SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Aprendendo a ler partitura
Conceitos Básicos daConceitos Básicos da
Codificação dos símbolosCodificação dos símbolos
musicaismusicais
Prof. Denis Nogueira
Partitura não é música!
• A Partitura é uma série de sinais que representam música.A Partitura é uma série de sinais que representam música.
Para um músico profissional, os sinais representam a músicaPara um músico profissional, os sinais representam a música
na prática, na mente do músico ele é capaz de imaginar osna prática, na mente do músico ele é capaz de imaginar os
sons, somente pelos símbolos.sons, somente pelos símbolos.
• Interpretar os sinais é importante para se fazer música,Interpretar os sinais é importante para se fazer música,
porém os símbolos não são suficientes para se representarporém os símbolos não são suficientes para se representar
tudo que um compositor imagina numa peça.tudo que um compositor imagina numa peça.
Escrita antiga antes do pentagrama
Os neumas
Pauta ou pentagrama: Definição
• Pauta é o nome do conjunto de linhas utilizado para escreverPauta é o nome do conjunto de linhas utilizado para escrever
as notas musicais de uma partitura, no sistema ocidental deas notas musicais de uma partitura, no sistema ocidental de
notação musical. Atualmente a pauta contém 5 linhas e pornotação musical. Atualmente a pauta contém 5 linhas e por
isso também é chamada às vezes deisso também é chamada às vezes de pentagramapentagrama..
Um pouco de história
• As pautas surgiram na idade média. Foram aperfeiçoadasAs pautas surgiram na idade média. Foram aperfeiçoadas
por Guido D'Arezzo (por volta de 1.100 d.C.) parapor Guido D'Arezzo (por volta de 1.100 d.C.) para
representar as alturas das notas musicais, suas duraçõesrepresentar as alturas das notas musicais, suas durações
e no ensinamento musical. As primeiras pautas tinham umae no ensinamento musical. As primeiras pautas tinham uma
única linha e eram colocadas sobre a letra da canção. Aúnica linha e eram colocadas sobre a letra da canção. A
altura era representada pela distância das notas emaltura era representada pela distância das notas em
relação à linha. Como isso não era muito preciso, o sistemarelação à linha. Como isso não era muito preciso, o sistema
evoluiu gradativamente para uma pauta de quatro linhas,evoluiu gradativamente para uma pauta de quatro linhas,
chamada dechamada de tetragramatetragrama..
Surge o pentagrama
No século XV, uma quinta linha foi adicionada e estaNo século XV, uma quinta linha foi adicionada e esta
configuração é utilizada até hoje.configuração é utilizada até hoje.
O pentagrama moderno
Os símbolos das notas podem ser escritos sobre cada uma das cinco linhas ou dentroOs símbolos das notas podem ser escritos sobre cada uma das cinco linhas ou dentro
dos quatro espaços da pauta. A altura das notas depende desta posição.dos quatro espaços da pauta. A altura das notas depende desta posição.
As figuras na pauta, sem uma clave, não representam notas. É a clave queAs figuras na pauta, sem uma clave, não representam notas. É a clave que
define as notas, as quais estabelecem um padrão de sons para a escritadefine as notas, as quais estabelecem um padrão de sons para a escrita
Se precisarmos representar notas mais graves ou agudas doSe precisarmos representar notas mais graves ou agudas do
que as nove notas representáveis nas linha ou espaços doque as nove notas representáveis nas linha ou espaços do
pentagrama, utilizam-se linhas e espaços suplementares abaixopentagrama, utilizam-se linhas e espaços suplementares abaixo
ou acima da pauta:ou acima da pauta:
Tipos de claves:Tipos de claves:
A Clave de solA Clave de sol juntamentejuntamente com a clave de fácom a clave de fá nana quarta linha é a mais utilizada na músicaquarta linha é a mais utilizada na música
atualatual.. Com a posição mostrada na figura, a nota Sol-3 ocupa a segunda linha de baixoCom a posição mostrada na figura, a nota Sol-3 ocupa a segunda linha de baixo
para cima, indicada pelo início do desenho (ponta da linha curva). Em algumas partituraspara cima, indicada pelo início do desenho (ponta da linha curva). Em algumas partituras
antigas ou para fins de estudo, principalmente na França esta clave também pode ocuparantigas ou para fins de estudo, principalmente na França esta clave também pode ocupar
a primeira linha, permitindo representar uma tessitura ligeiramente mais aguda.a primeira linha, permitindo representar uma tessitura ligeiramente mais aguda.
Quando esta clave está na segunda linha, o dó central do piano ocupará a primeira linhaQuando esta clave está na segunda linha, o dó central do piano ocupará a primeira linha
suplementar inferior. Por esta razão, esta clave é utilizada para representar a mãosuplementar inferior. Por esta razão, esta clave é utilizada para representar a mão
direita em instrumentos de teclado. Utilizam esta clave, a maior parte dos instrumentosdireita em instrumentos de teclado. Utilizam esta clave, a maior parte dos instrumentos
de madeira (flautas, clarinete, oboé), os metais mais agudos (trompete, trompa,de madeira (flautas, clarinete, oboé), os metais mais agudos (trompete, trompa,
flugelhorn), bem como o violino, o violão e alguns instrumentos de percussão obedientesflugelhorn), bem como o violino, o violão e alguns instrumentos de percussão obedientes
à série harmônica. As vozes mais agudas (Soprano e Contralto e tenor) também sãoà série harmônica. As vozes mais agudas (Soprano e Contralto e tenor) também são
normalmente escritas em clavenormalmente escritas em clave de sol.
Clave de solClave de sol
Clave de FáClave de Fá
• Nesta clave, a linha de referência é indicada pelos dois pontos e assume a nota Fá-2. ANesta clave, a linha de referência é indicada pelos dois pontos e assume a nota Fá-2. A
posição mais frequente é a quarta linha. Com esta configuração, a nota Dó-3 do centralposição mais frequente é a quarta linha. Com esta configuração, a nota Dó-3 do central
do piano ocupa a primeira linha suplementar superior. Por esta razão, costuma-se dizerdo piano ocupa a primeira linha suplementar superior. Por esta razão, costuma-se dizer
que a clave de fá começa onde a de sol termina.que a clave de fá começa onde a de sol termina.
• Esta clave é utilizada na escrita da mão esquerda dos instrumentos de teclado,Esta clave é utilizada na escrita da mão esquerda dos instrumentos de teclado,
instrumentos de registro grave, como o violoncelo, o contrabaixo, o fagote e oinstrumentos de registro grave, como o violoncelo, o contrabaixo, o fagote e o
trombone, bem como as vozes mais graves (barítono e baixo).trombone, bem como as vozes mais graves (barítono e baixo).
• Também é possível escrever a clave de fá na terceira linha, possibilitando um registroTambém é possível escrever a clave de fá na terceira linha, possibilitando um registro
ligeiramente mais agudo. No passado esta clave era utilizada para o barítono, mas seuligeiramente mais agudo. No passado esta clave era utilizada para o barítono, mas seu
uso na música atual é raro.uso na música atual é raro.
Clave de DoClave de Do
• A nota Dó-3 é indicada pelo centro da figura (o encontro entre os duas letraA nota Dó-3 é indicada pelo centro da figura (o encontro entre os duas letra
C invertidos). Originalmente a clave de dó foi criada para representar asC invertidos). Originalmente a clave de dó foi criada para representar as
vozes humanas. Cada voz era escrita com a clave de dó em uma das linhas. Ovozes humanas. Cada voz era escrita com a clave de dó em uma das linhas. O
altoalto era representado com a clave na terceira linha, oera representado com a clave na terceira linha, o tenortenor na quarta linha ena quarta linha e
oo mezzo-sopranomezzo-soprano era representado com a clave de Dó na segunda linha. Esteera representado com a clave de Dó na segunda linha. Este
uso se tornou cada vez menos frequente e esta clave foi substituída pelas deuso se tornou cada vez menos frequente e esta clave foi substituída pelas de
sol para as vozes mais agudas e a de fá para as mais graves. Hoje em dia, asol para as vozes mais agudas e a de fá para as mais graves. Hoje em dia, a
posição mais frequente é a mostrada na figura, com o dó na terceira linha,posição mais frequente é a mostrada na figura, com o dó na terceira linha,
representando uma tessitura média, exatamente entre as de sol e fá. Umrepresentando uma tessitura média, exatamente entre as de sol e fá. Um
dos únicos instrumentos a utilizar esta clave na sua escrita normal é a viola.dos únicos instrumentos a utilizar esta clave na sua escrita normal é a viola.
Esta clave também pode aparecer ocasionalmente em passagens mais agudasEsta clave também pode aparecer ocasionalmente em passagens mais agudas
do trombone. Seu uso vocal ainda é utilizado quando são utilizadas partiturasdo trombone. Seu uso vocal ainda é utilizado quando são utilizadas partituras
antigas.antigas.
Clave de percussãoClave de percussão
• Esta clave não tem o mesmo uso das demais. Sua utilização não permiteEsta clave não tem o mesmo uso das demais. Sua utilização não permite
determinar a altura das linhas e espaços da pauta. Serve apenas para indicar quedeterminar a altura das linhas e espaços da pauta. Serve apenas para indicar que
a clave será utilizada para representar instrumentos de percussão de altura nãoa clave será utilizada para representar instrumentos de percussão de altura não
determinada, como uma bateria, um tambor ou um conjunto de congas. Nestedeterminada, como uma bateria, um tambor ou um conjunto de congas. Neste
caso as notas são posicionadas arbitrariamente na pauta, indicando apenas ascaso as notas são posicionadas arbitrariamente na pauta, indicando apenas as
alturas relativas. Por exemplo em uma bateria, o bumbo pode ser representadoalturas relativas. Por exemplo em uma bateria, o bumbo pode ser representado
na primeira linha por ser o tambor mais grave e um chimbal pode estar em umana primeira linha por ser o tambor mais grave e um chimbal pode estar em uma
das linhas mais altas por se tratar de instrumento mais agudo.das linhas mais altas por se tratar de instrumento mais agudo.
• Os instrumentos de percussão afináveis utilizam notação com as clavesOs instrumentos de percussão afináveis utilizam notação com as claves
melódicas. Os tímpanos por exemplo são escritos na clave de fá.melódicas. Os tímpanos por exemplo são escritos na clave de fá.
Os Nome das Notas
Os nomes que conhecemos hoje: dó, ré, mi, fá, sol, lá e si, baseando-se em um textoOs nomes que conhecemos hoje: dó, ré, mi, fá, sol, lá e si, baseando-se em um texto
sagrado em latim, cantado pelas crianças do coral para que São João ossagrado em latim, cantado pelas crianças do coral para que São João os
protegesse da rouquidão:protegesse da rouquidão:
• UtUtqueant laxisqueant laxis
• ReResonare fibrissonare fibris
• MiMira gestorumra gestorum
• FaFamuli tuorummuli tuorum
• SolSolve pollutive polluti
• LaLabi reatumbi reatum
• SanSanccte Ioanneste Ioannes
Que significa:Que significa:
"Para que nós, teus servos,"Para que nós, teus servos,
possamos elogiar claramentepossamos elogiar claramente
o milagre e a força dos teus atos,o milagre e a força dos teus atos,
absolve nossos lábios impuros, São João"absolve nossos lábios impuros, São João"
Aparece as notas Dó e SiAparece as notas Dó e Si
• O sistema de Guido d'Arezzo sofreu algumas pequenasO sistema de Guido d'Arezzo sofreu algumas pequenas
transformações no decorrer do tempo: a notatransformações no decorrer do tempo: a nota UtUt passou apassou a
ser chamada deser chamada de DóDó, derivando de, derivando de DoDominus (Senhor, em latim)minus (Senhor, em latim)
e a notae a nota SanSan passou a ser chamada depassou a ser chamada de sisi (por serem as inicias(por serem as inicias
