SlideShare uma empresa Scribd logo
A Apreciação Crítica
Um artigo de apreciação crítica é um texto crítico, onde o emissor exprime a sua opinião (favorável ou
desfavorável) a propósito de determinado facto narrado, objeto descrito, ideia apresentada/
espetáculo, filme...
Pode, portanto, elaborar-se um artigo de apreciação crítica a partir de um livro, de um jogo, de um
filme, de uma peça de teatro, etc.
ESTRTURA
Introdução:
Breve apresentação do facto, ideia, objeto que está na origem do texto crítico.
Desenvolvimento: Apreciação crítica do texto:
- síntese de opiniões/apreciações pessoais (Gosto/não gosto...);
- momentos argumentativos: fundamentação das opiniões formuladas através de
argumentos objetivos;
- possíveis citações do texto-fonte.
Conclusão: Referência às ideias mais relevantes.
LINGUAGEM
- Utilização de frases predominantemente declarativas e exclamativas.
- Recurso a uma linguagem valorativa ou depreciativa conforme se queira manifestar agrado ou
desagrado.
- Seleção de um título sugestivo.
- Uso de figuras de estilo que estejam de acordo com as intenções da crítica(hipérbole, metáfora,
comparação, ironia, etc).
Apreciação Crítica
Exemplo
APRECIAÇÃO CRÍTICA DE PEÇA DE TEATRO
A peça de teatro referente ao tema que está a ser lecionado nas aulas de Português foi
visualizada numa sala do Convento de Mafra adaptada ao teatro.
A peça começou de uma forma engraçada, com dois dos camareiros do Rei e da Rainha a falarem
sobre a vida pessoal dos monarcas. De seguida, ficámos a conhecer Blimunda e Baltasar e, mais tarde,
o padre Bartolomeu, o el-rei D. João V, o seu contabilista, o frade que prometeu um filho a el-rei, se
este construísse o convento para os Franciscanos, e ainda o pai de Baltasar e o senhor Scarlatti.
O espaço que estava à disposição para o teatro era bastante limitado, mas foi muito bem
aproveitado e, por causa disso, não tive quaisquer dúvidas sobre o espaço físico em que as ações
tinham lugar. Além do cenário estar muito bem concebido, a iluminação também estava ótima; gostei
bastante da maneira com que utilizaram a iluminação para criar suspense ou dar uma atmosfera de
felicidade e excitação; as escolhas que fizeram com as músicas foram acertadas, especialmente no
momento em que Blimunda estava a recolher as vontades daqueles que tinham morrido de doença.
Os atores desempenharam o seu papel bastante razoavelmente, gostei de ver as suas interações,
se bem que, na minha opinião, os atores que desempenharam o papel de camareiros e deram início à
peça, foram os melhores. Eles conseguiram desempenhar os seus papéis na perfeição, mesmo com a
diversidade entre eles.
Penso que a peça foi bastante fiel ao texto da obra e foi uma grande ajuda para a compreensão
do “Memorial do Convento”. No geral, achei o teatro muito bom e foi sem dúvida a minha parte
favorita da visita de estudo a Mafra.
Por Daniela Durães (aluna do 12.º ano)
Exemplo
Apreciação Crítica à apresentação teatral da
"Farsa de Inês Pereira", de Gil Vicente
O desenvolvimento da nossa "veia artística" dá-se pela experiência enriquecedora de uma boa peça
de arte.
Apenas podemos criticar algo que conhecemos por experiência.
A representação da peça vicentina, retomada pela companhia de teatro "A Barraca", foi deveras
impressionante e inesperada. Tive a oportunidade de assistir à mesma no dia 31 de janeiro e, para surpresa
minha, a suposta duração da peça (1h 30 min) não seria algo pensável dada a facilidade com que a
entendemos e nos rimos da mesma.
O "cómico" é uma das grandes características inerentes à obra de Gil Vicente, que procura cativar o
público procurando também diverti-lo com momentos de obscenidade considerados, naquele tempo,
impróprios e inadequados.
A responsável pela encenação da peça "A Farsa de Inês Pereira", Maria do Céu Guerra, está, a meu
