SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Adm. Hélio Lemes Costa Jr. M.Eng. Programação de Computadores Introdução a Algoritmos
Agenda de Aula O que é “ lógica ” ou “ pensamento lógico ”? O que é  algoritmo ? Alguns outros conceitos de  algoritmos Exemplos de  algoritmos Exercícios de Fixação e aprendizado
Exemplos de Algoritmos ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Trocar a lâmpada
O que é “ lógica ” ou “ pensamento lógico ”? Lógica é a forma correta de  organizar os pensamentos  e demonstrar o raciocínio de maneira correta. A utilização da lógica é a melhor forma de solucionar problemas e atingir objetivos.
O que é “ lógica ” ou “ pensamento lógico ”? Sempre que se quer  pensar ,  falar  ou  escrever  corretamente, deve-se colocar os  pensamentos  em ordem.
Exemplo Todo mamífero é um animal. Todo cavalo é mamífero. PORTANTO, todo mamífero é animal.
A lógica é muito importante em nossa vida, no dia- a- dia. Veja os exemplos abaixo: A gaveta está fechada. A Bala está dentro da gaveta Preciso primeiro abrir a gaveta, para depois pegar a bala.
Recapitulando... O que é “ lógica ” ou “ pensamento lógico ”? é a forma correta de  organizar os pensamentos  e demonstrar o raciocínio de maneira correta.
O que é  algoritmo ? Um Algoritmo é uma seqüência de instruções ordenadas de forma lógica para a resolução de uma determinada tarefa ou problema  A seguir, um exemplo de algoritmo não computacional...
 