em latim de São João:em latim de São João: SSancte Ioannesancte Ioannes), enquanto que a pauta), enquanto que a pauta
ganhou linhas e espaços a mais, embora sua essência continueganhou linhas e espaços a mais, embora sua essência continue
a mesma.a mesma.
As notas no pentagrama
Observe as notas no pentagrama e decore, é o único caminho!!Observe as notas no pentagrama e decore, é o único caminho!!
Escreva várias vezes, copie escrevendo as notas, use esta referência como umEscreva várias vezes, copie escrevendo as notas, use esta referência como um
manual, pois, sempre será este nome!!!manual, pois, sempre será este nome!!!
Figuras de notas musicais
Valores ou figuras musicais são símbolos que representam o tempo deValores ou figuras musicais são símbolos que representam o tempo de
duração das notas musicais. São também chamados de valores positivos.duração das notas musicais. São também chamados de valores positivos.
E foram feitas por ordem decrescente de duração. Elas são: semibreve,E foram feitas por ordem decrescente de duração. Elas são: semibreve,
mínima, semínima, colcheia, semicolcheia, fusa e semifusa. A duraçãomínima, semínima, colcheia, semicolcheia, fusa e semifusa. A duração
real (medida em segundos) de uma nota depende da fórmula de compassoreal (medida em segundos) de uma nota depende da fórmula de compasso
e do andamento utilizado. Isso significa que a mesma nota pode sere do andamento utilizado. Isso significa que a mesma nota pode ser
executada com duração diferente em peças diferentes ou mesmo dentroexecutada com duração diferente em peças diferentes ou mesmo dentro
da mesma música, caso haja uma mudança de andamento.da mesma música, caso haja uma mudança de andamento.
Os tipos de Figuras
• Essas figuras representam notas a serem tocadas e/ou cantadasEssas figuras representam notas a serem tocadas e/ou cantadas
Cada nota tem metade da duração da anterior. Se pretendermosCada nota tem metade da duração da anterior. Se pretendermos
representar uma nota de umrepresentar uma nota de um tempo e meiotempo e meio (por exemplo, o tempo de uma(por exemplo, o tempo de uma
mínima acrescentado ao de uma colcheia) usa-se um ponto a seguir à nota.mínima acrescentado ao de uma colcheia) usa-se um ponto a seguir à nota.
A representação das pausas
• Pausas - representam oPausas - representam o silênciosilêncio, isto é, o tempo em que o instrumento não, isto é, o tempo em que o instrumento não
produz som nenhum, sendo chamados deproduz som nenhum, sendo chamados de valores negativosvalores negativos. As pausas se. As pausas se
subdividem também como as notas em termos de duração. Cada pausa dura osubdividem também como as notas em termos de duração. Cada pausa dura o
mesmo tempo relativo que sua nota correspondente, ou seja, a pausa mais longamesmo tempo relativo que sua nota correspondente, ou seja, a pausa mais longa
corresponde exatamente à duração de uma semibreve. A correspondência écorresponde exatamente à duração de uma semibreve. A correspondência é
feita na seguinte ordem:feita na seguinte ordem:
• Os nomes das figuras são os mesmo das notas tocadasOs nomes das figuras são os mesmo das notas tocadas
Definição de compasso
• Na notação musical, um compasso é uma forma de dividir quantizadamente emNa notação musical, um compasso é uma forma de dividir quantizadamente em
grupos os sons de uma composição musical, com base em pulsos e repousos.grupos os sons de uma composição musical, com base em pulsos e repousos.
Muitos estilos musicais tradicionais já presumem um determinado compasso, aMuitos estilos musicais tradicionais já presumem um determinado compasso, a
valsa, por exemplo, tem o compasso 3/4 e o rock tipicamente usa os compassosvalsa, por exemplo, tem o compasso 3/4 e o rock tipicamente usa os compassos
4/4 ou 12/8.4/4 ou 12/8.
• Os compassos facilitam a execução musical, ao definir a unidade de tempo, oOs compassos facilitam a execução musical, ao definir a unidade de tempo, o
pulso e o ritmo da composição ou de partes dela. Os compassos são divididos napulso e o ritmo da composição ou de partes dela. Os compassos são divididos na
partitura a partir de linhas verticais desenhadas sobre a pauta. A soma dospartitura a partir de linhas verticais desenhadas sobre a pauta. A soma dos
valores temporais das notas e pausas dentro de um compasso deve ser igual àvalores temporais das notas e pausas dentro de um compasso deve ser igual à
duração definida pela fórmula de compasso.duração definida pela fórmula de compasso.
Fórmula de compasso
• A fórmula de compasso é escrita no início da composição ou de cada uma de suas seções eA fórmula de compasso é escrita no início da composição ou de cada uma de suas seções e
quando ocorre mudança de fórmula durante a música (nesse caso esta mudança é escritaquando ocorre mudança de fórmula durante a música (nesse caso esta mudança é escrita
diretamente no compasso que tem a nova duração).diretamente no compasso que tem a nova duração).
• Certas composições podem ter uma estrutura rítmica que alterna fórmulas de compassoCertas composições podem ter uma estrutura rítmica que alterna fórmulas de compasso
de uma forma sempre igual. Neste caso, todas as fórmulas podem ser indicadas no iníciode uma forma sempre igual. Neste caso, todas as fórmulas podem ser indicadas no início
da partitura ou da seção correspondente.da partitura ou da seção correspondente.
• A escolha da fórmula de compasso permite determinar uma pulsação à música. CadaA escolha da fórmula de compasso permite determinar uma pulsação à música. Cada
pulsação, oupulsação, ou tempotempo, tem a mesma duração. Geralmente o primeiro tempo de um compasso, tem a mesma duração. Geralmente o primeiro tempo de um compasso
é tocado de forma mais forte ou mais acentuada. Em alguns tipos de compasso, existeé tocado de forma mais forte ou mais acentuada. Em alguns tipos de compasso, existe
ainda um tempo com intensidade intermediária. Esta alternância de pulsos fortes eainda um tempo com intensidade intermediária. Esta alternância de pulsos fortes e
fracos cria uma sensação de repetição ou circularidade. Existem composições que nãofracos cria uma sensação de repetição ou circularidade. Existem composições que não
apresentam ritmo perceptível, chamadas composições comapresentam ritmo perceptível, chamadas composições com tempo livretempo livre. Para estas não é. Para estas não é
necessário utilizar fórmulas ou linhas de compasso na partitura.necessário utilizar fórmulas ou linhas de compasso na partitura.
Fórmula de Compasso Simples
2 3 4 5 72 3 4 5 7
2 4 8 16 32 642 4 8 16 32 64
O número de cima representa o tempo musical porO número de cima representa o tempo musical por
compasso (uma barra divisória do tempo l l )compasso (uma barra divisória do tempo l l )
O número de baixo representa a figura que vale umO número de baixo representa a figura que vale um
tempo dentro do compasso.tempo dentro do compasso.
22
44
77
44
33
44
Compasso misto
Subdividido por 2Subdividido por 2
Fórmula de Compasso Composto
6 9 12 15 216 9 12 15 21
2 4 8 16 32 642 4 8 16 32 64
O número de cima representa o tempo musical porO número de cima representa o tempo musical por
compasso (uma barra divisória do tempo l l )compasso (uma barra divisória do tempo l l )
66
88
99
88
1515
44
Subdividido por 3Subdividido por 3
O número de baixo representa a figura que vale umO número de baixo representa a figura que vale um
tempo dentro do compasso.tempo dentro do compasso.
Compasso misto
Fórmula de compasso contemporâneo
2+6 17 14 8 –2+6 17 14 8 – pode-se qualquer numeropode-se qualquer numero
fora das fórmulas anteriores ou mesmo misturadafora das fórmulas anteriores ou mesmo misturada
2 4 8 16 32 642 4 8 16 32 64
2+72+7
44
7+17+1
11
1616
1111
88
O numerador tem uma liberdade total, pode-se usarO numerador tem uma liberdade total, pode-se usar
qualquer número e explorações nunca feitasqualquer número e explorações nunca feitas
Subdivisão livre e misturadaSubdivisão livre e misturada
1616
44
O número de baixo representa a figura que vale umO número de baixo representa a figura que vale um
tempo dentro do compasso.tempo dentro do compasso.
Acidentes fixos e ocorrentes
• Imagine você sair num dia de chuva com um fusca ano 63, pneu careca, motor deImagine você sair num dia de chuva com um fusca ano 63, pneu careca, motor de
arranque falhando, carburador vazando gasolina, e uma série de problemas dearranque falhando, carburador vazando gasolina, e uma série de problemas de
ordem mecânica. O que se espera de uma carro assim? Haver um acidente daordem mecânica. O que se espera de uma carro assim? Haver um acidente da
hora que sair, não é mesmo? Então chamaremos isto, de umhora que sair, não é mesmo? Então chamaremos isto, de um Acidente fixoAcidente fixo..
• Agora imagine sair no mesmo dia com uma carro importado, O km rodados, noAgora imagine sair no mesmo dia com uma carro importado, O km rodados, no
plástico, totalmente novos e uso. O que se espera deste carro? Não acontecerplástico, totalmente novos e uso. O que se espera deste carro? Não acontecer
nada, mas acontece um problema não esperado, chamaremos esta situação denada, mas acontece um problema não esperado, chamaremos esta situação de
AAcidente ocorrentecidente ocorrente..
Em música temos os acidentes
Os acidentes em música são:Os acidentes em música são:
• SustenidoSustenido
• BequadroBequadro
• BemolBemol
• Dobrado sustenidoDobrado sustenido
• Dobrado bemolDobrado bemol
• Dobrado Bequadro –Dobrado Bequadro – dois juntosdois juntos
• Acidentes fixosAcidentes fixos – quando aparecem no começo da partitura
• Acidentes ocorrentesAcidentes ocorrentes – quando aparecem no decorrer da peça
Expressão em música
• Expressão, em música, é o conjunto de todas as características de umaExpressão, em música, é o conjunto de todas as características de uma
composição musical que podem variar de acordo com a interpretação. Emcomposição musical que podem variar de acordo com a interpretação. Em
geral, a expressão engloba variações de andamento (cinética musical) e degeral, a expressão engloba variações de andamento (cinética musical) e de
intensidade (dinâmica musical), bem como a forma com que as notas sãointensidade (dinâmica musical), bem como a forma com que as notas são
tocadas individualmente (acentuação - staccatto, tenuto, legato) ou emtocadas individualmente (acentuação - staccatto, tenuto, legato) ou em
conjunto (articulação ou fraseado). Em geral, o compositor da obra musicalconjunto (articulação ou fraseado). Em geral, o compositor da obra musical
fornece na partitura todas as indicações da execução esperada, mas doisfornece na partitura todas as indicações da execução esperada, mas dois
intérpretes nunca executarão a música da mesma forma. Mesmo entre duasintérpretes nunca executarão a música da mesma forma. Mesmo entre duas
execuções pelo mesmo intérprete, podem ocorrer pequenas variações. Essasexecuções pelo mesmo intérprete, podem ocorrer pequenas variações. Essas
variações não são falhas; ao contrário, são esperadas, e é a expressão quevariações não são falhas; ao contrário, são esperadas, e é a expressão que
diferencia uma execução mecânica, excessivamente precisa, de uma boadiferencia uma execução mecânica, excessivamente precisa, de uma boa
interpretação, que consegue transmitir as emoções planejadas pelointerpretação, que consegue transmitir as emoções planejadas pelo
compositor e também as do próprio intérprete.compositor e também as do próprio intérprete.
Marcas de expressão na partitura
• Na notação musical existe um conjunto de indicações de expressão que,Na notação musical existe um conjunto de indicações de expressão que,
combinadas, permitem ao intérprete conhecer a intenção do compositor aocombinadas, permitem ao intérprete conhecer a intenção do compositor ao
