SlideShare uma empresa Scribd logo

Apostila como ler partituras

M
M

Apostila como ler partituras

1 de 6
Baixar para ler offline
Como ler Partituras


Leitura de Partituras (Teoria)



1. Notas – Duração e Altura

De acordo com a duração do som, a escrita da nota varia na seguinte seqüência:




A duração exata do tempo depende da velocidade da música, mas sempre se deve
observar a relação: 1 Semibreve = 2 Mínimas, 1 Semínima = 2 Colcheias, etc.

Uma nota ainda pode ser complementada por sinais como:




Na partitura existem cinco linhas e quatro espaços visíveis e mais espaços e linhas
suplementares superiores, para notas mais agudas, e inferiores, para notas mais graves.

A posição da nota na partitura, em que linha ou espaço está, define sua altura.

Mas a altura pode ser afetada por um outro símbolo, chamado clave, que vem no inicio
da partitura.
As claves mais usadas são:




A altura das notas ainda pode ser altera por sustenidos (#) e bemóis (b) que,
respectivamente, aumentam e diminuem a nota em um semitom e bequadros (         que ))
restauram a nota original, eliminando um sustenido ou bemol anterior.

Sem um bequadro o bemol e o sustenido perdem valor no final de um compasso. A não
ser que venham na armadura da clave.

A diferença de tons de uma nota para outra é vista assim:

Dó –Tom- Ré –Tom- Mi –Semitom- Fá –Tom- Sol –Tom- Lá –Tom- Si –Semitom- Dó

Semitom é a menor das diferenças entre duas notas e Tom é a soma de dois Semitons.

2.   Compasso e Armaduras de Clave

Numa partitura após a clave, normalmente, vem escrito o compasso da música que
define quanto tempo entra em cada parte da música, que será dividida por travessões.
Alguns exemplos podem ser:




Os sustenidos ou bemóis que aparecem diante da clave pertencem a Armadura de Clave.
Esses sustenidos e bemóis representam a tonalidade do trecho que segue e não são
eliminados pelo fim de compassos, podem ser eliminados durante um compasso por um
bequadro.

No caso acima do compasso 6/8, temos uma armadura de clave com bemóis em Si, Mi,
Lá e Ré, então toda e qualquer nota correspondente a uma destas, naquele trecho, terá
um bemol.

Os sustenidos ou bemóis possuem ordem para aparecer na Armadura: Sustenidos: Fá,
Dó, Sol, Lá, Mi, Si, para se achar a tonalidade maior conta-se uma nota depois do
ultimo sustenidos da Armadura (Ex: Fá# - Tonalidade Sol); Bemóis: Si, Mi, Lá, Ré, Sol,
Dó, Fá, para achar a tonalidade maior conta-se cinco notas antes do ultimo bemol (Ex:
Ré bemol – Tonalidade Lá bemol). Esse método só acha a tonalidade maior, mas é
possível que o trecho esteja em uma tonalidade menor relativa, e para acha-la conta-se 3
notas antes do tom maior (Ex: Relativa de Dó é Lá menor e de Mi bemol é Dó menor).

Vale lembrar que a ordem das notas é:

Dó – Dó# ou Réb – Ré – Ré# ou Mib – Mi – Fá – Fá# ou Solb – Sol – Sol# ou Láb – Lá
– Lá# ou Sib – Si.

Ou, usando notação encontrada em cifras:

C – C# ou Db – D – D# ou Eb – E – F – F# ou Gb – G – G# ou Ab – A – A# ou Bb – B.
Ritmos em Partituras


Ritmos em partitura



Talvez uma das maiores dificuldades para se tocar uma música é saber seu ritmo, mas
alguns padrões rítmicos podem ajudar a amenizar essa dificuldade.

Os ritmos serão apresentados em partituras e talvez sejam de mais fácil execução no
teclado ou piano. Os acordes usados são somente demonstrativos.

