SlideShare uma empresa Scribd logo
MARIA DE MAGDALA
Ao tempo de Jesus, a Galiléia era uma região muito agradável
em Israel.Era considerada a região amena, de clima suave, por
causa do lago de Jenezaré, também chamado mar da Galiléia.O
lago de Tiberíades.O lago é formado pelo rio Jordão que vem
do norte.Ali derrama as suas águas numa numa pequena
depressão em relação ao nível do mediterrâneo, duzentos e
vinte metros abaixo do nível do mar e que continua a correr na
direção do sul para ir formar o mar morto, a área considerada a
maior depressão do planeta terrestre, quatrocentos metros
abaixo do nível do mar mediterrâneo, e naturalmente esse mar
piscoso e agradável era cercado de um casario formoso, cidades
agradáveis e prósperas.Magdala,Dalmanuta,Cafarnaum.As
pequeninas joias encravadas na região de montanhas e diante
das águas transparentes e piscosas do mar.A região até hoje é
caracterizada por um biótipo humano que ali habita e que se
dedica a agricultura, à vida pastoril,vinhateiros,plantadores de
trigo, mercadores de cabras. E as cidades que se erguiam à
beira mar ofereciam um clima agradável a fenícios, a romanos,
gregos, egípcios, a Sírios e Babilônios que periodicamente
vinham viver suas férias agradáveis naquele lugar bucólico no
qual periodicamente ventos fortes levantavam as águas e
tempestades estrugiam inesperadamente. Jesus havia elegido
aquela região porque eram gente simples, amantes da
natureza, acostumadas a uma faina diária sem a presunção
intelectual da Judéia ou a vacuidade dos que viviam na Peréia.
O Galileu por isso mesmo era tido como biótipo de segunda
categoria. Uma velha ironia da tradição bíblica, costumava
interrogar: -o que pode vir de bom da Galiléia?porque a galiléia
era inevitavelmente a região das pessoas modestas. Foi
exatamente por isso que Jesus resolveu viver com os galileus e
convidou-os em número de doze para formar o seu colégio
apostólico.Da Judéia intelectual, nobre e austera ele retirou
apenas um que se chamava Judas deQueriote, exatamente
aquele que o traiu,Como a dizer que a áspide da inteligência,
caracterizada pela astúcia e pelas exigências de quinquilharias
tem poucas resistências morais para os enfrentamentos do
cotidiano.Morava em Magdala a verdadeira pérola da
região.Uma mulher peculiar. Ela passaria à história da
humanidade exatamente por causa de sua vida tumultuada das
duas faces da sua existência. Magdala era então uma cidade
com estilo grego, mas também possuía um casario de natureza
mesopotâmia.Pelas suas ruas, tilintavam as moedas variadas,
sestér, seus denários e os mercadores cumprimentavam-se na
mesa dos cambistas.Ali também tinha lugar os grandes
espetáculos noturnos. A própria rainha Cleópatra, descendente
dos ptolomeus, veio do Egito, para viver as alegrias noturnas e
os dias agradáveis de Magdala.Magdala era o lugar também da
ociosidade que atraia aventureiros e mulheres angustiadas e
principalmente aquelas que já estavam no crepúsculo e m
mansões preciosas recebiam uma clientela especial.Foi nesse
contubérnio de sentimentos e de paradoxos que uma mulher se
tornaria célebre.Chamava-se Miriam e ela passaria à
posteridade com o nome de Miriam de midon, Maria de
Magdala.Ela poderia recordar-se que quando criança ela fora
levada um dia a Jerusalem. A sua família por hábito iam a
festas, as festas agradáveis da páscoa. As festas que
caracterizavam a saída do povo hebreu do Egito.E
naturalmente, em uma daquelas oportunidades, moçoila entre
10 e 11 anos,passando pela praça formosa defronte do
mercado, ela ouviu alguém dizer: - Um dia, um dia que não
está muito longe, ele virá.E aparecerá como libertador do povo
eleito.Naquele tempo os contadores de estória, usavam uma
vara, para dar uma dimensão infinita às suas narrações.Como
hoje, a retórica e a oratória exigem a harmonia de movimento
de mãos para poder representar teatralmente o que as palavras
não logram dizer.Erguendo a sua vara de contar estórias ele
apontava o infinito e a menina se deteve diante dele. Com os
olhos luminosos ela perguntou: - E como será?O venerando
contador de estórias reflexionou por alguns minutos e disse-
lhe: - Será belo como a madrugada, será bravio como o mar
açoitado pelos ventos, será nobre como a labareda de fogo e
srá ousado como uma espada nua.A sua voz será penetrante e
