SlideShare uma empresa Scribd logo
1|   Apostila –Apostasia



                             APOSTASIA



Os homens não podem impunemente rejeitar as advertências que Deus
em Sua misericórdia lhes envia. No tempo de Noé, uma mensagem do
Céu foi endereçada ao mundo, e a salvação do povo dependia da
maneira como a recebesse. Rejeitada a advertência, o Espírito de Deus
foi retirado da raça pecadora, e pereceram nas águas do dilúvio. Nos
dias de Abraão, a misericórdia cessou de contender com os culposos
habitantes de Sodoma, e todos, com exceção de Ló, a esposa e duas
filhas, foram consumidos pelo fogo enviado do Céu. Assim foi nos dias
de Cristo. O Filho de Deus declarara aos judeus incrédulos daquela
geração: "Vossa casa vai ficar-vos deserta." Mat. 23:38. Olhando
através dos tempos para os últimos dias, o mesmo Poder infinito
declara a respeito dos que "não receberam o amor da verdade para
se salvarem": "Por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para
que creiam a mentira; para que sejam julgados todos os que não
creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade." II Tess.
2:10-12. Sendo rejeitados os ensinos de Sua Palavra, Deus retira o Seu
Espírito e os deixa entregues aos enganos que amam. (Cristo em Seu
Santuario, 104) [Sl 14; Mat 24: 37-39; 12: 43-45; 23: 37-39; Jer 8: 5-13;
Isa 1: 3-7; Ml 2: 8, 9; Rom 2: 17-24; 11: 5; 9: 27; Isa 1: 9; 10: 20-23]


A Bíblia declara que nos últimos tempos os homens estariam absortos
em empresas mundanas, prazeres e enriquecimento. Estariam cegos
para as realidades eternas. Cristo diz: "E, como foi nos dias de Noé,
assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim
como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e
davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o
perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será
também a vinda do Filho do homem." Mat. 22: 1 – 14; 8: 11, 12. (PJ, 228)


A condição da igreja neste tempo é indicada nas palavras do
Salvador, em Apocalipse: "Tens nome de que vives, e estás morto”.
Aos que se recusam despertar de seu descuidoso sentimento de
A p o s t i l a – A p o s t a s i a |2

segurança, é dirigido aviso solene: Se não vigiares, virei a ti como
ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei.” Apoc 3: 1, 3. (GC, 309)
[Amós 3: 10-15; 4: 12; 6: 8; 8: 10-13; 9: 1-10; Oseías 8: 1-12; 3: 1-5; 4:
1-12, 17; Rom 3: 10-12]


A vinda do esposo foi à meia-noite - a hora mais tenebrosa. Assim
a vinda de Cristo será no período mais tenebroso da história deste
mundo. Os dias de Noé e de Ló ilustram a condição do mundo
exatamente antes da vinda do Filho do homem. Apontando para esse
tempo, declaram as Escrituras que Satanás trabalhará com todo poder e
"sinais, e prodígios de mentira". II Tess. 2:9. Sua obra é revelada
claramente pelas trevas que se adensam rapidamente, pela
multidão de erros, heresias e enganos destes últimos dias. Satanás
não só leva cativo o mundo, porém suas ilusões infectam até as
professas igrejas de nosso Senhor Jesus Cristo. A grande apostasia se
desenvolverá em trevas tão densas como as da meia-noite,
impenetráveis como a mais intensa escuridão. Para o povo de Deus
será uma noite de prova, noite de lamentação, noite de perseguição por
causa da verdade. Mas nessa noite de trevas brilhará a luz de Deus.
Fez que "das trevas resplandecesse a luz". II Cor. 4:6. Quando "a Terra
era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o
Espírito de Deus Se movia sobre a face das águas. E disse Deus: Haja
luz. E houve luz". Gên. 1:2 e 3. Também na noite das trevas espirituais a
Palavra de Deus diz: "Haja luz." A Seu povo, diz Ele: "Levanta-te,
resplandece, porque já vem a tua luz, e a glória do Senhor vai nascendo
sobre ti." Isa. 60:1.
"Eis", diz a Escritura, "que as trevas cobriram a Terra, e a
escuridão, os povos; mas sobre ti o Senhor virá surgindo, e a Sua
glória se verá sobre ti." Isa. 60:2.
A escuridão do falso conceito acerca de Deus é que está envolvendo o
mundo. Os homens estão perdendo o conhecimento de Seu caráter.
Este tem sido mal compreendido e mal-interpretado. Neste tempo deve
ser proclamada uma mensagem de Deus, uma mensagem de influência
iluminante e capacidade salvadora. O caráter de Deus deve tornar-se
notório. Deve ser difundida nas trevas do mundo a luz de Sua glória, a
luz de Sua benignidade, misericórdia e verdade.
3|   Apostila –Apostasia

Esta é a obra esboçada pelo profeta Isaías, nas palavras: "Tu,
anunciador de boas novas a Jerusalém, levanta a tua voz
fortemente; levanta-a, não temas e dize às cidades de Judá: Eis
aqui está o vosso Deus. Eis que o Senhor Jeová virá como o forte, e o
Seu braço dominará; eis que o Seu galardão vem com Ele, e o Seu
salário, diante da Sua face." Isa. 40:9 e 10.
Os que aguardam a vinda do esposo devem dizer ao povo: "Eis aqui
está o vosso Deus." Isa. 40:9. Os últimos raios da luz misericordiosa, a
última mensagem de graça a ser dada ao mundo, é uma revelação do
caráter do amor divino. Os filhos de Deus devem manifestar Sua
glória. Revelarão em sua vida e caráter o que a graça de Deus por eles
tem feito.
A luz do Sol da Justiça deve irradiar em boas obras - em palavras de
verdade e atos de santidade.
Cristo, o resplendor da glória do Pai, veio ao mundo como sua luz. Veio
representar Deus aos homens, e dEle está escrito que foi ungido "com o
Espírito Santo e com virtude", e "andou fazendo o bem". Atos 10:38. Na
sinagoga de Nazaré, disse: "O Espírito do Senhor é sobre Mim, pois
que Me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-Me a curar os
quebrantados do coração, a apregoar liberdade aos cativos, a dar
vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano
aceitável do Senhor." Luc. 4:18 e 19. Esta foi a obra de que
encarregou os discípulos. "Vós sois a luz do mundo", disse Ele.
"Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que
vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está
nos Céus." Mat. 5:14 e 16.
Esta é a obra que o profeta Isaías descreve, dizendo: "Porventura, não é
também que repartas o teu pão com o faminto e recolhas em casa os
pobres desterrados? E, vendo o nu, o cubras e não te escondas
daquele que é da tua carne? Então, romperá a tua luz como a alva, e a
tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante da tua face,
e a glória do Senhor será a tua retaguarda." Isa. 58:7 e 8.
Assim, pois, a glória de Deus deve brilhar mediante Sua igreja na noite
de trevas espirituais, soerguendo os oprimidos e confortando os que
choram. (PJ, 414 – 417)
A p o s t i l a – A p o s t a s i a |4

Diz o Apostolo Pedro nos últimos dias virão escarnecedores,
andando segundo as suas próprias concupiscências, e dizendo:
Onde está a promessa da Sua vinda porque desde que os pais
dormiram todas as coisas permanecem como desde o princípio." II
Ped. 3: 3, 4; Jd 18;Isa 5: 19; Luc 18: 8. Não ouvimos estas mesmas
palavras repetidas, não simplesmente pelos declaradamente ímpios,
mas por muitos que ocupam o púlpito em nosso país? "Não há motivo
para alarme", exclamam eles. "Antes que Cristo venha, todo o mundo se
converterá, e a justiça reinará durante mil anos. Paz! paz! todas as
coisas continuam como eram desde o princípio. Que ninguém se
perturbe com a excitante mensagem desses alarmistas." Mas tal
doutrina do milênio não se harmoniza com os ensinos de Cristo e Seus
apóstolos. Jesus fez a significativa pergunta: "Quando porém vier o Filho
do homem, porventura achará fé na Terra?" Luc. 18:8. E, conforme
vimos, Ele declara que o estado do mundo será como nos dias de Noé.
Paulo nos adverte que podemos esperar a iniqüidade aumentar ao
aproximar-se o fim: "O Espírito expressamente diz que nos últimos
tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos
enganadores, e a doutrinas de demônios." I Tim. 4:1. O apóstolo diz que
"nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos". II Tim. 3:1; Rom 1:
29-32. E ele dá uma lista surpreendente de pecados que se encontrarão
entre os que têm uma forma de piedade. (PP, 103)


O apostolo Paulo tenta levar a firme convicção da volta de Cristo, porém
tenta deixar firme no coração dos crentes a não se desviarem dos firmes
fundamentos e não serem levados por ventos de doutrinas (Ef 4: 14). Os
crentes devem ser firmes em seu modo de pensar.
O apostolo reconhece que o perigo de um engano é real e grave (Mat
24: 4). Os métodos de engano seriam muitos, e Paulo não trata de
limitá-los aos três mencionados (II Tes 2: 2). Mas tenta os manter firmes.
O inimigo da igreja fará sinais e milagres aparentes para induzir aos
incautos a que aceitem o grande engano ou mentira (ver 9-11). O povo
de Deus deve, por tanto, estar alerta para não ser desraigado. Sua fé
deve fundamentar-se nas claras afirmações da Palavra de Deus.
Deixa claro que Cristo não virá sem que antes seja revelado o homem
do pecado – O anticristo. E fala de uma grande apostasia, aponto de
escurecer o verdadeiro cristianismo (Atos 21: 21). Paulo deu
5|   Apostila –Apostasia

instruções definidas aos cristãos de tessalonicense a cerca desta
apostasia que viria. E predisse que essa apostasia seria por causa de
homens que se levantariam dentro da igreja, para arrastar atrás de si os
discípulos (Atos 20: 30). Ele admoestou a Timóteo acerca do perigo
similares, dizendo que chegaria o tempo quando os homens prefeririam
as fabulas e fechariam os olhos a verdade (I Tim 4: 1-3; II Tim 4: 3-4).
Pedro e Judas falam em tons duro, a cerca dos que tem abandonado o
caminho da verdade (II Pe 2: 1, 12-22; Jud 4, 10-13); e João testifica
que no tempo, quando escrevia, havia surgido muitos anticristo (I João
2: 18). O Senhor mesmo instou com seus discípulos, que tivessem
cuidado com os falsos profetas (Mat 7: 15; 24: 24), e predisse que
muitos tropeçariam (Mat 24: 10). Paulo não define bem o tipo de
apostasia, apenas deixa claro, que apostasia é religiosa é uma rebelião
espiritual e que tem uma relação primordial com a política e essa facção
era para o futuro, quando escrevia Paulo. Que seria antes do segundo
advento de Cristo, e seria como um sinal da aproximação de Sua volta.
(II Tes 2: 2). Por isto não se deveria esperar a vinda de Cristo sem que
tivesse uma grande apostasia. A profecia a cerca desta caída espiritual
parcialmente se cumpriu nos dias de Paulo e muito mais durante a
chamada idade Média. Porém seu cumprimento completo ocorreria nos
dias imediatos prévios ao regresso de Jesus. (II Cor 11: 13 – 15)

Se manifestar
Tirar o véu, descobrir, fazer saber. Se revelar. (ver com Apoc 1: 1) este
verbo se repete em II Tes 2: 6, 8, e se usa em outras partes do NT para
referir-se a revelações sobrenaturais (Mat 16: 17; Luc 10: 22;) e
especialmente para referir-se a aparição de Cristo (Luc 17: 30;)
revelação, em ( I Cor 1: 7, manifestação, em I Pe 1: 7,13, manifestado,
em I Pe 4: 13, revelação. Isto sugere que a manifestação do homem do
pecado implicaria elementos sobrenaturais e que sua esfera de
ascensão seria claramente de caráter religioso. O fato de que o homem
do pecado vai se manifestar significa que estaria oculto até certo
momento, e então se manifestaria ao mundo. – do qual ate este tempo
se fazia escondido – que se tiraria seu disfarce e aparecia tal como é, ou
que tiraria seu disfarce e se daria conhecer sua verdadeira natureza
perante os habitantes da terra.
O homem do pecado – cuja característica distintiva é o pecado. Ou filho
destinado para a perdição, que se encontra só uma vez mais nas
A p o s t i l a – A p o s t a s i a |6

Escrituras onde se usa esta denominação. O Salvador aplicou á Judas,
João 17: 12. Apostolo que uma vez foi companheiro dos discípulos e
igual a eles, porem que permitiu de tal maneira que Satanás entrar em
seu coração João 13: 2, 27, que traiu o seu Senhor Mat. 26: 47-50.
(Comentário Bíblico de II Tes 2: 2-3.).
Antes que os irmãos possam esperar a vinda de Cristo, devia
manifestar-se o homem do pecado e fazer sua obra de exaltamento e
blasfêmia. Este grande acontecimento devia ser precedido por uma
apostasia: se revelaria uma forma de anticristo, e devia atuar a levedura
da apostasia até o fim do tempo (RH 31-7 1888)
Ao mesmo tempo que exaltava a "firme palavra dos profetas" como guia
seguro em tempos de perigo, o apóstolo solenemente advertia a igreja
contra a tocha da falsa profecia, que seria erguida por "falsos doutores",
os quais introduziriam encobertamente "heresias de perdição, e negarão
o Senhor". II Ped. 2:1. Esses falsos mestres que apareceriam na igreja e
seriam considerados verdadeiros por muitos de seus irmãos na fé, são
comparados pelo apóstolo a "fontes sem água, nuvens levadas pela
força do vento; para os quais a escuridão das trevas eternamente se
reserva". II Ped. 2:17. "Tornou-se-lhes o último estado", declarou ele,
"pior do que o primeiro." "Porque melhor lhes fora não conhecerem o
caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo
mandamento que lhes fora dado." II Ped. 2: 20 – 22; Mat 12: 43 – 45;
Prov, 26: 11.
Olhando através dos séculos para o fim do tempo, Pedro foi inspirado a
esboçar as condições que prevaleceriam no mundo antes da segunda
vinda de Cristo. "Nos últimos dias virão escarnecedores", escreveu,
"andando segundo as suas próprias concupiscências, e dizendo: Onde
está a promessa da Sua vinda? Porque desde que os pais dormiram
todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação." II Ped.
3:3 e 4. Mas "quando disserem: Há paz e segurança; então lhes
sobrevirá repentina destruição". I Tess. 5:3. Nem todos, porém, seriam
enganados pelos ardis do inimigo. Ao aproximar-se o fim de todas as
coisas terrestres, haveria fiéis capazes de discernir os sinais dos
tempos. Conquanto um grande número de professos crentes negasse a
sua fé por suas obras, haveria um remanescente que preservaria até o
fim. (Atos dos Apóstolos, 535-536) Rom. 9: 27 -28; Isa 1: 9; 10: 22, 23;
Isa 11: 11, 12.
7|   Apostila –Apostasia

O apóstolo advertia Timóteo contra os falsos mestres que se
introduziriam na igreja. "Sabe, porém, isto", escreveu, "que nos últimos
dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de
si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos,
desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos... tendo aparência de
piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te." II Tim 3:1-5.
"Mas", continuou, "os homens maus e enganadores irão de mal para
pior, enganando e sendo enganados. Tu, porém, permanece naquilo
que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens
aprendido, e que desde da tua meninice sabes as Sagradas Letras, que
podem fazer-te sábio para a salvação. ... Toda a Escritura divinamente
inspirada é proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para
instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e
perfeitamente instruído para toda a boa obra." II Tim 3:13-17. Deus
proveu meios abundantes para o êxito na luta contra o mal que há no
mundo. A Bíblia é a armadura com que nos podemos equipar para a
luta. Nossos lombos devem estar cingidos com a verdade. Nossa
couraça deve ser de justiça.
Na mão devemos ter o escudo da fé, e na cabeça o capacete da
salvação; e com a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus,
devemos abrir caminho por entre as obstruções e embaraços do
pecado.
Paulo sabia estar perante a igreja um tempo de grande perigo. Sabia
que uma obra fiel e zelosa devia ser feita pelos que tinham a
responsabilidade das igrejas; assim escreveu a Timóteo: "Conjuro-te,
pois diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos
e os mortos, na Sua vinda e no Seu reino, que pregues a Palavra, instes
a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a
longanimidade e doutrina." II Tim 4:1- 5; I Tim 4: 1-5; I Tim 1: 9-10.
Esta solene incumbência a alguém tão zeloso e fiel como era Timóteo é
um forte testemunho da importância e responsabilidade da obra do
ministro evangélico. Chamando Timóteo ao tribunal de Deus, Paulo lhe
ordena pregar a Palavra, não fórmulas e ditos humanos; a testemunhar
prontamente de Deus onde quer que se lhe apresentasse oportunidade
- diante de grandes congregações ou de limitados círculos, junto aos
caminhos e nos lares, a amigos e a inimigos, fosse em segurança ou
exposto a dificuldades e perigos, injúria e danos.
A p o s t i l a – A p o s t a s i a |8

Temendo que a disposição branda e condescendente de Timóteo
pudesse levá-lo a esquivar-se de uma parte essencial de sua obra,
Paulo exorta-o a ser fiel em reprovar o pecado, e a repreender mesmo
com firmeza os que fossem culpados de males graves. Contudo devia
fazê-lo "com toda a longanimidade e doutrina". II Tim. 4:2. Devia ele
revelar a paciência e o amor de Cristo, tornando claras suas
reprovações e reforçando-as pelas verdades da Palavra.
Odiar e reprovar o pecado, e ao mesmo tempo mostrar piedade e
comiseração pelo pecador é uma difícil tarefa. Quanto mais ardentes
nossos próprios esforços para manter a santidade do coração e da vida,
tanto mais aguda nossa percepção do pecado, e mais decidida nossa
desaprovação de qualquer desvio do direito. Precisamos guardar-nos
contra a indevida severidade no trato com os que erram; mas
precisamos também ser cuidadosos para não perder de vista a
excessiva malignidade do pecado. Há necessidade de mostrar-se
paciência e amor semelhantes aos de Cristo pelo que erra, mas há
também o perigo de se mostrar tão grande tolerância pelo seu erro que
ele se considerará não merecedor de reprovação e a rejeitará como
inoportuna e injusta. Os ministros do evangelho às vezes causam
grande dano permitindo que sua tolerância pelo que erra degenere em
tolerância pelos pecados, e mesmo participação deles. Assim são
levados a desculpar e passar por alto o que Deus condena; e depois de
certo tempo tornam-se tão cegos que chegam a louvar aqueles a quem
Deus manda reprovar. Aquele que tem suas percepções espirituais
embotadas pela pecaminosa tolerância por aqueles a quem Deus
condena, em breve estarão cometendo maior pecado pela severidade e
rudeza no trato para com aqueles aos quais Deus aprova.
Por se orgulharem de humana sabedoria, por menosprezarem a
influência do Espírito Santo e por desprazer às verdades da Palavra de
Deus, muitos que professam ser cristãos e que se imaginam
competentes para ensinar a outros, serão levados a voltar as costas aos
requisitos de Deus. Paulo declarou a Timóteo: "Porque virá tempo em
que não sofrerão a sã doutrina; mas tendo comichão nos ouvidos,
amontoarão para si doutores conforme as suas próprias
concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às
fábulas." II Tim 4:3 e 4. O apóstolo não faz aqui referência a aberta
irreligiosidade, mas a professos cristãos que fazem da inclinação guia,
tornando-se assim escravos do eu. Tais pessoas estão dispostas a
9|   Apostila –Apostasia

atentar apenas às doutrinas que lhes não repreendam os pecados ou
condenem a vida de amor ao prazer. Sentem-se ofendidos pelas claras
palavras dos fiéis servos de Cristo, e escolhem mestres que os louvem
e adulem. E entre os professos ministros há os que pregam as opiniões
dos homens em lugar da Palavra de Deus. Infiéis ao dever, desviam os
que a eles vão em busca de orientação espiritual. (Atos dos Apóstolos,
502-505)
Cristo predisse que se levantariam enganadores, por cuja influência faria
transbordar a iniqüidade e esfriaria o "amor de muitos". Mat. 24:12.
Advertiu os discípulos de que a igreja se encontraria em maior perigo
por motivo desse mal, do que pela perseguição movida por seus
inimigos. Vezes e mais vezes Paulo advertiu os crentes contra esses
falsos ensinadores. Contra este perigo, acima de qualquer outro, deviam
eles precaver-se; pois que, recebendo falsos ensinadores, abririam a
porta aos erros mediante o que o inimigo turbaria as percepções
espirituais e abalaria a confiança dos recém-conversos à fé do
evangelho. Cristo era a norma pela qual deviam eles testar as doutrinas
apresentadas. Tudo o que não estivesse em harmonia com Seus
ensinos devia ser rejeitado. Cristo crucificado pelo pecado, Cristo
ressurgido dos mortos, Cristo assunto ao Céu - esta era a ciência da
salvação que eles deviam aprender e ensinar.
As advertências da Palavra de Deus com respeito aos perigos que
rodeiam a igreja cristã pertencem a nós hoje. Como nos dias dos
apóstolos os homens procuravam destruir a fé nas Escrituras pelas
tradições e filosofias, assim hoje, pelos aprazíveis sentimentos da "alta
crítica", evolução, espiritismo, teosofia e panteísmo, o inimigo da justiça
está procurando levar as almas para caminhos proibidos. Para muitos a
Bíblia é uma lâmpada sem óleo, porque voltaram a mente para canais
de crenças especulativas que produzem má compreensão e confusão.
A obra da "alta crítica", em dissecar, conjeturar, reconstruir está
destruindo a fé na Bíblia como uma revelação divina. Está roubando a
Palavra de Deus em seu poder de controlar, erguer e inspirar vidas
humanas. Pelo espiritismo, multidões são ensinadas a crer que o desejo
é a mais alta lei, que licenciosidade é liberdade, e que o homem deve
prestar contas apenas a si mesmo. (Atos dos Apóstolos, 473-474).
Por meio de adulteração e falsificação os emissários de Satanás
buscavam suscitar oposição às doutrinas de Cristo; e como
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 10

conseqüência disso, dissensões e heresias estavam pondo em perigo a
igreja. Alguns que professavam a Cristo pretendiam que Seu amor os
libertara da obediência à lei de Deus. Por outro lado muitos ensinavam
que era necessário observar os costumes e cerimônias judaicos; que a
mera observância da lei, sem fé no sangue de Cristo, era suficiente para
a salvação. Outros mantinham que Cristo fora um homem bom, mas
negavam Sua divindade. Alguns que simulavam ser leais à causa de
Deus, eram enganadores, e na prática negavam a Cristo e Seu
evangelho. Vivendo eles mesmos em transgressão, introduziam
heresias na igreja. Muitos eram assim levados a um labirinto de
ceticismo e engano. (Atos dos Apóstolos, 553)
João enchia-se de tristeza ao ver surgirem na igreja esses venenosos
erros. Viu os perigos a que a igreja seria exposta, e enfrentou a
emergência com prontidão e decisão. As epístolas de João respiram o
espírito de amor. É assim como se ele escrevesse com a pena molhada
no amor. Mas quando entrou em contato com os que estavam a quebrar
a lei de Deus, embora declarando estar vivendo sem pecado, não
hesitou em adverti-los de seu perigoso engano.
Estamos autorizados a ter na mesma consideração indicada pelo
discípulo amado os que alegam permanecer em Cristo ao mesmo
tempo que vivem em transgressão da lei de Deus. Existem nestes
últimos dias males semelhantes àqueles que ameaçavam a
prosperidade da igreja primitiva; e os ensinos do apóstolo João sobre
estes pontos deveriam ser cuidadosamente considerados. "Necessitais
mostrar caridade", é o clamor que se ouve em todos os lugares,
principalmente da parte daqueles que professam santificação. Mas a
verdadeira caridade é demasiado pura para acobertar um pecado
inconfessado. Conquanto devamos amar as almas por quem Cristo
morreu, não nos devemos comprometer com o mal. Não nos podemos
unir aos rebeldes e chamar a isto caridade. Deus requer de Seu povo
nesta fase do mundo que permaneça firme pelo direito tanto quanto
João, em oposição aos erros que arruínam a alma. (Atos dos Apóstolos,
554-555)
O apóstolo exortava os gálatas a deixar os falsos guias por quem
haviam sido desviados, e a voltar à fé que havia sido acompanhada por
inquestionáveis evidências de aprovação divina. Os homens que os
haviam procurado desviar de sua fé no evangelho eram hipócritas, de
11 |   Apostila –Apostasia

coração não santificado e vida corrupta. Sua religião era feita de um
acervo de cerimônias, por cujas práticas esperavam ganhar o favor de
Deus. Não tinham interesse num evangelho que requeria obediência à
palavra: "Aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de
Deus." João 3:3. Sentiam que uma religião baseada em tal doutrina
requeria demasiado sacrifício, e assim se apegavam a seus erros,
enganando-se a si e aos outros.
Suprir formas externas de religião em lugar de santidade de coração e
de vida, é ainda tão agradável à natureza não renovada como o foi nos
dias desses ensinadores judeus. Hoje, como então, existem falsos guias
espirituais, para cujas doutrinas muitos atentam avidamente. É estudado
esforço de Satanás desviar as mentes da esperança da salvação pela fé
em Cristo e obediência à lei de Deus. Em cada século o arquiinimigo
adapta suas tentações aos preconceitos ou inclinações daqueles a
quem está procurando enganar. Nos tempos apostólicos levou os
judeus a exaltar a lei cerimonial e rejeitar a Cristo; no presente ele induz
muitos cristãos professos, sob a pretensão de honrarem a Cristo, a pôr
em controvérsia a lei moral, e a ensinar que seus preceitos podem ser
transgredidos impunemente. É dever de cada servo de Deus opor-se
firme e decididamente a esses pervertedores da fé, e expor
destemidamente seus erros pela Palavra da verdade. (Atos dos
Apóstolos, 386-387)
As palavras de advertência do apóstolo à igreja de Corinto, são
aplicáveis a todos os tempos, e especialmente adaptadas a nossos dias.
Por idolatria entendia ele não apenas a adoração de ídolos, mas o
egocentrismo, o amor das comodidades e a condescendência com o
apetite e paixão. Uma mera profissão de fé em Cristo, um presumido
conhecimento da verdade, não tornam um homem cristão. Uma religião
que busca apenas o deleite dos olhos, dos ouvidos, do paladar, ou que
sanciona a condescendência própria, não é a religião de Cristo. (Atos
dos Apóstolos, 317)
Estamos agora a entrar nesta batalha - batalha entre as leis dos homens
e os preceitos de Jeová, entre a religião da Bíblia e a religião das
fábulas e da tradição.
A incredulidade prevalece em assustadora proporção, não somente no
mundo mas também na igreja. (GC, 582-583).
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 12

