataCancer de Próstata
Cancer de Próstata
Ivanilson Gomes
 
Cancer
CancerCancer
Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
Carlos Frederico Pinto
 
Tudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de PróstataTudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de Próstata
Oncoguia
 
Novembro azul
Novembro azulNovembro azul
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaOutubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Carlos Lima
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
Aroldo Gavioli
 
Outubro Rosa. Mitos e Verdades
Outubro Rosa. Mitos e VerdadesOutubro Rosa. Mitos e Verdades
Outubro Rosa. Mitos e Verdades
Ministério Público de Santa Catarina
 
câncer
câncercâncer
Aula+papanicolaou
Aula+papanicolaouAula+papanicolaou
Aula+papanicolaou
Jackeline Cristina
 
Cancer de mama
Cancer de mamaCancer de mama
Cancer de mama
HIAGO SANTOS
 
Aula 7 cancer de mama metastatico 2018
Aula 7 cancer de mama metastatico 2018Aula 7 cancer de mama metastatico 2018
Aula 7 cancer de mama metastatico 2018
Simone Amucc
 
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de MamaPalestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
pralucianaevangelista
 
Seminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mamaSeminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mama
Mathielly Samara
 
Outubro rosa
Outubro rosaOutubro rosa
Outubro rosa
Marcelo Nascimento
 

Mais procurados (20)

Câncer de cólo de útero
Câncer de cólo de úteroCâncer de cólo de útero
Câncer de cólo de útero
 
Cancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero prontoCancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero pronto
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
Câncer de mama - Palestra para comunidade
Câncer de mama -  Palestra para comunidadeCâncer de mama -  Palestra para comunidade
Câncer de mama - Palestra para comunidade
 
Outubro Rosa
Outubro RosaOutubro Rosa
Outubro Rosa
 
Cancer de Próstata
Cancer de PróstataCancer de Próstata
Cancer de Próstata
 
Cancer
CancerCancer
Cancer
 
Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
 
Tudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de PróstataTudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de Próstata
 
Novembro azul
Novembro azulNovembro azul
Novembro azul
 
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaOutubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de Mama
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Outubro Rosa. Mitos e Verdades
Outubro Rosa. Mitos e VerdadesOutubro Rosa. Mitos e Verdades
Outubro Rosa. Mitos e Verdades
 
câncer
câncercâncer
câncer
 
Aula+papanicolaou
Aula+papanicolaouAula+papanicolaou
Aula+papanicolaou
 
Cancer de mama
Cancer de mamaCancer de mama
Cancer de mama
 
Aula 7 cancer de mama metastatico 2018
Aula 7 cancer de mama metastatico 2018Aula 7 cancer de mama metastatico 2018
Aula 7 cancer de mama metastatico 2018
 
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de MamaPalestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
 
Seminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mamaSeminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mama
 
Outubro rosa
Outubro rosaOutubro rosa
Outubro rosa
 

Destaque

Mitos e verdades em Cancerologia
Mitos e verdades em CancerologiaMitos e verdades em Cancerologia
Mitos e verdades em Cancerologia
Paulo César Canary
 
Tratamento de tendinite equina com células tronco
Tratamento de tendinite equina com células troncoTratamento de tendinite equina com células tronco
Tratamento de tendinite equina com células tronco
Amo meu cavalo
 
Células Tronco
Células TroncoCélulas Tronco
Células Tronco
Samuel Almeida
 
Aula celulas tronco
Aula celulas troncoAula celulas tronco
Aula celulas tronco
cecilia_akemi
 
Apresentacao celulas tronco
Apresentacao celulas troncoApresentacao celulas tronco
Apresentacao celulas tronco
Beto Barros
 
Células-tronco
Células-troncoCélulas-tronco
Células-tronco
Raphael Machado
 
Cancer PPT (From Mrs. Brenda Lee)
Cancer PPT (From Mrs. Brenda Lee)Cancer PPT (From Mrs. Brenda Lee)
Cancer PPT (From Mrs. Brenda Lee)
Carla
 

Destaque (7)

Mitos e verdades em Cancerologia
Mitos e verdades em CancerologiaMitos e verdades em Cancerologia
Mitos e verdades em Cancerologia
 
