Jornal 24

910 visualizações

Publicada em

ótimo

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
910
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal 24

  1. 1. NEST EDIÇÃO INFORMATIVO TÉCNICO: ABESC - IBRACON - IBTS Ano 8 - Nº 24 - Maio - 2006 O perigo das reações álcali-agregado A Este tema voltou à tona por conta de recentes ocor- rências desse tipo de reação em blocos de funda- ções de diversos edifícios na região do Recife (PE). Para discutir o assunto de forma aprofundada, o Ibracon está organizando o RAA 2006 – II Simpó- sio sobre Reação Álcali-Agregado em Estruturas de Concreto, que ocorrerá em setembro, durante a 48ª edição do Congresso Brasileiro do Concreto, no Rio de Janeiro. Tecnologia na concretagem dos Pág.7 túneis da Linha 2 do Metrô Proximidade dos trilhos da linha já existente e de lençol freático exigem precauções nos tra- balhos de concretagens dos túneis da estação A adoção de modernos sistemas construtivos, como lajes em steel deck, com armação em telas 4 Vila Mariana. O concreto também demandou soldadas, paredes em dry wall, e pilares de concreto armado moldado in loco com perfis metá- cuidados especiais com a definição do traço, a licos incorporados, caracterizam o empreendimento, que deve modificar a paisagem da capital cura e garantia de aderência. Empresa utilizou baiana, além de implicar em diversas mudanças nas vias de tráfego da região. pela primeira vez no Brasil a tecnologia de geo­ membrana de PVC na impermeabilização do Pág.8 poço de ventilação e dos túneis da plataforma da Estação Chácara Klabin. Ibracon certificará mão-de-obra Shopping Salvador segue tendência 6 Entidade com mais de 30 anos de tradição em pesquisa e desenvolvimento de tecnologia do concreto, o Ibracon está se preparando para de construção industrializada atuar como Organismo Certificador de Pessoal. O projeto visa melhorar a qualificação da mão- de-obra atuante na cadeia produtiva da cons- trução civil. Concreto auto adensável em terminal aquaviário Vencendo obstáculos em Novo terminal da Petrobras deve aumentar projeto de piso industrial a capacidade de bombeamento marítimo para câmaras frias dos navios petroleiros, minimizando as filas de espera das embarcações. O projeto com- Empresa tem que inovar em materiais e técni- preende a construção no mar de uma tubo- 11 cas para projetar o piso industrial para as câ- via com estrutura de concreto. Segundo os maras fria e de congelados de uma indústria construtores, o concreto auto adensável foi de sucos, no interior de São Paulo. Para evitar a melhor opção por tratar-se de uma obra fissuras em virtude das variações de tempera- tura e dar conta da sobrecarga a que estará ex- subaquática. posto, o piso foi projetado com armadura dupla Pág. 10 de telas soldadas.
  2. 2. Cidades Concreto estampado é testado como padrão para calçadas em SP Projeto piloto inova ao utilizar concreto ecológico serviços da concessionária sem precisar quebrar o piso”, acrescenta Victoretti.As condições precárias de conservação das calçadas são um problema para a maioria A escolha das cores ficou a cargo do coordenadordas grandes cidades brasileiras. Por conta disso, pedestres são impedidos de circular do projeto Passeio Livre, arq. José Carlos Melhem,livremente e com segurança, bem como os portadores de necessidades especiais en- que elaborou a faixa de serviço na cor cinza escurocontram obstáculos muitas vezes intransponíveis. Ciente desta realidade a Prefeitura da e o restante na cor terra. O concreto utilizado nacidade de São Paulo elaborou o programa Passeio Livre, que tem como objetivo cons- praça totalizou aproximadamente 22 m³, com umacientizar e sensibilizar a população sobre a importância de executar, recuperar e manter espessura média de 6 cm.as calçadas do município em bom estado de conservação. Preocupação com o meio ambiente O uso do concreto estampado em espaços exter- nos de uso coletivo proporciona uma harmonia maior entre os elementos naturais e o conjunto arquitetôni- co do local. “Além de apresentar uma ótima relação custo/benefício, ele pode ser elaborado em diversas cores e desenhos”, explica o engenheiro e vice-pre- sidente da ONG Via Viva, Paulo Bina. Uma das inovações desse projeto piloto é que foi adotado o uso de borracha no concreto. ParteA da brita empregada foi substituída por borracha de pneus inservíveis na forma triturada, no volume aproximado de 20% do total de brita. Seu objetivo, partir deste programa, foi criado em maio de deficientes físicos, visuais e usuários de cadeira além de melhorar a trabalhabilidade, é reduzir as 2005 o Decreto nº. 45.904, que estabelece um de roda. Afinal, o decreto em questão, determinou fissuras de retração do concreto. novo padrão arquitetônico para as calçadas, o embargo na utilização de piso do tipo irregular Na área da engenharia civil, a utilização de bor- dividindo sua área em faixas, diferenciadas como pedras e mosaico português, por deixarem racha de pneu na elaboração do concreto represen- por textura ou cor, e prevendo a construção de a superfície da calçada muito irregular e criarem ta uma solução moderna e ambientalmente correta.rampas de rebaixamento, para melhorar a acessibilida- verdadeiras “crateras” com a remoção das pedras, ■de de pessoas com mobilidade reduzida. Para atender representando um perigo para os pedestres.a essas necessidades, apenas quatro tipos de piso fo- Outro fator fundamental para a opção pelo con- Conheça o concreto ecológicoram escolhidos como padrões para a execução de cal- creto estampado para pisos de calçadas é a rapidezçadas em São Paulo: pavimentos intertravados, placas da execução do projeto. No caso do projeto piloto CONCRETO DI – Criado pelo Instituto Via Viva, o ® concreto DI (Deformável e Isolante) leva em compo- ®pré-moldadas de concreto, ladrilho hidráulico e piso de foram executados, em média, 120m² por dia. Além sição borracha triturada proveniente de pneus queconcreto estampado. A viabilização do primeiro projeto disso, o concreto estampado é antiderrapante e a não têm mais utilidade, também conhecidos comopiloto de calçada, seguindo as diretrizes da lei, na Praça textura favorece o uso para os cadeirantes. inservíveis. Inicialmente, esse tipo de concreto foiEsther Mesquita, localizada no bairro Higienópolis, utili- Uma das novidades do projeto foi a execução da utilizado na construção de barreiras rodoviárias,zou na pavimentação o piso de concreto estampado. faixa de serviço na calçada. Nesta faixa, com 0,80 mecanismo que serve de anteparo para veículos. A execução da nova calçada começou no fim de m de largura, ficam concentrados todos os serviços Atualmente, existem alguns trechos de barreirasfevereiro, com a quebra do piso já existente, e o tér- das concessionárias, como água, esgoto e gás. Em rodoviárias em concreto DI implantados na rodovia ®mino da obra se deu no dia 24 de março. O projeto caso de qualquer problema ou necessidade de mo- Raposo Tavares e na marginal do rio Tietê.é resultado de uma parceria entre a ONG Instituto dificação, não será preciso quebrar o piso para o  Segundo o engenheiro e vice-presidente do Insti-Via Viva e a empresa Crete Construção e Comércio, reparo, já que a faixa de serviço tem ligação com a tuto Via Viva, Paulo Bina, os agregados de borracha - usados no concreto DI - podem ter sua aplicação ®contratada pela Sub-Prefeitura da Sé. frente do lote, facilitando qualquer intervenção que tanto na construção de barreiras rodoviárias, pisos, A escolha do concreto estampado para esse pro- possa vir a ser feita. “Também elaboramos um sis- dormentes, calçadas, pavimentação de ruas e estra-jeto piloto se deu por sua versatilidade, atendendo tema de placas chaves com alças embutidas. Essas das como também no paisagismo. “Mas essa é umaa uma das maiores exigências do decreto, que era alças permitem que as placas sejam retiradas para tendência ainda pouco explorada pelos arquitetos ea preocupação com os pedestres, principalmente que possamos fazer uma possível manutenção nos paisagistas”, explica. 2