doce como um favo de mel e o seu olhar balsâmico como a
ternura do coração de mãe transmitindo vida ao filho
doente.Ela nunca poderia dizerporque razão amou a esse
homem estranho que um dia chegaria.Sequer ela tinha idéia a
respeito do que aquele narrador falava.Mas hvia na sua voz
uma melancolia cheia de esperança e uma saudade feita de dor
tão pungente que ela sentiu o peito transpassado por um
punhal de alegria e então amou aquele que vinha libertar o
povo eleito.Mais tarde contava quinze anos, o seu corpo já
houvera adquirido formas. A sua cabeleira, da cor de mel, caia-
lhe à cintura, os seus olhos eram transparentes como dois
pedaços de céu azul.Ela estava agora em Jerusalem e havia sido
arrebatada pelo amor. O amor parecia haver montado um
corcel fogoso e arrebatou-a. Ela deixou-se empolgar por uma
voz cariciosa e quente ao seu ouvido e encantada, entregou-se
aos braços do amor.Quando despertou, estava num bordel. Em
verdade não era o amor que havia chegado ao seu coração.
Fôra as patas violentas e galopantes de um animal, que lhe
estraçalharam todas as ansiedades de menina mulher.E foi
nesse estado de inquietação, enquanto se preparava para
vender os primeiros perfumes que visitando uma das portas
triunfais do templo ela ouviu alguém dizer: - Aleluia! Eis que ele
chegou à terra para trazer venturas. Está chegado o grande e
terrível dia do Senhor. E sem saber porque, qual a magia,
sentiu-se atraída até aquela voz que cantava essa litania e
perguntou: - Como é ele?Aquele que falava do futuro foi
tomado de uma certa emoção e tentou dizer que ele era tão
forte como um herói mitológico, mas era tão bom como o
sorriso de criança.E agora com o coração despedaçado ela mais
o amou. Amou com uma ternura infinita, com uma imensa sede
de paz.Foi exatamente assim que ela poderia recordar mais
tarde a sua infância, a sua adolescência e aquele período.
Aquele período de auto destruição. Agora...Agora ela era a
rainha da noite em Magdala. A sua casa famosa, recebia os
melhores hóspedes que transitavam pela galiléia.Legionários
vinham de Cesaréia de Filipe exatamente para fruir um pouco
do seu amor ou das alegrias que ela propiciava. Sacerdotes
chegavam de Jerusalem e mercadores atravessavam Bethabara,
a casa da passagem do rio Jordão para se ufanarem de haver
tido uma noite com a mulher preciosa de Magdala. Ela possuía
tudo aquilo que o dinheiro pode comprar. A mansão vetusta
cercada de alcaparrilhas em flor, servas,escravas da
Núbia,moedas que lhe chegavam de diferentes regiões da terra,
adereços,joias preciosas,ela possuía tudo, menos a paz. Parecia
que o seu coração estava envolto no luto cruel e por mais que
os homens lhe dessem alegrias, a embriaguez dos sentidos não
preenchia o vazio do sentimento.Mas era célebre.Certo dia,
uma escrava enquanto a penteava falou a respeito daquele
estranho messias.Lhe disse: - senhora, por acaso já ouvistes
falar daquele que consegue penetrar o coração como perfume
de nardo? E balsamizar a alma como se fosse uma brisa mansa
que se acaricia e que penetra no coração? Ela parecia estar
anestesiada. As pessoas de Magdala diziam que ela era uma
possessa.E ela provavelmente acreditava nisso.Diziam mesmo
que sete demônios a dominavam.E nas noites de plenilúnio,
quando ela mandava fechar as janelas com reposteiros pesados
ela entrava em êxtase.A pele nacarada, os olhos abertos fora
das órbitas, dominada por tremores e suores áugidos,ela não
recebia ninguém. A casa mergulhava em silêncio, as escravas
caminhavam descalças, e mesmo a voz do vento parecia
silenciar para que ela penetrasse no abismo da amargura.
Novamente a escrava lhe disse: - senhora,hoje ele estará em
Magdala, ao entardecer a sua voz irá saudar o sol que se
esconde e oferecer brandícias aos que estão desesperados. Ela
mergulhada no solilóquio, estava longe da realidade objetiva. E
novamente a escrava lhe disse: - senhora,chegou o amor não
amado, ele é leve, senhora, como o sorriso, mas o seu olhar é
tão profundo como um punhal que rasga a alma.Ela meneou a
cabeça e não deu importância. Estava dominada pelas fúrias. N
noite imediata estava totalmente possessa. A casa rescendia os
odores de sândalo, de mirra e de preciosas ervas que ali eram
queimadas para afastarem as forças negativas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

