SlideShare uma empresa Scribd logo
O QUANTO VOCÊ TEM SE PREPARADO PARA SER O
MELHOR?
MUITOS BUSCAM TER SUCESSO, MAS NÃO QUEREM PAGAR O PREÇO DA PREPARAÇÃO,
TREINO, APRENDER A EXECUTAR COMO NINGUÉM O QUE FAZ!
Apresentação
MEU NOME?
MINHA IDADE?
DE ONDE SOU?
O QUE ESPERO DA DISCIPLINA?
ONCOLOGIA
Enf. Esp. Arthur Custódio Pereira
Email: enfer_artthurnews@outlook.com
Apresentação da disciplina
Objetivo;
Compreender: a epidemiologia e origem do câncer,
terapêutica utilizada e medidas de suporte ao
paciente oncológico.
 Esta disciplina visa à compreensão dos princípios
básicos da fisiopatologia, prevenção e tratamento
do câncer, bem como, a análise de conceitos
básicos do cuidado de enfermagem a pacientes
oncológicos.
Apresentação da disciplina
Conteúdo programado
1. Introdução sobre as células
2. Células normais e células cancerígenas
3. Características gerais das células
4. Epidemiologia do Câncer
5. Fatores carcinogênicos
6. Fisiopatologia do Câncer
7. Mecanismos de disseminação de célula maligna e fatores predisponentes do câncer
8. Classificação e estadiamento (grau) do Câncer
9. Avaliação e principais tipos de tumores
10. Bases do tratamento do câncer
11. Quimioterapia
12. Radioterapia
13. Hormonioterapia
14. imunoterapia
Apresentação da disciplina
Metodologia
Aulas expositivas dialogadas
• Leitura de textos, debates e realização de exercícios
• Trabalho de grupo
Apresentação da disciplina
Avaliação
Seminário + Portifólio
Atividade externa
Avaliação teórica
ONCOLOGIA
Prof. Enf. Esp. Arthur Custódio Pereira
CANCER?
Introdução sobre as células
A célula é a unidade básica e fundamental de
todos os organismos conhecidos.
são as unidades responsáveis por nutrir,
proteger, produzir energia e produzir gametas
para a reprodução dos seres humanos.
MEMBRANA
CITOPLASMA
NÚCLEO
Características gerais das células
Células normais e células cancerígenas
O Problema do Câncer no Brasil
Excluindo-se as causas mal definidas, o câncer constitui a terceira causa de morte no
Brasil, atrás somente das doenças do aparelho circulatório e das causas externas, sendo
assim a segunda causa de morte por doença.
 O câncer é um problema de saúde pública mundial. A
Organização Mundial da Saúde (OMS) estimou que, no
ano 2030, podem-se esperar 27 milhões de casos
incidentes de câncer, 17 milhões de mortes por câncer
e 75 milhões de pessoas vivas, anualmente, com
câncer.
A epidemiologia do câncer
Em relação à diferença entre os gêneros, a taxa de incidência para todos os
cânceres foi 19% maior em homens do que em mulheres. A diferença entre é
ainda maior em relação à mortalidade, sendo 43% maior em homens. No
Brasil, o número de novos casos foi de 522.212, com aproximadamente
260.000 mortes por câncer.
Por ser o início do câncer, as causas da carcinogênese são as
mesmas que as da condição: alterações (ou mutações)
genéticas que alteram os fatores de crescimento das
células ou falha no reparo do DNA. Em certas circunstâncias,
o DNA é danificado e não consegue se reparar com sucesso, o
que gera a mutação genética.
Bases da Carcinogênese;
Mutações congênitas
Mutações não congênitas
Determinantes sociais do
câncer;
• O câncer é uma mutação genética, ou seja, do
DNA da célula
• Neoplasia benigna: encapsulado, crescimento
lento, pouca resposta imunológica, não há
metástase;
• Neoplasia Maligna: Sem capsula, intensa
resposta imunológica, metástase frequente;
• Vias de metástase: Cavitaria, Linfática e
Sanguínea;
Carcinoma: epiteliais;
Adeno Carcinoma: epitelial glandular Sarcoma:
Tecido conjuntivo.
Fisiopatologia do Câncer
Fisiopatologia do Câncer
Mecanismos de disseminação de célula maligna
Carcinogênese física, química e biológica
Estadiamento, classificação e
nomenclatura do tumor;
Existem diferentes sistemas de estadiamento, mas o mais comum e útil para a maioria dos
tipos de cânceres é o sistema TNM.