1. Canção

Um ritmo extremamente versátil devido a seu compasso de 2/4 que acaba por aceitar
2/4, 4/4 e múltiplos.




O padrão pode ser usado para acompanhar várias músicas como: Frejat – Segredos,
Paralamas – Meu Erro (acelerado), Guns n Roses – Knocking on heavens door, Caetano
Veloso – Sozinho, etc.

O Contratempo é usado em apenas poucas partes de algumas músicas que se acompanha
por este ritmo, como na introdução de Eric Clapton – Tears in Heaven.

O modo arpejado simplesmente substitui o padrão em algumas músicas e pode ser
usado para variar um pouco no meio delas, mas também existem músicas que pedem
este estilo, como a Fly Away From Here – Aerosmith.

Vale lembrar que improvisos e variações são sempre de grande utilidade para se tocar
uma música e que este esquema de padrão é somente para auxilio. No inicio pode-se
tocar somente em cima do padrão, mas depois se deve incrementar a música com
variações.
2. Reggae

Ritmo simples e de grande uso, o reggae é um ritmo em 2/4 que também aceita 4/4 e
outros.




Ritmo obviamente usado em reggae como: Gilberto Gil – Vamos Fugir, Akundum –
Emaconhada (Acelerado), Bob Marley – No Womam No Cry, Paralamas – Uma
Brasileira, Skank – Te Ver, etc.

O compasso duplo é só uma idéia para quando se tem um acorde que se prolonga por
dois compassos ou mais, daí se faz o baixo mais constante e alternado entre notas do
acorde, serve somente como um complemento ao ritmo padrão.

3. Balada 6/8

Ritmo usado em música normalmente mais lentas, feito em 6/8 é um ritmo de uso um
pouco restrito.




Apesar de todas as notas serem tocadas em intervalos de colcheias os baixos devem ser
mantidos enquanto se toca a parte aguda do ritmo.

Esse ritmo pode ter diversas variações desde que mantenha o 1, 2, 3, 4, 5, 6 ritmado em
colcheias e sempre segurando os graves para dar maior “força” ao ritmo.

Praticamente qualquer música que seja em 6/8 é, ou pode ser, tocada nesse ritmo, porém
conheço poucas músicas que são assim, um exemplo é Los Hermanos – Primavera.
4. Guarânia

Ritmo um pouco diferenciado em 3/4.




Usa-se ou o padrão 1, ou o 2 em uma música. Alternar entre os dois é um pouco difícil,
mas pode ser feito em momentos apropriados.

No padrão 2, existe o tempo arpejado, deve-se tocar uma nota de cada vez em uma
seqüência rápida soltando as três juntas ao acabar o tempo. Corretamente, o acorde
circulado seria anotado assim:




Não conheço muitas músicas desse ritmo, mas uma popular bem conhecida é Geraldo
Vandré – Pra não dizer que não falei das flores (Caminhando e Cantando).

5. Bossa Nova

Um ritmo da mpb em 2/4.




Bossa Nova é um ritmo que possui um contratempo muito bom para se estudar em seu
padrão. Esse contratempo feito pela seqüência dos tempos de semi-colcheia, colcheia e
semi-colcheia é usado com freqüência em músicas da mpb, até mesmo na melodia.

O Arpejo é só uma idéia de subida que fica interessante nesse ritmo e também em
alguns outros.

Um exemplo conhecido de bossa nova é a consagrada Vinicius de Moraes – Eu sei que
vou te amar.
Anúncio

Recomendados

Aprendendo a ler partituras
Aprendendo a ler partiturasAprendendo a ler partituras
Aprendendo a ler partiturasAVRIL111
 
Apostila Teoria Musical
Apostila Teoria MusicalApostila Teoria Musical
Apostila Teoria Musicalroseandreia
 
Apostila de teoria musical básica - Miguel Urtado
Apostila de teoria musical básica - Miguel UrtadoApostila de teoria musical básica - Miguel Urtado
Apostila de teoria musical básica - Miguel UrtadoPartitura de Banda
 
