SlideShare uma empresa Scribd logo
Altas Habilidades
e Superdotação
Estudo de
Caso
Professora: Esp. Ruth Cássia Schreiner
2
Unicesumar
estudo de
caso
Neste estudo de caso veremos a desmistificação do saber total e da genialidade plena atribuí-
da, muitas vezes, de maneira errônea e como um mito das altas habilidades/superdotação.
Além disso, serão analisadas a situação de uma criança e sua família e de adolescentes com
AH/SD, e as dificuldades e desafios enfrentados.
Só é portador de AH/SD quem sabe tudo e é bom em tudo? Como famílias e escolas en-
frentam o desafio de promover o desenvolvimento adequado dessas crianças?
No atendimento especializado a crianças e adolescentes, não é incomum receber pedidos
de ajuda dos pais. Em certa ocasião, a mãe de uma menina de 3 anos relatou suas dificulda-
des: a filha recusa ir à escola de educação infantil porque o que a professora ensinava, ela já
havia aprendido e estava desmotivada com a repetição. A especialista na área marcou um
encontro presencial e a mãe explicou que a filha já estava alfabetizada, lia com compreen-
são e escrevia palavras simples.
Filha de pais com formação superior e pós-graduação, a menina sempre conviveu com
estímulos linguísticos variados e interessantes. Sua atenção e ocupação dirigiu-se aos livros
e materiais letrados dispostos pelos pais que investiram na curiosidade da filha em querer
aprender e conhecer as letras. Eis que a garotinha começa a ler, e a surpresa dos pais é seguida
de dúvidas, preocupações e culpa.
Na conversa, a profissional procurou acalmar a mãe ao explicar que não havia necessi-
dade de sentir-se culpada. A menina apresentava possibilidades e sinais indicadores de altas
habilidades em atividades que envolviam a linguagem, e aprendeu com facilidade. Os pais
não compreendiam a situação, pois, embora, ela se saísse muito bem na leitura, ela quase
não acompanhava a turma em outras atividades que exigiam aspectos não relacionados à
leitura. Para eles, ela não podia ter altas habilidades/superdotação sobressaindo-se somente
na leitura.
Então a especialista explicou que ninguém é bom em tudo. Ao falarmos em superdo-
tação, é comum pensarmos nos grandes gênios da humanidade. Em princípio, não há uma
diferenciação absoluta entre tais pessoas e nós, os seres humanos “comuns”. Como não é
em todas as áreas que o aluno se destaca, cabe aos educadores identificar e reconhecer os
pontos fortes, aptidões e interesses, bem como necessidades de aquisição de conhecimen-
tos, com o objetivo de oportunizar o atendimento educacional especializado apropriado,
com respeito e tranquilidade.
Unicesumar
3
estudo de
caso
E a inquietação permanecia diante da resistência da menina em frequentar as aulas.
Assim, foi realizada uma reunião com a equipe de educadores da escola e nela planejou-se
algumas estratégias metodológicas a serem desenvolvidas pela professora em sala de aula
com a criança.
Parte-se da ideia de que o processo de aprendizagem deve promover interesse e prazer
na criança, para que ela busque o conhecimento, como consequência de situações desa-
fiadoras propostas pelos docentes, com o cuidado de que nesse processo não se use muito
da repetição, nem de tarefas demasiadamente difíceis, pois é importante que se analise o
desenvolvimento mental da criança.
Assim, a professora passou a oferecer possibilidades de realização de atividades diferen-
ciadas em alguns momentos das aulas, nos quais a menina poderia realizar ações específicas
e produzir trabalhos que exigiam desafios. Por exemplo, durante o momento que a profes-
sora lia histórias para o grupo, quando o livro era familiar para a menina, por já ter lido, a
professora oferecia material para que ela pudesse desenhar e escrever palavras ou frases re-
lacionadas ao desenho, com destaque para um personagem da história, até mesmo criando
outras histórias.
Dentre os resultados alcançados no relato anterior, foi possível observar a motivação da
aluna durante as aulas, a valorização de suas produções diferenciadas, a tranquilidade da pro-
fessora em não dar ênfase exagerada ao desempenho superior da menina e a confecção de