Tratamento de tendinite equina com células tronco
Tratamento de tendinite equina com células troncoTratamento de tendinite equina com células tronco
Tratamento de tendinite equina com células tronco
 
Células Tronco
Células TroncoCélulas Tronco
Células Tronco
 
Aula celulas tronco
Aula celulas troncoAula celulas tronco
Aula celulas tronco
 
Apresentacao celulas tronco
Apresentacao celulas troncoApresentacao celulas tronco
Apresentacao celulas tronco
 
Células-tronco
Células-troncoCélulas-tronco
Células-tronco
 
Cancer PPT (From Mrs. Brenda Lee)
Cancer PPT (From Mrs. Brenda Lee)Cancer PPT (From Mrs. Brenda Lee)
Cancer PPT (From Mrs. Brenda Lee)
 

Semelhante a Cancer

Cancer.ppt
Cancer.pptCancer.ppt
Cancer.ppt
IsadoraPereira32
 
Cancer.ppt
Cancer.pptCancer.ppt
Cancer.ppt
CristianeSantucci
 
Cancer
CancerCancer
Oncogenia .pptx
Oncogenia .pptxOncogenia .pptx
Oncogenia .pptx
Marllos Brandão
 
Câncer
CâncerCâncer
Câncer
portoseguro
 
Apresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptxApresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptx
ArtthurPereira2
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
ArtthurPereira2
 
O que é o câncer
O que é o câncerO que é o câncer
O que é o câncer
Graziela Espósito
 
CâNcer
CâNcerCâNcer
CâNcer
ISJ
 
folheto sobre câncer bucal asb andressa.n
folheto sobre câncer bucal asb andressa.nfolheto sobre câncer bucal asb andressa.n
folheto sobre câncer bucal asb andressa.n
Dessa Reis
 
27 de Novemro.docx
27 de Novemro.docx27 de Novemro.docx
27 de Novemro.docx
IzabellaDiniz3
 
Câncer de colo
Câncer de coloCâncer de colo
Câncer de colo
Jefferson Leite
 
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do ÚteroTudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Oncoguia
 
Câncer de mama- Outubro Rosa
 Câncer de mama- Outubro Rosa Câncer de mama- Outubro Rosa
Câncer de mama- Outubro Rosa
Teresa Oliveira
 
Bznkslskkdndbnaksjdbvsksnsjshsjjsnsjsjhshhd
BznkslskkdndbnaksjdbvsksnsjshsjjsnsjsjhshhdBznkslskkdndbnaksjdbvsksnsjshsjjsnsjsjhshhd
Bznkslskkdndbnaksjdbvsksnsjshsjjsnsjsjhshhd
RafaelMarques467937
 
Cancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretalCancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretal
Fisioterapeuta
 
2do parcial
2do parcial2do parcial
2do parcial
Fernanda Lazcano
 
O cancro powerpoint
O cancro powerpointO cancro powerpoint
O cancro powerpoint
boaera
 
Câncer de estômago
Câncer de estômagoCâncer de estômago
Câncer de estômago
Laboratório Sérgio Franco
 
6ºb cancro (2)
6ºb cancro (2)6ºb cancro (2)
6ºb cancro (2)
boaera
 

Semelhante a Cancer (20)

Cancer.ppt
Cancer.pptCancer.ppt
Cancer.ppt
 
Cancer.ppt
Cancer.pptCancer.ppt
Cancer.ppt
 
Cancer
CancerCancer
Cancer
 
Oncogenia .pptx
Oncogenia .pptxOncogenia .pptx
Oncogenia .pptx
 
Câncer
CâncerCâncer
Câncer
 
Apresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptxApresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptx
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 
O que é o câncer
O que é o câncerO que é o câncer
O que é o câncer
 
CâNcer
CâNcerCâNcer
CâNcer
 
folheto sobre câncer bucal asb andressa.n
folheto sobre câncer bucal asb andressa.nfolheto sobre câncer bucal asb andressa.n
folheto sobre câncer bucal asb andressa.n
 
27 de Novemro.docx
27 de Novemro.docx27 de Novemro.docx
27 de Novemro.docx
 
Câncer de colo
Câncer de coloCâncer de colo
Câncer de colo
 
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do ÚteroTudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
 
