SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
Seus elementos:
1) O Tema
2) O Lema
3) A casa
4) A mesa
5) As diversas personagens
6) As janelas
7) O Papa com sua bengala
8) A cruz de Dom Helder
9) Os alimentos
10) A coleta
O CARTAZ
DESPERTAR para o valor e a beleza da
fraternidade humana, promovendo e fortalecendo
os vínculos da amizade social, para que, em Jesus
Cristo, a paz seja realidade entre todas as
pessoas e povos.
OBJETIVO GERAL
1) ANALISAR as diversas formas da mentalidade de indiferença, divisão e
confronto em nossos dias e suas consequências para toda a humanidade,
inclusive na dimensão religiosa.
2) COMPREENDER as principais causas da atual mentalidade de oposição e
conflito, geradora da incapacidade de ver nas outras pessoas um irmão e irmã.
3) IDENTIFICAR iniciativas de comunhão, reconciliação e fraternidade, capazes de
estimular a cultura do encontro.
4) REDESCOBRIR, a partir da Palavra de Deus, a fraternidade, a
amizade social e a comunhão como elementos constitutivos
de todo ser humano.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
5) ACOLHER o magistério da Igreja sobre a fraternidade universal, como ajuda ao
discernimento nas inúmeras situações de conflito e divisão.
6) APROFUNDAR a compreensão da comunhão e da fraternidade como caminho
para a realização pessoal e para a paz em todas as situações da vida.
7) CONSCIENTIZAR sobre a necessidade de construir a unidade em meio à
pluralidade, superando divisões e polarizações.
8) ESTIMULAR a espiritualidade, os processos, os hábitos e as
estruturas de comunhão na Igreja e na sociedade.
9) INCENTIVAR e PROMOVER iniciativas de reconciliação entre
pessoas, famílias, comunidades, grupos e povos.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Deus Pai, vós criastes todos os seres humanos com a mesma dignidade.
Vós os resgatastes pela vida, morte e ressurreição do vosso Filho, Jesus
Cristo, e os tornastes filhos e filhas, santificados no Espírito. Ajudai-nos,
nesta Quaresma, a compreender o valor da amizade social e a viver a
beleza da fraternidade humana aberta a todos, para além dos nossos
gostos, afetos e preferências, num caminho de verdadeira penitência e
conversão. Inspirai-nos um renovado compromisso batismal com a
construção de um mundo novo, de diálogo, justiça, igualdade e paz,
conforme a Boa Nova do Evangelho. Ensinai-nos a construir uma
sociedade solidária, sem exclusão, indiferença, violência
e guerras. E que Maria, vossa Serva e nossa Mãe, nos
eduque para fazermos vossa santa vontade. Amém!
ORAÇÃO
Nossa sociedade vai a uma
CONSULTA MÉDICA
Transformamos o diferente, divergente e o
oponente em inimigo para podermos eliminá-lo;
Impera entre nós a intolerância;
Nas redes sociais, divulgamos mensagens
discriminatórias e intolerantes e praticamos o
cancelamento;
Fora do ambiente digital, aumenta a violência, o
ódio, o homicídio e as guerras;
O diálogo é cada vez mais raro e escasso;
As famílias se dividem, rompem relações por
razões ideológicas;
As comunidades estão em conflito, defendendo
opostos em nome do mesmo Evangelho;
O rancor, a inimizade, o
afastamento das pessoas
cresce vertiginosamente;
O racismo é cada vez
mais praticado;
VER (Anamnese)
Onde está o teu irmão? (Gn 4,9)
A aporofobia cresce;
Também o feminicídio e a eliminação das
pessoas que vivem uma orientação sexual
diversa;
Por motivos políticos, abandona-se o bem
comum do todo e prioriza-se a parte, a minha
parte, a parte com a qual eu me identifico sem
consciência crítica;
Por motivos religiosos, se difama, se persegue,
se calunia, se destrói e se mata;
Os interesses valem mais que os valores;
O outro se tornou mercadoria;
Julgamentos precipitados,
rejeição gratuita, ódio
desmedido, combate a
pessoas por causas de
suas ideias e propostas e a
banalização da morte
tornam-se corriqueiros;
VER (Anamnese)
Onde está o teu irmão? (Gn 4,9)
Falta compromisso com a verdade em nome de
interesses individuais ou de grupos (fake news);
Creches e escolas são atacadas por pessoas
armadas;
A violência é normalizada, com a facilitação da
posse de armas e o seu incentivo;