ver, de parabéns pela simplicidade e facilidade com que uma peça, que outrora foi escrita, chegue hoje às
populações mais jovens de modo a que estes saibam e conheçam os grandes dramaturgos portugueses.
Dou também os parabéns aos atores pelo notório e impressionante trabalho, bem como pelo
profissionalismo para com o público.
Graças a eles, esta peça chegou até nós e abriu-nos portas a outras representações Vicentinas, entre
outros, bem como alargou a nossa "veia artística".
A surpresa, o riso, o "suspense" e o mistério são exemplos de um misto de emoções transmitidos por
Gil Vicente e que merecem continuar a ser transmitidos para que o que é "Bom Português", não se perca
num véu de esquecimento.
Mª Inês Pimenta (aluna do 10.º ano)
Exemplo de apreciação crítica
Tragicomédia da Nau d’Amores
Love, exciting and new
A Companhia de Teatro de Almada, encenada pela
espanhola Ana Zamora, dá vida a figuras que Gil Vicente
inventou há 500 anos.
As figuras desta Tragicomédia da Nau d’Amores, inventada por Gil Vicente há quase 500 anos, são uma Princesa, que se
transfigura em Cidade de Lisboa, e se dirige ao rei e à rainha, presentes na representação; um Pagem de um príncipe de
Normandia; o mesmo Príncipe; mais quatro Fidalgos seus, que montam a nau; o próprio deus Amor, capitão da alegórica
embarcação; e, por passageiros, um “Frade doudo”; um “Pastor castelhano”, um “Negro de Beni”; um “Velho”; dois “Fidalgos
portugueses”; e um Parvo. Só por esta lista já se imagina o escopo da fantasia vicentina. Mas a representação tinha os pés bem
assentes na terra. A peça foi criada para o regresso a Portugal, em 1527, de D. João III e Catarina de Áustria, casados em 1525. O
texto é polvilhado de referências a figuras da corte joanina, que certamente estariam na assistência ou seriam conhecidas de
todos. Figuras fictícias e figuras reais, figuras típicas e figuras alegóricas coexistem no universo criado por Gil Vicente sobre as
venturas e desventuras amorosas.
Os actores desta produção da Companhia de Teatro de Almada, com encenação da espanhola Ana Zamora (que deu à sua
companhia o nome desta peça de Gil Vicente), dão vida a estas figuras, e tomam o público pela corte, monarcas incluídos na
forma de espectadores anónimos, demonstrando a continuidade dos nossos tempos com o século XVI e a continuidade de umas
nações com as outras, no espaço cultural ibérico. Para isso, sublinham o que há de comum e universal nas acções humanas. O
tema, claro, ajuda. Quem nunca se sentiu naufragar numa barca dos amantes? O rigor historiográfico não sacrifica a realização
cénica, antes pelo contrário: é no prazer de executar com brio os versos e os jogos vicentinos que se encontra boa parte da
teatralidade deste espectáculo. A música e as brincadeiras com os instrumentistas,
Quem quiser saber mais sobre o texto original, pode consultar a Internet, que lá vai encontrar tudo. Aqui, no palco, encontrará as
loucuras de amor encarnadas pelos quatro actores e pelos três músicos. Ana Zamora não faz por menos: põe em cena o espírito
chocarreiro dos carnavais ibéricos e das festas dos rapazes, do Norte da península, que vão dos caretos transmontanos aos
mascarados de Castela e Leão, para dar cor à festa. Afinal, o casal que patrocinava a actuação original representava a união
ibérica. Nas trocas e nos desenganos amorosos, a anarquia do desejo é o traço peninsular mais recorrente. Isso, pelo menos, dá
boa cara tanto a espanhóis como a portugueses. Se esta nau aportar num terminal de cruzeiros perto de si, não deixe de
embarcar nela. a desconstrução e construção do cenário, e as interpelações directas à plateia fazem o resto.
JORGE LOURAÇO FIGUEIRA (REV. PÚBLICO)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teste corrigido
Teste corrigidoTeste corrigido
Teste corrigido
Cristina Tomé
 