Câncer de mama- Outubro Rosa
 Câncer de mama- Outubro Rosa Câncer de mama- Outubro Rosa
Câncer de mama- Outubro Rosa
 
Bznkslskkdndbnaksjdbvsksnsjshsjjsnsjsjhshhd
BznkslskkdndbnaksjdbvsksnsjshsjjsnsjsjhshhdBznkslskkdndbnaksjdbvsksnsjshsjjsnsjsjhshhd
Bznkslskkdndbnaksjdbvsksnsjshsjjsnsjsjhshhd
 
Cancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretalCancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretal
 
2do parcial
2do parcial2do parcial
2do parcial
 
O cancro powerpoint
O cancro powerpointO cancro powerpoint
O cancro powerpoint
 
Câncer de estômago
Câncer de estômagoCâncer de estômago
Câncer de estômago
 
6ºb cancro (2)
6ºb cancro (2)6ºb cancro (2)
6ºb cancro (2)
 

Mais de eeepadrianonobre

Guaramiranga tatiane flávia_marúzia
Guaramiranga tatiane flávia_marúziaGuaramiranga tatiane flávia_marúzia
Guaramiranga tatiane flávia_marúzia
eeepadrianonobre
 
Fernando de noronha amanda (2)
Fernando de noronha amanda (2)Fernando de noronha amanda (2)
Fernando de noronha amanda (2)
eeepadrianonobre
 
Bonito luks e leirice2
Bonito luks e leirice2Bonito luks e leirice2
Bonito luks e leirice2
eeepadrianonobre
 
Gramado priscila gabrielle
Gramado priscila gabrielleGramado priscila gabrielle
Gramado priscila gabrielle
eeepadrianonobre
 
Pacatuba gedayas
Pacatuba gedayasPacatuba gedayas
Pacatuba gedayas
eeepadrianonobre
 
Projeto de leitura e expressão artística
Projeto de leitura e expressão artísticaProjeto de leitura e expressão artística
Projeto de leitura e expressão artística
eeepadrianonobre
 
Variação linguistica aulão
Variação linguistica   aulãoVariação linguistica   aulão
Variação linguistica aulão
eeepadrianonobre
 

Mais de eeepadrianonobre (7)

Guaramiranga tatiane flávia_marúzia
Guaramiranga tatiane flávia_marúziaGuaramiranga tatiane flávia_marúzia
Guaramiranga tatiane flávia_marúzia
 
Fernando de noronha amanda (2)
Fernando de noronha amanda (2)Fernando de noronha amanda (2)
Fernando de noronha amanda (2)
 
Bonito luks e leirice2
Bonito luks e leirice2Bonito luks e leirice2
Bonito luks e leirice2
 
Gramado priscila gabrielle
Gramado priscila gabrielleGramado priscila gabrielle
Gramado priscila gabrielle
 
Pacatuba gedayas
Pacatuba gedayasPacatuba gedayas
Pacatuba gedayas
 
Projeto de leitura e expressão artística
Projeto de leitura e expressão artísticaProjeto de leitura e expressão artística
Projeto de leitura e expressão artística
 
Variação linguistica aulão
Variação linguistica   aulãoVariação linguistica   aulão
Variação linguistica aulão
 