Assédio moral e sexual, defesa do aborto,
devastação ambiental, bullying, intolerância
religiosa, tráfico de drogas, tráfico de pessoas,
situações análogas ao trabalho escravo,
discurso de ódio, corrupção e fome;
Há uma crise de pertencimento que gera o
identitarismo;
Há uma de “globalização
da indiferença”;
Nossa sociedade está
dividida, é desigual e
excludente.
Texto-Base, nn. 24-63
VER (Anamnese)
Onde está o teu irmão? (Gn 4,9)
QUE OUTROS SINTOMAS VOCÊ SENTE NA SOCIEDADE
ATUAL E QUE PODEM AJUDAR A DESCOBRIR A DOENÇA
QUE PADECEMOS?
PARA CONTINUAR A CONVERSA E
AMPLIAR A ANAMNESE
ALTEROFOBIA
MEDO, REJEIÇÃO OU AVERSÃO A TUDO
AQUILO QUE É OUTRO, TUDO O QUE NÃO SOU
EU MESMO E É DIFERENTE DE MIM.
Nome científico: Síndrome de Caim
16
Texto-Base, n. 73. 53-63
VER (Diagnóstico)
HIPER INDIVIDUALISMO
O VALOR QUE CONQUISTAMOS – A
INDIVIDUALIDADE/SUBJETIVIDADE – TORNOU-
SE O NOSSO LIMITE, FECHAMO-NOS EM NóS
MESMOS, SUPERVALORIZAMO-NOS.
17
Texto-Base, n. 68
VER (Diagnóstico)
13
Texto-Base, nn. 86-122
Vós sois todos irmãos e irmãs. (Mt 23,8)
ILUMINAR
Mt 23,1-12
Em que medida
também vivemos
a síndrome de
Caim?
• O remédio é a AMIZADE
SOCIAL, que “alarga o
espaço de nossas tendas”
(cf. Is 54,2), abre-nos ao
acolhimento do outro, seja ele
quem for e, assim, ataca
frontalmente o mal que
padecemos.
19
Texto-Base, n. 123-131
AGIR (Remédio)
AMIZADE SOCIAL É:
“amor que ultrapassa as barreiras da geografia e do espaço” (FT, 1);
“uma fraternidade aberta, que permite reconhecer, valorizar e amar
todas as pessoas, independente das sua proximidade física (FT, 1);
“um amor desejoso de abraçar a todos” (FT, 3);
“comunicar com a vida o amor de Deus, recusando impor
doutrinas por meio de uma guerra dialética” (FT, 4);
“viver livre do desejo de domínio sobre os outros” (FT, 4);
“o amor que se estende para além das fronteiras” (FT, 99),
“a todo ser vivo” (FT, 59);
Mas o que é mesmo AMIZADE
SOCIAL? Deixemos que o Papa
Francisco nos explique:
a nossa “vocação para formar uma comunidade feita de irmãos que se
acolhem mutuamente e cuidam uns dos outros” (FT, 96);
“a capacidade diária de alargar o meu círculo, chegar àqueles que
espontaneamente não sinto como parte do meu mundo de interesses,
embora se encontrem perto de mim” (FT, 97);
“amor que implica algo mais do que uma série de ações benéficas. As
ações derivam de uma união que propende cada vez mais para o outro,
considerando-o precioso, digno, aprazível e bom, independentemente
das aparências físicas ou morais. Amor ao outro por ser quem é impele-
nos a procurar o melhor para a sua vida. Só cultivando essa forma de
nos relacionarmos é que tornaremos possível
aquela amizade social que não exclui ninguém
e a fraternidade aberta a todos” (FT, 94).
Chegamos a um momento decisivo da nossa CF, o AGIR. Somente a ação é capaz de
converter o juízo. É acima de tudo a ação e não apenas o argumento que rompe as
bolhas. É hora de agir juntos! Propor e realizar ações com aqueles que são diferentes de
nós.
É necessário “alargar a tenda”, a partir dos três elementos da sua estrutura. O primeiro
são as lonas. É preciso estendê-las, para que protejam os que estão fora. O segundo
são as cordas, que mantêm juntas as lonas. Elas devem aumentar-se para manter a
justa tensão. O terceiro são as estacas, os fundamentos da fé. Alargar a tenda exige
acolher outros na Igreja, dando espaço à sua diversidade.
Alargar os espaços das nossas tendas significa que, sejamos capazes de reagir com
um novo sonho de fraternidade e amizade social.
Para a ação precisamos pensar nos âmbitos da pessoa,
comunidade e sociedade. Diante das sugestões, cada pessoa,
grupo, comunidade e instituição é convocada a discernir a respeito do
que fazer concretamente para transformar a sua realidade.
AGIR
Is 54,2-4
a) Realizar a Coleta Nacional da Solidariedade;
b) Buscar e resgatar a identidade pessoal e o
conhecimento de si mesmo;
c) Cultivar uma espiritualidade de comunhão;
d) Identificar as “nossas guerras”, falsidades, ambições
para que o mal em nós não cresça;
e) Reagir como o bom samaritano: ver, sentir
compaixão e cuidar do outro;