um produto significativo, um livro a respeito de um personagem de um dos livros, elabora-
do a partir das habilidades criativas e imaginativas da autora.
Muitas vezes, por desatenção ou mesmo falta de conhecimento e despreparo, tanto da
família como de professores, não se percebe na infância que a criança possui habilidades
diferenciadas, sobretudo quando ocorre de a criança ser muito boa em um único fator e in-
clusive ter dificuldades nos demais. Assim, chegam na adolescência e por falta de atividades
desafiadoras, também há dificuldades na identificação, uma vez que a ênfase pode ser a re-
petição ao exemplo, com a orientação de seguir o modelo e a rotina.
A inibição própria do adolescente se constitui em outro fator importante. A fim de perten-
cerem ao grupo (maioria) e serem aceitos, alguns alunos com altas habilidades/superdotação
passam a reduzir as notas das avaliações e expressar problemas de comportamento e rebeldia
para não se diferenciarem dos demais, não sofrerem com apelidos e não serem rechaçados.
4
Unicesumar
estudo de
caso
Os referidos alunos passam sem serem notados na escola devido ao desconhecimento
dos educadores, daí a importância da capacitação e atualização dos profissionais da edu-
cação a respeito do tema. A formação apropriada reduz os mitos e preconceitos e evita os
estereótipos que rotulam e discriminam.
O educador pode considerar diferentes aspectos manifestos pelos alunos, bem como os
estilos e perfis expressos e várias situações educacionais. Alguns questionamentos surgem
quanto a:
• Expectativas com relação ao trabalho a desenvolver.
• Maneira de organização do pensamento (lógica).
• Aspecto em destaque que envolvem a verbalização ou a execução.
• Preferências quanto a forma de aprender.
• Se há dificuldade para demonstrar o que sabe ou o que aprende.
• Como registra suas descobertas.
A partir da observação, entrevistas, interação e verificação das características pessoais, sociais
e afetivas predominantes, é possível estabelecer o plano de ação docente, com algumas
atividades que abordem as diversas áreas de aptidões e interesses dos alunos com altas
habilidades/superdotação.
O professor deve levar em consideração as várias habilidades em diferentes níveis e as-
pectos dos alunos: por exemplo, para alunos que apresentam maior facilidade em algumas
disciplinas específicas, ou seja, possuem facilidade na execução de atividades que envolvam
as áreas ou disciplinas escolares que requerem conhecimento específico, interesses, infor-
mações e realização de atividades variadas para registrar o conhecimento, em especial, por
meio da escrita ou da arte.
Para alunos com perfil criativo e produtivo, em virtude da facilidade para criar, imaginar,
ter pensamentos inusitados, recomenda-se, por exemplo, exercícios de criatividade e imagi-
nação para resolução de problemas com elaboração de estratégias em situações incomuns.
Percebe-se que, tanto no caso da criança como dos adolescentes, é essencial a atenção
da família de dos professores na identificação dessas características particulares, a fim de que
possam efetivamente elaborar estratégias que ofereçam os estímulos adequados, sem trau-
matizar esses indivíduos e muito menos tratá-los como gênios ou como pessoas diferentes.
Unicesumar
5
estudo de
caso
Suas habilidades precisam ser desenvolvidas assim como precisam ser estimulados e tra-
balhados também os outros aspectos dos quais não se sobressaem, pois é necessário pensar
no processo de ensino e aprendizagem de maneira holística, a fim de que todas as áreas do
saber possam ser trabalhadas e desenvolvidas. Assim, aquela que se tem maior habilidade
deve ser trabalhada em conjunto com as demais, levando esse aluno a melhorar seus conhe-
cimentos adquiridos e sistematizados, sobretudo, podendo relacioná-los com sua realidade
e com a vida cotidiana.
Dessa forma, com os estímulos adequados e com a oferta de um ensino desafiador, os
alunos com altas habilidades/superdotação se sentirão mais motivados e envolvidos como
agentes participativos da própria formação.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Altas Habilidades e superdotação_Estudo de Caso.pdf