Cancer

  • 1. Uma Abordagem Geral sobre o Câncer e a Quimioterapia Profª. Leila Maria
  • 2. O que é o Câncer? Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado ( maligno ) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se ( metástase ) para outras regiões do corpo. Formação de Tumores – acúmulo de células cancerosas ou neoplasias malignas. Multiplicação acelerada das células. * Tumor benigno – massa localizada de células. Multiplicação vagarosa.
  • 3. O que causa o câncer? Causas Externas – meio ambiente, hábitos ou costumes. Causas Internas – geneticamente pré-determinadas, ligadas à capacidade do organismo se defender das agressões externas. Obs.: 80 a 90% dos casos de câncer estão associados a fatores ambientais . * Ambiente : ambiente ocupacional; ambiente de consumo; ambiente social e cultural.
  • 4. Fatores de Risco de Natureza Ambiental Hábitos Alimentares Alguns tipos de alimentos, se consumidos regularmente durante longos períodos de tempo, parecem fornecer o tipo de ambiente que uma célula cancerosa necessita para crescer, se multiplicar e se disseminar. Exemplos: Alimentos ricos em gorduras (carnes vermelhas, frituras, leite integral e derivados, etc.). Nitritos – conservante – transformam-se em nitrosaminas no estômago. (picles, salsichas e alguns tipos de enlatados) Defumados e churrascos – alcatrão, proveniente da fumaça do carvão. Alimentos preservados em sal – carne-de-sol, charque e peixes salgados; Tipo de preparo do alimento – temperaturas muito elevadas favorecem a formação de compostos que aumentam o risco de câncer. Dieta pobre em fibras com altos teores de gorduras e calóricas.
  • 5. Como prevenir-se através da alimentação Algumas mudanças nos nossos hábitos alimentares podem nos ajudar a reduzir os riscos de desenvolvermos câncer. A adoção de simples regras para uma alimentação saudável contribui não só para a prevenção do câncer, mas também de doenças cardíacas, obesidade e outras enfermidades crônicas como diabetes. Fibras – redução da formação de substâncias cancerígenas no intestino grosso e diminuição da absorção de gorduras; Verduras, frutas, legumes e cereais ricos em vitaminas C, A, E e fibras – menor incidência de cânceres originários em epitélios de revestimento. A vitamina E diminui o risco de câncer. Obs.: Somente funciona como fator protetor.
  • 6. Alcoolismo: Relação com o Câncer A relação entre álcool e câncer tem sido avaliada, no Brasil, por meio de estudos de caso-controle, que estabeleceram a associação epidemiológica entre o consumo de álcool e cânceres da cavidade bucal e de esôfago. Combinado com o tabaco – faringe e laringe supraglótica. Está relacionado a 2 – 4% das mortes por câncer. Os estudos epidemiológicos têm demonstrado que o tipo de bebida (cerveja, vinho, cachaça etc.) é indiferente, pois parece ser o etanol, propriamente, o agente agressor.
  • 7. Hábitos Sexuais Certas características de comportamento sexual aumentam a chance de exposição a vírus carcinogênicos sexualmente transmissíveis. Eis alguns tipos de vírus com potencial carcingênico que podem ser transmitidos sexualmente: • o herpesvírus tipo II e o papilomavírus ( HPV ) estão relacionados ao câncer do colo uterino; • o vírus HIV (Human Immunodeficiency Virus), associado a outros tipos de vírus, como o citomegalovírus e os herpesvírus I e II , pode desencadear o aparecimento de sacoma de Kaposi, câncer de língua e de reto, respectivamente, em pacientes portadores de AIDS; • o vírus HTLV-I associa-se a leucemias e ao linfoma de linfócitos T; • o vírus da hepatite B relaciona-se ao câncer de fígado.
  • 8. Medicamentos Apesar da valiosa contribuição para o controle de muitas doenças, a incorporação de medicamentos à pratica médica produz também efeitos indesejáveis, entre os quais a carcinogênese. Dentre alguns estudos, podem ser citados: O efeito carcinogênico indubitável da clornafazina e do melfalan . Supressores imunológicos , como a azatio-prina e prednisona, já foram relacionados com linfomas malignos e com o câncer de pele. Quando administrados a transplantados, aumentam, agudamente, em meses, o risco de desenvolver o linfoma linfocítico e outros tumores malignos nesses pacientes. A fenacetina tem sido responsabilizada por tumores da pelve renal. O uso de estrogênios conjugados , para o tratamento dos sintomas da menopausa, correlaciona-se com uma maior ocorrência do câncer de endométrio, e alguns estudos relacionaram o câncer de mama com o uso prolongado de contraceptivos, antes da primeira gravidez.