f) Olhar cada pessoa com amor;
g) Promover a cultura do encontro;
h) Formar-se para a abertura à diversidade;
i) Dialogar sempre;
j) Apostar em uma educação para a liberdade e o
respeito às pessoas;
k) Incentivar a exigência do amor cristão, que acolhe a
todos como Jesus;
l) Incentivar encontros interpessoais, que vivenciem o
amor e o respeito mútuo;
m)Ser um agente de reconciliação e de paz;
n) Ir ao encontro de todos os vizinhos;
o) Celebrar a vida do outro;
p) Participar de iniciativas como “É tempo de cuidar”;
“Pacto pela vida e pelo Brasil”; “Pacto Educativo
Global”; “Economia de Francisco e Clara”, etc.
Alarga a sua tenda pessoal:
a) Promover a Coleta Nacional da Solidariedade;
b) Empreender a conversão pastoral;
c) Investir numa espiritualidade de comunhão;
d) Ser “Igreja em saída”;
e) Favorecer os centros de escuta e formar pessoas para ouvir o diferente;
f) Buscar os grupos extra eclesiais que cuidam dos mais vulneráveis e com
eles pensar o todo da ação;
g) Lutar pela igualdade de oportunidades para todos;
h) Educar para o bom uso das redes sociais,;
i) Estimular a amizade social entre os sacerdotes, os(as) consagradas;
j) Praticar o ecumenismo e o diálogo interreligioso;
k) Implantar as Escolas de Perdão e Reconciliação (EsPeRe);
l) Celebrar o Dia Internacional da Amizade, em 20 de julho;
m) Abordar a CF na catequese e na pregação, de forma oportuna;
n) Desmascarar as atitudes de ódio, exclusão e cancelamento que ocorram na
comunidade, ajudando em um processo de conversão;
o) Investir esforços para que os espaços comunitários de comunhão e
participação, sejam oportunidades reais de construção coletiva;
p) Ser presença de fraternidade, reconciliação e mediação de conflitos nas
escolas e outros ambientes educativos;
q) Fomentar espaços para a escuta das pessoas em grupos de partilha de
experiências diversas;
r) Promover pequenos grupos de ajuda mútua, de solidariedade e caridade;
s) Fazer um levantamento das pastorais, ONGs e outras instituições que
promovem a solidariedade;
t) Promover espaços de estudo e partilha da Doutrina Social da Igreja;
u) Incentivar a participação ativa das famílias nas comunidades escolares;
v) Apoiar iniciativas de formação de professores para que sejam mediadores
de conflito
w) Estabelecer parcerias na educação e promoção dos Direitos Humanos para
todos;
x) Capacitar os agentes para enfrentar e responder aos discursos de ódio em
suas atividades diárias;
y) Fortalecer o ensino religioso nas escolas.
Alarga a nossa tenda comunitária:
a)Valorizar o voluntariado e o serviço comunitário;
b)Implementar e popularizar a Justiça Restaurativa;
c)Promover a discussão de grandes temas do momento,
como a migração e o preconceito;
d)Fomentar e promover as pastorais e movimentos que
cuidam de todos os excluídos e desprovidos de
dignidade;
e)Condenar todas as experiências autoritárias e ditatoriais;
f) Promover a democracia e a paz participando de
organismos de Direitos Humanos;
g)Apoiar as instituições públicas de denúncia de crimes de
ódio e intolerância;
h)Promover as instituições que cuidam da cultura da paz;
i) Estabelecer um observatório da Amizade Social;
j) Conscientizar e formar as pessoas para o bom uso dos
recursos digitais;
k)Fomentar e incentivar as redes de comunicação popular
e comunitárias, para a construção das contranarrativas
ao ódio e discriminação;
l) Orientar para a busca do bem comum e reconstruir a
ordem política e social, o tecido das suas relações, o seu
projeto humano.
Alarga a sua tenda social:
Gesto Concreto
A opção pela cultura do encontro
verdadeiro e pessoal com Jesus e com os
irmãos, na primazia da compaixão e do
anúncio da esperança, são sinais que
antecipam a salvação e subvertem as
lógicas que o nosso tempo tem construído
como normativas. Que o Espírito conduza a
Igreja à sua escuta atenta e confirme os
seus esforços contemporâneos, dando-nos
a graça da conversão.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sacramento do matrimônio
Sacramento do matrimônioSacramento do matrimônio
Sacramento do matrimôniofamiliaregsul4
 