Algoritmo Apesar do nome estranho, os algoritmos são muito comuns no nosso cotidiano, como por exemplo, em uma receita de bolo . Nela estão escritos os ingredientes necessários e a seqüências de passos ou ações a serem cumpridos para que se consiga fazer um determinado tipo de bolo. Em um modo geral, um algoritmo segue um determinado padrão de comportamento, com objetivo de alcançar a solução de um problema.
Algoritmo Padrão de Comportamento: Imagine a seqüência de números:  1, 6, 11, 16, 21, 26, ...  Para determinar qual será o sétimo elemento dessa série, precisamos descobrir qual é a sua regra de formação, isto é, qual é o seu padrão de comportamento. Regra: X + 5
Alguns outros conceitos de  algoritmos ,[object Object],Palavras que sempre encontramos nos conceitos de algoritmos: Organizada Seqüência passos receita instrução
Exercícios de Fixação ,[object Object]
Elabore um algoritmo que mova 3 discos de uma torre de Hanói, que consiste em 3 hastes (a-b-c), uma das quais serve de suporte para os três discos de tamanhos diferentes (1-2-3), os menores sobre os maiores. Pode-se mover um disco de cada vez para qualquer haste, sendo que nunca deve ser colocado um disco maior sobre um menor. O objetivo é transferir os três discos da haste A para haste C.
Mova <disco n> da haste <n1> para haste <n2> Passo 1 Passo 2 Passo 3 Passo 4 Passo 5 Passo 6 Passo 7 Mova Disco 1 da haste a para a haste c Mova Disco 2 da haste a para a haste b Mova Disco 1 da haste c para a haste b Mova Disco 3 da haste a para a haste c Mova Disco 1 da haste b para a haste a Mova Disco 2 da haste b para a haste c Mova Disco 1 da haste a para a haste c
Algoritmo computacional – Trabalhando os conceitos Um algoritmo é um procedimento computacional definido que recebe um ou mais valores  (entrada)  e produz um ou mais valores  (saída) .  Entrada Saída EPS
Algoritmo computacional – Trabalhando os conceitos O algoritmo é aquela fórmula matemática, aquele pedaço de código, que fica ali no meio da entrada e da saída para transformar o primeiro no segundo. Vamos supor por exemplo que temos a função:             A sua entrada é o  x  e a sua saída é o  y  (ou  f(x) , o valor que a função retorna).
Algoritmo computacional – Trabalhando os conceitos Os passos do algoritmo para resolução deste problema ficariam da seguinte forma: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Pseudocódigo – Introdução. É uma forma genérica de escrever um algoritmo, utilizando uma linguagem simples (nativa a quem o escreve, de forma a ser entendida por qualquer pessoa) sem necessidade de conhecer a  sintaxe  de nenhuma linguagem de programação.  Como ficaria a escrita do algoritmo para a resolução deste problema, independente do valor de X?
algoritmo &quot;calculaX&quot; // Função : Calcular: F(x) = (X2)/2 // Autor : Prof. Reverton Cristaldo // Data : 31/7/2008 // Seção de Declarações  var x : real y : real inicio // Seção de Comandos  leia(x) y <- (x * x)/3 escreva(&quot;O Valor de F(x) é : &quot;, y:2:2) fimalgoritmo Variáveis
Pseudocódigo    Linguagem de Programação Pascal algoritmo &quot;calculaX&quot; // Função : Calcular: F(x) = (X2)/2 // Autor : Prof. Reverton Cristaldo // Data : 31/7/2008 // Seção de Declarações  var x : real y : real inicio // Seção de Comandos  leia(x) y <- (x * x)/3 escreva(&quot;O Valor de F(x) é : &quot;, y:2:2) fimalgoritmo program calculaX; uses Crt; { Função : Calcular: F(x) = (X2)/2} { Autor : Prof. Reverton Cristaldo} { Data : 31/7/2008} { Seção de Declarações} var x : real; y : real; begin { Seção de Comandos} readln(x); y := (x * x)/3; write('O Valor de F(x) é : ', y:2:2); end. Pseudocódigo Pascal
Fatores a serem levados em consideração na construção de um algoritmo 1. Complexidade Percebemos que, na medida em que  colocamos situações novas  no problema a ser resolvido, o algoritmo  vai aumentando a sua complexidade .  Esse certamente é o maior problema envolvido na construção de algoritmos.
Complexidade A complexidade pode ser vista como um sinônimo de variedade ( quantidade de situações diferentes que um problema pode apresentar ), as quais devem ser previstas na sua solução. Complexo Simples
Exemplo de Complexidade Ah!, Sim! Pode ser digital E um relógio sem ponteiro, pode ? Pode..com 3,2 ou 1 ponteiro E um relógio com 1 ponteiro é possível? É...Pode ser Um relógio com 2 ponteiros é possível? É um instrumento com três ponteiros concêntricos O que é um Relógio ?
Exemplo de Complexidade É um instrumento cuja finalidade é marcar o decorrer do tempo. O que é um relógio ? Algumas variáveis podem aumentar ou diminuir a complexidade de um sistema quando forem bem ou mal utilizadas.
Exercícios de Fixação e aprendizado ,[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hidrocarbonetos ramificados
Hidrocarbonetos ramificadosHidrocarbonetos ramificados
Hidrocarbonetos ramificados
Valter Moreira
 
Como Resolver Problemas
Como Resolver ProblemasComo Resolver Problemas
Exercícios Resolvidos: Integração por substituição trigonométrica
Exercícios Resolvidos: Integração por substituição trigonométricaExercícios Resolvidos: Integração por substituição trigonométrica
Exercícios Resolvidos: Integração por substituição trigonométrica
Diego Oliveira
 
Introdução à Reações Orgânicas
Introdução à Reações OrgânicasIntrodução à Reações Orgânicas
Introdução à Reações Orgânicas
Cláudio Santos
 
Complexos aula 1 (1)
Complexos aula 1 (1)Complexos aula 1 (1)
Complexos aula 1 (1)
imperador Bruno Lafaeti
 
qui221_ab_atom.ppt
qui221_ab_atom.pptqui221_ab_atom.ppt
qui221_ab_atom.ppt
MicheleCristinBehren1
 