Alto sax. em fervente oração
  Alto sax. em fervente oração  Alto sax. em fervente oração
Alto sax. em fervente oraçãoJonas Gonzaga
 
Apostila de Teoria musical
Apostila de Teoria musicalApostila de Teoria musical
Apostila de Teoria musicaljaconiasmusical
 
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
 Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdfGuilherme Pereira
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Harpa cristã em bb
Harpa cristã em bbHarpa cristã em bb
Harpa cristã em bbtio-jassa
 
Como ler as partituras
Como ler as partiturasComo ler as partituras
Como ler as partiturasMeg Lucy
 
Método de divisão musical praticado com a flauta doce
Método de divisão musical   praticado com a flauta doceMétodo de divisão musical   praticado com a flauta doce
Método de divisão musical praticado com a flauta doceSaulo Gomes
 
Apostila batidas de violao vol 3
Apostila batidas de violao   vol 3Apostila batidas de violao   vol 3
Apostila batidas de violao vol 3Leafar Azous
 
Gramatica Teoria Musical
Gramatica Teoria MusicalGramatica Teoria Musical
Gramatica Teoria MusicalHOME
 
Digitação saxofone (soprano)
Digitação saxofone (soprano)Digitação saxofone (soprano)
Digitação saxofone (soprano)Elisama Lima
 
Hinário n 5 ccb [para órgão]
Hinário n 5 ccb [para órgão]Hinário n 5 ccb [para órgão]
Hinário n 5 ccb [para órgão]Cláudio Ferreira
 
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal nilson ...
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal   nilson ...Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal   nilson ...
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal nilson ...Partitura de Banda
 
[Método] henrique pinto iniciação ao violão, vol. i
[Método] henrique pinto   iniciação ao violão, vol. i[Método] henrique pinto   iniciação ao violão, vol. i
[Método] henrique pinto iniciação ao violão, vol. iMarcos Stopa
 
Curso Básico de Violão para Iniciantes
Curso Básico de Violão para IniciantesCurso Básico de Violão para Iniciantes
Curso Básico de Violão para IniciantesWilson Diamantino
 
Metodo completo de flauta taffanel & gaubert(parte 1)
Metodo completo de flauta   taffanel & gaubert(parte 1) Metodo completo de flauta   taffanel & gaubert(parte 1)
Metodo completo de flauta taffanel & gaubert(parte 1) Partitura de Banda
 
Método de harmonia, formação de acordes e escalas para improvisação. por gil...
Método de harmonia, formação de acordes e escalas para improvisação.  por gil...Método de harmonia, formação de acordes e escalas para improvisação.  por gil...
Método de harmonia, formação de acordes e escalas para improvisação. por gil...Gilmar Damião
 
Atividades Musicalização .pdf
Atividades Musicalização .pdfAtividades Musicalização .pdf
Atividades Musicalização .pdfRcivalAlves1
 
Instrumentação - seção ritmica (base) - Disc. Arranjos e Transcrições
Instrumentação - seção ritmica (base) - Disc. Arranjos e TranscriçõesInstrumentação - seção ritmica (base) - Disc. Arranjos e Transcrições
Instrumentação - seção ritmica (base) - Disc. Arranjos e TranscriçõesMarcos Filho
 
metodo Teoria musical
metodo Teoria musicalmetodo Teoria musical
metodo Teoria musicalSaulo Gomes
 
Exercício para leitura de cifras 2
Exercício para leitura de cifras 2Exercício para leitura de cifras 2
Exercício para leitura de cifras 2Bordoeseprimas
 
Apostila de canto para crianças curso básico
Apostila de canto para crianças curso básicoApostila de canto para crianças curso básico
Apostila de canto para crianças curso básicoRodrigo Lacerda
 

Mais procurados (20)

Harpa cristã em bb
Harpa cristã em bbHarpa cristã em bb
Harpa cristã em bb
 
Como ler as partituras
Como ler as partiturasComo ler as partituras
Como ler as partituras
 