"Africa: amor e dor"
"Africa: amor e dor" "Africa: amor e dor"
"Africa: amor e dor"
Analzira Nascimento
 
Adolfo caminha no país dos ianques
Adolfo caminha   no país dos ianquesAdolfo caminha   no país dos ianques
Adolfo caminha no país dos ianques
Tulipa Zoá
 
Capitulo 1: O Despertar da Luz e das Trevas
Capitulo 1: O Despertar da Luz e das TrevasCapitulo 1: O Despertar da Luz e das Trevas
Capitulo 1: O Despertar da Luz e das Trevas
Leonardo Gouvea Moreira
 
Inês da minha alma isabel allende -
Inês da minha alma   isabel allende -Inês da minha alma   isabel allende -
Inês da minha alma isabel allende -
CcarlaSlide
 
Livro zadig ou o destino- voltaire
Livro  zadig ou o destino- voltaireLivro  zadig ou o destino- voltaire
Livro zadig ou o destino- voltaire
Evandro Ribeiro
 
Dinah silveira de_queiroz_-_a_muralha
Dinah silveira de_queiroz_-_a_muralhaDinah silveira de_queiroz_-_a_muralha
Dinah silveira de_queiroz_-_a_muralha
Virginia Moreira
 
Quarta
QuartaQuarta
Terça
TerçaTerça
Quinta
QuintaQuinta
Segunda
SegundaSegunda
A rainha da primavera
A rainha da primaveraA rainha da primavera
A rainha da primavera
Vitória Tavares
 
Senzala salvador gentile
Senzala   salvador gentileSenzala   salvador gentile
Senzala salvador gentile
Francisco de Morais
 
A Saga - ficha de vocabulário
A Saga - ficha de vocabulárioA Saga - ficha de vocabulário
A Saga - ficha de vocabulário
Lina Claro
 
Resenha espirita on line 106
Resenha espirita on line 106Resenha espirita on line 106
Resenha espirita on line 106
MRS
 
História de salomão
História de salomãoHistória de salomão
História de salomão
welingtonjh
 
Christian jacq juiz do egito - volume iii - a justiça do vizir (242 pg)
Christian jacq   juiz do egito - volume iii - a justiça do vizir (242 pg)Christian jacq   juiz do egito - volume iii - a justiça do vizir (242 pg)
Christian jacq juiz do egito - volume iii - a justiça do vizir (242 pg)
Ariovaldo Cunha
 
Camille flamarion estela
Camille flamarion   estelaCamille flamarion   estela
Camille flamarion estela
Claudia Ruzicki Kremer
 
154 o caminho de damasco
154   o caminho de damasco154   o caminho de damasco
154 o caminho de damasco
Jorginho Jhj
 

Mais procurados (18)

"Africa: amor e dor"
"Africa: amor e dor" "Africa: amor e dor"
"Africa: amor e dor"
 
Adolfo caminha no país dos ianques
Adolfo caminha   no país dos ianquesAdolfo caminha   no país dos ianques
Adolfo caminha no país dos ianques
 
Capitulo 1: O Despertar da Luz e das Trevas
Capitulo 1: O Despertar da Luz e das TrevasCapitulo 1: O Despertar da Luz e das Trevas
Capitulo 1: O Despertar da Luz e das Trevas
 
Inês da minha alma isabel allende -
Inês da minha alma   isabel allende -Inês da minha alma   isabel allende -
Inês da minha alma isabel allende -
 
Livro zadig ou o destino- voltaire
Livro  zadig ou o destino- voltaireLivro  zadig ou o destino- voltaire
Livro zadig ou o destino- voltaire
 
Dinah silveira de_queiroz_-_a_muralha
Dinah silveira de_queiroz_-_a_muralhaDinah silveira de_queiroz_-_a_muralha
Dinah silveira de_queiroz_-_a_muralha
 
Quarta
QuartaQuarta
Quarta
 
Terça
TerçaTerça
Terça
 
Quinta
QuintaQuinta
Quinta
 
Segunda
SegundaSegunda
Segunda
 
A rainha da primavera
A rainha da primaveraA rainha da primavera
A rainha da primavera
 
