fttx (Fiber To The X)

1.907 visualizações

Publicada em

Trabalho de tecnologias atuais do curso técnico em administração de redes, Faculdade Joaquim Nabuco-Recife.

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

fttx (Fiber To The X)

  1. 1. • É um termo genérico para designar arquiteturas de redes de transmissão de alto desempenho, baseadas em fibra óptica. • Geralmente são redes passivas denominadas • Passive Optical Network - PON.
  2. 2. • Significa fibra para o X (Fiber to the x), onde X é o local onde será entregue a fibra como, por exemplo: • FTTA – Fiber to the Apartment • FTTB – Fiber to the Building • FTTH – Fiber to the Home
  3. 3. • A capacidade de transportar grandes quantidades de informação; • Arquitetura de rede recente com grande capacidade de expansão de serviços futuros; • Baixo custo da manutenção de uma rede 100% óptica. • Baixo custo de instalação de uma rede óptica passiva; • As dimensões extremamente reduzidas de um cabo de fibra; • Os níveis de atenuação muito baixa, o que permite a instalação de poucos repetidores; • A imunidade às interferências eletromagnéticas;
  4. 4. • Origem e características: • Desenvolvida na década de 80. • Topologia física ponto-multiponto: • Onde diversos usuários compartilham uma fibra até um nó remoto (RN), a partir do qual cada cliente dispõe do seu próprio enlace óptico. • O RN pode ser: • Ativo (Rede Óptica Ativa - AON), requerer suprimento de energia, • Passivo (Rede Óptica Passiva - PON).
  5. 5. • Infra-estrutura: • As PONs, possuem um Terminal de Linha Óptica (Optical Line Terminal - OLT), que é localizado na central do provedor de serviço (CO), e é conectado a várias Unidades de Rede Óptica (Optical Network Units - ONUs) através de um ou vários divisores ópticos, (splitters), que estão localizados dentro do RN.
  6. 6. • Infra-estrutura: • As PONs podem ser configuradas no modelo FTTx: • (FTTH, FTTB, FTTC, FTTCab). • E nesse contexto, a PON pode ser utilizada como a rede convergente de vídeo, voz e dados, serviço denominado como “triple-play”.
  7. 7. • Vantagens: • É um método financeiramente viável de compartilhamento da infra-estrutura de fibra, • São mais vantajosas do que as AONs (Rede Óptica Ativa) em termos de instalação, operação, manutenção da rede e possibilidade de upgrade, • A planta externa de uma rede implica em menor gasto de capital já que não há componentes elétricos no campo, tais como switches ou amplificadores, • Gastos operacionais também são reduzidos.
  8. 8. • Tipos de Tecnologias de redes PON: • TDM-PON • Com 3 principais tecnologias: Broadband PON (BPON) Ethernet PON (EPON) Gigabit PON (GPON) • WDM-PON • Que subdividem-se em: CWDM (Coarse-WDM) DWDM (Dense-WDM)
  9. 9. • FTTA - Fiber To The Apartment • FTTB - Fiber To The Building • FTTC - Fiber to the Curb • FTTCab - Fiber to the Cabinet • FTTD - Fiber To The Desk • FTTE FTTH - Fiber To The Home • FTTLA - Fiber to the Last Amplifier • FTTN • FTTP - Fiber-to-the premises
  10. 10. • É uma arquitetura de rede de transmissão óptica onde a rede chega ao edifício e se distribui, atendendo os apartamentos ou salas comerciais. • O sinal óptico transmitido pela prestadora de serviços passa por um splitter óptico localizado na sala de equipamentos do edifício de atendimento sendo dividido e transmitido individualmente para cada apartamento/escritório.
  11. 11. • É uma arquitetura de rede de transmissão óptica onde a rede é finalizada na entrada de um edifício comercial ou residencial.
  12. 12. • O sinal óptico é levado a uma sala de equipamentos localizado no edifício de atendimento onde é realizada a conversão do sinal óptico para o elétrico. A partir deste ponto, o sinal é interligado à própria rede metálica de telefonia existente através de um equipamento adequado ou à uma rede própria de cabeamento estruturado.
  13. 13. • Esta arquitetura é constituída por unidades remotas que atenderão poucos assinantes a uma distância de algumas dezenas de metros. trata-se de levar a fibra até aos "armários" situados a um máximo de 300 m dos edifícios, a partir dos quais se utilizará o par metálico para transportar o sinal de dados.