Método de divisão musical praticado com a flauta doce
Método de divisão musical   praticado com a flauta doceMétodo de divisão musical   praticado com a flauta doce
Método de divisão musical praticado com a flauta doce
 
Apostila batidas de violao vol 3
Apostila batidas de violao   vol 3Apostila batidas de violao   vol 3
Apostila batidas de violao vol 3
 
Gramatica Teoria Musical
Gramatica Teoria MusicalGramatica Teoria Musical
Gramatica Teoria Musical
 
Da capo - Sax Alto
Da capo - Sax AltoDa capo - Sax Alto
Da capo - Sax Alto
 
Digitação saxofone (soprano)
Digitação saxofone (soprano)Digitação saxofone (soprano)
Digitação saxofone (soprano)
 
Hinário n 5 ccb [para órgão]
Hinário n 5 ccb [para órgão]Hinário n 5 ccb [para órgão]
Hinário n 5 ccb [para órgão]
 
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal nilson ...
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal   nilson ...Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal   nilson ...
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal nilson ...
 
[Método] henrique pinto iniciação ao violão, vol. i
[Método] henrique pinto   iniciação ao violão, vol. i[Método] henrique pinto   iniciação ao violão, vol. i
[Método] henrique pinto iniciação ao violão, vol. i
 
Método Completo de Saxofone
Método Completo de SaxofoneMétodo Completo de Saxofone
Método Completo de Saxofone
 
Curso Básico de Violão para Iniciantes
Curso Básico de Violão para IniciantesCurso Básico de Violão para Iniciantes
Curso Básico de Violão para Iniciantes
 
Metodo completo de flauta taffanel & gaubert(parte 1)
Metodo completo de flauta   taffanel & gaubert(parte 1) Metodo completo de flauta   taffanel & gaubert(parte 1)
Metodo completo de flauta taffanel & gaubert(parte 1)
 
Método de harmonia, formação de acordes e escalas para improvisação. por gil...
Método de harmonia, formação de acordes e escalas para improvisação.  por gil...Método de harmonia, formação de acordes e escalas para improvisação.  por gil...
Método de harmonia, formação de acordes e escalas para improvisação. por gil...
 
Atividades Musicalização .pdf
Atividades Musicalização .pdfAtividades Musicalização .pdf
Atividades Musicalização .pdf
 
Instrumentação - seção ritmica (base) - Disc. Arranjos e Transcrições
Instrumentação - seção ritmica (base) - Disc. Arranjos e TranscriçõesInstrumentação - seção ritmica (base) - Disc. Arranjos e Transcrições
Instrumentação - seção ritmica (base) - Disc. Arranjos e Transcrições
 
Da Capo - Sax Tenor
Da Capo - Sax TenorDa Capo - Sax Tenor
Da Capo - Sax Tenor
 
metodo Teoria musical
metodo Teoria musicalmetodo Teoria musical
metodo Teoria musical
 
Exercício para leitura de cifras 2
Exercício para leitura de cifras 2Exercício para leitura de cifras 2
Exercício para leitura de cifras 2
 
Apostila de canto para crianças curso básico
Apostila de canto para crianças curso básicoApostila de canto para crianças curso básico
Apostila de canto para crianças curso básico
 

Destaque

Leitura de partituras
Leitura de partiturasLeitura de partituras
Leitura de partiturasdea7gil
 
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisadoMTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisadocreito cezares
 
Ler partitura
Ler partituraLer partitura
Ler partitura08012001
 
Caderno de exercicios mts (2)
Caderno de exercicios mts (2)Caderno de exercicios mts (2)
Caderno de exercicios mts (2)Eliel Mariano
 
Caderno de exercicios flauta
Caderno de exercicios flautaCaderno de exercicios flauta
Caderno de exercicios flautaDyego Fernandes
 