Trabalhar com projetos em sala de aula
Trabalhar com projetos em sala de aulaTrabalhar com projetos em sala de aula
Trabalhar com projetos em sala de aula
Greisomar
 
Weisz
WeiszWeisz
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagensA intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
helio123456
 
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultosComo potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
jeconiaseandreia
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
cefaprodematupa
 
Jennifer alyne maria
Jennifer alyne mariaJennifer alyne maria
Jennifer alyne maria
Fernando Pissuto
 
Projeto proinfo
Projeto proinfoProjeto proinfo
Projeto proinfo
Fatima Liutheviciene
 
Reforço escolar
Reforço escolarReforço escolar
Reforço escolar
Fatima Liutheviciene
 
Relação professor
Relação professorRelação professor
Relação professor
Deia Araujo
 
Indisciplina escolar
Indisciplina escolarIndisciplina escolar
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagemO que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
Maria Masarela Passos
 
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
enxergar
 
Indisciplina-escolar.pptx
Indisciplina-escolar.pptxIndisciplina-escolar.pptx
Indisciplina-escolar.pptx
Joana Faria
 
Para aprender matematica
Para aprender matematicaPara aprender matematica
Para aprender matematica
Cibele Fonseca
 
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdfINTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
Dayvson Gomes
 
Caderno plan. 1º ano
Caderno plan. 1º anoCaderno plan. 1º ano
Caderno plan. 1º ano
Sme Otacílio Costa
 
Superdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelhoSuperdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelho
UFSM
 
Superdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelhoSuperdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelho
UFSM
 
Aspectos psicomotores das dificuldades de aprendizagem
Aspectos psicomotores das dificuldades de aprendizagemAspectos psicomotores das dificuldades de aprendizagem
Aspectos psicomotores das dificuldades de aprendizagem
Claudenice Conceição da Silva
 
Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9
Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9
Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9
ANA GRALHEIRO
 

Semelhante a Altas Habilidades e superdotação_Estudo de Caso.pdf (20)

Trabalhar com projetos em sala de aula
Trabalhar com projetos em sala de aulaTrabalhar com projetos em sala de aula
Trabalhar com projetos em sala de aula
 
Weisz
WeiszWeisz
Weisz
 
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagensA intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
 
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultosComo potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
 
Jennifer alyne maria
Jennifer alyne mariaJennifer alyne maria
Jennifer alyne maria
 
Projeto proinfo
Projeto proinfoProjeto proinfo
Projeto proinfo
 
Reforço escolar
Reforço escolarReforço escolar
Reforço escolar
 
Relação professor
Relação professorRelação professor
Relação professor
 
Indisciplina escolar
Indisciplina escolarIndisciplina escolar
Indisciplina escolar
 
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagemO que são realmente as dificuldades de aprendizagem
O que são realmente as dificuldades de aprendizagem
 
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
 
Indisciplina-escolar.pptx
Indisciplina-escolar.pptxIndisciplina-escolar.pptx
Indisciplina-escolar.pptx
 
Para aprender matematica
Para aprender matematicaPara aprender matematica
Para aprender matematica
 
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdfINTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
 
Caderno plan. 1º ano
Caderno plan. 1º anoCaderno plan. 1º ano
Caderno plan. 1º ano
 
Superdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelhoSuperdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelho
 
Superdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelhoSuperdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelho
 
Aspectos psicomotores das dificuldades de aprendizagem
Aspectos psicomotores das dificuldades de aprendizagemAspectos psicomotores das dificuldades de aprendizagem
Aspectos psicomotores das dificuldades de aprendizagem
 
Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9
Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9
Psicodinmica na-sala-de-aula-1224409838974827-9
 

Mais de LUCASAUGUSTONASCENTE

APOSTILA DE Português PARA CONCURSOS_completa.pdf
APOSTILA DE Português PARA CONCURSOS_completa.pdfAPOSTILA DE Português PARA CONCURSOS_completa.pdf
APOSTILA DE Português PARA CONCURSOS_completa.pdf
LUCASAUGUSTONASCENTE
 
O Casal que Mora ao Lado - Shari Lapena.pdf
O Casal que Mora ao Lado - Shari Lapena.pdfO Casal que Mora ao Lado - Shari Lapena.pdf
O Casal que Mora ao Lado - Shari Lapena.pdf
LUCASAUGUSTONASCENTE
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 4 BIM.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 4 BIM.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 4 BIM.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 4 BIM.pdf
LUCASAUGUSTONASCENTE
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 1 BIMESTRE.pdf
LUCASAUGUSTONASCENTE
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
LUCASAUGUSTONASCENTE
 
APOSTILA DIGITAÇÃO - METODO COMPLETO.pdf
APOSTILA DIGITAÇÃO - METODO COMPLETO.pdfAPOSTILA DIGITAÇÃO - METODO COMPLETO.pdf
APOSTILA DIGITAÇÃO - METODO COMPLETO.pdf
LUCASAUGUSTONASCENTE
 
AULA RELACIONADA AO PLANO DE AULA 1.pptx
AULA RELACIONADA AO PLANO DE AULA 1.pptxAULA RELACIONADA AO PLANO DE AULA 1.pptx
AULA RELACIONADA AO PLANO DE AULA 1.pptx
LUCASAUGUSTONASCENTE
 
PATRIMONIO MATERIAL E IMATERIAL.docx
PATRIMONIO MATERIAL E IMATERIAL.docxPATRIMONIO MATERIAL E IMATERIAL.docx
PATRIMONIO MATERIAL E IMATERIAL.docx
LUCASAUGUSTONASCENTE
 

Mais de LUCASAUGUSTONASCENTE (8)

APOSTILA DE Português PARA CONCURSOS_completa.pdf
APOSTILA DE Português PARA CONCURSOS_completa.pdfAPOSTILA DE Português PARA CONCURSOS_completa.pdf
APOSTILA DE Português PARA CONCURSOS_completa.pdf
 
O Casal que Mora ao Lado - Shari Lapena.pdf
O Casal que Mora ao Lado - Shari Lapena.pdfO Casal que Mora ao Lado - Shari Lapena.pdf
O Casal que Mora ao Lado - Shari Lapena.pdf
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 4 BIM.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 4 BIM.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 4 BIM.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 4 BIM.pdf
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 3 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
APOSTILA DIGITAÇÃO - METODO COMPLETO.pdf
APOSTILA DIGITAÇÃO - METODO COMPLETO.pdfAPOSTILA DIGITAÇÃO - METODO COMPLETO.pdf
APOSTILA DIGITAÇÃO - METODO COMPLETO.pdf
 
AULA RELACIONADA AO PLANO DE AULA 1.pptx
AULA RELACIONADA AO PLANO DE AULA 1.pptxAULA RELACIONADA AO PLANO DE AULA 1.pptx
AULA RELACIONADA AO PLANO DE AULA 1.pptx
 
PATRIMONIO MATERIAL E IMATERIAL.docx
PATRIMONIO MATERIAL E IMATERIAL.docxPATRIMONIO MATERIAL E IMATERIAL.docx
PATRIMONIO MATERIAL E IMATERIAL.docx
 