  • 9. Fatores Ocupacionais O câncer provocado por exposições ocupacionais geralmente atinge regiões do corpo que estão em contato direto com as substâncias cancerígenas, seja durante a fase de absorção (pele, aparelho respiratório) ou de excreção (aparelho urinário), o que explica a maior freqüência de câncer de pulmão, de pele e de bexiga nesse tipo de exposição. Ocupação Locais Primários dos Tumores Marceneiro Carcinoma de nariz e seios para-nasais Sapateiro Carcinoma de nariz e seios para-nasais Limpador de chaminé Carcinoma de pele, pulmão e bexiga Relacionada à sí Carcinoma de pulmão
  • 10. Substâncias Tóxicas Locais Primários dos Tumores Nitrito de acrílico Pulmão, cólon e próstata Alumínio e seus compostos Pulmão Arsênico Pulmão, pele e fígado Asbesto Pulmão, serosas, trato gastrointestinal e rim Aminas aromáticas Bexiga Benzeno Medula óssea (leucemia mielóide) Benzidina Bexiga Berílio e seus compostos Pulmão Cádmio Próstata Cromo e seus compostos Pulmão Álcool isopropílico Seios para-nasais Borracha Medula óssea e bexiga Compostos de níquel Pulmão e seios para-nasais Pó de madeiras Seios para-nasais Radônio Pulmão Tinturas de cabelo Bexiga Material de pintura Pulmão
  • 11. Radiação Solar Exposição Excessiva No Brasil, o câncer mais freqüente é o de pele, correspondendo a cerca de 25% de todos os tumores diagnosticados em todas as regiões geográficas. A radiação ultra-violeta natural, proveniente do sol, é o seu maior agente etiológico. Raios UV-C Raios UV-A (320-400nm) Raios UV-B (280-320nm) Para a prevenção não só do câncer de pele como também das outras lesões provocadas pelos raios UV é necessário evitar a exposição ao sol sem proteção. É preciso incentivar o uso de chapéus, guarda-sóis, óculos escuros e filtros solares durante qualquer atividade ao ar livre e evitar a exposição em horários em que os raios ultravioleta são mais intensos, ou seja, das 10 às 16 horas .
  • 12. Outras radiações Estima-se que menos de 3% dos cânceres resultem da exposição às radiações ionizantes. Estudos feitos entre os sobreviventes da explosão das bombas atômicas e entre pacientes que se submeteram à radioterapia , mostraram que o risco de câncer aumenta em proporção direta à dose de radiação recebida , e que os tecidos mais sensíveis às radiações ionizantes são o hematopoético, o tiroidiano, o mamário e o ósseo . As leucemias ocorrem entre 2 e 5 anos após a exposição, e os tumores sólidos surgem entre 5 e 10 anos.
  • 13. Tabaco 90% dos casos de câncer no pulmão (entre os 10% restantes, 1/3 é de fumantes passivos); 30% das mortes decorrentes de outros tipos de câncer (de boca, laringe, faringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga e colo de útero); As doenças cardiovasculares e o câncer são as principais causas de morte por doença no Brasil, sendo que o câncer de pulmão é a primeira causa de morte por câncer.
  • 14. Hereditariedade retinoblastoma que, em 10% dos casos, apresentam história familiar deste tumor. Alguns tipos de câncer de mama, estômago e intestino parecem ter um forte componente familiar. São raros os casos de cânceres que se devem exclusivamente a fatores hereditários, familiares e étnicos, apesar de o fator genético exercer um importante papel na oncogênese. retinoblastoma
  • 15. Como surge o Câncer?   Genes: arquivos que guardam e fornecem instruções para a organização das estruturas, formas e atividades das células no organismo; DNA: informação genética; passam informações para o funcionamento da célula; Mutação genética: alterações no DNA dos genes; Protooncogenes: genes especiais, inativos em células normais; Oncogenes: protooncogenes ativados, responsáveis pela cancerização das células normais.