Inumeráveis são as doutrinas errôneas e as fantasiosas idéias que
estão ganhando terreno entre as igrejas da cristandade. É impossível
avaliar os maus resultados de remover um dos marcos que foram
fixados pela Palavra de Deus. Pouco dos que se arriscam a fazer isto
param com a rejeição de uma única verdade. A maioria continua a pôr
de lado, um após outro, os princípios da verdade, até que se tornam
efetivamente incrédulos.
Os erros da teologia popular têm arrastado ao ceticismo muitas almas
que poderiam de outra maneira ter sido crentes nas Escrituras.
Impossível lhes é aceitarem doutrinas que lhes ofendem o senso de
justiça, misericórdia e benevolência; e, desde que tais são apresentadas
como ensinos da Bíblia, recusam-se a recebê-la como a Palavra de
Deus. (GC, 525).
Quando se corrompeu a primitiva igreja, afastando-se da simplicidade
do evangelho e aceitando ritos e costumes pagãos, perdeu o Espírito e
o poder de Deus; e, para que pudesse governar a consciência do povo,
procurou o apoio do poder secular. Disso resultou o papado, uma igreja
que dirigia o poder do Estado e o empregava para favorecer aos seus
próprios fins, especialmente na punição da "heresia". Foi a apostasia
que levou a igreja primitiva a procurar o auxílio do governo civil, e isto
preparou o caminho para o desenvolvimento do papado - a besta. Disse
Paulo que havia de vir "a apostasia", e manifestar-se "o homem do
pecado". II Tess. 2:3.
Assim a apostasia na igreja preparará o caminho para a imagem à
besta.
A Escritura Sagrada declara que antes da vinda do Senhor existirá
um estado de decadência religiosa semelhante à dos primeiros
séculos. (GC, 443-444)
Satanás há de excitar a indignação contra uma minoria que
conscienciosamente se recusa a aceitar costumes e tradições
populares. Magistrados perseguidores, ministro e membros de igreja,
hão de conspirar contra eles. (II TS, 150).
O último grande engano deve logo patentear-se diante de nós. O
anticristo vai operar suas obras maravilhosas à nossa vista. Tão
meticulosamente a contrafação se parecerá com o verdadeiro, que será
13 |   Apostila –Apostasia

impossível distinguir entre ambos sem o auxílio das Escrituras
Sagradas. (GC, 593)
Serão introduzidas teorias com as quais não será sábio lidarmos.
Satanás é um astuto obreiro, e introduzirá falsidades sutis para
obscurecer e confundir a mente e extirpar as doutrinas da salvação. Os
que não aceitam a Palavra de Deus tal qual reza, serão apanhados em
sua armadilha.
Acho-me instruída a dizer que no futuro será necessária grande
vigilância. Importa que não haja nenhuma ignorância espiritual entre o
povo de Deus. Espíritos maus acham-se ativamente empenhados em
buscar controlar a mente de seres humanos. Os homens estão-se
atando em molhos, prontos a serem consumidos no fogo dos últimos
dias. Os que rejeitam a Cristo e Sua justiça aceitarão o engano que está
inundando o mundo. Os cristãos devem ser sóbrios e vigilantes,
resistindo com firmeza ao adversário, o diabo, que anda em derredor
bramando como leão, buscando a quem possa tragar. Homens sobre a
influência de espíritos maus operarão milagres (II ME, 52-53)

Nova ordem de coisas entrou no ministério.
Há desejo de moldar-se segundo outras igrejas, e simplicidade e
humildade são quase desconhecidas. Os ministros jovens procuram ser
originais, e introduzir idéias e planos novos para o trabalho. Alguns
iniciam reuniões de reavivamento, trazendo assim muitos conversos
para a igreja. Passada, porém, a emoção, onde estão os convertidos?
Não se vêem arrependimento e confissões de pecados. O pecador é
instado a crer em Cristo e aceitá-Lo, sem consideração quanto a sua
vida passada de pecado e rebelião. O coração não é quebrantado. Não
há contrição de alma. Os supostos conversos não caíram sobre a
Rocha, Cristo Jesus.
O Antigo e o Novo Testamentos mostram-nos o único meio por que esta
obra deve ser feita. Arrependei-vos, arrependei-vos, arrependei-vos, era
a mensagem que João Batista fazia soar no deserto. A mensagem de
Cristo ao povo, era: "Se vos não arrependerdes, todos de igual modo
perecereis." Luc. 13:5. E aos apóstolos foi ordenado pregar em toda
parte que os homens se arrependessem. O Senhor deseja que Seus
servos hoje preguem a antiga doutrina evangélica - tristeza pelo pecado,
arrependimento e confissão. Precisamos sermões à moda antiga,
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 14

costumes à antiga, pais e mães em Israel à antiga. É preciso trabalhar
pelo pecador perseverantemente, zelosa e sabiamente, até que ele veja
que é transgressor da lei de Deus, e exerça arrependimento para com
Deus, e fé no Senhor Jesus Cristo. Manuscrito 111. (II ME, 18-19)
Falsas doutrinas minarão os fundamentos de muitos, porque eles não
aprenderam a discernir a verdade do erro. Nossa única salvaguarda
contra as astúcia de Satanás é estudar as Escrituras diligentemente,
possuir inteligente compreensão da razão de nossa fé, e cumpri fielmente
todo dever conhecido. A indulgência com um pecado conhecido causará
fraqueza e trevas, e sujeita-nos a ardente tentação. (II ME, 58)
Haverá conversões muitas, segundo uma ordem particular, mas não
apresentarão a assinatura divina. Penetrará a imoralidade, e
extravagância, e muitos naufragarão na fé. Haverá areias movediças
nas quais muitos estão em perigo de submergir-se. (II ME, 59)
Toda variedade de erro será trazida à luz na misteriosa operação de
Satanás, a qual, se possível fora, enganaria até os escolhidos,
desviando-os da verdade. Haverá sabedoria humana a enfrentar - a
sabedoria de homens de saber, os quais, como os fariseus, são mestres
da lei de Deus, mas não obedecem eles próprios à lei. Haverá a
ignorância e a loucura humana a enfrentar em desconexas teorias
aparelhadas em novas e fantásticas roupagens - teorias que será tanto
mais difícil enfrentar quanto não há nelas nenhuma razão.
Haverá falsos sonhos e visões, que encerram alguma verdade, mas
desviam da fé original. O Senhor deu uma regra pela qual distingui-los:
"À lei e ao testemunho: se eles não falarem segundo esta palavra, é
porque não têm iluminação." Isa. 8:20, Versão Trinitariana. Se eles
desmerecem a lei de Deus, se não dão atenção a Sua vontade tal como
é revelada nos testemunhos de Seu Espírito, são enganadores. Eles
são controlados por impulso e impressões, que acreditam serem do
Espírito Santo, e consideram mais dignos de confiança que a Palavra
Inspirada. Pretendem que todo pensamento e sentimento é uma
impressão do Espírito; e quando se raciocina com eles segundo as
Escrituras, declaram que possuem alguma coisa mais digna de
confiança. Ao passo, porém, que pensam ser guiados pelo Espírito de
Deus, estão na verdade seguindo uma imaginação trabalhada por
Satanás. (II ME, 98-99).
15 |   Apostila –Apostasia

Na história e na profecia a Palavra de Deus descreve o longo e
continuado conflito entre a verdade e o erro. Esse conflito se acha ainda
em processo. As coisas que foram, repetir-se-ão. Velhas controvérsias
serão reavivadas, e novas teorias estarão continuamente a surgir. O
povo de Deus, porém, que em sua crença e cumprimento de profecia
desempenhou uma parte na proclamação da primeira, segunda e
terceira mensagens angélicas, sabe onde se encontra. Possuem uma
experiência que é mais preciosa que o ouro fino Devem permanecer
firmes como a rocha, retendo firmemente o princípio de sua confiança
até o fim.
Um poder transformador acompanhou a proclamação das mensagens
do primeiro e do segundo anjos, da mesma maneira que apóia a
mensagem do terceiro. Perduráveis convicções foram feitas em mentes
humanas. O poder do Espírito Santo foi manifestado. Houve diligente
estudo das Escrituras, ponto por ponto. Quase noites inteiras foram
consagradas ao diligente exame da Palavra. Pesquisávamos em busca
da verdade como de tesouros ocultos. O Senhor Se nos revelou. Foi
derramada luz sobre as profecias, e conhecemos que recebíamos
instrução divina. ...(II ME, 109)

Frio Formalismo ou Fanatismo
Formalidade, sabedoria mundana, certa esperteza e métodos
mundanos, parecerão a muitos o próprio poder de Deus, mas quando
aceitos, ficam como obstáculo impedindo a luz de Deus em
advertências, reprovação e conselho de atingir o mundo.
Ele [Satanás] está trabalhando com todo o seu poder insinuante,
enganador, para desviar os homens da mensagem do terceiro anjo, que
deve ser proclamada com forte poder. Se Satanás vê que Deus está
abençoando Seu povo e preparando-os para discernir-lhe os enganos,
trabalha com sua magistral capacidade para introduzir fanatismo de um
lado e frio formalismo de outro, para que ele possa ceifar uma colheita
de almas. Agora é nosso tempo de vigiar incessantemente. Vigiai, barrai
o caminho ao mínimo passo de avanço que Satanás possa fazer entre
vós.
Há perigo contra o qual estar acautelados à direita e à esquerda. Haverá
pessoas inexperientes, recém-conversas, que necessitam ser
fortalecidas, e terem diante de si um exemplo correto. Alguns não farão
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 16

o uso devido da doutrina da justificação pela fé. Apresentá-la-ão de
maneira unilateral.
Outros lançarão mão de idéias que não foram devidamente
apresentadas, e passam completamente sobre o limite, passando de
todo por alto as obras.
Ora, a fé genuína sempre opera por amor. Quando olhais ao Calvário
não é para aquietar vossa alma na falta de cumprimento do dever, nem
para vos acalmar para dormir, mas para criar fé em Jesus, fé que opere,
purificando a alma do lodo do egoísmo. Quando lançamos mão de
Cristo pela fé, nossa obra apenas começou. Todo homem tem hábitos
corruptos e pecaminosos que precisam ser vencidos por combate
vigoroso. Requer-se de toda alma que combata o combate da fé. Se
alguém é seguidor de Cristo, não pode ser astuto no negócio, não pode
ser duro de coração, falto de compaixão. Não pode ser vulgar na
linguagem. Não pode ser cheio de arrogância e presunção. Não pode
ser despótico, nem usar palavras ásperas, e censurar e condenar.
O trabalho de amor brota da operação da fé. A religião bíblica significa
constante trabalho. "Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens,
para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que
está nos Céus." Mat. 5:16. Operai vossa salvação com temor e tremor,
pois é Deus que opera em vós tanto o querer como o efetuar segundo a
Sua boa vontade. Devemos ser zelosos de boas obras, cuidadosos de
manter boas obras. E a Testemunha fiel diz: "Eu sei as tuas obras."
Apoc. 2:2. Se bem que seja verdade que nossas atarefadas atividades
não nos asseguram, em si mesmas, a salvação, também é verdade que
a fé que nos liga a Cristo estimulará a alma à atividade. Os que não têm
tempo para dar atenção a sua própria alma, a se examinarem
diariamente, se estão no amor de Deus, e colocarem-se no conduto da
luz, terão tempo para dar às sugestões de Satanás e à execução de
seus planos.
Satanás insinuar-se-á mediante pequenas cunhas, que se ampliam à
medida que abrem caminho. As perigosas armadilhas dele serão
introduzidas na obra especial de Deus nestes dias. (II ME, 19-21)
Neste século, justamente antes da segunda vinda de Cristo nas nuvens
do céu, o Senhor chama homens que sejam fervorosos e preparem um
povo que subsista no grande dia do Senhor. Os homens que passaram
17 |   Apostila –Apostasia

longos períodos em estudos dos livros, não estão manifestando em sua
vida aquele zeloso ministério essencial para este último tempo. Não dão
um testemunho simples, direto. Há necessidade, entre ministros e
alunos, do derramamento do Espírito de Deus. Os fervorosos apelos
apoiados de oração que partem do coração de um mensageiro que
nisso põe toda a alma, cria convicções. Não são necessários homens
letrados para isto fazerem; pois eles dependem mais de sua instrução
livresca do que de seu conhecimento de Deus e de Jesus Cristo a quem
Ele enviou. Todo aquele que conhece o único Deus vivo e verdadeiro
conhecerá a Jesus Cristo, o unigênito Filho de Deus, e pregará a Jesus
Cristo, e Ele crucificado. ...
Supõe acaso alguém que as mensagens de advertência não vêm
àqueles a quem Deus reprova? (II ME, 152).
Os ministros de Deus têm a fazer soleníssima e sagrada obra no
mundo. O fim está perto. A mensagem da verdade precisa ir avante.
Como fiéis pastores do rebanho, os servos de Deus devem dar claro e
vigoroso testemunho. Não deve haver perversão da verdade. A graça
divina nunca desvia da misericórdia e do amor de Deus. É o poder de
Satanás que faz isto. Quando Cristo pregava, Sua mensagem era qual
espada aguda, de dois gumes, penetrando a consciência dos homens e
revelando-lhes os mais íntimos pensamentos. A obra feita por Cristo
terão de fazer Seus fiéis mensageiros. Devem pregar a Palavra em
simplicidade, pureza, e na mais estrita integridade. Os que trabalham na
palavra ou doutrina, devem ser fiéis a seu encargo. Devem velar pelas
almas como quem por elas tem de dar contas. Nunca devem revestir um
"Assim diz o Senhor" de atraentes palavras de sabedoria humana.
Destroem-lhe assim a energia viva, tornando-o fraco e destituído de
poder, de modo que ele deixa de convencer do pecado. Toda palavra
proferida sob a direção do Espírito Santo será cheia da mais profunda
solicitude pela salvação de almas.
A aceitação do ministro por Deus não depende de exibição exterior, mas
de seu fiel desempenho do dever. A senda de Cristo para a exaltação foi
através da mais profunda humilhação. Os que partilham dos sofrimentos
de Cristo, que Lhe seguem fielmente as pegadas, serão participantes de
Sua glória. (II ME, 159)
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 18

Excessiva Diplomacia nas Coisas Sagradas
O evangelho sofre agora oposição de todos os lados. A confederação
do mal nunca esteve tão forte como atualmente. Os espíritos do mal se
estão combinando com agentes humanos para combater os
mandamentos de Deus. A tradição e a mentira são exaltados acima das
Escrituras; a razão e a ciência acima da revelação; o talento humano
acima dos ensinos do Espírito; formas e cerimônias acima do poder vital
da piedade. Pecados ofensivos têm separado o povo de Deus. A
infidelidade se está rapidamente tornando moda. "Não queremos que
Este reine sobre nós", é a linguagem de milhares. Luc. 19:14. Os
ministros de Deus devem erguer a voz como uma trombeta, e mostrar
ao povo as suas transgressões. Os sermões suaves tão freqüentemente
pregados, não fazem impressão duradoura. Os homens não são
tocados até ao fundo do coração, porque as claras e penetrantes
verdades da Palavra de Deus não lhes são ditas.
Muitos dos que professam crer na verdade, diriam, caso exprimissem
seus sentimentos reais: "Que necessidade há de se falar tão
positivamente?" Bem poderiam então perguntar: "Por que necessitava
João Batista de dizer aos fariseus: 'Raça de víboras, quem vos ensinou
a fugir da ira futura?' Mat. 3:7. Que necessidade tinha ele de provocar a
ira de Herodias, dizendo a Herodes que lhe era ilícito viver com a mulher
de seu irmão? Perdeu a vida, por falar assim positivamente. Por que
não poderia ter agido de maneira a não incorrer na cólera de Herodias?"
Assim têm os homens raciocinado, até que a excessiva diplomacia
tomou o lugar da fidelidade. Permite-se ao pecado passar sem
repreensão. Quando se há de ouvir mais uma vez na igreja a voz da
repreensão fiel: "Tu és este homem"? II Sam. 12:7. Não fossem tão
raras essas palavras, e veríamos mais do poder de Deus. Os
mensageiros do Senhor não se devem queixar de que seus esforços
sejam infrutíferos, enquanto não se arrependerem de seu amor pela
aprovação, seu desejo de agradar aos homens, o qual os leva a suprimir
a verdade, e a clamar: Paz, quando Deus não falou paz. (Obreiros
Evangélicos, 149-150)
19 |   Apostila –Apostasia

FALSOS PROFETAS
Mat 7: 15-17; Cf, Mat 24: 5,11, 24; Mar 13: 22. O verdadeiro profeta é
aquele que fala no lugar de Deus. Em conseqüência, o falso profeta é o
que pretende falar em lugar de Deus, quando na realidade; só profere
os pervertidos pensamentos de seu próprio coração corrupto (Isa 30: 10;
Jer 14: 13-15; 23: 16-17, 21, 25, 30-32, 38; 29: 8-9; Ez. 13: 2-3, 10-11).
Comparar isto com o período de Jeremias com os falso profetas de seu
tempo (Jeremias caps 27-29). Os falsos profetas são os que pretendem
que os homens podem entrar pela a porta larga e o caminho espaçoso e
poderão chegar de tos os modos ao destino da porta apertada e o
caminho estreito. Estas são os ladrões, cujo o único propósito é roubar,
matar e destruir (João 10: 7-10; Atos 20: 28-31; II Tes 2: 3, 7; II Pe 2; I
João 2: 18-19). As advertências apostólicas contra os falsos profetas.
As semelhanças dos lobos com as ovelhas é só no exterior. Não têm
ocorrido uma mudança de coração, mas só o aspecto.
Indubitavelmente, o propósito era enganar as ovelhas e criar nelas
uma falsa segurança. Com freqüência se descreve o povo e Deus
como ovelha e Deus como Seu pastor. (Sl 23: -12; 78: 52; 100: 3; Isa
40: 11; 53: 6; Ez 34: 10-19; João 10: 1-16;)
Os Lobos Cf, Sof 3: 3-4; Mat. 10: 16; João 10: 12. Esses lobos não só
são de coração malvados, mas que se opõem a verdade para os que os
que desejam seguir-lhes. Têm o propósito de prejudicar a ovelha, para
beneficiar a si mesmo. Ansiosos de ganâncias e de poder são mais
perigosos que os cães ou os porcos do versículo 6, ver com Miq. 3: 5-12.
Mas as ovelhas não estão totalmente desamparadas, pois tem a
habilidade de detectar os lobos. Por seu porte e por sua conduta. As
atraentes pretensões destes falsos profetas não demonstra seu
verdadeiro caráter. Suas formosas palavras e sua excelsa profissão não
são provas validas de que realmente são, nem podem ser consideradas
como uma promessa de que as ovelhas que conhecem a voz de Seu
pastor (João 10: 4) não serão enganadas pelas as formosas palavras
dos lobos.
Quem ama a verdade e ao Senhor e está inteiramente entregue a
sua vontade obedecerão á voz de Deus que fala a suas almas por
meio de Sua Palavra e mediante os conselhos que Deus tem dado. E
na grande hora de prova que se aproxima, só os que conhecem e
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 20

amam a verdade poderão salvar-se dos enganos de Satanás. Oséias
4: 6; Jer 50: 6; II Tes 2: 9-11; Mat 12: 33-35; Luc 6: 43-45.
Segundo a nota adicional do cap 13 de Romanos temos:
Alguns dos escritores do NT. Dão à impressão de referir-se a segunda
vinda de Cristo como se fosse algo imediato. Se citam os seguinte
textos como mostra tópico destes ensinamentos Rom 13: 11-12; I Cor 7:
29; Fil 4: 5; I Tes 4: 1, 17; Heb 10: 25; Tiag 5: 8-9; I Pe 4: 7; I João 2: 18.
Quem sabe alguns se apressa a concluir que os escritores bíblicos
estavam completamente equivocados, ou que pelo ou menos nada se
pode saber quanto ao tempo da volta de Cristo; porem a evidencia não
requer uma conclusão tal.
Na repetida discursão das Escrituras quanto ao fim do mundo ou da
vinda de Jesus, se destaca claramente certos fatos. E o crente que tem
em conta este fato é possível chegar a uma conclusão totalmente
consecutiva com a crença da inspiração da Bíblia e o fato solene do
segundo advento. Estes fatos são os seguintes:
  1. Os escritores sempre falam da certeza do segundo avento. Isto se
     aplica tanto aos escritores do AT. Com do NT. O leitor da Bíblia,
     que dá as palavras deste seu significado mais evidente, concluirá
     que o dia do Senhor virá. (II Pe 3: 10).
  2. Ao referir-se a este tema os escritores bíblicos parecem estar tão
     dominados pela a grandeza da gloria e a natureza apoteósica do
     acontecimento para cada ser humano e para toda a criação, que
     com freqüência falam como se fossem os únicos e exclusivos
     acontecimentos futuro. A luz deslumbradora do dia Deus, parece
     com freqüência excluir todos os demais da vista e da mente do
     profeta. O leitor recebe a clara impressão de que o autor inspirado
     considera todos os demais que possa proceder o advento como de
     menor importância, como um prólogo do grande clímax para o qual
     se encaminha toda a criação; com freqüência quem sabe sinta-se
     como se o grande dia estivesse por sobrevir.
É evidente que esta clara apresentação do advento começou com
Enoque, sétimo depois de Adão, que advertiu os ímpios de seus dias.
Eis que vem o Senhor com suas dezenas de milhares, para fazer juízo
contra todos (Jud 14-15). Não há nada no contexto que sugere que
Enoque houvesse explicado que a vinda teria lugar mil anos mais tarde,
21 |   Apostila –Apostasia

