Coesaocoerencia arquivo sem_audio

1.108 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.108
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coesaocoerencia arquivo sem_audio

  1. 1. Comunicação e linguagens Carlos Straccia Coesão e coerência textuais Referência bibliográfica SIQUEIRA, João Hilton Sayeg de. O texto – movimentos de leitura, táticas de produção e critérios de avaliação. 1ª ed., São Paulo: Selinunte, 1990, p. 36-41. KOCH, Ingedore G.V. e TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A coerência textual. São Paulo: Contexto, 1990, p. 59-81.
  2. 2. Comunicação e linguagens Carlos Straccia O TEXTO E SUA COESÃO A coesão textual refere-se à microestrutura de um texto. Ela é realizada pelas relações semânticas e pelas relações gramaticais. A cada recurso coesivo presente no texto dá-se o nome de “laço” ou de “elo” coesivo. No primeiro parágrafo deste texto, pode ser observado o processo de coesão textual. Por exemplo: “A coesão textual”: o uso da palavra A (artigo definido feminino) é determinado para que haja concordância com a palavra coesão (substantivo feminino). Aqui a relação é gramatical. “Ela é realizada”: a escolha do pronome ela evita a repetição da expressão coesão textual. Aqui a relação é tanto gramatical (o pronome – no feminino – concorda com a expressão substituída) quanto semântica (ela = coesão textual – semelhança de significado). coesão e coerência textuais 1
  3. 3. Comunicação e linguagens Carlos Straccia No caso de textos que utilizam linguagem verbal e não verbal, o que é muito comum nos textos publicitários, deve-se notar como a coesão ocorre também na utilização, como elos coesivos, de - cores - formas geométricas - fontes - personagens - logomarcas - etc. Na página seguinte, veja alguns exemplos de coesão aplicados em um texto publicitário. coesão e coerência textuais 2
  4. 4. Comunicação e linguagens Carlos Straccia Nesta peça, a Rádio Jovem Pan pretende “vender” sua cobertura da Copa de Mundo de Futebol de 2002 (função conativa). Porém, em nenhum momento é utilizada a palavra futebol. Para isso, foram utilizados elementos coesivos que informam tratar-se de futebol e não outro esporte: A moldura construída por pequenas bolas de futebol que tentam representar um campo de futebol. Nos quatro cantos, enfatiza-se o formato semelhante ao local em que se cobra escanteio e, além disso, há uma bola de futebol em cada um deles. As sedes desse evento foram o Japão e a Coréia do Sul. Alguns elementos que revelam coesão com isso são: A cor vermelha parece ter sido escolhida porque essa cor tem forte relação com os países orientais. Peça veiculada no jornal Folha de S. Paulo 15 de março de 2002. Ilustrada, p. E 18. coesão e coerência textuais 3 Também com essa finalidade, as fontes imitam o formato dos ideogramas orientais.
  5. 5. Comunicação e linguagens Carlos Straccia Há textos em que será necessário utilizar maior quantidade de elos coesivos como garantia de sua melhor legibilidade: científicos, didáticos, expositivos etc. Nestes casos, isso ocorre porque, geralmente, há uma distância maior entre o emissor e o receptor. Já, quando emissor e receptor têm maior familiaridade, existe a possibilidade de o texto ser menos coesivo. Por exemplo: O pai e seu filhinho de 5 anos caminham por uma calçada. Repentinamente, o garoto vê uma sorveteria e fala: - Pai, eu já sarei do resfriado, né? - Você não vai tomar sorvete! – responde o pai. Neste exemplo, é possível perceber que a resposta do pai não corresponde, coesivamente, ao que o filho falou, mas nem por isso torna-se uma fala incoerente, pois é facilmente compreensível que o pai “sabia” o objetivo do filho quando buscava confirmação (do pai) de que ele (filho) já havia sarado e, posteriormente, “forçar” o pai a comprar-lhe o sorvete. Tratase de um diálogo em que há pouca coesão sem prejuízo do seu sentido. coesão e coerência textuais 4
  6. 6. Comunicação e linguagens Carlos Straccia O TEXTO E SUA COERÊNCIA Coerência: numa situação comunicativa, é o que dá sentido para o texto. Inteligibilidade – a possibilidade de um texto ser compreendido Interpretabilidade – a possibilidade de um texto ser interpretado Capacidade de o receptor calcular o sentido do texto Processo cooperativo entre produtor (emissor) e destinatário (receptor) coesão e coerência textuais 5
  7. 7. Comunicação e linguagens Carlos Straccia FATORES DE COERÊNCIA Relevância manutenção de uma mesma referência tematizada – elaborar um texto com encadeamento Consistência apresentar enunciados que não tenham oposições frontais A rigor, estes são os dois fatores que, se não forem observados atentamente pelo emissor, poderão “destruir” a coerência de seu texto. E, assim, deixar de ser um texto! RVSP, ano I, nº 9, junho de 2005, p. 42-43 (Parte integrante da Revista Caras, nº 602) – uso didático da peça. coesão e coerência textuais 6