Estadiamento é o processo
para determinar a localização
e a extensão do câncer
presente no corpo de uma
pessoa. 1 Estadiamento clínico
2 Estadiamento patológico
Estadiamento do tumor
Estadiamento do tumor
Homem de 56 anos compareceu a UBS com queixa de úlcera persistente no prepúcio. A
enfermeira avaliou que a úlcera envolvia a derme e epiderme, era superficial, friável e
sensível à manipulação, apresentava exsudato em pouca quantidade (lesão úmida), com
intenso processo inflamatório ao redor, dor e odor ocasionais. O usuário foi atendido pelo
médico e referenciado ao serviço especializado para investigação diagnóstica de câncer de
pênis.
Tendo como base esse caso clínico, e de acordo com o estadiamento das lesões oncológicas, a
ferida descrita encontra-se em:
Estágio 1
Estágio 2
Estágio 3
Estágio 4
Homem de 56 anos compareceu a UBS com queixa de úlcera persistente no prepúcio. A
enfermeira avaliou que a úlcera envolvia a derme e epiderme, era superficial, friável e
sensível à manipulação, apresentava exsudato em pouca quantidade (lesão úmida), com
intenso processo inflamatório ao redor, dor e odor ocasionais. O usuário foi atendido pelo
médico e referenciado ao serviço especializado para investigação diagnóstica de câncer de
pênis.
Tendo como base esse caso clínico, e de acordo com o estadiamento das lesões oncológicas, a
ferida descrita encontra-se em:
Estágio 1
Estágio 2
Estágio 3
Estágio 4
O exame clínico das mamas realizado por um enfermeiro numa consulta de enfermagem
numa Unidade básica de Saúde pode ajudar na detecção precoce do câncer de mama. Leia as
alternativas que seguem e assinale a única que NÃO aponta alterações na mama que são
consideradas sinais de alerta para este tipo de câncer.
a. Dor persistente em uma única mama.
b. Mudança no contorno das mamas podendo ser notado abaulamento ou retrações.
c. Secreção bilateral de cor turva, podendo ser amarelada ou esverdeada que saem por
compressão do mamilo.
d. Massas arredondadas, macias, indolores e móveis.
O exame clínico das mamas realizado por um enfermeiro numa consulta de enfermagem
numa Unidade básica de Saúde pode ajudar na detecção precoce do câncer de mama. Leia as
alternativas que seguem e assinale a única que NÃO aponta alterações na mama que são
consideradas sinais de alerta para este tipo de câncer.
a. Dor persistente em uma única mama.
b. Mudança no contorno das mamas podendo ser notado abaulamento ou retrações.
c. Secreção bilateral de cor turva, podendo ser amarelada ou esverdeada que saem por
compressão do mamilo.
d. Massas arredondadas, macias, indolores e móveis.
Quando falamos em câncer, pensamos em uma única doença, entretanto, o termo é utilizado
para definir um conjunto de mais de 100 doenças. Todas essas enfermidades apresentam em
comum o fato de:
a) apresentarem células maiores que o normal.
b) apresentarem células menores que o normal.
c) apresentarem células que migram por todo o corpo.
d) apresentarem células com crescimento desordenado.
e) apresentarem células que não sofrem divisão celular e formam tumores.
Quando falamos em câncer, pensamos em uma única doença, entretanto, o termo é utilizado
para definir um conjunto de mais de 100 doenças. Todas essas enfermidades apresentam em
comum o fato de:
a) apresentarem células maiores que o normal.
b) apresentarem células menores que o normal.
c) apresentarem células que migram por todo o corpo.
d) apresentarem células com crescimento desordenado.
e) apresentarem células que não sofrem divisão celular e formam tumores.
Sob certas circunstâncias, as células podem passar a se dividir de forma anormal e descontrolada. Essa multiplicação
anômala dá origem a uma massa tumoral que pode invadir estruturas além daquelas onde se originou. Com relação a este
assunto, analise as proposições abaixo.
