SlideShare uma empresa Scribd logo
COTIP
Colégio Técnico Industrial de Piracicaba
APOSTILA 3 C.L.P. – LOGO!
Prof. Anderson Rodrigo Rossi
OBS.: Este curso será baseado em CLP – LOGO!-SIEMENS.
Piracicaba, 26 de janeiro de 2009.
COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA
C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE
2
7 – FUNÇÕES ESPECIAIS
Com relação às FUNÇÕES ESPECIAIS, elas podem ser caracterizadas como
retenção, temporização, contagem, freqüência e miscelâneas. As FUNÇÕES
ESPECIAIS - RETENÇÃO são:
Relé de Automanutenção: Se a entrada S for colocada em 1 à saída
ficará em 1, se a entrada R for colocada em 1 à saída ficará em 0 e se
ambas estiverem em 1 a saída ficará em 0 (R tem prioridade em
relação a S).
Relé de Impulso de Corrente: Tanto para setar como para ressetar a
saída Q, deve-se realizar impulsos na entrada Trg. Cada vez que Trg
comutar de 0 para 1, a saída Q mudará seu estado. A entrada R
ressetará a saída Q.
COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA
C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE
3
As FUNÇÕES ESPECIAIS – TEMPORIZAÇÃO são:
Retardamento de Conexão: Quando a entrada Trg vai de 0 para 1, o
Ta (tempo atual) começará a correr. Se o estado na entrada Trg
permanecer longo o suficiente em 1, depois do transcurso do tempo T
a saída será setada em 1. Se o estado na entrada Trg mudar antes do
transcurso do tempo novamente para 0, o tempo será resetado
novamente. A saída será setada novamente em 0, se houver o estado
0 na entrada Trg.
Retardamento de Desconexão: Quando a entrada Trg vai de 1 para
0, será dado partida Ta, a saída contudo permanecerá setada. Se Ta
através de T atingir o valor ajustado (Ta=T), a saída Q será resetada
para o estado 0. Se a entrada Trg acionar e desacionar novamente,
será dado novamente partida ao tempo Ta. A entrada R (reset) coloca
o Ta e a saída na posição inicial.
COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA
C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE
4
Retardamento de Conexão a ser Memorizado: Quando a entrada Trg
alterar de 0 para 1, o tempo atual Ta começará a correr. Quando Ta =
T, a saída Q será setada em 1. Um acionamento novo na entrada Trg
não irá influenciar Ta. A saída e o tempo Ta serão resetados agora
novamente para 0, se a entrada R for para 1.
Retardamento de Conexão e Desconexão: Quando a entrada Trg
alterar de 0 para 1, o tempo Ta se iniciará, se o estado permanecer na
entrada Trg em 1 durante TH, a saída será setada em 1. Se o estado
na entrada mudar novamente para 0, o Ta começará a transcorrer, se o
estado permanecer em 0 durante TL, a saída será setada em 0.
Relé de Contato Passageiro: Se a entrada Trg for de 0 para 1, a
saída Q irá para 1 imediatamente e o tempo Ta começará a correr,
quando Ta = T, a saída Q será ressetada. Se antes do tempo T a
entrada Trg mudar de 1 para 0, a saída também irá a 0.
Relé de Contato Passageiro Gatilhado por Flanco: Quando a
entrada Trg ir de 0 para 1, a saída Q irá para 1 e o tempo Ta se
iniciará. Se Ta = T, a saída Q irá para 0. Se a entrada Trg for de 0 para
1 antes do tempo Ta = T, então o tempo Ta será ressetado.
COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA
C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE
5
Interruptor de Hora para Semana: Cada interruptor de tempo para
semana possui três cames de ajuste por meio do qual pode-se
parametrizar uma janela de tempo.
Interruptor de Tempo para o Ano: Cada interruptor de tempo para o
ano tem um tempo de acionamento e de desacionamento. Em uma
determinada hora de acionamento o interruptor de tempo para o ano irá
desacionar a saída. A data de desacionamento caracteriza o dia no
qual a saída será novamente colocada em 0.
COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA
C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE
6
As FUNÇÕES ESPECIAIS –CONTAGEM são:
As FUNÇÕES ESPECIAIS – FREQÜÊNCIA são:
Contador Crescente e Decrescente: A cada borda de subida em Cnt
o contador será aumentado em 1 (Dir = 0) ou diminuído em 1 (Dir = 1).
Se o valor da contagem interna for igual ou maior do que o valor
predeterminado, a saída Q será setada em 1. Com a entrada R pode-
se colocar na posição inicial.
Contador de Horas de Serviço: Enquanto En tiver o valor 1, LOGO!
calculará o tempo transcorrido e o tempo restante MN. Se o tempo
residual que tiver restado MN for igual a 0, a saída Q será setada para
1. Com R=1 resete a saída Q. Continuará a ser feita à contagem do
contador interno OT. Com Ral=1 resete a saída Q. O contador interno
OT será colocado de volta em 0.
Gerador de Impulsos Simétrico: Através do parâmetro T define
quanto tempo deverá durar o tempo do acionamento e do
desacionamento. Através da entrada En, acione o gerador de impulsos.
O gerador de impulsos coloca para o tempo T a saída em 1, finalmente
para o tempo T a saída em 0 etc., até que a En = 0.
Gerador de Impulsos Assíncrono: Através do parâmetro TH e TL
podem ser ajustados a duração do impulso e a pausa do impulso. A
entrada INV permite uma inversão da saída. EM ativa o sistema.
COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA
C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE
7
As FUNÇÕES ESPECIAIS – ANALÓGICO são:
Gerador de Sinal Aleatório: Se En = 1, será determinado um tempo
entre 0 s e TH. Se En permanecer no mínimo pelo tempo de
acionamento do tempo em 1, a saída será setada em 1. Se En = 0,
será determinado um tempo entre 0s e TL. Se En permanecer no
mínimo pelo tempo de duração do tempo de desacionamento em 0,
a saída será setada em 0.
Interruptor de Valor Limiar de Freqüência.
Interruptor de Valor Limiar Analógico: A função faz a leitura do valor
analógico AI1 ou AI2, ao qual o parâmetro Offset será adicionado ao seu valor
e este valor será multiplicado por ampliação. Se este valor ultrapassar o limite
de conexão Q será 1, se o valor ultrapassar o limite de desconexão Q será 0.
Comparador Analógico.
COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA
C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE
8
As FUNÇÕES ESPECIAIS – MISCELÂNEAS são:
Interruptor de Luz de Escada: Se Trg = 1, o tempo atual Ta
começa a correr e a saída Q será 1. 15 s antes de Ta ter atingido o
tempo T, a saída Q fica 1 s em 0. Atingindo Ta o tempo T, a saída Q
será resetada em 0. Um novo conectar na entrada Trg durante o
tempo no qual Ta corre, irá resetar Ta (possibilidade de regatilho).
Atuador Confortável: Se Trg = 1, o tempo atual Ta começa a correr
e a saída Q será 1. Se Ta atingir o tempo TH, a saída Q será 0. Se
em Trg o estado 0 mudar para 1, e 1 no mínimo permanece setado
para o tempo TL, será ativada a função de luz permanente e a saída
Q será acionada para um tempo permanente. Um novo acionar na
entrada Trg resetará TH e a saída Q será desacionada.
Texto de Aviso: Se En = 1, será feito uma saída do texto de aviso
parametrizado no monitor no modo run. Se o estado na entrada
