SlideShare uma empresa Scribd logo
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228
Volume 18 - Número 1 - 1º Semestre 2018
SCREENING FITOQUÍMICO E ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DAS FOLHAS DA
ESPÉCIE VEGETAL Pouteria caimito (RUIZ & PAV.) RADLK.
Amanda Furtado de Almeida1
; Sheylla Susan Moreira da Silva de Almeida2
RESUMO
Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk. (Abieiro) é uma árvore de pequeno porte e se adapta muito
bem a clima quente e úmido. É comum encontrá-la na Amazônia e em regiões litorâneas. Produz
frutos ovóides amarelo-esverdeados. O material vegetal foi coletado no município de Macapá, no
bairro Laguinho, durante o mês de agosto de 2012 e a espécie foi identificada pela Wegliane
Campelo, sob registro 883. Foi realizado a prospecção fitoquímica do extrato bruto etanólico das
folhas de Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk. (Sapotaceae), para a determinação das principais
classes de metabólitos secundários através da metodologia descrita por Barbosa et al. (2001). Foi
detectada a presença de ácidos orgânicos, açúcares redutores, fenóis e taninos, depsídeos,
depsidonas e saponinas. Das análises físico-químicas realizadas, segundo a metodologia de Macêdo
(2005). O teor de cinzas totais de 4,04% e está dentro dos padrões farmacognósticos; pH de 5,04. O
valor do pH está relacionado com a presença de substâncias ácidas, tais como ácidos orgânicos,
fenóis, taninos e saponinas. Índice de lipídeos 2,51% e umidade de 9,80%.
Palavras-chave: Prospecção fitoquímica, farmacognósticas, abieiro.
PHYTOCHEMICAL SCREENING AND ANALYSIS PHYSICAL CHEMISTRY OF
LEAVES PLANT SPECIES Pouteria caimito (RUIZ & PAV.) Radlk.
ABSTRACT
Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk is a small tree, tropical and fits very well to warm and humidy
weather. It is common to find it in the Amazon region and coastal regions. Produces yellow-green
ovoid fruits.The material was collected in Macapá city, on Laguinho district, on August, 2012. The
species was indentified by Wegliane Campelo and the number of register is 883. The phytochemical
screening was realized with ethanol crude extract of Pouteria caimito. To determinate the main
groups of secondary metabolites using the methodology described by Barbosa et al (2001).
Phytochemical analysis detected organic acids, reducing sugars, tannins, depside, depsidone and
saponins. In relation to the physicochemical parameters according Macêdo’s methodology (2005);
Waste by incineration is within the pharmacognostic standards of 4.04%, it showed pH = 5.04, due
to the occurrence of organic acids, tannins and saponins; lipid = 2.51% and humidity = 9.80%.
Keywords: Phytochemical prospection, pharmacognostic, abieiro.
INTRODUÇÃO
Durante muito tempo, as plantas eram
usadas com um objetivo primário terapêutico,
devido à grande variedade em compostos
orgânicos que são produzidos a partir do seu
metabolismo. No vegetal existem dois tipos de
metabolismo, o primário e o secundário.
05
O metabolismo primário está
relacionado com as atividades essenciais para
a manutenção do funcionamento do vegetal
como os carboidratos, proteínas, clorofila,
nucleotídeos e lipídeos. O metabolismo
secundário sintetiza substâncias nas quais não
são necessárias em todas as plantas, pois são
resultados da interação do vegetal com o
ambiente, ou seja, os fatores extrínsecos
(PERES, 2004).
Essa ampla diversificação de
substâncias permitiu ao homem produzir
medicamentos de origem vegetal e animal
como também microrganismos, isolando os
seus princípios ativos para o desenvolvimento
de medicamentos.
A família Sapotaceae pertence à ordem
Ericales, é pantropical com 53 gêneros e
possui cerca de 1.100 espécies e são
importantes ecologicamente (MONTEIRO et
al., 2007). Possuem frutos carnosos que
servem de alimento para animais e pelo
homem. No qual estabelece uma relação entre
as espécies vegetais e os animais (ALENCAR,
1994).
O abieiro possui pequeno porte, produz
frutos ovóides amarelo-esverdeados, é
característico dessa família, há presença de
ductos lactíferos, produz látex (MONTEIRO et
al., 2007). As espécies desse gênero
apresentam atividades antioxidante,
antiinflamatória, antibacteriana e antifúngica,
porém seu potencial como fármaco ainda não
foi bem elucidado.
O objetivo desta pesquisa foi avaliar o
perfil fitoquímico e físico=químico das folhas
de Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk.
MATERIAL E MÉTODOS
Coleta e identificação do material vegetal
O material foi coletado no município
de Macapá, no bairro Laguinho, durante o mês
de agosto de 2012. O material vegetal foi
enviado ao herbário da Universidade Federal
do Amapá (HUFAP) e foi identificado pela
Profa. Dra. Wegliane Campelo onde se
encontra um exemplar sob o registro nº 883.
Preparo e obtenção do extrato
O material vegetal foi secado em estufa
a 45º C e posteriormente foi moído. Após este
procedimento o material foi submetido à
extração sob refluxo em manta aquecedora à
temperatura de, aproximadamente, 45º C, com
etanol 96ºGL (700mL) e renovação de
solvente por três vezes no mesmo material
vegetal, sendo feito duas extrações (60g cada
extração), obtendo-se o extrato etanólico das
folhas que foi evaporado em rotaevaporador,
objetivando o extrato bruto etanólico. O
extrato bruto etanólico das folhas foram
submetidos à triagem fitoquímica para
determinar as principais classes de metabólitos
secundários.
Análise fitoquímica
O screening fitoquímico foi realizado a
partir da obtenção do extrato bruto etanólico,
utilizando reagentes específicos com base na
metodologia de Barbosa (2001) e da
Farmacopeia Brasileira (2010).
Análises físico-químicas
Foram realizados os seguintes testes
físico-químicos: pH, umidade, lipídeos,
resíduos por incineração (cinzas) utilizando a
metodologia do Instituto Adolfo Lutz (2008).
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Da análise fitoquímica preliminar foi
detectada a presença de ácidos orgânicos,
açúcares redutores, fenóis, taninos, depsídeos e
depsidonas, e saponinas. Os resultados estão
apresentados na tabela 1.
Tabela 1 - Resultados obtidos do screening fitoquímico
do EBEF de Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk.
Metabólitos secundários Resultado
Ácidos orgânicos
Açúcares redutores
Polissacarídeos
Fenóis e Taninos
Flavonoides
Alcaloides
Saponinas
Esteroides e terpenoides
Purinas
Depsídeos e Depsidonas
Antraquinonas
+
+
-
+
-
-
+
-
-
+
-
Os carboidratos têm a capacidade, em
soluções alcalinas, de reduzir sais de cobre e
prata, por isso são conhecidos como açúcares