1.Células tumorais malignas podem se disseminar por todo o corpo do indivíduo, através da corrente sanguínea ou do
sistema linfático.
2. Radiação solar em excesso, exposição a radiações ionizantes e certas substâncias químicas se apresentam como fatores
de risco para o surgimento do câncer.
3. Diversas formas de câncer diagnosticadas em pulmão, laringe, esôfago e bexiga urinária, no homem, estão associadas
ao tabagismo.
Estão corretas:
a) 1 e 2, apenas.
b) 1 e 3, apenas.
c) 2 e 3, apenas.
d) 3, apenas.
e) 1, 2 e 3.
Sob certas circunstâncias, as células podem passar a se dividir de forma anormal e descontrolada. Essa multiplicação
anômala dá origem a uma massa tumoral que pode invadir estruturas além daquelas onde se originou. Com relação a este
assunto, analise as proposições abaixo.
1.Células tumorais malignas podem se disseminar por todo o corpo do indivíduo, através da corrente sanguínea ou do
sistema linfático.
2. Radiação solar em excesso, exposição a radiações ionizantes e certas substâncias químicas se apresentam como fatores
de risco para o surgimento do câncer.
3. Diversas formas de câncer diagnosticadas em pulmão, laringe, esôfago e bexiga urinária, no homem, estão associadas
ao tabagismo.
Estão corretas:
a) 1 e 2, apenas.
b) 1 e 3, apenas.
c) 2 e 3, apenas.
d) 3, apenas.
e) 1, 2 e 3.
A Organização Mundial de Saúde classifica 432 agentes como cancerígenos ou potencialmente cancerígenos. Eles estão
divididos em três grupos, sendo que no grupo 1 estão agentes comprovadamente associados ao desenvolvimento de
câncer, entre eles podem ser citados: bebidas alcoólicas, tabaco, radiação ultravioleta, vírus da hepatite B, vírus da
hepatite C e outros.
Dos agentes que são comprovadamente associados ao desenvolvimento de câncer, pode-se afirmar que:
a) As bebidas alcoólicas e o tabaco causam câncer especificamente em órgãos dos sistemas digestório e circulatório.
b) A radiação ultravioleta danifica moléculas de RNA, presentes no interior do núcleo das células epiteliais, e isso
desencadeia o câncer de pele.
c) Uma vez desencadeado o câncer em uma pessoa, que consiste em divisões meióticas descontroladas, seus
descendentes também irão herdar essa característica.
d) Somente o etanol, álcool presente em bebidas destiladas, pode desencadear sucessivas divisões celulares, enquanto
que o metanol, presente em bebidas fermentadas, não possui efeito mutagênico.
e) Os vírus, ao se reproduzirem no interior das células hepáticas, podem alterar o controle gênico celular e, com isso,
promover divisões celulares descontroladas.
A Organização Mundial de Saúde classifica 432 agentes como cancerígenos ou potencialmente cancerígenos. Eles estão
divididos em três grupos, sendo que no grupo 1 estão agentes comprovadamente associados ao desenvolvimento de
câncer, entre eles podem ser citados: bebidas alcoólicas, tabaco, radiação ultravioleta, vírus da hepatite B, vírus da
hepatite C e outros.
Dos agentes que são comprovadamente associados ao desenvolvimento de câncer, pode-se afirmar que:
a) As bebidas alcoólicas e o tabaco causam câncer especificamente em órgãos dos sistemas digestório e circulatório.
b) A radiação ultravioleta danifica moléculas de RNA, presentes no interior do núcleo das células epiteliais, e isso
desencadeia o câncer de pele.
c) Uma vez desencadeado o câncer em uma pessoa, que consiste em divisões meióticas descontroladas, seus
descendentes também irão herdar essa característica.
d) Somente o etanol, álcool presente em bebidas destiladas, pode desencadear sucessivas divisões celulares, enquanto
que o metanol, presente em bebidas fermentadas, não possui efeito mutagênico.
e) Os vírus, ao se reproduzirem no interior das células hepáticas, podem alterar o controle gênico celular e, com isso,
promover divisões celulares descontroladas.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação.pptx