Senzala salvador gentile
Senzala   salvador gentileSenzala   salvador gentile
Senzala salvador gentile
 
A Saga - ficha de vocabulário
A Saga - ficha de vocabulárioA Saga - ficha de vocabulário
A Saga - ficha de vocabulário
 
Resenha espirita on line 106
Resenha espirita on line 106Resenha espirita on line 106
Resenha espirita on line 106
 
História de salomão
História de salomãoHistória de salomão
História de salomão
 
Christian jacq juiz do egito - volume iii - a justiça do vizir (242 pg)
Christian jacq   juiz do egito - volume iii - a justiça do vizir (242 pg)Christian jacq   juiz do egito - volume iii - a justiça do vizir (242 pg)
Christian jacq juiz do egito - volume iii - a justiça do vizir (242 pg)
 
Camille flamarion estela
Camille flamarion   estelaCamille flamarion   estela
Camille flamarion estela
 
154 o caminho de damasco
154   o caminho de damasco154   o caminho de damasco
154 o caminho de damasco
 

Destaque

Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
Odete Salerno
 
Magazine
MagazineMagazine
Magazine
Holly Tupper
 
DITET E FUNDIT
DITET E FUNDITDITET E FUNDIT
DITET E FUNDIT
Asambleja Biblike
 
eln-brochure
eln-brochureeln-brochure
eln-brochure
Larry Gallina
 
Universal form of krishna
Universal form of krishnaUniversal form of krishna
Universal form of krishna
Deepak-Atim Somaji-Sawant
 
Macro Micro Cosmos
Macro Micro CosmosMacro Micro Cosmos
Macro Micro Cosmos
Kapitán József
 
ნინო_ხუციშვილი
ნინო_ხუციშვილინინო_ხუციშვილი
ნინო_ხუციშვილი
nino khucishvili
 
2016_11_Henriett Food Styling Portfolio v3
2016_11_Henriett Food Styling Portfolio v32016_11_Henriett Food Styling Portfolio v3
2016_11_Henriett Food Styling Portfolio v3
Henriett Braun
 
Templomok
TemplomokTemplomok
Templomok
Kapitán József
 
3Com 3C551
3Com 3C5513Com 3C551
3Com 3C551
savomir
 
Jelena kenic uloga ambasadora
Jelena kenic   uloga ambasadoraJelena kenic   uloga ambasadora
Jelena kenic uloga ambasadora
Jelena Kenic
 
Munne ki laash
Munne ki laashMunne ki laash
Munne ki laash
sunninews92
 
A educação que temos hoje.
A educação que temos hoje.A educação que temos hoje.
A educação que temos hoje.
Mendesfs
 
Cartilha do suas
Cartilha do suasCartilha do suas
Cartilha do suas
thais pinheiro
 
Emotional Intelligence
Emotional IntelligenceEmotional Intelligence
Emotional Intelligence
Sameh Mashaal
 
Bányai István - Zoom
Bányai István - ZoomBányai István - Zoom
Bányai István - Zoom
Kapitán József
 
Kézimunka ollóval, papírból
Kézimunka ollóval, papírbólKézimunka ollóval, papírból
Kézimunka ollóval, papírból
Kapitán József
 
Normativa 36 hores de futbol sala
Normativa 36 hores de futbol salaNormativa 36 hores de futbol sala
Normativa 36 hores de futbol sala
Oriol69
 

Destaque (18)

Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
 
Magazine
MagazineMagazine
Magazine
 
DITET E FUNDIT
DITET E FUNDITDITET E FUNDIT
DITET E FUNDIT
 
eln-brochure
eln-brochureeln-brochure
eln-brochure
 
Universal form of krishna
Universal form of krishnaUniversal form of krishna
Universal form of krishna
 
Macro Micro Cosmos
Macro Micro CosmosMacro Micro Cosmos
Macro Micro Cosmos
 
ნინო_ხუციშვილი
ნინო_ხუციშვილინინო_ხუციშვილი
ნინო_ხუციშვილი
 
2016_11_Henriett Food Styling Portfolio v3
2016_11_Henriett Food Styling Portfolio v32016_11_Henriett Food Styling Portfolio v3
2016_11_Henriett Food Styling Portfolio v3
 
Templomok
TemplomokTemplomok
Templomok
 
3Com 3C551
3Com 3C5513Com 3C551
3Com 3C551
 
Jelena kenic uloga ambasadora
Jelena kenic   uloga ambasadoraJelena kenic   uloga ambasadora
Jelena kenic uloga ambasadora
 
Munne ki laash
Munne ki laashMunne ki laash
Munne ki laash
 
A educação que temos hoje.
A educação que temos hoje.A educação que temos hoje.
A educação que temos hoje.
 
