SlideShare uma empresa Scribd logo
Afinal de contas, pra quê existe Ministério de Música?


                                       Não, essa não é uma pergunta tão simples o quanto parece.
                              Interessante notar como temos facilidade em abandonar a idéia
                              original das coisas. É o que acontece quando vamos escrever uma
                              carta. Passamos meia hora discorrendo sobre vários assuntos em
                              uma folha qualquer e, finalmente quando achamos que já está bom e
                              vamos “passar tudo a limpo”, lá vêm chegando novas idéias, novos
                              argumentos... e passamos mais uma hora modificando tudo que
                              estava naquele borrão. No final de tão penosa maratona, o que
                              temos? Duas cartas totalmente diferentes nas mãos!
                                       Aparentemente é isso o que vem acontecendo em relação
                              aos ministérios de música espalhados por todo o Brasil. Temos hoje
                              diversos conceitos, variantes da idéia original, que muitas vezes
acabam por ser, como diria o poeta, “o avesso do avesso do avesso” daquilo para o qual fomos
criados.
         Existem pessoas que têm uma visão simplista das coisas: O ministério de música serve
para “animar o grupo”. É como se fôssemos um “enfeita-festas", uma espécie de “mascote do
grupo” ou algo parecido. Outros preferem encarar o ministério de música de maneira mais
“psicológica”. Para estes “isso é só uma fase; logo, logo estes meninos amadurecem e
escolhem um ministério mais sério”. Assim, tudo o que a música tenta realizar é encarado como
uma mera brincadeira, algo sem futuro mesmo.
         Outra corrente, mais perigosa, é a dos separatistas. Ministros de música que acreditam
firmemente que já não precisam do grupo de oração, que o ministério é auto-suficiente. Estes, se
lhes perguntam: “Ei, você é da Renovação Carismática?”, logo respondem (ou pensam em
responder): “Não, eu sou do ministério de música!”.
         Mas, na realidade, o sonho de Deus é bem diferente.
         Ele nos resgatou do nada, nos retirou dos abismos de nossa solidão e nos plantou em
meio a outros, que também vieram – por quê não dizer? – do fundo do poço e que agora
caminham rumo à sua luz. Este é o nosso grupo de oração!
         Mas nosso Deus é só ternura e seu amor infinito já havia fincado “desde que nos formamos
no seio de nossa mãe” um germe de felicidade, um carisma, aquilo que podemos tranqüilamente
chamar de “veia artística”. E assim colocamos nossos dons à disposição de seu Doador.
         É simplesmente isso. Nós somos a canção de nosso grupo de oração entoada aos ouvidos
do Pai. Não existe em nós algo superficial, tímido ou apenas mais um “oba-oba”, mas somos
profundidade, por quê profundo é o que vivemos na Renovação, em nosso grupo.
         Perder esse chamado de vista, abrir mão de tamanha graça é, literalmente, tentar construir
um edifício sobre a areia... e Jesus já falou uma vez sobre esse tipo de loucura. O ministério (e o
ministro) de música que decide caminhar sem grupo de oração está, sem mais palavras,
cometendo suicídio.
         Nossa Igreja está e deve continuar vivendo novos dias. E nós, músicos do Senhor, nesse
novo tempo somos chamados a respirar o nosso grupo de oração, inflar nossos pulmões com esta
dádiva maravilhosa e, quando soprarmos... esta será a nossa música.
         O povo não precisa de “músicas bonitinhas” ou de “alguém para animar”. O povo precisa
de ministros da presença de Deus, guias de oração através do canto, profetas que utilizam sua voz
e seus instrumentos como canais para que o próprio Deus lhes fale!
         Esse é o nosso chamado, para isso fomos criados!
         Claro, para que consigamos dar conta de nossa missão teremos que nos esforçar
bastante... Por isso mesmo é interessante abordarmos aqui um aspecto muito importante de nosso
trabalho: a escolha de cânticos apropriados para cada momento do grupo de oração.
         Em primeiro lugar é importante que lembremos de uma coisa: se nossa missão é levar o
povo a ter um encontro pessoal e comunitário com o Senhor, então temos que escutar do próprio
Deus o que Ele quer fazer! O processo da escolha de repertório para o grupo de oração deve ter
como primeiro critério a Vontade de Deus, algo que só podemos discernir através mesmo da
oração e da escuta. O ministério precisa rezar antes de escolher as músicas, precisa sentir para
que lado o Senhor vai querer levar o povo naquele dia, precisa “escutar o ruído” do vento do
Espírito e deixar-se levar por ele. Em seguida, claro, deve-se partir para o critério prático da
escolha, no qual devemos atentar para aspectos como;