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do InfernoSapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Saraegli
 
Abi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosAbi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursos
Teresa Cabrita
 
Variações linguísticas
Variações linguísticasVariações linguísticas
Variações linguísticas
Geison Lima
 
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesaAuto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
António Fernandes
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
claudiagandra
 
Gil vicente
Gil vicenteGil vicente
Gil vicente
eulaliaconstantino
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - características
Lurdes Augusto
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
Helena Coutinho
 
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do InfernoEstudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Flavio Maia Custodio
 
Cena do fidalgo (1) (1)
Cena do fidalgo (1) (1)Cena do fidalgo (1) (1)
Cena do fidalgo (1) (1)
inesislinda
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
NunoNelasOliveira
 
Sujeito e predicado.ppt profª carmem lúcia
Sujeito e predicado.ppt profª carmem lúciaSujeito e predicado.ppt profª carmem lúcia
Sujeito e predicado.ppt profª carmem lúcia
salainformatizada01hl
 
Auto da barca analise completa
Auto da barca   analise completaAuto da barca   analise completa
Auto da barca analise completa
William Ferraz
 
Relações entre palavras
Relações entre palavrasRelações entre palavras
Relações entre palavras
Ana Arminda Moreira
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
AnaGomes40
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Francisco Teixeira
 
Relações entre palavras
Relações entre palavrasRelações entre palavras
Relações entre palavras
teresafraga
 
(2) património genético
(2) património genético(2) património genético
(2) património genético
Hugo Martins
 
Auto da Lusitânia - Gil Vicente
Auto da Lusitânia  -  Gil VicenteAuto da Lusitânia  -  Gil Vicente
Auto da Lusitânia - Gil Vicente
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 

Mais procurados (20)

Teste corrigido
Teste corrigidoTeste corrigido
Teste corrigido
 
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do InfernoSapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
 
Abi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosAbi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursos
 
Variações linguísticas
Variações linguísticasVariações linguísticas
Variações linguísticas
 
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesaAuto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Gil vicente
Gil vicenteGil vicente
Gil vicente
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - características
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do InfernoEstudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
 
Cena do fidalgo (1) (1)
Cena do fidalgo (1) (1)Cena do fidalgo (1) (1)
Cena do fidalgo (1) (1)
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 
Sujeito e predicado.ppt profª carmem lúcia
Sujeito e predicado.ppt profª carmem lúciaSujeito e predicado.ppt profª carmem lúcia
Sujeito e predicado.ppt profª carmem lúcia
 
Auto da barca analise completa
Auto da barca   analise completaAuto da barca   analise completa
Auto da barca analise completa
 
Relações entre palavras
Relações entre palavrasRelações entre palavras
Relações entre palavras
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
 
Relações entre palavras
Relações entre palavrasRelações entre palavras
Relações entre palavras
 
(2) património genético
(2) património genético(2) património genético
(2) património genético
 
Auto da Lusitânia - Gil Vicente
Auto da Lusitânia  -  Gil VicenteAuto da Lusitânia  -  Gil Vicente
Auto da Lusitânia - Gil Vicente
 

Semelhante a A Apreciação Crítica no programa de português.pptx

Um homem sem medo não morre 2011
Um homem sem medo não morre 2011Um homem sem medo não morre 2011
Um homem sem medo não morre 2011
Maria Franco
 
Gênero Dramático 8º ano
Gênero Dramático 8º anoGênero Dramático 8º ano
Gênero Dramático 8º ano
Kássia Mendes
 
Panorama do teatro brasileiro
Panorama do teatro brasileiroPanorama do teatro brasileiro
Panorama do teatro brasileiro
Maristela Cardoso
 
Teatro contemporâneo
Teatro contemporâneoTeatro contemporâneo
Teatro contemporâneo
Daniele Fragoso
 
Atividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsrAtividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsr
Atividades Diversas Cláudia
 
Atividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsrAtividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsr
Atividades Diversas Cláudia
 
Artes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e AtividadesArtes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e Atividades
Geo Honório
 
História do Teatro
História do TeatroHistória do Teatro
História do Teatro
Experiências Português
 
José de Alencar - Ao correr da pena
José de Alencar - Ao correr da penaJosé de Alencar - Ao correr da pena
José de Alencar - Ao correr da pena
Francis Monteiro da Rocha
 
Dramaturgos_-críticos-e-ratos - Jéssica Cristina Jardim.pdf
Dramaturgos_-críticos-e-ratos - Jéssica Cristina Jardim.pdfDramaturgos_-críticos-e-ratos - Jéssica Cristina Jardim.pdf
Dramaturgos_-críticos-e-ratos - Jéssica Cristina Jardim.pdf
Elielza3
 
Teatro Medieval
Teatro Medieval Teatro Medieval
Teatro Medieval
Victoria Pepe
 
Ficha de avaliação março
Ficha de avaliação   marçoFicha de avaliação   março
Ficha de avaliação março
Luis Martins
 
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdfhistriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
WeslleyDias8
 
As tradições profanas de teatro de bonecos na Europa
As tradições profanas de teatro de bonecos na EuropaAs tradições profanas de teatro de bonecos na Europa
As tradições profanas de teatro de bonecos na Europa
PIBID_Teatro2014
 
Humanismo português
Humanismo portuguêsHumanismo português
Humanismo português
José Ricardo Lima
 
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
CiceroMarcosSantos1
 
GV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do TeatroGV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do Teatro
Susana Sobrenome
 
Cor na teatro
Cor na teatroCor na teatro
2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro
O Ciclista
 
Renascimento shakespeare e o teatro elisabetano
Renascimento shakespeare e o teatro elisabetanoRenascimento shakespeare e o teatro elisabetano
Renascimento shakespeare e o teatro elisabetano
Isabella Silva
 

Semelhante a A Apreciação Crítica no programa de português.pptx (20)

Um homem sem medo não morre 2011
Um homem sem medo não morre 2011Um homem sem medo não morre 2011
Um homem sem medo não morre 2011
 
Gênero Dramático 8º ano
Gênero Dramático 8º anoGênero Dramático 8º ano
Gênero Dramático 8º ano
 
Panorama do teatro brasileiro
Panorama do teatro brasileiroPanorama do teatro brasileiro
Panorama do teatro brasileiro
 
Teatro contemporâneo
Teatro contemporâneoTeatro contemporâneo
Teatro contemporâneo
 
Atividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsrAtividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsr
 
Atividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsrAtividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsr
 
Artes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e AtividadesArtes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e Atividades
 
História do Teatro
História do TeatroHistória do Teatro
História do Teatro
 
José de Alencar - Ao correr da pena
José de Alencar - Ao correr da penaJosé de Alencar - Ao correr da pena
José de Alencar - Ao correr da pena
 
Dramaturgos_-críticos-e-ratos - Jéssica Cristina Jardim.pdf
Dramaturgos_-críticos-e-ratos - Jéssica Cristina Jardim.pdfDramaturgos_-críticos-e-ratos - Jéssica Cristina Jardim.pdf
Dramaturgos_-críticos-e-ratos - Jéssica Cristina Jardim.pdf
 
Teatro Medieval
Teatro Medieval Teatro Medieval
Teatro Medieval
 
Ficha de avaliação março
Ficha de avaliação   marçoFicha de avaliação   março
Ficha de avaliação março
 
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdfhistriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
 
As tradições profanas de teatro de bonecos na Europa
As tradições profanas de teatro de bonecos na EuropaAs tradições profanas de teatro de bonecos na Europa
As tradições profanas de teatro de bonecos na Europa
 
Humanismo português
Humanismo portuguêsHumanismo português
Humanismo português
 
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
 
GV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do TeatroGV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do Teatro
 