criar determinada peça musical. Obviamente, o intérprete pode ignorarcriar determinada peça musical. Obviamente, o intérprete pode ignorar
essas indicações e executar a música de outra forma, mas as marcas sãoessas indicações e executar a música de outra forma, mas as marcas são
bastante úteis quando se deseja conseguir a interpretação mais próxima dobastante úteis quando se deseja conseguir a interpretação mais próxima do
original. Geralmente, as indicações de expressão são utilizadas junto àoriginal. Geralmente, as indicações de expressão são utilizadas junto à
indicação de andamento no início da composição, do movimento ou de umaindicação de andamento no início da composição, do movimento ou de uma
seção, e fornecem uma indicação genérica doseção, e fornecem uma indicação genérica do climaclima que deve dominar aque deve dominar a
execução. Essas indicações são apresentadas freqüentemente junto àexecução. Essas indicações são apresentadas freqüentemente junto à
indicação de andamento, mas também podem ocorrer isoladamente. Como aindicação de andamento, mas também podem ocorrer isoladamente. Como a
maior parte dos termos da notação musical, as marcas de expressão sãomaior parte dos termos da notação musical, as marcas de expressão são
grafadas em italiano.grafadas em italiano.
Termos comuns de expressão
TermoTermo SignificadoSignificado Andamentos mais freqüentesAndamentos mais freqüentes
AffettuosoAffettuoso com afeto, com sentimentocom afeto, com sentimento andante, adagio, largoandante, adagio, largo
Con brioCon brio ouou Con SpiritoCon Spirito com vigor, com espíritocom vigor, com espírito allegro, moderato, andanteallegro, moderato, andante
CantabileCantabile cantando, lírico, levecantando, lírico, leve allegro, moderato, andanteallegro, moderato, andante
VivaceVivace vivo (leve e rápido)vivo (leve e rápido) allegroallegro
MaestosoMaestoso majestoso (notas bem marcadas)majestoso (notas bem marcadas) andante, adagioandante, adagio
DolceDolce doce (leve e com sentimento)doce (leve e com sentimento) moderato, andante, adagiomoderato, andante, adagio
AgitatoAgitato agitado (rápido e dramático)agitado (rápido e dramático) presto, allegro, allegrettopresto, allegro, allegretto
AnimatoAnimato animadoanimado presto, allegropresto, allegro
BruscamenteBruscamente brusco (muito marcado)brusco (muito marcado) allegro, prestoallegro, presto
Con amoreCon amore com amorcom amor moderato, andante, adagiomoderato, andante, adagio
Con fuocoCon fuoco com fogo (vivo e agressivo)com fogo (vivo e agressivo) allegro, prestoallegro, presto
ScherzandoScherzando brincandobrincando allegro, andanteallegro, andante
Observação
• Em alguns casos, o andamento pode ser omitido e a expressão será usada com o andamentoEm alguns casos, o andamento pode ser omitido e a expressão será usada com o andamento
mais freqüente. Por exemplo,mais freqüente. Por exemplo, vivacevivace pode ser usado em vez depode ser usado em vez de allegro vivaceallegro vivace; ou; ou maestosomaestoso,,
em vez deem vez de andante maestosoandante maestoso..
• Todas essas expressões podem ser reforçadas ou abrandadas pelas seguintes marcas:Todas essas expressões podem ser reforçadas ou abrandadas pelas seguintes marcas:
• MoltoMolto - muito (ex.:- muito (ex.: allegro molto cantabileallegro molto cantabile - rápido muito cantado)- rápido muito cantado) AssaiAssai - muito (ex.:- muito (ex.:
allegro assaiallegro assai - muito rápido)- muito rápido) PocoPoco - um pouco (ex.:- um pouco (ex.: allegro poco agitatoallegro poco agitato - rápido, um pouco- rápido, um pouco
agitado)agitado) ma non troppoma non troppo - mas não muito - em geral se usa com allegro: rápido, mas não- mas não muito - em geral se usa com allegro: rápido, mas não
muito.muito.
Outros termos
• AccelerandoAccelerando ou, abreviadamente,ou, abreviadamente, accel.accel. - acelera o andamento. A música se torna- acelera o andamento. A música se torna
gradativamente mais rápida ao longo dessa marca (em geral, a duração da alteração égradativamente mais rápida ao longo dessa marca (em geral, a duração da alteração é
indicada por uma chave ou por uma seqüência de pontos sob a pauta (indicada por uma chave ou por uma seqüência de pontos sob a pauta (accelaccel. . . . . . .). Ao. . . . . . .). Ao
final, pode ser estabelecido um novo andamento (por exemplo, definal, pode ser estabelecido um novo andamento (por exemplo, de andanteandante pode acelerarpode acelerar
atéaté allegroallegro e permanecer no novo andamento).e permanecer no novo andamento). RitardandoRitardando ouou rallentandorallentando - diminui o- diminui o
andamento. A música se torna gradativamente mais lenta ao longo dessa marca (em geral, aandamento. A música se torna gradativamente mais lenta ao longo dessa marca (em geral, a
duração da alteração é indicada por uma chave ou por uma seqüência de pontos sob a pautaduração da alteração é indicada por uma chave ou por uma seqüência de pontos sob a pauta
((rallrall. . . . . . .). Ao final, pode ser estabelecido um novo andamento (por exemplo, de. . . . . . .). Ao final, pode ser estabelecido um novo andamento (por exemplo, de allegroallegro
pode ralentar atépode ralentar até andanteandante).). A tempoA tempo ouou Tempo primoTempo primo - o andamento volta ao pulso inicial- o andamento volta ao pulso inicial
da música ou movimento.da música ou movimento. Tempo rubattoTempo rubatto - literalmente, tempo roubado. A música é- literalmente, tempo roubado. A música é
executada com pequenas variações de andamento ao longo do fraseado. O intérpreteexecutada com pequenas variações de andamento ao longo do fraseado. O intérprete
escolhe a extensão da variação de acordo com o efeito desejado.escolhe a extensão da variação de acordo com o efeito desejado.
Dinâmica musical
• DinâmicaDinâmica é a variação de intensidade sonora, ou volume, ao longo da música. Em conjuntoé a variação de intensidade sonora, ou volume, ao longo da música. Em conjunto
com as marcas de expressão inicial e com as variações de andamento, pode fornecer grandecom as marcas de expressão inicial e com as variações de andamento, pode fornecer grande
expressividade à música. Por exemplo, na abertura da ópera Guilherme Tell, de Rossini, aexpressividade à música. Por exemplo, na abertura da ópera Guilherme Tell, de Rossini, a
canção se inicia lenta e doce. Um tema pastoril é tocado em baixa intensidade. Aos poucoscanção se inicia lenta e doce. Um tema pastoril é tocado em baixa intensidade. Aos poucos
cresce e acelera, tornando-se cada vez mais agitada e forte. Esse efeito é usado paracresce e acelera, tornando-se cada vez mais agitada e forte. Esse efeito é usado para
simular a chegada de uma tempestade, que após o seu clímax, tocado emsimular a chegada de uma tempestade, que após o seu clímax, tocado em fortíssimofortíssimo e eme em
andamento acelerado, volta a diminuir até tornar-se calmo e leve como o tema do início.andamento acelerado, volta a diminuir até tornar-se calmo e leve como o tema do início.
"Depois da tempestade a bonança retorna". Sem a variação do andamento e a dinâmica,"Depois da tempestade a bonança retorna". Sem a variação do andamento e a dinâmica,
seria impossível transmitir essa imagem.seria impossível transmitir essa imagem.
As figuras de dinâmica
• SforzandoSforzando
Denota um aumento súbito de intensidade.Denota um aumento súbito de intensidade.
• CrescendoCrescendo
Um crescimento gradual do volume. Essa marca pode serUm crescimento gradual do volume. Essa marca pode ser
estendida ao longo de muitas notas para indicar que oestendida ao longo de muitas notas para indicar que o
volume cresce gradualmente ao longo da frase musical.volume cresce gradualmente ao longo da frase musical.
• DiminuendoDiminuendo
Uma diminuição gradual do volume. Pode ser estendidaUma diminuição gradual do volume. Pode ser estendida
como ocomo o crescendocrescendo..
• pppppp - molto pianissimo – muito suavíssimo- molto pianissimo – muito suavíssimo
• pppp -- pianissimo – suavíssimopianissimo – suavíssimo
• pp - piano - suave- piano - suave
• fpfp - mezzo - forte - meio forte- mezzo - forte - meio forte
• ff - forte - forte- forte - forte
• ffff -- fortissimo - fortíssimofortissimo - fortíssimo
• ffffff - molto fortissimo - muito fortíssimo- molto fortissimo - muito fortíssimo
Articulação e acentuação
• Em música devemos unir as notas em pequenos grupos que formam uma idéiaEm música devemos unir as notas em pequenos grupos que formam uma idéia
musical completa. Esses grupos são chamadosmusical completa. Esses grupos são chamados frasesfrases, e a forma como as frases, e a forma como as frases
são dispostas ao longo da música é chamadasão dispostas ao longo da música é chamada fraseadofraseado..
• O que permite distinguir as frases na música é a ligação ou separação de cadaO que permite distinguir as frases na música é a ligação ou separação de cada
nota em relação às notas vizinhas. O executante pode inferir o fraseado durantenota em relação às notas vizinhas. O executante pode inferir o fraseado durante
o estudo da obra, mas quando o compositor deseja transmitir com precisão oo estudo da obra, mas quando o compositor deseja transmitir com precisão o
fraseado desejado, ele pode usar marcas de articulação ou de acentuação.fraseado desejado, ele pode usar marcas de articulação ou de acentuação.
Analisando e percebendo os
termos na partitura
Fórmula de compassoFórmula de compasso
compostocomposto
Partitura paraPartitura para
Instrumento SoloInstrumento Solo
7 compassos de silêncio7 compassos de silêncio
Doce comDoce com
muita expressãomuita expressão
Pausa de 2 temposPausa de 2 tempos
decrescendodecrescendo
e ire ir
crescendocrescendo
Linha da MelodiaLinha da Melodia
Clave de SolClave de Sol
Meio forteMeio forte
depoisdepois
SuaveSuave
LigaduraLigadura
Meio suave e crescendoMeio suave e crescendo
acentuaçãoacentuação
4 compassos4 compassos
de silênciode silêncio
Analisando outra peça
Partitura paraPartitura para
Piano SoloPiano Solo
Fórmula deFórmula de
compassocompasso
simplessimples
VelocidadeVelocidade
moderadamoderada
Fermata – segura mais tempo a notaFermata – segura mais tempo a nota
forteforte
ligaduraligadura
MudouMudou
para clavepara clave
de fáde fá
sforçandosforçando
StaccatoStaccato MudouMudou
para clavepara clave
de sol novamentede sol novamente
trinadotrinado
forteforte
StaccatoStaccato
e acentoe acento
Símbolo padrãoSímbolo padrão
de pianode piano
suavíssimosuavíssimo
PausaPausa
De 4 temposDe 4 tempos
Meio suaveMeio suave
PausaPausa
Meio tempoMeio tempo
Suave e crescendoSuave e crescendo
QuiálteraQuiáltera
Dobrado sustenidoDobrado sustenido
ligaduraligadura
A EscritaA Escrita
instrumentalinstrumental
ParaPara
Piano e VozPiano e Voz
Tente observar eTente observar e
perceber os símbolos!perceber os símbolos!
A Escrita instrumental ParaA Escrita instrumental Para
Piano quarteto de CordasPiano quarteto de Cordas
Tente observar e perceber os símbolos!Tente observar e perceber os símbolos!
A Escrita de Hinário protestanteA Escrita de Hinário protestante
para vozespara vozes
Tente observar e perceber os símbolos!Tente observar e perceber os símbolos!
A Escrita de Hinário protestanteA Escrita de Hinário protestante
para vozespara vozes
Tente observar e perceber os símbolos!Tente observar e perceber os símbolos!
Para ler a partitura precisa de treino
• Ler partitura é um mundo de conhecimentos, são muitas
informações a serem codificadas, e precisa de constante
estudo e visualização, precisa olhar, pesquisar, e observar.
• Este é somente o início do pensar musical, sei, não é fácil,
mas, você consegue, é uma tarefa longa e prazerosa, que ao
final você estará sabendo cada vez mais estes sinais!
• Além de tudo precisa tocar ou cantartocar ou cantar, sempre, Amém!
Denis NogueiraDenis Nogueira
Fonte: trechos http://pt.wikipedia.org/wiki/NotaFonte: trechos http://pt.wikipedia.org/wiki/Nota