A CRISMA Catequese para pais e padrinhos
A CRISMA Catequese para pais e padrinhosA CRISMA Catequese para pais e padrinhos
A CRISMA Catequese para pais e padrinhosCatequista Josivaldo
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciaçãoCatequese Anjos dos Céus
 
Mistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistérioMistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistérioFábio Vasconcelos
 
1º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/2012
1º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/20121º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/2012
1º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/2012Adriano de Paula
 
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01Rubens Júnior
 
Livrinho encontros de preparação batismo
Livrinho encontros de preparação batismoLivrinho encontros de preparação batismo
Livrinho encontros de preparação batismotorrasko
 
Programação I Retiro da Crisma 2011
Programação I Retiro da Crisma 2011Programação I Retiro da Crisma 2011
Programação I Retiro da Crisma 2011garzella
 
Formação de Catequistas - 2015
Formação de Catequistas - 2015Formação de Catequistas - 2015
Formação de Catequistas - 2015Morgana Portugal
 
O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2
O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2
O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2Presentepravoce SOS
 
SINODALIDADE. Sildo Morais
SINODALIDADE. Sildo MoraisSINODALIDADE. Sildo Morais
SINODALIDADE. Sildo MoraisPaulo David
 

Mais procurados (20)

Sacramento do matrimônio
Sacramento do matrimônioSacramento do matrimônio
Sacramento do matrimônio
 
A CRISMA Catequese para pais e padrinhos
A CRISMA Catequese para pais e padrinhosA CRISMA Catequese para pais e padrinhos
A CRISMA Catequese para pais e padrinhos
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
 
Mistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistérioMistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistério
 
Encontro com os pais - Catequese
Encontro com os pais - CatequeseEncontro com os pais - Catequese
Encontro com os pais - Catequese
 
1º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/2012
1º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/20121º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/2012
1º Encontro de Pais e Catequistas 24/05/2012
 
2º ANO DE EUCARISTIA
2º ANO DE EUCARISTIA2º ANO DE EUCARISTIA
2º ANO DE EUCARISTIA
 
formação para catequistas
formação para catequistasformação para catequistas
formação para catequistas
 
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01
 
Retiro com Crismandos
Retiro com CrismandosRetiro com Crismandos
Retiro com Crismandos
 
Livrinho encontros de preparação batismo
Livrinho encontros de preparação batismoLivrinho encontros de preparação batismo
Livrinho encontros de preparação batismo
 
Material de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristãMaterial de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristã
 
Programação I Retiro da Crisma 2011
Programação I Retiro da Crisma 2011Programação I Retiro da Crisma 2011
Programação I Retiro da Crisma 2011
 
Primeira etapa
Primeira etapaPrimeira etapa
Primeira etapa
 
Ficha de inscrição para catequistas
Ficha de inscrição para catequistasFicha de inscrição para catequistas
Ficha de inscrição para catequistas
 
A Quaresma
A QuaresmaA Quaresma
A Quaresma
 
Formação de Catequistas - 2015
Formação de Catequistas - 2015Formação de Catequistas - 2015
Formação de Catequistas - 2015
 
O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2
O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2
O casal cristão_no_mundo_de_hoje_2
 
SINODALIDADE. Sildo Morais
SINODALIDADE. Sildo MoraisSINODALIDADE. Sildo Morais
SINODALIDADE. Sildo Morais
 
Planejamento catequese 2010
Planejamento catequese 2010Planejamento catequese 2010
Planejamento catequese 2010
 

Semelhante a Apresentação da Campanha da Fraternidade 2024.pdf

Formação Campanha da Fraternidade 2024 Sede.pptx
Formação Campanha da Fraternidade 2024 Sede.pptxFormação Campanha da Fraternidade 2024 Sede.pptx
Formação Campanha da Fraternidade 2024 Sede.pptxErivaldoGomes8
 
Histórico da Campanha da Fraternidade
Histórico da Campanha da FraternidadeHistórico da Campanha da Fraternidade
Histórico da Campanha da Fraternidademarquione ban
 
Sub dhjpic orientações
Sub dhjpic orientaçõesSub dhjpic orientações
Sub dhjpic orientaçõesFraternidadeSP
 
Dialogo inter religioso.docx
Dialogo inter religioso.docxDialogo inter religioso.docx
Dialogo inter religioso.docxLucielmaLobato1
 
Dialogo inter religioso.pdf
Dialogo inter religioso.pdfDialogo inter religioso.pdf
Dialogo inter religioso.pdfLucielmaLobato1
 
Dialogo inter religioso.docx
Dialogo inter religioso.docxDialogo inter religioso.docx
Dialogo inter religioso.docxLucielmaLobato1
 