Cor na teatro
Cor na teatroCor na teatro
Cor na teatro
 
2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro
 
Renascimento shakespeare e o teatro elisabetano
Renascimento shakespeare e o teatro elisabetanoRenascimento shakespeare e o teatro elisabetano
Renascimento shakespeare e o teatro elisabetano
 

Último

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 

A Apreciação Crítica no programa de português.pptx

  • 1. A Apreciação Crítica Um artigo de apreciação crítica é um texto crítico, onde o emissor exprime a sua opinião (favorável ou desfavorável) a propósito de determinado facto narrado, objeto descrito, ideia apresentada/ espetáculo, filme... Pode, portanto, elaborar-se um artigo de apreciação crítica a partir de um livro, de um jogo, de um filme, de uma peça de teatro, etc. ESTRTURA Introdução: Breve apresentação do facto, ideia, objeto que está na origem do texto crítico. Desenvolvimento: Apreciação crítica do texto: - síntese de opiniões/apreciações pessoais (Gosto/não gosto...); - momentos argumentativos: fundamentação das opiniões formuladas através de argumentos objetivos; - possíveis citações do texto-fonte. Conclusão: Referência às ideias mais relevantes. LINGUAGEM - Utilização de frases predominantemente declarativas e exclamativas. - Recurso a uma linguagem valorativa ou depreciativa conforme se queira manifestar agrado ou desagrado. - Seleção de um título sugestivo. - Uso de figuras de estilo que estejam de acordo com as intenções da crítica(hipérbole, metáfora, comparação, ironia, etc).
  • 3. Exemplo APRECIAÇÃO CRÍTICA DE PEÇA DE TEATRO A peça de teatro referente ao tema que está a ser lecionado nas aulas de Português foi visualizada numa sala do Convento de Mafra adaptada ao teatro. A peça começou de uma forma engraçada, com dois dos camareiros do Rei e da Rainha a falarem sobre a vida pessoal dos monarcas. De seguida, ficámos a conhecer Blimunda e Baltasar e, mais tarde, o padre Bartolomeu, o el-rei D. João V, o seu contabilista, o frade que prometeu um filho a el-rei, se este construísse o convento para os Franciscanos, e ainda o pai de Baltasar e o senhor Scarlatti. O espaço que estava à disposição para o teatro era bastante limitado, mas foi muito bem aproveitado e, por causa disso, não tive quaisquer dúvidas sobre o espaço físico em que as ações tinham lugar. Além do cenário estar muito bem concebido, a iluminação também estava ótima; gostei bastante da maneira com que utilizaram a iluminação para criar suspense ou dar uma atmosfera de felicidade e excitação; as escolhas que fizeram com as músicas foram acertadas, especialmente no momento em que Blimunda estava a recolher as vontades daqueles que tinham morrido de doença. Os atores desempenharam o seu papel bastante razoavelmente, gostei de ver as suas interações, se bem que, na minha opinião, os atores que desempenharam o papel de camareiros e deram início à peça, foram os melhores. Eles conseguiram desempenhar os seus papéis na perfeição, mesmo com a diversidade entre eles. Penso que a peça foi bastante fiel ao texto da obra e foi uma grande ajuda para a compreensão do “Memorial do Convento”. No geral, achei o teatro muito bom e foi sem dúvida a minha parte favorita da visita de estudo a Mafra. Por Daniela Durães (aluna do 12.º ano)
  • 4. Exemplo Apreciação Crítica à apresentação teatral da "Farsa de Inês Pereira", de Gil Vicente O desenvolvimento da nossa "veia artística" dá-se pela experiência enriquecedora de uma boa peça de arte. Apenas podemos criticar algo que conhecemos por experiência. A representação da peça vicentina, retomada pela companhia de teatro "A Barraca", foi deveras impressionante e inesperada. Tive a oportunidade de assistir à mesma no dia 31 de janeiro e, para surpresa minha, a suposta duração da peça (1h 30 min) não seria algo pensável dada a facilidade com que a entendemos e nos rimos da mesma. O "cómico" é uma das grandes características inerentes à obra