Cartilha do suas
Cartilha do suasCartilha do suas
Cartilha do suas
 
Emotional Intelligence
Emotional IntelligenceEmotional Intelligence
Emotional Intelligence
 
Bányai István - Zoom
Bányai István - ZoomBányai István - Zoom
Bányai István - Zoom
 
Kézimunka ollóval, papírból
Kézimunka ollóval, papírbólKézimunka ollóval, papírból
Kézimunka ollóval, papírból
 
Normativa 36 hores de futbol sala
Normativa 36 hores de futbol salaNormativa 36 hores de futbol sala
Normativa 36 hores de futbol sala
 

Semelhante a 14 maria de magdala

Servos da luz
Servos da luz Servos da luz
Servos da luz
anncaty
 
As minas de_prata_segunda_parte
As minas de_prata_segunda_parteAs minas de_prata_segunda_parte
As minas de_prata_segunda_parte
MClara
 
Angélica, a marquesa dos anjos 25 - angélica e a estrela mágica
Angélica, a marquesa dos anjos   25 - angélica e a estrela mágicaAngélica, a marquesa dos anjos   25 - angélica e a estrela mágica
Angélica, a marquesa dos anjos 25 - angélica e a estrela mágica
kennyaeduardo
 
52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite
52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite
52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite
omoogun olobede
 
10 a transformação do homem na era da regeneração
10 a transformação do homem na era da regeneração10 a transformação do homem na era da regeneração
10 a transformação do homem na era da regeneração
sidneyjorge
 
Castanho, j. a fada da minha vida. conto. aveiro, aems 11_a
Castanho, j. a fada da minha vida. conto. aveiro, aems 11_aCastanho, j. a fada da minha vida. conto. aveiro, aems 11_a
Castanho, j. a fada da minha vida. conto. aveiro, aems 11_a
Ria da Escrita
 
Maria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de JesusMaria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de Jesus
Antonino Silva
 
O perfil de Jesus
O perfil de JesusO perfil de Jesus
O perfil de Jesus
Jose Pinto Cardoso
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
Rotivtheb
 
Lendas E Mitos
Lendas E MitosLendas E Mitos
Lendas E Mitos
Maria Filomena
 
Arte13
Arte13Arte13
Arte13
guest6a0d4b3
 
Arte13
Arte13Arte13
Arte13
renatotf
 
Arte13
Arte13Arte13
Arte13
renatotf
 
Angélica, a marquesa dos anjos 26 - o triunfo de angélica
Angélica, a marquesa dos anjos   26 - o triunfo de angélicaAngélica, a marquesa dos anjos   26 - o triunfo de angélica
Angélica, a marquesa dos anjos 26 - o triunfo de angélica
kennyaeduardo
 
Lendas de Portugal
Lendas de PortugalLendas de Portugal
Lendas de Portugal
pr_afsalbergaria
 
Lendas de-portugal
Lendas de-portugalLendas de-portugal
Lendas de-portugal
Ana Arminda Moreira
 
Lendas de-portugal
Lendas de-portugalLendas de-portugal
Lendas de-portugal
JWM V.
 
COUTO,-Mia-O-Fio-das-missangas.pdf
COUTO,-Mia-O-Fio-das-missangas.pdfCOUTO,-Mia-O-Fio-das-missangas.pdf
COUTO,-Mia-O-Fio-das-missangas.pdf
Deborah Kash
 
Dias venturosos francisco de assis
Dias venturosos francisco de assisDias venturosos francisco de assis
Dias venturosos francisco de assis
Mec Cunha
 
Lendas de-portugal-110326094657-phpapp02 (1)
Lendas de-portugal-110326094657-phpapp02 (1)Lendas de-portugal-110326094657-phpapp02 (1)
Lendas de-portugal-110326094657-phpapp02 (1)
Belmira Baptista
 

Semelhante a 14 maria de magdala (20)

Servos da luz
Servos da luz Servos da luz
Servos da luz
 
As minas de_prata_segunda_parte
As minas de_prata_segunda_parteAs minas de_prata_segunda_parte
As minas de_prata_segunda_parte
 