Palestra xviii jornada maçônica acb guimaraes
Palestra xviii jornada maçônica acb guimaraesPalestra xviii jornada maçônica acb guimaraes
Palestra xviii jornada maçônica acb guimaraesJose Renato Dos Santos
 
Cultura de Paz
Cultura de PazCultura de Paz
Cultura de Pazmpaffetti
 
Carta pela compaixão
Carta pela compaixãoCarta pela compaixão
Carta pela compaixãoMarcelo Silva
 
Gestão Eclesial e Fraternidade Cristã: Valores e Práticas
Gestão Eclesial e Fraternidade Cristã: Valores e PráticasGestão Eclesial e Fraternidade Cristã: Valores e Práticas
Gestão Eclesial e Fraternidade Cristã: Valores e PráticasAfonso Murad (FAJE)
 
Mensagem 22º dia das comunicações - João Paulo II
Mensagem 22º dia das comunicações - João Paulo IIMensagem 22º dia das comunicações - João Paulo II
Mensagem 22º dia das comunicações - João Paulo IIRodrigo Catini Flaibam
 
Arls segredo e justiça 638 2009-2010
Arls segredo e justiça 638   2009-2010Arls segredo e justiça 638   2009-2010
Arls segredo e justiça 638 2009-2010rogerioluiz
 
Dia nacional da caridade
Dia nacional da caridadeDia nacional da caridade
Dia nacional da caridadeHelio Cruz
 
Carta propositos
Carta propositosCarta propositos
Carta propositosJoao Rumpel
 

Semelhante a Apresentação da Campanha da Fraternidade 2024.pdf (20)

Formação Campanha da Fraternidade 2024 Sede.pptx
Formação Campanha da Fraternidade 2024 Sede.pptxFormação Campanha da Fraternidade 2024 Sede.pptx
Formação Campanha da Fraternidade 2024 Sede.pptx
 
CAMPANHA-DA-FRATERNIDADE-2021-Gladis.pptx
CAMPANHA-DA-FRATERNIDADE-2021-Gladis.pptxCAMPANHA-DA-FRATERNIDADE-2021-Gladis.pptx
CAMPANHA-DA-FRATERNIDADE-2021-Gladis.pptx
 
Histórico da Campanha da Fraternidade
Histórico da Campanha da FraternidadeHistórico da Campanha da Fraternidade
Histórico da Campanha da Fraternidade
 
Conselho Inter-religioso na ONU
Conselho Inter-religioso na ONUConselho Inter-religioso na ONU
Conselho Inter-religioso na ONU
 
Sub dhjpic orientações
Sub dhjpic orientaçõesSub dhjpic orientações
Sub dhjpic orientações
 
Princípios da Paz (UPF)
Princípios da Paz (UPF)Princípios da Paz (UPF)
Princípios da Paz (UPF)
 
Dialogo inter religioso.docx
Dialogo inter religioso.docxDialogo inter religioso.docx
Dialogo inter religioso.docx
 
Dialogo inter religioso.pdf
Dialogo inter religioso.pdfDialogo inter religioso.pdf
Dialogo inter religioso.pdf
 
Dialogo inter religioso.docx
Dialogo inter religioso.docxDialogo inter religioso.docx
Dialogo inter religioso.docx
 
Palestra xviii jornada maçônica acb guimaraes
Palestra xviii jornada maçônica acb guimaraesPalestra xviii jornada maçônica acb guimaraes
Palestra xviii jornada maçônica acb guimaraes
 
Cultura de Paz
Cultura de PazCultura de Paz
Cultura de Paz
 
Carta pela compaixão
Carta pela compaixãoCarta pela compaixão
Carta pela compaixão
 
Unidos Pela Missão
Unidos Pela MissãoUnidos Pela Missão
Unidos Pela Missão
 
Gestão Eclesial e Fraternidade Cristã: Valores e Práticas
Gestão Eclesial e Fraternidade Cristã: Valores e PráticasGestão Eclesial e Fraternidade Cristã: Valores e Práticas
Gestão Eclesial e Fraternidade Cristã: Valores e Práticas
 
Mensagem 22º dia das comunicações - João Paulo II
Mensagem 22º dia das comunicações - João Paulo IIMensagem 22º dia das comunicações - João Paulo II
Mensagem 22º dia das comunicações - João Paulo II
 
Arls segredo e justiça 638 2009-2010
Arls segredo e justiça 638   2009-2010Arls segredo e justiça 638   2009-2010
Arls segredo e justiça 638 2009-2010
 
Dia nacional da caridade
Dia nacional da caridadeDia nacional da caridade
Dia nacional da caridade
 