Último

Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 

Altas Habilidades e superdotação_Estudo de Caso.pdf

  • 1. Altas Habilidades e Superdotação Estudo de Caso Professora: Esp. Ruth Cássia Schreiner
  • 2. 2 Unicesumar estudo de caso Neste estudo de caso veremos a desmistificação do saber total e da genialidade plena atribuí- da, muitas vezes, de maneira errônea e como um mito das altas habilidades/superdotação. Além disso, serão analisadas a situação de uma criança e sua família e de adolescentes com AH/SD, e as dificuldades e desafios enfrentados. Só é portador de AH/SD quem sabe tudo e é bom em tudo? Como famílias e escolas en- frentam o desafio de promover o desenvolvimento adequado dessas crianças? No atendimento especializado a crianças e adolescentes, não é incomum receber pedidos de ajuda dos pais. Em certa ocasião, a mãe de uma menina de 3 anos relatou suas dificulda- des: a filha recusa ir à escola de educação infantil porque o que a professora ensinava, ela já havia aprendido e estava desmotivada com a repetição. A especialista na área marcou um encontro presencial e a mãe explicou que a filha já estava alfabetizada, lia com compreen- são e escrevia palavras simples. Filha de pais com formação superior e pós-graduação, a menina sempre conviveu com estímulos linguísticos variados e interessantes. Sua atenção e ocupação dirigiu-se aos livros e materiais letrados dispostos pelos pais que investiram na curiosidade da filha em querer aprender e conhecer as letras. Eis que a garotinha começa a ler, e a surpresa dos pais é seguida de dúvidas, preocupações e culpa. Na conversa, a profissional procurou acalmar a mãe ao explicar que não havia necessi- dade de sentir-se culpada. A menina apresentava possibilidades e sinais indicadores de altas habilidades em atividades que envolviam a linguagem, e aprendeu com facilidade. Os pais não compreendiam a situação, pois, embora, ela se saísse muito bem na leitura, ela quase não acompanhava a turma em outras atividades que exigiam aspectos não relacionados à leitura. Para eles, ela não podia ter altas habilidades/superdotação sobressaindo-se somente na leitura. Então a especialista explicou que ninguém é bom em tudo. Ao falarmos em superdo- tação, é comum pensarmos nos grandes gênios da humanidade. Em princípio, não há uma diferenciação absoluta entre tais pessoas e nós, os seres humanos “comuns”. Como não é em todas as áreas que o aluno se destaca, cabe aos educadores identificar e reconhecer os pontos fortes, aptidões e interesses, bem como necessidades de aquisição de conhecimen- tos, com o objetivo de oportunizar o atendimento educacional especializado apropriado, com respeito e tranquilidade.
  • 3. Unicesumar 3 estudo de caso E a inquietação permanecia diante da resistência da menina em frequentar as aulas. Assim, foi realizada uma reunião com a equipe de educadores da escola e nela planejou-se algumas estratégias metodológicas a serem desenvolvidas pela professora em sala de aula com a criança. Parte-se da ideia de que o processo de aprendizagem deve promover interesse e prazer na criança, para que ela busque o conhecimento, como consequência de situações desa- fiadoras propostas pelos docentes, com o cuidado de que nesse processo não se use muito da repetição, nem de tarefas demasiadamente difíceis, pois é importante que se analise o desenvolvimento mental da criança. Assim, a professora passou a oferecer possibilidades de realização de atividades diferen- ciadas em alguns momentos das aulas, nos quais a menina poderia realizar ações específicas e produzir trabalhos que exigiam desafios. Por exemplo, durante o momento que a profes- sora lia histórias para o grupo, quando o livro era familiar para a menina, por já ter lido, a professora oferecia material para que ela pudesse desenhar e escrever palavras ou frases re- lacionadas ao desenho, com destaque para um personagem da história, até mesmo criando outras histórias. Dentre os resultados alcançados no relato anterior, foi possível observar a motivação da aluna durante as aulas, a valorização de suas produções diferenciadas, a tranquilidade da pro- fessora