Aula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de BohrAula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Newton Silva
 
Conjuntos numéricos
Conjuntos numéricosConjuntos numéricos
Conjuntos numéricos
Alexandre Cirqueira
 
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmicaTeorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Victor Said
 
Resolução lista terceira_unidade
Resolução lista terceira_unidadeResolução lista terceira_unidade
Resolução lista terceira_unidade
Livia Cristina
 
Diagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e CronogramaDiagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e Cronograma
Marcelo Coutinho
 
Atividade 2º ano (termoquímica)
Atividade  2º ano (termoquímica)Atividade  2º ano (termoquímica)
Atividade 2º ano (termoquímica)
Junior Oliveira
 
Raciocínio lógico parte 1
Raciocínio lógico   parte 1Raciocínio lógico   parte 1
Oficina Design Thinking para Educadores - por Davi Moreno
Oficina Design Thinking para Educadores - por Davi MorenoOficina Design Thinking para Educadores - por Davi Moreno
Oficina Design Thinking para Educadores - por Davi Moreno
Davi Moreno
 
Dilatometria
 Dilatometria Dilatometria
Dilatometria
Gilberto Sousa
 
Considerações sobre a aprendizagem da equação do 2° grau completa
Considerações sobre a aprendizagem da equação do 2° grau completaConsiderações sobre a aprendizagem da equação do 2° grau completa
Considerações sobre a aprendizagem da equação do 2° grau completa
slucarz
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
Fernando Lucas
 
Multiplicação e divisão de inteiros.
Multiplicação e divisão de inteiros.Multiplicação e divisão de inteiros.
Multiplicação e divisão de inteiros.
Adriano Augusto
 
Aula de Matemática para o 1º do ensino medio
Aula de Matemática para o 1º do ensino medioAula de Matemática para o 1º do ensino medio
Aula de Matemática para o 1º do ensino medio
Ana Paula Azevedo
 
10 D Projeto Detalhado
10 D Projeto Detalhado10 D Projeto Detalhado
10 D Projeto Detalhado
Marcel Gois
 

Mais procurados (20)

Hidrocarbonetos ramificados
Hidrocarbonetos ramificadosHidrocarbonetos ramificados
Hidrocarbonetos ramificados
 
Como Resolver Problemas
Como Resolver ProblemasComo Resolver Problemas
Como Resolver Problemas
 
Exercícios Resolvidos: Integração por substituição trigonométrica
Exercícios Resolvidos: Integração por substituição trigonométricaExercícios Resolvidos: Integração por substituição trigonométrica
Exercícios Resolvidos: Integração por substituição trigonométrica
 
Introdução à Reações Orgânicas
Introdução à Reações OrgânicasIntrodução à Reações Orgânicas
Introdução à Reações Orgânicas
 
Complexos aula 1 (1)
Complexos aula 1 (1)Complexos aula 1 (1)
Complexos aula 1 (1)
 
qui221_ab_atom.ppt
qui221_ab_atom.pptqui221_ab_atom.ppt
qui221_ab_atom.ppt
 
Aula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de BohrAula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de Bohr
 
Conjuntos numéricos
Conjuntos numéricosConjuntos numéricos
Conjuntos numéricos
 
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmicaTeorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
 
Resolução lista terceira_unidade
Resolução lista terceira_unidadeResolução lista terceira_unidade
Resolução lista terceira_unidade
 
Diagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e CronogramaDiagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e Cronograma
 
Atividade 2º ano (termoquímica)
Atividade  2º ano (termoquímica)Atividade  2º ano (termoquímica)
Atividade 2º ano (termoquímica)
 
Raciocínio lógico parte 1
Raciocínio lógico   parte 1Raciocínio lógico   parte 1
Raciocínio lógico parte 1
 