mudar para 0, o texto de aviso será ocultado. Se forem disparadas
diversas funções de texto de aviso com En=1, a mensagem que
tiver a maior prioridade será exibida.
COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA
C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE
9
QUESTÕES
1º) Funções Especiais – Retenção
Senha
Criar um programa que permita energizar a solenóide da tranca de um cofre
se for pressionado quatro botões, sendo um de cada vez. A energização se dará,
após pressionado o quarto botão, caso os mesmos tenham sido identificados.
Motor Liga/Desliga
Utilizando apenas um botão N.A. ligue e desligue um motor elétrico.
2º) Funções Especiais – Temporização
Pisca-Pisca
Desenvolver um pisca-pisca com controle de tempo diferente para ligar e
desligar. Conforme:
a) ligado 2 s, desligado 4 s; b) ligado 4 s, desligado 2 s;
3º) Funções Especiais – Contagem
Rotação de Motor
Desenvolva um programa para determinar, a partir de um encoder, a rotação
de um motor (r.p.m.). Característica do encoder: 1 pulso por volta.
Se a rotação for maior que 3.600 r.p.m., deve-se acionar um alarme.
4º) Funções Especiais – Freqüência
Controle de Velocidade
Um motor é alimentado por 3 contatores sendo cada um alimentado com as
freqüências de 40 Hz, 60Hz e 80Hz. Faça o programa do sistema. Obs.: após os
contatores, existe um dispositivo de conversão de onda quadrada para senóide
automaticamente.
Medição de Velocidade
Um motor possui um sensor que verifica uma roda que emite um sinal a cada
volta. Faça o programa que detecte se o motor está abaixo de 1500rpm ou acima de
1700rpm.
COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA
C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE
10
5º) Funções Especiais – Analógicas
Controle de Temperatura
Desenvolva um programa para controlar uma bomba de resfriamento, tal que
ela seja acionada quando a temperatura for maior ou igual a 500ºC e seja desligada
quando a temperatura for menor ou igual a 300ºC. O sensor utilizado é um termopar
com:
• 4 – 20 mA;
• 0 – 640 ºC.
6º) Funções Especiais – Miscelâneas
a) Monte um programa que realize a iluminação de um andar em um
prédio de maneira econômica.
b) Monte um programa que ligue um motor e avise no painel do LOGO!
quando o motor está ligado e quando o motor está desligado.
COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA
C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE
11
8 – Programas complexos (Exercícios)
1-Sistema de Partida Estrela-Triângulo
Um motor trifásico deve ser acionado por meio de partida estrela-triângulo.
Para isto são utilizados três contatores (acionamento geral, chaveamento estrela e
chaveamento triângulo) e uma botoeira.
Ao ser acionada a botoeira pela primeira vez, os contatores de acionamento
geral e chaveamento estrela são acionados. Dois segundos após, apenas o contator
de chaveamento estrela é desligado. Ao ser confirmado o desligamento do contator
de chaveamento estrela, o contator de chaveamento triângulo é acionado. Os
contatores de acionamento geral e chaveamento triângulo permanecem acionados.
A qualquer instante, um novo acionamento da botoeira ocasiona o desligamento dos
contatores acionados, retornando à condição inicial.
2-Portão Automático
O acionamento de um portão deve ser realizado automaticamente. Por
intermédio de uma única botoeira podem-se realizar a abertura e o fechamento total
do portão, além de interromper tais movimentos a qualquer instante. Acoplado
mecanicamente ao portão, um motor elétrico realiza os movimentos pela inversão do
sentido de rotação.
No primeiro acionamento da botoeira, inicia-se a abertura do portão. A parada
da abertura se dá por meio de novo acionamento da botoeira (com o portão em
movimento) ou pela abertura total do portão (acionamento do fim de curso 1).
• Estando o portão totalmente aberto (fim de curso 1 acionado), ou tendo
sido interrompida a abertura, pode-se acionar outra botoeira para o fechamento do
portão. A parada do fechamento se dá por meio de novo acionamento da botoeira
(com o portão em movimento) ou pelo fechamento total do portão (acionamento do
fim de curso 2). Estando o portão totalmente fechado (fim de curso 2 acionado), ou
tendo sido interrompido o fechamento, pode-se iniciar a abertura do portão.
3-Semáforo
Um sistema de semáforo simples deve ser utilizado para controlar o fluxo de
veículos no cruzamento de duas vias (A e B).
COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA
C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE
12
A seqüência de acionamento deve respeitar o tempo determinado para cada
fase, conforme a Tabela 8.1.
Fase Tempo (s) Semáforo A Semáforo B
1 30 Verde Vermelho
2 5 Amarelo Vermelho
3 2,5 Vermelho Vermelho
4 30 Vermelho Verde
5 5 Vermelho Amarelo
6 2,5 Vermelho Vermelho
4-Embalagem
Uma esteira transportadora alimenta caixas de papelão com peças que saem
de uma prensa. Um sensor detecta cada peça que passa pela esteira. Quando a
passam 100 peças pela esteira, a mesma deve acionar o sistema de fechamento da
caixa e o sistema de alimentação com nova caixa. Depois de realizado isso, deve-se
religar a esteira. O funcionamento do sistema depende de um botão de liga e outro
de desliga e de um sinal de que a prensa esteja funcionando.
5-Ônibus para Deficientes Físicos
Um ônibus possui suspensão que se ajusta na altura da calçada através de
um sensor (s_baixo) e um sensor que está localizado na sua altura de trabalho
(s_alto). O mesmo também possui um sensor de porta fechada (porta) e um sensor
para detectar se o ônibus está em movimento ou parado (giro).
Dessa forma, quando o motorista desejar abrir a porta à mesma poderá ser
aberta nas seguintes condições:
-Ônibus parado e sensor s_baixo acionado OU
-Botão de emergência pressionado.
O ônibus também somente poderá voltar a se movimentar após a seguinte
condição:
-Sensor s_alto acionado e sensor de porta fechada.
COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA
C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE
13
Resumo das Funções Especiais (SF):
COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA
C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE
14
BIBLIOGRAFIA
CAPELLI, Alexandre. CLP Controladores Lógicos Programáveis na Prática.
Rio de Janeiro: Antenna Edições Técnicas Ltda, 2007.
GEORGINI, Marcelo. Automação Aplicada – Descrição e Implementação de
Sistemas Seqüenciais com PLCs. 7 ed. São Paulo: Editora Érica, 2006.
Manual de Instruções do LOGO! (SIEMENS). A5E00067788 01.
Manual de Instruções do LOGO! Soft Comfort.
Manual do Curso STEP 7 – SIEMENS (BASICS OF PLC).
ORTEGA, José. Curso de Programación y mantenimiento de PLC´s
industriales.
PARR, E. A. Programmable Controllers An Engineering´s Guide. 3 Ed.
Amsterdan: Newnes, 2003.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eletropneumatica
EletropneumaticaEletropneumatica
Eletropneumatica
Elvis Bruno
 
