Organização do trabalho hoje

102 visualizações

Publicada em

TRABALHO EXECUTADOS PELOS ALUNOS DO CURSO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO DO COL. EST. HEITOR CAVALCANTI DE ALENCAR FURTADO EM APUCARANA - PR

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
102
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Organização do trabalho hoje

  1. 1.  A origem da exploração da força de trabalho de um homem por outro não tem uma data definida. Na antiguidade, a exploração dos homens já ocorria através da prática social da escravidão, em que o explorador (proprietário) era dono do explorado (escravo).  Na Idade Média, o modo de organização feudal marca as relações de exploração do trabalho, os explorados (servos) vendiam a sua força de trabalho para os exploradores (senhores feudais) apenas em troca de um montante de terra para moradia. É a partir do Século XVIII, com a ascensão do capitalismo e a Revolução Industrial, que as relações de trabalho ganham os contornos que predominam até os dias atuais, quando os explorados (trabalhadores) recebem salários em troca da venda de sua força de trabalho para os exploradores (patrões).  Durante a Revolução Industrial na Inglaterra, devido à constante concorrência que os fabricantes capitalistas faziam entre si, as máquinas foram ganhando cada vez mais lugar nas fábricas, tomando assim, o lugar de muitos operários. Estes tomaram-se o que é chamado ''excedente de mão-de-obra'', logo o capitalista tornou-se dono da situação e tinha o poder de pagar o salário que quisesse ao operário.
  2. 2.  É neste momento que surgem duas novas classes sociais, o capitalista e o proletário, onde o capitalista é o proprietário dos meios de produção (fábricas, máquinas, matéria-prima) e o proletário era proprietário apenas de sua força de trabalho. Este último passou a ser empregado do capitalista, que pagava salários cada vez mais baixo para obter mais lucros, oferecendo ao proletário a trabalhar em uma jornada de trabalho que chegava até 16 horas.  Através desta situação que os proletariados percebe a necessidade de se unirem para tentarem negociar as suas condições de trabalho. Com isso surgem os sindicatos, organizações políticas criadas pelos operários, buscando unir forças para disputar politicamente perante os capitalistas, negociação de salários e condições de trabalho.
  3. 3.  A CUT é uma organização que envolve todos os sindicatos do Brasil. Ela foi fundada em 28 de agosto de 1983. Sua criação representou um passo na ruptura com a estrutura sindical oficial, que era baseada na carta del Lavoro, de Benito Mussolini, imposta desde os anos 30 pela Ditadura do presidente brasileiro Getúlio Vargas, e preservada na sua essência apesar dos períodos de redemocratização experimentados pelo país.
  4. 4.  Ela nasceu das mobilizações populares contra a ditadura militar no final dos anos 70, das lutas contra a unicidade sindical (sindicato único imposto pela legislação), o imposto sindical (contribuição financeira compulsória), o direito normativo da Justiça do Trabalho, a ingerência do Estado nas relações entre capital e trabalho, e da defesa da livre- negociação.  A CUT tem autonomia em relação aos governos, aos partidos políticos, aos empresários e aos credos religiosos. Considera que a unidade dos trabalhadores deve resultar da vontade dos próprios trabalhadores e não da imposição por parte do Estado.  Os princípios básicos de atuação da CUT era a luta por melhores condições de vida e trabalho e o engajamento no processo de transformação da sociedade.  A luta pela autodeterminação dos povos, independentemente dos regimes políticos por eles escolhidos, realização de ações internacionais com vista a superação dos desequilíbrios e injustiças mundiais, norteiam a política de solidariedade internacional defendida pela CUT.
  5. 5. A situação atual dos Trabalhadores
  6. 6.  Os trabalhadores estão sozinhos, isolados, sem nenhuma organização para lutar pelos seus direitos. Dessa forma ficam dependentes das ações de nossos políticos para aprovarem leis que ampliem seus direitos ou aumentos salariais. Porém sem pressão todos esses direitos ou aumentos salariais nunca irão satisfazer suas necessidades. A cada ano o salário mínimo têm aumentos irrisórios que nunca irá suprir as necessidades mais importantes do trabalhador como saúde e segurança por exemplo. Na verdade esses pequenos aumentos são conquistas dos empresários. E por que isso ocorre? Porque enquanto a maioria dos trabalhadores estão desunidos, com os empresários as coisas são diferentes, além de financiar campanhas políticas para ter seus projetos aprovados se unem em sindicatos patronais, confederações ou associações empresariais. Eles perceberam que unidos possuem muito mais força e representatividade para exigir ou propor projetos de leis que os beneficiam. Eles buscam lucros, redução de custo e alta produtividade.
  7. 7.  Muitas vezes os trabalhadores se revoltam e até fazem greves, mas porquê não todos? Porque sabe que a maioria dos sindicatos possui dirigentes pelegos e corre o risco de ser demitidos. É dessa forma que muitos acabam ficando quietos e conformados. Desta forma o trabalhador continua sozinho, sem organização e sem iniciativa para lutar por melhores condições de trabalho. Já se conformou em viver uma vida dependente e não se prepara para ter uma vida livre, trabalhando em algo que realmente gosta e que faça se sentir feliz. Os trabalhadores precisam se organizar. A luta de classes que ouvimos dizer nas aulas de sociologia de fato existe. Os trabalhadores podem e devem criar associações, cooperativas, participar de partidos ou núcleos socialistas e de movimentos sociais.
  8. 8. FIM

×