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2
Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2
Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2Henrique Antunes
 
Metodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccb
Metodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccbMetodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccb
Metodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccbPedro Piê
 
Powerpoint aula facul, violão
Powerpoint aula facul, violãoPowerpoint aula facul, violão
Powerpoint aula facul, violãouscusc
 
Apostila infantil - Teoria Musical
Apostila infantil - Teoria MusicalApostila infantil - Teoria Musical
Apostila infantil - Teoria MusicalED FOGAÇA
 
Caderno de exercicios_mts_-_respondido
Caderno de exercicios_mts_-_respondidoCaderno de exercicios_mts_-_respondido
Caderno de exercicios_mts_-_respondidojoilsonmaciel
 
Método de estudo para flauta transversal
Método de estudo para flauta transversalMétodo de estudo para flauta transversal
Método de estudo para flauta transversalPartitura de Banda
 
metodo Teoria musical
metodo Teoria musicalmetodo Teoria musical
metodo Teoria musicalSaulo Gomes
 
Apostila de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge Nobre
Apostila  de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge NobreApostila  de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge Nobre
Apostila de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge NobrePartitura de Banda
 
Teclado curso completo - como tocar teclado - rafael harduim
Teclado   curso completo - como tocar teclado - rafael harduimTeclado   curso completo - como tocar teclado - rafael harduim
Teclado curso completo - como tocar teclado - rafael harduimjoelsonmoreira
 
Curso de teclado
Curso de tecladoCurso de teclado
Curso de tecladoNeo Vader
 
Aprendendo a ler partituras
Aprendendo a ler partiturasAprendendo a ler partituras
Aprendendo a ler partiturasAVRIL111
 
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal nilson ...
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal   nilson ...Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal   nilson ...
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal nilson ...Partitura de Banda
 

Mais procurados (20)

Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2
Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2
Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2
 
Curso de teoria musical
Curso de teoria musicalCurso de teoria musical
Curso de teoria musical
 
Apostilas Conservatório
Apostilas ConservatórioApostilas Conservatório
Apostilas Conservatório
 
Prova de teoria final 50
Prova de teoria final   50Prova de teoria final   50
Prova de teoria final 50
 
Metodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccb
Metodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccbMetodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccb
Metodo de teoria musical elementar e solfejo e bona ccb
 
Powerpoint aula facul, violão
Powerpoint aula facul, violãoPowerpoint aula facul, violão
Powerpoint aula facul, violão
 
Abc musical
Abc musicalAbc musical
Abc musical
 
Apostila infantil - Teoria Musical
Apostila infantil - Teoria MusicalApostila infantil - Teoria Musical
Apostila infantil - Teoria Musical
 
Apostila de Violão - Grupo SIM
Apostila de Violão - Grupo SIMApostila de Violão - Grupo SIM
Apostila de Violão - Grupo SIM
 
Caderno de exercicios_mts_-_respondido
Caderno de exercicios_mts_-_respondidoCaderno de exercicios_mts_-_respondido
Caderno de exercicios_mts_-_respondido
 
Método de estudo para flauta transversal
Método de estudo para flauta transversalMétodo de estudo para flauta transversal
Método de estudo para flauta transversal
 
Apostila de violão - Módulo Iniciante
Apostila de violão - Módulo InicianteApostila de violão - Módulo Iniciante
Apostila de violão - Módulo Iniciante
 
metodo Teoria musical
metodo Teoria musicalmetodo Teoria musical
metodo Teoria musical
 
Apostila de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge Nobre
Apostila  de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge NobreApostila  de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge Nobre
Apostila de teoria musical - Princípios básicos da música - Jorge Nobre
 
Teclado curso completo - como tocar teclado - rafael harduim
Teclado   curso completo - como tocar teclado - rafael harduimTeclado   curso completo - como tocar teclado - rafael harduim
Teclado curso completo - como tocar teclado - rafael harduim
 
Curso de teclado
Curso de tecladoCurso de teclado
Curso de teclado
 
Novo bona ccb
Novo bona ccbNovo bona ccb
Novo bona ccb
 
Aprendendo a ler partituras
Aprendendo a ler partiturasAprendendo a ler partituras
Aprendendo a ler partituras
 
Escalas maiores e menores
Escalas maiores e menoresEscalas maiores e menores
Escalas maiores e menores
 
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal nilson ...
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal   nilson ...Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal   nilson ...
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal nilson ...
 

Destaque

Como ler partituras
Como ler partiturasComo ler partituras
Como ler partiturasElvis Live
 
Apostila como ler partituras
Apostila como ler partiturasApostila como ler partituras
Apostila como ler partiturasmarciomir
 
Vamos tocar flauta doce vol 1 helle tirler
Vamos tocar flauta doce vol 1   helle tirlerVamos tocar flauta doce vol 1   helle tirler
Vamos tocar flauta doce vol 1 helle tirlerAngélica Dos Santos
 
Teclado Casamento Natal Partituras (Http Www.Bandademusica Horizonte.Com )
Teclado Casamento Natal Partituras (Http   Www.Bandademusica Horizonte.Com )Teclado Casamento Natal Partituras (Http   Www.Bandademusica Horizonte.Com )
Teclado Casamento Natal Partituras (Http Www.Bandademusica Horizonte.Com )HOME
 
Apresentação Oral de Português - Violino
Apresentação Oral de Português - Violino Apresentação Oral de Português - Violino
Apresentação Oral de Português - Violino sluddys
 
Caderno de exercicios flauta
Caderno de exercicios flautaCaderno de exercicios flauta
Caderno de exercicios flautaDyego Fernandes
 
Fisica do violino (www.sheetmusic-violin.blogspot.com)
Fisica do violino (www.sheetmusic-violin.blogspot.com)Fisica do violino (www.sheetmusic-violin.blogspot.com)
Fisica do violino (www.sheetmusic-violin.blogspot.com)William Soph
 
Estudos terceira posição
Estudos terceira posiçãoEstudos terceira posição
Estudos terceira posiçãoClaudineiCamara
 
Metodo de violino kreutzer, rodophe - 42 estudos e caprich
Metodo de violino   kreutzer, rodophe - 42 estudos e caprichMetodo de violino   kreutzer, rodophe - 42 estudos e caprich
Metodo de violino kreutzer, rodophe - 42 estudos e caprichJoelliton Oliveira
 
DOWNLOAD-Hans sitt 100 studies 1 st position violino
DOWNLOAD-Hans sitt 100 studies 1 st position   violinoDOWNLOAD-Hans sitt 100 studies 1 st position   violino
DOWNLOAD-Hans sitt 100 studies 1 st position violinoLeandro Meira da Silva
 
Metodo para violino schmoll - (brasil)
Metodo para violino   schmoll - (brasil)Metodo para violino   schmoll - (brasil)
Metodo para violino schmoll - (brasil)Joelliton Oliveira
 
Metodo violino otaniel_vol01
Metodo violino otaniel_vol01Metodo violino otaniel_vol01
Metodo violino otaniel_vol01ClaudineiCamara
 
MÉTODO DE VIOLINO - Lambert ribeiro
MÉTODO DE VIOLINO - Lambert ribeiroMÉTODO DE VIOLINO - Lambert ribeiro
MÉTODO DE VIOLINO - Lambert ribeirorpimenta2
 
Suzuki metodo de violino - vol. 1-2-3-4-5
Suzuki   metodo de violino - vol. 1-2-3-4-5Suzuki   metodo de violino - vol. 1-2-3-4-5
Suzuki metodo de violino - vol. 1-2-3-4-5Marcos4ss
 