  3. 3. ExperiênciaConstrutora valoriza ouso das Telas SoldadasContando com aproximadamente 500 mil m² construí- problemas, facilitando assim a conferência e qua- lidade da execução”, comenta. Para a Construtora Tarjab, que concentra seusdos durante seus 22 anos de existência, a Construtora empreendimentos na cidade de São Paulo, onde os espaços são sempre restritos, as telas soldadasTarjab sempre se caracterizou por adotar as mais mo- também são muito importantes por chegarem ao canteiro de obras na datas estipuladas, no tama- nho correto para utilização nas lajes, não havendodernas tecnologias construtivas nos empreendimentos a necessidade de amplos espaços para armazena- gem de material.residenciais que executa na cidade de São Paulo. O eng. Carlos Borges, diretor técnico, salientaP ainda como diferenciais na atuação da Construto- ra Tarjab, a preocupação em estabelecer parcerias de longo prazo com empresas de primeira linha no rova dessa preocupação em encontrar as redução de tempo de execução das lajes. Outro segmento da construção, como acontece há vários melhores soluções é que há sete anos a fator que tem viabilizado o uso das telas é o custo anos no caso das telas soldadas. “Neste contex- Construtora adota as telas soldadas nas global deste serviço que, na somatória de mate- to, as empresas buscam conjuntamente a melhor armações das lajes de pavimentos tipo na riais e mão-de-obra, vem se mostrando mais eco- solução técnica para cada empreendimento e se maioria dos prédios que constrói. nômico. Por isso, cada vez mais estamos optando empenham em viabilizar financeiramente o negó- De acordo com a engenheira de projetos Eunice pelas telas na execução das lajes em nossos em- cio, o que tem ocorrido com sucesso nos últimosMorisue, a empresa acompanha de perto as inova- preendimentos residenciais”, explica o gerente de anos”, esclarece.ções em termos de processos e materiais na área produção, eng. Paulo Flaquer. No momento, a Construtora Tarjab executa cin-de construção civil e, no caso das telas soldadas, Na avaliação do eng. Flaquer, a questão da qua- co obras em fase de estrutura, das quais quatroesses estudos começaram a ser realizados há cer- lidade é um critério significativo a favor das telas utilizam telas soldadas nas lajes dos pavimentosca de sete anos e, desde então, os resultados vêm soldadas. “Além do respeito fiel ao espaçamento tipo. São elas:se revelando promissores. exigido pelos projetos, a amarração, que muitas • Edifício Alicante, com obras iniciadas em outu- “As telas soldadas nos dão ótimo retorno em ter- vezes no aço convencional merece um cuidado bro de 2003 e previsão de entrega em dezembromos de qualidade e uniformidade das armaduras e especial, nas telas soldadas obviamente não gera de 2006. É composto por uma torre com 16 pavi- mentos tipo e 64 apartamentos; • Edifício Ibiza, com obras iniciadas em janeiro de 2005 e previsão de entrega em março de 2007. É composto por uma torre com 13 pavimentos tipo e 52 apartamentos; • Edifício Sarah, com obras iniciadas em novem- bro de 2004 e previsão de entrega em novembro de 2007. É composto por uma torre com 21 pavimentos tipo e 84 apartamentos; • Edifício Toledo, com obras iniciadas em novem- bro de 2004 e previsão de entrega em dezembro de 2006. É composto por uma torre com 14 pavi- mentos tipo e 56 apartamentos. Juntos, esses empreendimentos utilizarão cer- ca de 170 t de telas soldadas. Os projetos de ar- quitetura desses prédios foram executados pelo escritório Rúbio Monteiro. Já os cálculos das estruturas ficaram a cargo da Sayeg Engenharia (Edifício Toledo) e SVS Projetos Estruturais (de- mais edifícios). ■ 3
  4. 4. Expansão Construtoras optam Telas Soldadas conqui T Construtora privilegia pelo concreto endo seu uso já popularizado pelo segmento de construção nos grandes centros, as telas soldadas ganham cada vez mais espaço nas armações de lajes de concreto, como vem acontecendo na re- auto adensável gião sul do país. Um exemplo dessa mudança de paradigma é a Construtora Bella Torre, de Bento Gonçalves (RS), que, desde sua fundação, em 2002, adota as telas soldadas em suas obras. “Passamos a utilizar as telas quando verificamos que o tempo e mão-de-obra dispendidos na amarração do aço solto oneravam os custos. Então, resolvemos fazer um teste com a tela solda- Proporcionar a oti­­mi­zação da necessidade da e tivemos ótima aceitação, tanto por parte de nossa mão-de-obra, quanto de mão-de-obra durante o lan­çamento, au- da diretoria da empresa”, explica o eng. Pedro Demari Neto, sócio-gerente mentar a rapidez das concretagens, ser ideal da empresa. para a confecção de peças pré-moldadas e Atualmente, a construtora está respondendo pela construção do Edifício com altas taxas de armação, propiciar au- Paradiso, que ocupa área construída de 5.065 m , num terreno de 1.109 m . 2 2 mento da produtividade e maior reutilização O empreendimento, de oito andares e 47 apartamentos, destina ainda dois de fôrmas, além de facilitar o controle das subsolos para garagem. O cálculo das estruturas ficou a cargo do eng. Anto- propriedades de fluidez e estabilidade da nio Augusto Pasquali. mistura. Essas são características que tor- De acordo com o eng. Pedro, a tecnologia construtiva compreende vigas, nam o concreto auto adensável uma exce- pilares e lajes de concreto armado. Os pilares têm seção média de 20 cm por lente opção para o segmento construtivo. Mas apesar desses benefícios, a utilização Linha 2 do Metrô de do concreto auto adensável ainda é bastante tímida entre os construtores brasileiros. As justificativas, normalmente baseadas em falta de informação, tomam como base a idéia de que esse é um tipo de concreto difícil de encontrar e de se trabalhar. Um exemplo é o trabalho que vem sendo realizado com sucesso pela Cons- trutora Unenco, que já há alguns anos utiliza o concreto em suas obras e vem obtendo excelentes resultados. Segundo o coordenador de obras da Unenco, eng. Rogério Almeida Costa, o concreto auto adensável proporciona melhor controle geométrico das peças, ausência de nichos (bicheiras) nas peças fun- didas, e também diminui o custo com a energia dos equipamentos, utilizada na vibração para adensamento do concreto, assim como a conseqüente redução de ruído. “Certamente os itens de resistência, durabilidade e toda a evolução das atuais tecnologias se evidenciam com o uso do concreto auto adensável, em suas características de fluidez e performance. Isso também confirma a adequação aos itens da atual norma brasileira, a NBR 6118”, acrescenta Costa. Prova do empenho da Unenco no uso do concreto auto adensável é o projeto do Edifício Residencial Solar da Liberdade, localizado no bairro Funcionários, em Belo Horizonte (MG). A obra teve início em junho de 2005 e o término está previsto para fevereiro de 2007. Trata-se de um empreendimento de alto padrão, com 16 apartamentos dis- tribuídos em 8 pavimentos, mais cobertura, com três níveis de garagem, com- preendendo área construída de 4.800 m , em um terreno de 680 m . O cálculo 2 2 das estruturas foi realizado pelo eng. Paulo Rafael Cadaval Benê. Execução dos túneis e cuidados O Muitas das soluções em técnicas construtivas adotadas nessa obra surgiram da participação ativa da Construtora Unenco na Comunidade da Construção, com o concreto foram os destaques movimento nacional criado por entidades do setor, construtoras e representan- tes do segmento acadêmico (entre os quais a ABESC, IBTS e IBRACON) para reconhecimento à eficiência e à alta qualidade na execução do projeto resultar em maior qualidade e produtividade das construções no país. de expansão da rede metroviária da cidade de São Paulo, a chamada A edificação foi projetada para que as três primeiras lajes (piso de garagem) Linha 2 do Metrô, rendeu à Construtora Andrade Gutierrez as certifica- fossem maciças, e as outras nove treliçadas, todas com espessura de 20 cm. O ções ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001 para obras metroviárias. concreto auto adensável utilizado nas lajes apresenta especificação de fck 25 A obra correspondente ao lote 1 da expansão da Linha 2 - Verde MPa e em toda obra foram utilizados 970 m de concreto dosado em central. 3 do Metrô, teve inicio no primeiro semestre de 2004 e foi concluída ■ em março de 2006. O projeto do lote 1 foi desenvolvido pela empresa Figuei- redo Ferraz, sendo que o consórcio formado por Setepla, Planservi e Estra respondeu pelo projeto da estação Chácara Klabin.4