em não dar ênfase exagerada ao desempenho superior da menina e a confecção de um produto significativo, um livro a respeito de um personagem de um dos livros, elabora- do a partir das habilidades criativas e imaginativas da autora. Muitas vezes, por desatenção ou mesmo falta de conhecimento e despreparo, tanto da família como de professores, não se percebe na infância que a criança possui habilidades diferenciadas, sobretudo quando ocorre de a criança ser muito boa em um único fator e in- clusive ter dificuldades nos demais. Assim, chegam na adolescência e por falta de atividades desafiadoras, também há dificuldades na identificação, uma vez que a ênfase pode ser a re- petição ao exemplo, com a orientação de seguir o modelo e a rotina. A inibição própria do adolescente se constitui em outro fator importante. A fim de perten- cerem ao grupo (maioria) e serem aceitos, alguns alunos com altas habilidades/superdotação passam a reduzir as notas das avaliações e expressar problemas de comportamento e rebeldia para não se diferenciarem dos demais, não sofrerem com apelidos e não serem rechaçados.
  • 4. 4 Unicesumar estudo de caso Os referidos alunos passam sem serem notados na escola devido ao desconhecimento dos educadores, daí a importância da capacitação e atualização dos profissionais da edu- cação a respeito do tema. A formação apropriada reduz os mitos e preconceitos e evita os estereótipos que rotulam e discriminam. O educador pode considerar diferentes aspectos manifestos pelos alunos, bem como os estilos e perfis expressos e várias situações educacionais. Alguns questionamentos surgem quanto a: • Expectativas com relação ao trabalho a desenvolver. • Maneira de organização do pensamento (lógica). • Aspecto em destaque que envolvem a verbalização ou a execução. • Preferências quanto a forma de aprender. • Se há dificuldade para demonstrar o que sabe ou o que aprende. • Como registra suas descobertas. A partir da observação, entrevistas, interação e verificação das características pessoais, sociais e afetivas predominantes, é possível estabelecer o plano de ação docente, com algumas atividades que abordem as diversas áreas de aptidões e interesses dos alunos com altas habilidades/superdotação. O professor deve levar em consideração as várias habilidades em diferentes níveis e as- pectos dos alunos: por exemplo, para alunos que apresentam maior facilidade em algumas disciplinas específicas, ou seja, possuem facilidade na execução de atividades que envolvam as áreas ou disciplinas escolares que requerem conhecimento específico, interesses, infor- mações e realização de atividades variadas para registrar o conhecimento, em especial, por meio da escrita ou da arte. Para alunos com perfil criativo e produtivo, em virtude da facilidade para criar, imaginar, ter pensamentos inusitados, recomenda-se, por exemplo, exercícios de criatividade e imagi- nação para resolução de problemas com elaboração de estratégias em situações incomuns. Percebe-se que, tanto no caso da criança como dos adolescentes, é essencial a atenção da família de dos professores na identificação dessas características particulares, a fim de que possam efetivamente elaborar estratégias que ofereçam os estímulos adequados, sem trau- matizar esses indivíduos e muito menos tratá-los como gênios ou como pessoas diferentes.
  • 5. Unicesumar 5 estudo de caso Suas habilidades precisam ser desenvolvidas assim como precisam ser estimulados e tra- balhados também os outros aspectos dos quais não se sobressaem, pois é necessário pensar no processo de ensino e aprendizagem de maneira holística, a fim de que todas as áreas do saber possam ser trabalhadas e desenvolvidas. Assim, aquela que se tem maior habilidade deve ser trabalhada em conjunto com as demais, levando esse aluno a melhorar seus conhe- cimentos adquiridos e sistematizados, sobretudo, podendo relacioná-los com sua realidade e com a vida cotidiana. Dessa forma, com os estímulos adequados e com a oferta de um ensino desafiador, os alunos com altas habilidades/superdotação se sentirão mais motivados e envolvidos como agentes participativos da própria formação.