é o mais seguro é que não sabia. Havia-lhe sido revelado que Senhor
viria para julgar; nada mais importava.
Os escritores bíblicos destacaram que o dia do Senhor viria de súbito e
inesperadamente. As afirmações de Cristo são os melhores respaldos
deste ensinamento. Ele disse: “Vede, pois, porque não sabeis a que
hora há de vir vosso Senhor (Mat 24: 42)”. “Olhai também por vos
mesmos, para que vossos corações não se carreguem de glutonaria e
embriaguez e dos afãs desta vida, e venha de repente sobre vos aquele
dia”. Porque como um ladrão vem sobre todos os que habitam sobre a
face de toda a terra. Vigiai, pois a todo tempo, orando para que sejais
tidos por dignos de escapar de todas estas coisas que virão, e de estar
em pé diante do Filho do Homem. (Luc 21: 34-36). As palavras de Paulo
são um eco das de Nosso Senhor. “O dia do Senhor vira como um
ladrão de noite (II Pe 3: 10)”.
Que o dia da predição do segundo advento é uma cálida de iminência
pelo menos potencialmente, foi à única segurança que este
acontecimento ocorreria e que seria inesperado e repentino.
A hora o Senhor não lhe pareceu conveniente revelar o dia e a hora
(Mat 24: 36) de sua vinda, e como instou a seus seguidores que
velassem constantemente para que esse dia não lhes surpreendesse
como um ladrão. Que outra coisa se poderia esperar, se não que os
autores do NT escrevessem sobre a vinda com um tom de eminência?
Isto não projeta nenhuma sombra sobre a inspiração que receberam.
Sabiam por revelação e por instruções direta procedente de Cristo, que
ele viria outra vez, que sua vinda seria precedida por tempos
tumultuosos, que seria súbita e inesperada, e que eles e quem eles
pregassem deviam velar continuamente. Porem não lhes foi revelado o
dia e a hora. Por tanto, devido a essa limitação a revelação que lhes foi
dada, apresentava aos crentes a exortação constante e a advertência
acerca do dia do Senhor.
Era evidente no plano de Deus que seus profetas não dispuseram de
certo conhecimento acerca da exatidão do momento do advento de
Cristo. Precisamente antes de sua ascensão nosso Senhor pô fim nas
perguntas dos discípulos quanto a calcular tempo das ações futuras de
Deus, quando declarou: “Não vos compete a vós saber o tempo ou a
época que o Pai reservou pela a Sua excessiva autoridade”. (Atos 1: 7)
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 22

Os autores bíblicos não escreveram sensivelmente para seus dias ou
para determinado grupo a quem dirigiam uma carta. Se assim fosse
então a importância das Escrituras havia concluído com a geração que
recebeu diretamente as mensagens dos portas-vozes de Deus. Não;
escreveram sob a inspiração e sem duvida compreendendo com
freqüência só em parte, para todas as gerações ate que voltasse o
Senhor. É certo que alguma coisa que escreveram, por exemplo, sobre
a circuncisão tinha uma importância particular para as gerações dos
autores do NT quanto que outras porções têm tendo e tem uma
importância crescente a medida que se aproxima o fim da historia da
terra.
O fato de que os autores inspirados da Bíblia escrevessem para exortar,
admoestassem e instruíssem a todos os que vivessem até ao segundo
advento, clareia mais as declarações do NT, que fala da eminência da
segunda vinda de Cristo. É certo que as mensagens, dentro de seu
contexto histórico, estão dirigidas a grupos específicos que viviam nesse
tempo e não há duvida alguma de que a maioria dos conselhos
espirituais das Escrituras se situam dentro de um contexto histórico que
corresponde com determinadas pessoas e determinado temo do
passado.
Porém ainda que uma declaração se tenha dirigido a certos crentes,
pode aplicar-se não tanto a eles como a seus descendentes espirituais.
Quando Cristo descreveu a seus discípulos certos acontecimentos
chave que precederiam a sua vinda e serviram como sinais dela,
abarcou um período de uns dois mil anos; e quando começou a
descrever a queda de Jerusalém, disse: “Quando vires no lugar santo a
abominação desoladora de que falou o profeta Daniel (Mat 24: 15).
Vedes correspondia com os discípulos a quem se estava dirigindo;
porem segue falando da grande tribulação da qual havia falado Daniel
na profecia que abarcaria ate o século XVIII, e continua com a exortação
“então se alguém vos disser (ver 23). Agora bem poderia dizer que
Cristo está aqui advertindo outra vez a seus doze discípulos conta
enganos ameaçadores. Porem todo o contexto nos obriga a crer que ele
esta falando também, e ainda com mais razão a seus seguidores que
viveriam no século XVIII e posteriormente.
Este fato bíblico, que o grupo presente nesse momento pode ser o
recipiente desta mensagens, não só para eles, mas também, e quem
23 |   Apostila –Apostasia

sabe mais particularmente, para uma geração posterior, nos protege de
não cair em conclusões sem fundamento acerca do tempo histórico de
certos acontecimentos vindouros.
Pareceria que imediatamente depois da acessão “os irmãos”, grupos
que tal vez incluía aos apóstolos, pensavam que Cristo poderia voltar
em seus dias: “Este dito se estendeu então entre os irmão, que aquele
discípulo João não morreria (João 21: 23), mais que ficaria vivo para
contemplar o regresso de Seu Senhor (Atos 1: 6-7)
Sem duvida, há certa evidência no NT de que Deus deu alguma luz a
seus portas- vozes acerca do tempo que transcorreria antes de que
Cristo regressassem. Em sua primeira carta aos tessalonicenses, Paulo
lhes escreveu do advento e disse: “Nós que vivemos que temos ficado
até a vinda do Senhor (I Tes 4: 15); porém queria Paulo que os
tessalonicenses chegassem a conclusão de que o dia do Senhor
virtualmente estava as portas? É evidente que alguns chegaram a esta
conclusão, porque em sua segunda carta o apostolo volta ao tema: “Os
rogamos irmão, que não os deixeis mover facilmente de vosso modo de
pensar, nem contribuis, nem por espírito, nem por palavra e nem por
carta, como se fosse nossa, no sentido de que o dia do Senhor estar
perto (I Tes 2: 1-2). Depois procede a descrever acontecimentos que
devia acontecer antes da vinda de Cristo (vers 3-12). Processo chave
seria determinada “apostasia” (ver 3). Porém Paulo explica em outras
passagens que essa “apostasia” ocorreria principalmente depois de sua
morte (Atos 20: 28-30; II Tim 4: 6-8). Depois de apresentar-lhes um
rascunho de certos acontecimentos precederia a vinda e exorta-os a
estar firmes para os dias vindouros. (II Tes 2: 15-17).
Na cela da prisão onde estava para morrer, Paulo escreveu ao seu filho
espiritual Timóteo: “O tens ouvido de mim perante muitas testemunhas,
isto encarrega a homens fieis que sejam idôneos para ensinar também a
outros (II Tim 2: 2). É claro que Paulo esta instruindo a Timóteo que
ficava certo período de tempo antes de que Cristo regressasse.
Por tanto é evidente que quando Paulo disse em I Tes 4: 15 “irmãos
ficamos’ não estava incluindo ele, mas que estava falando daqueles
crentes cristãos que viveriam nos dias finais. O plural da primeira
pessoa do verbo indicava sensivelmente que Paulo pertencia ao grupo
de fieis que de forma interrompida abarcava os séculos.
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 24

Pedro escreveu. O fim de todas as coisas se aproxima sede, pois
sóbrios e vigiai em oração (I Pe 4: 7). Essas palavras se aplicavam
necessariamente ao grupo próximo a ele, a quem escrevia? A resposta
parecer ser: Lemos em sua segunda epistola escrita não sabemos
quanto tempo depois da primeira. Para que tenhais memória das
palavras que antes tem sido ditas pelos santos profetas, e do
mandamento do Senhor e Salvador dada por vossos apóstolos;
sabendo primeiro isto, que nos posteriores dias viriam escarnecedores,
andando segundo suas próprias concupiscências e dizendo. Onde está
a promessa de seu advento? (II Pe 3: 4). O mais razoável é admitir que
estas palavras sugere que Paulo algum processo futuro, em que
apareceria certas classe de escarnecedores.
Nota-se especialmente que Paulo, ao ocupar-se do avento vindouro,
exorta aos crentes a ter memória das palavras que antes tem sido ditas
pelos os santos profetas. Anteriormente nesta mesma epistola,
declarou: “tenhamos também a palavra profética mas segura, a qual
fazeis bem é estar atentos como um ancora que ilumina em lugar
escuro, ate que dia clareia e nasça em vossos corações ( II Pe 1: 19).
Segundo estas palavras é evidente que Pedro ensinava que tinha de
transcorrer certo lapso antes do advento. Os crente deviam deixar guiar
pela a luz profeta ate que o dia clareasse. Respondendo ao mesmo
propósito Paulo declarou aos tessalonicenses: Porem a cerca dos
tempos e das ocasiões não tem necessidade irmos de que eu os
escreva. Porque vos sabeis perfeitamente que o dia do Senhor virá
como ladrão de noite e que quando disserem pez e segurança, então
vira sobre eles destruição repentina, e não escaparão é como as dores
da mulher grávida, e não escaparão, mas vos irmãos não estais em
trevas, para que aquele dia os surpreenda como ladrão (I Tes 5: 1-4).
A forma em que os apostos recorrem ao que escreveram os profetas
é um eco das palavras de Cristo, a cerca do que o profeta Daniel
havia escrito quanto aos acontecimentos futuros. O que ler entenda
(Mat 24: 15).
Neste quadro a exortação dirigida aos crentes para guiar seus passos
com a luz profética logicamente reconhecemos que a Bíblia contém
alguma profecia especifica acerca da vinda do Senhor, as quais
abarcam grandes períodos e que nos ajuda saber o que advento de
Cristo está próximo, as portas (Mat 24: 33). Referimo-nos especialmente
aos livros de Daniel e Apocalipse. Dentro da sabedoria de Deus esses
25 |   Apostila –Apostasia

livros ainda no melhor dos casos, só foram palidamente entendidos nos
primeiros séculos da era cristã. Algumas das profecias de Daniel ficaram
sem duvida fachadas e seladas até o tempo do fim (Dan 12: 9), pois a
maior parte era para o tempo do fim.
Atualmente dispomos de um caudal de luz adicional que irradia das
paginas de Daniel e Apocalipse. Suas profecias nos capacitam pra
conhecer, os tempos e as ocasiões (I Tes 5: 1). As profecias destes dois
livros nos permitem dizer com segurança profética que o fim de todas as
coisas, certamente esta próximo.

Comentário de I Cor 7: 29. diz: Tempo.
Um momento ou período determinado, “tempo oportuno” (ver com Rom
13:11). O Senhor mesmo instava aos crentes que vivessem na
expectativa de sua segunda vinda e do fim do mundo (Mat 24: 42; 25:
13; Mar 13: 32-37). Os ensinamentos de Jesus e se Seus apóstolos
demonstram que a principal tarefa da vida é prepara-se para um lugar
no reino de Deus, de gloria eterna (ver Mat 6: 19-21, 33; 10: 38-39; Mar
10:21). O tempo no qual pode fazer esta preparação sempre tem sido
apresentado como curto (ver com Rom 13: 11). Para nós o juizo
investigativo está encerrado rapidamente e sua terminação é quando
terminar será demasiado tarde para alcançar a idoneidade para o céu.
Por tanto, todos devem assegurar sua aceitação como candidato para o
reino de gloria (ver Isa 55: 6-7; Dan 8: 14; 9: 24-27; Ron 9: 28; II Cor 6:
2; Heb 3: 13; II Pe 1: 10; Apoc 22: 10-12). Todos têm que viver em tão
intima comunhão com o céu, que quando chegar o momento de deixar
as fadigas desta vida, nada possa surpreendê-los desprevenidos (ver
Mat 13: 35-37; Luc 18: 1;21: 34-36; I Tes 5: 1-6, 17, 22-23). O cristão
que está atento a este importante fato – que sempre deve estar pronto
para encontrar-se com Deus – não põe seus afetos nas coisas terrenas,
mas que sempre tem em conta a incerteza da vida e da natureza fugaz
e transitória deste mundo, e vive em um estado de continua preparação
para a vinda do Senhor. (Col 3: 1-2). Em vista da brevidade do tempo
disponível para que os homens se preparem para eternidade – o melhor
dos casos neste período não é maior que o curto lapso de vida – os
cristãos não se ligarão indevidamente nos vínculos e possessões
terrenas. Não permitirão que nada, nem ainda as relações familiares,
interfiram com sua determinação de estar prontos para o céu.
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 26

O argumento prévio leva a conclusão de que não fica outra opção para
os que têm esposa, exceto não permitir que o estado matrimonial induza
o olvidar sua obrigação de estar sempre em harmonia com o céu. Em
outras palavras, que as responsabilidades, as satisfações e os cuidados
matrimoniais devem ser postos em segundo lugar perante o grande
propósito da vida que é uma constante comunhão com o Senhor e uma
fervente preparação para a sua vinda. Este versículo destaca a
mandatos devem ocupar o primeiro lugar na vida do crente (ver Deut 6:
5; 10: 12; Ed 12: 13; Mat 22: 37-38). Não se deve entender que este
versículo ensina que deve haver falta de afeto ou de bondade na
relação matrimonial, ou que contradiz aos ensinamentos específicos de
Paulo nos primeiros versículos deste capitulo.

O cristianismo como religião ilícita
Os judeus estavam ressentidos com o cristianismo por muitas razões.
Tinham temor de que o cristianismo poderia atrair a ira dos romanos
sobre os judeus. Odiavam o Cristo dos cristãos como um rival de seu
esperado Messias. Odiavam ainda mais os cristãos porque aceitavam
os gentios em sua comunhão. Portanto, os judeus criavam dificuldades
aos cristãos em toda oportunidade que tinham, perseguindo-os até onde
lhes era possível, na Palestina e em outras partes ajuntando turba para
se levantar contra os cristãos. Há vários exemplos disto no livro de Atos.
Um documento, o matrimonio de Policarpo, narra coisas semelhantes,
sucedidas na cidade de Esmirna no século II. No século III Tertuliano
chamou as sinagogas judia. Manancial de Perseguição.
Estando as relações em tal situação, não se necessita buscar na lei
romana para achar algum decreto contra os cristãos. Não se
necessitava nenhum decreto, pois os cristão não tinha lei que lhes
protegesse. No ano anterior foram promulgadas disposições legais
contra os cristãos. E esta se fez cada vez mais severa. Os primeiros
ataques da magistradura romana contra os cristãos foram esporádicas.
Não foi decretada legalmente, mas que devido a caprichos, ou rancor
dos imperadores. Tais foram as perseguições de Nero (64 d.C), e de
Dominciano (95 d.C) contra os cristão.
Disposições legais romanas. Perseguição provocada por capricho. – O
historiador romano Tácito, narra corretamente, pois culpa a Nero de ter
incendiado a Roma. Para tirar de si mesmo a acusação, e colocou a
27 |   Apostila –Apostasia

culpa nos cristãos. Uma quantidade de seguidores de Jesus foram
usado como tochas para iluminar as orgias noturnas no Jardim de Nero.
A perseguição sem duvida se estendeu algumas pelas as províncias,
ainda que poucas se foram registradas. Como já se tem dito. Tanto
Pedro como Paulo pereceram na cidade de Roma devido a perseguição
de Nero. (pp 32, 36).
As seguintes perseguições dos cristãos na mão dos romanos, quem
sabe surgiu do rancor do imperador Domiciano, homem instável e
caprichoso. Quem sabe descobriu que havia cristão em sua própria
casa, e por estas e outras razões, perseguiu a seita. João foi exilado na
ilha de Patmo durante o governo deste imperador. A perseguição
destacada por Domiciano, quem sabe não se estendeu tanto e nem foi
tão destruidora, porém foi uma dificuldade para a igreja e representou
sofrimentos para os que a suportaram diretamente.

Exemplo de disposição legal
A primeira disposição claramente legal contra os cristãos decretada por
um imperador romano, foi expedida por Trajano (98 – 117 d, C ) Plínio o
jovem, amigo e protegido de Trajano, era governador do Porto, na costa
Sul do Mar Negro. Plínio estava muito preocupado pela a propagação
do cristianismo em sua província. Os templos pagãos descuidavam dos
que comerciavam com animais para os sacrifícios e com materiais para
o culto, os templos se queixavam de seus negócios sofriam muitíssimo;
por isso Plínio começou a ocupar-se dos cristãos. Fazia dar morte aos
que estavam dispostos a admitir que pertenciam a essa fé. Para
assegurar-se de sua conduta, escreveu a seu amigo imperador e lhe
pediu que aprovasse o que estava fazendo. A carta de Plínio se fala na
coleção de seus escritos. Nesta carta apresenta uma interessante
descrição do culto cristão, ele se referia ao que já estava feito e depois
conta como havia estado tratando aos cristãos. O supplicium, a pena
capital romana, havia caído sobre eles.
Trajano escreveu em resposta a Plínio, para aprovar o que seu
representante havia feito no Porto. Porém o imperador, que em geral era
bom e justo estipulou que ninguém devia ser morto por ser cristãos a
menos que reconhecia sem duvida que o era, ou a menos que
houvesse suficientes testemunhas que provasse que era. Não devia ser
condenado por meros rumores, mas que devia ter quem testificasse
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 28

contra ele para que o testemunho fosse valido. Esta disposição legal
não era outra coisa, se não a aplicação dos poderes ordinários da
política comum a um problema da sociedade. Trajano não se propunha
destacar esta perseguição; porem como os cristãos não tinham lugar na
sociedade e por isso deviam ser eliminados. Se não, para eles se
poderia se tornar um verdadeiro perigo. Plínio informou que seu método
para tratar os cristãos havia tido êxito e que havia recomeçado o culto
nos templos pagãos.
Esta disposição policial ordenada por Trajano continuou como uma
norma do Império Romano durante uns 150 anos seguintes. Foi o mais
desdenhoso em seu modo de atuar, porque o governo romano todavia
não havia chegado ao ponto de tomar a serio o cristianismo como um
movimento. Por isso, os cristãos foram perseguidos durante o reinados
dos imperadores Antonio Pio (138-161 d. C) e Marco Aurélio (161-180
d.C) que, em outros sentidos, foram benévolos. Esta freqüência, por
instigação dos judeus e em parte devido ao zelo pagão de governantes
locais, porém com o conhecimento e o consentimento dos imperadores.

Política de extermínio
Ao meado do século III imperou a política romana em sua relação com
os cristãos. Os governantes já se haviam dado conta de que devia
tomar a serio a propagação do movimento cristão. Diz-se, que o
imperador Filip (chamado “o árabe”), foi cristão. No final de seu curto
reinado foi celebrado o milésimo aniversario da fundação da cidade de
Roma e houve um grande ressurgimento do sentimento patriótico
romano. Décio o rival político de Filipe e seu sucessor quando, essa
onda de patriotismo no seu apogeu, se criam que os cristãos tinham
favorecido a Filipe, e por isso no ano 220 começou uma política de
extermínio contra eles. Sua sangrenta perseguição dos cristãos foi
repetida pelo o imperador Valeriano uns sete anos mais tarde.

A perseguição final
Por este tempo os cristãos tinham crescido em popularidade e
aumentado extraordinariamente em numero. Este aumento continuou
nus anos de relativa paz que seguiram a perseguição de Valeriano, paz
que terminou com severa perseguição destacada por Diocleciano e
Galerio, que começou no ano 303 d.C e continuou durante dez anos.
29 |   Apostila –Apostasia

Esta perseguição assinalou uma troca de política, no sentido de que
representou um intento de completo extermínio. Foi um caso de guerra
entre acerbos inimigos. E nessa guerra perdeu o império pagão.

Comportamento da igreja frente ao Estado
Ao examinar o comportamento da igreja frente ao Estado durante os
séculos quando o cristianismo era uma religião ilícita, sem
reconhecimento oficial na sociedade. Deve recordar-se, que nestes
anos a igreja não buscava seu estabelecimento material no mundo,
como ensinou depois Santo Agostinho, um lugar no reino do céu com
Jesus Cristo como governante. Portanto, o comportamento dos cristãos
era de uma paciente resignação até que Cristo os resgatasse.
É certo que a significativa declarou de Cristo: “Daí, pois a Cezar o que é
de Cezar, e a Deus o que é de Deus”(Mat 22: 21) raras vezes se
encontra nos escritos dos cristãos dos primeiros séculos; sem duvida
aplicavam esta admoestação a sua relação com o império. Paulo
exortou a igreja no mesmo sentido quando escreveu: “Submetam-se
toda pessoa as autoridades superiores; por que não há autoridade si
não da parte de Deus, e as que há por Deus tem sido estabelecida. De
modo que quem se opõe a autoridade, estabelecida por Deus resiste; e
os que resistem, traz condenação para si mesmo. Por que os
magistrados não estão para infundir temor ao que faz bem, sim ao mau.
Pelo o qual é necessário estar- lhes sujeitos não somente por razão do
castigo, mas também por causa da consciência. Pois por isto pagais
também os tributos, por quer são servidores de Deus (Rom 13: 1-6).
Pedro disse: Honrai ao rei (I Pedro 2: 17). Por tanto inda quando sua
religião era ilegal, os cristãos procuravam viver como bons cidadãos em
um ambiente hostil, aplicando todos os dias a ética manifestada na vida
de Jesus e contida nos exemplos dos ensinamentos dos apóstolos.
Ganharam boa reputação pela a pureza de sua vida e por sua bondade
para com o próximo. O governo odiava e finalmente chegou a temer
mais e mais o cristianismo, porém o povo apreciava cada vez mais a
classe de vida manifestada pelos os cristãos. Quando eram arrastados
pelos os tribunais, ao responder a perguntas dos juízes, com freqüência
os cristãos sensivelmente contestavam: “Sou cristão e iam a morte
sorrindo no meio de seu sofrimento, admoestando a outros cristão para
que fossem fieis e exortando os pagãos que presenciavam a sena para
seguissem a Jesus Cristo Seu Senhor e Mestre. Os cristãos que
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 30

presenciavam a morte de tais mártires admiravelmente fieis. E
Tertuliano pode dizer: “O sangue dos cristão é semente”.
Uma inumerável quantidade de mártires cristãos morreu porque Cristo
havia dito: “Daí a Deus o que é de Deus”. Pedro tinha afirmado: “é
necessário obedecer a Deus antes que os homens” (Atos 5: 29), “Se
alguma coisa padeceis por causa deles, não os conturbeis” (I Pedro 3:
14). Não vós surpreendeis do fogo de prova, que vos de sobrevir como
uma coisa estranha os acontecessem, se não gozo por ser participantes
do padecimento de Cristo. Se alguém padece como cristão não se sinta
envergonhado, mas glorifique a Deus por ele (I Pedro : 12-16). Paulo
sabia por experiência própria o que era viver uma vida conseqüente
para Cristo. Tem deixado uma lista para a posteridade de seus primeiros
sofrimentos por causa de seu Senhor (II Cor 11: 23-27).
Por principio os cristãos eram cidadãos cumpridores da lei, sempre que
as autoridades lhe indicavam o que era se dever fazer. Porem quando
se lhes exigia negar á Cristo, participando de um culto falso e viver uma
classe de vida que houvesse significar a separar dos princípios cristão,
na maioria dos casos se mantinham firmes do lado do correto.
Escolhiam obedecer a Deus antes que os homens e como resultado,
sofriam açoites encarceramento ou morte. A separação era muito clara
e as conseqüências seguras: morte aqui, porém vida eterna com Cristo.

Separação da igreja e do Estado
Esta filosofia da separação da Igreja e o Estado resultava necessária
com o pensamento de que devia manifestar-se certo grau de
cooperação com o ambiente pagão devido a necessidade do momento,
até que Cristo os transportara a um novo ambiente. Tertuliano, no
século III e Lactancio no século IV, insistiam que a Igreja cristã devia
manter-se separada do Estado pagão.
Porém como a segunda vinda de Cristo não aconteceu de imediato, no
século III foi formando uma nova filosofia. O cristianismo se ia
popularizando e continuamente aumentava seu numero de membros, os
mestres cristãos eram aceitos com mais e mais respeito, e surgiu a
esperança de que perante muito, o cristianismo poderia manejar o
mundo. Por tanto, cada vez que era possível, se incorporava costumes
mundanos que eram “batizados”, dando se lhes um nome de cristão e
também uma aparência exterior cristã. Tinha-se cuidado de ofender o
31 |   Apostila –Apostasia

mínimo possível ao Estado. E quando que a situação ficou clara. Os
dirigentes da igreja e aqueles a quem eles dirigiam procuravam manter
se firmes. Com freqüência sem duvida resultava em momento de lutas e
separação, e mais de uma ocasião as decisões foram rebaixar as
normas, e aceitação do paganismo. Bem poderia supor que durante o
século III os governantes romanos houvessem sido mais complacentes.
O cristianismo houve por bem seguir um programa tal que foi levado ao
ponto de viver satisfeito em um ambiente pagão, e quem sabe
finalmente houvesse sido modificado por esse ambiente e absorvido por
ele. Felizmente para a igreja, o governo continuou sendo um acerbo
inimigo do cristianismo e este se viu obrigado a permanecer separado
do Estado até que Constantino fez que o governo romano tomara as
formas externas do cristianismo.