CâNcer
CâNcerCâNcer
CâNcer
ISJ
 
folheto sobre câncer bucal asb andressa.n
folheto sobre câncer bucal asb andressa.nfolheto sobre câncer bucal asb andressa.n
folheto sobre câncer bucal asb andressa.n
Dessa Reis
 
Oncogenia .pptx
Oncogenia .pptxOncogenia .pptx
Oncogenia .pptx
Marllos Brandão
 
Cancro
CancroCancro
Cancro
NeinhaARMR
 
Cancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretalCancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretal
Fisioterapeuta
 
Câncer infantil - Materno infantil.
Câncer infantil - Materno infantil. Câncer infantil - Materno infantil.
Câncer infantil - Materno infantil.
MARAILZA LIMA
 
Câncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celularCâncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celular
Luane Carenina
 
Câncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celularCâncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celular
Luane Carenina
 
6ºb cancro (2)
6ºb cancro (2)6ºb cancro (2)
6ºb cancro (2)
boaera
 
Artigo câncer causas, prevenção e tratamento
Artigo câncer   causas, prevenção e tratamentoArtigo câncer   causas, prevenção e tratamento
Artigo câncer causas, prevenção e tratamento
Aline Silva
 
rafaella-feitosa-guimar-es.pdf
rafaella-feitosa-guimar-es.pdfrafaella-feitosa-guimar-es.pdf
rafaella-feitosa-guimar-es.pdf
MaianaSantos12
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do Útero
Oncoguia
 
Oncologia Enfermagem
Oncologia EnfermagemOncologia Enfermagem
Oncologia Enfermagem
SuziannaSampaio1
 
Artigotcccapulmão
ArtigotcccapulmãoArtigotcccapulmão
Artigotcccapulmão
Dannylo Fontenele
 
XI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.PauloXI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.Paulo
Oncoguia
 
XI Fórum Nacional - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional - Folha de S.PauloXI Fórum Nacional - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional - Folha de S.Paulo
Francielle Oliveira
 
Tcc remédios (texto) 20.01.10
Tcc   remédios (texto) 20.01.10Tcc   remédios (texto) 20.01.10
Tcc remédios (texto) 20.01.10
Pedro Antonio
 
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterinoLesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
itsufpr
 
Neoplasias primárias múltiplas
Neoplasias primárias múltiplasNeoplasias primárias múltiplas
Neoplasias primárias múltiplas
Nadine Sousa
 
Câncer de mama- Outubro Rosa
 Câncer de mama- Outubro Rosa Câncer de mama- Outubro Rosa
Câncer de mama- Outubro Rosa
Teresa Oliveira
 

Semelhante a Apresentação.pptx (20)

CâNcer
CâNcerCâNcer
CâNcer
 
folheto sobre câncer bucal asb andressa.n
folheto sobre câncer bucal asb andressa.nfolheto sobre câncer bucal asb andressa.n
folheto sobre câncer bucal asb andressa.n
 
Oncogenia .pptx
Oncogenia .pptxOncogenia .pptx
Oncogenia .pptx
 
Cancro
CancroCancro
Cancro
 
Cancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretalCancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretal
 
Câncer infantil - Materno infantil.
Câncer infantil - Materno infantil. Câncer infantil - Materno infantil.
Câncer infantil - Materno infantil.
 
Câncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celularCâncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celular
 
Câncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celularCâncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celular
 
6ºb cancro (2)
6ºb cancro (2)6ºb cancro (2)
6ºb cancro (2)
 
Artigo câncer causas, prevenção e tratamento
Artigo câncer   causas, prevenção e tratamentoArtigo câncer   causas, prevenção e tratamento
Artigo câncer causas, prevenção e tratamento
 
rafaella-feitosa-guimar-es.pdf
rafaella-feitosa-guimar-es.pdfrafaella-feitosa-guimar-es.pdf
rafaella-feitosa-guimar-es.pdf
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do Útero
 
Oncologia Enfermagem
Oncologia EnfermagemOncologia Enfermagem
Oncologia Enfermagem
 
Artigotcccapulmão
ArtigotcccapulmãoArtigotcccapulmão
Artigotcccapulmão
 
XI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.PauloXI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional Oncoguia - Folha de S.Paulo
 
XI Fórum Nacional - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional - Folha de S.PauloXI Fórum Nacional - Folha de S.Paulo
XI Fórum Nacional - Folha de S.Paulo
 
Tcc remédios (texto) 20.01.10
Tcc   remédios (texto) 20.01.10Tcc   remédios (texto) 20.01.10
Tcc remédios (texto) 20.01.10
 
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterinoLesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
 
Neoplasias primárias múltiplas
Neoplasias primárias múltiplasNeoplasias primárias múltiplas
Neoplasias primárias múltiplas
 
Câncer de mama- Outubro Rosa
 Câncer de mama- Outubro Rosa Câncer de mama- Outubro Rosa
Câncer de mama- Outubro Rosa
 