redutores. Estes apresentam grupo aldeídico e
cetônico livre. Todos os monossacarídeos são
redutores e o mecanismo de óxido-redução
está relacionado à formação do enediol, que
em meio alcalino possui função fortemente
redutora e interconverte aldoses e cetoses
(DEMIATE, 2002).
Os ácidos orgânicos, que são
encontrados em diversas plantas, conferindo-
lhe sabor ácido e propriedades farmacêuticas
particulares, tais como, ação laxativa e
refrescante. São usados na indústria
alimentícia, podendo atuar como agente
antimicrobiano e antioxidante (RAMOS,
2014) os ácidos orgânicos, in vitro, tem poder
bacteriostático e bactericida.
Os grupos fenólicos possuem em sua
estrutura anéis benzênicos característicos com
substituintes hidroxilas. Esta classe divide-se
em polifenóis, fenóis simples ou ácidos. Os
compostos fenólicos são amplamente
encontrados na natureza e uma grande parte já
foi detectada em plantas. Esse grupo pode ser
encontrado em vegetais, frutas e também
produtos industrializados, podendo dar
aparência colorida a estes. Este grupo age
como antioxidante por possuir radicais
intermediários estáveis e também pela sua
capacidade em doar hidrogênio ou elétrons
(SILVA et al., 2010).
Depsídeos e depsidonas estão
relacionadas com propriedades antioxidantes,
antivirais, antitumorais, analgésicas e
antipiréticas. Assim como também os ácidos
orgânicos, depsídeos e depsidonas conferem
sabor amargo em várias espécies de plantas
(RAMOS, 2014).
As saponinas, substância que possui
atividade antiinflamatória e anti-helmíntica,
possuem caráter anfifílico e podem formar
complexos com esteróides. Dentre outros
mecanismos de ação de algumas saponinas
está à capacidade de lise celular, apresentam
ação sobre membranas: são capazes de causar
desorganização das membranas das células
sanguíneas conferindo-lhe ação hemolítica
(SIMÕES et al.,2003).
Os taninos que apresentam ação
bactericida e fungicida ocorrem por três
características gerais comuns aos dois grupos
de taninos, devido a sua complexação com
íons metálicos e a capacidade de complexar
com outras moléculas, principalmente
proteínas e polissacarídeos (CASTEJON,
2011), estes são formados devido ao estresse
da planta que sofre ataques de invertebrados e
vertebrados herbívoros, corroboram o uso
desta espécie para algumas atividades alegadas
pela população.
Os resultados das análises físico-
químicas realizadas podem ser observados na
Tabela 2.
Tabela 2 - Resultados obtidos da análise físico-química
das folhas de Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk.
Análise físico-
química
Resultado
pH
Umidade (% m/m)
Lipídeos (% m/m)
Cinzas (% m/m)
5,04
9,8
2,5
4,04
O valor de pH foi de 5,04 está
relacionado com a presença de substâncias
ácidas, tais como ácidos orgânicos, taninos e
saponinas.
O limite máximo do teor de umidade
estabelecido é de 14% (SIMÕES et al., 2003),
o material vegetal pulverizado apresentou o
índice de 9,8%, abaixo do estabelecido. O
valor baixo de umidade encontrado pode-se
inferir que esteja protegido de ações
enzimáticas e ou microbiológicas, reduzindo a
probabilidade de modificações das
substâncias.
Os resíduos por incineração (cinzas)
têm como valor determinado de 4,04% que
pode indicar a qualidade do material vegetal,
inferindo-se a qualidade do solo.
O teor de lipídeos encontrados nas
folhas de Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk
foi de 2,5%, porém deve ser feito uma análise
quantitativa do teor lipídico, visto que o
solvente utilizado, hexano, pode extrair outras
substâncias com caráter apolar.
Os metabólitos secundários
encontrados na espécie vegetal contribuem
parcialmente para o uso desta espécie com fins
terapêuticos. Fatores extrínsecos e a sua
localização geográfica estão relacionados com
a concentração dos metabólitos secundários
encontrados em Pouteria caimito (Ruiz e Pav.)
Radlk. O material vegetal está dentro dos
parâmetros farmacognósticos, mas é
necessário realizar estudos biológicos que
confirmem estas atividades, para o
desenvolvimento de futuros fármacos.
AGRADECIMENTOS
Programa de Educação Tutorial (PET),
Ministério da Educação.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALENCAR, C. J. Fenologia de Cinco Espécies
Arbóreas Tropicais de Sapotaceae
Correlacionada a Variáveis Climáticas na
Reserva Ducke, Manaus, AM. Acta
Amazônica, v. 24, n. 3/4, p. 161-182, 1994.
BARBOSA, W. L. R.; et al. Manual para
Análise Fitoquímica e Cromatográfica de
Extratos Vegetais. Belém, 2001.
CASTEJON, V. F. Taninos e Saponinas.
Seminários Aplicados (Disciplina Seminários),
p. 29. Universidade Federal de Goiás. Goiânia,
2011.
DEMIATE, I. M.; et al. Determinação de
açúcares redutores e totais em alimentos.
Comparação entre método calorimétrico e
titulométrico. Ciências exatas e da terra. v. 8,
n. 1, p. 65-78, 2002.
FARMACOPÉIA BRASILEIRA. 5. ed.
Brasília: ANVISA. 2010.
HUBINGER, S.; et al. Controles físico, físico-
químico, químico e microbiológico dos frutos
de Dimorphandra mollis Benth., Fabaceae.
Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 19, n.
3, p. 690-696, 2009
MACÊDO, J. A. B. Métodos laboratoriais de
análises físico-químicas e microbiológicas. 3.
ed. Belo Horizonte: CRQ-MG. 2005.
MONTEIRO, A. D. H. M; ANDREATA, P.
H. R; NEVES J. L. Estruturas Secretoras em
Sapotaceae. Pesquisas Botânicas. s/v., n. 58, p.
253-261, 2007.
PERES, L. E. P. Metabolismo secundário.
Escola Superior de Agricultura Luiz de
Queiroz, p.1-26. 2004. Disponível em:
http://docentes.esalq.usp.br/lazaropp/FisioVeg
Grad Bio/MetSec.pdf. Acesso em: 26 out.
2014.
RAMOS, S. R.; et al. Preliminary study of the
extract of the barks of Licania macrophylla
Benth, phytochemicals and toxicological
aspects. Revista Biota Amazônia, v. 4, n. 1, p.
94-99, 2014.
SILVA, M. L.; C. et al. Compostos fenólicos,
carotenóides e atividade antioxidante em
produtos vegetais. Ciências Agrárias,
Londrina, v. 31, n. 3, p. 669-682, 2010.
SIMÕES, C. M. O.; et al. Farmacognosia: da
planta ao medicamento. Florianópolis: Editora
da UFSC. 5. ed. 2003.
_____________________________________
1
Acadêmica do Curso de Farmácia.
Departamento de Ciências da Saúde. Curso de
Farmácia. Laboratório de Farmacognosia e
Fitoquímica – Universidade Federal do Amapá
– Rodovia Juscelino Kubistchek, KM-02.
Jardim Marco Zero – 68.902-280 – Macapá-
AP, Brasil.
2
Doutora em Química de Produtos Naturais.
Departamento de Ciências da Saúde. Curso de
Farmácia. Laboratório de Farmacognosia e
Fitoquímica – Universidade Federal do Amapá
– Rodovia Juscelino Kubistchek, KM-02.
Jardim Marco Zero – 68.902-280 – Macapá-
AP, Brasil. E-mail:
sheyllasusan@yahoo.com.br
08