1. tema da pregação do dia: Daí a importância capital do entrosamento entre o ministério e a
coordenação e o núcleo do grupo de oração. O tema deve ser passado com antecedência para o
ministério para que haja tempo para oração, discernimento da música e ensaio.
2. sugestões do pregador: Que devem ser colhidas não no dia da pregação, mas, de preferência
com uma antecedência suficiente para que o ministério se prepare.
3. possibilidades do ministério: Às vezes até temos a idéia de uma música ótima, mas se o
ministério não tiver condições ainda de tocá-la, o melhor é mesmo escolher uma outra música mais
conhecida e com a qual já se tenha “intimidade”.
4. Possibilidades do povo do grupo: Nem sempre vai dar tempo para o povo aprender uma
música nova... então é sempre bom lembrar que a finalidade da música não é gerar um momento
bonito no grupo, e, sim, levar as pessoas à oração. Por isso não podemos deixar de lembrar do
nosso povo na hora de escolher as músicas.
5. Particularidade de cada momento do grupo: O grupo de oração tem os momentos de
animação, de acolhida, de louvor, de interiorização... o ministério precisa estar atento para quais as
músicas mais indicadas para cada um desses momentos a fim de não misturar as coisas.

        Por fim, outra coisa importante a se lembrar é sobre a escolha das músicas para a Missa e
demais celebrações litúrgicas. Todo bom ministro de música é “craque” em escolher esse
repertório. Para esse fim recomendo a leitura do Documento 43 da CNBB – A Música Litúrgica no
Brasil e, para uma formação mais específica para a Renovação Carismática, o livro “Quem tem
medo de cantar a Missa?”, da Coleção RCC Novo Milênio.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 2 Para Que Existe Ministério

O impacto da música pop na lingua, cultura e sexo
O impacto da música pop na lingua, cultura e sexoO impacto da música pop na lingua, cultura e sexo
O impacto da música pop na lingua, cultura e sexo
Felipe Pouchucq
 
ReflexãO Sobre A Entrevista A David Fonseca
ReflexãO Sobre A Entrevista A David FonsecaReflexãO Sobre A Entrevista A David Fonseca
ReflexãO Sobre A Entrevista A David Fonseca
superhighsound
 
17 dicas para os músicos
17 dicas para os músicos17 dicas para os músicos
17 dicas para os músicos
Ubj Press Vilhena
 
A influência da música
A influência da músicaA influência da música
A influência da música
Yan Nunes
 
Formação para Grupos Corais
Formação para Grupos CoraisFormação para Grupos Corais
Formação para Grupos Corais
José Marques
 
Apelando por decisões
Apelando por decisõesApelando por decisões
Apelando por decisões
Marcos Lino
 
Artigo 4 o que é música - md ed 52
Artigo 4   o que é música - md ed 52Artigo 4   o que é música - md ed 52
Artigo 4 o que é música - md ed 52
Társis Iraídes
 
Princípios de música cristã
Princípios de música cristãPrincípios de música cristã
Princípios de música cristã
Tocandoocéu Céu
 
Verdadeiros adoradores
Verdadeiros adoradoresVerdadeiros adoradores
Verdadeiros adoradores
César Detinha Nunes
 
Salmos hinos e canticos
Salmos hinos e canticosSalmos hinos e canticos
Salmos hinos e canticos
Osiel Oliveira
 
Entrevista raquel
Entrevista raquelEntrevista raquel
Entrevista raquel
Publica Livros
 
Entrevista carmen souza
Entrevista carmen souzaEntrevista carmen souza
Entrevista carmen souza
cabolux
 
Buscando motivação para pregar domingo
Buscando motivação para pregar domingoBuscando motivação para pregar domingo
Buscando motivação para pregar domingo
Rev. Giovanni Guimarães
 