Angélica, a marquesa dos anjos 25 - angélica e a estrela mágica
Angélica, a marquesa dos anjos   25 - angélica e a estrela mágicaAngélica, a marquesa dos anjos   25 - angélica e a estrela mágica
Angélica, a marquesa dos anjos 25 - angélica e a estrela mágica
 
52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite
52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite
52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite
 
10 a transformação do homem na era da regeneração
10 a transformação do homem na era da regeneração10 a transformação do homem na era da regeneração
10 a transformação do homem na era da regeneração
 
Castanho, j. a fada da minha vida. conto. aveiro, aems 11_a
Castanho, j. a fada da minha vida. conto. aveiro, aems 11_aCastanho, j. a fada da minha vida. conto. aveiro, aems 11_a
Castanho, j. a fada da minha vida. conto. aveiro, aems 11_a
 
Maria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de JesusMaria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de Jesus
 
O perfil de Jesus
O perfil de JesusO perfil de Jesus
O perfil de Jesus
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Lendas E Mitos
Lendas E MitosLendas E Mitos
Lendas E Mitos
 
Arte13
Arte13Arte13
Arte13
 
Arte13
Arte13Arte13
Arte13
 
Arte13
Arte13Arte13
Arte13
 
Angélica, a marquesa dos anjos 26 - o triunfo de angélica
Angélica, a marquesa dos anjos   26 - o triunfo de angélicaAngélica, a marquesa dos anjos   26 - o triunfo de angélica
Angélica, a marquesa dos anjos 26 - o triunfo de angélica
 
Lendas de Portugal
Lendas de PortugalLendas de Portugal
Lendas de Portugal
 
Lendas de-portugal
Lendas de-portugalLendas de-portugal
Lendas de-portugal
 
Lendas de-portugal
Lendas de-portugalLendas de-portugal
Lendas de-portugal
 
COUTO,-Mia-O-Fio-das-missangas.pdf
COUTO,-Mia-O-Fio-das-missangas.pdfCOUTO,-Mia-O-Fio-das-missangas.pdf
COUTO,-Mia-O-Fio-das-missangas.pdf
 
Dias venturosos francisco de assis
Dias venturosos francisco de assisDias venturosos francisco de assis
Dias venturosos francisco de assis
 
Lendas de-portugal-110326094657-phpapp02 (1)
Lendas de-portugal-110326094657-phpapp02 (1)Lendas de-portugal-110326094657-phpapp02 (1)
Lendas de-portugal-110326094657-phpapp02 (1)
 

Mais de sidneyjorge

9 a personalidade de jesus
9 a personalidade de jesus9 a personalidade de jesus
9 a personalidade de jesus
sidneyjorge
 
Viver em paz
Viver em pazViver em paz
Viver em paz
sidneyjorge
 
5 espiritismo e psicologia
5 espiritismo e psicologia5 espiritismo e psicologia
5 espiritismo e psicologia
sidneyjorge
 
Vitória sobre a depressão
Vitória sobre a depressãoVitória sobre a depressão
Vitória sobre a depressão
sidneyjorge
 
17 o messias
17 o messias17 o messias
17 o messias
sidneyjorge
 
16 milagres
16 milagres16 milagres
16 milagres
sidneyjorge
 
4 em busca de paz e equilíbrio
4 em busca de paz e equilíbrio4 em busca de paz e equilíbrio
4 em busca de paz e equilíbrio
sidneyjorge
 
Os quatro gigantes da alma
Os quatro gigantes da almaOs quatro gigantes da alma
Os quatro gigantes da alma
sidneyjorge
 

Mais de sidneyjorge (8)

9 a personalidade de jesus
9 a personalidade de jesus9 a personalidade de jesus
9 a personalidade de jesus
 
Viver em paz
Viver em pazViver em paz
Viver em paz
 
5 espiritismo e psicologia
5 espiritismo e psicologia5 espiritismo e psicologia
5 espiritismo e psicologia
 
Vitória sobre a depressão
Vitória sobre a depressãoVitória sobre a depressão
Vitória sobre a depressão
 
17 o messias
17 o messias17 o messias
17 o messias
 
16 milagres
16 milagres16 milagres
16 milagres
 
4 em busca de paz e equilíbrio
4 em busca de paz e equilíbrio4 em busca de paz e equilíbrio
4 em busca de paz e equilíbrio
 
Os quatro gigantes da alma
Os quatro gigantes da almaOs quatro gigantes da alma
Os quatro gigantes da alma
 