Mais de ArtthurPereira2

AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
ArtthurPereira2
 
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificaçõesepidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
ArtthurPereira2
 
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICOCUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
ArtthurPereira2
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
ArtthurPereira2
 
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIAAULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
ArtthurPereira2
 
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇAAULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
ArtthurPereira2
 
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologicaaula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
ArtthurPereira2
 
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptxMIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
ArtthurPereira2
 
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANOFARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
ArtthurPereira2
 
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDECENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
ArtthurPereira2
 
NEFROLOGIA.pptx
NEFROLOGIA.pptxNEFROLOGIA.pptx
NEFROLOGIA.pptx
ArtthurPereira2
 
Apresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptxApresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptx
ArtthurPereira2
 

Mais de ArtthurPereira2 (12)

AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificaçõesepidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
 
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICOCUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIAAULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇAAULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
 
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologicaaula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
 
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptxMIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
 
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANOFARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
 
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDECENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
 
NEFROLOGIA.pptx
NEFROLOGIA.pptxNEFROLOGIA.pptx
NEFROLOGIA.pptx
 
Apresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptxApresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptx
 

Último

Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
ADRIANEGOMESDASILVA
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagemSaúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 

Último (11)

Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagemSaúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 

Apresentação.pptx

  • 1. O QUANTO VOCÊ TEM SE PREPARADO PARA SER O MELHOR? MUITOS BUSCAM TER SUCESSO, MAS NÃO QUEREM PAGAR O PREÇO DA PREPARAÇÃO, TREINO, APRENDER A EXECUTAR COMO NINGUÉM O QUE FAZ!
  • 2. Apresentação MEU NOME? MINHA IDADE? DE ONDE SOU? O QUE ESPERO DA DISCIPLINA?
  • 3. ONCOLOGIA Enf. Esp. Arthur Custódio Pereira Email: enfer_artthurnews@outlook.com
  • 4. Apresentação da disciplina Objetivo; Compreender: a epidemiologia e origem do câncer, terapêutica utilizada e medidas de suporte ao paciente oncológico.  Esta disciplina visa à compreensão dos princípios básicos da fisiopatologia, prevenção e tratamento do câncer, bem como, a análise de conceitos básicos do cuidado de enfermagem a pacientes oncológicos.
  • 5. Apresentação da disciplina Conteúdo programado 1. Introdução sobre as células 2. Células normais e células cancerígenas 3. Características gerais das células 4. Epidemiologia do Câncer 5. Fatores carcinogênicos 6. Fisiopatologia do Câncer 7. Mecanismos de disseminação de célula maligna e fatores predisponentes do câncer 8. Classificação e estadiamento (grau) do Câncer 9. Avaliação e principais tipos de tumores 10. Bases do tratamento do câncer 11. Quimioterapia 12. Radioterapia 13. Hormonioterapia 14. imunoterapia
  • 6. Apresentação da disciplina Metodologia Aulas expositivas dialogadas • Leitura de textos, debates e realização de exercícios • Trabalho de grupo
  • 7. Apresentação da disciplina Avaliação Seminário + Portifólio Atividade externa Avaliação teórica
  • 8. ONCOLOGIA Prof. Enf. Esp. Arthur Custódio Pereira
  • 10. Introdução sobre as células A célula é a unidade básica e fundamental de todos os organismos conhecidos. são as unidades responsáveis por nutrir, proteger, produzir energia e produzir gametas para a reprodução dos seres humanos. MEMBRANA CITOPLASMA NÚCLEO
  • 12. Células normais e células cancerígenas