  • 16. Como se comportam as células cancerosas?   Multiplicam-se de maneira descontrolada; Têm capacidade para formar novos vasos sanguíneos que as nutrirão e manterão as atividades de crescimento descontrolado; O acúmulo dessas células forma os tumores malignos; Adquirem a capacidade de se desprender do tumor e de migrar; Chegam ao interior de um vaso sangüíneo ou linfático e, através desses, disseminam-se, chegando a órgãos distantes do local onde o tumor se iniciou, formando as metástases; Menos especializadas nas suas funções do que as suas correspondentes normais.
  • 17. Como é o precesso de carcinogênise? As células sofrem o efeito dos agentes cancerígenos ou carcinógenos . Nesta fase as células se encontram, geneticamente alteradas, porém ainda não é possível se detectar um tumor clinicamente. Estágio de iniciação
  • 18. Como é o precesso de carcinogênise? Sofrem o efeito dos agentes cancerígenos classificados como oncopromotores. A célula iniciada é transformada em célula maligna, de forma lenta e gradual. A suspensão do contato com agentes promotores muitas vezes interrompe o processo nesse estágio. Estágio de promoção
  • 19. Como é o precesso de carcinogênise? Caracteriza-se pela multiplicação descontrolada e irreversível das células alteradas. Nesse estágio o câncer já está instalado. Os fatores que promovem a iniciação ou progressão da carcinogênese são chamados agentes oncoaceleradores ou carcinógenos. O fumo é um agente carcinógeno completo, pois possui componentes que atuam nos três estágios da carcinogênese. Estágio de progressão
  • 20. Tipos de Câncer Linfomas É denominado linfoma todo tipo de câncer que afeta o sistema linfático. O sistema linfático é constituído por gânglios interligados pelos vasos linfáticos que atuam na defesa do organismo contra infecções. Ex.: pescoço, axilas e virilha; amídalas, fígado e baço. O tumor tem início quando há uma multiplicação desordenada das células do sangue relacionadas ao sistema imunológico (linfócitos). Principais Sintomas: • Aumento progressivo e indolor do abdome; • Aumento progressivo e indolor dos gânglios (ínguas); • Febre persistente sem evidência de infecção; • Suor noturno abundante; • Perda de peso relevante; • Coceiras pelo corpo; • Cansaço.
  • 21. Tipos de Câncer Leucemias A leucemia é uma doença maligna dos glóbulos brancos (leucócitos) , de origem, na maioria das vezes, não conhecida. Ela tem como principal característica o acúmulo de células jovens (blásticas) anormais (Fig. 1) na medula óssea que substituem as células sanguíneas normais. A presença das células anormais prejudica ou impede a formação na medula, dos glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas.
  • 22. O tipo de leucemia mais freqüente na criança é a leucemia linfóide aguda (ou linfoblástica). A leucemia mielóide aguda é mais freqüente no adulto. • Falta de apetite; • Comprometimento das ínguas; • Aumento do baço e fígado; • Dor nos ossos ou nas articulações; • Palidez; • Manchas arroxeadas; • Sangramentos não ligados a traumas e febre; • Febre.
  • 23. Neuroblastoma (tumor de gânglios simpáticos) Os neuroblastomas se originam de células responsáveis pela formação de partes do sistema nervoso. Pode ocorrer em diversos áreas do organismo, desde a região do cérebro até a área mais inferior da coluna, incluindo todo abdômen. Tumor de Wilms (tumor renal) É o tumor renal mais comum em crianças correspondendo a 94,7% dos casos de câncer renal em crianças com menos de 15 anos. Normalmente, o tumor somente se desenvolve em um rim , mas em um pequeno número de casos, pode atingir os dois rins. O primeiro sinal, normalmente, é a presença de uma massa no abdômen lisa e firme, não dolorosa . Também pode ser comum apresentar sintomas como dor no estômago, febre, sangue na urina ou pressão arterial alta. Tipos de Câncer
  • 24. Retinoblastoma (tumor da retina do olho) Tumor que se desenvolve na retina, decorrente da mutação de um gene. O sintoma mais frequente é a leucocoria, um reflexo branco amarelado na pupila causado pelo tumor localizado atrás das lentes, conhecido mais popularmente como &quot;olho de gato&quot;. Osteossarcoma (tumor ósseo) O osteossarcoma é o mais comum dos tumores malignos primários dos ossos, costumam atingir as extremidades dos ossos longos, na maioria das vezes acomete o úmero e a tíbia proximais e o fêmur distal. Os sintomas mais comuns são dor localizada e inchaço do local . As metástases ocorrem principalmente para pulmões e outros ossos e geralmente dão pequenos sintomas desde um estágio precoce da doença . Tipos de Câncer