  5. 5. stam construtores no Sul do Paíso uso das telas para armação de lajes 50 cm, as vigas seções de 20 cm por 50 cm (nas paredes externas e divisão de apartamentos) e de 12 cm por 50 cm (nas internas). O fechamento das paredes é feito com tijolos cerâmicos. O concreto utilizado em toda a estrutura apresenta especificação de fck 20 MPa, bombeado, com slump entre 10 e 12 cm. O volume de concreto por pavimento atinge cerca de 100 m . 3 As lajes apresentam espessura média de 10 cm, com armadura positiva e negativa em telas soldadas. Em alguns casos onde os vãos livres são maiores (8 m x 6 m) a espessura atinge 15 cm. “A opção pelas telas soldadas para ar- mação das lajes se deu em virtude da diminuição do desperdiçio de aço e, principalmente, pela facilidade e rapidez na montagem. Pelos resultados oferecidos, não dá nem pra comparar com a amarração com vergalhões”, explica o eng. Pedro. Nas lajes do Edifício Paradiso estão sendo utilizadas cerca de 10 t de telas soldadas, dos tipos Q159, Q196, Q246, e Q283. Na avaliação do engenheiro Pedro Demari Neto, o fato de a Construtora Bella Torre buscar sempre incorporar sistemas construtivos mais avançados, como as telas soldadas, cria um diferencial que valoriza os empreendimentos que executa. Ele também acredita que um dos principais entraves para a utilização em larga escala das telas soldadas no sul do país está na dificuldade de se encontrar engenheiros calculistas que realizem o detalhamento do projeto diretamente para as telas. “Normalmente, o projeto original prevê a armação com vergalhão, e temos que contar com o apoio dos fornecedores de telas soldadas para que seja feita uma conversão do projeto”. As obras do Edifício Paradiso tiveram início em março de 2005 e a previsão dos construtores é de que estejam con- cluídas em abril de 2007. ■SP conta com novas tecnologias construtivas escavação foi monitorado 24 horas, inclusive os trilhos da ço, e consequentemente obter um bom substrato de aderên- plataforma da estação Vila Mariana, que se encontrava cia para a camada seguinte”, justifica Winck. em operação. “Tivemos que escavar sob a estação Vila Outro destaque do projeto, que ganhou reconhecimen- Mariana com a máxima precaução, pois o limite de recal- to, foi o trabalho detalhado para a elaboração dos traços que para a estrutura existente era muito pequeno, princi- de concreto. Devido a alguns aspectos da obra, como o palmente para a via permanente, onde se encontram os método executivo, o prazo de desforma e as condições trilhos” acrescenta. de algumas concretagens, foram desenvolvidos traços de Os cuidados não eram tomados apenas durante os tra- concreto específicos para cada situação e tipo de peça a balhos. Para a paralisação da obra aos finais de semana, ser concretada, sempre priorizando a durabilidade e não uma série de medidas preventivas deveria ser efetivada, somente a resistência do concreto. Para isso, Winck lem- como por exemplo, o fechamento da frente de escavação bra que o treinamento dos funcionários, planejamento de com tela soldada e concreto projetado, formando um tipo cada atividade, estudo profundo dos materiais e o desen- de “tampão” capaz de suportar a pressão hidrostática do volvimento de parcerias de apoio técnico laboratorial, fo- lençol freático até que as escavações fossem retomadas. ram fundamentais para o sucesso da obra. O Coordenador de Garantia da Qualidade da obra, Outro dado importante foi a utilização de Geomembra- Tony Winck, também da Construtora Andrade Gutierrez, na de PVC na impermeabilização do poço de ventilação e conta que o revestimento dos túneis era composto por dos túneis da plataforma da Estação Chácara Klabin. “Foi As escavações partiram do Poço de Emboque Carlos Pe- duas camadas de concreto com especificação de fck 30 um trabalho pioneiro no Brasil e por isso demandou mui- tit e se estenderam até aproximadamente duzentos metros MPa e, por isso, cuidados com a cura e a garantia de tas horas de treinamento da equipe e a vinda de técnicos após a Estação Chácara Klabin, perfazendo assim um per- aderência entre a primeira e a segunda etapa de concre- europeus para nos auxiliar na montagem. É uma tecnologia curso de quase 1.300 m. tagem eram fundamentais. muito difundida na Europa que agora passou a ser utilizada Os dois túneis singelos foram escavados pelo sistema Como a utilização de produtos químicos para a cura pelo Metrô de São Paulo” ressalta o engenheiro Orsi. NATM (New Austrian Tunnelling Method), mais conhecido da primeira camada de concreto poderia gerar uma pe- As plataformas são compostas por 4 túneis de 40 m como sistema mineiro, o qual se caracteriza pela escava- lícula antiaderente para a segunda camada, foi adotado cada, com seção de 100 m². Um detalhe interessante é que ção manual auxiliada por escavadeiras. Até aí, nenhuma o processo de cura úmida por aspersão, controlando a a estação Chácara Klabin foi concebida como uma estação novidade, não fosse o fato dos novos túneis terem passado umidade relativa, temperatura e velocidade do ar dentro de interligação entre a Linha 2 e a futura Linha 5 do Metrô. poucos metros abaixo da Linha 1 - Azul existente e sob edi- dos túneis. A cura química somente foi utilizada na se- Por conta disso, as paredes-diafragma foram escavadas e fícios de grande porte. gunda camada (camada final). concretadas com profundidade de 45 m, e volumes de con- Segundo o engenheiro responsável pelo túnel, Fernando “Com isso conseguimos minimizar muito a retração do creto que chegaram a 700 m³ por lamela. Orsi, da Construtora Andrade Gutierrez, todo o trabalho de concreto projetado provocada pelas características do tra- ■ 5
  6. 6. Congresso Tudo pronto para o 48º Congresso Brasileiro de Concreto Tendo como principal tema Concreto: do laboratório de pes- Workshops e painéis temáticos também acontecerão, além de seisquisa aos canteiros de obras”, o 48º Congresso Brasileiro do Con- cursos técnicos de grande interesse”, ressalta Amaro. creto será realizado na cidade do Rio de Janeiro, no Pavilhão 5 do O CBC 2006 contará ainda com uma série de eventos paralelos deRiocentro, no período de 22 a 27 de setembro de 2006. grande importância tanto em termos nacionais como mundiais: Esta é a terceira vez que a capital fluminense sedia o maior • 2ª FEIBRACON - Feira de Produtos e Serviços ligados ao uso evento do setor de concreto do país. Neste ano, o Ibracon, promo- do Concreto, a qual apresentará mais de 60 estandes;tor do Congresso, espera atingir a marca de 1.200 inscritos, o que • Simpósio sobre Álcali-Agregado em Estruturas de Concreto - II representaria um novo recorde no número de participantes. RAA, que acontecerá nos dias 24 e 25; Os subtemas desenvolvidos especialmente para este encon- • Simpósio Ibero-Americano sobre Concreto Estrutural - SIABE-06, tro são “Gestão e Normalização”, “Materiais e Propriedades”, a ser realizado nos dias 25 e 26 (idiomas: Português e Espanhol)“Projeto de Estruturas”, “Métodos Construtivos”, “Análise Estru- • Ibero American Symposium on Concrete for Structures - INCOS-06, tural”, “Materiais e Produtos Específicos”, e “Sistemas Constru- nos dias 26 e 27 (idioma: Inglês - haverá tradução simultânea).tivos Específicos”. Entre os convidados estrangeiros que já confirmaram presença Os trabalhos técnicos já estão sendo recebidos na sede do estão Leonardo Garzon (Sênior Project Director - Thorton Tomaset-Ibracon, e os que forem selecionados serão apresentados em até ti Group - Newark - USA); William Baker (Sênior Project Directortrês sessões plenárias simultâneas diárias e, os demais, em ses- - SOM - Skidmore, Owings Merrill - Chicago - USA); Carlos Vi-sões pôsteres. dela C. (Prof. Titular da Pontifícia Universidad Católica de Chile); Segundo o coordenador regional do Ibracon, arq. Paulo Amaro, Juan Pablo Covarrubias T. (Gerente Geral do Instituto del Cementoos tradicionais concursos estudantis acontecerão com força total y del Hormigón de Chile); Enrique Pasquel Carbajal (Prof. Titulare muita empolgação. “Neste ano teremos o 2º Concurso Ousadia, o 3º Concrebol e o da Universidad de Lima - Peru) e Thomas Verti (Presidente do ACI - American Concreteconcorrido Concurso do Aparato de Proteção ao Ovo - APO, que já chega a sua 13ª versão. Institute - USA). ■ IBRACON PRETENDE ATUAR COMO CERTIFICADOR DE MÃO-DE-OBRA O crescimento verificado nos últimos tempos no segmento da construção civil A fim de atuar como Organismo de Certificação de Pessoal, o Ibracon estátem muito a ver com os avanços tecnológicos, tanto em termos de materiais implementando uma estrutura autônoma, abrigando um Núcleo de Certificação,quanto de processos construtivos. Entretanto, a especialização da mão-de-obra assim como um Conselho de Certificação. Estes órgãos trabalharão de acordonão vem acompanhando esta evolução. com regimento próprio. Após a formalização de convênios com entidades de trei- Preocupado com este fator, o Ibracon, como entidade voltada há mais de trinta namento de mão-de-obra e entidades que apliquem e promovam os exames deanos à pesquisa e ao desenvolvimento da tecnologia do concreto, estabeleceu qualificação, o objetivo principal é submeter e acreditar o Núcleo de Certificaçãocomo uma de suas principais diretrizes uma estrutura que lhe permita atuar de Pessoal junto ao Inmetro .como Organismo de Certificação de Pessoal, fazendo uso da experiência dos Contando atualmente com uma secretaria executiva exclusiva para esta ativi-profissionais e colaboradores da entidade no sentido de definir diretrizes neces- dade, assim como uma consultoria especialmente contratada para assessorar osárias a uma melhor qualificação da mão-de-obra. Núcleo de Certificação, todas as premissas e os procedimentos deste órgão tem- Com isso, o Instituto pretende desenvolver um programa para qualificação e se pautado nas normas nacionais e internacionais vigentes, devendo tornar-secertificação de mão-de-obra atuante na cadeia produtiva do concreto. Em uma brevemente um centro de referência nacional para formação e aprimoramento daprimeira etapa, este programa estará voltado aos profissionais responsáveis mão-de-obra voltada ao concreto.pela execução das atividades de controle de qualidade relativas ao concreto “Pretendemos formar cidadãos aptos a enfrentar o mercado de trabalho, quee seus componentes. “Afinal, a atividade de um técnico muito bem preparado está em plena evolução. Para isso, vamos oferecer um programa com aulas prá-resulta numa maior confiabilidade nos controles de qualidade, bem como num ticas e teóricas e, mesmo após a formação, os profissionais continuarão sendoaprimoramento contínuo dos mesmos, visto que a certificação é um produto avaliados. Só assim conseguirão se manter atualizados sobre os avanços tecno-dinâmico, com periódicas avaliações”, explica o coordenador do projeto, eng. lógicos, tendo a oportunidade de se destacarem neste competitivo mercado”,Júlio Timerman. justifica o eng. Timerman.IBRACON DE CASA NOVA da construção civil e do concreto armado. Além disso, a nova sede conta com várias salas de aula e reunião. Aliás, uma das salas já está destinada ao curso O Ibracon já está atendendo em sua nova sede, na Rua Julieta do Espírito de certificação de mão-de-obra, uma vez que o Ibracon pretende ser um ÓrgãoSanto Pinheiro, 68, bairro Jardim Olímpia, em São Paulo. O telefone é (11) 3735- Certificador.0202 e fax (11) 3733-2190. A mudança se deu em virtude do maior espaço físico “O mercado está em constante mudança, e para que possamos atender essaoferecido pelo novo imóvel, proporcionando um atendimento mais qualificado a exigência, procuramos um local com infra-estrutura, que possa suprir não só aseus associados e a todos os que se interessam pela área de concreto. falta de espaço, antes existente, mas que possibilite o desenvolvimento de no- Um dos destaques do novo espaço será uma biblioteca organizada com di- vos projetos profissionalizantes e educacionais da área da construção civil”, jus-versos livros e publicações relacionados a pesquisas tecnológicas nas áreas tifica a secretária administrativa da entidade, Arlene Regnier de Lima Ferreira. 6
  7. 7. Evento II Simpósio sobre Álcali–Agregado em estruturas de concreto Exatamente 9 anos depois, o IBRACON emconjunto com o CBDB - Comitê Brasileiro deBarragens, com o apoio de Furnas, realizará nos Reação-álcali agregado só ocorredias 24 e 25 de setembro o RAA 2006 - II Simpó- quando o concreto for composto:sio sobre Reação Álcali-Agregado em Estruturasde Concreto, durante o 48º Congresso Brasileiro 1- agregado reativo;do Concreto, que acontecerá no Rio Centro, na 2- presentar álcalis, espécie de composto químico, so- azona oeste do Rio de Janeiro. lúveis em quantidade; O assunto volta com força total, em virtude de 3- estiver exposto a um ambiente úmido.várias ocorrências de RAA em blocos de funda- A água absorvida pelo gel pode ter origem em águações de diversos edifícios na região do Recife existente e disponível no local e em contato com o con-(PE). Tais blocos apresentam fissurações com creto, água de chuva e, até mesmo, água condensada daaberturas significativas em suas fundações. umidade do ar. Se o gel estiver confinado pela pasta deEste problema, que antigamente só ocorria em cimento seu inchamento implica na introdução de ten-projetos de barragens, hoje afeta várias edi- sões internas que, eventualmente, podem provocar fissu-ficações em todo o país. Já há diversos casos ras no concreto. Sem uma dessas três variáveis a reaçãodetectados, apesar dos diagnósticos serem re- não acontece.lativamente recentes. Segundo os engenheiros coordenadores do Como prevenir a RAA:II Simpósio, Selmo Chapira Kuperman e NicolePagan Hasparyk, a reação álcali-agregado é um mente, não leva uma estrutura de concreto a um Para o engenheiro Kuperman, conhecer algumas ca-fenômeno químico que acontece no concreto, colapso repentino, já que é um fenômeno que se racterísticas dos componentes do concreto é a melhorjustamente entre os seus componentes. Ao lon- desenvolve ao longo de anos. Esse fato sempre maneira de evitar a reação, ou seja, antes de construirgo dos anos e em contato constante com am- tem permitido que sejam tomadas medidas cor- é importante realizar uma análise laboratorial dos cons-bientes úmidos, o agregado reativo proporciona retivas antes que possa ocorrer um acidente, o tituintes do concreto.o aparecimento de um gel dentro do concreto. que reforça ainda mais a importância da realiza- Em caso de agregado reativo deve-se utilizar no con-A RAA consiste numa reação química em que ção de inspeções periódicas nas estruturas. creto - após prévio estudo - cimentos com adições de es-alguns constituintes do agregado, em presença “A RAA é um fenômeno