  8. 8. Comunicação e linguagens Carlos Straccia Fonte: Folha de S. Paulo, 15 de março de 2003. FATORES DE COERÊNCIA Elementos lingüísticos (conhecimento das linguagens verbal e não-verbal) Conhecimento de mundo (conhecimentos são armazenados em blocos – modelos cognitivos*) A foto ao lado, apresenta uma manifestação (além do texto jornalístico que explicita a situação, é meu conhecimento de mundo que permite compreender isso). Mas há um fator de estranhamento: a palavra pau. Daí, o conhecimento lingüístico não é suficiente para compreendê-la, por isso o emissor (que de certo modo sabe disso), na legenda, explica o significado da palavra e desfaz o estranhamento inicial. coesão e coerência textuais Um grupo de crianças forma a palavra “pau”, que significa “paz” na língua catalã, no pátio de sua escola, em Barcelona (Espanha) 7
  9. 9. Comunicação e linguagens Carlos Straccia Nvoa coçâleo Melissa. Praa vcoê qeu flaa e etendne ququaler líguna. FATORES DE COERÊNCIA Conhecimento partilhado equilíbrio entre entropia – excesso de informação nova – e redundância – reiteração de informações dadas) Aceitabilidade (do destinatário – princípio da cooperação: esforço do destinatário em tentar buscar a coerência do texto) Informatividade maior ou menor previsibilidade – num texto literário, espera-se menor previsibilidade; já no jornalístico, ela deve ser maior. Porém, como o “jogo” com o leitor é uma constante na comunicação, essas características não são inflexíveis. coesão e coerência textuais http://www.wbrasil.com.br/wcampanhas/index.asp Acesso em 22 de agosto de 2005 – uso didático da peça 8
  10. 10. Comunicação e linguagens Carlos Straccia FATORES DE COERÊNCIA Focalização emissor: estabelece objetivos; o título de um texto. receptor: concentra-se na busca da compreensão http://www.fnazca.com.b r/. Acesso em 08/08/2005 – uso didático da peça. coesão e coerência textuais 9
  11. 11. Comunicação e linguagens Carlos Straccia FATORES DE COERÊNCIA Inferência Ir além do que o texto explicita Fonte: CD encartado na Revista da Criação 5 anos – junho de 2000 – uso didático da peça. coesão e coerência textuais 10
  12. 12. Comunicação e linguagens Carlos Straccia Inferência Ir além do que o texto explicita Na cena seguinte, esse personagem segura um copo com líquido escuro. Pode-se inferir que se trata de Coca-Cola. Temos uma situação típica de paquera. Para flertar com a moça um dos personagens, pede algo ao balconista. Já, o outro, mostra ostensivamente a garrafa de Guaraná Antarctica. Pode-se, ainda, inferir que este comercial pretende mostrar que o Guaraná Antarctica é melhor do que outro refrigerante (Coca-Cola?) coesão e coerência textuais 11
  13. 13. Comunicação e linguagens Carlos Straccia FATORES DE COERÊNCIA Fatores de contextualização contextualizadores propriamente ditos, por exemplo, fatores gráficos no jornal – fotos, página, caderno. Aspectos perspectivos, por exemplo, título, autor, início do texto No exemplo ao lado, há aspectos perspectivos, uma vez que o nome do autor – quando conhecido pelo receptor – pode indiciar que assuntos poderão estar presentes na obra. Além disso, a palavra Carandiru – quando também é conhecida – amplia a perspectiva de leitura, pois o leitor espera encontrar na obra, assuntos relacionados àquele presídio. Ou seja, previamente, a partir da capa do livro, o leitor já poderá criar expectativas quanto ao que poderá ler. Intencionalidade poder de argumentação – funções da linguagem coesão e coerência textuais 13
  14. 14. Comunicação e linguagens Carlos Straccia Fatores de contextualização contextualizadores propriamente ditos, por exemplo, fatores gráficos no jornal – fotos, página, caderno. Aspectos perspectivos, por exemplo, título, autor, início do texto FATORES DE COERÊNCIA Inferência Ir além do que o texto explicita Focalização emissor: estabelece objetivos; o título de um texto. receptor: concentra-se na busca da compreensão Folha de S. Paulo, sábado, 14 de setembro de 2002 coesão e coerência textuais 12
  15. 15. Comunicação e linguagens Carlos Straccia FATORES DE COERÊNCIA Intertextualidade recorrer ao conhecimento prévio de outros textos – conteúdo ou forma Fonte: http://www.meioemen sagem.com.br/projm mdir/home_portfolio.j sp. Acesso em 17 de setembro de 2005 – uso didático da peça. A elaboração desta peça utiliza características da pintura de Pablo Picasso. coesão e coerência textuais 14
  16. 16. Comunicação e linguagens Carlos Straccia Créditos Todos estes spots foram utilizados com finalidade didática e foram selecionados de CD encartado no livro: Peças de rádio utilizadas nesta aula: Semp Toshiba – sertanejo japonês Seguro Itaucar – fuscão preto Semp Toshiba – samba de breque japonês coesão e coerência textuais 15 SILVA, Júlia Lúcia de Oliveira Albano da. Rádio: oralidade mediatizada – o spot e os elementos da linguagem radiofônica. São Paulo: Annablume, 1999.

×