Diz o Espírito de Profecia:
Qual foi a origem desta grande apostasia? Como, a princípio, se afastou
a igreja da simplicidade do evangelho? Conformando-se com as práticas
do paganismo, a fim de facilitar a aceitação da doutrina cristã pelos
pagãos. O apóstolo Paulo, em seus dias declarou: "Já o mistério da
injustiça opera." II Tess. 2:7. Durante a vida dos apóstolos a Igreja
permaneceu relativamente pura. Mas, "pelo fim do século II, a maioria
das igrejas tomou nova forma; desapareceu a primitiva simplicidade, e,
insensivelmente, ao baixarem ao túmulo os velhos discípulos, seus
filhos, juntamente com os novos conversos, ... puseram-se à frente da
causa e lhe deram novo molde". - Pesquisas Eclesiásticas, Roberto
Robinson. Para conseguir conversos, aviltou-se o elevado estandarte da
fé cristã, e, como resultado, "uma inundação pagã, invadindo a igreja,
trouxe consigo seus costumes, práticas e ídolos. - Conferências de
Gavazzi. Como o cristianismo conseguisse o favor e apoio dos príncipes
seculares, foi nominalmente aceito pelas multidões; mas, conquanto
muitos se intitulassem cristãos, "na realidade permaneciam no
paganismo, e, especialmente em segredo, adoravam os ídolos". - Não
se tem repetido o mesmo caso em quase todas as igrejas que se
intitulam protestantes? Com o desaparecimento dos fundadores, dos
que possuíam o verdadeiro espírito de reforma, seus descendentes
põem-se na dianteira e "dão novo molde à causa". Embora se apeguem
cegamente ao credo dos pais, e se recusem a aceitar qualquer verdade
além da que lhes foi dada conhecer, os filhos dos reformadores se
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 32

afastam grandemente do exemplo paterno de humildade, abnegação e
renúncia do mundo. Assim, "a primitiva simplicidade desaparece". Um
dilúvio de mundanismo invade a igreja e "leva consigo seus costumes,
práticas e ídolos".
Ai! até que ponto terrível a amizade do mundo, que é "inimizade contra
Deus", é hoje acalentada entre os professos seguidores de Cristo! Quão
largamente se têm as igrejas populares de toda a cristandade afastado
da norma bíblica da humildade, abnegação, simplicidade e piedade!
(GC, 384-385).

O impacto da tradição sobre a igreja.
A palavra “tradição” paradosis em si mesma não tem um mal
significado. Parádosis significa transmissão, entrega. Paulo
aconselhava aos crentes de Tessalônica a reter a doutrina que tinham
aprendido (II Tes 2: 15) e advertia que não tivessem comunhão com
qualquer que não fosse segundo os ensinamentos que receberam
deles.(cap 3: 6). Paulo expressou este conceito, porque é evidente que
alguns já haviam apresentado aos Tessalonicenses com uma carta, que
diziam que era de Paulo, acerca da eminente volta de Cristo (cap 2:2).
As tradições que Paulo mantinha como dignas de confiança eram seus
próprios ensinamentos orais pelas as quais os Tessalônicos deviam
provar qualquer suposta mensagem sua, usando também as cartas que
verdadeiramente eram dele.
Porém Paulo advertiu os crentes de Colossenses que não se deixaram
enganar por meio de filosofias e vãs sutilezas segundo as tradições dos
homens, conforme os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo. (Col
2: 8). Pedro fez lembrar aos que se haviam convertido á Cristo mediante
seu ministério, que estavam salvos pelo o poder de Cristo, da vã
maneira de viver, “a qual recebeste de vossos pais”.
Mais clara é ainda a condenação que Cristo fez da tradição. Quando lhe
perguntaram, porque Ele permitia que Seus discípulos quebrassem a
tradição dos anciões (Mat 15: 2), Ele colocou a autoridade de lei da
Deus por cima da tradição e mostrou que a tradição dos judeus os havia
levado a quebrar a os mandamentos de Deus (ver 3-6). Citou Isaias (29:
13, tal como se conserva até a LXX) como se falava em nome de Deus:
“Em vão me honram, ensinando como doutrinas, mandamentos de
homens”(Mat 15: 9); e pronunciou esta sentencia: “Toda planta que não
33 |   Apostila –Apostasia

plantou o Meu Pai celestial, será desarraigada” (Mat 15: 13).
Estabeleceu claramente que as Escrituras “dão testemunho” dEle (João
5: 39) e usou os escritos do AT para confirmar seu messianismo,
quando falou com seus discípulos depois de sua ressurreição (Luc 24:
27, 44). Paulo entendia que as Escrituras são suficientes para a
salvação e para a edificação do cristão (II Tim 3: 15-17). João admoesta
duramente a qualquer que intenta suprimir as palavras do livro de Apoc,
que lhe foi dado por inspiração (Apoc 22: 18-19).

As Escrituras foram subordinadas
Não há duvida de que o mau uso dos Judeus deram as Escrituras
quando se opuseram ao cristianismo, e o que lhe deram os falsos
profetas dentro da igreja, os hereges e especialmente os gnósticos,
debilitou um pouco a fé dos cristãos na autoridade das Escrituras.
Tertuliano escreveu ao começo do século III que as Escrituras não são
suficiente para fazer frente aos ataques dos hereges, porque os
mesmos hereges usam as Escrituras, como fundamento de suas
opiniões. Irineu bispo das Galias, escreveu sua notável obra Contra
heresias próximo do ano 185 d. C ele faz frente ao mesmo problema
que Tertuliano enfrentou uns poucos anos depois. Como já se destacou,
Irineu estabeleceu o princípio de que a verdade do cristianismo se de e
encontrar nas igrejas fundadas pelos os apóstolos os quais transmitiram
a verdade aos bispos, os sucessores dos apóstolos segundo a opinião
de Irineu. Para ele essa verdade transmitida era a tradição e insistia que
esta devia ser uma norma de verdade posto que os hereges usavam as
Escrituras. Tartuliano apresenta a máxima defesa possível em favor da
tradição de sua obra. De Corona3, 4.
Averigüemos, por tanto se a tradição não deve ser aceita a menos que
esteja escrita. Certamente diremos que não deve ser aceita se não há
casos de outras praticas registradas anteriormente que, sem nenhuma
instrumento escrito, mantenhamos só sobre a base da tradição, e
adiante o apoio do costume nos proporcione algum precedente. Para
tratar este assunto brevemente começarei com o batismo. Um pouco
antes de entremos na água, na presença da congregação e sobre a
mão do presidente, solenemente afirmamos que renunciamos ao diabo,
a sua pompa e a seus anjos. Depois somos submergidos três vezes
fazendo uma promessa algo mais amplia ao que o Senhor tem
estabelecido no Evangelho, logo somos levantados (como meninos
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 34

nascidos de novo) degustamos em primeiro lugar de uma mistura de
leite com mel, e depois deste dia nos abstemos do banho diário durante
toda uma semana. Também tomamos congregados antes da alva e
unicamente da mão dos presidentes, o sacramento da eucaristia que o
Senhor ordenou que fosse comido somente na hora de comer e é
desfrutado por todos sem exceção. Cada vez que chega o aniversario
fazemos ofertas pelos os mortos como homenagem de
companheirismo. Consideramos que é contra lei ajudar o arrodilar-se no
culto no dia do Senhor. Nós regozijamos no mesmo privilegio também,
desde a páscoa de ressurreição até o domingo de Pentecoste. Sentimos
tristeza se algo do vinho e do pão ainda que seja nosso, é jogado no
chão, em cada passo em cada movimento que damos, em cada entrar e
sair, quando nos vestimos e nos calçamos, quando nos banhamos,
quando nos sentamos a mesa, quando acendemos as lâmpadas, em pé
ou assentado, em todos atos e costumes da vida diária fazemos na
frente o sinal da cruz.
Se para estas e outras regras parecidas insistis em ter uma ordem
positiva das Escrituras, não as encontrareis. A tradição lhes apresentará
como a originadora da razão sustenta a tradição e os costumes e a fé o
percebereis por vos mesmo ou aprendereis de alguém que o tem
recebido. Quando tanto creia que tem alguma razão da qual se deve
aceitar.

Ensinamento da tradição
O seguinte é um argumento sumamente interessante. Afirma-se que a
tradição teve que ser aceita como autoridade para certas pratica na
igreja. Ao começar o século III, para as quais se reconhece não há
autoridade bíblica. Depois se diz que estas práticas são autenticas
porque a igreja as segue. Logo se afirma a autoridade da tradição
porque a segue baseada em uma autoridade tradicional. A atrevida lista
de Tertuliano das coisas que a igreja de seus dias fazia baseando na
tradição, nos da uma idéia até a onde havia chegado a igreja no século
III apartando da base das Escrituras.
De ali em diante se fez muito mais se baseando na tradição. Quando a
igreja aceitou esta autoridade não bíblica, se abriram as comportas para
que entrasse uma inundação quase interminável de rituais sem base
bíblica e de ensinamentos errôneos. Estes se posicionaram na igreja
35 |   Apostila –Apostasia

não só na Idade Media, mas que tem chegado aos tempos modernos; e
não só nas mais antigas igrejas ritualistas, mas também em certa
medida nas igrejas mais evangélicas. Ainda que segue em pé esta
verdade: “Em vão me honram, ensinando como doutrinas,
mandamentos de homens”. (Mat 15: 9).

Veneração dos santos
A doutrina do estado consciente dos mortos e o castigo eterno dos
ímpios no inferno, aparece desde muito antigo na historia cristã. Os
serviços comemorativos ante a tumba dos mártires logo foram seguidos
por orações em favor dos mártires, que se pensava que estavam em
uma espécie de purgatória. Logo como se cria que os santos profetas
haviam ido a uma eterna bem aventurança, se ofereciam orações aos
santos para que intercedesse pelos os que estavam na terra. A
veneração dos santos e mais tarde o culto a Virgem Maria foram á
conseqüência lógica de uma má interpretação da doutrina da natureza
do homem.

A expiação
A expiação também foi mal compreendida. Foi envolvida em uma
atmosfera de magia. O povo chegou a pensar que os emblemas da Ceia
do Senhor estavam investidos de uma espécie de poder mágico. Logo
se criou que a presença de Cristo nos emblemas, repartia poder literal
de Cristo nos participantes. Apareceu depois o ensinamento da
“presença real” – que Cristo estava pessoalmente no pão e no vinho –
assim surgiu facilmente á doutrina da transubstanciação: que o pão e
vinho se transformam literalmente no corpo e o sangue de Cristo, não só
em aparência exterior, mas em sua natureza intrínseca. Como já se
havia dito, os emblemas se haviam transformado em um sacrifício e
Cristo novamente era oferecido como oferta pelo o pecado. Os anciões
se transformaram em sacerdotes, necessários para cumpri a função
sacerdotal de oferece novamente a Cristo. (ver pp 46-47).
O batismo chegou a ser um ritual que salva os meninos, que segundo
se cria, haviam herdado a culpa de seus pais. Para administrar este rito
com propriedade salvadora, era necessário outra vez de um sacerdote.
A compreensão errada da expiação e dos rituais que os representavam
fizeram possível o estabelecimento de um sacerdócio humano que de
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 36

uma maneira blasfema ocupou o lugar na crença do povo, do
sacerdócio de Jesus Cristo no santuário celestial.

Um novo legalismo e ascetismo
Com a propagação do anti-judaismo na igreja sobreveio uma onde de
anti-legalismo, devido em parte a uma tergiversação de certas
declarações de Paulo (II Pedro 3: 15-16). Isto fez com que a igreja
especialmente no Ocidente estivesse pronta para por de lada o sábado
semanal e para descuidar de outros ensinamentos das Escrituras. Isto
durou na igreja o tempo necessário para fazer dano. Veio depois uma
espécie de neo-legalismo que fez que a igreja observasse de novo as
festividades que ocupavam o lugar dos dias de repouso anual do AT, e
a observar o domingo o primeiro dia da semana em memória da
ressurreição. Detalhes e rituais foram aderidos as cerimônias que se
introduziram na igreja, como pode ver pelas as passagens de Tertuliano
já citadas, devido em parte a pressão de crenças tomadas do
paganismo. A igreja tergiversou o que Paulo disse em I Cor 7, e chegou
a considerar o celibato como demonstração de consagração. Diversas
praticas ascéticas proporcionaram aos cristãos sinceros uma novo
norma para expressar seu zelo. O jejum se tornou em algo necessário
para a salvação. Finalmente alguns entusiastas, insatisfeitos com a
igreja, desceram para o deserto e se converteram em eremitas que
praticavam o celibato e outras formas de ascetismo. Chegaram a ser
finalmente tão numerosos, que foi necessário organizá-los em
comunidades. Desta forma o monasticismo, com todos seus males
inerentes, se converteu em uma instituição da igreja.
Devido á pressão do anti-judaismo o sábado semanal gradualmente
perdeu sua importância. Ainda mais rapidamente, se abandonou por
completo á distinção ente alimentos limpos e imundos. Ao converterem-
se os anciões em sacerdotes e incorporarem-se muitas crenças do
paganismo se produziu uma nova estrutura, e o cristianismo perdeu de
tal maneira sua natureza original e seu caráter, que se os apóstolos
tivessem ressuscitado, dificilmente havia podido reconhecer o sistema
que ajudaram a fundar. Em sua estrutura oficial e em sua natureza
geral, o cristianismo chegou a ser próximo do ano 400 pouco mais que
um culto de mistério pagão. No que aconteceu a igreja primitiva com o
Estado e com sociedade, há lições de advertência para a igreja
remanescente.
37 |   Apostila –Apostasia

A igreja como uma empresa missionária
E quanto os alcance da pregação do Evangelho no fim do século I, já
tinha apresentado um panorama ao tratar a obra dos discípulos. Os
registros do século II nos são claros. No ultimo terço do século II havia
uma prospera congregação cristã no vale do Ródano, da França atual, e
ao mesmo tempo prosperava o cristianismo no Oriente. Ao começo do
século III havia progressos visíveis do cristianismo no Norte da África e
havia estendido para Espanha e Inglaterra. Ao começo do século IV se
havia estabelecido igrejas ao longo do rio Rín. Informes incidentais que
se falam dos escritos dos cristãos primitivos mostram uma propagação
gradual do cristianismo, que significou o estabelecimento de igrejas e às
vezes sua extinção devido a perseguição. Ao mesmo tempo se
descreve uma sociedade que lentamente começava a cristianizar-se.
Quando foi legalizado o cristianismo, os cristãos sem duvida podiam
contar-se por milhes e se usaram edifícios de igrejas desde o século III
em diante. É evidente que as igrejas não eram estabelecidas com a
pureza do cristianismo apostólico, mas com a natureza e a
complexidade das apostasias em que havia caído a igreja. A água não
pode alcançar um nível mais alto que o de sua fonte. As novas igrejas
seguiram naturalmente as que lhes haviam dado existência e as haviam
nutrido.

A extensão da mensagem evangélica
Há uma declaração impressionante nos escritos do apostolo Paulo. Ele
fala da esperança do evangelho que haveis ouvido, o qual se pregava a
toda a criatura, que esta debaixo do céu (Col 1: 23). Este é um indicio
bastante claro de que o progresso da obra missionária da igreja não se
media nos primeiros anos pelas as igrejas estabelecidas que se
conheça historicamente. Há suficiente base para crer que com o poder
do Espírito do Pentecoste e com o zelo e o valor dos apóstolos, a
mensagem do Evangelho foi levado rapidamente a todo o mundo
conhecido. Ainda que não desse como resultado em todas as partes do
estabelecimento das comunidades cristãs permanente cumpriu com o
propósito de admoestar aos homens para que cressem no Messias que
havia sido crucificado, e havia ressuscitado e subido ao céu onde estava
cumprindo sua obra de mediação para todos os que cressem nEle. Sim
foi assim, deve pensar que é algo paralelo com a mensagem de
admoestação que deve ser pregada ao mundo inteiro antes da segunda
A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 38

vinda de Cristo (Mat 24: 14; Apoc 14: 6-12), e agora esta em marcha.
(Comentário Bíblico vol. 6, pp 63-69).
         Primeira estância:
         GC. 338, 464; TM,265; PJ, 315-316; IV. TI, 210; II ME, 378; TM,
         277; V TI, 75-76; III TS, 252,253,254; I ME, 204; II ME,388, 389,
         390,391; II TS, 419-423; GC,382-383; GC, 383-384;

         Segunda estância:
         II ME, 380; reforma a ter lugar hoje. PR,677-678; I ME, 386-
         387,388; 5 TI, 66, 11; I ME, 122;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
O ÚLTIMO CHAMADO
 
Apocalipse - Capítulo 16
Apocalipse - Capítulo 16Apocalipse - Capítulo 16
Apocalipse - Capítulo 16
IBC de Jacarepaguá
 
As sete últimas pragas
As sete últimas pragasAs sete últimas pragas
As sete últimas pragas
Diego Fortunatto
 
06 Apocalipse Diz Que Jesus Voltará
06   Apocalipse Diz Que Jesus Voltará06   Apocalipse Diz Que Jesus Voltará
06 Apocalipse Diz Que Jesus Voltará
arlete.becker
 
Apocalipse 12 e 13 e a besta 666 especial
Apocalipse 12 e 13 e a besta 666 especialApocalipse 12 e 13 e a besta 666 especial
Apocalipse 12 e 13 e a besta 666 especial
Wladimir Gonçalves de Souza
 
U.XV - O Fim Das Nações
U.XV - O Fim Das NaçõesU.XV - O Fim Das Nações
U.XV - O Fim Das Nações
Ramón Zazatt
 
Quem são os sete reis de apocalipse 17?
Quem são os sete reis de apocalipse 17?Quem são os sete reis de apocalipse 17?
Quem são os sete reis de apocalipse 17?
Eduardo Sousa Gomes
 
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do SenhorU.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
Ramón Zazatt
 
11 as últimas mensagens de deus e a ceifa
11   as últimas mensagens de deus e a ceifa11   as últimas mensagens de deus e a ceifa
11 as últimas mensagens de deus e a ceifa
Diego Fortunatto
 
16 o milênio
16   o milênio16   o milênio
16 o milênio
Diego Fortunatto
 
Capítulo 12 de daniel
Capítulo 12 de danielCapítulo 12 de daniel
Capítulo 12 de daniel
Diego Fortunatto
 
Apocalipse 20
Apocalipse 20Apocalipse 20
Apocalipse 20
Welem C Lourenço
 
Apocalipse - Capítulo 18
Apocalipse - Capítulo  18Apocalipse - Capítulo  18
Apocalipse - Capítulo 18
IBC de Jacarepaguá
 
14 a queda da grande babilônia
14   a queda da grande babilônia14   a queda da grande babilônia
14 a queda da grande babilônia
Diego Fortunatto
 
Os ultimos dias
Os ultimos diasOs ultimos dias
Os ultimos dias
O ÚLTIMO CHAMADO
 
O pequeno tempo de angústia
O pequeno tempo de angústiaO pequeno tempo de angústia
O pequeno tempo de angústia
Eduardo Sousa Gomes
 
A Grande Tribulação
A Grande TribulaçãoA Grande Tribulação
A Grande Tribulação
Márcio Martins
 
Eventos finais
Eventos finaisEventos finais
Eventos finais
frenjr
 
Estudo breve de escatologia
Estudo breve de escatologiaEstudo breve de escatologia
Estudo breve de escatologia
Welem C Lourenço
 
5 apocalipse as sete últimas pragas
5 apocalipse as sete últimas pragas5 apocalipse as sete últimas pragas
5 apocalipse as sete últimas pragas
José Santos
 

Mais procurados (20)

6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
 
Apocalipse - Capítulo 16
Apocalipse - Capítulo 16Apocalipse - Capítulo 16
Apocalipse - Capítulo 16
 
As sete últimas pragas
As sete últimas pragasAs sete últimas pragas
As sete últimas pragas
 
06 Apocalipse Diz Que Jesus Voltará
06   Apocalipse Diz Que Jesus Voltará06   Apocalipse Diz Que Jesus Voltará
06 Apocalipse Diz Que Jesus Voltará
 
Apocalipse 12 e 13 e a besta 666 especial
Apocalipse 12 e 13 e a besta 666 especialApocalipse 12 e 13 e a besta 666 especial
Apocalipse 12 e 13 e a besta 666 especial
 
U.XV - O Fim Das Nações
U.XV - O Fim Das NaçõesU.XV - O Fim Das Nações
U.XV - O Fim Das Nações
 
Quem são os sete reis de apocalipse 17?
Quem são os sete reis de apocalipse 17?Quem são os sete reis de apocalipse 17?
Quem são os sete reis de apocalipse 17?
 
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do SenhorU.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
 
11 as últimas mensagens de deus e a ceifa
11   as últimas mensagens de deus e a ceifa11   as últimas mensagens de deus e a ceifa
11 as últimas mensagens de deus e a ceifa
 
16 o milênio
16   o milênio16   o milênio
16 o milênio
 
Capítulo 12 de daniel
Capítulo 12 de danielCapítulo 12 de daniel
Capítulo 12 de daniel
 
Apocalipse 20
Apocalipse 20Apocalipse 20
Apocalipse 20
 
Apocalipse - Capítulo 18
Apocalipse - Capítulo  18Apocalipse - Capítulo  18
Apocalipse - Capítulo 18
 
14 a queda da grande babilônia
14   a queda da grande babilônia14   a queda da grande babilônia
14 a queda da grande babilônia
 
Os ultimos dias
Os ultimos diasOs ultimos dias
Os ultimos dias
 
O pequeno tempo de angústia
O pequeno tempo de angústiaO pequeno tempo de angústia
O pequeno tempo de angústia
 
A Grande Tribulação
A Grande TribulaçãoA Grande Tribulação
A Grande Tribulação
 
Eventos finais
Eventos finaisEventos finais
Eventos finais
 
Estudo breve de escatologia
Estudo breve de escatologiaEstudo breve de escatologia
Estudo breve de escatologia
 
5 apocalipse as sete últimas pragas
5 apocalipse as sete últimas pragas5 apocalipse as sete últimas pragas
5 apocalipse as sete últimas pragas
 

Destaque

Bases de datos de empresas con email
Bases de datos de empresas con emailBases de datos de empresas con email
Bases de datos de empresas con email
Aire Acondicionado
 
Empresas zombie
Empresas zombieEmpresas zombie
empresa claro
empresa claroempresa claro
empresa claro
loserrato
 
Plano de Governo 2011-2014
Plano de Governo 2011-2014Plano de Governo 2011-2014
Plano de Governo 2011-2014
Imprensa SomosMG
 
Caso Acara Net Learning Vf
Caso Acara Net Learning VfCaso Acara Net Learning Vf
Caso Acara Net Learning Vf
Net-Learning - Soluciones para E-learning
 
Revista fetracom pdf
Revista fetracom pdfRevista fetracom pdf
Revista fetracom pdf
Rodrigo Brito
 
Taller 3 . internet
Taller 3 . internetTaller 3 . internet
Taller 3 . internet
evis1
 
Apresentação captação de recursos
Apresentação captação de recursosApresentação captação de recursos
Apresentação captação de recursos
ijuicom
 
Entendendo o Twitter
Entendendo o TwitterEntendendo o Twitter
Entendendo o Twitter
Dialeto Social Media
 
Produção mais Limpa em Sistemas Locais de Produção
Produção mais Limpa em Sistemas Locais de ProduçãoProdução mais Limpa em Sistemas Locais de Produção
Produção mais Limpa em Sistemas Locais de Produção
Centro Universitário de Rio Preto - UNIRP
 
EPW
EPWEPW
Novas medidas brasil maior
Novas medidas brasil maiorNovas medidas brasil maior
Novas medidas brasil maior
Juliana Sarieddine
 
Reclamo empresa claro
Reclamo empresa claroReclamo empresa claro
Reclamo empresa claro
danielcix
 
Trabalho adelia
Trabalho adeliaTrabalho adelia
Trabalho adelia
Brunno Curis
 
Meninas de fortaleza c
Meninas de fortaleza   cMeninas de fortaleza   c
Meninas de fortaleza c
Fernando Zornitta
 
HTML - Guia 1 e 2
HTML - Guia 1 e 2HTML - Guia 1 e 2
HTML - Guia 1 e 2
Alvaro Gomes
 
Pirassununga cidade simpatia
Pirassununga  cidade simpatiaPirassununga  cidade simpatia
Pirassununga cidade simpatia
Marli Caron
 
Como cuidar pra seu peixe não acabar
Como cuidar pra seu peixe não acabarComo cuidar pra seu peixe não acabar
Como cuidar pra seu peixe não acabar
Katia Carvalheiro
 
Manual empreendedor
Manual empreendedorManual empreendedor
Manual empreendedor
Eng. Valtenor Silva
 

Destaque (20)

Bases de datos de empresas con email
Bases de datos de empresas con emailBases de datos de empresas con email
Bases de datos de empresas con email
 