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

18222 97226-1-pb
18222 97226-1-pb18222 97226-1-pb
18222 97226-1-pb
Silvana Licodiedoff
 
Artigo bioterra v20_n2_07
Artigo bioterra v20_n2_07Artigo bioterra v20_n2_07
Artigo bioterra v20_n2_07
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
94 458-1-pb1,8%de óleo graviola
94 458-1-pb1,8%de óleo graviola94 458-1-pb1,8%de óleo graviola
94 458-1-pb1,8%de óleo graviola
Simony Marques Gandine
 
Fitoterapia módulo ii
Fitoterapia   módulo iiFitoterapia   módulo ii
Fitoterapia módulo ii
Marcos An
 
Artigo5 v8 n1
Artigo5 v8 n1Artigo5 v8 n1
Artigo5 v8 n1
Adriane Rocha
 
Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...
Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...
Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...
Alejandro Escobar
 
Alcaloides Tropanicos
Alcaloides TropanicosAlcaloides Tropanicos
Alcaloides Tropanicos
Ítalo Arrais
 
Artigo bioterra v17_n1_09
Artigo bioterra v17_n1_09Artigo bioterra v17_n1_09
Artigo bioterra v17_n1_09
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Pfo escurecimento-artigo
Pfo escurecimento-artigoPfo escurecimento-artigo
Pfo escurecimento-artigo
gdaBarros
 