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!Priscila Alencastre
 
Caderno de exercicios mts (2)
Caderno de exercicios mts (2)Caderno de exercicios mts (2)
Caderno de exercicios mts (2)Eliel Mariano
 
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisadoMTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisadocreito cezares
 

Destaque (20)

Como ler partituras
Como ler partiturasComo ler partituras
Como ler partituras
 
Apostila como ler partituras
Apostila como ler partiturasApostila como ler partituras
Apostila como ler partituras
 
Vamos tocar flauta doce vol 1 helle tirler
Vamos tocar flauta doce vol 1   helle tirlerVamos tocar flauta doce vol 1   helle tirler
Vamos tocar flauta doce vol 1 helle tirler
 
Metodo livre para flauta doce
Metodo livre para flauta doceMetodo livre para flauta doce
Metodo livre para flauta doce
 
Teclado Casamento Natal Partituras (Http Www.Bandademusica Horizonte.Com )
Teclado Casamento Natal Partituras (Http   Www.Bandademusica Horizonte.Com )Teclado Casamento Natal Partituras (Http   Www.Bandademusica Horizonte.Com )
Teclado Casamento Natal Partituras (Http Www.Bandademusica Horizonte.Com )
 
Apresentação Oral de Português - Violino
Apresentação Oral de Português - Violino Apresentação Oral de Português - Violino
Apresentação Oral de Português - Violino
 
Caderno de exercicios flauta
Caderno de exercicios flautaCaderno de exercicios flauta
Caderno de exercicios flauta
 
Fisica do violino (www.sheetmusic-violin.blogspot.com)
Fisica do violino (www.sheetmusic-violin.blogspot.com)Fisica do violino (www.sheetmusic-violin.blogspot.com)
Fisica do violino (www.sheetmusic-violin.blogspot.com)
 
Estudos terceira posição
Estudos terceira posiçãoEstudos terceira posição
Estudos terceira posição
 
Metodo de violino kreutzer, rodophe - 42 estudos e caprich
Metodo de violino   kreutzer, rodophe - 42 estudos e caprichMetodo de violino   kreutzer, rodophe - 42 estudos e caprich
Metodo de violino kreutzer, rodophe - 42 estudos e caprich
 
DOWNLOAD-Hans sitt 100 studies 1 st position violino
DOWNLOAD-Hans sitt 100 studies 1 st position   violinoDOWNLOAD-Hans sitt 100 studies 1 st position   violino
DOWNLOAD-Hans sitt 100 studies 1 st position violino
 
Metodo para violino schmoll - (brasil)
Metodo para violino   schmoll - (brasil)Metodo para violino   schmoll - (brasil)
Metodo para violino schmoll - (brasil)
 
Metodo violino otaniel_vol01
Metodo violino otaniel_vol01Metodo violino otaniel_vol01
Metodo violino otaniel_vol01
 
MÉTODO DE VIOLINO - Lambert ribeiro
MÉTODO DE VIOLINO - Lambert ribeiroMÉTODO DE VIOLINO - Lambert ribeiro
MÉTODO DE VIOLINO - Lambert ribeiro
 
Suzuki metodo de violino - vol. 1-2-3-4-5
Suzuki   metodo de violino - vol. 1-2-3-4-5Suzuki   metodo de violino - vol. 1-2-3-4-5
Suzuki metodo de violino - vol. 1-2-3-4-5
 
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
 
Caderno de exercicios mts (2)
Caderno de exercicios mts (2)Caderno de exercicios mts (2)
Caderno de exercicios mts (2)
 
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisadoMTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
 
Guri do nordeste
Guri do nordesteGuri do nordeste
Guri do nordeste
 

Semelhante a Aprendendo a ler partitura

Para um inicio de estudo na musica
Para um inicio de estudo na musicaPara um inicio de estudo na musica
Para um inicio de estudo na musicaferreirabruninho17
 
Gramatica Teoria Musical
Gramatica Teoria MusicalGramatica Teoria Musical
Gramatica Teoria MusicalHOME
 
Apostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdfApostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdfRenato Monteiro
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]vanalenne
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Jorge Oliveira
 
Apostila de teoria musical básica - Miguel Urtado
Apostila de teoria musical básica - Miguel UrtadoApostila de teoria musical básica - Miguel Urtado
Apostila de teoria musical básica - Miguel UrtadoPartitura de Banda
 
Apostila partituras 1_final
Apostila partituras 1_finalApostila partituras 1_final
Apostila partituras 1_finalElton Castro
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Luis Silva
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]patti_slip
 
Livro digital paulo zuben
Livro digital paulo zubenLivro digital paulo zuben
Livro digital paulo zubenRogerio Lima
 
Apostila partituras 1_final
Apostila partituras 1_finalApostila partituras 1_final
Apostila partituras 1_finalNando Costa
 
Apostila partituras 1_final
Apostila partituras 1_finalApostila partituras 1_final
Apostila partituras 1_finalRafael Marques
 
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
 Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdfGuilherme Pereira
 
2 aula notao_musical_e_digitao
2 aula notao_musical_e_digitao2 aula notao_musical_e_digitao
2 aula notao_musical_e_digitaoSaulo Gomes
 
Introdução ao estudo da teoria musical
Introdução ao estudo da teoria musicalIntrodução ao estudo da teoria musical
Introdução ao estudo da teoria musicalPartitura de Banda
 
Ler partituras
Ler partiturasLer partituras
Ler partiturasgraucio
 

Semelhante a Aprendendo a ler partitura (20)

Estudo Musica
Estudo MusicaEstudo Musica
Estudo Musica
 
Para um inicio de estudo na musica
Para um inicio de estudo na musicaPara um inicio de estudo na musica
Para um inicio de estudo na musica
 
Gramatica Teoria Musical
Gramatica Teoria MusicalGramatica Teoria Musical
Gramatica Teoria Musical
 
Apostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdfApostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdf
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]
 
Apostila de teoria musical básica - Miguel Urtado
Apostila de teoria musical básica - Miguel UrtadoApostila de teoria musical básica - Miguel Urtado
Apostila de teoria musical básica - Miguel Urtado
 
Apostila partituras 1_final
Apostila partituras 1_finalApostila partituras 1_final
Apostila partituras 1_final
 
Apostila teoria musical - Rose Andréia.pdf
Apostila teoria musical - Rose Andréia.pdfApostila teoria musical - Rose Andréia.pdf
Apostila teoria musical - Rose Andréia.pdf
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]
 
Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]Apostila de teoria musical [2[1].0]
Apostila de teoria musical [2[1].0]
 
Livro digital paulo zuben
Livro digital paulo zubenLivro digital paulo zuben
Livro digital paulo zuben
 
Apostila partituras 1_final
Apostila partituras 1_finalApostila partituras 1_final
Apostila partituras 1_final
 
Apostila partituras 1_final
Apostila partituras 1_finalApostila partituras 1_final
Apostila partituras 1_final
 
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
 Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
 
Teoria I.pptx
Teoria I.pptxTeoria I.pptx
Teoria I.pptx
 
Lendo partitura.docx
Lendo partitura.docxLendo partitura.docx
Lendo partitura.docx
 
2 aula notao_musical_e_digitao
2 aula notao_musical_e_digitao2 aula notao_musical_e_digitao
2 aula notao_musical_e_digitao
 
Introdução ao estudo da teoria musical
Introdução ao estudo da teoria musicalIntrodução ao estudo da teoria musical
Introdução ao estudo da teoria musical
 
Ler partituras
Ler partiturasLer partituras
Ler partituras
 

Último

Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 BrasilGoverno Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasillucasp132400
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 

Último (20)

Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 BrasilGoverno Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 