complexo, cujo diag- cória ou de pozolanas que contenham estes materiais emde água, reagem com hidróxidos alcalinos pro- nóstico correto demanda ensaios de laboratório proporções adequadas, cimentos comuns ditos compos-venientes dos cimentos, que estão dissolvidos e o parecer de especialistas. A análise precisa tos, com adições de sílica ativa ou metacaulim, também,na solução intersticial do concreto, formando das implicações desse fenômeno químico no em proporções adequadas.um gel expansivo. comportamento das estruturas exige uma equi- “Eventualmente, pode-se usar na mistura aditivos a “Devido ao fato de a água ser um dos fatores pe multidisciplinar de projetistas estruturais, de base de lítio para neutralizar a reação. Agora, se depoisdeterminantes da existência da RAA, as obras hi- fundações, tecnologistas de concreto e petró- da obra pronta, for detectado que há uma predisposiçãodráulicas são as mais suscetíveis de apresentarem grafos especialistas. Todavia, apesar dos estu- ao aparecimento da reação, deve–se isolar o concretoesse tipo de problema. Em barragens, os proble- dos desenvolvidos sobre a RAA, infelizmente, da umidade, pois a água possibilita a expansão do gel”,mas mais comumente observados são os de aber- ainda, não temos como saber quando vai ocorrer explica o profissional.tura de juntas, movimentações diferenciais, perda essa reação no concreto, por isso o motivo deda estanqueidade e problemas operacionais com nosso evento”, justifica Kuperman. Histórico:equipamentos eletromecânicos, além de lixiviação O II Simpósio sobre Álcali-agregado em Es-e conseqüente redução do módulo de elasticidade trutura de Concreto pretende reunir mais de 200 A RAA foi descoberta na Califórnia (EUA) em 1940. Nodo concreto, o que aumenta as deformações da es- profissionais da área da construção civil, além de Brasil, algumas ações de prevenção começaram na déca-trutura”, explica o eng. Kuperman. representantes de empresas de cimento, tecnolo- da de 60, quando o IPT e a CESP, sabendo que se tratava No caso de concreto armado a fissuração causa- gia construtiva, concreteiras, pedreiras e especia- de um agregado reativo, usaram pozolana produzida ada pela RAA propicia o ingresso de outros agentes listas do setor elétrico e da área de barragens. partir de argila calcinada moída para inibir a reação noexternos agressivos, que são capazes de despassi- Segundo o eng. Kuperman, serão abordados concreto da Barragem de Jupiá, em São Paulo.var o aço das armaduras, provocando sua corrosão. temas como a detecção de maneira segura se A primeira ocorrência noticiada da reação álcali-agre-Entre as principais conseqüências desse processo vai ocorrer a RAA no concreto; quando essa gado em uma obra brasileira pronta se deu em 1985, nasobre as propriedades do concreto encontram-se reação vir a acontecer, quanto tempo leva até Barragem de Apolônio Salles, em Moxotó (PE). No anouma discreta redução na resistência à compres- parar; quais as formas que podem ser utiliza- passado foi descoberta a existência deste fenômenosão, significativa perda da resistência à tração e das para paralisar essa reação que já se ini- nas fundações de prédios do Recife.queda no módulo de elasticidade. ciou; e como tornar os ensaios de laboratórios Entretanto, a reação álcali-agregado, isolada- mais confiáveis. ■ 7
  8. 8. SIABE / INCOS: Industrialização da construção é A EVOLUÇÃO característica do Shopping Salvador DO CONCRETO ESTRUTURAL EM TODO O MUNDO O SIABE é um evento de abrangênciaíbero-americana, que visa difundir osavanços do concreto estrutural. Foi cria-do no ano passado, em Portugal, paraocorrer de forma sempre integrada aoINCOS, que trata do mesmo assunto, emcadeia internacional. Por isso, o Ibraconestará promovendo de forma integradaao 48º Congresso Brasileiro do Concretoo SIABE 06  INCOS 06, que tem comoobjetivo unir profissionais renomados daárea da construção civil para discutiremo desenvolvimento das tendências tec- Anológicas do concreto estrutural. Esta será certamente uma grande opor-tunidade à ampliação do SIABE / INCOSpara seu alcance junto à América Latina e utilização conjunta de modernos siste- da obra sem utilização de escoramento e com fôrmasmesmo internacional, dada à tradição de mas construtivos, baseados no conceito apenas nos pilares”, analisa o engenheiro.público internacional no CBC. de construção industrializada, é uma Segundo os construtores, as telas soldadas ofere- É crescente a evolução e a diversifica- das principais características nas obras cem mais vantagens em comparação com a armaçãoção dos materiais constituintes do con- do novo Shooping Salvador, na capital de vergalhões por já virem prontas nos tamanhoscreto estrutural, assim como a velocida- baiana. O empreendimento, do Grupo JCPM, de necessários, pela garantia de qualidade e uniformi-de e novas possibilidades dos processos João Carlos Paes Mendonça, terá pouco mais de dade da malha, e por não necessitar de mão-de-obraconstrutivos, bem como de manutenção 231 mil m2 de área construída, em um terreno de especializada para a armação das lajes, o que acabaou de recuperação das estruturas exis- quase 138 mil m2. resultando em redução do custo final. As telas sol-tentes. O concreto estrutural é consa- A Construtora Andrade Mendonça é responsável dadas estão sendo utilizadas nas lajes compostas degrado para a produção de estruturas, e pela obra, que exigirá investimentos da ordem de steel deck e nos pilares de concreto.a conjuntura mundial de evolução tec- R$ 250 milhões. Os três pisos do Shopping serão O concreto das lajes e dos pisos (sobre o terreno) temnológica sempre proporciona desafios ocupados por dez lojas-âncora e 263 lojas-satélite. especificação de fck 30 MPa, e o dos pilares apresentapara o adequado desempenho das novas Quando entrar em operação, o shopping deverá ge- fck 40 MPa, todos com a utilização de aditivo. No total,estruturas e, também, para a manuten- rar 12 mil empregos diretos. estão sendo utilizadas nas obras do Shopping Salvadorção das já existentes. Segundo o eng. Luis Siqueira, superintendente cerca de 600 t de telas soldadas, do tipo Q 196. Entretanto, uma grande preocupação é da Construtora Andrade Mendonça, “a tecnologia Pelo fato de se tratar de uma obra de grande por-que essa evolução, com suas alterações, construtiva adotada prevê estrutura mista (metáli- te, construída em uma das principais avenidas denão esteja sendo repassada de maneira ca e concreto armado). Os pilares são de concreto Salvador, a construção do Shopping Salvador tam-adequada no segmento educacional, seja armado moldado in loco com perfis metálicos in- bém implicará em mudanças no tráfego da cidade.para estudantes de graduação, pós-gradu- corporados. Já as vigas são metálicas e as lajes Em comum acordo com a Prefeitura, os responsáveisação ou extensão, nas áreas de engenha- compostas com steel deck e concreto armado. O pelo Shopping se comprometeram em realizar umaria civil e arquitetura. fechamento das paredes está sendo executado em série de intervenções viárias, visando atenuar o im- Daí o objetivo de se realizar mais um alvenaria de blocos de concreto e drywall (nas pare- pacto no trânsito da Avenida Tancredo Neves. Serãoevento que tenha como tema principal o des que dividem as lojas)”. O projeto das estruturas construídas vias marginais, vias de acesso transver-concreto estrutural, uma vez que amplia ficou a cargo da empresa Sistema. sais, passagens em desnível, passarelas, pontilhõesas possibilidades de se transferir novos As lajes apresentam espessura total de 13,50 cm. A sobre o Rio Camurugipe e alargamento de pistas.conhecimentos, novas práticas e normas opção pelo sistema steel deck na sua execução teve As obras do Shopping foram iniciadas em setem-técnicas, tanto para futuros profissionais, como objetivo principal atender ao apertado crono- bro de 2005, com previsão de término em março dequanto para aqueles que atuam no mer- grama de obras. “Neste sentido, o uso das telas sol- 2007. No momento, está sendo concluída a estruturacado e já aprenderam a valorizar a sua dadas foi fundamental, por agilizar o processo. Com do prédio e iniciados os serviços de execução daspermanente atualização nesse campo. o uso deste sistema foi possível executar a estrutura alvenarias e instalações. ■8