Seminário didático - Doutorado
Seminário didático - Doutorado  Seminário didático - Doutorado
Seminário didático - Doutorado
Profª Alda Ernestina
 
metabolismo vegetal
metabolismo vegetalmetabolismo vegetal
metabolismo vegetal
Cleonice Dutra Gularte
 
04 tipos-de-metabolitos
04 tipos-de-metabolitos04 tipos-de-metabolitos
04 tipos-de-metabolitos
Geovan Sá
 
Feminização dos peixes
Feminização dos peixesFeminização dos peixes
Feminização dos peixes
Hiago Bellaver
 
Disseração mestrado estudo do potencial do processamento dos frutos de maracu...
Disseração mestrado estudo do potencial do processamento dos frutos de maracu...Disseração mestrado estudo do potencial do processamento dos frutos de maracu...
Disseração mestrado estudo do potencial do processamento dos frutos de maracu...
dudu7000
 
Levantamento de Oligochaetas, Fauna do Solo e do Folhedo (Renata Pontes Araúj...
Levantamento de Oligochaetas, Fauna do Solo e do Folhedo (Renata Pontes Araúj...Levantamento de Oligochaetas, Fauna do Solo e do Folhedo (Renata Pontes Araúj...
Levantamento de Oligochaetas, Fauna do Solo e do Folhedo (Renata Pontes Araúj...
Renata Araújo
 
Lista 1 tabela def
Lista 1 tabela defLista 1 tabela def
Lista 1 tabela def
professoraludmila
 
08 qn09054
08 qn0905408 qn09054
08 qn09054
Miranda Mayque
 
Aula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineralAula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineral
Bruno Rodrigues
 
Análise química, física e microbiológica dos resíduos orgânicos - Curso de Fo...
Análise química, física e microbiológica dos resíduos orgânicos - Curso de Fo...Análise química, física e microbiológica dos resíduos orgânicos - Curso de Fo...
Análise química, física e microbiológica dos resíduos orgânicos - Curso de Fo...
Futuramb
 

Mais procurados (19)

18222 97226-1-pb
18222 97226-1-pb18222 97226-1-pb
18222 97226-1-pb
 
Artigo bioterra v20_n2_07
Artigo bioterra v20_n2_07Artigo bioterra v20_n2_07
Artigo bioterra v20_n2_07
 
94 458-1-pb1,8%de óleo graviola
94 458-1-pb1,8%de óleo graviola94 458-1-pb1,8%de óleo graviola
94 458-1-pb1,8%de óleo graviola
 
Fitoterapia módulo ii
Fitoterapia   módulo iiFitoterapia   módulo ii
Fitoterapia módulo ii
 
Artigo5 v8 n1
Artigo5 v8 n1Artigo5 v8 n1
Artigo5 v8 n1
 
Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...
Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...
Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...
 
Alcaloides Tropanicos
Alcaloides TropanicosAlcaloides Tropanicos
Alcaloides Tropanicos
 
Artigo bioterra v17_n1_09
Artigo bioterra v17_n1_09Artigo bioterra v17_n1_09
Artigo bioterra v17_n1_09
 
Pfo escurecimento-artigo
Pfo escurecimento-artigoPfo escurecimento-artigo
Pfo escurecimento-artigo
 
Seminário didático - Doutorado
Seminário didático - Doutorado  Seminário didático - Doutorado
Seminário didático - Doutorado
 
metabolismo vegetal
metabolismo vegetalmetabolismo vegetal
metabolismo vegetal
 
04 tipos-de-metabolitos
04 tipos-de-metabolitos04 tipos-de-metabolitos
04 tipos-de-metabolitos
 
Feminização dos peixes
Feminização dos peixesFeminização dos peixes
Feminização dos peixes
 
Disseração mestrado estudo do potencial do processamento dos frutos de maracu...
Disseração mestrado estudo do potencial do processamento dos frutos de maracu...Disseração mestrado estudo do potencial do processamento dos frutos de maracu...
Disseração mestrado estudo do potencial do processamento dos frutos de maracu...
 
Levantamento de Oligochaetas, Fauna do Solo e do Folhedo (Renata Pontes Araúj...
Levantamento de Oligochaetas, Fauna do Solo e do Folhedo (Renata Pontes Araúj...Levantamento de Oligochaetas, Fauna do Solo e do Folhedo (Renata Pontes Araúj...
Levantamento de Oligochaetas, Fauna do Solo e do Folhedo (Renata Pontes Araúj...
 
Lista 1 tabela def
Lista 1 tabela defLista 1 tabela def
Lista 1 tabela def
 
08 qn09054
08 qn0905408 qn09054
08 qn09054
 
Aula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineralAula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineral
 
Análise química, física e microbiológica dos resíduos orgânicos - Curso de Fo...
Análise química, física e microbiológica dos resíduos orgânicos - Curso de Fo...Análise química, física e microbiológica dos resíduos orgânicos - Curso de Fo...
Análise química, física e microbiológica dos resíduos orgânicos - Curso de Fo...
 