Aprendendo a ler partitura

  • 1. Aprendendo a ler partitura Conceitos Básicos daConceitos Básicos da Codificação dos símbolosCodificação dos símbolos musicaismusicais Prof. Denis Nogueira
  • 2. Partitura não é música! • A Partitura é uma série de sinais que representam música.A Partitura é uma série de sinais que representam música. Para um músico profissional, os sinais representam a músicaPara um músico profissional, os sinais representam a música na prática, na mente do músico ele é capaz de imaginar osna prática, na mente do músico ele é capaz de imaginar os sons, somente pelos símbolos.sons, somente pelos símbolos. • Interpretar os sinais é importante para se fazer música,Interpretar os sinais é importante para se fazer música, porém os símbolos não são suficientes para se representarporém os símbolos não são suficientes para se representar tudo que um compositor imagina numa peça.tudo que um compositor imagina numa peça.
  • 3. Escrita antiga antes do pentagrama Os neumas
  • 4.
  • 5.
  • 6. Pauta ou pentagrama: Definição • Pauta é o nome do conjunto de linhas utilizado para escreverPauta é o nome do conjunto de linhas utilizado para escrever as notas musicais de uma partitura, no sistema ocidental deas notas musicais de uma partitura, no sistema ocidental de notação musical. Atualmente a pauta contém 5 linhas e pornotação musical. Atualmente a pauta contém 5 linhas e por isso também é chamada às vezes deisso também é chamada às vezes de pentagramapentagrama..
  • 7. Um pouco de história • As pautas surgiram na idade média. Foram aperfeiçoadasAs pautas surgiram na idade média. Foram aperfeiçoadas por Guido D'Arezzo (por volta de 1.100 d.C.) parapor Guido D'Arezzo (por volta de 1.100 d.C.) para representar as alturas das notas musicais, suas duraçõesrepresentar as alturas das notas musicais, suas durações e no ensinamento musical. As primeiras pautas tinham umae no ensinamento musical. As primeiras pautas tinham uma única linha e eram colocadas sobre a letra da canção. Aúnica linha e eram colocadas sobre a letra da canção. A altura era representada pela distância das notas emaltura era representada pela distância das notas em relação à linha. Como isso não era muito preciso, o sistemarelação à linha. Como isso não era muito preciso, o sistema evoluiu gradativamente para uma pauta de quatro linhas,evoluiu gradativamente para uma pauta de quatro linhas, chamada dechamada de tetragramatetragrama..
  • 8. Surge o pentagrama No século XV, uma quinta linha foi adicionada e estaNo século XV, uma quinta linha foi adicionada e esta configuração é utilizada até hoje.configuração é utilizada até hoje.
  • 9. O pentagrama moderno Os símbolos das notas podem ser escritos sobre cada uma das cinco linhas ou dentroOs símbolos das notas podem ser escritos sobre cada uma das cinco linhas ou dentro dos quatro espaços da pauta. A altura das notas depende desta posição.dos quatro espaços da pauta. A altura das notas depende desta posição.
  • 10. As figuras na pauta, sem uma clave, não representam notas. É a clave queAs figuras na pauta, sem uma clave, não representam notas. É a clave que define as notas, as quais estabelecem um padrão de sons para a escritadefine as notas, as quais estabelecem um padrão de sons para a escrita Se precisarmos representar notas mais graves ou agudas doSe precisarmos representar notas mais graves ou agudas do que as nove notas representáveis nas linha ou espaços doque as nove notas representáveis nas linha ou espaços do pentagrama, utilizam-se linhas e espaços suplementares abaixopentagrama, utilizam-se linhas e espaços suplementares abaixo ou acima da pauta:ou acima da pauta:
  • 11. Tipos de claves:Tipos de claves: A Clave de solA Clave de sol juntamentejuntamente com a clave de fácom a clave de fá nana quarta linha é a mais utilizada na músicaquarta linha é a mais utilizada na música atualatual.. Com a posição mostrada na figura, a nota Sol-3 ocupa a segunda linha de baixoCom a posição mostrada na figura, a nota Sol-3 ocupa a segunda linha de baixo para cima, indicada pelo início do desenho (ponta da linha curva). Em algumas partituraspara cima, indicada pelo início do desenho (ponta da linha curva). Em algumas partituras antigas ou para fins de estudo, principalmente na França esta clave também pode ocuparantigas ou para fins de estudo, principalmente na França esta clave também pode ocupar a primeira linha, permitindo representar uma tessitura ligeiramente mais aguda.a primeira linha, permitindo representar uma tessitura ligeiramente mais aguda. Quando esta clave está na segunda linha, o dó central do piano ocupará a primeira linhaQuando esta clave está na segunda linha, o dó central do piano ocupará a primeira linha suplementar inferior. Por esta razão, esta clave é utilizada para representar a mãosuplementar inferior. Por esta razão, esta clave é utilizada para representar a mão direita em instrumentos de teclado. Utilizam esta clave, a maior parte dos instrumentosdireita em instrumentos de teclado. Utilizam esta clave, a maior parte dos instrumentos de madeira (flautas, clarinete, oboé), os metais mais agudos (trompete, trompa,de madeira (flautas, clarinete, oboé), os metais mais agudos (trompete, trompa, flugelhorn), bem como o violino, o violão e alguns instrumentos de percussão obedientesflugelhorn), bem como o violino, o violão e alguns instrumentos de percussão obedientes à série harmônica. As vozes mais agudas (Soprano e Contralto e tenor) também sãoà série harmônica. As vozes mais agudas (Soprano e Contralto e tenor) também são normalmente escritas em clavenormalmente escritas em clave de sol. Clave de solClave de sol
  • 12. Clave de FáClave de Fá • Nesta clave, a linha de referência é indicada pelos dois pontos e assume a nota Fá-2. ANesta clave, a linha de referência é indicada pelos dois pontos e assume a nota Fá-2. A posição mais frequente é a quarta linha. Com esta configuração, a nota Dó-3 do centralposição mais frequente é a quarta linha. Com esta configuração, a nota Dó-3 do central do piano ocupa a primeira linha suplementar superior. Por esta razão, costuma-se dizerdo piano ocupa a primeira linha suplementar superior. Por esta razão, costuma-se dizer que a clave de fá começa onde a de sol termina.que a clave de fá começa onde a de sol termina. • Esta clave é utilizada na escrita da mão esquerda dos instrumentos de teclado,Esta clave é utilizada na escrita da mão esquerda dos instrumentos de teclado, instrumentos de registro grave, como o violoncelo, o contrabaixo, o fagote e oinstrumentos de registro grave, como o violoncelo, o contrabaixo, o fagote e o trombone, bem como as vozes mais graves (barítono e baixo).trombone, bem como as vozes mais graves (barítono e baixo). • Também é possível escrever a clave de fá na terceira linha, possibilitando um registroTambém é possível escrever a clave de fá na terceira linha, possibilitando um registro ligeiramente mais agudo. No passado esta clave era utilizada para o barítono, mas seuligeiramente mais agudo. No passado esta clave era utilizada para o barítono, mas seu uso na música atual é raro.uso na música atual é raro.
  • 13. Clave de DoClave de Do • A nota Dó-3 é indicada pelo centro da figura (o encontro entre os duas letraA nota Dó-3 é indicada pelo centro da figura (o encontro entre os duas letra C invertidos). Originalmente a clave de dó foi criada para representar asC invertidos). Originalmente a clave de dó foi criada para representar as vozes humanas. Cada voz era escrita com a clave de dó em uma das linhas. Ovozes humanas. Cada voz era escrita com a clave de dó em uma das linhas. O altoalto era representado com a clave na terceira linha, oera representado com a clave na terceira linha, o tenortenor na quarta linha ena quarta linha e oo mezzo-sopranomezzo-soprano era representado com a clave de Dó na segunda linha. Esteera representado com a clave de Dó na segunda linha. Este uso se tornou cada vez menos frequente e esta clave foi substituída pelas deuso se tornou cada vez menos frequente e esta clave foi substituída pelas de sol para as vozes mais agudas e a de fá para as mais graves. Hoje em dia, asol para as vozes mais agudas e a de fá para as mais graves. Hoje em dia, a posição mais frequente é a mostrada na figura, com o dó na terceira linha,posição mais frequente é a mostrada na figura, com o dó na terceira linha, representando uma tessitura média, exatamente entre as de sol e fá. Umrepresentando uma tessitura média, exatamente entre as de sol e fá. Um dos únicos instrumentos a utilizar esta clave na sua escrita normal é a viola.dos únicos instrumentos a utilizar esta clave na sua escrita normal é a viola. Esta clave também pode aparecer ocasionalmente em passagens mais agudasEsta clave também pode aparecer ocasionalmente em passagens mais agudas do trombone. Seu uso vocal ainda é utilizado quando são utilizadas partiturasdo trombone. Seu uso vocal ainda é utilizado quando são utilizadas partituras antigas.antigas.
  • 14. Clave de percussãoClave de percussão • Esta clave não tem o mesmo uso das demais. Sua utilização não permiteEsta clave não tem o mesmo uso das demais. Sua utilização não permite determinar a altura das linhas e espaços da pauta. Serve apenas para indicar quedeterminar a altura das linhas e espaços da pauta. Serve apenas para indicar que a clave será utilizada para representar instrumentos de percussão de altura nãoa clave será utilizada para representar instrumentos de percussão de altura não determinada, como uma bateria, um tambor ou um conjunto de congas. Nestedeterminada, como uma bateria, um tambor ou um conjunto de congas. Neste caso as notas são posicionadas arbitrariamente na pauta, indicando apenas ascaso as notas são posicionadas arbitrariamente na pauta, indicando apenas as alturas relativas. Por exemplo em uma bateria, o bumbo pode ser representadoalturas relativas. Por exemplo em uma bateria, o bumbo pode ser representado na primeira linha por ser o tambor mais grave e um chimbal pode estar em umana primeira linha por ser o tambor mais grave e um chimbal pode estar em uma das linhas mais altas por se tratar de instrumento mais agudo.das linhas mais altas por se tratar de instrumento mais agudo. • Os instrumentos de percussão afináveis utilizam notação com as clavesOs instrumentos de percussão afináveis utilizam notação com as claves melódicas. Os tímpanos por exemplo são escritos na clave de fá.melódicas. Os tímpanos por exemplo são escritos na clave de fá.
  • 15. Os Nome das Notas Os nomes que conhecemos hoje: dó, ré, mi, fá, sol, lá e si, baseando-se em um textoOs nomes que conhecemos hoje: dó, ré, mi, fá, sol, lá e si, baseando-se em um texto sagrado em latim, cantado pelas crianças do coral para que São João ossagrado em latim, cantado pelas crianças do coral para que São João os protegesse da rouquidão:protegesse da rouquidão: • UtUtqueant laxisqueant laxis • ReResonare fibrissonare fibris • MiMira gestorumra gestorum • FaFamuli tuorummuli tuorum • SolSolve pollutive polluti • LaLabi reatumbi reatum • SanSanccte Ioanneste Ioannes Que significa:Que significa: "Para que nós, teus servos,"Para que nós, teus servos, possamos elogiar claramentepossamos elogiar claramente o milagre e a força dos teus atos,o milagre e a força dos teus atos, absolve nossos lábios impuros, São João"absolve nossos lábios impuros, São João"
  • 16. Aparece as notas Dó e SiAparece as notas Dó e Si • O sistema de Guido d'Arezzo sofreu algumas pequenasO sistema de Guido d'Arezzo sofreu algumas pequenas transformações no decorrer do tempo: a notatransformações no decorrer do tempo: a nota UtUt passou apassou a ser chamada deser chamada de DóDó, derivando de, derivando de DoDominus (Senhor, em latim)minus (Senhor, em latim) e a notae a nota SanSan passou a ser chamada depassou a ser chamada de sisi (por serem as inicias(por serem as inicias em latim de São João:em latim de São João: SSancte Ioannesancte Ioannes), enquanto que a pauta), enquanto que a pauta ganhou linhas e espaços a mais, embora sua essência continueganhou linhas e espaços a mais, embora sua essência continue a mesma.a mesma.