de Gil Vicente, que procura cativar o público procurando também diverti-lo com momentos de obscenidade considerados, naquele tempo, impróprios e inadequados. A responsável pela encenação da peça "A Farsa de Inês Pereira", Maria do Céu Guerra, está, a meu ver, de parabéns pela simplicidade e facilidade com que uma peça, que outrora foi escrita, chegue hoje às populações mais jovens de modo a que estes saibam e conheçam os grandes dramaturgos portugueses. Dou também os parabéns aos atores pelo notório e impressionante trabalho, bem como pelo profissionalismo para com o público. Graças a eles, esta peça chegou até nós e abriu-nos portas a outras representações Vicentinas, entre outros, bem como alargou a nossa "veia artística". A surpresa, o riso, o "suspense" e o mistério são exemplos de um misto de emoções transmitidos por Gil Vicente e que merecem continuar a ser transmitidos para que o que é "Bom Português", não se perca num véu de esquecimento. Mª Inês Pimenta (aluna do 10.º ano)
  • 5. Exemplo de apreciação crítica Tragicomédia da Nau d’Amores Love, exciting and new A Companhia de Teatro de Almada, encenada pela espanhola Ana Zamora, dá vida a figuras que Gil Vicente inventou há 500 anos. As figuras desta Tragicomédia da Nau d’Amores, inventada por Gil Vicente há quase 500 anos, são uma Princesa, que se transfigura em Cidade de Lisboa, e se dirige ao rei e à rainha, presentes na representação; um Pagem de um príncipe de Normandia; o mesmo Príncipe; mais quatro Fidalgos seus, que montam a nau; o próprio deus Amor, capitão da alegórica embarcação; e, por passageiros, um “Frade doudo”; um “Pastor castelhano”, um “Negro de Beni”; um “Velho”; dois “Fidalgos portugueses”; e um Parvo. Só por esta lista já se imagina o escopo da fantasia vicentina. Mas a representação tinha os pés bem assentes na terra. A peça foi criada para o regresso a Portugal, em 1527, de D. João III e Catarina de Áustria, casados em 1525. O texto é polvilhado de referências a figuras da corte joanina, que certamente estariam na assistência ou seriam conhecidas de todos. Figuras fictícias e figuras reais, figuras típicas e figuras alegóricas coexistem no universo criado por Gil Vicente sobre as venturas e desventuras amorosas. Os actores desta produção da Companhia de Teatro de Almada, com encenação da espanhola Ana Zamora (que deu à sua companhia o nome desta peça de Gil Vicente), dão vida a estas figuras, e tomam o público pela corte, monarcas incluídos na forma de espectadores anónimos, demonstrando a continuidade dos nossos tempos com o século XVI e a continuidade de umas nações com as outras, no espaço cultural ibérico. Para isso, sublinham o que há de comum e universal nas acções humanas. O tema, claro, ajuda. Quem nunca se sentiu naufragar numa barca dos amantes? O rigor historiográfico não sacrifica a realização cénica, antes pelo contrário: é no prazer de executar com brio os versos e os jogos vicentinos que se encontra boa parte da teatralidade deste espectáculo. A música e as brincadeiras com os instrumentistas, Quem quiser saber mais sobre o texto original, pode consultar a Internet, que lá vai encontrar tudo. Aqui, no palco, encontrará as loucuras de amor encarnadas pelos quatro actores e pelos três músicos. Ana Zamora não faz por menos: põe em cena o espírito chocarreiro dos carnavais ibéricos e das festas dos rapazes, do Norte da península, que vão dos caretos transmontanos aos mascarados de Castela e Leão, para dar cor à festa. Afinal, o casal que patrocinava a actuação original representava a união ibérica. Nas trocas e nos desenganos amorosos, a anarquia do desejo é o traço peninsular mais recorrente. Isso, pelo menos, dá boa cara tanto a espanhóis como a portugueses. Se esta nau aportar num terminal de cruzeiros perto de si, não deixe de embarcar nela. a desconstrução e construção do cenário, e as interpelações directas à plateia fazem o resto. JORGE LOURAÇO FIGUEIRA (REV. PÚBLICO)