  • 25. Sarcomas (tumores de partes moles) Em geral, os sarcomas de partes moles recebem o nome do tecido onde se originam, o mais comum é o Rabdomiossarcoma , o sarcoma do tecido muscular estriado. A maioria dos tumores localizam-se na região da cabeça e pescoço, seguido da região genito-urinário e extremidades . A primeira manifestação da doença se dá pela presença de um tumor e os sintomas decorrem da sua localização. Tipos de Câncer
  • 26. Ordem de Incidência de Câncer no Brasil*: Entre mulheres   1º Pele 2ª Mama 3º Colo do útero 4º Colón e reto 5º Estômago Entre homens   1º Pele 2º Próstata 3º Pulmão 4ª Estômago 5º Cólon e reto * Fonte: Instituto Nacional de Câncer
  • 27. Quimioterapia A quimioterapia é o método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos , no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica .
  • 28. Histórico 1946 - O primeiro quimioterápico antineoplásico foi desenvolvido a partir do gás mostarda , usado nas duas Guerras Mundiais como arma química. Após a exposição de soldados a este agente, observou-se que eles desenvolveram hipoplasia medular e linfóide, o que levou ao seu uso no tratamento dos linfomas malignos. *mostardas nitrogenadas (metil-di(2-cloroetil)amina e tri(-2-cloroetil)amina) – efeitos sobre tecidos em estado de rápido crescimento. Nas décadas de 60 e 70 inicia-se a era da quimioterapia científica, com o conhecimento da cinética celular e da ação farmacológica das drogas. Introdução da poliquimioterapia.
  • 29. Mecanismos de ação afetam tanto as células normais como as neoplásicas; maior dano às células malignas; diferenças quantitativas entre os processos metabólicos dessas duas populações celulares; crescimento das células malignas e os das células normais; ação nas enzimas, que são responsáveis pela maioria das funções celulares; afeta a função e a proliferação tanto das células normais como das neoplásicas.
  • 30. Classificação das drogas antineoplásicas • Ciclo-inespecíficos - Aqueles que atuam nas células que estão ou não no ciclo proliferativo, como, por exemplo, a mostarda nitrogenada. • Ciclo-específicos - atuam somente nas células que se encontram em proliferação, como é o caso da ciclofosfamida. • Fase-específicos - Aqueles que atuam em determinadas fases do ciclo celular
  • 31. Tipos e finalidades da quimioterapia • Curativa - quando é usada com o objetivo de se conseguir o controle completo do tumor • Adjuvante - quando se segue à cirurgia curativa, tendo o objetivo de esterilizar células residuais locais ou circulantes, diminuindo a incidência de metástases à distância. • Neoadjuvante ou prévia - quando indicada para se obter a redução parcial do tumor, visando a permitir uma complementação terapêutica com a cirurgia e/ou radioterapia. • Paliativa - não tem finalidade curativa. Usada com a finalidade de melhorar a qualidade da sobrevida do paciente.
  • 32. Como a quimioterapia pode ser aplicada?           Das seguintes maneiras: Intramuscular: Injeção no músculo. Subcutânea: Injeção sob a pele. Intralesional: Injeção diretamente na área cancerosa. Intratecal: Injeção dentro do canal espinhal. Intravenosa: Injeção na veia. Uso tópico: Aplicada na pele . Via oral: Pílulas, cápsulas ou líquidos.
  • 33. Toxicidade dos quimioterápicos Afetam estruturas normais que se renovam constantemente , como a medula óssea, os pêlos e a mucosa do tubo digestivo. As células normais apresentam um tempo de recuperação previsível, sendo possível que a quimioterapia seja aplicada repetidamente, desde que observado o intervalo de tempo necessário para a recuperação da medula óssea e da mucosa do tubo digestivo. ( ciclos periódicos ) A toxicidade é variável para os diversos tecidos e depende da droga utilizada.
  • 34. Toxicidade dos quimioterápicos Efeitos tóxicos dos quimioterápicos, conforme a época em que se manifestam após a aplicação.