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!Priscila Alencastre
 
Album de partituras para flauta doce
Album de partituras para flauta doceAlbum de partituras para flauta doce
Album de partituras para flauta doceDavid De Cassimiro
 
Partituras disney
Partituras disneyPartituras disney
Partituras disneyhome
 
Vamos tocar flauta doce vol 1 helle tirler
Vamos tocar flauta doce vol 1   helle tirlerVamos tocar flauta doce vol 1   helle tirler
Vamos tocar flauta doce vol 1 helle tirlerAngélica Dos Santos
 
Aprenda todos-os-acorde-maiores-e-menores-piano
Aprenda todos-os-acorde-maiores-e-menores-pianoAprenda todos-os-acorde-maiores-e-menores-piano
Aprenda todos-os-acorde-maiores-e-menores-pianoedigardelima
 
1920s Broadway (finished)
1920s Broadway (finished)1920s Broadway (finished)
1920s Broadway (finished)MrG
 
Titanic - Como se constrói uma lenda
Titanic - Como se constrói uma lendaTitanic - Como se constrói uma lenda
Titanic - Como se constrói uma lendaBruno Dinardi
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musicalpepontocom
 
Alvos de oração oito marcas de qualidade
Alvos de oração oito marcas de qualidadeAlvos de oração oito marcas de qualidade
Alvos de oração oito marcas de qualidadeGeraldo Pinheiro
 
Gershwin george-rhapsody-blue-rhapsody-blue-1st-clarinet-pdf-38818
Gershwin george-rhapsody-blue-rhapsody-blue-1st-clarinet-pdf-38818Gershwin george-rhapsody-blue-rhapsody-blue-1st-clarinet-pdf-38818
Gershwin george-rhapsody-blue-rhapsody-blue-1st-clarinet-pdf-38818marisarodrimar
 
Digitacao flauta-transversal.png (imagem png, 775 × 1030 pixels)
Digitacao flauta-transversal.png (imagem png, 775 × 1030 pixels)Digitacao flauta-transversal.png (imagem png, 775 × 1030 pixels)
Digitacao flauta-transversal.png (imagem png, 775 × 1030 pixels)Ronildo Felipe
 

Destaque (20)

Leitura de partituras
Leitura de partiturasLeitura de partituras
Leitura de partituras
 
Abc musical
Abc musicalAbc musical
Abc musical
 
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisadoMTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
 
Ler partitura
Ler partituraLer partitura
Ler partitura
 
Caderno de exercicios mts (2)
Caderno de exercicios mts (2)Caderno de exercicios mts (2)
Caderno de exercicios mts (2)
 
Caderno de exercicios flauta
Caderno de exercicios flautaCaderno de exercicios flauta
Caderno de exercicios flauta
 
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
 
Album de partituras para flauta doce
Album de partituras para flauta doceAlbum de partituras para flauta doce
Album de partituras para flauta doce
 
Partituras disney
Partituras disneyPartituras disney
Partituras disney
 
Vamos tocar flauta doce vol 1 helle tirler
Vamos tocar flauta doce vol 1   helle tirlerVamos tocar flauta doce vol 1   helle tirler
Vamos tocar flauta doce vol 1 helle tirler
 
Novo bona ccb
Novo bona ccbNovo bona ccb
Novo bona ccb
 
Aprenda todos-os-acorde-maiores-e-menores-piano
Aprenda todos-os-acorde-maiores-e-menores-pianoAprenda todos-os-acorde-maiores-e-menores-piano
Aprenda todos-os-acorde-maiores-e-menores-piano
 
1920s Broadway (finished)
1920s Broadway (finished)1920s Broadway (finished)
1920s Broadway (finished)
 
Titanic - Como se constrói uma lenda
Titanic - Como se constrói uma lendaTitanic - Como se constrói uma lenda
Titanic - Como se constrói uma lenda
 
15 é dia de vindimas...
15 é dia de vindimas...15 é dia de vindimas...
15 é dia de vindimas...
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
 