Simbologia pneumatica
Simbologia pneumaticaSimbologia pneumatica
Simbologia pneumatica
Gleiton Kunde
 
Aula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem LadderAula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem Ladder
Anderson Pontes
 
Interruptor diferencial residual
Interruptor diferencial residualInterruptor diferencial residual
Interruptor diferencial residual
Anderson Silva
 
Manual da Central Placa para Portão Automático Modelo AC-4 "acton"
Manual da Central Placa para Portão Automático Modelo AC-4 "acton"Manual da Central Placa para Portão Automático Modelo AC-4 "acton"
Manual da Central Placa para Portão Automático Modelo AC-4 "acton"
Luiz Avelar
 
Simbologia ELETRICA.doc
Simbologia ELETRICA.docSimbologia ELETRICA.doc
Simbologia ELETRICA.doc
JooPedroVilela4
 
Tia portal v11
Tia portal v11Tia portal v11
Tia portal v11
Juremir Almeida
 
inversor de frequencia
inversor de frequenciainversor de frequencia
inversor de frequencia
Renato Amorim
 
Capitulo 004 logica ladder - logica combinacional
Capitulo 004   logica ladder - logica combinacionalCapitulo 004   logica ladder - logica combinacional
Capitulo 004 logica ladder - logica combinacional
Yasmim Morais
 
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladderApostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
marv2
 
Amplificador Classe AB - Teoria
Amplificador Classe AB - TeoriaAmplificador Classe AB - Teoria
Amplificador Classe AB - Teoria
André Paiva
 
Guia de primeiros passos do logo!
Guia de primeiros passos do logo!Guia de primeiros passos do logo!
Guia de primeiros passos do logo!
Marcio Miranda
 
Diodos aula
Diodos aulaDiodos aula
Diodos aula
Eletronica2017
 
Eletropneumática e eletro hidráulica i
Eletropneumática e eletro hidráulica iEletropneumática e eletro hidráulica i
Eletropneumática e eletro hidráulica i
Cesar Loureiro
 
Simbologia para instrumentação
Simbologia para instrumentaçãoSimbologia para instrumentação
Simbologia para instrumentação
phasetronik
 
Símbologia pneumática smc
Símbologia pneumática smcSímbologia pneumática smc
Símbologia pneumática smc
Carlos Cezar Santos .
 
Sistemas e tecnicas de medida 2013 2014
Sistemas e tecnicas de medida 2013 2014Sistemas e tecnicas de medida 2013 2014
Sistemas e tecnicas de medida 2013 2014
Humberto Neves
 
Curso clp siemens
Curso clp siemensCurso clp siemens
Curso clp siemens
admilson bezerra
 
Linguagens clp
Linguagens clpLinguagens clp
Aula 2 lab_fisica_b_multimetro
Aula 2 lab_fisica_b_multimetroAula 2 lab_fisica_b_multimetro
Aula 2 lab_fisica_b_multimetro
Frederico Ferreira Gois
 

Mais procurados (20)

Eletropneumatica
EletropneumaticaEletropneumatica
Eletropneumatica
 
Simbologia pneumatica
Simbologia pneumaticaSimbologia pneumatica
Simbologia pneumatica
 
Aula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem LadderAula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem Ladder
 