Semelhante a Artigo bioterra v18_n1_02

Artigo bioterra v14_n1_10
Artigo bioterra v14_n1_10Artigo bioterra v14_n1_10
Artigo bioterra v14_n1_10
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Fungos filamentosos isolados do rio Atibaia, SP, e refinarias de petróleo bi...
 Fungos filamentosos isolados do rio Atibaia, SP, e refinarias de petróleo bi... Fungos filamentosos isolados do rio Atibaia, SP, e refinarias de petróleo bi...
Fungos filamentosos isolados do rio Atibaia, SP, e refinarias de petróleo bi...
Douglas Monte
 
Artigo bioterra v15_n2_01
Artigo bioterra v15_n2_01Artigo bioterra v15_n2_01
Artigo bioterra v15_n2_01
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v14_n1_08
Artigo bioterra v14_n1_08Artigo bioterra v14_n1_08
Artigo bioterra v14_n1_08
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v22_n1_03
Artigo bioterra v22_n1_03Artigo bioterra v22_n1_03
Artigo bioterra v22_n1_03
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Itapua figueiras microbiologia_mautone
Itapua figueiras microbiologia_mautoneItapua figueiras microbiologia_mautone
Itapua figueiras microbiologia_mautone
avisaassociacao
 
01 aspectos fitoquimicos de tecidos foliares
01 aspectos fitoquimicos de tecidos foliares01 aspectos fitoquimicos de tecidos foliares
01 aspectos fitoquimicos de tecidos foliares
RODRIGO CAZUMBÁ
 
Resumo expandido (cbq_dayvison) 2014
Resumo expandido (cbq_dayvison) 2014Resumo expandido (cbq_dayvison) 2014
Resumo expandido (cbq_dayvison) 2014
Dayvison Coelho
 
Itapua bromelias microbiologia_landell_dissertação
Itapua bromelias microbiologia_landell_dissertaçãoItapua bromelias microbiologia_landell_dissertação
Itapua bromelias microbiologia_landell_dissertação
avisaassociacao
 
HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...
HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...
HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...
ProjetoBr
 
Projeto setec michell (2)
Projeto setec michell (2)Projeto setec michell (2)
Projeto setec michell (2)
Carlos Casanova
 
TCC
TCCTCC
Artigo_Bioterra_V23_N1_05
Artigo_Bioterra_V23_N1_05Artigo_Bioterra_V23_N1_05
Artigo_Bioterra_V23_N1_05
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo_Bioterra_V22_N1_10
Artigo_Bioterra_V22_N1_10Artigo_Bioterra_V22_N1_10
Artigo_Bioterra_V22_N1_10
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v14_n1_07
Artigo bioterra v14_n1_07Artigo bioterra v14_n1_07
Artigo bioterra v14_n1_07
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
Bruno Anacleto
 
Efeito de soluções de enxágue na remoção
Efeito de soluções de enxágue na remoçãoEfeito de soluções de enxágue na remoção
Efeito de soluções de enxágue na remoção
João Siqueira da Mata
 
Sistemas Hídricos e Phmetragem
Sistemas Hídricos e PhmetragemSistemas Hídricos e Phmetragem
Sistemas Hídricos e Phmetragem
Roosevelt F. Abrantes
 
Artigo bioterra v15_n2_02
Artigo bioterra v15_n2_02Artigo bioterra v15_n2_02
Artigo bioterra v15_n2_02
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Determinação de fenóis totais e flavonóides em amostras de pólen apícola de a...
Determinação de fenóis totais e flavonóides em amostras de pólen apícola de a...Determinação de fenóis totais e flavonóides em amostras de pólen apícola de a...
Determinação de fenóis totais e flavonóides em amostras de pólen apícola de a...
Adriana Maciel
 

Semelhante a Artigo bioterra v18_n1_02 (20)

Artigo bioterra v14_n1_10
Artigo bioterra v14_n1_10Artigo bioterra v14_n1_10
Artigo bioterra v14_n1_10
 
Fungos filamentosos isolados do rio Atibaia, SP, e refinarias de petróleo bi...
 Fungos filamentosos isolados do rio Atibaia, SP, e refinarias de petróleo bi... Fungos filamentosos isolados do rio Atibaia, SP, e refinarias de petróleo bi...
Fungos filamentosos isolados do rio Atibaia, SP, e refinarias de petróleo bi...
 
Artigo bioterra v15_n2_01
Artigo bioterra v15_n2_01Artigo bioterra v15_n2_01
Artigo bioterra v15_n2_01
 
Artigo bioterra v14_n1_08
Artigo bioterra v14_n1_08Artigo bioterra v14_n1_08
Artigo bioterra v14_n1_08
 
Artigo bioterra v22_n1_03
Artigo bioterra v22_n1_03Artigo bioterra v22_n1_03
Artigo bioterra v22_n1_03
 
Itapua figueiras microbiologia_mautone
Itapua figueiras microbiologia_mautoneItapua figueiras microbiologia_mautone
Itapua figueiras microbiologia_mautone
 
01 aspectos fitoquimicos de tecidos foliares
01 aspectos fitoquimicos de tecidos foliares01 aspectos fitoquimicos de tecidos foliares
01 aspectos fitoquimicos de tecidos foliares
 
Resumo expandido (cbq_dayvison) 2014
Resumo expandido (cbq_dayvison) 2014Resumo expandido (cbq_dayvison) 2014
Resumo expandido (cbq_dayvison) 2014
 
Itapua bromelias microbiologia_landell_dissertação
Itapua bromelias microbiologia_landell_dissertaçãoItapua bromelias microbiologia_landell_dissertação
Itapua bromelias microbiologia_landell_dissertação
 
HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...
HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...
HEMAGLUTININA DE FOLHAS DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz): PURIFICAÇÃO P...
 