Alvos de oração oito marcas de qualidade
Alvos de oração oito marcas de qualidadeAlvos de oração oito marcas de qualidade
Alvos de oração oito marcas de qualidade
 
Gershwin george-rhapsody-blue-rhapsody-blue-1st-clarinet-pdf-38818
Gershwin george-rhapsody-blue-rhapsody-blue-1st-clarinet-pdf-38818Gershwin george-rhapsody-blue-rhapsody-blue-1st-clarinet-pdf-38818
Gershwin george-rhapsody-blue-rhapsody-blue-1st-clarinet-pdf-38818
 
Digitacao flauta-transversal.png (imagem png, 775 × 1030 pixels)
Digitacao flauta-transversal.png (imagem png, 775 × 1030 pixels)Digitacao flauta-transversal.png (imagem png, 775 × 1030 pixels)
Digitacao flauta-transversal.png (imagem png, 775 × 1030 pixels)
 

Semelhante a Apostila como ler partituras

Como improvisar varios_estilos
Como improvisar varios_estilosComo improvisar varios_estilos
Como improvisar varios_estilosjop1996
 
Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portuguese
Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portugueseCurso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portuguese
Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portugueseAltair Costa
 
Apostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdfApostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdfRenato Monteiro
 
Livro digital paulo zuben
Livro digital paulo zubenLivro digital paulo zuben
Livro digital paulo zubenRogerio Lima
 
Apostila violão basico
Apostila violão basicoApostila violão basico
Apostila violão basicoSaulo Gomes
 
Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
 Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_finalJosé Claudemiro Oliveira
 
Aulas de músicas abdon batista
Aulas de músicas   abdon batistaAulas de músicas   abdon batista
Aulas de músicas abdon batistaKaren Carvalho
 
Curso de teoria musical
Curso de teoria musicalCurso de teoria musical
Curso de teoria musicalSaulo Gomes
 
Apostila de violao
Apostila de violaoApostila de violao
Apostila de violaoJúlio Rocha
 
Pauta, Claves E NoçõEs De Partitura
Pauta, Claves E NoçõEs De PartituraPauta, Claves E NoçõEs De Partitura
Pauta, Claves E NoçõEs De PartituraHOME
 
A MúSica, As Notas E A Escala
A MúSica, As Notas E A EscalaA MúSica, As Notas E A Escala
A MúSica, As Notas E A EscalaHOME
 
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical InfantilEvangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical InfantilAntonino Silva
 
Ler partituras
Ler partiturasLer partituras
Ler partiturasgraucio
 

Semelhante a Apostila como ler partituras (20)

Como improvisar varios_estilos
Como improvisar varios_estilosComo improvisar varios_estilos
Como improvisar varios_estilos
 
Apostila teoria musical - Rose Andréia.pdf
Apostila teoria musical - Rose Andréia.pdfApostila teoria musical - Rose Andréia.pdf
Apostila teoria musical - Rose Andréia.pdf
 
Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portuguese
Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portugueseCurso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portuguese
Curso Canto Gregoriano - Gregorian Chant tutorial in portuguese
 
Apostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdfApostila Iniciação Musical.pdf
Apostila Iniciação Musical.pdf
 
Livro digital paulo zuben
Livro digital paulo zubenLivro digital paulo zuben
Livro digital paulo zuben
 
Apostila violão basico
Apostila violão basicoApostila violão basico
Apostila violão basico
 
Apostila de violão
Apostila de violãoApostila de violão
Apostila de violão
 
Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
 Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
 
Aulas de músicas abdon batista
Aulas de músicas   abdon batistaAulas de músicas   abdon batista
Aulas de músicas abdon batista
 
Curso de teoria musical
Curso de teoria musicalCurso de teoria musical
Curso de teoria musical
 
Apostila de violao
Apostila de violaoApostila de violao
Apostila de violao
 
Apostila de guitarra
Apostila de guitarraApostila de guitarra
Apostila de guitarra
 