Oficina Design Thinking para Educadores - por Davi Moreno
Oficina Design Thinking para Educadores - por Davi MorenoOficina Design Thinking para Educadores - por Davi Moreno
Oficina Design Thinking para Educadores - por Davi Moreno
 
Dilatometria
 Dilatometria Dilatometria
Dilatometria
 
Considerações sobre a aprendizagem da equação do 2° grau completa
Considerações sobre a aprendizagem da equação do 2° grau completaConsiderações sobre a aprendizagem da equação do 2° grau completa
Considerações sobre a aprendizagem da equação do 2° grau completa
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Multiplicação e divisão de inteiros.
Multiplicação e divisão de inteiros.Multiplicação e divisão de inteiros.
Multiplicação e divisão de inteiros.
 
Aula de Matemática para o 1º do ensino medio
Aula de Matemática para o 1º do ensino medioAula de Matemática para o 1º do ensino medio
Aula de Matemática para o 1º do ensino medio
 
10 D Projeto Detalhado
10 D Projeto Detalhado10 D Projeto Detalhado
10 D Projeto Detalhado
 

Semelhante a Algoritmos

Aula2
Aula2Aula2
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Capítulo 01 Livro Algoritmos e Programação de Computadores Autores JR., Diler...
Capítulo 01 Livro Algoritmos e Programação de Computadores Autores JR., Diler...Capítulo 01 Livro Algoritmos e Programação de Computadores Autores JR., Diler...
Capítulo 01 Livro Algoritmos e Programação de Computadores Autores JR., Diler...
Os Fantasmas !
 
Aula1
Aula1Aula1
ApostilaAlgoritmo
ApostilaAlgoritmoApostilaAlgoritmo
ApostilaAlgoritmo
progidio
 
Algoritmos e Programação
Algoritmos e ProgramaçãoAlgoritmos e Programação
Algoritmos e Programação
Gabriel Demétrio
 
Forb.cap1
Forb.cap1Forb.cap1
Aulas 13 e 14 - Algoritmos
Aulas 13 e 14 - AlgoritmosAulas 13 e 14 - Algoritmos
Aulas 13 e 14 - Algoritmos
Jocelma Rios
 
Lógica de Programação
Lógica de ProgramaçãoLógica de Programação
Lógica de Programação
Claudio Stein Junior
 
Algoritmos e Programação_01
Algoritmos e Programação_01Algoritmos e Programação_01
Algoritmos e Programação_01
Gabriel Demétrio
 
Aula 3-lógica.pptx
Aula 3-lógica.pptxAula 3-lógica.pptx
Aula 3-lógica.pptx
GustavoBarrosLins1
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
angelicamenegassi
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
angelicamenegassi
 
Lógica de programação - ifro - Vilhena - Turma: Técnicos em Informática
Lógica de programação - ifro - Vilhena - Turma: Técnicos em InformáticaLógica de programação - ifro - Vilhena - Turma: Técnicos em Informática
Lógica de programação - ifro - Vilhena - Turma: Técnicos em Informática
Lohraine Ifro Oliveira
 
Logica Algoritmo 02 Algoritmo
Logica Algoritmo 02 AlgoritmoLogica Algoritmo 02 Algoritmo
Logica Algoritmo 02 Algoritmo
Regis Magalhães
 
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
jormad
 
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
tuelocg
 
Aula02
Aula02Aula02
Introdução aos algoritmos e à algoritmia.pptx
Introdução aos algoritmos e à algoritmia.pptxIntrodução aos algoritmos e à algoritmia.pptx
Introdução aos algoritmos e à algoritmia.pptx
Paulo Cardoso
 
Algoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmos
Algoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmosAlgoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmos
Algoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmos
Rodrigo Kiyoshi Saito
 

Semelhante a Algoritmos (20)