Interruptor diferencial residual
Interruptor diferencial residualInterruptor diferencial residual
Interruptor diferencial residual
 
Manual da Central Placa para Portão Automático Modelo AC-4 "acton"
Manual da Central Placa para Portão Automático Modelo AC-4 "acton"Manual da Central Placa para Portão Automático Modelo AC-4 "acton"
Manual da Central Placa para Portão Automático Modelo AC-4 "acton"
 
Simbologia ELETRICA.doc
Simbologia ELETRICA.docSimbologia ELETRICA.doc
Simbologia ELETRICA.doc
 
Tia portal v11
Tia portal v11Tia portal v11
Tia portal v11
 
inversor de frequencia
inversor de frequenciainversor de frequencia
inversor de frequencia
 
Capitulo 004 logica ladder - logica combinacional
Capitulo 004   logica ladder - logica combinacionalCapitulo 004   logica ladder - logica combinacional
Capitulo 004 logica ladder - logica combinacional
 
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladderApostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
 
Amplificador Classe AB - Teoria
Amplificador Classe AB - TeoriaAmplificador Classe AB - Teoria
Amplificador Classe AB - Teoria
 
Guia de primeiros passos do logo!
Guia de primeiros passos do logo!Guia de primeiros passos do logo!
Guia de primeiros passos do logo!
 
Diodos aula
Diodos aulaDiodos aula
Diodos aula
 
Eletropneumática e eletro hidráulica i
Eletropneumática e eletro hidráulica iEletropneumática e eletro hidráulica i
Eletropneumática e eletro hidráulica i
 
Simbologia para instrumentação
Simbologia para instrumentaçãoSimbologia para instrumentação
Simbologia para instrumentação
 
Símbologia pneumática smc
Símbologia pneumática smcSímbologia pneumática smc
Símbologia pneumática smc
 
Sistemas e tecnicas de medida 2013 2014
Sistemas e tecnicas de medida 2013 2014Sistemas e tecnicas de medida 2013 2014
Sistemas e tecnicas de medida 2013 2014
 
Curso clp siemens
Curso clp siemensCurso clp siemens
Curso clp siemens
 
Linguagens clp
Linguagens clpLinguagens clp
Linguagens clp
 
Aula 2 lab_fisica_b_multimetro
Aula 2 lab_fisica_b_multimetroAula 2 lab_fisica_b_multimetro
Aula 2 lab_fisica_b_multimetro
 

Semelhante a Apostila3 clp logo

Controladores logicos programavel industriais
Controladores logicos programavel industriaisControladores logicos programavel industriais
Controladores logicos programavel industriais
JoseMarcelodeAssisSa
 
Curso básico de eletrônica digital parte 9
Curso básico de eletrônica digital parte 9Curso básico de eletrônica digital parte 9
Curso básico de eletrônica digital parte 9
Renan Boccia
 
Org flip flops_registradores Organizção de flip flops
Org flip flops_registradores Organizção de flip flopsOrg flip flops_registradores Organizção de flip flops
Org flip flops_registradores Organizção de flip flops
Jorge Soares
 
Apostila plc - siemens step 7
Apostila   plc - siemens step 7Apostila   plc - siemens step 7
Apostila plc - siemens step 7
Roberto Sousa
 
Informativo técnico lavadora extratora industrial
Informativo técnico   lavadora extratora industrialInformativo técnico   lavadora extratora industrial
Informativo técnico lavadora extratora industrial
confidencial
 
Automação de Processos Industriais
Automação de Processos IndustriaisAutomação de Processos Industriais
Automação de Processos Industriais
Ricardo Akerman
 
Soft starters
Soft startersSoft starters
Soft starters
Angelo Hafner
 
PMR3100_2021_Aula05_Sensores_e_Atuadores.pdf
PMR3100_2021_Aula05_Sensores_e_Atuadores.pdfPMR3100_2021_Aula05_Sensores_e_Atuadores.pdf
PMR3100_2021_Aula05_Sensores_e_Atuadores.pdf
EliakimArajo2
 
AA Apresentacao_TIMER0_PIC16F877A_2016.pdf
AA Apresentacao_TIMER0_PIC16F877A_2016.pdfAA Apresentacao_TIMER0_PIC16F877A_2016.pdf
AA Apresentacao_TIMER0_PIC16F877A_2016.pdf
SilvanildoManoeldaSi
 
Frequency Meter using Microchip PIC16F877A SPI to Arduino Virtual COM to PC
Frequency Meter using Microchip PIC16F877A SPI to Arduino Virtual COM to PCFrequency Meter using Microchip PIC16F877A SPI to Arduino Virtual COM to PC
Frequency Meter using Microchip PIC16F877A SPI to Arduino Virtual COM to PC
Paulo Duarte
 
Apostila clp cefet rs
Apostila clp   cefet rsApostila clp   cefet rs
Apostila clp cefet rs
Marco Antonio Costa
 
Apostila de plc gladimir
Apostila de plc gladimirApostila de plc gladimir
Apostila de plc gladimir
Operador10
 
U3 exercicios resolvidos
U3 exercicios resolvidosU3 exercicios resolvidos
U3 exercicios resolvidos
Rick Jones Martins Ferreira
 
Curso básico de eletrônica digital parte 6
Curso básico de eletrônica digital parte 6Curso básico de eletrônica digital parte 6
Curso básico de eletrônica digital parte 6
Renan Boccia
 
Trabalho flip flop
Trabalho flip flopTrabalho flip flop
Trabalho flip flop
Claudio Eckert
 
PLC3.pptx
PLC3.pptxPLC3.pptx
PLC3.pptx
UaiplayCast
 
Clp logo e s7 200
Clp logo e s7 200Clp logo e s7 200
Clp logo e s7 200
Juremir Almeida
 