  • 13. O Problema do Câncer no Brasil Excluindo-se as causas mal definidas, o câncer constitui a terceira causa de morte no Brasil, atrás somente das doenças do aparelho circulatório e das causas externas, sendo assim a segunda causa de morte por doença.
  • 14.  O câncer é um problema de saúde pública mundial. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estimou que, no ano 2030, podem-se esperar 27 milhões de casos incidentes de câncer, 17 milhões de mortes por câncer e 75 milhões de pessoas vivas, anualmente, com câncer. A epidemiologia do câncer Em relação à diferença entre os gêneros, a taxa de incidência para todos os cânceres foi 19% maior em homens do que em mulheres. A diferença entre é ainda maior em relação à mortalidade, sendo 43% maior em homens. No Brasil, o número de novos casos foi de 522.212, com aproximadamente 260.000 mortes por câncer.
  • 15. Por ser o início do câncer, as causas da carcinogênese são as mesmas que as da condição: alterações (ou mutações) genéticas que alteram os fatores de crescimento das células ou falha no reparo do DNA. Em certas circunstâncias, o DNA é danificado e não consegue se reparar com sucesso, o que gera a mutação genética. Bases da Carcinogênese; Mutações congênitas Mutações não congênitas
  • 17. • O câncer é uma mutação genética, ou seja, do DNA da célula • Neoplasia benigna: encapsulado, crescimento lento, pouca resposta imunológica, não há metástase; • Neoplasia Maligna: Sem capsula, intensa resposta imunológica, metástase frequente; • Vias de metástase: Cavitaria, Linfática e Sanguínea; Carcinoma: epiteliais; Adeno Carcinoma: epitelial glandular Sarcoma: Tecido conjuntivo. Fisiopatologia do Câncer
  • 18. Fisiopatologia do Câncer Mecanismos de disseminação de célula maligna
  • 20. Estadiamento, classificação e nomenclatura do tumor; Existem diferentes sistemas de estadiamento, mas o mais comum e útil para a maioria dos tipos de cânceres é o sistema TNM. Estadiamento é o processo para determinar a localização e a extensão do câncer presente no corpo de uma pessoa. 1 Estadiamento clínico 2 Estadiamento patológico
  • 23.
  • 24.
  • 25. Homem de 56 anos compareceu a UBS com queixa de úlcera persistente no prepúcio. A enfermeira avaliou que a úlcera envolvia a derme e epiderme, era superficial, friável e sensível à manipulação, apresentava exsudato em pouca quantidade (lesão úmida), com intenso processo inflamatório ao redor, dor e odor ocasionais. O usuário foi atendido pelo médico e referenciado ao serviço especializado para investigação diagnóstica de câncer de pênis. Tendo como base esse caso clínico, e de acordo com o estadiamento das lesões oncológicas, a ferida descrita encontra-se em: Estágio 1 Estágio 2 Estágio 3 Estágio 4
  • 26. Homem de 56 anos compareceu a UBS com queixa de úlcera persistente no prepúcio. A enfermeira avaliou que a úlcera envolvia a derme e epiderme, era superficial, friável e sensível à manipulação, apresentava exsudato em pouca quantidade (lesão úmida), com intenso processo inflamatório ao redor, dor e odor ocasionais. O usuário foi atendido pelo médico e referenciado ao serviço especializado para investigação diagnóstica de câncer de pênis. Tendo como base esse caso clínico, e de acordo com o estadiamento das lesões oncológicas, a ferida descrita encontra-se em: Estágio 1 Estágio 2 Estágio 3 Estágio 4
  • 27. O exame clínico das mamas realizado por um enfermeiro numa consulta de enfermagem numa Unidade básica de Saúde pode ajudar na detecção precoce do câncer de mama. Leia as alternativas que seguem e assinale a única que NÃO aponta alterações na mama que são consideradas sinais de alerta para este tipo de câncer. a. Dor persistente em uma única mama. b. Mudança no contorno das mamas podendo ser notado abaulamento ou retrações. c. Secreção bilateral de cor turva, podendo ser amarelada ou esverdeada que saem por compressão do mamilo. d. Massas arredondadas, macias, indolores e móveis.
  • 28. O exame clínico das mamas realizado por um enfermeiro numa consulta de enfermagem numa Unidade básica de Saúde pode ajudar na detecção precoce do câncer de mama. Leia as alternativas que seguem e assinale a única que NÃO aponta alterações na mama que são consideradas sinais de alerta para este tipo de câncer. a. Dor persistente em uma única mama. b. Mudança no contorno das mamas podendo ser notado abaulamento ou retrações. c. Secreção bilateral de cor turva, podendo ser amarelada ou esverdeada que saem por compressão do mamilo. d. Massas arredondadas, macias, indolores e móveis.
  • 29. Quando falamos em câncer, pensamos em uma única doença, entretanto, o termo é utilizado para definir um conjunto de mais de 100 doenças. Todas essas enfermidades apresentam em comum o fato de: a) apresentarem células maiores que o normal. b) apresentarem células menores que o normal. c) apresentarem células que migram por todo o corpo. d) apresentarem células com crescimento desordenado. e) apresentarem células que não sofrem divisão celular e formam tumores.