Pauta, Claves E NoçõEs De Partitura
Pauta, Claves E NoçõEs De PartituraPauta, Claves E NoçõEs De Partitura
Pauta, Claves E NoçõEs De Partitura
 
Curso de gaita
Curso de gaitaCurso de gaita
Curso de gaita
 
A MúSica, As Notas E A Escala
A MúSica, As Notas E A EscalaA MúSica, As Notas E A Escala
A MúSica, As Notas E A Escala
 
Abcmusical
AbcmusicalAbcmusical
Abcmusical
 
Estudo Musica
Estudo MusicaEstudo Musica
Estudo Musica
 
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical InfantilEvangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
Evangelização - Apostila de Música - Teoria Musical Infantil
 
Apostilamusica
ApostilamusicaApostilamusica
Apostilamusica
 
Ler partituras
Ler partiturasLer partituras
Ler partituras
 

Apostila como ler partituras

  • 1. Como ler Partituras Leitura de Partituras (Teoria) 1. Notas – Duração e Altura De acordo com a duração do som, a escrita da nota varia na seguinte seqüência: A duração exata do tempo depende da velocidade da música, mas sempre se deve observar a relação: 1 Semibreve = 2 Mínimas, 1 Semínima = 2 Colcheias, etc. Uma nota ainda pode ser complementada por sinais como: Na partitura existem cinco linhas e quatro espaços visíveis e mais espaços e linhas suplementares superiores, para notas mais agudas, e inferiores, para notas mais graves. A posição da nota na partitura, em que linha ou espaço está, define sua altura. Mas a altura pode ser afetada por um outro símbolo, chamado clave, que vem no inicio da partitura.
  • 2. As claves mais usadas são: A altura das notas ainda pode ser altera por sustenidos (#) e bemóis (b) que, respectivamente, aumentam e diminuem a nota em um semitom e bequadros ( que )) restauram a nota original, eliminando um sustenido ou bemol anterior. Sem um bequadro o bemol e o sustenido perdem valor no final de um compasso. A não ser que venham na armadura da clave. A diferença de tons de uma nota para outra é vista assim: Dó –Tom- Ré –Tom- Mi –Semitom- Fá –Tom- Sol –Tom- Lá –Tom- Si –Semitom- Dó Semitom é a menor das diferenças entre duas notas e Tom é a soma de dois Semitons. 2. Compasso e Armaduras de Clave Numa partitura após a clave, normalmente, vem escrito o compasso da música que define quanto tempo entra em cada parte da música, que será dividida por travessões. Alguns exemplos podem ser: Os sustenidos ou bemóis que aparecem diante da clave pertencem a Armadura de Clave. Esses sustenidos e bemóis representam a tonalidade do trecho que segue e não são
  • 3. eliminados pelo fim de compassos, podem ser eliminados durante um compasso por um bequadro. No caso acima do compasso 6/8, temos uma armadura de clave com bemóis em Si, Mi, Lá e Ré, então toda e qualquer nota correspondente a uma destas, naquele trecho, terá um bemol. Os sustenidos ou bemóis possuem ordem para aparecer na Armadura: Sustenidos: Fá, Dó, Sol, Lá, Mi, Si, para se achar a tonalidade maior conta-se uma nota depois do ultimo sustenidos da Armadura (Ex: Fá# - Tonalidade Sol); Bemóis: Si, Mi, Lá, Ré, Sol, Dó, Fá, para achar a tonalidade maior conta-se cinco notas antes do ultimo bemol (Ex: Ré bemol – Tonalidade Lá bemol). Esse método só acha a tonalidade maior, mas é possível que o trecho esteja em uma tonalidade menor relativa, e para acha-la conta-se 3 notas antes do tom maior (Ex: Relativa de Dó é Lá menor e de Mi bemol é Dó menor). Vale lembrar que a ordem das notas é: Dó – Dó# ou Réb – Ré – Ré# ou Mib – Mi – Fá – Fá# ou Solb – Sol – Sol# ou Láb – Lá – Lá# ou Sib – Si. Ou, usando notação encontrada em cifras: C – C# ou Db – D – D# ou Eb – E – F – F# ou Gb – G – G# ou Ab – A – A# ou Bb – B.