14 maria de magdala

  • 1. MARIA DE MAGDALA Ao tempo de Jesus, a Galiléia era uma região muito agradável em Israel.Era considerada a região amena, de clima suave, por causa do lago de Jenezaré, também chamado mar da Galiléia.O lago de Tiberíades.O lago é formado pelo rio Jordão que vem do norte.Ali derrama as suas águas numa numa pequena depressão em relação ao nível do mediterrâneo, duzentos e vinte metros abaixo do nível do mar e que continua a correr na direção do sul para ir formar o mar morto, a área considerada a maior depressão do planeta terrestre, quatrocentos metros abaixo do nível do mar mediterrâneo, e naturalmente esse mar piscoso e agradável era cercado de um casario formoso, cidades agradáveis e prósperas.Magdala,Dalmanuta,Cafarnaum.As pequeninas joias encravadas na região de montanhas e diante das águas transparentes e piscosas do mar.A região até hoje é caracterizada por um biótipo humano que ali habita e que se dedica a agricultura, à vida pastoril,vinhateiros,plantadores de trigo, mercadores de cabras. E as cidades que se erguiam à beira mar ofereciam um clima agradável a fenícios, a romanos, gregos, egípcios, a Sírios e Babilônios que periodicamente vinham viver suas férias agradáveis naquele lugar bucólico no qual periodicamente ventos fortes levantavam as águas e tempestades estrugiam inesperadamente. Jesus havia elegido aquela região porque eram gente simples, amantes da natureza, acostumadas a uma faina diária sem a presunção intelectual da Judéia ou a vacuidade dos que viviam na Peréia. O Galileu por isso mesmo era tido como biótipo de segunda categoria. Uma velha ironia da tradição bíblica, costumava interrogar: -o que pode vir de bom da Galiléia?porque a galiléia era inevitavelmente a região das pessoas modestas. Foi
  • 2. exatamente por isso que Jesus resolveu viver com os galileus e convidou-os em número de doze para formar o seu colégio apostólico.Da Judéia intelectual, nobre e austera ele retirou apenas um que se chamava Judas deQueriote, exatamente aquele que o traiu,Como a dizer que a áspide da inteligência, caracterizada pela astúcia e pelas exigências de quinquilharias tem poucas resistências morais para os enfrentamentos do cotidiano.Morava em Magdala a verdadeira pérola da região.Uma mulher peculiar. Ela passaria à história da humanidade exatamente por causa de sua vida tumultuada das duas faces da sua existência. Magdala era então uma cidade com estilo grego, mas também possuía um casario de natureza mesopotâmia.Pelas suas ruas, tilintavam as moedas variadas, sestér, seus denários e os mercadores cumprimentavam-se na mesa dos cambistas.Ali também tinha lugar os grandes espetáculos noturnos. A própria rainha Cleópatra, descendente dos ptolomeus, veio do Egito, para viver as alegrias noturnas e os dias agradáveis de Magdala.Magdala era o lugar também da ociosidade que atraia aventureiros e mulheres angustiadas e principalmente aquelas que já estavam no crepúsculo e m mansões preciosas recebiam uma clientela especial.Foi nesse contubérnio de sentimentos e de paradoxos que uma mulher se tornaria célebre.Chamava-se Miriam e ela passaria à posteridade com o nome de Miriam de midon, Maria de Magdala.Ela poderia recordar-se que quando criança ela fora levada um dia a Jerusalem. A sua família por hábito iam a festas, as festas agradáveis da páscoa. As festas que caracterizavam a saída do povo hebreu do Egito.E naturalmente, em uma daquelas oportunidades, moçoila entre 10 e 11 anos,passando pela praça formosa defronte do mercado, ela ouviu alguém dizer: - Um dia, um dia que não
  • 3. está muito longe, ele virá.E aparecerá como libertador do povo eleito.Naquele tempo os contadores de estória, usavam uma vara, para dar uma dimensão infinita às suas narrações.Como hoje, a retórica e a oratória exigem a harmonia de movimento de mãos para poder representar teatralmente o que as palavras não logram dizer.Erguendo a sua vara de contar estórias ele apontava o infinito e a menina se deteve diante dele. Com os olhos luminosos ela perguntou: - E como será?O venerando contador de estórias reflexionou por alguns minutos e disse- lhe: - Será belo como a madrugada, será bravio como o mar açoitado pelos ventos, será nobre como a labareda de fogo e srá ousado como uma espada nua.A sua voz