  • 30. Quando falamos em câncer, pensamos em uma única doença, entretanto, o termo é utilizado para definir um conjunto de mais de 100 doenças. Todas essas enfermidades apresentam em comum o fato de: a) apresentarem células maiores que o normal. b) apresentarem células menores que o normal. c) apresentarem células que migram por todo o corpo. d) apresentarem células com crescimento desordenado. e) apresentarem células que não sofrem divisão celular e formam tumores.
  • 31. Sob certas circunstâncias, as células podem passar a se dividir de forma anormal e descontrolada. Essa multiplicação anômala dá origem a uma massa tumoral que pode invadir estruturas além daquelas onde se originou. Com relação a este assunto, analise as proposições abaixo. 1.Células tumorais malignas podem se disseminar por todo o corpo do indivíduo, através da corrente sanguínea ou do sistema linfático. 2. Radiação solar em excesso, exposição a radiações ionizantes e certas substâncias químicas se apresentam como fatores de risco para o surgimento do câncer. 3. Diversas formas de câncer diagnosticadas em pulmão, laringe, esôfago e bexiga urinária, no homem, estão associadas ao tabagismo. Estão corretas: a) 1 e 2, apenas. b) 1 e 3, apenas. c) 2 e 3, apenas. d) 3, apenas. e) 1, 2 e 3.
  • 32. Sob certas circunstâncias, as células podem passar a se dividir de forma anormal e descontrolada. Essa multiplicação anômala dá origem a uma massa tumoral que pode invadir estruturas além daquelas onde se originou. Com relação a este assunto, analise as proposições abaixo. 1.Células tumorais malignas podem se disseminar por todo o corpo do indivíduo, através da corrente sanguínea ou do sistema linfático. 2. Radiação solar em excesso, exposição a radiações ionizantes e certas substâncias químicas se apresentam como fatores de risco para o surgimento do câncer. 3. Diversas formas de câncer diagnosticadas em pulmão, laringe, esôfago e bexiga urinária, no homem, estão associadas ao tabagismo. Estão corretas: a) 1 e 2, apenas. b) 1 e 3, apenas. c) 2 e 3, apenas. d) 3, apenas. e) 1, 2 e 3.
  • 33. A Organização Mundial de Saúde classifica 432 agentes como cancerígenos ou potencialmente cancerígenos. Eles estão divididos em três grupos, sendo que no grupo 1 estão agentes comprovadamente associados ao desenvolvimento de câncer, entre eles podem ser citados: bebidas alcoólicas, tabaco, radiação ultravioleta, vírus da hepatite B, vírus da hepatite C e outros. Dos agentes que são comprovadamente associados ao desenvolvimento de câncer, pode-se afirmar que: a) As bebidas alcoólicas e o tabaco causam câncer especificamente em órgãos dos sistemas digestório e circulatório. b) A radiação ultravioleta danifica moléculas de RNA, presentes no interior do núcleo das células epiteliais, e isso desencadeia o câncer de pele. c) Uma vez desencadeado o câncer em uma pessoa, que consiste em divisões meióticas descontroladas, seus descendentes também irão herdar essa característica. d) Somente o etanol, álcool presente em bebidas destiladas, pode desencadear sucessivas divisões celulares, enquanto que o metanol, presente em bebidas fermentadas, não possui efeito mutagênico. e) Os vírus, ao se reproduzirem no interior das células hepáticas, podem alterar o controle gênico celular e, com isso, promover divisões celulares descontroladas.
  • 34. A Organização Mundial de Saúde classifica 432 agentes como cancerígenos ou potencialmente cancerígenos. Eles estão divididos em três grupos, sendo que no grupo 1 estão agentes comprovadamente associados ao desenvolvimento de câncer, entre eles podem ser citados: bebidas alcoólicas, tabaco, radiação ultravioleta, vírus da hepatite B, vírus da hepatite C e outros. Dos agentes que são comprovadamente associados ao desenvolvimento de câncer, pode-se afirmar que: a) As bebidas alcoólicas e o tabaco causam câncer especificamente em órgãos dos sistemas digestório e circulatório. b) A radiação ultravioleta danifica moléculas de RNA, presentes no interior do núcleo das células epiteliais, e isso desencadeia o câncer de pele. c) Uma vez desencadeado o câncer em uma pessoa, que consiste em divisões meióticas descontroladas, seus descendentes também irão herdar essa característica. d) Somente o etanol, álcool presente em bebidas destiladas, pode desencadear sucessivas divisões celulares, enquanto que o metanol, presente em bebidas fermentadas, não possui efeito mutagênico. e) Os vírus, ao se reproduzirem no interior das células hepáticas, podem alterar o controle gênico celular e, com isso, promover divisões celulares descontroladas.