Carta propositos
Carta propositosCarta propositos
Carta propositos
 
Ef 2 palestra ney
Ef 2 palestra neyEf 2 palestra ney
Ef 2 palestra ney
 
Cf 2018.agir
Cf 2018.agirCf 2018.agir
Cf 2018.agir
 

Último

Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoNilson Almeida
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 

Último (11)

O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De Cristo
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 

Apresentação da Campanha da Fraternidade 2024.pdf

  • 1.
  • 2.
  • 3. Seus elementos: 1) O Tema 2) O Lema 3) A casa 4) A mesa 5) As diversas personagens 6) As janelas 7) O Papa com sua bengala 8) A cruz de Dom Helder 9) Os alimentos 10) A coleta O CARTAZ
  • 4. DESPERTAR para o valor e a beleza da fraternidade humana, promovendo e fortalecendo os vínculos da amizade social, para que, em Jesus Cristo, a paz seja realidade entre todas as pessoas e povos. OBJETIVO GERAL
  • 5. 1) ANALISAR as diversas formas da mentalidade de indiferença, divisão e confronto em nossos dias e suas consequências para toda a humanidade, inclusive na dimensão religiosa. 2) COMPREENDER as principais causas da atual mentalidade de oposição e conflito, geradora da incapacidade de ver nas outras pessoas um irmão e irmã. 3) IDENTIFICAR iniciativas de comunhão, reconciliação e fraternidade, capazes de estimular a cultura do encontro. 4) REDESCOBRIR, a partir da Palavra de Deus, a fraternidade, a amizade social e a comunhão como elementos constitutivos de todo ser humano. OBJETIVOS ESPECÍFICOS
  • 6. 5) ACOLHER o magistério da Igreja sobre a fraternidade universal, como ajuda ao discernimento nas inúmeras situações de conflito e divisão. 6) APROFUNDAR a compreensão da comunhão e da fraternidade como caminho para a realização pessoal e para a paz em todas as situações da vida. 7) CONSCIENTIZAR sobre a necessidade de construir a unidade em meio à pluralidade, superando divisões e polarizações. 8) ESTIMULAR a espiritualidade, os processos, os hábitos e as estruturas de comunhão na Igreja e na sociedade. 9) INCENTIVAR e PROMOVER iniciativas de reconciliação entre pessoas, famílias, comunidades, grupos e povos. OBJETIVOS ESPECÍFICOS
  • 7. Deus Pai, vós criastes todos os seres humanos com a mesma dignidade. Vós os resgatastes pela vida, morte e ressurreição do vosso Filho, Jesus Cristo, e os tornastes filhos e filhas, santificados no Espírito. Ajudai-nos, nesta Quaresma, a compreender o valor da amizade social e a viver a beleza da fraternidade humana aberta a todos, para além dos nossos gostos, afetos e preferências, num caminho de verdadeira penitência e conversão. Inspirai-nos um renovado compromisso batismal com a construção de um mundo novo, de diálogo, justiça, igualdade e paz, conforme a Boa Nova do Evangelho. Ensinai-nos a construir uma sociedade solidária, sem exclusão, indiferença, violência e guerras. E que Maria, vossa Serva e nossa Mãe, nos eduque para fazermos vossa santa vontade. Amém! ORAÇÃO
  • 8. Nossa sociedade vai a uma CONSULTA MÉDICA
  • 9. Transformamos o diferente, divergente e o oponente em inimigo para podermos eliminá-lo; Impera entre nós a intolerância; Nas redes sociais, divulgamos mensagens discriminatórias e intolerantes e praticamos o cancelamento; Fora do ambiente digital, aumenta a violência, o ódio, o homicídio e as guerras; O diálogo é cada vez mais raro e escasso; As famílias se dividem, rompem relações por razões ideológicas; As comunidades estão em conflito, defendendo opostos em nome do mesmo Evangelho; O rancor, a inimizade, o afastamento das pessoas cresce vertiginosamente; O racismo é cada vez mais praticado; VER (Anamnese) Onde está o teu irmão? (Gn 4,9)
  • 10. A aporofobia cresce; Também o feminicídio e a eliminação das pessoas que vivem uma orientação sexual diversa; Por motivos políticos, abandona-se o bem comum do todo e prioriza-se a parte, a minha parte, a parte com a qual eu me identifico sem consciência crítica; Por motivos religiosos, se difama, se persegue, se calunia, se destrói e se mata; Os interesses valem mais que os valores; O outro se tornou mercadoria; Julgamentos precipitados, rejeição gratuita, ódio desmedido, combate a pessoas por causas de suas ideias e propostas e a banalização da morte tornam-se corriqueiros; VER (Anamnese) Onde está o teu irmão? (Gn 4,9)