  9. 9. PROGRAMA MASTERPEC Industrialização É SUCESSO EM TODO O BRASIL Fundação especial em construção de armazém graneleiro Devido ao grande sucesso dos cursos do Programa VMasterPec (Master em Produção de Estruturas de Con-creto) em vários estados brasileiros, este ano o Progra-ma estará, pela segunda vez, presente no 48º CongressoBrasileiro do Concreto. encer as más condições do solo foi um O Programa MasterPec tem como objetivo o desen- dos principais desafios enfrentados pelavolvimento e a difusão do conhecimento em projeto, ECL Engenharia durante a construçãomateriais, controle, produção, inspeção, diagnóstico, do armazém graneleiro para a empresaproteção e reabilitação de estruturas de concreto, dis- Teaçu Armazéns Gerais, do grupo Novaponibilizando os avanços tecnológicos na área, com uma América, no porto de Santos (SP). O projeto básicovisão sistêmica e integradora. Também, promove a ética da obra ficou a cargo da LPC-Latina Projetos Civis,e a responsabilidade social, reconhecendo a construção e o projeto executivo foi de responsabilidade dacivil como um dos mais importantes setores industriais Larenge - Lauro Rios Engenharia.da sociedade. A área construída atinge 11.000 m , compreen- 2 O presidente do Ibracon, prof. Paulo Helene, explica dendo todas as instalações de recebimento e es- Esta primeira fase, executada gradativamente noque o MasterPec é um sistema de cursos de educação tocagem de produtos de origem vegetal (preferen- transcorrer da obra, compõe um tabuleiro plano pron-continuada, tipo pós-graduação lato sensu, organizado cialmente açúcar). O galpão tem 42,8 m de largura, to para receber a capa final de 10 cm, cuja função épelo Instituto Brasileiro do Concreto. A estrutura do Pro- por 226,8 m de comprimento. A capacidade de ar- solidarizar o conjunto.grama prevê que cada disciplina oferecida pelo Progra- mazanagem chega a 120.000 t, sendo que a pilha “Na capa final, onde é importante a velocidadema corresponde a um número de créditos equivalentes a de granel pode atingir uma altura de 21 m acima de execução, a continuidade da armadura frentequantidade de horas letivas dessa disciplina. do piso, exercendo sobre o piso uma pressão de às solicitações decorrentes da retração, efeitos Para receber o título MasterPec o profissional deve até 19,0 t/m . 2 térmicos e equilíbrio dos empuxos horizontais dapreencher os seguintes requisitos: completar 150 cré- “A característica do subsolo, altamente adensá- pilha de granel, sobressaem as vantagens da ar-ditos dentro de um período máximo de 4 anos, estar na vel, por conta de uma camada de argila marinha mação com telas soldadas, tais como facilidadeprofissão nos últimos 3 anos, ter diploma de curso su- mole com 30 m de espessura, impôs a solução de de montagem e redução de perdas nas emendas fundação estaqueada para o piso. A adoção de fun- por traspasse”, avalia o eng. José Carlos Pitela,perior e ser aprovado no exame de qualificação. “Com dação direta acarretaria em recalques exagerados, diretor da ECL.iniciativas deste porte, garantimos uma reciclagem de incompatíveis com os equipamentos previstos para Segundo os construtores, a opção pelas telasprofissionais num mercado tão concorrido e em constan- a operação do armazém”, explica o eng. Enrique soldadas nas armações foi fundamental para o su-te evolução, como o da engenharia civil”, ressalta o prof. Marchetti Rios, engenheiro projetista. cesso da construção, pela velocidade de execuçãoPaulo Helene. Por conta dessas características do solo, a laje que oferecem e por possibilitar a utilização per- Enquanto o 48º Congresso Brasileiro do Concreto não de piso, que no total atinge 56 cm de espessura, feita de equipamentos de espalhamento e aden-chega, estudantes e profissionais da área da construção foi projetada para ser executada em etapas. Numa samento com régua vibratória. O acabamento docivil, podem participar dos cursos MasterPec que acon- fase inicial, até o nível situado 10 cm abaixo da piso será rústico.tecem nos próximos meses. cota do piso acabado, foram utilizados três siste- A estrutura do armazém prevê ainda paredes mas executivos distintos, dependendo da área: laterais em elementos pré-fabricados de concre-São Paulo 1 - obre as duas galerias subterrâneas longitu- S to armado, que possibilitam a estocagem de uma28/06 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL - Eng. Salo- dinais, foi lançada uma pré-laje em concreto pilha de produtos com 8,5 m na lateral, podendomon Levy, Professor da UNINOVE e Eng. Marcio Estefano, Professorda UNITAU, especialista em materiais de construção. pré-fabricado, visando a eliminação de esco- atingir 21 m no centro.11 e 12/07 - A QUALIDADE NA CONSTRUÇÃO E NA MANUTENÇÃO ramento; Os concretos utilizados na estrutura do armazémDE EDIFICAÇÕES PREDIAIS E INDUSTRIAIS - Eng. Leonel Tula, e 2 - a faixa central, entre as duas galerias, uma N apresentam especificação de fck variando entre 35Eng. Roberto Bauer, ambos especialistas em tecnologia do concreto, laje de concreto moldada in loco; MPa (elementos pré-moldados) e 30 MPa (demaispatologia, recuperação e manutenção de edificações. 3 - s faixas laterais, entre as galerias e as pa- A peças) da obra. No total, o consumo de concreto08 e 09/08 - A EVOLUÇÃO DOS AGREGADOS NA TECNOLOGIA DO redes laterais, foram executadas com vigas atingiu 8.000 m . 3CONCRETO CONVENCIONAL E ARQUITETÔNICO - Geól. Cláudio T pré-moldadas e justapostas. ■Sbrighi Neto, Professor Titular da FAAP e do Mestrado IPT. Diretor doCB-18 da ABNT e do Sub-comitê de Agregados.Manaus27 e 28/07 - “CONHECENDO O CONCRETO PROTENDIDO” - Profes-sor Ricardo Brígido da UNIFOR (CE).24 e 25/08 - “ÚLTIMOS AVANÇOS NOS PROCESSOS CONTRUTIVOS”- Eng. Luiz Henrique Ceotto, da Construtora IMPAR (SP).21 e 22/08 - “ALVENARIA RACIONALIZADA E SUA ECONOMIA” -Professor Fernando H. Sabbatini, da USP (SP).Os interessados em participar do Programa Master-Pec, podem obter mais informações no site do Ibra-con: www.ibracon.org.br, ou pelo tel. (11) 3735-0202. 9
  10. 10. Terminal Aquaviário de São Sebastião Tecnologia Concretagem submersa exige emprega concreto auto adensável A tecnologia e logística montagem das novas linhas de claros e de petróleo no Terminal Aquaviário de São Sebastião, em São Paulo, tem como objetivo principal aumentar a capacidade de bombeamento marítimo dos navios pe-troleiros, diminuindo o tempo dispensado na anco-ragem e minimizando os efeitos de filas de esperadas embarcações. A obra está sendo executada sob a responsabilidadeda Construtora Queiroz Galvão e sua parte civil teveinício em setembro de 2004, com previsão de conclu-são das montagens neste primeiro semestre de 2006. O projeto envolveu a execução de uma tuboviaconstruída em estrutura de concreto no mar, apoiadasobre estacas, que medem entre 30 e 40 m, espa-çadas a cada 12 m. Para garantir a estabilidade daestrutura são implantados blocos solidários a cadadupla de estacas, que são também utilizados comoapoio para as vigas pré-moldadas de união das se-ções estaqueadas, constituindo assim a ponte datubulação no trecho marítimo. Sobre a estrutura daponte são montadas tubulações de 24 e 34 polega-das, por onde circulam petróleo e seus derivados.Já os serviços em terra são de construção de berçosde concreto no caminhamento da tubulação e obrasespeciais como galerias