Projeto setec michell (2)
Projeto setec michell (2)Projeto setec michell (2)
Projeto setec michell (2)
 
TCC
TCCTCC
TCC
 
Artigo_Bioterra_V23_N1_05
Artigo_Bioterra_V23_N1_05Artigo_Bioterra_V23_N1_05
Artigo_Bioterra_V23_N1_05
 
Artigo_Bioterra_V22_N1_10
Artigo_Bioterra_V22_N1_10Artigo_Bioterra_V22_N1_10
Artigo_Bioterra_V22_N1_10
 
Artigo bioterra v14_n1_07
Artigo bioterra v14_n1_07Artigo bioterra v14_n1_07
Artigo bioterra v14_n1_07
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
 
Efeito de soluções de enxágue na remoção
Efeito de soluções de enxágue na remoçãoEfeito de soluções de enxágue na remoção
Efeito de soluções de enxágue na remoção
 
Sistemas Hídricos e Phmetragem
Sistemas Hídricos e PhmetragemSistemas Hídricos e Phmetragem
Sistemas Hídricos e Phmetragem
 
Artigo bioterra v15_n2_02
Artigo bioterra v15_n2_02Artigo bioterra v15_n2_02
Artigo bioterra v15_n2_02
 
Determinação de fenóis totais e flavonóides em amostras de pólen apícola de a...
Determinação de fenóis totais e flavonóides em amostras de pólen apícola de a...Determinação de fenóis totais e flavonóides em amostras de pólen apícola de a...
Determinação de fenóis totais e flavonóides em amostras de pólen apícola de a...
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS (20)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Artigo bioterra v18_n1_02