  • 11. Falta compromisso com a verdade em nome de interesses individuais ou de grupos (fake news); Creches e escolas são atacadas por pessoas armadas; A violência é normalizada, com a facilitação da posse de armas e o seu incentivo; Assédio moral e sexual, defesa do aborto, devastação ambiental, bullying, intolerância religiosa, tráfico de drogas, tráfico de pessoas, situações análogas ao trabalho escravo, discurso de ódio, corrupção e fome; Há uma crise de pertencimento que gera o identitarismo; Há uma de “globalização da indiferença”; Nossa sociedade está dividida, é desigual e excludente. Texto-Base, nn. 24-63 VER (Anamnese) Onde está o teu irmão? (Gn 4,9)
  • 12. QUE OUTROS SINTOMAS VOCÊ SENTE NA SOCIEDADE ATUAL E QUE PODEM AJUDAR A DESCOBRIR A DOENÇA QUE PADECEMOS? PARA CONTINUAR A CONVERSA E AMPLIAR A ANAMNESE
  • 13. ALTEROFOBIA MEDO, REJEIÇÃO OU AVERSÃO A TUDO AQUILO QUE É OUTRO, TUDO O QUE NÃO SOU EU MESMO E É DIFERENTE DE MIM. Nome científico: Síndrome de Caim 16 Texto-Base, n. 73. 53-63 VER (Diagnóstico)
  • 14. HIPER INDIVIDUALISMO O VALOR QUE CONQUISTAMOS – A INDIVIDUALIDADE/SUBJETIVIDADE – TORNOU- SE O NOSSO LIMITE, FECHAMO-NOS EM NóS MESMOS, SUPERVALORIZAMO-NOS. 17 Texto-Base, n. 68 VER (Diagnóstico)
  • 15. 13 Texto-Base, nn. 86-122 Vós sois todos irmãos e irmãs. (Mt 23,8) ILUMINAR Mt 23,1-12 Em que medida também vivemos a síndrome de Caim?
  • 16. • O remédio é a AMIZADE SOCIAL, que “alarga o espaço de nossas tendas” (cf. Is 54,2), abre-nos ao acolhimento do outro, seja ele quem for e, assim, ataca frontalmente o mal que padecemos. 19 Texto-Base, n. 123-131 AGIR (Remédio)
  • 17. AMIZADE SOCIAL É: “amor que ultrapassa as barreiras da geografia e do espaço” (FT, 1); “uma fraternidade aberta, que permite reconhecer, valorizar e amar todas as pessoas, independente das sua proximidade física (FT, 1); “um amor desejoso de abraçar a todos” (FT, 3); “comunicar com a vida o amor de Deus, recusando impor doutrinas por meio de uma guerra dialética” (FT, 4); “viver livre do desejo de domínio sobre os outros” (FT, 4); “o amor que se estende para além das fronteiras” (FT, 99), “a todo ser vivo” (FT, 59); Mas o que é mesmo AMIZADE SOCIAL? Deixemos que o Papa Francisco nos explique:
  • 18. a nossa “vocação para formar uma comunidade feita de irmãos que se acolhem mutuamente e cuidam uns dos outros” (FT, 96); “a capacidade diária de alargar o meu círculo, chegar àqueles que espontaneamente não sinto como parte do meu mundo de interesses, embora se encontrem perto de mim” (FT, 97); “amor que implica algo mais do que uma série de ações benéficas. As ações derivam de uma união que propende cada vez mais para o outro, considerando-o precioso, digno, aprazível e bom, independentemente das aparências físicas ou morais. Amor ao outro por ser quem é impele- nos a procurar o melhor para a sua vida. Só cultivando essa forma de nos relacionarmos é que tornaremos possível aquela amizade social que não exclui ninguém e a fraternidade aberta a todos” (FT, 94).
  • 19. Chegamos a um momento decisivo da nossa CF, o AGIR. Somente a ação é capaz de converter o juízo. É acima de tudo a ação e não apenas o argumento que rompe as bolhas. É hora de agir juntos! Propor e realizar ações com aqueles que são diferentes de nós. É necessário “alargar a tenda”, a partir dos três elementos da sua estrutura. O primeiro são as lonas. É preciso estendê-las, para que protejam os que estão fora. O segundo são as cordas, que mantêm juntas as lonas. Elas devem aumentar-se para manter a justa tensão. O terceiro são as estacas, os fundamentos da fé. Alargar a tenda exige acolher outros na Igreja, dando espaço à sua diversidade. Alargar os espaços das nossas tendas significa que, sejamos capazes de reagir com um novo sonho de fraternidade e amizade social. Para a ação precisamos pensar nos âmbitos da pessoa, comunidade e sociedade. Diante das sugestões, cada pessoa, grupo, comunidade e instituição é convocada a discernir a respeito do que fazer concretamente para transformar a sua realidade. AGIR Is 54,2-4