Empresas zombie
Empresas zombieEmpresas zombie
Empresas zombie
 
empresa claro
empresa claroempresa claro
empresa claro
 
Plano de Governo 2011-2014
Plano de Governo 2011-2014Plano de Governo 2011-2014
Plano de Governo 2011-2014
 
Caso Acara Net Learning Vf
Caso Acara Net Learning VfCaso Acara Net Learning Vf
Caso Acara Net Learning Vf
 
Revista fetracom pdf
Revista fetracom pdfRevista fetracom pdf
Revista fetracom pdf
 
Taller 3 . internet
Taller 3 . internetTaller 3 . internet
Taller 3 . internet
 
Apresentação captação de recursos
Apresentação captação de recursosApresentação captação de recursos
Apresentação captação de recursos
 
Entendendo o Twitter
Entendendo o TwitterEntendendo o Twitter
Entendendo o Twitter
 
Produção mais Limpa em Sistemas Locais de Produção
Produção mais Limpa em Sistemas Locais de ProduçãoProdução mais Limpa em Sistemas Locais de Produção
Produção mais Limpa em Sistemas Locais de Produção
 
O proceso industrializador
O proceso industrializadorO proceso industrializador
O proceso industrializador
 
EPW
EPWEPW
EPW
 
Novas medidas brasil maior
Novas medidas brasil maiorNovas medidas brasil maior
Novas medidas brasil maior
 
Reclamo empresa claro
Reclamo empresa claroReclamo empresa claro
Reclamo empresa claro
 
Trabalho adelia
Trabalho adeliaTrabalho adelia
Trabalho adelia
 
Meninas de fortaleza c
Meninas de fortaleza   cMeninas de fortaleza   c
Meninas de fortaleza c
 
HTML - Guia 1 e 2
HTML - Guia 1 e 2HTML - Guia 1 e 2
HTML - Guia 1 e 2
 
Pirassununga cidade simpatia
Pirassununga  cidade simpatiaPirassununga  cidade simpatia
Pirassununga cidade simpatia
 
Como cuidar pra seu peixe não acabar
Como cuidar pra seu peixe não acabarComo cuidar pra seu peixe não acabar
Como cuidar pra seu peixe não acabar
 
Manual empreendedor
Manual empreendedorManual empreendedor
Manual empreendedor
 

Semelhante a 27. apostasia

O FECHAMENTO DA PORTA DA GRAÇA
O FECHAMENTO DA PORTA DA GRAÇAO FECHAMENTO DA PORTA DA GRAÇA
O FECHAMENTO DA PORTA DA GRAÇA
Lc Passold
 
Lição 11 - A segunda vinda de cristo
Lição 11 - A segunda vinda de cristoLição 11 - A segunda vinda de cristo
Lição 11 - A segunda vinda de cristo
Erberson Pinheiro
 
Escatologia cap.03
Escatologia cap.03Escatologia cap.03
Escatologia cap.03
Welem C Lourenço
 
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
José Carlos Polozi
 
E S C A T O L O G I A
E S C A T O L O G I AE S C A T O L O G I A
E S C A T O L O G I A
Feitosa Lima
 
Escatologia cap. 01
Escatologia cap. 01Escatologia cap. 01
Escatologia cap. 01
Welem C Lourenço
 
Apocalipse intro e cap 01
Apocalipse intro e cap 01Apocalipse intro e cap 01
Apocalipse intro e cap 01
Welem C Lourenço
 
Textos sobre espirito_santo
Textos sobre espirito_santoTextos sobre espirito_santo
Textos sobre espirito_santo
Jose Moraes
 
Folheto esperança
Folheto esperançaFolheto esperança
Folheto esperança
Rogerio Sena
 
Novas Ideias & Nova Luz
Novas Ideias & Nova LuzNovas Ideias & Nova Luz
Novas Ideias & Nova Luz
IASD Pedro Ludovico
 
.......A CRUZ E O PLANO DA REDENCAO.pptx
.......A CRUZ E O PLANO DA REDENCAO.pptx.......A CRUZ E O PLANO DA REDENCAO.pptx
.......A CRUZ E O PLANO DA REDENCAO.pptx
NeyCardoso4
 
Mesa branca
Mesa brancaMesa branca
34. apocalipse 1
34. apocalipse 134. apocalipse 1
34. apocalipse 1
pohlos
 
O fim do tempo da graça
O fim do tempo da graçaO fim do tempo da graça
O fim do tempo da graça
Diego Fortunatto
 
No limiar do tempo do fim .ESTUDO PROFÉTICO.
No limiar do tempo do fim .ESTUDO PROFÉTICO.No limiar do tempo do fim .ESTUDO PROFÉTICO.
No limiar do tempo do fim .ESTUDO PROFÉTICO.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
No limiar do tempo do fim
No limiar do tempo do fimNo limiar do tempo do fim
No limiar do tempo do fim
jb1955
 
No limiar do tempo do fim
No limiar do tempo do fimNo limiar do tempo do fim
No limiar do tempo do fim
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Sinais de que o fim se aproxima
Sinais de que o fim se aproximaSinais de que o fim se aproxima
Sinais de que o fim se aproxima
Noimix
 
A Chegada Do Anticristo
A Chegada Do AnticristoA Chegada Do Anticristo
A Chegada Do Anticristo
dilima20
 
Livro o ultimo_dia_-_com_fotos
Livro o ultimo_dia_-_com_fotosLivro o ultimo_dia_-_com_fotos
Livro o ultimo_dia_-_com_fotos
aloisio de carvalho
 

Semelhante a 27. apostasia (20)

O FECHAMENTO DA PORTA DA GRAÇA
O FECHAMENTO DA PORTA DA GRAÇAO FECHAMENTO DA PORTA DA GRAÇA
O FECHAMENTO DA PORTA DA GRAÇA
 
Lição 11 - A segunda vinda de cristo
Lição 11 - A segunda vinda de cristoLição 11 - A segunda vinda de cristo
Lição 11 - A segunda vinda de cristo
 
Escatologia cap.03
Escatologia cap.03Escatologia cap.03
Escatologia cap.03
 
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
 
E S C A T O L O G I A
E S C A T O L O G I AE S C A T O L O G I A
E S C A T O L O G I A
 
Escatologia cap. 01
Escatologia cap. 01Escatologia cap. 01
Escatologia cap. 01
 
Apocalipse intro e cap 01
Apocalipse intro e cap 01Apocalipse intro e cap 01
Apocalipse intro e cap 01
 
Textos sobre espirito_santo
Textos sobre espirito_santoTextos sobre espirito_santo
Textos sobre espirito_santo
 
Folheto esperança
Folheto esperançaFolheto esperança
Folheto esperança
 
Novas Ideias & Nova Luz
Novas Ideias & Nova LuzNovas Ideias & Nova Luz
Novas Ideias & Nova Luz
 
.......A CRUZ E O PLANO DA REDENCAO.pptx
.......A CRUZ E O PLANO DA REDENCAO.pptx.......A CRUZ E O PLANO DA REDENCAO.pptx
.......A CRUZ E O PLANO DA REDENCAO.pptx
 
Mesa branca
Mesa brancaMesa branca
Mesa branca
 
34. apocalipse 1
34. apocalipse 134. apocalipse 1
34. apocalipse 1
 
O fim do tempo da graça
O fim do tempo da graçaO fim do tempo da graça
O fim do tempo da graça
 
No limiar do tempo do fim .ESTUDO PROFÉTICO.
No limiar do tempo do fim .ESTUDO PROFÉTICO.No limiar do tempo do fim .ESTUDO PROFÉTICO.
No limiar do tempo do fim .ESTUDO PROFÉTICO.
 
No limiar do tempo do fim
No limiar do tempo do fimNo limiar do tempo do fim
No limiar do tempo do fim
 
No limiar do tempo do fim
No limiar do tempo do fimNo limiar do tempo do fim
No limiar do tempo do fim
 
Sinais de que o fim se aproxima
Sinais de que o fim se aproximaSinais de que o fim se aproxima
Sinais de que o fim se aproxima
 
A Chegada Do Anticristo
A Chegada Do AnticristoA Chegada Do Anticristo
A Chegada Do Anticristo
 
Livro o ultimo_dia_-_com_fotos
Livro o ultimo_dia_-_com_fotosLivro o ultimo_dia_-_com_fotos
Livro o ultimo_dia_-_com_fotos
 

Mais de pohlos

56 pão temporal
56   pão temporal56   pão temporal
56 pão temporal
pohlos
 
55. a norma mais alta
55. a norma mais alta55. a norma mais alta
55. a norma mais alta
pohlos
 
54. o poder das trevas
54. o poder das trevas54. o poder das trevas
54. o poder das trevas
pohlos
 
53. vans suspeitas
53. vans suspeitas53. vans suspeitas
53. vans suspeitas
pohlos
 
52. o que é religião
52. o que é religião52. o que é religião
52. o que é religião
pohlos
 
51. devemos amar uns aos outros
51. devemos amar uns aos outros51. devemos amar uns aos outros
51. devemos amar uns aos outros
pohlos
 
50. enigmas da bíblia
50. enigmas da bíblia50. enigmas da bíblia
50. enigmas da bíblia
pohlos
 
49. o ômega e o alfa
49. o ômega e o alfa49. o ômega e o alfa
49. o ômega e o alfa
pohlos
 
48. o amor à comodidade
48. o amor à comodidade48. o amor à comodidade
48. o amor à comodidade
pohlos
 
47. a obrar do pastor
47. a obrar do pastor47. a obrar do pastor
47. a obrar do pastor
pohlos
 
46. árvore de fruto
46. árvore de fruto46. árvore de fruto
46. árvore de fruto
pohlos
 
45. a luz do mundo
45. a luz do mundo45. a luz do mundo
45. a luz do mundo
pohlos
 
44. linguagem
44. linguagem44. linguagem
44. linguagem
pohlos
 
43. o selamento dos 144 mil
43. o selamento dos 144 mil43. o selamento dos 144 mil
43. o selamento dos 144 mil
pohlos
 
42. a oração
42. a oração42. a oração
42. a oração
pohlos
 
41. estudo independente
41. estudo independente41. estudo independente
41. estudo independente
pohlos
 
39. a condição da igreja i
39. a condição da igreja i39. a condição da igreja i
39. a condição da igreja i
pohlos
 
40. trono
40. trono40. trono
40. trono
pohlos
 
38. abismo
38. abismo38. abismo
38. abismo
pohlos
 
37. verduras
37. verduras37. verduras
37. verduras
pohlos
 

Mais de pohlos (20)

56 pão temporal
56   pão temporal56   pão temporal
56 pão temporal
 
55. a norma mais alta
55. a norma mais alta55. a norma mais alta
55. a norma mais alta
 
54. o poder das trevas
54. o poder das trevas54. o poder das trevas
54. o poder das trevas
 
53. vans suspeitas
53. vans suspeitas53. vans suspeitas
53. vans suspeitas
 
52. o que é religião
52. o que é religião52. o que é religião
52. o que é religião
 
51. devemos amar uns aos outros
51. devemos amar uns aos outros51. devemos amar uns aos outros
51. devemos amar uns aos outros
 
50. enigmas da bíblia
50. enigmas da bíblia50. enigmas da bíblia
50. enigmas da bíblia
 
49. o ômega e o alfa
49. o ômega e o alfa49. o ômega e o alfa
49. o ômega e o alfa
 
48. o amor à comodidade
48. o amor à comodidade48. o amor à comodidade
48. o amor à comodidade
 
47. a obrar do pastor
47. a obrar do pastor47. a obrar do pastor
47. a obrar do pastor
 
46. árvore de fruto
46. árvore de fruto46. árvore de fruto
46. árvore de fruto
 
45. a luz do mundo
45. a luz do mundo45. a luz do mundo
45. a luz do mundo
 
44. linguagem
44. linguagem44. linguagem
44. linguagem
 
43. o selamento dos 144 mil
43. o selamento dos 144 mil43. o selamento dos 144 mil
43. o selamento dos 144 mil
 
42. a oração
42. a oração42. a oração
42. a oração
 
41. estudo independente
41. estudo independente41. estudo independente
41. estudo independente
 
39. a condição da igreja i
39. a condição da igreja i39. a condição da igreja i
39. a condição da igreja i
 
40. trono
40. trono40. trono
40. trono
 
38. abismo
38. abismo38. abismo
38. abismo
 
37. verduras
37. verduras37. verduras
37. verduras
 

Último

DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (16)

DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 

27. apostasia

  • 1.
  • 2. 1| Apostila –Apostasia APOSTASIA Os homens não podem impunemente rejeitar as advertências que Deus em Sua misericórdia lhes envia. No tempo de Noé, uma mensagem do Céu foi endereçada ao mundo, e a salvação do povo dependia da maneira como a recebesse. Rejeitada a advertência, o Espírito de Deus foi retirado da raça pecadora, e pereceram nas águas do dilúvio. Nos dias de Abraão, a misericórdia cessou de contender com os culposos habitantes de Sodoma, e todos, com exceção de Ló, a esposa e duas filhas, foram consumidos pelo fogo enviado do Céu. Assim foi nos dias de Cristo. O Filho de Deus declarara aos judeus incrédulos daquela geração: "Vossa casa vai ficar-vos deserta." Mat. 23:38. Olhando através dos tempos para os últimos dias, o mesmo Poder infinito declara a respeito dos que "não receberam o amor da verdade para se salvarem": "Por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade." II Tess. 2:10-12. Sendo rejeitados os ensinos de Sua Palavra, Deus retira o Seu Espírito e os deixa entregues aos enganos que amam. (Cristo em Seu Santuario, 104) [Sl 14; Mat 24: 37-39; 12: 43-45; 23: 37-39; Jer 8: 5-13; Isa 1: 3-7; Ml 2: 8, 9; Rom 2: 17-24; 11: 5; 9: 27; Isa 1: 9; 10: 20-23] A Bíblia declara que nos últimos tempos os homens estariam absortos em empresas mundanas, prazeres e enriquecimento. Estariam cegos para as realidades eternas. Cristo diz: "E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem." Mat. 22: 1 – 14; 8: 11, 12. (PJ, 228) A condição da igreja neste tempo é indicada nas palavras do Salvador, em Apocalipse: "Tens nome de que vives, e estás morto”. Aos que se recusam despertar de seu descuidoso sentimento de
  • 3. A p o s t i l a – A p o s t a s i a |2 segurança, é dirigido aviso solene: Se não vigiares, virei a ti como ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei.” Apoc 3: 1, 3. (GC, 309) [Amós 3: 10-15; 4: 12; 6: 8; 8: 10-13; 9: 1-10; Oseías 8: 1-12; 3: 1-5; 4: 1-12, 17; Rom 3: 10-12] A vinda do esposo foi à meia-noite - a hora mais tenebrosa. Assim a vinda de Cristo será no período mais tenebroso da história deste mundo. Os dias de Noé e de Ló ilustram a condição do mundo exatamente antes da vinda do Filho do homem. Apontando para esse tempo, declaram as Escrituras que Satanás trabalhará com todo poder e "sinais, e prodígios de mentira". II Tess. 2:9. Sua obra é revelada claramente pelas trevas que se adensam rapidamente, pela multidão de erros, heresias e enganos destes últimos dias. Satanás não só leva cativo o mundo, porém suas ilusões infectam até as professas igrejas de nosso Senhor Jesus Cristo. A grande apostasia se desenvolverá em trevas tão densas como as da meia-noite, impenetráveis como a mais intensa escuridão. Para o povo de Deus será uma noite de prova, noite de lamentação, noite de perseguição por causa da verdade. Mas nessa noite de trevas brilhará a luz de Deus. Fez que "das trevas resplandecesse a luz". II Cor. 4:6. Quando "a Terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus Se movia sobre a face das águas. E disse Deus: Haja luz. E houve luz". Gên. 1:2 e 3. Também na noite das trevas espirituais a Palavra de Deus diz: "Haja luz." A Seu povo, diz Ele: "Levanta-te, resplandece, porque já vem a tua luz, e a glória do Senhor vai nascendo sobre ti." Isa. 60:1. "Eis", diz a Escritura, "que as trevas cobriram a Terra, e a escuridão, os povos; mas sobre ti o Senhor virá surgindo, e a Sua glória se verá sobre ti." Isa. 60:2. A escuridão do falso conceito acerca de Deus é que está envolvendo o mundo. Os homens estão perdendo o conhecimento de Seu caráter. Este tem sido mal compreendido e mal-interpretado. Neste tempo deve ser proclamada uma mensagem de Deus, uma mensagem de influência iluminante e capacidade salvadora. O caráter de Deus deve tornar-se notório. Deve ser difundida nas trevas do mundo a luz de Sua glória, a luz de Sua benignidade, misericórdia e verdade.
  • 4. 3| Apostila –Apostasia Esta é a obra esboçada pelo profeta Isaías, nas palavras: "Tu, anunciador de boas novas a Jerusalém, levanta a tua voz fortemente; levanta-a, não temas e dize às cidades de Judá: Eis aqui está o vosso Deus. Eis que o Senhor Jeová virá como o forte, e o Seu braço dominará; eis que o Seu galardão vem com Ele, e o Seu salário, diante da Sua face." Isa. 40:9 e 10. Os que aguardam a vinda do esposo devem dizer ao povo: "Eis aqui está o vosso Deus." Isa. 40:9. Os últimos raios da luz misericordiosa, a última mensagem de graça a ser dada ao mundo, é uma revelação do caráter do amor divino. Os filhos de Deus devem manifestar Sua glória. Revelarão em sua vida e caráter o que a graça de Deus por eles tem feito. A luz do Sol da Justiça deve irradiar em boas obras - em palavras de verdade e atos de santidade. Cristo, o resplendor da glória do Pai, veio ao mundo como sua luz. Veio representar Deus aos homens, e dEle está escrito que foi ungido "com o Espírito Santo e com virtude", e "andou fazendo o bem". Atos 10:38. Na sinagoga de Nazaré, disse: "O Espírito do Senhor é sobre Mim, pois que Me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-Me a curar os quebrantados do coração, a apregoar liberdade aos cativos, a dar vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor." Luc. 4:18 e 19. Esta foi a obra de que encarregou os discípulos. "Vós sois a luz do mundo", disse Ele. "Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos Céus." Mat. 5:14 e 16. Esta é a obra que o profeta Isaías descreve, dizendo: "Porventura, não é também que repartas o teu pão com o faminto e recolhas em casa os pobres desterrados? E, vendo o nu, o cubras e não te escondas daquele que é da tua carne? Então, romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante da tua face, e a glória do Senhor será a tua retaguarda." Isa. 58:7 e 8. Assim, pois, a glória de Deus deve brilhar mediante Sua igreja na noite de trevas espirituais, soerguendo os oprimidos e confortando os que choram. (PJ, 414 – 417)
  • 5. A p o s t i l a – A p o s t a s i a |4 Diz o Apostolo Pedro nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências, e dizendo: Onde está a promessa da Sua vinda porque desde que os pais dormiram todas as coisas permanecem como desde o princípio." II Ped. 3: 3, 4; Jd 18;Isa 5: 19; Luc 18: 8. Não ouvimos estas mesmas palavras repetidas, não simplesmente pelos declaradamente ímpios, mas por muitos que ocupam o púlpito em nosso país? "Não há motivo para alarme", exclamam eles. "Antes que Cristo venha, todo o mundo se converterá, e a justiça reinará durante mil anos. Paz! paz! todas as coisas continuam como eram desde o princípio. Que ninguém se perturbe com a excitante mensagem desses alarmistas." Mas tal doutrina do milênio não se harmoniza com os ensinos de Cristo e Seus apóstolos. Jesus fez a significativa pergunta: "Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na Terra?" Luc. 18:8. E, conforme vimos, Ele declara que o estado do mundo será como nos dias de Noé. Paulo nos adverte que podemos esperar a iniqüidade aumentar ao aproximar-se o fim: "O Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios." I Tim. 4:1. O apóstolo diz que "nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos". II Tim. 3:1; Rom 1: 29-32. E ele dá uma lista surpreendente de pecados que se encontrarão entre os que têm uma forma de piedade. (PP, 103) O apostolo Paulo tenta levar a firme convicção da volta de Cristo, porém tenta deixar firme no coração dos crentes a não se desviarem dos firmes fundamentos e não serem levados por ventos de doutrinas (Ef 4: 14). Os crentes devem ser firmes em seu modo de pensar. O apostolo reconhece que o perigo de um engano é real e grave (Mat 24: 4). Os métodos de engano seriam muitos, e Paulo não trata de limitá-los aos três mencionados (II Tes 2: 2). Mas tenta os manter firmes. O inimigo da igreja fará sinais e milagres aparentes para induzir aos incautos a que aceitem o grande engano ou mentira (ver 9-11). O povo de Deus deve, por tanto, estar alerta para não ser desraigado. Sua fé deve fundamentar-se nas claras afirmações da Palavra de Deus. Deixa claro que Cristo não virá sem que antes seja revelado o homem do pecado – O anticristo. E fala de uma grande apostasia, aponto de escurecer o verdadeiro cristianismo (Atos 21: 21). Paulo deu
  • 6. 5| Apostila –Apostasia instruções definidas aos cristãos de tessalonicense a cerca desta apostasia que viria. E predisse que essa apostasia seria por causa de homens que se levantariam dentro da igreja, para arrastar atrás de si os discípulos (Atos 20: 30). Ele admoestou a Timóteo acerca do perigo similares, dizendo que chegaria o tempo quando os homens prefeririam as fabulas e fechariam os olhos a verdade (I Tim 4: 1-3; II Tim 4: 3-4). Pedro e Judas falam em tons duro, a cerca dos que tem abandonado o caminho da verdade (II Pe 2: 1, 12-22; Jud 4, 10-13); e João testifica que no tempo, quando escrevia, havia surgido muitos anticristo (I João 2: 18). O Senhor mesmo instou com seus discípulos, que tivessem cuidado com os falsos profetas (Mat 7: 15; 24: 24), e predisse que muitos tropeçariam (Mat 24: 10). Paulo não define bem o tipo de apostasia, apenas deixa claro, que apostasia é religiosa é uma rebelião espiritual e que tem uma relação primordial com a política e essa facção era para o futuro, quando escrevia Paulo. Que seria antes do segundo advento de Cristo, e seria como um sinal da aproximação de Sua volta. (II Tes 2: 2). Por isto não se deveria esperar a vinda de Cristo sem que tivesse uma grande apostasia. A profecia a cerca desta caída espiritual parcialmente se cumpriu nos dias de Paulo e muito mais durante a chamada idade Média. Porém seu cumprimento completo ocorreria nos dias imediatos prévios ao regresso de Jesus. (II Cor 11: 13 – 15) Se manifestar Tirar o véu, descobrir, fazer saber. Se revelar. (ver com Apoc 1: 1) este verbo se repete em II Tes 2: 6, 8, e se usa em outras partes do NT para referir-se a revelações sobrenaturais (Mat 16: 17; Luc 10: 22;) e especialmente para referir-se a aparição de Cristo (Luc 17: 30;) revelação, em ( I Cor 1: 7, manifestação, em I Pe 1: 7,13, manifestado, em I Pe 4: 13, revelação. Isto sugere que a manifestação do homem do pecado implicaria elementos sobrenaturais e que sua esfera de ascensão seria claramente de caráter religioso. O fato de que o homem do pecado vai se manifestar significa que estaria oculto até certo momento, e então se manifestaria ao mundo. – do qual ate este tempo se fazia escondido – que se tiraria seu disfarce e aparecia tal como é, ou que tiraria seu disfarce e se daria conhecer sua verdadeira natureza perante os habitantes da terra. O homem do pecado – cuja característica distintiva é o pecado. Ou filho destinado para a perdição, que se encontra só uma vez mais nas
  • 7. A p o s t i l a – A p o s t a s i a |6 Escrituras onde se usa esta denominação. O Salvador aplicou á Judas, João 17: 12. Apostolo que uma vez foi companheiro dos discípulos e igual a eles, porem que permitiu de tal maneira que Satanás entrar em seu coração João 13: 2, 27, que traiu o seu Senhor Mat. 26: 47-50. (Comentário Bíblico de II Tes 2: 2-3.). Antes que os irmãos possam esperar a vinda de Cristo, devia manifestar-se o homem do pecado e fazer sua obra de exaltamento e blasfêmia. Este grande acontecimento devia ser precedido por uma apostasia: se revelaria uma forma de anticristo, e devia atuar a levedura da apostasia até o fim do tempo (RH 31-7 1888) Ao mesmo tempo que exaltava a "firme palavra dos profetas" como guia seguro em tempos de perigo, o apóstolo solenemente advertia a igreja contra a tocha da falsa profecia, que seria erguida por "falsos doutores", os quais introduziriam encobertamente "heresias de perdição, e negarão o Senhor". II Ped. 2:1. Esses falsos mestres que apareceriam na igreja e seriam considerados verdadeiros por muitos de seus irmãos na fé, são comparados pelo apóstolo a "fontes sem água, nuvens levadas pela força do vento; para os quais a escuridão das trevas eternamente se reserva". II Ped. 2:17. "Tornou-se-lhes o último estado", declarou ele, "pior do que o primeiro." "Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado." II Ped. 2: 20 – 22; Mat 12: 43 – 45; Prov, 26: 11. Olhando através dos séculos para o fim do tempo, Pedro foi inspirado a esboçar as condições que prevaleceriam no mundo antes da segunda vinda de Cristo. "Nos últimos dias virão escarnecedores", escreveu, "andando segundo as suas próprias concupiscências, e dizendo: Onde está a promessa da Sua vinda? Porque desde que os pais dormiram todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação." II Ped. 3:3 e 4. Mas "quando disserem: Há paz e segurança; então lhes sobrevirá repentina destruição". I Tess. 5:3. Nem todos, porém, seriam enganados pelos ardis do inimigo. Ao aproximar-se o fim de todas as coisas terrestres, haveria fiéis capazes de discernir os sinais dos tempos. Conquanto um grande número de professos crentes negasse a sua fé por suas obras, haveria um remanescente que preservaria até o fim. (Atos dos Apóstolos, 535-536) Rom. 9: 27 -28; Isa 1: 9; 10: 22, 23; Isa 11: 11, 12.
  • 8. 7| Apostila –Apostasia O apóstolo advertia Timóteo contra os falsos mestres que se introduziriam na igreja. "Sabe, porém, isto", escreveu, "que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos... tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te." II Tim 3:1-5. "Mas", continuou, "os homens maus e enganadores irão de mal para pior, enganando e sendo enganados. Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, e que desde da tua meninice sabes as Sagradas Letras, que podem fazer-te sábio para a salvação. ... Toda a Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra." II Tim 3:13-17. Deus proveu meios abundantes para o êxito na luta contra o mal que há no mundo. A Bíblia é a armadura com que nos podemos equipar para a luta. Nossos lombos devem estar cingidos com a verdade. Nossa couraça deve ser de justiça. Na mão devemos ter o escudo da fé, e na cabeça o capacete da salvação; e com a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus, devemos abrir caminho por entre as obstruções e embaraços do pecado. Paulo sabia estar perante a igreja um tempo de grande perigo. Sabia que uma obra fiel e zelosa devia ser feita pelos que tinham a responsabilidade das igrejas; assim escreveu a Timóteo: "Conjuro-te, pois diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na Sua vinda e no Seu reino, que pregues a Palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina." II Tim 4:1- 5; I Tim 4: 1-5; I Tim 1: 9-10. Esta solene incumbência a alguém tão zeloso e fiel como era Timóteo é um forte testemunho da importância e responsabilidade da obra do ministro evangélico. Chamando Timóteo ao tribunal de Deus, Paulo lhe ordena pregar a Palavra, não fórmulas e ditos humanos; a testemunhar prontamente de Deus onde quer que se lhe apresentasse oportunidade - diante de grandes congregações ou de limitados círculos, junto aos caminhos e nos lares, a amigos e a inimigos, fosse em segurança ou exposto a dificuldades e perigos, injúria e danos.
  • 9. A p o s t i l a – A p o s t a s i a |8 Temendo que a disposição branda e condescendente de Timóteo pudesse levá-lo a esquivar-se de uma parte essencial de sua obra, Paulo exorta-o a ser fiel em reprovar o pecado, e a repreender mesmo com firmeza os que fossem culpados de males graves. Contudo devia fazê-lo "com toda a longanimidade e doutrina". II Tim. 4:2. Devia ele revelar a paciência e o amor de Cristo, tornando claras suas reprovações e reforçando-as pelas verdades da Palavra. Odiar e reprovar o pecado, e ao mesmo tempo mostrar piedade e comiseração pelo pecador é uma difícil tarefa. Quanto mais ardentes nossos próprios esforços para manter a santidade do coração e da vida, tanto mais aguda nossa percepção do pecado, e mais decidida nossa desaprovação de qualquer desvio do direito. Precisamos guardar-nos contra a indevida severidade no trato com os que erram; mas precisamos também ser cuidadosos para não perder de vista a excessiva malignidade do pecado. Há necessidade de mostrar-se paciência e amor semelhantes aos de Cristo pelo que erra, mas há também o perigo de se mostrar tão grande tolerância pelo seu erro que ele se considerará não merecedor de reprovação e a rejeitará como inoportuna e injusta. Os ministros do evangelho às vezes causam grande dano permitindo que sua tolerância pelo que erra degenere em tolerância pelos pecados, e mesmo participação deles. Assim são levados a desculpar e passar por alto o que Deus condena; e depois de certo tempo tornam-se tão cegos que chegam a louvar aqueles a quem Deus manda reprovar. Aquele que tem suas percepções espirituais embotadas pela pecaminosa tolerância por aqueles a quem Deus condena, em breve estarão cometendo maior pecado pela severidade e rudeza no trato para com aqueles aos quais Deus aprova. Por se orgulharem de humana sabedoria, por menosprezarem a influência do Espírito Santo e por desprazer às verdades da Palavra de Deus, muitos que professam ser cristãos e que se imaginam competentes para ensinar a outros, serão levados a voltar as costas aos requisitos de Deus. Paulo declarou a Timóteo: "Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas." II Tim 4:3 e 4. O apóstolo não faz aqui referência a aberta irreligiosidade, mas a professos cristãos que fazem da inclinação guia, tornando-se assim escravos do eu. Tais pessoas estão dispostas a
  • 10. 9| Apostila –Apostasia atentar apenas às doutrinas que lhes não repreendam os pecados ou condenem a vida de amor ao prazer. Sentem-se ofendidos pelas claras palavras dos fiéis servos de Cristo, e escolhem mestres que os louvem e adulem. E entre os professos ministros há os que pregam as opiniões dos homens em lugar da Palavra de Deus. Infiéis ao dever, desviam os que a eles vão em busca de orientação espiritual. (Atos dos Apóstolos, 502-505) Cristo predisse que se levantariam enganadores, por cuja influência faria transbordar a iniqüidade e esfriaria o "amor de muitos". Mat. 24:12. Advertiu os discípulos de que a igreja se encontraria em maior perigo por motivo desse mal, do que pela perseguição movida por seus inimigos. Vezes e mais vezes Paulo advertiu os crentes contra esses falsos ensinadores. Contra este perigo, acima de qualquer outro, deviam eles precaver-se; pois que, recebendo falsos ensinadores, abririam a porta aos erros mediante o que o inimigo turbaria as percepções espirituais e abalaria a confiança dos recém-conversos à fé do evangelho. Cristo era a norma pela qual deviam eles testar as doutrinas apresentadas. Tudo o que não estivesse em harmonia com Seus ensinos devia ser rejeitado. Cristo crucificado pelo pecado, Cristo ressurgido dos mortos, Cristo assunto ao Céu - esta era a ciência da salvação que eles deviam aprender e ensinar. As advertências da Palavra de Deus com respeito aos perigos que rodeiam a igreja cristã pertencem a nós hoje. Como nos dias dos apóstolos os homens procuravam destruir a fé nas Escrituras pelas tradições e filosofias, assim hoje, pelos aprazíveis sentimentos da "alta crítica", evolução, espiritismo, teosofia e panteísmo, o inimigo da justiça está procurando levar as almas para caminhos proibidos. Para muitos a Bíblia é uma lâmpada sem óleo, porque voltaram a mente para canais de crenças especulativas que produzem má compreensão e confusão. A obra da "alta crítica", em dissecar, conjeturar, reconstruir está destruindo a fé na Bíblia como uma revelação divina. Está roubando a Palavra de Deus em seu poder de controlar, erguer e inspirar vidas humanas. Pelo espiritismo, multidões são ensinadas a crer que o desejo é a mais alta lei, que licenciosidade é liberdade, e que o homem deve prestar contas apenas a si mesmo. (Atos dos Apóstolos, 473-474). Por meio de adulteração e falsificação os emissários de Satanás buscavam suscitar oposição às doutrinas de Cristo; e como
  • 11. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 10 conseqüência disso, dissensões e heresias estavam pondo em perigo a igreja. Alguns que professavam a Cristo pretendiam que Seu amor os libertara da obediência à lei de Deus. Por outro lado muitos ensinavam que era necessário observar os costumes e cerimônias judaicos; que a mera observância da lei, sem fé no sangue de Cristo, era suficiente para a salvação. Outros mantinham que Cristo fora um homem bom, mas negavam Sua divindade. Alguns que simulavam ser leais à causa de Deus, eram enganadores, e na prática negavam a Cristo e Seu evangelho. Vivendo eles mesmos em transgressão, introduziam heresias na igreja. Muitos eram assim levados a um labirinto de ceticismo e engano. (Atos dos Apóstolos, 553) João enchia-se de tristeza ao ver surgirem na igreja esses venenosos erros. Viu os perigos a que a igreja seria exposta, e enfrentou a emergência com prontidão e decisão. As epístolas de João respiram o espírito de amor. É assim como se ele escrevesse com a pena molhada no amor. Mas quando entrou em contato com os que estavam a quebrar a lei de Deus, embora declarando estar vivendo sem pecado, não hesitou em adverti-los de seu perigoso engano. Estamos autorizados a ter na mesma consideração indicada pelo discípulo amado os que alegam permanecer em Cristo ao mesmo tempo que vivem em transgressão da lei de Deus. Existem nestes últimos dias males semelhantes àqueles que ameaçavam a prosperidade da igreja primitiva; e os ensinos do apóstolo João sobre estes pontos deveriam ser cuidadosamente considerados. "Necessitais mostrar caridade", é o clamor que se ouve em todos os lugares, principalmente da parte daqueles que professam santificação. Mas a verdadeira caridade é demasiado pura para acobertar um pecado inconfessado. Conquanto devamos amar as almas por quem Cristo morreu, não nos devemos comprometer com o mal. Não nos podemos unir aos rebeldes e chamar a isto caridade. Deus requer de Seu povo nesta fase do mundo que permaneça firme pelo direito tanto quanto João, em oposição aos erros que arruínam a alma. (Atos dos Apóstolos, 554-555) O apóstolo exortava os gálatas a deixar os falsos guias por quem haviam sido desviados, e a voltar à fé que havia sido acompanhada por inquestionáveis evidências de aprovação divina. Os homens que os haviam procurado desviar de sua fé no evangelho eram hipócritas, de
  • 12. 11 | Apostila –Apostasia coração não santificado e vida corrupta. Sua religião era feita de um acervo de cerimônias, por cujas práticas esperavam ganhar o favor de Deus. Não tinham interesse num evangelho que requeria obediência à palavra: "Aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus." João 3:3. Sentiam que uma religião baseada em tal doutrina requeria demasiado sacrifício, e assim se apegavam a seus erros, enganando-se a si e aos outros. Suprir formas externas de religião em lugar de santidade de coração e de vida, é ainda tão agradável à natureza não renovada como o foi nos dias desses ensinadores judeus. Hoje, como então, existem falsos guias espirituais, para cujas doutrinas muitos atentam avidamente. É estudado esforço de Satanás desviar as mentes da esperança da salvação pela fé em Cristo e obediência à lei de Deus. Em cada século o arquiinimigo adapta suas tentações aos preconceitos ou inclinações daqueles a quem está procurando enganar. Nos tempos apostólicos levou os judeus a exaltar a lei cerimonial e rejeitar a Cristo; no presente ele induz muitos cristãos professos, sob a pretensão de honrarem a Cristo, a pôr em controvérsia a lei moral, e a ensinar que seus preceitos podem ser transgredidos impunemente. É dever de cada servo de Deus opor-se firme e decididamente a esses pervertedores da fé, e expor destemidamente seus erros pela Palavra da verdade. (Atos dos Apóstolos, 386-387) As palavras de advertência do apóstolo à igreja de Corinto, são aplicáveis a todos os tempos, e especialmente adaptadas a nossos dias. Por idolatria entendia ele não apenas a adoração de ídolos, mas o egocentrismo, o amor das comodidades e a condescendência com o apetite e paixão. Uma mera profissão de fé em Cristo, um presumido conhecimento da verdade, não tornam um homem cristão. Uma religião que busca apenas o deleite dos olhos, dos ouvidos, do paladar, ou que sanciona a condescendência própria, não é a religião de Cristo. (Atos dos Apóstolos, 317) Estamos agora a entrar nesta batalha - batalha entre as leis dos homens e os preceitos de Jeová, entre a religião da Bíblia e a religião das fábulas e da tradição. A incredulidade prevalece em assustadora proporção, não somente no mundo mas também na igreja. (GC, 582-583).
  • 13. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 12 Inumeráveis são as doutrinas errôneas e as fantasiosas idéias que estão ganhando terreno entre as igrejas da cristandade. É impossível avaliar os maus resultados de remover um dos marcos que foram fixados pela Palavra de Deus. Pouco dos que se arriscam a fazer isto param com a rejeição de uma única verdade. A maioria continua a pôr de lado, um após outro, os princípios da verdade, até que se tornam efetivamente incrédulos. Os erros da teologia popular têm arrastado ao ceticismo muitas almas que poderiam de outra maneira ter sido crentes nas Escrituras. Impossível lhes é aceitarem doutrinas que lhes ofendem o senso de justiça, misericórdia e benevolência; e, desde que tais são apresentadas como ensinos da Bíblia, recusam-se a recebê-la como a Palavra de Deus. (GC, 525). Quando se corrompeu a primitiva igreja, afastando-se da simplicidade do evangelho e aceitando ritos e costumes pagãos, perdeu o Espírito e o poder de Deus; e, para que pudesse governar a consciência do povo, procurou o apoio do poder secular. Disso resultou o papado, uma igreja que dirigia o poder do Estado e o empregava para favorecer aos seus próprios fins, especialmente na punição da "heresia". Foi a apostasia que levou a igreja primitiva a procurar o auxílio do governo civil, e isto preparou o caminho para o desenvolvimento do papado - a besta. Disse Paulo que havia de vir "a apostasia", e manifestar-se "o homem do pecado". II Tess. 2:3. Assim a apostasia na igreja preparará o caminho para a imagem à besta. A Escritura Sagrada declara que antes da vinda do Senhor existirá um estado de decadência religiosa semelhante à dos primeiros séculos. (GC, 443-444) Satanás há de excitar a indignação contra uma minoria que conscienciosamente se recusa a aceitar costumes e tradições populares. Magistrados perseguidores, ministro e membros de igreja, hão de conspirar contra eles. (II TS, 150). O último grande engano deve logo patentear-se diante de nós. O anticristo vai operar suas obras maravilhosas à nossa vista. Tão meticulosamente a contrafação se parecerá com o verdadeiro, que será
  • 14. 13 | Apostila –Apostasia impossível distinguir entre ambos sem o auxílio das Escrituras Sagradas. (GC, 593) Serão introduzidas teorias com as quais não será sábio lidarmos. Satanás é um astuto obreiro, e introduzirá falsidades sutis para obscurecer e confundir a mente e extirpar as doutrinas da salvação. Os que não aceitam a Palavra de Deus tal qual reza, serão apanhados em sua armadilha. Acho-me instruída a dizer que no futuro será necessária grande vigilância. Importa que não haja nenhuma ignorância espiritual entre o povo de Deus. Espíritos maus acham-se ativamente empenhados em buscar controlar a mente de seres humanos. Os homens estão-se atando em molhos, prontos a serem consumidos no fogo dos últimos dias. Os que rejeitam a Cristo e Sua justiça aceitarão o engano que está inundando o mundo. Os cristãos devem ser sóbrios e vigilantes, resistindo com firmeza ao adversário, o diabo, que anda em derredor bramando como leão, buscando a quem possa tragar. Homens sobre a influência de espíritos maus operarão milagres (II ME, 52-53) Nova ordem de coisas entrou no ministério. Há desejo de moldar-se segundo outras igrejas, e simplicidade e humildade são quase desconhecidas. Os ministros jovens procuram ser originais, e introduzir idéias e planos novos para o trabalho. Alguns iniciam reuniões de reavivamento, trazendo assim muitos conversos para a igreja. Passada, porém, a emoção, onde estão os convertidos? Não se vêem arrependimento e confissões de pecados. O pecador é instado a crer em Cristo e aceitá-Lo, sem consideração quanto a sua vida passada de pecado e rebelião. O coração não é quebrantado. Não há contrição de alma. Os supostos conversos não caíram sobre a Rocha, Cristo Jesus. O Antigo e o Novo Testamentos mostram-nos o único meio por que esta obra deve ser feita. Arrependei-vos, arrependei-vos, arrependei-vos, era a mensagem que João Batista fazia soar no deserto. A mensagem de Cristo ao povo, era: "Se vos não arrependerdes, todos de igual modo perecereis." Luc. 13:5. E aos apóstolos foi ordenado pregar em toda parte que os homens se arrependessem. O Senhor deseja que Seus servos hoje preguem a antiga doutrina evangélica - tristeza pelo pecado, arrependimento e confissão. Precisamos sermões à moda antiga,