  • 35. Critérios para aplicação da quimioterapia Condições gerais do paciente: • menos de 10% de perda do peso corporal desde o início da doença; • ausência de contra-indicações clínicas para as drogas selecionadas; • ausência de infecção ou infecção presente, mas sob controle; • capacidade funcional correspondente aos três primeiros níveis , segundo os índices propostos por Zubrod e Karnofsky. Avaliação da capacidade funcional Níveis Critérios ZUBROD KARNOFSKY 0 100-90% Paciente assintomático ou com sintomas mínimos 1 89-70% Paciente sintomático, mas com capacidade para o atendimento ambulatorial 2 69-50% Paciente permanece no leito menos da metade do dia 3 49-30% Paciente permanece no leito mais da metade do dia 4 29-10% Paciente acamado, necessitando de cuidados constantes
  • 36. Critérios para aplicação da quimioterapia Contagem das células do sangue e dosagem de hemoglobina. (Os valores exigidos para aplicação da quimioterapia em crianças são menores.): Leucócitos > 4.000/mm³ Neutrófilos > 2.000/mm³ Plaquetas > 150.000/mm³ Hemoglobina > 10 g/dl Dosagens séricas: Uréia < 50 mg/dl Creatinina < 1,5 mg/dl Bilirrubina total < 3,0 mg/dl Ácido Úrico < 5,0 mg/dl Transferasses (transaminases) < 50 Ul/ml
  • 37. Resistência aos quimioterápicos populações celulares desenvolvem nova codificação genética (mutação); são estimuladas a desenvolver tipos celulares resistentes ao serem expostas às drogas, enveredando por vias metabólicas alternativas, através da síntese de novas enzimas; o tratamento é descontinuado, quando a população tumoral é ainda sensível às drogas; é aplicada a intervalos irregulares; doses inadequadas são administradas; &quot;resistência a múltiplas drogas“, está relacionado à diminuição da concentração intracelular do quimioterápico e a presença da glicoproteína 170-P. Deve-se iniciar a quimioterapia quando a população tumoral é pequena, a fração de crescimento é grande e a probabilidade de resistência por parte das células com potencial mutagênico é mínima.
  • 38. Principais drogas utilizadas no tratamento do câncer Alquilantes Capazes de substituir em outra molécula um átomo de hidrogênio por um radical alquil . Eles se ligam ao ADN de modo a impedir a separação dos dois filamentos do ADN na dupla hélice espiralar, fenômeno este indispensável para a replicação . Os alquilantes afetam as células em todas as fases do ciclo celular de modo inespecífico. Ex.: mostarda nitrogenada, a mostarda fenil-alanina, a ciclofosfamida, o bussulfam, as nitrosuréias, a cisplatina e o seu análago carboplatina, e a ifosfamida. Antimetabólitos Afetam as células inibindo a biossíntese dos componentes essenciais do ADN e do ARN . Deste modo, impedem a multiplicação e função normais da célula.
  • 39. Principais drogas utilizadas no tratamento do câncer Antibióticos Estrutura química variada, possuem em comum anéis insaturados que permitem a incorporação de excesso de elétrons e a conseqüente produção de radicais livres reativos . Podem apresentar outro grupo funcional que lhes acrescenta novos mecanismos de ação, como alquilação, inibição enzimática, ou inibição da função do ADN por intercalação. Inibidores mitóticos Podem paralisar a mitose na metáfase. Os cromossomos, durante a metáfase, ficam impedidos de migrar, ocorrendo a interrupção da divisão celular . Devem ser associados a outros agentes para maior efetividade da quimioterapia.
  • 40. Principais drogas utilizadas no tratamento do câncer Outros agentes Algumas drogas não podem ser agrupadas em uma determinada classe de ação farmacológica. Ex.: dacarbazina - melanoma avançado, sarcomas de partes moles e linfomas; procarbazina - doença de Hodgkin; L-asparaginase , que hidrolisa a L-asparagina e impede a síntese protéica, utilizada no tratamento da leucemia linfocítica aguda.
  • 41. Referências http://www.inca.gov.br/ http://www.nacc.org.br/infantil http://www.quimioterapia.com.sapo.pt http://www.caccdurvalpaiva.org.br/informacoes/quimioterapia.htm Greenstein, J.P. – BIOQUIMICA DEL CANCER . Revista de Occidente. Madrid. 1959. RECOMENDADO http://www.oncoguia.com.br