Palestra manancial
Palestra manancialPalestra manancial
Palestra manancial
josé justino justino
 
Oficina NEP 2012
Oficina NEP 2012Oficina NEP 2012
Oficina NEP 2012
igmateus
 
Música sua influência na vida do cristão(mi)
Música   sua influência na vida do cristão(mi)Música   sua influência na vida do cristão(mi)
Música sua influência na vida do cristão(mi)
Gérson Fagundes da Cunha
 
Mus03
Mus03Mus03
Verdadeiros adoradores
Verdadeiros adoradoresVerdadeiros adoradores
Verdadeiros adoradores
Sergio Furtado
 
Dinamica1
Dinamica1Dinamica1
Dinamica1
jorge cousseiro
 
Subsídios para 31 dias vocacionais
Subsídios para 31 dias vocacionaisSubsídios para 31 dias vocacionais
Subsídios para 31 dias vocacionais
Antonia Santos
 

Semelhante a 2 Para Que Existe Ministério (20)

O impacto da música pop na lingua, cultura e sexo
O impacto da música pop na lingua, cultura e sexoO impacto da música pop na lingua, cultura e sexo
O impacto da música pop na lingua, cultura e sexo
 
ReflexãO Sobre A Entrevista A David Fonseca
ReflexãO Sobre A Entrevista A David FonsecaReflexãO Sobre A Entrevista A David Fonseca
ReflexãO Sobre A Entrevista A David Fonseca
 
17 dicas para os músicos
17 dicas para os músicos17 dicas para os músicos
17 dicas para os músicos
 
A influência da música
A influência da músicaA influência da música
A influência da música
 
Formação para Grupos Corais
Formação para Grupos CoraisFormação para Grupos Corais
Formação para Grupos Corais
 
Apelando por decisões
Apelando por decisõesApelando por decisões
Apelando por decisões
 
Artigo 4 o que é música - md ed 52
Artigo 4   o que é música - md ed 52Artigo 4   o que é música - md ed 52
Artigo 4 o que é música - md ed 52
 
Princípios de música cristã
Princípios de música cristãPrincípios de música cristã
Princípios de música cristã
 
Verdadeiros adoradores
Verdadeiros adoradoresVerdadeiros adoradores
Verdadeiros adoradores
 
Salmos hinos e canticos
Salmos hinos e canticosSalmos hinos e canticos
Salmos hinos e canticos
 
Entrevista raquel
Entrevista raquelEntrevista raquel
Entrevista raquel
 
Entrevista carmen souza
Entrevista carmen souzaEntrevista carmen souza
Entrevista carmen souza
 
Buscando motivação para pregar domingo
Buscando motivação para pregar domingoBuscando motivação para pregar domingo
Buscando motivação para pregar domingo
 
Palestra manancial
Palestra manancialPalestra manancial
Palestra manancial
 
Oficina NEP 2012
Oficina NEP 2012Oficina NEP 2012
Oficina NEP 2012
 
Música sua influência na vida do cristão(mi)
Música   sua influência na vida do cristão(mi)Música   sua influência na vida do cristão(mi)
Música sua influência na vida do cristão(mi)
 
Mus03
Mus03Mus03
Mus03
 
Verdadeiros adoradores
Verdadeiros adoradoresVerdadeiros adoradores
Verdadeiros adoradores
 
Dinamica1
Dinamica1Dinamica1
Dinamica1
 
Subsídios para 31 dias vocacionais
Subsídios para 31 dias vocacionaisSubsídios para 31 dias vocacionais
Subsídios para 31 dias vocacionais
 

Mais de tomdeamor

3 O Perfil Do Ministro De MúSica
3 O Perfil Do Ministro De MúSica3 O Perfil Do Ministro De MúSica
3 O Perfil Do Ministro De MúSica
tomdeamor
 
3 O Perfil Do Ministro De Música
3 O Perfil Do Ministro De Música3 O Perfil Do Ministro De Música
3 O Perfil Do Ministro De Música
tomdeamor
 
1 Nossa Arte No Coração Do Pai
1 Nossa Arte No Coração Do Pai1 Nossa Arte No Coração Do Pai
1 Nossa Arte No Coração Do Pai
tomdeamor
 