Clp
ClpClp
APRESENTACAO_-_Aula_04_Linguagem_de_Programacao_Ladder.pdf
APRESENTACAO_-_Aula_04_Linguagem_de_Programacao_Ladder.pdfAPRESENTACAO_-_Aula_04_Linguagem_de_Programacao_Ladder.pdf
APRESENTACAO_-_Aula_04_Linguagem_de_Programacao_Ladder.pdf
AlbertoEmoto
 
Flip flops,+registradores+e+contadores
Flip flops,+registradores+e+contadoresFlip flops,+registradores+e+contadores
Flip flops,+registradores+e+contadores
profwtelles
 

Semelhante a Apostila3 clp logo (20)

Controladores logicos programavel industriais
Controladores logicos programavel industriaisControladores logicos programavel industriais
Controladores logicos programavel industriais
 
Curso básico de eletrônica digital parte 9
Curso básico de eletrônica digital parte 9Curso básico de eletrônica digital parte 9
Curso básico de eletrônica digital parte 9
 
Org flip flops_registradores Organizção de flip flops
Org flip flops_registradores Organizção de flip flopsOrg flip flops_registradores Organizção de flip flops
Org flip flops_registradores Organizção de flip flops
 
Apostila plc - siemens step 7
Apostila   plc - siemens step 7Apostila   plc - siemens step 7
Apostila plc - siemens step 7
 
Informativo técnico lavadora extratora industrial
Informativo técnico   lavadora extratora industrialInformativo técnico   lavadora extratora industrial
Informativo técnico lavadora extratora industrial
 
Automação de Processos Industriais
Automação de Processos IndustriaisAutomação de Processos Industriais
Automação de Processos Industriais
 
Soft starters
Soft startersSoft starters
Soft starters
 
PMR3100_2021_Aula05_Sensores_e_Atuadores.pdf
PMR3100_2021_Aula05_Sensores_e_Atuadores.pdfPMR3100_2021_Aula05_Sensores_e_Atuadores.pdf
PMR3100_2021_Aula05_Sensores_e_Atuadores.pdf
 
AA Apresentacao_TIMER0_PIC16F877A_2016.pdf
AA Apresentacao_TIMER0_PIC16F877A_2016.pdfAA Apresentacao_TIMER0_PIC16F877A_2016.pdf
AA Apresentacao_TIMER0_PIC16F877A_2016.pdf
 
Frequency Meter using Microchip PIC16F877A SPI to Arduino Virtual COM to PC
Frequency Meter using Microchip PIC16F877A SPI to Arduino Virtual COM to PCFrequency Meter using Microchip PIC16F877A SPI to Arduino Virtual COM to PC
Frequency Meter using Microchip PIC16F877A SPI to Arduino Virtual COM to PC
 
Apostila clp cefet rs
Apostila clp   cefet rsApostila clp   cefet rs
Apostila clp cefet rs
 
Apostila de plc gladimir
Apostila de plc gladimirApostila de plc gladimir
Apostila de plc gladimir
 
U3 exercicios resolvidos
U3 exercicios resolvidosU3 exercicios resolvidos
U3 exercicios resolvidos
 
Curso básico de eletrônica digital parte 6
Curso básico de eletrônica digital parte 6Curso básico de eletrônica digital parte 6
Curso básico de eletrônica digital parte 6
 
Trabalho flip flop
Trabalho flip flopTrabalho flip flop
Trabalho flip flop
 
PLC3.pptx
PLC3.pptxPLC3.pptx
PLC3.pptx
 
Clp logo e s7 200
Clp logo e s7 200Clp logo e s7 200
Clp logo e s7 200
 
Clp
ClpClp
Clp
 
APRESENTACAO_-_Aula_04_Linguagem_de_Programacao_Ladder.pdf
APRESENTACAO_-_Aula_04_Linguagem_de_Programacao_Ladder.pdfAPRESENTACAO_-_Aula_04_Linguagem_de_Programacao_Ladder.pdf
APRESENTACAO_-_Aula_04_Linguagem_de_Programacao_Ladder.pdf
 
Flip flops,+registradores+e+contadores
Flip flops,+registradores+e+contadoresFlip flops,+registradores+e+contadores
Flip flops,+registradores+e+contadores
 

Mais de Marcio Miranda

Pi logo csm12-24-86
Pi logo csm12-24-86Pi logo csm12-24-86
Pi logo csm12-24-86
Marcio Miranda
 
Redes ind sist-super-u1_avaliacao-grupo
Redes ind sist-super-u1_avaliacao-grupoRedes ind sist-super-u1_avaliacao-grupo
Redes ind sist-super-u1_avaliacao-grupo
Marcio Miranda
 
Manual pt pt
Manual pt ptManual pt pt
Manual pt pt
Marcio Miranda
 
Logo system manual_en-us_en-us
Logo system manual_en-us_en-usLogo system manual_en-us_en-us
Logo system manual_en-us_en-us
Marcio Miranda
 
Pi logo csm230-86
Pi logo csm230-86Pi logo csm230-86
Pi logo csm230-86
Marcio Miranda
 
Pi logo csm230-86 (1)
Pi logo csm230-86 (1)Pi logo csm230-86 (1)
Pi logo csm230-86 (1)
Marcio Miranda
 
Manual logo 0 ba4 port ma_ind1
Manual logo 0 ba4 port ma_ind1Manual logo 0 ba4 port ma_ind1
Manual logo 0 ba4 port ma_ind1
Marcio Miranda
 
Manual pt pt.pdf1
Manual pt pt.pdf1Manual pt pt.pdf1
Manual pt pt.pdf1
Marcio Miranda
 
Pi logo csm12-24-86 (1)
Pi logo csm12-24-86 (1)Pi logo csm12-24-86 (1)
Pi logo csm12-24-86 (1)
Marcio Miranda
 
Logo p 09_99
Logo p 09_99Logo p 09_99
Logo p 09_99
Marcio Miranda
 
Manual logo! 0_ba7_en
Manual logo! 0_ba7_enManual logo! 0_ba7_en
Manual logo! 0_ba7_en
Marcio Miranda
 