  • 1. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 18 - Número 1 - 1º Semestre 2018 SCREENING FITOQUÍMICO E ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DAS FOLHAS DA ESPÉCIE VEGETAL Pouteria caimito (RUIZ & PAV.) RADLK. Amanda Furtado de Almeida1 ; Sheylla Susan Moreira da Silva de Almeida2 RESUMO Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk. (Abieiro) é uma árvore de pequeno porte e se adapta muito bem a clima quente e úmido. É comum encontrá-la na Amazônia e em regiões litorâneas. Produz frutos ovóides amarelo-esverdeados. O material vegetal foi coletado no município de Macapá, no bairro Laguinho, durante o mês de agosto de 2012 e a espécie foi identificada pela Wegliane Campelo, sob registro 883. Foi realizado a prospecção fitoquímica do extrato bruto etanólico das folhas de Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk. (Sapotaceae), para a determinação das principais classes de metabólitos secundários através da metodologia descrita por Barbosa et al. (2001). Foi detectada a presença de ácidos orgânicos, açúcares redutores, fenóis e taninos, depsídeos, depsidonas e saponinas. Das análises físico-químicas realizadas, segundo a metodologia de Macêdo (2005). O teor de cinzas totais de 4,04% e está dentro dos padrões farmacognósticos; pH de 5,04. O valor do pH está relacionado com a presença de substâncias ácidas, tais como ácidos orgânicos, fenóis, taninos e saponinas. Índice de lipídeos 2,51% e umidade de 9,80%. Palavras-chave: Prospecção fitoquímica, farmacognósticas, abieiro. PHYTOCHEMICAL SCREENING AND ANALYSIS PHYSICAL CHEMISTRY OF LEAVES PLANT SPECIES Pouteria caimito (RUIZ & PAV.) Radlk. ABSTRACT Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk is a small tree, tropical and fits very well to warm and humidy weather. It is common to find it in the Amazon region and coastal regions. Produces yellow-green ovoid fruits.The material was collected in Macapá city, on Laguinho district, on August, 2012. The species was indentified by Wegliane Campelo and the number of register is 883. The phytochemical screening was realized with ethanol crude extract of Pouteria caimito. To determinate the main groups of secondary metabolites using the methodology described by Barbosa et al (2001). Phytochemical analysis detected organic acids, reducing sugars, tannins, depside, depsidone and saponins. In relation to the physicochemical parameters according Macêdo’s methodology (2005); Waste by incineration is within the pharmacognostic standards of 4.04%, it showed pH = 5.04, due to the occurrence of organic acids, tannins and saponins; lipid = 2.51% and humidity = 9.80%. Keywords: Phytochemical prospection, pharmacognostic, abieiro. INTRODUÇÃO Durante muito tempo, as plantas eram usadas com um objetivo primário terapêutico, devido à grande variedade em compostos orgânicos que são produzidos a partir do seu metabolismo. No vegetal existem dois tipos de metabolismo, o primário e o secundário. 05
  • 2. O metabolismo primário está relacionado com as atividades essenciais para a manutenção do funcionamento do vegetal como os carboidratos, proteínas, clorofila, nucleotídeos e lipídeos. O metabolismo secundário sintetiza substâncias nas quais não são necessárias em todas as plantas, pois são resultados da interação do vegetal com o ambiente, ou seja, os fatores extrínsecos (PERES, 2004). Essa ampla diversificação de substâncias permitiu ao homem produzir medicamentos de origem vegetal e animal como também microrganismos, isolando os seus princípios ativos para o desenvolvimento de medicamentos. A família Sapotaceae pertence à ordem Ericales, é pantropical com 53 gêneros e possui cerca de 1.100 espécies e são importantes ecologicamente (MONTEIRO et al., 2007). Possuem frutos carnosos que servem de alimento para animais e pelo homem. No qual estabelece uma relação entre as espécies vegetais e os animais (ALENCAR, 1994). O abieiro possui pequeno porte, produz frutos ovóides amarelo-esverdeados, é característico dessa família, há presença de ductos lactíferos, produz látex (MONTEIRO et al., 2007). As espécies desse gênero apresentam atividades antioxidante, antiinflamatória, antibacteriana e antifúngica, porém seu potencial como fármaco ainda não foi bem elucidado. O objetivo desta pesquisa foi avaliar o perfil fitoquímico e físico=químico das folhas de Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk. MATERIAL E MÉTODOS Coleta e identificação do material vegetal O material foi coletado no município de Macapá, no bairro Laguinho, durante o mês de agosto de 2012. O material vegetal foi enviado ao herbário da Universidade Federal do Amapá (HUFAP) e foi identificado pela Profa. Dra. Wegliane Campelo onde se encontra um exemplar sob o registro nº 883. Preparo e obtenção do extrato O material vegetal foi secado em estufa a 45º C e posteriormente foi moído. Após este procedimento o material foi submetido à extração sob refluxo em manta aquecedora à temperatura de, aproximadamente, 45º C, com etanol 96ºGL (700mL) e renovação de solvente por três vezes no mesmo material vegetal, sendo feito duas extrações (60g cada extração), obtendo-se o extrato etanólico das folhas que foi evaporado em rotaevaporador, objetivando o extrato bruto etanólico. O extrato bruto etanólico das folhas foram submetidos à triagem fitoquímica para determinar as principais classes de metabólitos secundários. Análise fitoquímica O screening fitoquímico foi realizado a partir da obtenção do extrato bruto etanólico, utilizando reagentes específicos com base na metodologia de Barbosa (2001) e da Farmacopeia Brasileira (2010). Análises físico-químicas Foram realizados os seguintes testes físico-químicos: pH, umidade, lipídeos, resíduos por incineração (cinzas) utilizando a metodologia do Instituto Adolfo Lutz (2008). RESULTADOS E DISCUSSÃO Da análise fitoquímica preliminar foi detectada a presença de ácidos orgânicos, açúcares redutores, fenóis, taninos, depsídeos e depsidonas, e saponinas. Os resultados estão apresentados na tabela 1. Tabela 1 - Resultados obtidos do screening fitoquímico do EBEF de Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk. Metabólitos secundários Resultado Ácidos orgânicos Açúcares redutores Polissacarídeos Fenóis e Taninos Flavonoides Alcaloides Saponinas Esteroides e terpenoides Purinas Depsídeos e Depsidonas Antraquinonas + + - + - - + - - + - Os carboidratos têm a capacidade, em soluções alcalinas, de reduzir sais de cobre e prata, por isso são conhecidos como açúcares redutores. Estes apresentam grupo aldeídico e