  • 15. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 14 costumes à antiga, pais e mães em Israel à antiga. É preciso trabalhar pelo pecador perseverantemente, zelosa e sabiamente, até que ele veja que é transgressor da lei de Deus, e exerça arrependimento para com Deus, e fé no Senhor Jesus Cristo. Manuscrito 111. (II ME, 18-19) Falsas doutrinas minarão os fundamentos de muitos, porque eles não aprenderam a discernir a verdade do erro. Nossa única salvaguarda contra as astúcia de Satanás é estudar as Escrituras diligentemente, possuir inteligente compreensão da razão de nossa fé, e cumpri fielmente todo dever conhecido. A indulgência com um pecado conhecido causará fraqueza e trevas, e sujeita-nos a ardente tentação. (II ME, 58) Haverá conversões muitas, segundo uma ordem particular, mas não apresentarão a assinatura divina. Penetrará a imoralidade, e extravagância, e muitos naufragarão na fé. Haverá areias movediças nas quais muitos estão em perigo de submergir-se. (II ME, 59) Toda variedade de erro será trazida à luz na misteriosa operação de Satanás, a qual, se possível fora, enganaria até os escolhidos, desviando-os da verdade. Haverá sabedoria humana a enfrentar - a sabedoria de homens de saber, os quais, como os fariseus, são mestres da lei de Deus, mas não obedecem eles próprios à lei. Haverá a ignorância e a loucura humana a enfrentar em desconexas teorias aparelhadas em novas e fantásticas roupagens - teorias que será tanto mais difícil enfrentar quanto não há nelas nenhuma razão. Haverá falsos sonhos e visões, que encerram alguma verdade, mas desviam da fé original. O Senhor deu uma regra pela qual distingui-los: "À lei e ao testemunho: se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não têm iluminação." Isa. 8:20, Versão Trinitariana. Se eles desmerecem a lei de Deus, se não dão atenção a Sua vontade tal como é revelada nos testemunhos de Seu Espírito, são enganadores. Eles são controlados por impulso e impressões, que acreditam serem do Espírito Santo, e consideram mais dignos de confiança que a Palavra Inspirada. Pretendem que todo pensamento e sentimento é uma impressão do Espírito; e quando se raciocina com eles segundo as Escrituras, declaram que possuem alguma coisa mais digna de confiança. Ao passo, porém, que pensam ser guiados pelo Espírito de Deus, estão na verdade seguindo uma imaginação trabalhada por Satanás. (II ME, 98-99).
  • 16. 15 | Apostila –Apostasia Na história e na profecia a Palavra de Deus descreve o longo e continuado conflito entre a verdade e o erro. Esse conflito se acha ainda em processo. As coisas que foram, repetir-se-ão. Velhas controvérsias serão reavivadas, e novas teorias estarão continuamente a surgir. O povo de Deus, porém, que em sua crença e cumprimento de profecia desempenhou uma parte na proclamação da primeira, segunda e terceira mensagens angélicas, sabe onde se encontra. Possuem uma experiência que é mais preciosa que o ouro fino Devem permanecer firmes como a rocha, retendo firmemente o princípio de sua confiança até o fim. Um poder transformador acompanhou a proclamação das mensagens do primeiro e do segundo anjos, da mesma maneira que apóia a mensagem do terceiro. Perduráveis convicções foram feitas em mentes humanas. O poder do Espírito Santo foi manifestado. Houve diligente estudo das Escrituras, ponto por ponto. Quase noites inteiras foram consagradas ao diligente exame da Palavra. Pesquisávamos em busca da verdade como de tesouros ocultos. O Senhor Se nos revelou. Foi derramada luz sobre as profecias, e conhecemos que recebíamos instrução divina. ...(II ME, 109) Frio Formalismo ou Fanatismo Formalidade, sabedoria mundana, certa esperteza e métodos mundanos, parecerão a muitos o próprio poder de Deus, mas quando aceitos, ficam como obstáculo impedindo a luz de Deus em advertências, reprovação e conselho de atingir o mundo. Ele [Satanás] está trabalhando com todo o seu poder insinuante, enganador, para desviar os homens da mensagem do terceiro anjo, que deve ser proclamada com forte poder. Se Satanás vê que Deus está abençoando Seu povo e preparando-os para discernir-lhe os enganos, trabalha com sua magistral capacidade para introduzir fanatismo de um lado e frio formalismo de outro, para que ele possa ceifar uma colheita de almas. Agora é nosso tempo de vigiar incessantemente. Vigiai, barrai o caminho ao mínimo passo de avanço que Satanás possa fazer entre vós. Há perigo contra o qual estar acautelados à direita e à esquerda. Haverá pessoas inexperientes, recém-conversas, que necessitam ser fortalecidas, e terem diante de si um exemplo correto. Alguns não farão
  • 17. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 16 o uso devido da doutrina da justificação pela fé. Apresentá-la-ão de maneira unilateral. Outros lançarão mão de idéias que não foram devidamente apresentadas, e passam completamente sobre o limite, passando de todo por alto as obras. Ora, a fé genuína sempre opera por amor. Quando olhais ao Calvário não é para aquietar vossa alma na falta de cumprimento do dever, nem para vos acalmar para dormir, mas para criar fé em Jesus, fé que opere, purificando a alma do lodo do egoísmo. Quando lançamos mão de Cristo pela fé, nossa obra apenas começou. Todo homem tem hábitos corruptos e pecaminosos que precisam ser vencidos por combate vigoroso. Requer-se de toda alma que combata o combate da fé. Se alguém é seguidor de Cristo, não pode ser astuto no negócio, não pode ser duro de coração, falto de compaixão. Não pode ser vulgar na linguagem. Não pode ser cheio de arrogância e presunção. Não pode ser despótico, nem usar palavras ásperas, e censurar e condenar. O trabalho de amor brota da operação da fé. A religião bíblica significa constante trabalho. "Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos Céus." Mat. 5:16. Operai vossa salvação com temor e tremor, pois é Deus que opera em vós tanto o querer como o efetuar segundo a Sua boa vontade. Devemos ser zelosos de boas obras, cuidadosos de manter boas obras. E a Testemunha fiel diz: "Eu sei as tuas obras." Apoc. 2:2. Se bem que seja verdade que nossas atarefadas atividades não nos asseguram, em si mesmas, a salvação, também é verdade que a fé que nos liga a Cristo estimulará a alma à atividade. Os que não têm tempo para dar atenção a sua própria alma, a se examinarem diariamente, se estão no amor de Deus, e colocarem-se no conduto da luz, terão tempo para dar às sugestões de Satanás e à execução de seus planos. Satanás insinuar-se-á mediante pequenas cunhas, que se ampliam à medida que abrem caminho. As perigosas armadilhas dele serão introduzidas na obra especial de Deus nestes dias. (II ME, 19-21) Neste século, justamente antes da segunda vinda de Cristo nas nuvens do céu, o Senhor chama homens que sejam fervorosos e preparem um povo que subsista no grande dia do Senhor. Os homens que passaram
  • 18. 17 | Apostila –Apostasia longos períodos em estudos dos livros, não estão manifestando em sua vida aquele zeloso ministério essencial para este último tempo. Não dão um testemunho simples, direto. Há necessidade, entre ministros e alunos, do derramamento do Espírito de Deus. Os fervorosos apelos apoiados de oração que partem do coração de um mensageiro que nisso põe toda a alma, cria convicções. Não são necessários homens letrados para isto fazerem; pois eles dependem mais de sua instrução livresca do que de seu conhecimento de Deus e de Jesus Cristo a quem Ele enviou. Todo aquele que conhece o único Deus vivo e verdadeiro conhecerá a Jesus Cristo, o unigênito Filho de Deus, e pregará a Jesus Cristo, e Ele crucificado. ... Supõe acaso alguém que as mensagens de advertência não vêm àqueles a quem Deus reprova? (II ME, 152). Os ministros de Deus têm a fazer soleníssima e sagrada obra no mundo. O fim está perto. A mensagem da verdade precisa ir avante. Como fiéis pastores do rebanho, os servos de Deus devem dar claro e vigoroso testemunho. Não deve haver perversão da verdade. A graça divina nunca desvia da misericórdia e do amor de Deus. É o poder de Satanás que faz isto. Quando Cristo pregava, Sua mensagem era qual espada aguda, de dois gumes, penetrando a consciência dos homens e revelando-lhes os mais íntimos pensamentos. A obra feita por Cristo terão de fazer Seus fiéis mensageiros. Devem pregar a Palavra em simplicidade, pureza, e na mais estrita integridade. Os que trabalham na palavra ou doutrina, devem ser fiéis a seu encargo. Devem velar pelas almas como quem por elas tem de dar contas. Nunca devem revestir um "Assim diz o Senhor" de atraentes palavras de sabedoria humana. Destroem-lhe assim a energia viva, tornando-o fraco e destituído de poder, de modo que ele deixa de convencer do pecado. Toda palavra proferida sob a direção do Espírito Santo será cheia da mais profunda solicitude pela salvação de almas. A aceitação do ministro por Deus não depende de exibição exterior, mas de seu fiel desempenho do dever. A senda de Cristo para a exaltação foi através da mais profunda humilhação. Os que partilham dos sofrimentos de Cristo, que Lhe seguem fielmente as pegadas, serão participantes de Sua glória. (II ME, 159)
  • 19. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 18 Excessiva Diplomacia nas Coisas Sagradas O evangelho sofre agora oposição de todos os lados. A confederação do mal nunca esteve tão forte como atualmente. Os espíritos do mal se estão combinando com agentes humanos para combater os mandamentos de Deus. A tradição e a mentira são exaltados acima das Escrituras; a razão e a ciência acima da revelação; o talento humano acima dos ensinos do Espírito; formas e cerimônias acima do poder vital da piedade. Pecados ofensivos têm separado o povo de Deus. A infidelidade se está rapidamente tornando moda. "Não queremos que Este reine sobre nós", é a linguagem de milhares. Luc. 19:14. Os ministros de Deus devem erguer a voz como uma trombeta, e mostrar ao povo as suas transgressões. Os sermões suaves tão freqüentemente pregados, não fazem impressão duradoura. Os homens não são tocados até ao fundo do coração, porque as claras e penetrantes verdades da Palavra de Deus não lhes são ditas. Muitos dos que professam crer na verdade, diriam, caso exprimissem seus sentimentos reais: "Que necessidade há de se falar tão positivamente?" Bem poderiam então perguntar: "Por que necessitava João Batista de dizer aos fariseus: 'Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira futura?' Mat. 3:7. Que necessidade tinha ele de provocar a ira de Herodias, dizendo a Herodes que lhe era ilícito viver com a mulher de seu irmão? Perdeu a vida, por falar assim positivamente. Por que não poderia ter agido de maneira a não incorrer na cólera de Herodias?" Assim têm os homens raciocinado, até que a excessiva diplomacia tomou o lugar da fidelidade. Permite-se ao pecado passar sem repreensão. Quando se há de ouvir mais uma vez na igreja a voz da repreensão fiel: "Tu és este homem"? II Sam. 12:7. Não fossem tão raras essas palavras, e veríamos mais do poder de Deus. Os mensageiros do Senhor não se devem queixar de que seus esforços sejam infrutíferos, enquanto não se arrependerem de seu amor pela aprovação, seu desejo de agradar aos homens, o qual os leva a suprimir a verdade, e a clamar: Paz, quando Deus não falou paz. (Obreiros Evangélicos, 149-150)
  • 20. 19 | Apostila –Apostasia FALSOS PROFETAS Mat 7: 15-17; Cf, Mat 24: 5,11, 24; Mar 13: 22. O verdadeiro profeta é aquele que fala no lugar de Deus. Em conseqüência, o falso profeta é o que pretende falar em lugar de Deus, quando na realidade; só profere os pervertidos pensamentos de seu próprio coração corrupto (Isa 30: 10; Jer 14: 13-15; 23: 16-17, 21, 25, 30-32, 38; 29: 8-9; Ez. 13: 2-3, 10-11). Comparar isto com o período de Jeremias com os falso profetas de seu tempo (Jeremias caps 27-29). Os falsos profetas são os que pretendem que os homens podem entrar pela a porta larga e o caminho espaçoso e poderão chegar de tos os modos ao destino da porta apertada e o caminho estreito. Estas são os ladrões, cujo o único propósito é roubar, matar e destruir (João 10: 7-10; Atos 20: 28-31; II Tes 2: 3, 7; II Pe 2; I João 2: 18-19). As advertências apostólicas contra os falsos profetas. As semelhanças dos lobos com as ovelhas é só no exterior. Não têm ocorrido uma mudança de coração, mas só o aspecto. Indubitavelmente, o propósito era enganar as ovelhas e criar nelas uma falsa segurança. Com freqüência se descreve o povo e Deus como ovelha e Deus como Seu pastor. (Sl 23: -12; 78: 52; 100: 3; Isa 40: 11; 53: 6; Ez 34: 10-19; João 10: 1-16;) Os Lobos Cf, Sof 3: 3-4; Mat. 10: 16; João 10: 12. Esses lobos não só são de coração malvados, mas que se opõem a verdade para os que os que desejam seguir-lhes. Têm o propósito de prejudicar a ovelha, para beneficiar a si mesmo. Ansiosos de ganâncias e de poder são mais perigosos que os cães ou os porcos do versículo 6, ver com Miq. 3: 5-12. Mas as ovelhas não estão totalmente desamparadas, pois tem a habilidade de detectar os lobos. Por seu porte e por sua conduta. As atraentes pretensões destes falsos profetas não demonstra seu verdadeiro caráter. Suas formosas palavras e sua excelsa profissão não são provas validas de que realmente são, nem podem ser consideradas como uma promessa de que as ovelhas que conhecem a voz de Seu pastor (João 10: 4) não serão enganadas pelas as formosas palavras dos lobos. Quem ama a verdade e ao Senhor e está inteiramente entregue a sua vontade obedecerão á voz de Deus que fala a suas almas por meio de Sua Palavra e mediante os conselhos que Deus tem dado. E na grande hora de prova que se aproxima, só os que conhecem e
  • 21. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 20 amam a verdade poderão salvar-se dos enganos de Satanás. Oséias 4: 6; Jer 50: 6; II Tes 2: 9-11; Mat 12: 33-35; Luc 6: 43-45. Segundo a nota adicional do cap 13 de Romanos temos: Alguns dos escritores do NT. Dão à impressão de referir-se a segunda vinda de Cristo como se fosse algo imediato. Se citam os seguinte textos como mostra tópico destes ensinamentos Rom 13: 11-12; I Cor 7: 29; Fil 4: 5; I Tes 4: 1, 17; Heb 10: 25; Tiag 5: 8-9; I Pe 4: 7; I João 2: 18. Quem sabe alguns se apressa a concluir que os escritores bíblicos estavam completamente equivocados, ou que pelo ou menos nada se pode saber quanto ao tempo da volta de Cristo; porem a evidencia não requer uma conclusão tal. Na repetida discursão das Escrituras quanto ao fim do mundo ou da vinda de Jesus, se destaca claramente certos fatos. E o crente que tem em conta este fato é possível chegar a uma conclusão totalmente consecutiva com a crença da inspiração da Bíblia e o fato solene do segundo advento. Estes fatos são os seguintes: 1. Os escritores sempre falam da certeza do segundo avento. Isto se aplica tanto aos escritores do AT. Com do NT. O leitor da Bíblia, que dá as palavras deste seu significado mais evidente, concluirá que o dia do Senhor virá. (II Pe 3: 10). 2. Ao referir-se a este tema os escritores bíblicos parecem estar tão dominados pela a grandeza da gloria e a natureza apoteósica do acontecimento para cada ser humano e para toda a criação, que com freqüência falam como se fossem os únicos e exclusivos acontecimentos futuro. A luz deslumbradora do dia Deus, parece com freqüência excluir todos os demais da vista e da mente do profeta. O leitor recebe a clara impressão de que o autor inspirado considera todos os demais que possa proceder o advento como de menor importância, como um prólogo do grande clímax para o qual se encaminha toda a criação; com freqüência quem sabe sinta-se como se o grande dia estivesse por sobrevir. É evidente que esta clara apresentação do advento começou com Enoque, sétimo depois de Adão, que advertiu os ímpios de seus dias. Eis que vem o Senhor com suas dezenas de milhares, para fazer juízo contra todos (Jud 14-15). Não há nada no contexto que sugere que Enoque houvesse explicado que a vinda teria lugar mil anos mais tarde,
  • 22. 21 | Apostila –Apostasia é o mais seguro é que não sabia. Havia-lhe sido revelado que Senhor viria para julgar; nada mais importava. Os escritores bíblicos destacaram que o dia do Senhor viria de súbito e inesperadamente. As afirmações de Cristo são os melhores respaldos deste ensinamento. Ele disse: “Vede, pois, porque não sabeis a que hora há de vir vosso Senhor (Mat 24: 42)”. “Olhai também por vos mesmos, para que vossos corações não se carreguem de glutonaria e embriaguez e dos afãs desta vida, e venha de repente sobre vos aquele dia”. Porque como um ladrão vem sobre todos os que habitam sobre a face de toda a terra. Vigiai, pois a todo tempo, orando para que sejais tidos por dignos de escapar de todas estas coisas que virão, e de estar em pé diante do Filho do Homem. (Luc 21: 34-36). As palavras de Paulo são um eco das de Nosso Senhor. “O dia do Senhor vira como um ladrão de noite (II Pe 3: 10)”. Que o dia da predição do segundo advento é uma cálida de iminência pelo menos potencialmente, foi à única segurança que este acontecimento ocorreria e que seria inesperado e repentino. A hora o Senhor não lhe pareceu conveniente revelar o dia e a hora (Mat 24: 36) de sua vinda, e como instou a seus seguidores que velassem constantemente para que esse dia não lhes surpreendesse como um ladrão. Que outra coisa se poderia esperar, se não que os autores do NT escrevessem sobre a vinda com um tom de eminência? Isto não projeta nenhuma sombra sobre a inspiração que receberam. Sabiam por revelação e por instruções direta procedente de Cristo, que ele viria outra vez, que sua vinda seria precedida por tempos tumultuosos, que seria súbita e inesperada, e que eles e quem eles pregassem deviam velar continuamente. Porem não lhes foi revelado o dia e a hora. Por tanto, devido a essa limitação a revelação que lhes foi dada, apresentava aos crentes a exortação constante e a advertência acerca do dia do Senhor. Era evidente no plano de Deus que seus profetas não dispuseram de certo conhecimento acerca da exatidão do momento do advento de Cristo. Precisamente antes de sua ascensão nosso Senhor pô fim nas perguntas dos discípulos quanto a calcular tempo das ações futuras de Deus, quando declarou: “Não vos compete a vós saber o tempo ou a época que o Pai reservou pela a Sua excessiva autoridade”. (Atos 1: 7)
  • 23. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 22 Os autores bíblicos não escreveram sensivelmente para seus dias ou para determinado grupo a quem dirigiam uma carta. Se assim fosse então a importância das Escrituras havia concluído com a geração que recebeu diretamente as mensagens dos portas-vozes de Deus. Não; escreveram sob a inspiração e sem duvida compreendendo com freqüência só em parte, para todas as gerações ate que voltasse o Senhor. É certo que alguma coisa que escreveram, por exemplo, sobre a circuncisão tinha uma importância particular para as gerações dos autores do NT quanto que outras porções têm tendo e tem uma importância crescente a medida que se aproxima o fim da historia da terra. O fato de que os autores inspirados da Bíblia escrevessem para exortar, admoestassem e instruíssem a todos os que vivessem até ao segundo advento, clareia mais as declarações do NT, que fala da eminência da segunda vinda de Cristo. É certo que as mensagens, dentro de seu contexto histórico, estão dirigidas a grupos específicos que viviam nesse tempo e não há duvida alguma de que a maioria dos conselhos espirituais das Escrituras se situam dentro de um contexto histórico que corresponde com determinadas pessoas e determinado temo do passado. Porém ainda que uma declaração se tenha dirigido a certos crentes, pode aplicar-se não tanto a eles como a seus descendentes espirituais. Quando Cristo descreveu a seus discípulos certos acontecimentos chave que precederiam a sua vinda e serviram como sinais dela, abarcou um período de uns dois mil anos; e quando começou a descrever a queda de Jerusalém, disse: “Quando vires no lugar santo a abominação desoladora de que falou o profeta Daniel (Mat 24: 15). Vedes correspondia com os discípulos a quem se estava dirigindo; porem segue falando da grande tribulação da qual havia falado Daniel na profecia que abarcaria ate o século XVIII, e continua com a exortação “então se alguém vos disser (ver 23). Agora bem poderia dizer que Cristo está aqui advertindo outra vez a seus doze discípulos conta enganos ameaçadores. Porem todo o contexto nos obriga a crer que ele esta falando também, e ainda com mais razão a seus seguidores que viveriam no século XVIII e posteriormente. Este fato bíblico, que o grupo presente nesse momento pode ser o recipiente desta mensagens, não só para eles, mas também, e quem
  • 24. 23 | Apostila –Apostasia sabe mais particularmente, para uma geração posterior, nos protege de não cair em conclusões sem fundamento acerca do tempo histórico de certos acontecimentos vindouros. Pareceria que imediatamente depois da acessão “os irmãos”, grupos que tal vez incluía aos apóstolos, pensavam que Cristo poderia voltar em seus dias: “Este dito se estendeu então entre os irmão, que aquele discípulo João não morreria (João 21: 23), mais que ficaria vivo para contemplar o regresso de Seu Senhor (Atos 1: 6-7) Sem duvida, há certa evidência no NT de que Deus deu alguma luz a seus portas- vozes acerca do tempo que transcorreria antes de que Cristo regressassem. Em sua primeira carta aos tessalonicenses, Paulo lhes escreveu do advento e disse: “Nós que vivemos que temos ficado até a vinda do Senhor (I Tes 4: 15); porém queria Paulo que os tessalonicenses chegassem a conclusão de que o dia do Senhor virtualmente estava as portas? É evidente que alguns chegaram a esta conclusão, porque em sua segunda carta o apostolo volta ao tema: “Os rogamos irmão, que não os deixeis mover facilmente de vosso modo de pensar, nem contribuis, nem por espírito, nem por palavra e nem por carta, como se fosse nossa, no sentido de que o dia do Senhor estar perto (I Tes 2: 1-2). Depois procede a descrever acontecimentos que devia acontecer antes da vinda de Cristo (vers 3-12). Processo chave seria determinada “apostasia” (ver 3). Porém Paulo explica em outras passagens que essa “apostasia” ocorreria principalmente depois de sua morte (Atos 20: 28-30; II Tim 4: 6-8). Depois de apresentar-lhes um rascunho de certos acontecimentos precederia a vinda e exorta-os a estar firmes para os dias vindouros. (II Tes 2: 15-17). Na cela da prisão onde estava para morrer, Paulo escreveu ao seu filho espiritual Timóteo: “O tens ouvido de mim perante muitas testemunhas, isto encarrega a homens fieis que sejam idôneos para ensinar também a outros (II Tim 2: 2). É claro que Paulo esta instruindo a Timóteo que ficava certo período de tempo antes de que Cristo regressasse. Por tanto é evidente que quando Paulo disse em I Tes 4: 15 “irmãos ficamos’ não estava incluindo ele, mas que estava falando daqueles crentes cristãos que viveriam nos dias finais. O plural da primeira pessoa do verbo indicava sensivelmente que Paulo pertencia ao grupo de fieis que de forma interrompida abarcava os séculos.
  • 25. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 24 Pedro escreveu. O fim de todas as coisas se aproxima sede, pois sóbrios e vigiai em oração (I Pe 4: 7). Essas palavras se aplicavam necessariamente ao grupo próximo a ele, a quem escrevia? A resposta parecer ser: Lemos em sua segunda epistola escrita não sabemos quanto tempo depois da primeira. Para que tenhais memória das palavras que antes tem sido ditas pelos santos profetas, e do mandamento do Senhor e Salvador dada por vossos apóstolos; sabendo primeiro isto, que nos posteriores dias viriam escarnecedores, andando segundo suas próprias concupiscências e dizendo. Onde está a promessa de seu advento? (II Pe 3: 4). O mais razoável é admitir que estas palavras sugere que Paulo algum processo futuro, em que apareceria certas classe de escarnecedores. Nota-se especialmente que Paulo, ao ocupar-se do avento vindouro, exorta aos crentes a ter memória das palavras que antes tem sido ditas pelos os santos profetas. Anteriormente nesta mesma epistola, declarou: “tenhamos também a palavra profética mas segura, a qual fazeis bem é estar atentos como um ancora que ilumina em lugar escuro, ate que dia clareia e nasça em vossos corações ( II Pe 1: 19). Segundo estas palavras é evidente que Pedro ensinava que tinha de transcorrer certo lapso antes do advento. Os crente deviam deixar guiar pela a luz profeta ate que o dia clareasse. Respondendo ao mesmo propósito Paulo declarou aos tessalonicenses: Porem a cerca dos tempos e das ocasiões não tem necessidade irmos de que eu os escreva. Porque vos sabeis perfeitamente que o dia do Senhor virá como ladrão de noite e que quando disserem pez e segurança, então vira sobre eles destruição repentina, e não escaparão é como as dores da mulher grávida, e não escaparão, mas vos irmãos não estais em trevas, para que aquele dia os surpreenda como ladrão (I Tes 5: 1-4). A forma em que os apostos recorrem ao que escreveram os profetas é um eco das palavras de Cristo, a cerca do que o profeta Daniel havia escrito quanto aos acontecimentos futuros. O que ler entenda (Mat 24: 15). Neste quadro a exortação dirigida aos crentes para guiar seus passos com a luz profética logicamente reconhecemos que a Bíblia contém alguma profecia especifica acerca da vinda do Senhor, as quais abarcam grandes períodos e que nos ajuda saber o que advento de Cristo está próximo, as portas (Mat 24: 33). Referimo-nos especialmente aos livros de Daniel e Apocalipse. Dentro da sabedoria de Deus esses
  • 26. 25 | Apostila –Apostasia livros ainda no melhor dos casos, só foram palidamente entendidos nos primeiros séculos da era cristã. Algumas das profecias de Daniel ficaram sem duvida fachadas e seladas até o tempo do fim (Dan 12: 9), pois a maior parte era para o tempo do fim. Atualmente dispomos de um caudal de luz adicional que irradia das paginas de Daniel e Apocalipse. Suas profecias nos capacitam pra conhecer, os tempos e as ocasiões (I Tes 5: 1). As profecias destes dois livros nos permitem dizer com segurança profética que o fim de todas as coisas, certamente esta próximo. Comentário de I Cor 7: 29. diz: Tempo. Um momento ou período determinado, “tempo oportuno” (ver com Rom 13:11). O Senhor mesmo instava aos crentes que vivessem na expectativa de sua segunda vinda e do fim do mundo (Mat 24: 42; 25: 13; Mar 13: 32-37). Os ensinamentos de Jesus e se Seus apóstolos demonstram que a principal tarefa da vida é prepara-se para um lugar no reino de Deus, de gloria eterna (ver Mat 6: 19-21, 33; 10: 38-39; Mar 10:21). O tempo no qual pode fazer esta preparação sempre tem sido apresentado como curto (ver com Rom 13: 11). Para nós o juizo investigativo está encerrado rapidamente e sua terminação é quando terminar será demasiado tarde para alcançar a idoneidade para o céu. Por tanto, todos devem assegurar sua aceitação como candidato para o reino de gloria (ver Isa 55: 6-7; Dan 8: 14; 9: 24-27; Ron 9: 28; II Cor 6: 2; Heb 3: 13; II Pe 1: 10; Apoc 22: 10-12). Todos têm que viver em tão intima comunhão com o céu, que quando chegar o momento de deixar as fadigas desta vida, nada possa surpreendê-los desprevenidos (ver Mat 13: 35-37; Luc 18: 1;21: 34-36; I Tes 5: 1-6, 17, 22-23). O cristão que está atento a este importante fato – que sempre deve estar pronto para encontrar-se com Deus – não põe seus afetos nas coisas terrenas, mas que sempre tem em conta a incerteza da vida e da natureza fugaz e transitória deste mundo, e vive em um estado de continua preparação para a vinda do Senhor. (Col 3: 1-2). Em vista da brevidade do tempo disponível para que os homens se preparem para eternidade – o melhor dos casos neste período não é maior que o curto lapso de vida – os cristãos não se ligarão indevidamente nos vínculos e possessões terrenas. Não permitirão que nada, nem ainda as relações familiares, interfiram com sua determinação de estar prontos para o céu.