Aula2
Aula2Aula2
Aula2
 
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
 
Capítulo 01 Livro Algoritmos e Programação de Computadores Autores JR., Diler...
Capítulo 01 Livro Algoritmos e Programação de Computadores Autores JR., Diler...Capítulo 01 Livro Algoritmos e Programação de Computadores Autores JR., Diler...
Capítulo 01 Livro Algoritmos e Programação de Computadores Autores JR., Diler...
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 
ApostilaAlgoritmo
ApostilaAlgoritmoApostilaAlgoritmo
ApostilaAlgoritmo
 
Algoritmos e Programação
Algoritmos e ProgramaçãoAlgoritmos e Programação
Algoritmos e Programação
 
Forb.cap1
Forb.cap1Forb.cap1
Forb.cap1
 
Aulas 13 e 14 - Algoritmos
Aulas 13 e 14 - AlgoritmosAulas 13 e 14 - Algoritmos
Aulas 13 e 14 - Algoritmos
 
Lógica de Programação
Lógica de ProgramaçãoLógica de Programação
Lógica de Programação
 
Algoritmos e Programação_01
Algoritmos e Programação_01Algoritmos e Programação_01
Algoritmos e Programação_01
 
Aula 3-lógica.pptx
Aula 3-lógica.pptxAula 3-lógica.pptx
Aula 3-lógica.pptx
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
 
Lógica de programação - ifro - Vilhena - Turma: Técnicos em Informática
Lógica de programação - ifro - Vilhena - Turma: Técnicos em InformáticaLógica de programação - ifro - Vilhena - Turma: Técnicos em Informática
Lógica de programação - ifro - Vilhena - Turma: Técnicos em Informática
 
Logica Algoritmo 02 Algoritmo
Logica Algoritmo 02 AlgoritmoLogica Algoritmo 02 Algoritmo
Logica Algoritmo 02 Algoritmo
 
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
 
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
 
Aula02
Aula02Aula02
Aula02
 
Introdução aos algoritmos e à algoritmia.pptx
Introdução aos algoritmos e à algoritmia.pptxIntrodução aos algoritmos e à algoritmia.pptx
Introdução aos algoritmos e à algoritmia.pptx
 
Algoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmos
Algoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmosAlgoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmos
Algoritmos - Aula 02 - Construcao de algoritmos
 

Mais de Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha

Administração de Sistemas de Informação - Capítulo 2
Administração de Sistemas de Informação - Capítulo 2Administração de Sistemas de Informação - Capítulo 2
Administração de Sistemas de Informação - Capítulo 2
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
Administração de Sistemas de Informação - capítulo 1
Administração de Sistemas de Informação - capítulo 1Administração de Sistemas de Informação - capítulo 1
Administração de Sistemas de Informação - capítulo 1
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
Administração de Sistemas de Informação 01
Administração de Sistemas de Informação 01Administração de Sistemas de Informação 01
Administração de Sistemas de Informação 01
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
O que é a Engenharia de Produção
O que é a Engenharia de ProduçãoO que é a Engenharia de Produção
O que é a Engenharia de Produção
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
Computação no Desenvolvimento de Jogos Digitais
Computação no Desenvolvimento de Jogos DigitaisComputação no Desenvolvimento de Jogos Digitais
Computação no Desenvolvimento de Jogos Digitais
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
Serviços de TI alavancam economia brasileira
Serviços de TI alavancam economia brasileiraServiços de TI alavancam economia brasileira
Serviços de TI alavancam economia brasileira
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
O Big Mac e a Engenharia de Produção
O Big Mac e a Engenharia de ProduçãoO Big Mac e a Engenharia de Produção
O Big Mac e a Engenharia de Produção
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
Introdução à Engenharia de Produção - 01
Introdução à Engenharia de Produção - 01Introdução à Engenharia de Produção - 01
Introdução à Engenharia de Produção - 01
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
Por que gestão em TI
Por que gestão em TIPor que gestão em TI
Empreender em Desenvolvimento Web - Thiago Giovanella
Empreender em Desenvolvimento Web - Thiago GiovanellaEmpreender em Desenvolvimento Web - Thiago Giovanella
Empreender em Desenvolvimento Web - Thiago Giovanella
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
Apresentação Daniel Linusbera
Apresentação Daniel LinusberaApresentação Daniel Linusbera
Apresentação Daniel Linusbera
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e DefiniçõesSustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
Inteligência Artificial
Inteligência ArtificialInteligência Artificial
Classification for arrangements of small technology-based firms
Classification for arrangements of small technology-based firmsClassification for arrangements of small technology-based firms
Classification for arrangements of small technology-based firms
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
Governo Eletrônico no Sul de Minas
Governo Eletrônico no Sul de MinasGoverno Eletrônico no Sul de Minas
Governo Eletrônico no Sul de Minas
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
CiberEscola - TecnoFaceca 2011
CiberEscola - TecnoFaceca 2011CiberEscola - TecnoFaceca 2011
Storage - TecnoFaceca 2011
Storage - TecnoFaceca 2011Storage - TecnoFaceca 2011
Gestão da inovação na British Columbia
Gestão da inovação na British ColumbiaGestão da inovação na British Columbia
Gestão da inovação na British Columbia
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
Pulando o muro: Ciência Transformada em Lucro
Pulando o muro: Ciência Transformada em LucroPulando o muro: Ciência Transformada em Lucro
Pulando o muro: Ciência Transformada em Lucro
Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha
 