subterrâneas e pontes deconcreto sobre tubulações. O dimensionamento dasestruturas componentes das obras civis ficou a cargoda empresa Garambone Projetos e Consultoria. O concreto auto-adensável foi importante nesta águas pluviais para os locais de escoamento final, e em grande volume, ele foi dosado com aditivo su-obra, sendo utilizado no enchimento de camisas com o objetivo de impossibilitar a formação de ala- perplastificante de ultima geração.metálicas, componentes dos tubulões subaquáti- gadiços e erosões de encostas e aterros. As águas Por conta dessas especificações, o concreto auto-cos, com diâmetros de 1,00 m e 1,20 m, cravadas provenientes de cura do concreto e de lavagem de adensável não foi dosado no canteiro de obras, sen-no trecho marítimo da fundação da tubovia a uma fôrmas foram direcionadas para piscinas de decan- do transportado em caminhões betoneira, de umaprofundidade média de 38 metros. Para a execu- tação, de onde partem para o sistema de drenagem central de concreto no próprio Município de São Se-ção desse projeto foi utilizado um volume total de superficial. Em alguns casos, também acabaram bastião e lançado através de bombas diretamenteconcreto dosado em central de 15.183,45 m³, sendo sendo aproveitadas no próprio canteiro. no enchimento das camisas metálicas.3.675 m³ de concreto auto-adensável. A armação e as fôrmas, inclusive aquelas desti- “Tendo em vista as características dessa construção, Tecnologia do Concreto nadas às pequenas estruturas nas obras em terra,com tubulões de grande profundidade e por se tratar para concretagem e reparos, foram pré-montadas node uma obra subaquática, o concreto auto adensável O concreto utilizado na obra apresenta especifica- canteiro e transportadas para as frentes de serviçosfoi, sem dúvida, a opção correta, pois não há como ção de fck 50 MPa. “Esse concreto é composto por utilizando embarcações. As camisas metálicas dasgarantir a qualidade, nestas condições ao se aplicar cimento especial, resistente a sulfatos, e aditivos estacas ficaram armazenadas no canteiro até o ins-um concreto convencional com adensamento por vi- especiais como a sílica ativa, garantindo a alta re- tante da emenda, quando então foram transportadasbração”, explica o eng. Wilson José André, gerente de sistência mecânica e a proteção do ambiente mari- e cravadas no local de construção da fundação.engenharia da Construtora Queiroz Galvão. nho que é muito agressivo. Além da boa qualidade, As condições favoráveis do canal de São Se- Para que o processo construtivo desse Terminal que evita os efeitos de agressividade do meio, che- bastião no local da obra permitiram que todas asAquaviário saísse perfeito, a Construtora desen- gou-se a essa especificação por conta dos elevados atividades de construção da tubovia, no seu trechovolveu um canteiro de obras em local que permitiu esforços a que estão submetidas essas fundações”, marítimo, fossem feitas com equipamentos flutuan-facilidades de produção e de embarcação de peças analisa o engenheiro. tes. Partindo desta premissa, para que os serviçospré-moldadas de concreto e também das camisas O concreto foi desenvolvido com aditivo retarda- embarcados de lançamento de concreto fossem rea­metálicas. Para atender a esta logística foi utilizada dor de pega, para que fosse possível carregar as be- lizados, foi necessário o emprego de toda logísticauma área com aproximadamente 30.000 m². toneiras, e as mesmas conseguissem ser transpor- de equipamentos náuticos, como balsa com guin- Toda a área do canteiro, dotada de sistema de tadas por um período médio de 6 a 8 horas. A fim de daste, balsa de transporte, rebocadores e barcos dedrenagem superficial, admitiu o direcionamento das que o concreto pudesse ser lançado com qualidade transporte de colaboradores. ■10
  11. 11. O desafio de projetar um piso industrial para câmaras frias P Dificuldades com isolamento, sobrecarga e soleiras caracterizam obra rojetar o piso em concreto armado da De acordo com o eng. Paulo Bina, diretor da Mono- Depois do lançamento do concreto foram utiliza- câmara fria de um depósito da indústria beton, a segunda dificuldade consistia em definir as dos vibradores de imersão. Em seguida, utilizando- de sucos Brasil Citrus, que apresentava características do piso industrial, levando em consi- se o nível laser, foram marcados alguns pontos no algumas características bastante parti- deração a sobrecarga a que o mesmo estará exposto concreto com nível do piso acabado (mestras úmi- culares. Esse foi o desafio enfrentado - e (tráfego de empilhadeiras com carga no eixo diantei- das). Com estas mestras úmidas como referênciavencido - pela Monobeton Soluções Tecnológicas. ro de até 7,5 tf, cargas pontuais de pés de estantes executou-se o sarrafeamento de toda a superfície. A obra, realizada no município de Tabatinga, no porta-pallets de até 1,5 tf, e carga distribuída de até Após o sarrafeamento foram realizadas as opera-interior de São Paulo, consiste num galpão único, 3,7 tf/m ) e a necessidade de ser executado no siste- 2 ções de acabamento e planicidade, onde se utilizasubdividido em câmara fria (0 a 5º C) com área de ma jointless floor (piso sem juntas). o discão para puxar argamassa para a superfície200 m (10 m x 20 m), e uma câmara de congelados 2 Esse sistema foi especificado para evitar juntas do piso, o rodo de corte para eliminar as ondula-(-20º C) com área de 800 m (20 m x 40 m). A primeira 2 dentro das câmaras, que poderiam gerar duas situa- ções na superfície, e o helicóptero para queimar adificuldade encontrada pelos técnicos da empresa ções: prejuízo no desempenho da câmara em manter superfície do piso. No projeto foram especificadosfoi adaptar o projeto do piso de acordo com o iso- sua temperatura de trabalho; elevação do piso e sua índices de planicidade FF 40/30 (valor médio / valorlamento para as câmaras frias, já existente, que foi quebra generalizada, em virtude de possível penetra- mínimo local) e nivelamento FL 25/20 (valor médioexecutado em EPS de baixa densidade (isopor). ção de líquidos das mercadorias estocadas. / valor mínimo local). “Esse isolamento tem uma capacidade de suporte “Devido à intensidade do carregamento, à baixa O concreto utilizado na execução desse piso apre-extremamente baixa, inviabilizando o apoio do piso capacidade de suporte do EPS, e à concepção de senta especificação de fck 35 MPa. Para a garantiade concreto diretamente sobre este material. Para piso apoiado sobre espaçadores de madeira foi ne- da qualidade durante a execução do piso, o concretosolucionar este problema foram especificados alguns cessária à utilização de armadura dupla em telas apresentou abatimento de lançamento de 100 a 120distanciadores (de madeira), os quais transmitem as soldadas no concreto do piso, para absorver as ten- mm, teor de argamassa de 50 a 52%, e tempo decargas do piso diretamente para a laje sob o isolan- sões nas faces inferior e superior (tensões negativa início de pega em torno de 4 horas.te. Esta solução teve o aval da empresa fornecedo- e positiva)”, comenta o eng. Bina. A tela superior Visando garantir sua durabilidade, a Monobetonrera do isolante, a qual garantiu que não ocorrerá também tem a função de absorver os esforços de especificou o concreto com as seguintes caracterís-perda de desempenho do isolamento. A partir daí foi retração do concreto, que são elevados num piso ticas: fator água/cimento 0,5, consumo mínimo deconcebido um novo sistema de dimensionamento do sem juntas. cimento de 350 kg/m , granulometria contínua dos 3piso”, explica o eng. Breno Macedo Faria, coorde- Segundo os engenheiros, as telas soldadas propor- agregados, retração máxima do concreto (ASTMnador técnico da Monobeton. O isolamento de EPS cionam maior agilidade na montagem da armação e C 157) de 0,04% (ensaiado aos 56 dias). “No casoapresenta espessura de 25 cm e os distanciadores maior qualidade no espaçamento das ferragens, em específico desta obra, que compreende uma câmaraforam colocados a uma razão de 5 unidades/m . 