  • 27. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 26 O argumento prévio leva a conclusão de que não fica outra opção para os que têm esposa, exceto não permitir que o estado matrimonial induza o olvidar sua obrigação de estar sempre em harmonia com o céu. Em outras palavras, que as responsabilidades, as satisfações e os cuidados matrimoniais devem ser postos em segundo lugar perante o grande propósito da vida que é uma constante comunhão com o Senhor e uma fervente preparação para a sua vinda. Este versículo destaca a mandatos devem ocupar o primeiro lugar na vida do crente (ver Deut 6: 5; 10: 12; Ed 12: 13; Mat 22: 37-38). Não se deve entender que este versículo ensina que deve haver falta de afeto ou de bondade na relação matrimonial, ou que contradiz aos ensinamentos específicos de Paulo nos primeiros versículos deste capitulo. O cristianismo como religião ilícita Os judeus estavam ressentidos com o cristianismo por muitas razões. Tinham temor de que o cristianismo poderia atrair a ira dos romanos sobre os judeus. Odiavam o Cristo dos cristãos como um rival de seu esperado Messias. Odiavam ainda mais os cristãos porque aceitavam os gentios em sua comunhão. Portanto, os judeus criavam dificuldades aos cristãos em toda oportunidade que tinham, perseguindo-os até onde lhes era possível, na Palestina e em outras partes ajuntando turba para se levantar contra os cristãos. Há vários exemplos disto no livro de Atos. Um documento, o matrimonio de Policarpo, narra coisas semelhantes, sucedidas na cidade de Esmirna no século II. No século III Tertuliano chamou as sinagogas judia. Manancial de Perseguição. Estando as relações em tal situação, não se necessita buscar na lei romana para achar algum decreto contra os cristãos. Não se necessitava nenhum decreto, pois os cristão não tinha lei que lhes protegesse. No ano anterior foram promulgadas disposições legais contra os cristãos. E esta se fez cada vez mais severa. Os primeiros ataques da magistradura romana contra os cristãos foram esporádicas. Não foi decretada legalmente, mas que devido a caprichos, ou rancor dos imperadores. Tais foram as perseguições de Nero (64 d.C), e de Dominciano (95 d.C) contra os cristão. Disposições legais romanas. Perseguição provocada por capricho. – O historiador romano Tácito, narra corretamente, pois culpa a Nero de ter incendiado a Roma. Para tirar de si mesmo a acusação, e colocou a
  • 28. 27 | Apostila –Apostasia culpa nos cristãos. Uma quantidade de seguidores de Jesus foram usado como tochas para iluminar as orgias noturnas no Jardim de Nero. A perseguição sem duvida se estendeu algumas pelas as províncias, ainda que poucas se foram registradas. Como já se tem dito. Tanto Pedro como Paulo pereceram na cidade de Roma devido a perseguição de Nero. (pp 32, 36). As seguintes perseguições dos cristãos na mão dos romanos, quem sabe surgiu do rancor do imperador Domiciano, homem instável e caprichoso. Quem sabe descobriu que havia cristão em sua própria casa, e por estas e outras razões, perseguiu a seita. João foi exilado na ilha de Patmo durante o governo deste imperador. A perseguição destacada por Domiciano, quem sabe não se estendeu tanto e nem foi tão destruidora, porém foi uma dificuldade para a igreja e representou sofrimentos para os que a suportaram diretamente. Exemplo de disposição legal A primeira disposição claramente legal contra os cristãos decretada por um imperador romano, foi expedida por Trajano (98 – 117 d, C ) Plínio o jovem, amigo e protegido de Trajano, era governador do Porto, na costa Sul do Mar Negro. Plínio estava muito preocupado pela a propagação do cristianismo em sua província. Os templos pagãos descuidavam dos que comerciavam com animais para os sacrifícios e com materiais para o culto, os templos se queixavam de seus negócios sofriam muitíssimo; por isso Plínio começou a ocupar-se dos cristãos. Fazia dar morte aos que estavam dispostos a admitir que pertenciam a essa fé. Para assegurar-se de sua conduta, escreveu a seu amigo imperador e lhe pediu que aprovasse o que estava fazendo. A carta de Plínio se fala na coleção de seus escritos. Nesta carta apresenta uma interessante descrição do culto cristão, ele se referia ao que já estava feito e depois conta como havia estado tratando aos cristãos. O supplicium, a pena capital romana, havia caído sobre eles. Trajano escreveu em resposta a Plínio, para aprovar o que seu representante havia feito no Porto. Porém o imperador, que em geral era bom e justo estipulou que ninguém devia ser morto por ser cristãos a menos que reconhecia sem duvida que o era, ou a menos que houvesse suficientes testemunhas que provasse que era. Não devia ser condenado por meros rumores, mas que devia ter quem testificasse
  • 29. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 28 contra ele para que o testemunho fosse valido. Esta disposição legal não era outra coisa, se não a aplicação dos poderes ordinários da política comum a um problema da sociedade. Trajano não se propunha destacar esta perseguição; porem como os cristãos não tinham lugar na sociedade e por isso deviam ser eliminados. Se não, para eles se poderia se tornar um verdadeiro perigo. Plínio informou que seu método para tratar os cristãos havia tido êxito e que havia recomeçado o culto nos templos pagãos. Esta disposição policial ordenada por Trajano continuou como uma norma do Império Romano durante uns 150 anos seguintes. Foi o mais desdenhoso em seu modo de atuar, porque o governo romano todavia não havia chegado ao ponto de tomar a serio o cristianismo como um movimento. Por isso, os cristãos foram perseguidos durante o reinados dos imperadores Antonio Pio (138-161 d. C) e Marco Aurélio (161-180 d.C) que, em outros sentidos, foram benévolos. Esta freqüência, por instigação dos judeus e em parte devido ao zelo pagão de governantes locais, porém com o conhecimento e o consentimento dos imperadores. Política de extermínio Ao meado do século III imperou a política romana em sua relação com os cristãos. Os governantes já se haviam dado conta de que devia tomar a serio a propagação do movimento cristão. Diz-se, que o imperador Filip (chamado “o árabe”), foi cristão. No final de seu curto reinado foi celebrado o milésimo aniversario da fundação da cidade de Roma e houve um grande ressurgimento do sentimento patriótico romano. Décio o rival político de Filipe e seu sucessor quando, essa onda de patriotismo no seu apogeu, se criam que os cristãos tinham favorecido a Filipe, e por isso no ano 220 começou uma política de extermínio contra eles. Sua sangrenta perseguição dos cristãos foi repetida pelo o imperador Valeriano uns sete anos mais tarde. A perseguição final Por este tempo os cristãos tinham crescido em popularidade e aumentado extraordinariamente em numero. Este aumento continuou nus anos de relativa paz que seguiram a perseguição de Valeriano, paz que terminou com severa perseguição destacada por Diocleciano e Galerio, que começou no ano 303 d.C e continuou durante dez anos.
  • 30. 29 | Apostila –Apostasia Esta perseguição assinalou uma troca de política, no sentido de que representou um intento de completo extermínio. Foi um caso de guerra entre acerbos inimigos. E nessa guerra perdeu o império pagão. Comportamento da igreja frente ao Estado Ao examinar o comportamento da igreja frente ao Estado durante os séculos quando o cristianismo era uma religião ilícita, sem reconhecimento oficial na sociedade. Deve recordar-se, que nestes anos a igreja não buscava seu estabelecimento material no mundo, como ensinou depois Santo Agostinho, um lugar no reino do céu com Jesus Cristo como governante. Portanto, o comportamento dos cristãos era de uma paciente resignação até que Cristo os resgatasse. É certo que a significativa declarou de Cristo: “Daí, pois a Cezar o que é de Cezar, e a Deus o que é de Deus”(Mat 22: 21) raras vezes se encontra nos escritos dos cristãos dos primeiros séculos; sem duvida aplicavam esta admoestação a sua relação com o império. Paulo exortou a igreja no mesmo sentido quando escreveu: “Submetam-se toda pessoa as autoridades superiores; por que não há autoridade si não da parte de Deus, e as que há por Deus tem sido estabelecida. De modo que quem se opõe a autoridade, estabelecida por Deus resiste; e os que resistem, traz condenação para si mesmo. Por que os magistrados não estão para infundir temor ao que faz bem, sim ao mau. Pelo o qual é necessário estar- lhes sujeitos não somente por razão do castigo, mas também por causa da consciência. Pois por isto pagais também os tributos, por quer são servidores de Deus (Rom 13: 1-6). Pedro disse: Honrai ao rei (I Pedro 2: 17). Por tanto inda quando sua religião era ilegal, os cristãos procuravam viver como bons cidadãos em um ambiente hostil, aplicando todos os dias a ética manifestada na vida de Jesus e contida nos exemplos dos ensinamentos dos apóstolos. Ganharam boa reputação pela a pureza de sua vida e por sua bondade para com o próximo. O governo odiava e finalmente chegou a temer mais e mais o cristianismo, porém o povo apreciava cada vez mais a classe de vida manifestada pelos os cristãos. Quando eram arrastados pelos os tribunais, ao responder a perguntas dos juízes, com freqüência os cristãos sensivelmente contestavam: “Sou cristão e iam a morte sorrindo no meio de seu sofrimento, admoestando a outros cristão para que fossem fieis e exortando os pagãos que presenciavam a sena para seguissem a Jesus Cristo Seu Senhor e Mestre. Os cristãos que
  • 31. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 30 presenciavam a morte de tais mártires admiravelmente fieis. E Tertuliano pode dizer: “O sangue dos cristão é semente”. Uma inumerável quantidade de mártires cristãos morreu porque Cristo havia dito: “Daí a Deus o que é de Deus”. Pedro tinha afirmado: “é necessário obedecer a Deus antes que os homens” (Atos 5: 29), “Se alguma coisa padeceis por causa deles, não os conturbeis” (I Pedro 3: 14). Não vós surpreendeis do fogo de prova, que vos de sobrevir como uma coisa estranha os acontecessem, se não gozo por ser participantes do padecimento de Cristo. Se alguém padece como cristão não se sinta envergonhado, mas glorifique a Deus por ele (I Pedro : 12-16). Paulo sabia por experiência própria o que era viver uma vida conseqüente para Cristo. Tem deixado uma lista para a posteridade de seus primeiros sofrimentos por causa de seu Senhor (II Cor 11: 23-27). Por principio os cristãos eram cidadãos cumpridores da lei, sempre que as autoridades lhe indicavam o que era se dever fazer. Porem quando se lhes exigia negar á Cristo, participando de um culto falso e viver uma classe de vida que houvesse significar a separar dos princípios cristão, na maioria dos casos se mantinham firmes do lado do correto. Escolhiam obedecer a Deus antes que os homens e como resultado, sofriam açoites encarceramento ou morte. A separação era muito clara e as conseqüências seguras: morte aqui, porém vida eterna com Cristo. Separação da igreja e do Estado Esta filosofia da separação da Igreja e o Estado resultava necessária com o pensamento de que devia manifestar-se certo grau de cooperação com o ambiente pagão devido a necessidade do momento, até que Cristo os transportara a um novo ambiente. Tertuliano, no século III e Lactancio no século IV, insistiam que a Igreja cristã devia manter-se separada do Estado pagão. Porém como a segunda vinda de Cristo não aconteceu de imediato, no século III foi formando uma nova filosofia. O cristianismo se ia popularizando e continuamente aumentava seu numero de membros, os mestres cristãos eram aceitos com mais e mais respeito, e surgiu a esperança de que perante muito, o cristianismo poderia manejar o mundo. Por tanto, cada vez que era possível, se incorporava costumes mundanos que eram “batizados”, dando se lhes um nome de cristão e também uma aparência exterior cristã. Tinha-se cuidado de ofender o
  • 32. 31 | Apostila –Apostasia mínimo possível ao Estado. E quando que a situação ficou clara. Os dirigentes da igreja e aqueles a quem eles dirigiam procuravam manter se firmes. Com freqüência sem duvida resultava em momento de lutas e separação, e mais de uma ocasião as decisões foram rebaixar as normas, e aceitação do paganismo. Bem poderia supor que durante o século III os governantes romanos houvessem sido mais complacentes. O cristianismo houve por bem seguir um programa tal que foi levado ao ponto de viver satisfeito em um ambiente pagão, e quem sabe finalmente houvesse sido modificado por esse ambiente e absorvido por ele. Felizmente para a igreja, o governo continuou sendo um acerbo inimigo do cristianismo e este se viu obrigado a permanecer separado do Estado até que Constantino fez que o governo romano tomara as formas externas do cristianismo. Diz o Espírito de Profecia: Qual foi a origem desta grande apostasia? Como, a princípio, se afastou a igreja da simplicidade do evangelho? Conformando-se com as práticas do paganismo, a fim de facilitar a aceitação da doutrina cristã pelos pagãos. O apóstolo Paulo, em seus dias declarou: "Já o mistério da injustiça opera." II Tess. 2:7. Durante a vida dos apóstolos a Igreja permaneceu relativamente pura. Mas, "pelo fim do século II, a maioria das igrejas tomou nova forma; desapareceu a primitiva simplicidade, e, insensivelmente, ao baixarem ao túmulo os velhos discípulos, seus filhos, juntamente com os novos conversos, ... puseram-se à frente da causa e lhe deram novo molde". - Pesquisas Eclesiásticas, Roberto Robinson. Para conseguir conversos, aviltou-se o elevado estandarte da fé cristã, e, como resultado, "uma inundação pagã, invadindo a igreja, trouxe consigo seus costumes, práticas e ídolos. - Conferências de Gavazzi. Como o cristianismo conseguisse o favor e apoio dos príncipes seculares, foi nominalmente aceito pelas multidões; mas, conquanto muitos se intitulassem cristãos, "na realidade permaneciam no paganismo, e, especialmente em segredo, adoravam os ídolos". - Não se tem repetido o mesmo caso em quase todas as igrejas que se intitulam protestantes? Com o desaparecimento dos fundadores, dos que possuíam o verdadeiro espírito de reforma, seus descendentes põem-se na dianteira e "dão novo molde à causa". Embora se apeguem cegamente ao credo dos pais, e se recusem a aceitar qualquer verdade além da que lhes foi dada conhecer, os filhos dos reformadores se
  • 33. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 32 afastam grandemente do exemplo paterno de humildade, abnegação e renúncia do mundo. Assim, "a primitiva simplicidade desaparece". Um dilúvio de mundanismo invade a igreja e "leva consigo seus costumes, práticas e ídolos". Ai! até que ponto terrível a amizade do mundo, que é "inimizade contra Deus", é hoje acalentada entre os professos seguidores de Cristo! Quão largamente se têm as igrejas populares de toda a cristandade afastado da norma bíblica da humildade, abnegação, simplicidade e piedade! (GC, 384-385). O impacto da tradição sobre a igreja. A palavra “tradição” paradosis em si mesma não tem um mal significado. Parádosis significa transmissão, entrega. Paulo aconselhava aos crentes de Tessalônica a reter a doutrina que tinham aprendido (II Tes 2: 15) e advertia que não tivessem comunhão com qualquer que não fosse segundo os ensinamentos que receberam deles.(cap 3: 6). Paulo expressou este conceito, porque é evidente que alguns já haviam apresentado aos Tessalonicenses com uma carta, que diziam que era de Paulo, acerca da eminente volta de Cristo (cap 2:2). As tradições que Paulo mantinha como dignas de confiança eram seus próprios ensinamentos orais pelas as quais os Tessalônicos deviam provar qualquer suposta mensagem sua, usando também as cartas que verdadeiramente eram dele. Porém Paulo advertiu os crentes de Colossenses que não se deixaram enganar por meio de filosofias e vãs sutilezas segundo as tradições dos homens, conforme os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo. (Col 2: 8). Pedro fez lembrar aos que se haviam convertido á Cristo mediante seu ministério, que estavam salvos pelo o poder de Cristo, da vã maneira de viver, “a qual recebeste de vossos pais”. Mais clara é ainda a condenação que Cristo fez da tradição. Quando lhe perguntaram, porque Ele permitia que Seus discípulos quebrassem a tradição dos anciões (Mat 15: 2), Ele colocou a autoridade de lei da Deus por cima da tradição e mostrou que a tradição dos judeus os havia levado a quebrar a os mandamentos de Deus (ver 3-6). Citou Isaias (29: 13, tal como se conserva até a LXX) como se falava em nome de Deus: “Em vão me honram, ensinando como doutrinas, mandamentos de homens”(Mat 15: 9); e pronunciou esta sentencia: “Toda planta que não
  • 34. 33 | Apostila –Apostasia plantou o Meu Pai celestial, será desarraigada” (Mat 15: 13). Estabeleceu claramente que as Escrituras “dão testemunho” dEle (João 5: 39) e usou os escritos do AT para confirmar seu messianismo, quando falou com seus discípulos depois de sua ressurreição (Luc 24: 27, 44). Paulo entendia que as Escrituras são suficientes para a salvação e para a edificação do cristão (II Tim 3: 15-17). João admoesta duramente a qualquer que intenta suprimir as palavras do livro de Apoc, que lhe foi dado por inspiração (Apoc 22: 18-19). As Escrituras foram subordinadas Não há duvida de que o mau uso dos Judeus deram as Escrituras quando se opuseram ao cristianismo, e o que lhe deram os falsos profetas dentro da igreja, os hereges e especialmente os gnósticos, debilitou um pouco a fé dos cristãos na autoridade das Escrituras. Tertuliano escreveu ao começo do século III que as Escrituras não são suficiente para fazer frente aos ataques dos hereges, porque os mesmos hereges usam as Escrituras, como fundamento de suas opiniões. Irineu bispo das Galias, escreveu sua notável obra Contra heresias próximo do ano 185 d. C ele faz frente ao mesmo problema que Tertuliano enfrentou uns poucos anos depois. Como já se destacou, Irineu estabeleceu o princípio de que a verdade do cristianismo se de e encontrar nas igrejas fundadas pelos os apóstolos os quais transmitiram a verdade aos bispos, os sucessores dos apóstolos segundo a opinião de Irineu. Para ele essa verdade transmitida era a tradição e insistia que esta devia ser uma norma de verdade posto que os hereges usavam as Escrituras. Tartuliano apresenta a máxima defesa possível em favor da tradição de sua obra. De Corona3, 4. Averigüemos, por tanto se a tradição não deve ser aceita a menos que esteja escrita. Certamente diremos que não deve ser aceita se não há casos de outras praticas registradas anteriormente que, sem nenhuma instrumento escrito, mantenhamos só sobre a base da tradição, e adiante o apoio do costume nos proporcione algum precedente. Para tratar este assunto brevemente começarei com o batismo. Um pouco antes de entremos na água, na presença da congregação e sobre a mão do presidente, solenemente afirmamos que renunciamos ao diabo, a sua pompa e a seus anjos. Depois somos submergidos três vezes fazendo uma promessa algo mais amplia ao que o Senhor tem estabelecido no Evangelho, logo somos levantados (como meninos
  • 35. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 34 nascidos de novo) degustamos em primeiro lugar de uma mistura de leite com mel, e depois deste dia nos abstemos do banho diário durante toda uma semana. Também tomamos congregados antes da alva e unicamente da mão dos presidentes, o sacramento da eucaristia que o Senhor ordenou que fosse comido somente na hora de comer e é desfrutado por todos sem exceção. Cada vez que chega o aniversario fazemos ofertas pelos os mortos como homenagem de companheirismo. Consideramos que é contra lei ajudar o arrodilar-se no culto no dia do Senhor. Nós regozijamos no mesmo privilegio também, desde a páscoa de ressurreição até o domingo de Pentecoste. Sentimos tristeza se algo do vinho e do pão ainda que seja nosso, é jogado no chão, em cada passo em cada movimento que damos, em cada entrar e sair, quando nos vestimos e nos calçamos, quando nos banhamos, quando nos sentamos a mesa, quando acendemos as lâmpadas, em pé ou assentado, em todos atos e costumes da vida diária fazemos na frente o sinal da cruz. Se para estas e outras regras parecidas insistis em ter uma ordem positiva das Escrituras, não as encontrareis. A tradição lhes apresentará como a originadora da razão sustenta a tradição e os costumes e a fé o percebereis por vos mesmo ou aprendereis de alguém que o tem recebido. Quando tanto creia que tem alguma razão da qual se deve aceitar. Ensinamento da tradição O seguinte é um argumento sumamente interessante. Afirma-se que a tradição teve que ser aceita como autoridade para certas pratica na igreja. Ao começar o século III, para as quais se reconhece não há autoridade bíblica. Depois se diz que estas práticas são autenticas porque a igreja as segue. Logo se afirma a autoridade da tradição porque a segue baseada em uma autoridade tradicional. A atrevida lista de Tertuliano das coisas que a igreja de seus dias fazia baseando na tradição, nos da uma idéia até a onde havia chegado a igreja no século III apartando da base das Escrituras. De ali em diante se fez muito mais se baseando na tradição. Quando a igreja aceitou esta autoridade não bíblica, se abriram as comportas para que entrasse uma inundação quase interminável de rituais sem base bíblica e de ensinamentos errôneos. Estes se posicionaram na igreja
  • 36. 35 | Apostila –Apostasia não só na Idade Media, mas que tem chegado aos tempos modernos; e não só nas mais antigas igrejas ritualistas, mas também em certa medida nas igrejas mais evangélicas. Ainda que segue em pé esta verdade: “Em vão me honram, ensinando como doutrinas, mandamentos de homens”. (Mat 15: 9). Veneração dos santos A doutrina do estado consciente dos mortos e o castigo eterno dos ímpios no inferno, aparece desde muito antigo na historia cristã. Os serviços comemorativos ante a tumba dos mártires logo foram seguidos por orações em favor dos mártires, que se pensava que estavam em uma espécie de purgatória. Logo como se cria que os santos profetas haviam ido a uma eterna bem aventurança, se ofereciam orações aos santos para que intercedesse pelos os que estavam na terra. A veneração dos santos e mais tarde o culto a Virgem Maria foram á conseqüência lógica de uma má interpretação da doutrina da natureza do homem. A expiação A expiação também foi mal compreendida. Foi envolvida em uma atmosfera de magia. O povo chegou a pensar que os emblemas da Ceia do Senhor estavam investidos de uma espécie de poder mágico. Logo se criou que a presença de Cristo nos emblemas, repartia poder literal de Cristo nos participantes. Apareceu depois o ensinamento da “presença real” – que Cristo estava pessoalmente no pão e no vinho – assim surgiu facilmente á doutrina da transubstanciação: que o pão e vinho se transformam literalmente no corpo e o sangue de Cristo, não só em aparência exterior, mas em sua natureza intrínseca. Como já se havia dito, os emblemas se haviam transformado em um sacrifício e Cristo novamente era oferecido como oferta pelo o pecado. Os anciões se transformaram em sacerdotes, necessários para cumpri a função sacerdotal de oferece novamente a Cristo. (ver pp 46-47). O batismo chegou a ser um ritual que salva os meninos, que segundo se cria, haviam herdado a culpa de seus pais. Para administrar este rito com propriedade salvadora, era necessário outra vez de um sacerdote. A compreensão errada da expiação e dos rituais que os representavam fizeram possível o estabelecimento de um sacerdócio humano que de
  • 37. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 36 uma maneira blasfema ocupou o lugar na crença do povo, do sacerdócio de Jesus Cristo no santuário celestial. Um novo legalismo e ascetismo Com a propagação do anti-judaismo na igreja sobreveio uma onde de anti-legalismo, devido em parte a uma tergiversação de certas declarações de Paulo (II Pedro 3: 15-16). Isto fez com que a igreja especialmente no Ocidente estivesse pronta para por de lada o sábado semanal e para descuidar de outros ensinamentos das Escrituras. Isto durou na igreja o tempo necessário para fazer dano. Veio depois uma espécie de neo-legalismo que fez que a igreja observasse de novo as festividades que ocupavam o lugar dos dias de repouso anual do AT, e a observar o domingo o primeiro dia da semana em memória da ressurreição. Detalhes e rituais foram aderidos as cerimônias que se introduziram na igreja, como pode ver pelas as passagens de Tertuliano já citadas, devido em parte a pressão de crenças tomadas do paganismo. A igreja tergiversou o que Paulo disse em I Cor 7, e chegou a considerar o celibato como demonstração de consagração. Diversas praticas ascéticas proporcionaram aos cristãos sinceros uma novo norma para expressar seu zelo. O jejum se tornou em algo necessário para a salvação. Finalmente alguns entusiastas, insatisfeitos com a igreja, desceram para o deserto e se converteram em eremitas que praticavam o celibato e outras formas de ascetismo. Chegaram a ser finalmente tão numerosos, que foi necessário organizá-los em comunidades. Desta forma o monasticismo, com todos seus males inerentes, se converteu em uma instituição da igreja. Devido á pressão do anti-judaismo o sábado semanal gradualmente perdeu sua importância. Ainda mais rapidamente, se abandonou por completo á distinção ente alimentos limpos e imundos. Ao converterem- se os anciões em sacerdotes e incorporarem-se muitas crenças do paganismo se produziu uma nova estrutura, e o cristianismo perdeu de tal maneira sua natureza original e seu caráter, que se os apóstolos tivessem ressuscitado, dificilmente havia podido reconhecer o sistema que ajudaram a fundar. Em sua estrutura oficial e em sua natureza geral, o cristianismo chegou a ser próximo do ano 400 pouco mais que um culto de mistério pagão. No que aconteceu a igreja primitiva com o Estado e com sociedade, há lições de advertência para a igreja remanescente.
  • 38. 37 | Apostila –Apostasia A igreja como uma empresa missionária E quanto os alcance da pregação do Evangelho no fim do século I, já tinha apresentado um panorama ao tratar a obra dos discípulos. Os registros do século II nos são claros. No ultimo terço do século II havia uma prospera congregação cristã no vale do Ródano, da França atual, e ao mesmo tempo prosperava o cristianismo no Oriente. Ao começo do século III havia progressos visíveis do cristianismo no Norte da África e havia estendido para Espanha e Inglaterra. Ao começo do século IV se havia estabelecido igrejas ao longo do rio Rín. Informes incidentais que se falam dos escritos dos cristãos primitivos mostram uma propagação gradual do cristianismo, que significou o estabelecimento de igrejas e às vezes sua extinção devido a perseguição. Ao mesmo tempo se descreve uma sociedade que lentamente começava a cristianizar-se. Quando foi legalizado o cristianismo, os cristãos sem duvida podiam contar-se por milhes e se usaram edifícios de igrejas desde o século III em diante. É evidente que as igrejas não eram estabelecidas com a pureza do cristianismo apostólico, mas com a natureza e a complexidade das apostasias em que havia caído a igreja. A água não pode alcançar um nível mais alto que o de sua fonte. As novas igrejas seguiram naturalmente as que lhes haviam dado existência e as haviam nutrido. A extensão da mensagem evangélica Há uma declaração impressionante nos escritos do apostolo Paulo. Ele fala da esperança do evangelho que haveis ouvido, o qual se pregava a toda a criatura, que esta debaixo do céu (Col 1: 23). Este é um indicio bastante claro de que o progresso da obra missionária da igreja não se media nos primeiros anos pelas as igrejas estabelecidas que se conheça historicamente. Há suficiente base para crer que com o poder do Espírito do Pentecoste e com o zelo e o valor dos apóstolos, a mensagem do Evangelho foi levado rapidamente a todo o mundo conhecido. Ainda que não desse como resultado em todas as partes do estabelecimento das comunidades cristãs permanente cumpriu com o propósito de admoestar aos homens para que cressem no Messias que havia sido crucificado, e havia ressuscitado e subido ao céu onde estava cumprindo sua obra de mediação para todos os que cressem nEle. Sim foi assim, deve pensar que é algo paralelo com a mensagem de admoestação que deve ser pregada ao mundo inteiro antes da segunda
  • 39. A p o s t i l a – A p o s t a s i a | 38 vinda de Cristo (Mat 24: 14; Apoc 14: 6-12), e agora esta em marcha. (Comentário Bíblico vol. 6, pp 63-69). Primeira estância: GC. 338, 464; TM,265; PJ, 315-316; IV. TI, 210; II ME, 378; TM, 277; V TI, 75-76; III TS, 252,253,254; I ME, 204; II ME,388, 389, 390,391; II TS, 419-423; GC,382-383; GC, 383-384; Segunda estância: II ME, 380; reforma a ter lugar hoje. PR,677-678; I ME, 386- 387,388; 5 TI, 66, 11; I ME, 122;