  • 17. As notas no pentagrama Observe as notas no pentagrama e decore, é o único caminho!!Observe as notas no pentagrama e decore, é o único caminho!! Escreva várias vezes, copie escrevendo as notas, use esta referência como umEscreva várias vezes, copie escrevendo as notas, use esta referência como um manual, pois, sempre será este nome!!!manual, pois, sempre será este nome!!!
  • 18. Figuras de notas musicais Valores ou figuras musicais são símbolos que representam o tempo deValores ou figuras musicais são símbolos que representam o tempo de duração das notas musicais. São também chamados de valores positivos.duração das notas musicais. São também chamados de valores positivos. E foram feitas por ordem decrescente de duração. Elas são: semibreve,E foram feitas por ordem decrescente de duração. Elas são: semibreve, mínima, semínima, colcheia, semicolcheia, fusa e semifusa. A duraçãomínima, semínima, colcheia, semicolcheia, fusa e semifusa. A duração real (medida em segundos) de uma nota depende da fórmula de compassoreal (medida em segundos) de uma nota depende da fórmula de compasso e do andamento utilizado. Isso significa que a mesma nota pode sere do andamento utilizado. Isso significa que a mesma nota pode ser executada com duração diferente em peças diferentes ou mesmo dentroexecutada com duração diferente em peças diferentes ou mesmo dentro da mesma música, caso haja uma mudança de andamento.da mesma música, caso haja uma mudança de andamento.
  • 19. Os tipos de Figuras • Essas figuras representam notas a serem tocadas e/ou cantadasEssas figuras representam notas a serem tocadas e/ou cantadas Cada nota tem metade da duração da anterior. Se pretendermosCada nota tem metade da duração da anterior. Se pretendermos representar uma nota de umrepresentar uma nota de um tempo e meiotempo e meio (por exemplo, o tempo de uma(por exemplo, o tempo de uma mínima acrescentado ao de uma colcheia) usa-se um ponto a seguir à nota.mínima acrescentado ao de uma colcheia) usa-se um ponto a seguir à nota.
  • 20. A representação das pausas • Pausas - representam oPausas - representam o silênciosilêncio, isto é, o tempo em que o instrumento não, isto é, o tempo em que o instrumento não produz som nenhum, sendo chamados deproduz som nenhum, sendo chamados de valores negativosvalores negativos. As pausas se. As pausas se subdividem também como as notas em termos de duração. Cada pausa dura osubdividem também como as notas em termos de duração. Cada pausa dura o mesmo tempo relativo que sua nota correspondente, ou seja, a pausa mais longamesmo tempo relativo que sua nota correspondente, ou seja, a pausa mais longa corresponde exatamente à duração de uma semibreve. A correspondência écorresponde exatamente à duração de uma semibreve. A correspondência é feita na seguinte ordem:feita na seguinte ordem: • Os nomes das figuras são os mesmo das notas tocadasOs nomes das figuras são os mesmo das notas tocadas
  • 21. Definição de compasso • Na notação musical, um compasso é uma forma de dividir quantizadamente emNa notação musical, um compasso é uma forma de dividir quantizadamente em grupos os sons de uma composição musical, com base em pulsos e repousos.grupos os sons de uma composição musical, com base em pulsos e repousos. Muitos estilos musicais tradicionais já presumem um determinado compasso, aMuitos estilos musicais tradicionais já presumem um determinado compasso, a valsa, por exemplo, tem o compasso 3/4 e o rock tipicamente usa os compassosvalsa, por exemplo, tem o compasso 3/4 e o rock tipicamente usa os compassos 4/4 ou 12/8.4/4 ou 12/8. • Os compassos facilitam a execução musical, ao definir a unidade de tempo, oOs compassos facilitam a execução musical, ao definir a unidade de tempo, o pulso e o ritmo da composição ou de partes dela. Os compassos são divididos napulso e o ritmo da composição ou de partes dela. Os compassos são divididos na partitura a partir de linhas verticais desenhadas sobre a pauta. A soma dospartitura a partir de linhas verticais desenhadas sobre a pauta. A soma dos valores temporais das notas e pausas dentro de um compasso deve ser igual àvalores temporais das notas e pausas dentro de um compasso deve ser igual à duração definida pela fórmula de compasso.duração definida pela fórmula de compasso.
  • 22. Fórmula de compasso • A fórmula de compasso é escrita no início da composição ou de cada uma de suas seções eA fórmula de compasso é escrita no início da composição ou de cada uma de suas seções e quando ocorre mudança de fórmula durante a música (nesse caso esta mudança é escritaquando ocorre mudança de fórmula durante a música (nesse caso esta mudança é escrita diretamente no compasso que tem a nova duração).diretamente no compasso que tem a nova duração). • Certas composições podem ter uma estrutura rítmica que alterna fórmulas de compassoCertas composições podem ter uma estrutura rítmica que alterna fórmulas de compasso de uma forma sempre igual. Neste caso, todas as fórmulas podem ser indicadas no iníciode uma forma sempre igual. Neste caso, todas as fórmulas podem ser indicadas no início da partitura ou da seção correspondente.da partitura ou da seção correspondente. • A escolha da fórmula de compasso permite determinar uma pulsação à música. CadaA escolha da fórmula de compasso permite determinar uma pulsação à música. Cada pulsação, oupulsação, ou tempotempo, tem a mesma duração. Geralmente o primeiro tempo de um compasso, tem a mesma duração. Geralmente o primeiro tempo de um compasso é tocado de forma mais forte ou mais acentuada. Em alguns tipos de compasso, existeé tocado de forma mais forte ou mais acentuada. Em alguns tipos de compasso, existe ainda um tempo com intensidade intermediária. Esta alternância de pulsos fortes eainda um tempo com intensidade intermediária. Esta alternância de pulsos fortes e fracos cria uma sensação de repetição ou circularidade. Existem composições que nãofracos cria uma sensação de repetição ou circularidade. Existem composições que não apresentam ritmo perceptível, chamadas composições comapresentam ritmo perceptível, chamadas composições com tempo livretempo livre. Para estas não é. Para estas não é necessário utilizar fórmulas ou linhas de compasso na partitura.necessário utilizar fórmulas ou linhas de compasso na partitura.
  • 23. Fórmula de Compasso Simples 2 3 4 5 72 3 4 5 7 2 4 8 16 32 642 4 8 16 32 64 O número de cima representa o tempo musical porO número de cima representa o tempo musical por compasso (uma barra divisória do tempo l l )compasso (uma barra divisória do tempo l l ) O número de baixo representa a figura que vale umO número de baixo representa a figura que vale um tempo dentro do compasso.tempo dentro do compasso. 22 44 77 44 33 44 Compasso misto Subdividido por 2Subdividido por 2
  • 24. Fórmula de Compasso Composto 6 9 12 15 216 9 12 15 21 2 4 8 16 32 642 4 8 16 32 64 O número de cima representa o tempo musical porO número de cima representa o tempo musical por compasso (uma barra divisória do tempo l l )compasso (uma barra divisória do tempo l l ) 66 88 99 88 1515 44 Subdividido por 3Subdividido por 3 O número de baixo representa a figura que vale umO número de baixo representa a figura que vale um tempo dentro do compasso.tempo dentro do compasso. Compasso misto
  • 25. Fórmula de compasso contemporâneo 2+6 17 14 8 –2+6 17 14 8 – pode-se qualquer numeropode-se qualquer numero fora das fórmulas anteriores ou mesmo misturadafora das fórmulas anteriores ou mesmo misturada 2 4 8 16 32 642 4 8 16 32 64 2+72+7 44 7+17+1 11 1616 1111 88 O numerador tem uma liberdade total, pode-se usarO numerador tem uma liberdade total, pode-se usar qualquer número e explorações nunca feitasqualquer número e explorações nunca feitas Subdivisão livre e misturadaSubdivisão livre e misturada 1616 44 O número de baixo representa a figura que vale umO número de baixo representa a figura que vale um tempo dentro do compasso.tempo dentro do compasso.
  • 26. Acidentes fixos e ocorrentes • Imagine você sair num dia de chuva com um fusca ano 63, pneu careca, motor deImagine você sair num dia de chuva com um fusca ano 63, pneu careca, motor de arranque falhando, carburador vazando gasolina, e uma série de problemas dearranque falhando, carburador vazando gasolina, e uma série de problemas de ordem mecânica. O que se espera de uma carro assim? Haver um acidente daordem mecânica. O que se espera de uma carro assim? Haver um acidente da hora que sair, não é mesmo? Então chamaremos isto, de umhora que sair, não é mesmo? Então chamaremos isto, de um Acidente fixoAcidente fixo.. • Agora imagine sair no mesmo dia com uma carro importado, O km rodados, noAgora imagine sair no mesmo dia com uma carro importado, O km rodados, no plástico, totalmente novos e uso. O que se espera deste carro? Não acontecerplástico, totalmente novos e uso. O que se espera deste carro? Não acontecer nada, mas acontece um problema não esperado, chamaremos esta situação denada, mas acontece um problema não esperado, chamaremos esta situação de AAcidente ocorrentecidente ocorrente..
  • 27. Em música temos os acidentes Os acidentes em música são:Os acidentes em música são: • SustenidoSustenido • BequadroBequadro • BemolBemol • Dobrado sustenidoDobrado sustenido • Dobrado bemolDobrado bemol • Dobrado Bequadro –Dobrado Bequadro – dois juntosdois juntos
  • 28. • Acidentes fixosAcidentes fixos – quando aparecem no começo da partitura • Acidentes ocorrentesAcidentes ocorrentes – quando aparecem no decorrer da peça
  • 29. Expressão em música • Expressão, em música, é o conjunto de todas as características de umaExpressão, em música, é o conjunto de todas as características de uma composição musical que podem variar de acordo com a interpretação. Emcomposição musical que podem variar de acordo com a interpretação. Em geral, a expressão engloba variações de andamento (cinética musical) e degeral, a expressão engloba variações de andamento (cinética musical) e de intensidade (dinâmica musical), bem como a forma com que as notas sãointensidade (dinâmica musical), bem como a forma com que as notas são tocadas individualmente (acentuação - staccatto, tenuto, legato) ou emtocadas individualmente (acentuação - staccatto, tenuto, legato) ou em conjunto (articulação ou fraseado). Em geral, o compositor da obra musicalconjunto (articulação ou fraseado). Em geral, o compositor da obra musical fornece na partitura todas as indicações da execução esperada, mas doisfornece na partitura todas as indicações da execução esperada, mas dois intérpretes nunca executarão a música da mesma forma. Mesmo entre duasintérpretes nunca executarão a música da mesma forma. Mesmo entre duas execuções pelo mesmo intérprete, podem ocorrer pequenas variações. Essasexecuções pelo mesmo intérprete, podem ocorrer pequenas variações. Essas variações não são falhas; ao contrário, são esperadas, e é a expressão quevariações não são falhas; ao contrário, são esperadas, e é a expressão que diferencia uma execução mecânica, excessivamente precisa, de uma boadiferencia uma execução mecânica, excessivamente precisa, de uma boa interpretação, que consegue transmitir as emoções planejadas pelointerpretação, que consegue transmitir as emoções planejadas pelo compositor e também as do próprio intérprete.compositor e também as do próprio intérprete.