2 comparação com o sistema que utiliza vergalhão. de congelados, onde a temperatura é inferior a 0º C, Normalmente, o material utilizado para isolamen- Também foi feito um projeto com as distribuições é necessário garantir um teor de ar incorporado aoto em obras desse tipo é o poliuretano, que tem ca- dos painéis de tela; esta distribuição garante uma concreto de 5 a 8%”, avalia o eng. Paulo Bina. O vo-pacidade suficiente para suportar o piso de concreto redução nas perdas por cortes e transpasses de pai- lume total de concreto utilizado na obra foi 150 m .3(e o carregamento) sem a necessidade dos distan- néis e maior agilidade na montagem. No total, foram Além das dificuldades geradas pela baixa capaci-ciadores, evitando com isto a elaboração de um novo utilizadas 13 t de telas soldadas dos tipos Q 283 (na dade de suporte do EPS e pela sobrecarga do piso nasmodelo de dimensionamento para contemplar os armadura superior, apoiada sobre treliças metálicas) câmaras frias, a Monobeton também teve uma gran-apoios dos distanciadores. e Q 396 (na armadura inferior). de preocupação com a soleira dos portões entre as câmaras (fria e congelada) e entre estas e a área ex- terna. “Estas soleiras foram especificadas em chapas de aço especial, que seriam chumbadas com graute em rebaixos no piso de concreto. É importante lembrar que os pisos das câmaras fria e de congelados têm que trabalhar totalmente independentes uma da ou- tra, portanto estas soleiras também foram projetadas para garantir a livre movimentação entre os pisos das câmaras e ao mesmo tempo suportar os esforços do tráfego de empilhadeiras”, comenta o eng. Breno. Outro fato diferencial nesta obra é que as câmaras frias irão armazenar suco de laranja, que se caracte- riza por ter boa quantidade de ácido cítrico. Portanto, para evitar que algum derramamento de suco ata- que o concreto do piso foi especificada uma pintura à base de poliuretano, que tem grande resistência química, a fim de garantir maior durabilidade para o piso. O projeto do piso industrial do depósito da indús- tria de sucos Brasil Citrus foi desenvolvido em agos- to de 2005 e a obra foi executada em setembro do mesmo ano. ■ 11
  12. 12. Eficiência EX PEDIENTE PRÉ-MOLDADO AGILIZA CONSTRUÇÃO DE COMPLEXO PENITENCIÁRIO I niciadas há oito anos e paralisadas por um bom tempo, as  obras do Complexo Penitenciário Carva- lho Neto, na cidade de São Cristovão, em Sergipe, executado pela empresa Estrutura Construções, para o governo do Estado, em convênio com o go-verno federal, foram retomadas em setembro passado. Conselho Editorial Eng. João Batista Rodrigues da Silva (IBTS) O novo projeto prevê a construção de seis prédios, Eng. Guilherme Bolini de Campos (ABESC)dos quais dois pavilhões idênticos (prédios de detenção) Eng. Paulo Helene (IBRACON)compostos de 80 celas, para comportar 320 detentos, Tecnologia do Concreto Armadoocupando 25 mil m2, de uma área total do terreno de 98 em Notíciasmil m2. O cálculo de estruturas foi de responsabilidade do é uma publicação trimestral,eng. Valdir Zerbinati. destinada a difundir tecnologias adotadas nas estruturas de concreto armado Segundo o eng. Francisco Oggi, consultor em processos Essa técnica admite que no próprio canteiro de obras na cons­trução civil brasileira.construtivos da Empório do Pré-moldado, de acordo com o todas as peças sejam moldadas em concreto armado em Entidades responsáveis:projeto inicial a estrutura dos pavilhões seria de concreto posição horizontal. Isso permite que, em um curto prazo ABESCmoldado in loco, mas essa opção mostrou-se dispendiosa. de tempo sejam executadas grandes placas de concreto, Associação Brasileira das Empresas de Serviços de ConcretagemPor conta disso, foi feita uma modificação no projeto para a totalmente encaixadas entre si, garantindo a economia de Tel: (11) 3709-3466 - Fax: 3168-7098construção através do sistema tilt-up, que, além de ter um tempo e mão-de-obra. webmaster@abesc.org.brcusto menor, possibilita uma sensível redução no prazo de Outro destaque do sistema tilt-up fica por conta da re- www.abesc.org.br IBRACONexecução, fator de grande importância, tendo em vista que a dução no número de vigas e pilares, que foram neces- Instituto Brasileiro do Concretoobra deve ser entregue ainda no primeiro semestre de 2006. sários somente nos pátios cobertos e refeitórios, para Tel./Fax: (11) 3735-0202 “Outro fator que pesou na decisão é que o presídio tem office@ibracon.org.br apoiarem as lajes, executadas com vãos de até 9,48 m, www.ibracon.org.brque ser 100% em concreto armado, inclusive as camas, em concreto pré-moldado. IBTSmesas, bancos e tudo aquilo que normalmente poderia vir Segundo o eng. Bonfim, toda a parte de instalação Instituto Brasileiro de Telas Soldadas Tel.: (11) 3826-5954 - Fax: 3263-6558a se transformar em uma ferramenta ou arma na mão dos elétrica e hidráulica fica inserida dentro do concreto, au- ibts@ibts.org.brpresidiários. Seguindo essa lógica, numa área construída mentando a segurança do presídio. Além disso, o sistema www.ibts.org.brde 5.200 m², foram consumidos cerca de 3.000 m³ de con- tilt-up proporciona outras vantagens, como a aparência Coordenação: IBTScreto dosado em central, com especificação de fck de 35 do acabamento, alta produtividade, total controle da exe- R. Cardoso de Almeida, 313, cj. 123MPa”, acrescenta. São Paulo - SP - CEP 05013-000. cução do projeto, e redução de desperdícios. Editor: Para que o sistema tilt-up pudesse ser colocado em “Vale ressaltar que diversos materiais construtivos e Flávio Falciano (MTb 20250)prática foram necessárias algumas adaptações no proje- modernos, como a pré-moldagem de concreto e as telas Direção de Arte: José Renato Autilioto construtivo, sem que a originalidade arquitetônica so- soldadas nos beneficiaram muito. Com a pré-moldagem Editoração:fresse alterações. A solução encontrada exigiu inversão de concreto foi possível realizar a cobertura do telhado Edson Luizna seqüência de serviços. A construção iniciou-se pelo com telha cerâmica e com madeiramento, sendo fixados Tiragem: 17 mil exemplarespiso, que, numa obra com essas características, se torna em cima das lajes independente da estrutura do prédio. Distribuição gratuita.importantíssimo para garantir a rigidez da edificação e a Já a utilização da tela soldada, por exemplo, trouxe rapi- Os conceitos e opiniões emitidos em artigos assinados são de inteirasegurança apropriada que este tipo de projeto necessita. dez, qualidade e uniformidade na armação. Com elas, é responsabilidade dos autores e não Com o método adotado, após o nivelamento do piso, as possível realizar concretagens diárias, de uma peça sobre expressam necessariamente a posição do Conselho Editorial.esquadrias de segurança foram as primeiras a serem con- a outra”, finaliza. ■cretadas sobre ele, sendo içadas completamente prontas Solicitamos permuta - We would like an exchange agreement - Si sollicita lo scambio - Se solicita elpara serem inseridas de maneira monolítica no próprio canje - On demande l’échange - Informations austausch erwunschtconcreto das paredes. “Com isso, foi resolvido um dos problemas mais sériosque existia; o chumbamento das esquadrias de seguran-ça, que são as grades e as portas de celas, as quais fica-riam fracas se executadas de acordo com o projeto ini-cial”, justifica o eng. responsável pela construção, EdsonRodrigues Bonfim, da Estrutura Construções. Bonfim também explica que, de acordo com o sistematilt-up, as paredes são autoportantes, encaixadas jun-to aos pisos, lajes e forros formando um único sistemaem concreto armado.12

×