  • 4. Ritmos em Partituras Ritmos em partitura Talvez uma das maiores dificuldades para se tocar uma música é saber seu ritmo, mas alguns padrões rítmicos podem ajudar a amenizar essa dificuldade. Os ritmos serão apresentados em partituras e talvez sejam de mais fácil execução no teclado ou piano. Os acordes usados são somente demonstrativos. 1. Canção Um ritmo extremamente versátil devido a seu compasso de 2/4 que acaba por aceitar 2/4, 4/4 e múltiplos. O padrão pode ser usado para acompanhar várias músicas como: Frejat – Segredos, Paralamas – Meu Erro (acelerado), Guns n Roses – Knocking on heavens door, Caetano Veloso – Sozinho, etc. O Contratempo é usado em apenas poucas partes de algumas músicas que se acompanha por este ritmo, como na introdução de Eric Clapton – Tears in Heaven. O modo arpejado simplesmente substitui o padrão em algumas músicas e pode ser usado para variar um pouco no meio delas, mas também existem músicas que pedem este estilo, como a Fly Away From Here – Aerosmith. Vale lembrar que improvisos e variações são sempre de grande utilidade para se tocar uma música e que este esquema de padrão é somente para auxilio. No inicio pode-se tocar somente em cima do padrão, mas depois se deve incrementar a música com variações.
  • 5. 2. Reggae Ritmo simples e de grande uso, o reggae é um ritmo em 2/4 que também aceita 4/4 e outros. Ritmo obviamente usado em reggae como: Gilberto Gil – Vamos Fugir, Akundum – Emaconhada (Acelerado), Bob Marley – No Womam No Cry, Paralamas – Uma Brasileira, Skank – Te Ver, etc. O compasso duplo é só uma idéia para quando se tem um acorde que se prolonga por dois compassos ou mais, daí se faz o baixo mais constante e alternado entre notas do acorde, serve somente como um complemento ao ritmo padrão. 3. Balada 6/8 Ritmo usado em música normalmente mais lentas, feito em 6/8 é um ritmo de uso um pouco restrito. Apesar de todas as notas serem tocadas em intervalos de colcheias os baixos devem ser mantidos enquanto se toca a parte aguda do ritmo. Esse ritmo pode ter diversas variações desde que mantenha o 1, 2, 3, 4, 5, 6 ritmado em colcheias e sempre segurando os graves para dar maior “força” ao ritmo. Praticamente qualquer música que seja em 6/8 é, ou pode ser, tocada nesse ritmo, porém conheço poucas músicas que são assim, um exemplo é Los Hermanos – Primavera.
  • 6. 4. Guarânia Ritmo um pouco diferenciado em 3/4. Usa-se ou o padrão 1, ou o 2 em uma música. Alternar entre os dois é um pouco difícil, mas pode ser feito em momentos apropriados. No padrão 2, existe o tempo arpejado, deve-se tocar uma nota de cada vez em uma seqüência rápida soltando as três juntas ao acabar o tempo. Corretamente, o acorde circulado seria anotado assim: Não conheço muitas músicas desse ritmo, mas uma popular bem conhecida é Geraldo Vandré – Pra não dizer que não falei das flores (Caminhando e Cantando). 5. Bossa Nova Um ritmo da mpb em 2/4. Bossa Nova é um ritmo que possui um contratempo muito bom para se estudar em seu padrão. Esse contratempo feito pela seqüência dos tempos de semi-colcheia, colcheia e semi-colcheia é usado com freqüência em músicas da mpb, até mesmo na melodia. O Arpejo é só uma idéia de subida que fica interessante nesse ritmo e também em alguns outros. Um exemplo conhecido de bossa nova é a consagrada Vinicius de Moraes – Eu sei que vou te amar.