  • 30. Marcas de expressão na partitura • Na notação musical existe um conjunto de indicações de expressão que,Na notação musical existe um conjunto de indicações de expressão que, combinadas, permitem ao intérprete conhecer a intenção do compositor aocombinadas, permitem ao intérprete conhecer a intenção do compositor ao criar determinada peça musical. Obviamente, o intérprete pode ignorarcriar determinada peça musical. Obviamente, o intérprete pode ignorar essas indicações e executar a música de outra forma, mas as marcas sãoessas indicações e executar a música de outra forma, mas as marcas são bastante úteis quando se deseja conseguir a interpretação mais próxima dobastante úteis quando se deseja conseguir a interpretação mais próxima do original. Geralmente, as indicações de expressão são utilizadas junto àoriginal. Geralmente, as indicações de expressão são utilizadas junto à indicação de andamento no início da composição, do movimento ou de umaindicação de andamento no início da composição, do movimento ou de uma seção, e fornecem uma indicação genérica doseção, e fornecem uma indicação genérica do climaclima que deve dominar aque deve dominar a execução. Essas indicações são apresentadas freqüentemente junto àexecução. Essas indicações são apresentadas freqüentemente junto à indicação de andamento, mas também podem ocorrer isoladamente. Como aindicação de andamento, mas também podem ocorrer isoladamente. Como a maior parte dos termos da notação musical, as marcas de expressão sãomaior parte dos termos da notação musical, as marcas de expressão são grafadas em italiano.grafadas em italiano.
  • 31. Termos comuns de expressão TermoTermo SignificadoSignificado Andamentos mais freqüentesAndamentos mais freqüentes AffettuosoAffettuoso com afeto, com sentimentocom afeto, com sentimento andante, adagio, largoandante, adagio, largo Con brioCon brio ouou Con SpiritoCon Spirito com vigor, com espíritocom vigor, com espírito allegro, moderato, andanteallegro, moderato, andante CantabileCantabile cantando, lírico, levecantando, lírico, leve allegro, moderato, andanteallegro, moderato, andante VivaceVivace vivo (leve e rápido)vivo (leve e rápido) allegroallegro MaestosoMaestoso majestoso (notas bem marcadas)majestoso (notas bem marcadas) andante, adagioandante, adagio DolceDolce doce (leve e com sentimento)doce (leve e com sentimento) moderato, andante, adagiomoderato, andante, adagio AgitatoAgitato agitado (rápido e dramático)agitado (rápido e dramático) presto, allegro, allegrettopresto, allegro, allegretto AnimatoAnimato animadoanimado presto, allegropresto, allegro BruscamenteBruscamente brusco (muito marcado)brusco (muito marcado) allegro, prestoallegro, presto Con amoreCon amore com amorcom amor moderato, andante, adagiomoderato, andante, adagio Con fuocoCon fuoco com fogo (vivo e agressivo)com fogo (vivo e agressivo) allegro, prestoallegro, presto ScherzandoScherzando brincandobrincando allegro, andanteallegro, andante
  • 32. Observação • Em alguns casos, o andamento pode ser omitido e a expressão será usada com o andamentoEm alguns casos, o andamento pode ser omitido e a expressão será usada com o andamento mais freqüente. Por exemplo,mais freqüente. Por exemplo, vivacevivace pode ser usado em vez depode ser usado em vez de allegro vivaceallegro vivace; ou; ou maestosomaestoso,, em vez deem vez de andante maestosoandante maestoso.. • Todas essas expressões podem ser reforçadas ou abrandadas pelas seguintes marcas:Todas essas expressões podem ser reforçadas ou abrandadas pelas seguintes marcas: • MoltoMolto - muito (ex.:- muito (ex.: allegro molto cantabileallegro molto cantabile - rápido muito cantado)- rápido muito cantado) AssaiAssai - muito (ex.:- muito (ex.: allegro assaiallegro assai - muito rápido)- muito rápido) PocoPoco - um pouco (ex.:- um pouco (ex.: allegro poco agitatoallegro poco agitato - rápido, um pouco- rápido, um pouco agitado)agitado) ma non troppoma non troppo - mas não muito - em geral se usa com allegro: rápido, mas não- mas não muito - em geral se usa com allegro: rápido, mas não muito.muito.
  • 33. Outros termos • AccelerandoAccelerando ou, abreviadamente,ou, abreviadamente, accel.accel. - acelera o andamento. A música se torna- acelera o andamento. A música se torna gradativamente mais rápida ao longo dessa marca (em geral, a duração da alteração égradativamente mais rápida ao longo dessa marca (em geral, a duração da alteração é indicada por uma chave ou por uma seqüência de pontos sob a pauta (indicada por uma chave ou por uma seqüência de pontos sob a pauta (accelaccel. . . . . . .). Ao. . . . . . .). Ao final, pode ser estabelecido um novo andamento (por exemplo, definal, pode ser estabelecido um novo andamento (por exemplo, de andanteandante pode acelerarpode acelerar atéaté allegroallegro e permanecer no novo andamento).e permanecer no novo andamento). RitardandoRitardando ouou rallentandorallentando - diminui o- diminui o andamento. A música se torna gradativamente mais lenta ao longo dessa marca (em geral, aandamento. A música se torna gradativamente mais lenta ao longo dessa marca (em geral, a duração da alteração é indicada por uma chave ou por uma seqüência de pontos sob a pautaduração da alteração é indicada por uma chave ou por uma seqüência de pontos sob a pauta ((rallrall. . . . . . .). Ao final, pode ser estabelecido um novo andamento (por exemplo, de. . . . . . .). Ao final, pode ser estabelecido um novo andamento (por exemplo, de allegroallegro pode ralentar atépode ralentar até andanteandante).). A tempoA tempo ouou Tempo primoTempo primo - o andamento volta ao pulso inicial- o andamento volta ao pulso inicial da música ou movimento.da música ou movimento. Tempo rubattoTempo rubatto - literalmente, tempo roubado. A música é- literalmente, tempo roubado. A música é executada com pequenas variações de andamento ao longo do fraseado. O intérpreteexecutada com pequenas variações de andamento ao longo do fraseado. O intérprete escolhe a extensão da variação de acordo com o efeito desejado.escolhe a extensão da variação de acordo com o efeito desejado.
  • 34. Dinâmica musical • DinâmicaDinâmica é a variação de intensidade sonora, ou volume, ao longo da música. Em conjuntoé a variação de intensidade sonora, ou volume, ao longo da música. Em conjunto com as marcas de expressão inicial e com as variações de andamento, pode fornecer grandecom as marcas de expressão inicial e com as variações de andamento, pode fornecer grande expressividade à música. Por exemplo, na abertura da ópera Guilherme Tell, de Rossini, aexpressividade à música. Por exemplo, na abertura da ópera Guilherme Tell, de Rossini, a canção se inicia lenta e doce. Um tema pastoril é tocado em baixa intensidade. Aos poucoscanção se inicia lenta e doce. Um tema pastoril é tocado em baixa intensidade. Aos poucos cresce e acelera, tornando-se cada vez mais agitada e forte. Esse efeito é usado paracresce e acelera, tornando-se cada vez mais agitada e forte. Esse efeito é usado para simular a chegada de uma tempestade, que após o seu clímax, tocado emsimular a chegada de uma tempestade, que após o seu clímax, tocado em fortíssimofortíssimo e eme em andamento acelerado, volta a diminuir até tornar-se calmo e leve como o tema do início.andamento acelerado, volta a diminuir até tornar-se calmo e leve como o tema do início. "Depois da tempestade a bonança retorna". Sem a variação do andamento e a dinâmica,"Depois da tempestade a bonança retorna". Sem a variação do andamento e a dinâmica, seria impossível transmitir essa imagem.seria impossível transmitir essa imagem.
  • 35. As figuras de dinâmica • SforzandoSforzando Denota um aumento súbito de intensidade.Denota um aumento súbito de intensidade. • CrescendoCrescendo Um crescimento gradual do volume. Essa marca pode serUm crescimento gradual do volume. Essa marca pode ser estendida ao longo de muitas notas para indicar que oestendida ao longo de muitas notas para indicar que o volume cresce gradualmente ao longo da frase musical.volume cresce gradualmente ao longo da frase musical. • DiminuendoDiminuendo Uma diminuição gradual do volume. Pode ser estendidaUma diminuição gradual do volume. Pode ser estendida como ocomo o crescendocrescendo..
  • 36. • pppppp - molto pianissimo – muito suavíssimo- molto pianissimo – muito suavíssimo • pppp -- pianissimo – suavíssimopianissimo – suavíssimo • pp - piano - suave- piano - suave • fpfp - mezzo - forte - meio forte- mezzo - forte - meio forte • ff - forte - forte- forte - forte • ffff -- fortissimo - fortíssimofortissimo - fortíssimo • ffffff - molto fortissimo - muito fortíssimo- molto fortissimo - muito fortíssimo
  • 37. Articulação e acentuação • Em música devemos unir as notas em pequenos grupos que formam uma idéiaEm música devemos unir as notas em pequenos grupos que formam uma idéia musical completa. Esses grupos são chamadosmusical completa. Esses grupos são chamados frasesfrases, e a forma como as frases, e a forma como as frases são dispostas ao longo da música é chamadasão dispostas ao longo da música é chamada fraseadofraseado.. • O que permite distinguir as frases na música é a ligação ou separação de cadaO que permite distinguir as frases na música é a ligação ou separação de cada nota em relação às notas vizinhas. O executante pode inferir o fraseado durantenota em relação às notas vizinhas. O executante pode inferir o fraseado durante o estudo da obra, mas quando o compositor deseja transmitir com precisão oo estudo da obra, mas quando o compositor deseja transmitir com precisão o fraseado desejado, ele pode usar marcas de articulação ou de acentuação.fraseado desejado, ele pode usar marcas de articulação ou de acentuação.
  • 38. Analisando e percebendo os termos na partitura Fórmula de compassoFórmula de compasso compostocomposto Partitura paraPartitura para Instrumento SoloInstrumento Solo 7 compassos de silêncio7 compassos de silêncio Doce comDoce com muita expressãomuita expressão Pausa de 2 temposPausa de 2 tempos decrescendodecrescendo e ire ir crescendocrescendo Linha da MelodiaLinha da Melodia Clave de SolClave de Sol Meio forteMeio forte depoisdepois SuaveSuave LigaduraLigadura Meio suave e crescendoMeio suave e crescendo acentuaçãoacentuação 4 compassos4 compassos de silênciode silêncio
  • 39. Analisando outra peça Partitura paraPartitura para Piano SoloPiano Solo Fórmula deFórmula de compassocompasso simplessimples VelocidadeVelocidade moderadamoderada Fermata – segura mais tempo a notaFermata – segura mais tempo a nota forteforte ligaduraligadura MudouMudou para clavepara clave de fáde fá sforçandosforçando StaccatoStaccato MudouMudou para clavepara clave de sol novamentede sol novamente trinadotrinado forteforte StaccatoStaccato e acentoe acento Símbolo padrãoSímbolo padrão de pianode piano suavíssimosuavíssimo PausaPausa De 4 temposDe 4 tempos Meio suaveMeio suave PausaPausa Meio tempoMeio tempo Suave e crescendoSuave e crescendo QuiálteraQuiáltera Dobrado sustenidoDobrado sustenido ligaduraligadura
  • 40. A EscritaA Escrita instrumentalinstrumental ParaPara Piano e VozPiano e Voz Tente observar eTente observar e perceber os símbolos!perceber os símbolos!
  • 41. A Escrita instrumental ParaA Escrita instrumental Para Piano quarteto de CordasPiano quarteto de Cordas Tente observar e perceber os símbolos!Tente observar e perceber os símbolos!
  • 42. A Escrita de Hinário protestanteA Escrita de Hinário protestante para vozespara vozes Tente observar e perceber os símbolos!Tente observar e perceber os símbolos!
  • 43. A Escrita de Hinário protestanteA Escrita de Hinário protestante para vozespara vozes Tente observar e perceber os símbolos!Tente observar e perceber os símbolos!
  • 44. Para ler a partitura precisa de treino • Ler partitura é um mundo de conhecimentos, são muitas informações a serem codificadas, e precisa de constante estudo e visualização, precisa olhar, pesquisar, e observar. • Este é somente o início do pensar musical, sei, não é fácil, mas, você consegue, é uma tarefa longa e prazerosa, que ao final você estará sabendo cada vez mais estes sinais! • Além de tudo precisa tocar ou cantartocar ou cantar, sempre, Amém! Denis NogueiraDenis Nogueira Fonte: trechos http://pt.wikipedia.org/wiki/NotaFonte: trechos http://pt.wikipedia.org/wiki/Nota