  • 3. cetônico livre. Todos os monossacarídeos são redutores e o mecanismo de óxido-redução está relacionado à formação do enediol, que em meio alcalino possui função fortemente redutora e interconverte aldoses e cetoses (DEMIATE, 2002). Os ácidos orgânicos, que são encontrados em diversas plantas, conferindo- lhe sabor ácido e propriedades farmacêuticas particulares, tais como, ação laxativa e refrescante. São usados na indústria alimentícia, podendo atuar como agente antimicrobiano e antioxidante (RAMOS, 2014) os ácidos orgânicos, in vitro, tem poder bacteriostático e bactericida. Os grupos fenólicos possuem em sua estrutura anéis benzênicos característicos com substituintes hidroxilas. Esta classe divide-se em polifenóis, fenóis simples ou ácidos. Os compostos fenólicos são amplamente encontrados na natureza e uma grande parte já foi detectada em plantas. Esse grupo pode ser encontrado em vegetais, frutas e também produtos industrializados, podendo dar aparência colorida a estes. Este grupo age como antioxidante por possuir radicais intermediários estáveis e também pela sua capacidade em doar hidrogênio ou elétrons (SILVA et al., 2010). Depsídeos e depsidonas estão relacionadas com propriedades antioxidantes, antivirais, antitumorais, analgésicas e antipiréticas. Assim como também os ácidos orgânicos, depsídeos e depsidonas conferem sabor amargo em várias espécies de plantas (RAMOS, 2014). As saponinas, substância que possui atividade antiinflamatória e anti-helmíntica, possuem caráter anfifílico e podem formar complexos com esteróides. Dentre outros mecanismos de ação de algumas saponinas está à capacidade de lise celular, apresentam ação sobre membranas: são capazes de causar desorganização das membranas das células sanguíneas conferindo-lhe ação hemolítica (SIMÕES et al.,2003). Os taninos que apresentam ação bactericida e fungicida ocorrem por três características gerais comuns aos dois grupos de taninos, devido a sua complexação com íons metálicos e a capacidade de complexar com outras moléculas, principalmente proteínas e polissacarídeos (CASTEJON, 2011), estes são formados devido ao estresse da planta que sofre ataques de invertebrados e vertebrados herbívoros, corroboram o uso desta espécie para algumas atividades alegadas pela população. Os resultados das análises físico- químicas realizadas podem ser observados na Tabela 2. Tabela 2 - Resultados obtidos da análise físico-química das folhas de Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk. Análise físico- química Resultado pH Umidade (% m/m) Lipídeos (% m/m) Cinzas (% m/m) 5,04 9,8 2,5 4,04 O valor de pH foi de 5,04 está relacionado com a presença de substâncias ácidas, tais como ácidos orgânicos, taninos e saponinas. O limite máximo do teor de umidade estabelecido é de 14% (SIMÕES et al., 2003), o material vegetal pulverizado apresentou o índice de 9,8%, abaixo do estabelecido. O valor baixo de umidade encontrado pode-se inferir que esteja protegido de ações enzimáticas e ou microbiológicas, reduzindo a probabilidade de modificações das substâncias. Os resíduos por incineração (cinzas) têm como valor determinado de 4,04% que pode indicar a qualidade do material vegetal, inferindo-se a qualidade do solo. O teor de lipídeos encontrados nas folhas de Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk foi de 2,5%, porém deve ser feito uma análise quantitativa do teor lipídico, visto que o solvente utilizado, hexano, pode extrair outras substâncias com caráter apolar. Os metabólitos secundários encontrados na espécie vegetal contribuem parcialmente para o uso desta espécie com fins terapêuticos. Fatores extrínsecos e a sua localização geográfica estão relacionados com a concentração dos metabólitos secundários encontrados em Pouteria caimito (Ruiz e Pav.) Radlk. O material vegetal está dentro dos parâmetros farmacognósticos, mas é necessário realizar estudos biológicos que
  • 4. confirmem estas atividades, para o desenvolvimento de futuros fármacos. AGRADECIMENTOS Programa de Educação Tutorial (PET), Ministério da Educação. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALENCAR, C. J. Fenologia de Cinco Espécies Arbóreas Tropicais de Sapotaceae Correlacionada a Variáveis Climáticas na Reserva Ducke, Manaus, AM. Acta Amazônica, v. 24, n. 3/4, p. 161-182, 1994. BARBOSA, W. L. R.; et al. Manual para Análise Fitoquímica e Cromatográfica de Extratos Vegetais. Belém, 2001. CASTEJON, V. F. Taninos e Saponinas. Seminários Aplicados (Disciplina Seminários), p. 29. Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2011. DEMIATE, I. M.; et al. Determinação de açúcares redutores e totais em alimentos. Comparação entre método calorimétrico e titulométrico. Ciências exatas e da terra. v. 8, n. 1, p. 65-78, 2002. FARMACOPÉIA BRASILEIRA. 5. ed. Brasília: ANVISA. 2010. HUBINGER, S.; et al. Controles físico, físico- químico, químico e microbiológico dos frutos de Dimorphandra mollis Benth., Fabaceae. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 19, n. 3, p. 690-696, 2009 MACÊDO, J. A. B. Métodos laboratoriais de análises físico-químicas e microbiológicas. 3. ed. Belo Horizonte: CRQ-MG. 2005. MONTEIRO, A. D. H. M; ANDREATA, P. H. R; NEVES J. L. Estruturas Secretoras em Sapotaceae. Pesquisas Botânicas. s/v., n. 58, p. 253-261, 2007. PERES, L. E. P. Metabolismo secundário. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, p.1-26. 2004. Disponível em: http://docentes.esalq.usp.br/lazaropp/FisioVeg Grad Bio/MetSec.pdf. Acesso em: 26 out. 2014. RAMOS, S. R.; et al. Preliminary study of the extract of the barks of Licania macrophylla Benth, phytochemicals and toxicological aspects. Revista Biota Amazônia, v. 4, n. 1, p. 94-99, 2014. SILVA, M. L.; C. et al. Compostos fenólicos, carotenóides e atividade antioxidante em produtos vegetais. Ciências Agrárias, Londrina, v. 31, n. 3, p. 669-682, 2010. SIMÕES, C. M. O.; et al. Farmacognosia: da planta ao medicamento. Florianópolis: Editora da UFSC. 5. ed. 2003. _____________________________________ 1 Acadêmica do Curso de Farmácia. Departamento de Ciências da Saúde. Curso de Farmácia. Laboratório de Farmacognosia e Fitoquímica – Universidade Federal do Amapá – Rodovia Juscelino Kubistchek, KM-02. Jardim Marco Zero – 68.902-280 – Macapá- AP, Brasil. 2 Doutora em Química de Produtos Naturais. Departamento de Ciências da Saúde. Curso de Farmácia. Laboratório de Farmacognosia e Fitoquímica – Universidade Federal do Amapá – Rodovia Juscelino Kubistchek, KM-02. Jardim Marco Zero – 68.902-280 – Macapá- AP, Brasil. E-mail: sheyllasusan@yahoo.com.br 08