História do computador
História do computadorHistória do computador

Mais de Universidade Federal de Alfenas - Campus Varginha (20)

Administração de Sistemas de Informação - Capítulo 2
Administração de Sistemas de Informação - Capítulo 2Administração de Sistemas de Informação - Capítulo 2
Administração de Sistemas de Informação - Capítulo 2
 
Administração de Sistemas de Informação - capítulo 1
Administração de Sistemas de Informação - capítulo 1Administração de Sistemas de Informação - capítulo 1
Administração de Sistemas de Informação - capítulo 1
 
Administração de Sistemas de Informação 01
Administração de Sistemas de Informação 01Administração de Sistemas de Informação 01
Administração de Sistemas de Informação 01
 
O que é a Engenharia de Produção
O que é a Engenharia de ProduçãoO que é a Engenharia de Produção
O que é a Engenharia de Produção
 
Computação no Desenvolvimento de Jogos Digitais
Computação no Desenvolvimento de Jogos DigitaisComputação no Desenvolvimento de Jogos Digitais
Computação no Desenvolvimento de Jogos Digitais
 
Serviços de TI alavancam economia brasileira
Serviços de TI alavancam economia brasileiraServiços de TI alavancam economia brasileira
Serviços de TI alavancam economia brasileira
 
O Big Mac e a Engenharia de Produção
O Big Mac e a Engenharia de ProduçãoO Big Mac e a Engenharia de Produção
O Big Mac e a Engenharia de Produção
 
Introdução à Engenharia de Produção - 01
Introdução à Engenharia de Produção - 01Introdução à Engenharia de Produção - 01
Introdução à Engenharia de Produção - 01
 
Por que gestão em TI
Por que gestão em TIPor que gestão em TI
Por que gestão em TI
 
Empreender em Desenvolvimento Web - Thiago Giovanella
Empreender em Desenvolvimento Web - Thiago GiovanellaEmpreender em Desenvolvimento Web - Thiago Giovanella
Empreender em Desenvolvimento Web - Thiago Giovanella
 
Apresentação Daniel Linusbera
Apresentação Daniel LinusberaApresentação Daniel Linusbera
Apresentação Daniel Linusbera
 
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e DefiniçõesSustentabilidade: Conceitos e Definições
Sustentabilidade: Conceitos e Definições
 
Inteligência Artificial
Inteligência ArtificialInteligência Artificial
Inteligência Artificial
 