Manual logo 0 ba5 port ma_ind1
Manual logo 0 ba5 port ma_ind1Manual logo 0 ba5 port ma_ind1
Manual logo 0 ba5 port ma_ind1
Marcio Miranda
 
Manual logo hot
Manual logo hotManual logo hot
Manual logo hot
Marcio Miranda
 
Logo!
Logo!Logo!
Logo e 97
Logo e 97Logo e 97
Logo e 97
Marcio Miranda
 
Gesamtdoku eib a2e
Gesamtdoku eib a2eGesamtdoku eib a2e
Gesamtdoku eib a2e
Marcio Miranda
 
Logo e 96
Logo e 96Logo e 96
Logo e 96
Marcio Miranda
 
Logo e 09_99
Logo e 09_99Logo e 09_99
Logo e 09_99
Marcio Miranda
 
Logo 0500 en
Logo 0500 enLogo 0500 en
Logo 0500 en
Marcio Miranda
 
Cm eib manual_201009_en
Cm eib manual_201009_enCm eib manual_201009_en
Cm eib manual_201009_en
Marcio Miranda
 

Mais de Marcio Miranda (20)

Pi logo csm12-24-86
Pi logo csm12-24-86Pi logo csm12-24-86
Pi logo csm12-24-86
 
Redes ind sist-super-u1_avaliacao-grupo
Redes ind sist-super-u1_avaliacao-grupoRedes ind sist-super-u1_avaliacao-grupo
Redes ind sist-super-u1_avaliacao-grupo
 
Manual pt pt
Manual pt ptManual pt pt
Manual pt pt
 
Logo system manual_en-us_en-us
Logo system manual_en-us_en-usLogo system manual_en-us_en-us
Logo system manual_en-us_en-us
 
Pi logo csm230-86
Pi logo csm230-86Pi logo csm230-86
Pi logo csm230-86
 
Pi logo csm230-86 (1)
Pi logo csm230-86 (1)Pi logo csm230-86 (1)
Pi logo csm230-86 (1)
 
Manual logo 0 ba4 port ma_ind1
Manual logo 0 ba4 port ma_ind1Manual logo 0 ba4 port ma_ind1
Manual logo 0 ba4 port ma_ind1
 
Manual pt pt.pdf1
Manual pt pt.pdf1Manual pt pt.pdf1
Manual pt pt.pdf1
 
Pi logo csm12-24-86 (1)
Pi logo csm12-24-86 (1)Pi logo csm12-24-86 (1)
Pi logo csm12-24-86 (1)
 
Logo p 09_99
Logo p 09_99Logo p 09_99
Logo p 09_99
 
Manual logo! 0_ba7_en
Manual logo! 0_ba7_enManual logo! 0_ba7_en
Manual logo! 0_ba7_en
 
Manual logo 0 ba5 port ma_ind1
Manual logo 0 ba5 port ma_ind1Manual logo 0 ba5 port ma_ind1
Manual logo 0 ba5 port ma_ind1
 
Manual logo hot
Manual logo hotManual logo hot
Manual logo hot
 
Logo!
Logo!Logo!
Logo!
 
Logo e 97
Logo e 97Logo e 97
Logo e 97
 
Gesamtdoku eib a2e
Gesamtdoku eib a2eGesamtdoku eib a2e
Gesamtdoku eib a2e
 
Logo e 96
Logo e 96Logo e 96
Logo e 96
 
Logo e 09_99
Logo e 09_99Logo e 09_99
Logo e 09_99
 
Logo 0500 en
Logo 0500 enLogo 0500 en
Logo 0500 en
 
Cm eib manual_201009_en
Cm eib manual_201009_enCm eib manual_201009_en
Cm eib manual_201009_en
 

Último

Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 

Último (20)

Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 

Apostila3 clp logo

  • 1. COTIP Colégio Técnico Industrial de Piracicaba APOSTILA 3 C.L.P. – LOGO! Prof. Anderson Rodrigo Rossi OBS.: Este curso será baseado em CLP – LOGO!-SIEMENS. Piracicaba, 26 de janeiro de 2009.
  • 2. COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE 2 7 – FUNÇÕES ESPECIAIS Com relação às FUNÇÕES ESPECIAIS, elas podem ser caracterizadas como retenção, temporização, contagem, freqüência e miscelâneas. As FUNÇÕES ESPECIAIS - RETENÇÃO são: Relé de Automanutenção: Se a entrada S for colocada em 1 à saída ficará em 1, se a entrada R for colocada em 1 à saída ficará em 0 e se ambas estiverem em 1 a saída ficará em 0 (R tem prioridade em relação a S). Relé de Impulso de Corrente: Tanto para setar como para ressetar a saída Q, deve-se realizar impulsos na entrada Trg. Cada vez que Trg comutar de 0 para 1, a saída Q mudará seu estado. A entrada R ressetará a saída Q.
  • 3. COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE 3 As FUNÇÕES ESPECIAIS – TEMPORIZAÇÃO são: Retardamento de Conexão: Quando a entrada Trg vai de 0 para 1, o Ta (tempo atual) começará a correr. Se o estado na entrada Trg permanecer longo o suficiente em 1, depois do transcurso do tempo T a saída será setada em 1. Se o estado na entrada Trg mudar antes do transcurso do tempo novamente para 0, o tempo será resetado novamente. A saída será setada novamente em 0, se houver o estado 0 na entrada Trg. Retardamento de Desconexão: Quando a entrada Trg vai de 1 para 0, será dado partida Ta, a saída contudo permanecerá setada. Se Ta através de T atingir o valor ajustado (Ta=T), a saída Q será resetada para o estado 0. Se a entrada Trg acionar e desacionar novamente, será dado novamente partida ao tempo Ta. A entrada R (reset) coloca o Ta e a saída na posição inicial.
  • 4. COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE 4 Retardamento de Conexão a ser Memorizado: Quando a entrada Trg alterar de 0 para 1, o tempo atual Ta começará a correr. Quando Ta = T, a saída Q será setada em 1. Um acionamento novo na entrada Trg não irá influenciar Ta. A saída e o tempo Ta serão resetados agora novamente para 0, se a entrada R for para 1. Retardamento de Conexão e Desconexão: Quando a entrada Trg alterar de 0 para 1, o tempo Ta se iniciará, se o estado permanecer na entrada Trg em 1 durante TH, a saída será setada em 1. Se o estado na entrada mudar novamente para 0, o Ta começará a transcorrer, se o estado permanecer em 0 durante TL, a saída será setada em 0. Relé de Contato Passageiro: Se a entrada Trg for de 0 para 1, a saída Q irá para 1 imediatamente e o tempo Ta começará a correr, quando Ta = T, a saída Q será ressetada. Se antes do tempo T a entrada Trg mudar de 1 para 0, a saída também irá a 0. Relé de Contato Passageiro Gatilhado por Flanco: Quando a entrada Trg ir de 0 para 1, a saída Q irá para 1 e o tempo Ta se iniciará. Se Ta = T, a saída Q irá para 0. Se a entrada Trg for de 0 para 1 antes do tempo Ta = T, então o tempo Ta será ressetado.
  • 5. COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE 5 Interruptor de Hora para Semana: Cada interruptor de tempo para semana possui três cames de ajuste por meio do qual pode-se parametrizar uma janela de tempo. Interruptor de Tempo para o Ano: Cada interruptor de tempo para o ano tem um tempo de acionamento e de desacionamento. Em uma determinada hora de acionamento o interruptor de tempo para o ano irá desacionar a saída. A data de desacionamento caracteriza o dia no qual a saída será novamente colocada em 0.
  • 6. COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE 6 As FUNÇÕES ESPECIAIS –CONTAGEM são: As FUNÇÕES ESPECIAIS – FREQÜÊNCIA são: Contador Crescente e Decrescente: A cada borda de subida em Cnt o contador será aumentado em 1 (Dir = 0) ou diminuído em 1 (Dir = 1). Se o valor da contagem interna for igual ou maior do que o valor predeterminado, a saída Q será setada em 1. Com a entrada R pode- se colocar na posição inicial. Contador de Horas de Serviço: Enquanto En tiver o valor 1, LOGO! calculará o tempo transcorrido e o tempo restante MN. Se o tempo residual que tiver restado MN for igual a 0, a saída Q será setada para 1. Com R=1 resete a saída Q. Continuará a ser feita à contagem do contador interno OT. Com Ral=1 resete a saída Q. O contador interno OT será colocado de volta em 0. Gerador de Impulsos Simétrico: Através do parâmetro T define quanto tempo deverá durar o tempo do acionamento e do desacionamento. Através da entrada En, acione o gerador de impulsos. O gerador de impulsos coloca para o tempo T a saída em 1, finalmente para o tempo T a saída em 0 etc., até que a En = 0. Gerador de Impulsos Assíncrono: Através do parâmetro TH e TL podem ser ajustados a duração do impulso e a pausa do impulso. A entrada INV permite uma inversão da saída. EM ativa o sistema.
  • 7. COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE 7 As FUNÇÕES ESPECIAIS – ANALÓGICO são: Gerador de Sinal Aleatório: Se En = 1, será determinado um tempo entre 0 s e TH. Se En permanecer no mínimo pelo tempo de acionamento do tempo em 1, a saída será setada em 1. Se En = 0, será determinado um tempo entre 0s e TL. Se En permanecer no mínimo pelo tempo de duração do tempo de desacionamento em 0, a saída será setada em 0. Interruptor de Valor Limiar de Freqüência. Interruptor de Valor Limiar Analógico: A função faz a leitura do valor analógico AI1 ou AI2, ao qual o parâmetro Offset será adicionado ao seu valor e este valor será multiplicado por ampliação. Se este valor ultrapassar o limite de conexão Q será 1, se o valor ultrapassar o limite de desconexão Q será 0. Comparador Analógico.
  • 8. COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE 8 As FUNÇÕES ESPECIAIS – MISCELÂNEAS são: Interruptor de Luz de Escada: Se Trg = 1, o tempo atual Ta começa a correr e a saída Q será 1. 15 s antes de Ta ter atingido o tempo T, a saída Q fica 1 s em 0. Atingindo Ta o tempo T, a saída Q será resetada em 0. Um novo conectar na entrada Trg durante o tempo no qual Ta corre, irá resetar Ta (possibilidade de regatilho). Atuador Confortável: Se Trg = 1, o tempo atual Ta começa a correr e a saída Q será 1. Se Ta atingir o tempo TH, a saída Q será 0. Se em Trg o estado 0 mudar para 1, e 1 no mínimo permanece setado para o tempo TL, será ativada a função de luz permanente e a saída Q será acionada para um tempo permanente. Um novo acionar na entrada Trg resetará TH e a saída Q será desacionada. Texto de Aviso: Se En = 1, será feito uma saída do texto de aviso parametrizado no monitor no modo run. Se o estado na entrada mudar para 0, o texto de aviso será ocultado. Se forem disparadas diversas funções de texto de aviso com En=1, a mensagem que tiver a maior prioridade será exibida.