  • 20. a) Realizar a Coleta Nacional da Solidariedade; b) Buscar e resgatar a identidade pessoal e o conhecimento de si mesmo; c) Cultivar uma espiritualidade de comunhão; d) Identificar as “nossas guerras”, falsidades, ambições para que o mal em nós não cresça; e) Reagir como o bom samaritano: ver, sentir compaixão e cuidar do outro; f) Olhar cada pessoa com amor; g) Promover a cultura do encontro; h) Formar-se para a abertura à diversidade; i) Dialogar sempre; j) Apostar em uma educação para a liberdade e o respeito às pessoas; k) Incentivar a exigência do amor cristão, que acolhe a todos como Jesus; l) Incentivar encontros interpessoais, que vivenciem o amor e o respeito mútuo; m)Ser um agente de reconciliação e de paz; n) Ir ao encontro de todos os vizinhos; o) Celebrar a vida do outro; p) Participar de iniciativas como “É tempo de cuidar”; “Pacto pela vida e pelo Brasil”; “Pacto Educativo Global”; “Economia de Francisco e Clara”, etc. Alarga a sua tenda pessoal:
  • 21. a) Promover a Coleta Nacional da Solidariedade; b) Empreender a conversão pastoral; c) Investir numa espiritualidade de comunhão; d) Ser “Igreja em saída”; e) Favorecer os centros de escuta e formar pessoas para ouvir o diferente; f) Buscar os grupos extra eclesiais que cuidam dos mais vulneráveis e com eles pensar o todo da ação; g) Lutar pela igualdade de oportunidades para todos; h) Educar para o bom uso das redes sociais,; i) Estimular a amizade social entre os sacerdotes, os(as) consagradas; j) Praticar o ecumenismo e o diálogo interreligioso; k) Implantar as Escolas de Perdão e Reconciliação (EsPeRe); l) Celebrar o Dia Internacional da Amizade, em 20 de julho; m) Abordar a CF na catequese e na pregação, de forma oportuna; n) Desmascarar as atitudes de ódio, exclusão e cancelamento que ocorram na comunidade, ajudando em um processo de conversão; o) Investir esforços para que os espaços comunitários de comunhão e participação, sejam oportunidades reais de construção coletiva; p) Ser presença de fraternidade, reconciliação e mediação de conflitos nas escolas e outros ambientes educativos; q) Fomentar espaços para a escuta das pessoas em grupos de partilha de experiências diversas; r) Promover pequenos grupos de ajuda mútua, de solidariedade e caridade; s) Fazer um levantamento das pastorais, ONGs e outras instituições que promovem a solidariedade; t) Promover espaços de estudo e partilha da Doutrina Social da Igreja; u) Incentivar a participação ativa das famílias nas comunidades escolares; v) Apoiar iniciativas de formação de professores para que sejam mediadores de conflito w) Estabelecer parcerias na educação e promoção dos Direitos Humanos para todos; x) Capacitar os agentes para enfrentar e responder aos discursos de ódio em suas atividades diárias; y) Fortalecer o ensino religioso nas escolas. Alarga a nossa tenda comunitária:
  • 22. a)Valorizar o voluntariado e o serviço comunitário; b)Implementar e popularizar a Justiça Restaurativa; c)Promover a discussão de grandes temas do momento, como a migração e o preconceito; d)Fomentar e promover as pastorais e movimentos que cuidam de todos os excluídos e desprovidos de dignidade; e)Condenar todas as experiências autoritárias e ditatoriais; f) Promover a democracia e a paz participando de organismos de Direitos Humanos; g)Apoiar as instituições públicas de denúncia de crimes de ódio e intolerância; h)Promover as instituições que cuidam da cultura da paz; i) Estabelecer um observatório da Amizade Social; j) Conscientizar e formar as pessoas para o bom uso dos recursos digitais; k)Fomentar e incentivar as redes de comunicação popular e comunitárias, para a construção das contranarrativas ao ódio e discriminação; l) Orientar para a busca do bem comum e reconstruir a ordem política e social, o tecido das suas relações, o seu projeto humano. Alarga a sua tenda social:
  • 24. A opção pela cultura do encontro verdadeiro e pessoal com Jesus e com os irmãos, na primazia da compaixão e do anúncio da esperança, são sinais que antecipam a salvação e subvertem as lógicas que o nosso tempo tem construído como normativas. Que o Espírito conduza a Igreja à sua escuta atenta e confirme os seus esforços contemporâneos, dando-nos a graça da conversão.