Classification for arrangements of small technology-based firms
Classification for arrangements of small technology-based firmsClassification for arrangements of small technology-based firms
Classification for arrangements of small technology-based firms
 
Governo Eletrônico no Sul de Minas
Governo Eletrônico no Sul de MinasGoverno Eletrônico no Sul de Minas
Governo Eletrônico no Sul de Minas
 
CiberEscola - TecnoFaceca 2011
CiberEscola - TecnoFaceca 2011CiberEscola - TecnoFaceca 2011
CiberEscola - TecnoFaceca 2011
 
Storage - TecnoFaceca 2011
Storage - TecnoFaceca 2011Storage - TecnoFaceca 2011
Storage - TecnoFaceca 2011
 
Gestão da inovação na British Columbia
Gestão da inovação na British ColumbiaGestão da inovação na British Columbia
Gestão da inovação na British Columbia
 
Pulando o muro: Ciência Transformada em Lucro
Pulando o muro: Ciência Transformada em LucroPulando o muro: Ciência Transformada em Lucro
Pulando o muro: Ciência Transformada em Lucro
 
História do computador
História do computadorHistória do computador
História do computador
 

Algoritmos

  • 1. Prof. Adm. Hélio Lemes Costa Jr. M.Eng. Programação de Computadores Introdução a Algoritmos
  • 2. Agenda de Aula O que é “ lógica ” ou “ pensamento lógico ”? O que é algoritmo ? Alguns outros conceitos de algoritmos Exemplos de algoritmos Exercícios de Fixação e aprendizado
  • 3.
  • 4. O que é “ lógica ” ou “ pensamento lógico ”? Lógica é a forma correta de organizar os pensamentos e demonstrar o raciocínio de maneira correta. A utilização da lógica é a melhor forma de solucionar problemas e atingir objetivos.
  • 5. O que é “ lógica ” ou “ pensamento lógico ”? Sempre que se quer pensar , falar ou escrever corretamente, deve-se colocar os pensamentos em ordem.
  • 6. Exemplo Todo mamífero é um animal. Todo cavalo é mamífero. PORTANTO, todo mamífero é animal.
  • 7. A lógica é muito importante em nossa vida, no dia- a- dia. Veja os exemplos abaixo: A gaveta está fechada. A Bala está dentro da gaveta Preciso primeiro abrir a gaveta, para depois pegar a bala.
  • 8. Recapitulando... O que é “ lógica ” ou “ pensamento lógico ”? é a forma correta de organizar os pensamentos e demonstrar o raciocínio de maneira correta.
  • 9. O que é algoritmo ? Um Algoritmo é uma seqüência de instruções ordenadas de forma lógica para a resolução de uma determinada tarefa ou problema A seguir, um exemplo de algoritmo não computacional...
  • 10.  
  • 11. Algoritmo Apesar do nome estranho, os algoritmos são muito comuns no nosso cotidiano, como por exemplo, em uma receita de bolo . Nela estão escritos os ingredientes necessários e a seqüências de passos ou ações a serem cumpridos para que se consiga fazer um determinado tipo de bolo. Em um modo geral, um algoritmo segue um determinado padrão de comportamento, com objetivo de alcançar a solução de um problema.
  • 12. Algoritmo Padrão de Comportamento: Imagine a seqüência de números: 1, 6, 11, 16, 21, 26, ... Para determinar qual será o sétimo elemento dessa série, precisamos descobrir qual é a sua regra de formação, isto é, qual é o seu padrão de comportamento. Regra: X + 5
  • 13.
  • 14.
  • 15. Elabore um algoritmo que mova 3 discos de uma torre de Hanói, que consiste em 3 hastes (a-b-c), uma das quais serve de suporte para os três discos de tamanhos diferentes (1-2-3), os menores sobre os maiores. Pode-se mover um disco de cada vez para qualquer haste, sendo que nunca deve ser colocado um disco maior sobre um menor. O objetivo é transferir os três discos da haste A para haste C.