  • 9. COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE 9 QUESTÕES 1º) Funções Especiais – Retenção Senha Criar um programa que permita energizar a solenóide da tranca de um cofre se for pressionado quatro botões, sendo um de cada vez. A energização se dará, após pressionado o quarto botão, caso os mesmos tenham sido identificados. Motor Liga/Desliga Utilizando apenas um botão N.A. ligue e desligue um motor elétrico. 2º) Funções Especiais – Temporização Pisca-Pisca Desenvolver um pisca-pisca com controle de tempo diferente para ligar e desligar. Conforme: a) ligado 2 s, desligado 4 s; b) ligado 4 s, desligado 2 s; 3º) Funções Especiais – Contagem Rotação de Motor Desenvolva um programa para determinar, a partir de um encoder, a rotação de um motor (r.p.m.). Característica do encoder: 1 pulso por volta. Se a rotação for maior que 3.600 r.p.m., deve-se acionar um alarme. 4º) Funções Especiais – Freqüência Controle de Velocidade Um motor é alimentado por 3 contatores sendo cada um alimentado com as freqüências de 40 Hz, 60Hz e 80Hz. Faça o programa do sistema. Obs.: após os contatores, existe um dispositivo de conversão de onda quadrada para senóide automaticamente. Medição de Velocidade Um motor possui um sensor que verifica uma roda que emite um sinal a cada volta. Faça o programa que detecte se o motor está abaixo de 1500rpm ou acima de 1700rpm.
  • 10. COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE 10 5º) Funções Especiais – Analógicas Controle de Temperatura Desenvolva um programa para controlar uma bomba de resfriamento, tal que ela seja acionada quando a temperatura for maior ou igual a 500ºC e seja desligada quando a temperatura for menor ou igual a 300ºC. O sensor utilizado é um termopar com: • 4 – 20 mA; • 0 – 640 ºC. 6º) Funções Especiais – Miscelâneas a) Monte um programa que realize a iluminação de um andar em um prédio de maneira econômica. b) Monte um programa que ligue um motor e avise no painel do LOGO! quando o motor está ligado e quando o motor está desligado.
  • 11. COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE 11 8 – Programas complexos (Exercícios) 1-Sistema de Partida Estrela-Triângulo Um motor trifásico deve ser acionado por meio de partida estrela-triângulo. Para isto são utilizados três contatores (acionamento geral, chaveamento estrela e chaveamento triângulo) e uma botoeira. Ao ser acionada a botoeira pela primeira vez, os contatores de acionamento geral e chaveamento estrela são acionados. Dois segundos após, apenas o contator de chaveamento estrela é desligado. Ao ser confirmado o desligamento do contator de chaveamento estrela, o contator de chaveamento triângulo é acionado. Os contatores de acionamento geral e chaveamento triângulo permanecem acionados. A qualquer instante, um novo acionamento da botoeira ocasiona o desligamento dos contatores acionados, retornando à condição inicial. 2-Portão Automático O acionamento de um portão deve ser realizado automaticamente. Por intermédio de uma única botoeira podem-se realizar a abertura e o fechamento total do portão, além de interromper tais movimentos a qualquer instante. Acoplado mecanicamente ao portão, um motor elétrico realiza os movimentos pela inversão do sentido de rotação. No primeiro acionamento da botoeira, inicia-se a abertura do portão. A parada da abertura se dá por meio de novo acionamento da botoeira (com o portão em movimento) ou pela abertura total do portão (acionamento do fim de curso 1). • Estando o portão totalmente aberto (fim de curso 1 acionado), ou tendo sido interrompida a abertura, pode-se acionar outra botoeira para o fechamento do portão. A parada do fechamento se dá por meio de novo acionamento da botoeira (com o portão em movimento) ou pelo fechamento total do portão (acionamento do fim de curso 2). Estando o portão totalmente fechado (fim de curso 2 acionado), ou tendo sido interrompido o fechamento, pode-se iniciar a abertura do portão. 3-Semáforo Um sistema de semáforo simples deve ser utilizado para controlar o fluxo de veículos no cruzamento de duas vias (A e B).
  • 12. COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE 12 A seqüência de acionamento deve respeitar o tempo determinado para cada fase, conforme a Tabela 8.1. Fase Tempo (s) Semáforo A Semáforo B 1 30 Verde Vermelho 2 5 Amarelo Vermelho 3 2,5 Vermelho Vermelho 4 30 Vermelho Verde 5 5 Vermelho Amarelo 6 2,5 Vermelho Vermelho 4-Embalagem Uma esteira transportadora alimenta caixas de papelão com peças que saem de uma prensa. Um sensor detecta cada peça que passa pela esteira. Quando a passam 100 peças pela esteira, a mesma deve acionar o sistema de fechamento da caixa e o sistema de alimentação com nova caixa. Depois de realizado isso, deve-se religar a esteira. O funcionamento do sistema depende de um botão de liga e outro de desliga e de um sinal de que a prensa esteja funcionando. 5-Ônibus para Deficientes Físicos Um ônibus possui suspensão que se ajusta na altura da calçada através de um sensor (s_baixo) e um sensor que está localizado na sua altura de trabalho (s_alto). O mesmo também possui um sensor de porta fechada (porta) e um sensor para detectar se o ônibus está em movimento ou parado (giro). Dessa forma, quando o motorista desejar abrir a porta à mesma poderá ser aberta nas seguintes condições: -Ônibus parado e sensor s_baixo acionado OU -Botão de emergência pressionado. O ônibus também somente poderá voltar a se movimentar após a seguinte condição: -Sensor s_alto acionado e sensor de porta fechada.
  • 13. COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE 13 Resumo das Funções Especiais (SF):
  • 14. COTIP – COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE PIRACICABA C.L.P. – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL - 5º SEMESTRE 14 BIBLIOGRAFIA CAPELLI, Alexandre. CLP Controladores Lógicos Programáveis na Prática. Rio de Janeiro: Antenna Edições Técnicas Ltda, 2007. GEORGINI, Marcelo. Automação Aplicada – Descrição e Implementação de Sistemas Seqüenciais com PLCs. 7 ed. São Paulo: Editora Érica, 2006. Manual de Instruções do LOGO! (SIEMENS). A5E00067788 01. Manual de Instruções do LOGO! Soft Comfort. Manual do Curso STEP 7 – SIEMENS (BASICS OF PLC). ORTEGA, José. Curso de Programación y mantenimiento de PLC´s industriales. PARR, E. A. Programmable Controllers An Engineering´s Guide. 3 Ed. Amsterdan: Newnes, 2003.