4 Artista Que Não Quer Sofrer
4 Artista Que Não Quer Sofrer4 Artista Que Não Quer Sofrer
4 Artista Que Não Quer Sofrer
tomdeamor
 
4 Artista Que Não Quer Sofrer
4 Artista Que Não Quer Sofrer4 Artista Que Não Quer Sofrer
4 Artista Que Não Quer Sofrer
tomdeamor
 
3 O Perfil Do Ministro De Música
3 O Perfil Do Ministro De Música3 O Perfil Do Ministro De Música
3 O Perfil Do Ministro De Música
tomdeamor
 
1 Oito Dicas Para Ajudar A Viver O Amor Fraterno
1 Oito Dicas Para Ajudar A Viver O Amor Fraterno1 Oito Dicas Para Ajudar A Viver O Amor Fraterno
1 Oito Dicas Para Ajudar A Viver O Amor Fraterno
tomdeamor
 
2 A Arte De Fazer Amigos
2 A Arte De Fazer Amigos2 A Arte De Fazer Amigos
2 A Arte De Fazer Amigos
tomdeamor
 
3 A Arte De Fazer Amigos
3 A Arte De Fazer Amigos3 A Arte De Fazer Amigos
3 A Arte De Fazer Amigos
tomdeamor
 
4 A Força Do Entusiasmo
4 A Força Do Entusiasmo4 A Força Do Entusiasmo
4 A Força Do Entusiasmo
tomdeamor
 
IV Formação Para Novas Comunidades
IV  Formação Para Novas ComunidadesIV  Formação Para Novas Comunidades
IV Formação Para Novas Comunidades
tomdeamor
 
III Formação Para Novas Comunidades
III Formação Para Novas ComunidadesIII Formação Para Novas Comunidades
III Formação Para Novas Comunidades
tomdeamor
 
Ii Formação Para Novas Comunidades
Ii Formação Para Novas ComunidadesIi Formação Para Novas Comunidades
Ii Formação Para Novas Comunidades
tomdeamor
 
4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos
tomdeamor
 
3 Direito Canônico
3 Direito Canônico3 Direito Canônico
3 Direito Canônico
tomdeamor
 
2 A Intercessão Dos Santos
2 A Intercessão Dos Santos2 A Intercessão Dos Santos
2 A Intercessão Dos Santos
tomdeamor
 
1 A Criação Dos Anjos
1 A Criação Dos Anjos1 A Criação Dos Anjos
1 A Criação Dos Anjos
tomdeamor
 
Ii Formação Para Novas Comunidades
Ii Formação Para Novas ComunidadesIi Formação Para Novas Comunidades
Ii Formação Para Novas Comunidades
tomdeamor
 
I Formação Para Novas Comunidades
I Formação Para Novas ComunidadesI Formação Para Novas Comunidades
I Formação Para Novas Comunidades
tomdeamor
 
Ii Formação Para Novas Comunidades
Ii Formação Para Novas ComunidadesIi Formação Para Novas Comunidades
Ii Formação Para Novas Comunidades
tomdeamor
 

Mais de tomdeamor (20)

3 O Perfil Do Ministro De MúSica
3 O Perfil Do Ministro De MúSica3 O Perfil Do Ministro De MúSica
3 O Perfil Do Ministro De MúSica
 
3 O Perfil Do Ministro De Música
3 O Perfil Do Ministro De Música3 O Perfil Do Ministro De Música
3 O Perfil Do Ministro De Música
 
1 Nossa Arte No Coração Do Pai
1 Nossa Arte No Coração Do Pai1 Nossa Arte No Coração Do Pai
1 Nossa Arte No Coração Do Pai
 
4 Artista Que Não Quer Sofrer
4 Artista Que Não Quer Sofrer4 Artista Que Não Quer Sofrer
4 Artista Que Não Quer Sofrer
 
4 Artista Que Não Quer Sofrer
4 Artista Que Não Quer Sofrer4 Artista Que Não Quer Sofrer
4 Artista Que Não Quer Sofrer
 
3 O Perfil Do Ministro De Música
3 O Perfil Do Ministro De Música3 O Perfil Do Ministro De Música
3 O Perfil Do Ministro De Música
 