  14. 14. • Arquitetura utilizada onde a demanda por banda de transmissão em aplicações de videoconferência e mesmo de Internet exige uma capacidade adicional das redes locais. Trata-se de uma arquitetura usada principalmente nas redes corporativas e que permite o uso da banda larga para a transmissão de dados, voz e imagem.
  15. 15. • Envolve o uso de fibra óptica por todo o percurso onde chega individualmente até a residência do assinante.
  16. 16. • É completamente livre de cobre na rede externa e tipicamente provê serviços com banda de velocidades de 10Mbps a 1Gbps. • É uma arquitetura que propicia acessos em banda larga para uma série de serviços, tais como Internet, telefonia e televisão, através de uma rede totalmente óptica.
  17. 17. • Central de Equipamentos/Headend: local onde ficam instalados os equipamentos ópticos de transmissão (OLTs) e o Distribuidor Geral Óptico (DGO) responsável pela interface entre os equipamentos de transmissão e os cabos ópticos troncais de transmissão. • Rede Óptica Troncal/Feeder: composto basicamente por cabos ópticos que levam o sinal da central aos pontos de distribuição. Estes cabos ópticos podem ser de aplicação em dutos subterrâneos ou de instalação aérea espinados em cordoalha ou auto-sustentados. Para aplicação PON as fibras são do tipo mono-modo.
  18. 18. • Pontos de Distribuição de Fibras: Nesta configuração, os pontos de distribuição fazem a divisão do sinal óptico em áreas mais distantes da central, reduzindo o número de fibras ópticas para atendimento a estes acessos. Neste local são instalados pequenos armários ópticos de distribuição associados a splitters ópticos. Neste ponto de distribuição são realizados a divisão, distribuição e gerenciamento do sinal óptico associados a este área. Alternativamente, estes armários podem ser substituídos por caixas de emenda associados a splitters ópticos para uso específico em caixas de emenda.
  19. 19. • Rede Óptica Distribuição: formada por cabos ópticos, levam o sinal dos pontos de distribuição às áreas específicas de atendimento. Estes cabos geralmente são do tipo auto-sustentado com núcleo seco para facilidade de instalação. Associados a estes cabos, são utilizados caixas de emenda para derivação das fibras para uma melhor distribuição do sinal. Caixas de emenda, são devidamente alocadas para a distribuição do sinal realizando a transição da rede óptica troncal à rede terminal denominado de rede drop.
  20. 20. • Rede Óptica Drop: composto por cabos ópticos auto- sustentados de baixa formação de número de fibra. A partir da caixa de emenda terminal, levam o sinal óptico até o assinante propriamente dito. O elemento de sustentação geralmente é utilizado para realizar a ancoragem do cabo à casa/prédio do assinante. Podem terminar empequenos DIOs (Distribuidor Interno Óptico - para transição do cabo para cordão óptico no interior da casa/prédio. • Rede Interna: a partir distribuidor interno óptico (DIO), são utilizadas extensões ópticas ou cordões ópticos para realizar a transição do sinal óptico da fibra ao receptor interno do assinante.
  21. 21. • Arquitetura usada nas redes de distribuição das operadoras de serviços de telecomunicações (TV a cabo - CATV, por exemplo).
  22. 22. • A fibra óptica que sai da central é conectada diretamente a um armário de rua, situado a mais de 300 metros do assinante, e depois o sinal é transformado de óptico para elétrico para ser feita distribuição em cabeamento metálico até o ponto de atendimento.
  23. 23. • Este termo é utilizado em diversos contextos: como um termo geral para o FTTH e FTTB, onde a rede de fibra inclui residências e pequenas empresas.
  24. 24. • O Termo FTTx engloba diversas arquiteturas de redes que seriam Soluções completas em redes de fibra ópticas para multiserviços oferecidos pelas Operadoras e Provedores de Internet com as vantagens de grande transporte de informações, banda larga de altíssima velocidade, baixo custo na instalação, manutenção e expansões futuras.

×