será penetrante e doce como um favo de mel e o seu olhar balsâmico como a ternura do coração de mãe transmitindo vida ao filho doente.Ela nunca poderia dizerporque razão amou a esse homem estranho que um dia chegaria.Sequer ela tinha idéia a respeito do que aquele narrador falava.Mas hvia na sua voz uma melancolia cheia de esperança e uma saudade feita de dor tão pungente que ela sentiu o peito transpassado por um punhal de alegria e então amou aquele que vinha libertar o povo eleito.Mais tarde contava quinze anos, o seu corpo já houvera adquirido formas. A sua cabeleira, da cor de mel, caia- lhe à cintura, os seus olhos eram transparentes como dois pedaços de céu azul.Ela estava agora em Jerusalem e havia sido arrebatada pelo amor. O amor parecia haver montado um corcel fogoso e arrebatou-a. Ela deixou-se empolgar por uma voz cariciosa e quente ao seu ouvido e encantada, entregou-se aos braços do amor.Quando despertou, estava num bordel. Em verdade não era o amor que havia chegado ao seu coração. Fôra as patas violentas e galopantes de um animal, que lhe estraçalharam todas as ansiedades de menina mulher.E foi
  • 4. nesse estado de inquietação, enquanto se preparava para vender os primeiros perfumes que visitando uma das portas triunfais do templo ela ouviu alguém dizer: - Aleluia! Eis que ele chegou à terra para trazer venturas. Está chegado o grande e terrível dia do Senhor. E sem saber porque, qual a magia, sentiu-se atraída até aquela voz que cantava essa litania e perguntou: - Como é ele?Aquele que falava do futuro foi tomado de uma certa emoção e tentou dizer que ele era tão forte como um herói mitológico, mas era tão bom como o sorriso de criança.E agora com o coração despedaçado ela mais o amou. Amou com uma ternura infinita, com uma imensa sede de paz.Foi exatamente assim que ela poderia recordar mais tarde a sua infância, a sua adolescência e aquele período. Aquele período de auto destruição. Agora...Agora ela era a rainha da noite em Magdala. A sua casa famosa, recebia os melhores hóspedes que transitavam pela galiléia.Legionários vinham de Cesaréia de Filipe exatamente para fruir um pouco do seu amor ou das alegrias que ela propiciava. Sacerdotes chegavam de Jerusalem e mercadores atravessavam Bethabara, a casa da passagem do rio Jordão para se ufanarem de haver tido uma noite com a mulher preciosa de Magdala. Ela possuía tudo aquilo que o dinheiro pode comprar. A mansão vetusta cercada de alcaparrilhas em flor, servas,escravas da Núbia,moedas que lhe chegavam de diferentes regiões da terra, adereços,joias preciosas,ela possuía tudo, menos a paz. Parecia que o seu coração estava envolto no luto cruel e por mais que os homens lhe dessem alegrias, a embriaguez dos sentidos não preenchia o vazio do sentimento.Mas era célebre.Certo dia, uma escrava enquanto a penteava falou a respeito daquele estranho messias.Lhe disse: - senhora, por acaso já ouvistes falar daquele que consegue penetrar o coração como perfume
  • 5. de nardo? E balsamizar a alma como se fosse uma brisa mansa que se acaricia e que penetra no coração? Ela parecia estar anestesiada. As pessoas de Magdala diziam que ela era uma possessa.E ela provavelmente acreditava nisso.Diziam mesmo que sete demônios a dominavam.E nas noites de plenilúnio, quando ela mandava fechar as janelas com reposteiros pesados ela entrava em êxtase.A pele nacarada, os olhos abertos fora das órbitas, dominada por tremores e suores áugidos,ela não recebia ninguém. A casa mergulhava em silêncio, as escravas caminhavam descalças, e mesmo a voz do vento parecia silenciar para que ela penetrasse no abismo da amargura. Novamente a escrava lhe disse: - senhora,hoje ele estará em Magdala, ao entardecer a sua voz irá saudar o sol que se esconde e oferecer brandícias aos que estão desesperados. Ela mergulhada no solilóquio, estava longe da realidade objetiva. E novamente a escrava lhe disse: - senhora,chegou o amor não amado, ele é leve, senhora, como o sorriso, mas o seu olhar é tão profundo como um punhal que rasga a alma.Ela meneou a cabeça e não deu importância. Estava dominada pelas fúrias. N noite imediata estava totalmente possessa. A casa rescendia os odores de sândalo, de mirra e de preciosas ervas que ali eram queimadas para afastarem as forças negativas.