1 Oito Dicas Para Ajudar A Viver O Amor Fraterno
1 Oito Dicas Para Ajudar A Viver O Amor Fraterno1 Oito Dicas Para Ajudar A Viver O Amor Fraterno
1 Oito Dicas Para Ajudar A Viver O Amor Fraterno
 
2 A Arte De Fazer Amigos
2 A Arte De Fazer Amigos2 A Arte De Fazer Amigos
2 A Arte De Fazer Amigos
 
3 A Arte De Fazer Amigos
3 A Arte De Fazer Amigos3 A Arte De Fazer Amigos
3 A Arte De Fazer Amigos
 
4 A Força Do Entusiasmo
4 A Força Do Entusiasmo4 A Força Do Entusiasmo
4 A Força Do Entusiasmo
 
IV Formação Para Novas Comunidades
IV  Formação Para Novas ComunidadesIV  Formação Para Novas Comunidades
IV Formação Para Novas Comunidades
 
III Formação Para Novas Comunidades
III Formação Para Novas ComunidadesIII Formação Para Novas Comunidades
III Formação Para Novas Comunidades
 
Ii Formação Para Novas Comunidades
Ii Formação Para Novas ComunidadesIi Formação Para Novas Comunidades
Ii Formação Para Novas Comunidades
 
4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos
 
3 Direito Canônico
3 Direito Canônico3 Direito Canônico
3 Direito Canônico
 
2 A Intercessão Dos Santos
2 A Intercessão Dos Santos2 A Intercessão Dos Santos
2 A Intercessão Dos Santos
 
1 A Criação Dos Anjos
1 A Criação Dos Anjos1 A Criação Dos Anjos
1 A Criação Dos Anjos
 
Ii Formação Para Novas Comunidades
Ii Formação Para Novas ComunidadesIi Formação Para Novas Comunidades
Ii Formação Para Novas Comunidades
 
I Formação Para Novas Comunidades
I Formação Para Novas ComunidadesI Formação Para Novas Comunidades
I Formação Para Novas Comunidades
 
Ii Formação Para Novas Comunidades
Ii Formação Para Novas ComunidadesIi Formação Para Novas Comunidades
Ii Formação Para Novas Comunidades
 

Último

Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 

Último (10)

Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 

2 Para Que Existe Ministério

  • 1. Afinal de contas, pra quê existe Ministério de Música? Não, essa não é uma pergunta tão simples o quanto parece. Interessante notar como temos facilidade em abandonar a idéia original das coisas. É o que acontece quando vamos escrever uma carta. Passamos meia hora discorrendo sobre vários assuntos em uma folha qualquer e, finalmente quando achamos que já está bom e vamos “passar tudo a limpo”, lá vêm chegando novas idéias, novos argumentos... e passamos mais uma hora modificando tudo que estava naquele borrão. No final de tão penosa maratona, o que temos? Duas cartas totalmente diferentes nas mãos! Aparentemente é isso o que vem acontecendo em relação aos ministérios de música espalhados por todo o Brasil. Temos hoje diversos conceitos, variantes da idéia original, que muitas vezes acabam por ser, como diria o poeta, “o avesso do avesso do avesso” daquilo para o qual fomos criados. Existem pessoas que têm uma visão simplista das coisas: O ministério de música serve para “animar o grupo”. É como se fôssemos um “enfeita-festas", uma espécie de “mascote do grupo” ou algo parecido. Outros preferem encarar o ministério de música de maneira mais “psicológica”. Para estes “isso é só uma fase; logo, logo estes meninos amadurecem e escolhem um ministério mais sério”. Assim, tudo o que a música tenta realizar é encarado como uma mera brincadeira, algo sem futuro mesmo. Outra corrente, mais perigosa, é a dos separatistas. Ministros de música que acreditam firmemente que já não precisam do grupo de oração, que o ministério é auto-suficiente. Estes, se lhes perguntam: “Ei, você é da Renovação Carismática?”, logo respondem (ou pensam em responder): “Não, eu sou do ministério de música!”. Mas, na realidade, o sonho de Deus é bem diferente. Ele nos resgatou do nada, nos retirou dos abismos de nossa solidão e nos plantou em meio a outros, que também vieram – por quê não dizer? – do fundo do poço e que agora caminham rumo à sua luz. Este é o nosso grupo de oração! Mas nosso Deus é só ternura e seu amor infinito já havia fincado “desde que nos formamos no seio de nossa mãe” um germe de felicidade, um carisma, aquilo que podemos tranqüilamente chamar de “veia artística”. E assim colocamos nossos dons à disposição de seu Doador. É simplesmente isso. Nós somos a canção de nosso grupo de oração entoada aos ouvidos do Pai. Não existe em nós algo superficial, tímido ou apenas mais um “oba-oba”, mas somos profundidade, por quê profundo é o que vivemos na Renovação, em nosso grupo. Perder esse chamado de vista, abrir mão de tamanha graça é, literalmente, tentar construir um edifício sobre a areia... e Jesus já falou uma vez sobre esse tipo de loucura. O ministério (e o ministro) de música que decide caminhar sem grupo de oração está, sem mais palavras, cometendo suicídio. Nossa Igreja está e deve continuar vivendo novos dias. E nós, músicos do Senhor, nesse novo tempo somos chamados a respirar o nosso grupo de oração, inflar nossos pulmões com esta dádiva maravilhosa e, quando soprarmos... esta será a nossa música. O povo não precisa de “músicas bonitinhas” ou de “alguém para animar”. O povo precisa de ministros da presença de Deus, guias de oração através do canto, profetas que utilizam sua voz e seus instrumentos como canais para que o próprio Deus lhes fale! Esse é o nosso chamado, para isso fomos criados! Claro, para que consigamos dar conta de nossa missão teremos que nos esforçar bastante... Por isso mesmo é interessante abordarmos aqui um aspecto muito importante de nosso trabalho: a escolha de cânticos apropriados para cada momento do grupo de oração. Em primeiro lugar é importante que lembremos de uma coisa: se nossa missão é levar o povo a ter um encontro pessoal e comunitário com o Senhor, então temos que escutar do próprio Deus o que Ele quer fazer! O processo da escolha de repertório para o grupo de oração deve ter
  • 2. como primeiro critério a Vontade de Deus, algo que só podemos discernir através mesmo da oração e da escuta. O ministério precisa rezar antes de escolher as músicas, precisa sentir para que lado o Senhor vai querer levar o povo naquele dia, precisa “escutar o ruído” do vento do Espírito e deixar-se levar por ele. Em seguida, claro, deve-se partir para o critério prático da escolha, no qual devemos atentar para aspectos como; 1. tema da pregação do dia: Daí a importância capital do entrosamento entre o ministério e a coordenação e o núcleo do grupo de oração. O tema deve ser passado com antecedência para o ministério para que haja tempo para oração, discernimento da música e ensaio. 2. sugestões do pregador: Que devem ser colhidas não no dia da pregação, mas, de preferência com uma antecedência suficiente para que o ministério se prepare. 3. possibilidades do ministério: Às vezes até temos a idéia de uma música ótima, mas se o ministério não tiver condições ainda de tocá-la, o melhor é mesmo escolher uma outra música mais conhecida e com a qual já se tenha “intimidade”. 4. Possibilidades do povo do grupo: Nem sempre vai dar tempo para o povo aprender uma música nova... então é sempre bom lembrar que a finalidade da música não é gerar um momento bonito no grupo, e, sim, levar as pessoas à oração. Por isso não podemos deixar de lembrar do nosso povo na hora de escolher as músicas. 5. Particularidade de cada momento do grupo: O grupo de oração tem os momentos de animação, de acolhida, de louvor, de interiorização... o ministério precisa estar atento para quais as músicas mais indicadas para cada um desses momentos a fim de não misturar as coisas. Por fim, outra coisa importante a se lembrar é sobre a escolha das músicas para a Missa e demais celebrações litúrgicas. Todo bom ministro de música é “craque” em escolher esse repertório. Para esse fim recomendo a leitura do Documento 43 da CNBB – A Música Litúrgica no Brasil e, para uma formação mais específica para a Renovação Carismática, o livro “Quem tem medo de cantar a Missa?”, da Coleção RCC Novo Milênio.