  • 16. Mova <disco n> da haste <n1> para haste <n2> Passo 1 Passo 2 Passo 3 Passo 4 Passo 5 Passo 6 Passo 7 Mova Disco 1 da haste a para a haste c Mova Disco 2 da haste a para a haste b Mova Disco 1 da haste c para a haste b Mova Disco 3 da haste a para a haste c Mova Disco 1 da haste b para a haste a Mova Disco 2 da haste b para a haste c Mova Disco 1 da haste a para a haste c
  • 17. Algoritmo computacional – Trabalhando os conceitos Um algoritmo é um procedimento computacional definido que recebe um ou mais valores (entrada) e produz um ou mais valores (saída) . Entrada Saída EPS
  • 18. Algoritmo computacional – Trabalhando os conceitos O algoritmo é aquela fórmula matemática, aquele pedaço de código, que fica ali no meio da entrada e da saída para transformar o primeiro no segundo. Vamos supor por exemplo que temos a função:             A sua entrada é o x e a sua saída é o y (ou f(x) , o valor que a função retorna).
  • 19.
  • 20. Pseudocódigo – Introdução. É uma forma genérica de escrever um algoritmo, utilizando uma linguagem simples (nativa a quem o escreve, de forma a ser entendida por qualquer pessoa) sem necessidade de conhecer a sintaxe de nenhuma linguagem de programação. Como ficaria a escrita do algoritmo para a resolução deste problema, independente do valor de X?
  • 21. algoritmo &quot;calculaX&quot; // Função : Calcular: F(x) = (X2)/2 // Autor : Prof. Reverton Cristaldo // Data : 31/7/2008 // Seção de Declarações var x : real y : real inicio // Seção de Comandos leia(x) y <- (x * x)/3 escreva(&quot;O Valor de F(x) é : &quot;, y:2:2) fimalgoritmo Variáveis
  • 22. Pseudocódigo  Linguagem de Programação Pascal algoritmo &quot;calculaX&quot; // Função : Calcular: F(x) = (X2)/2 // Autor : Prof. Reverton Cristaldo // Data : 31/7/2008 // Seção de Declarações var x : real y : real inicio // Seção de Comandos leia(x) y <- (x * x)/3 escreva(&quot;O Valor de F(x) é : &quot;, y:2:2) fimalgoritmo program calculaX; uses Crt; { Função : Calcular: F(x) = (X2)/2} { Autor : Prof. Reverton Cristaldo} { Data : 31/7/2008} { Seção de Declarações} var x : real; y : real; begin { Seção de Comandos} readln(x); y := (x * x)/3; write('O Valor de F(x) é : ', y:2:2); end. Pseudocódigo Pascal
  • 23. Fatores a serem levados em consideração na construção de um algoritmo 1. Complexidade Percebemos que, na medida em que colocamos situações novas no problema a ser resolvido, o algoritmo vai aumentando a sua complexidade . Esse certamente é o maior problema envolvido na construção de algoritmos.
  • 24. Complexidade A complexidade pode ser vista como um sinônimo de variedade ( quantidade de situações diferentes que um problema pode apresentar ), as quais devem ser previstas na sua solução. Complexo Simples
  • 25. Exemplo de Complexidade Ah!, Sim! Pode ser digital E um relógio sem ponteiro, pode ? Pode..com 3,2 ou 1 ponteiro E um relógio com 1 ponteiro é possível? É...Pode ser Um relógio com 2 ponteiros é possível? É um instrumento com três ponteiros concêntricos O que é um Relógio ?
  • 26. Exemplo de Complexidade É um instrumento cuja finalidade é marcar o decorrer do tempo. O que é um relógio ? Algumas variáveis podem aumentar ou diminuir a complexidade de um sistema quando forem bem ou mal utilizadas.
  • 27.