Notas do Editor

  1. Seja específico e direto no título. Use o subtítulo para fornecer o contexto específico da fala. – A meta deve ser prendem a atenção do público, o que pode ser feita com uma citação, uma estatística surpreendente ou fatos. Não é necessário incluir este realce no slide.
  2. Seja específico e direto no título. Use o subtítulo para fornecer o contexto específico da fala. – A meta deve ser prendem a atenção do público, o que pode ser feita com uma citação, uma estatística surpreendente ou fatos. Não é necessário incluir este realce no slide.
  3. Use os pontos do plano de fundo para publicar detalhes que não são de conhecimento comum ou que o público precisa entender o contexto da fala. – Não leia esses pontos principais do PowerPoint, em vez disso, discorra sobre esses pontos durante a fala.
  4. Use os pontos do plano de fundo para publicar detalhes que não são de conhecimento comum ou que o público precisa entender o contexto da fala. – Não leia esses pontos principais do PowerPoint, em vez disso, discorra sobre esses pontos durante a fala.
  5. Use os pontos do plano de fundo para publicar detalhes que não são de conhecimento comum ou que o público precisa entender o contexto da fala. – Não leia esses pontos principais do PowerPoint, em vez disso, discorra sobre esses pontos durante a fala.
  6. Use os pontos do plano de fundo para publicar detalhes que não são de conhecimento comum ou que o público precisa entender o contexto da fala. – Não leia esses pontos principais do PowerPoint, em vez disso, discorra sobre esses pontos durante a fala.
  7. Seja específico e direto no título. Use o subtítulo para fornecer o contexto específico da fala. – A meta deve ser prendem a atenção do público, o que pode ser feita com uma citação, uma estatística surpreendente ou fatos. Não é necessário incluir este realce no slide.
  8. Seja específico e direto no título. Use o subtítulo para fornecer o contexto específico da fala. – A meta deve ser prendem a atenção do público, o que pode ser feita com uma citação, uma estatística surpreendente ou fatos. Não é necessário incluir este realce no slide.
  9. Dedique todo o slide para a afirmação da tese. Este é o motivo desta fala. Use esse tempo para revelar os três pontos principais da fala (slides 4, 5, 6) como uma visão geral para a direção da fala: -[digite o ponto principal 1 aqui] -[digite o ponto principal 2 aqui] -[digite o ponto principal 3 aqui] Certifique-se de fazer a transição do primeiro ponto principal e o próximo slide.
  10. O título do ponto principal 3 deve ser claro e conciso. Cada peça de evidência deve ser resumida para clareza e citada corretamente. Não leia simplesmente as peças de evidências, mas elabore quando necessário. [digite anotações para elaboração aqui] Certifique-se de fazer a transição do contra-argumento e o próximo slide.
  11. O título do ponto principal 1 deve ser claro e conciso. Cada peça de evidência deve ser resumida para clareza e citada corretamente. Não leia simplesmente as peças de evidências, mas elabore quando necessário. [digite anotações para elaboração aqui] Certifique-se de fazer a transição do ponto principal 2 e o próximo slide.
  12. O título do ponto principal 2 deve ser claro e conciso. Cada peça de evidência deve ser resumida para clareza e citada corretamente. Não leia simplesmente as peças de evidências, mas elabore quando necessário. [digite anotações para elaboração aqui] Certifique-se de fazer a transição do ponto principal 3 e o próximo slide.
  13. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  14. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  15. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  16. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  17. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  18. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  19. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  20. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  21. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  22. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  23. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  24. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  25. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  26. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  27. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  28. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.
  29. A etapa ação é o que o público deverá fazer ou pensar sobre o tópico. Ela deve ser uma frase bem pensada e escrita claramente. Também pode ser a declaração da tese reafirmada como uma ação. O objetivo deste slide é deixar o público com uma mensagem clara sobre o que devem fazer ou pensar no final da fala. É uma boa ideia terminar com um citação ou imagem poderosa.