SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
LEI “MARIA DA PENHA”
Conheça a história de  Maria da Penha , a mulher que lutou por quase 20 anos para ver seu agressor na cadeia e deu nome à lei especial cntra a violência doméstica
Maria da Penha Maia Fernandes,   Biofarmacêutica cearense, hoje com 61 anos, fez da sua tragédia pessoal uma bandeira de luta pelos direitos da mulher e batalhou durante 20 anos para que fosse feita justiça.  O seu agressor, o professor universitário de Econômia Marco Antonio Herredia Viveros, era também o seu marido e pai de suas três filhas.  Na época ela tinha 38 anos e suas filhas idades entre 6 e 2 anos.
Na primeira tentativa de assassinato, em 1983, Viveros atirou em suas costas enquanto ainda dormia, alegando que tinha sido um assalto.  Depois do disparo, foi encontrado na cozinha, gritando por socorro.  Dizia que os ladrões haviam escapado pela janela.  Maria da Penha  foi hospitalizada e ficou internada durante quatro meses. Voltou ao lar paraplégica e mantida em regime de isolamento completo.
Foi nessa época que aconteceu a segunda tentativa de homicídio: o  marido a empurrou da cadeira de rodas e tentou eletrocutá-la  embaixo do chuveiro.
Foi a júri duas vezes: a primeira, em 1991, quando os advogados do réu anularam o julgamento. Já na segunda, em 1996, o réu foi condenado a dez anos e seis meses, mas recorreu.  Com a ajuda de diversas ONGs,  Maria da Penha  enviou o caso para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (OEA), pela demora injustificada em não se dar uma decisão ao caso.
Após as tentativas de homicídio,  Maria da Penha  começou a atuar em movimentos sociais contra violência e impunidade e hoje é coordenadora de Estudos, Pesquisas e Publicações da Associação de Parentes e Amigos de Vítimas de Violência (APAVV) no Ceará.
A história de  Maria da Penha  pode ser conhecida na biografia que escreveu em 1994, intitulada  “Sobrevivi... Posso contar”.   Hoje ela atua junto à Coordenação de Políticas para as Mulheres da prefeitura de Fortaleza e é considerada símbolo contra a violência doméstica e batizou a Lei de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, sancionada pelo presidente Lula, no dia 7 de agosto de 2006.
DIVULGUE A LEI  “MARIA DA PENHA” !!! Você poderá auxiliar alguém que esteja sofrendo violência doméstica e não sabe o que fazer.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lei Maria da Penha 3 anos depois - Mima Badan
Lei Maria da Penha 3 anos depois - Mima BadanLei Maria da Penha 3 anos depois - Mima Badan
Lei Maria da Penha 3 anos depois - Mima BadanMima Badan
 
Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11Silvio Candido
 
Ciudad juarez-entrevista
Ciudad juarez-entrevistaCiudad juarez-entrevista
Ciudad juarez-entrevistaPublica Livros
 
Maria da penha novo
Maria da penha novoMaria da penha novo
Maria da penha novo4cia
 
Livrocrimessatanicos 091027142809-phpapp01
Livrocrimessatanicos 091027142809-phpapp01Livrocrimessatanicos 091027142809-phpapp01
Livrocrimessatanicos 091027142809-phpapp01xandep
 
lei maria da penha
lei maria da penhalei maria da penha
lei maria da penhaCleide Silva
 
Lei Maria da Penha e seus efeitos.
Lei Maria da Penha e seus efeitos.Lei Maria da Penha e seus efeitos.
Lei Maria da Penha e seus efeitos.Julia Evellin
 
Aula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulher
Aula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulherAula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulher
Aula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulherIsabela Espíndola
 
TCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulher TCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulher Marcia Oliveira
 

Mais procurados (11)

Lei Maria da Penha 3 anos depois - Mima Badan
Lei Maria da Penha 3 anos depois - Mima BadanLei Maria da Penha 3 anos depois - Mima Badan
Lei Maria da Penha 3 anos depois - Mima Badan
 
Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11
 
Ciudad juarez-entrevista
Ciudad juarez-entrevistaCiudad juarez-entrevista
Ciudad juarez-entrevista
 
Maria da penha novo
Maria da penha novoMaria da penha novo
Maria da penha novo
 
2018 raiox do feminicidio pdf
2018   raiox do feminicidio pdf2018   raiox do feminicidio pdf
2018 raiox do feminicidio pdf
 
Livrocrimessatanicos 091027142809-phpapp01
Livrocrimessatanicos 091027142809-phpapp01Livrocrimessatanicos 091027142809-phpapp01
Livrocrimessatanicos 091027142809-phpapp01
 
lei maria da penha
lei maria da penhalei maria da penha
lei maria da penha
 
Lei Maria da Penha e seus efeitos.
Lei Maria da Penha e seus efeitos.Lei Maria da Penha e seus efeitos.
Lei Maria da Penha e seus efeitos.
 
Aula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulher
Aula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulherAula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulher
Aula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulher
 
Carta Aberta
Carta AbertaCarta Aberta
Carta Aberta
 
TCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulher TCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulher
 

Destaque (7)

Lei Maria da Penha
Lei Maria da PenhaLei Maria da Penha
Lei Maria da Penha
 
Lei Maria da Penha
Lei Maria da PenhaLei Maria da Penha
Lei Maria da Penha
 
Legislação penal especial L 11340 Maria da Penha
Legislação penal especial   L 11340 Maria da PenhaLegislação penal especial   L 11340 Maria da Penha
Legislação penal especial L 11340 Maria da Penha
 
Lei Maria da Penha
Lei Maria da PenhaLei Maria da Penha
Lei Maria da Penha
 
Lei maria da penha de uma forma resumida slide
Lei maria da penha de uma forma resumida slideLei maria da penha de uma forma resumida slide
Lei maria da penha de uma forma resumida slide
 
Violência
ViolênciaViolência
Violência
 
Violência doméstica
Violência doméstica   Violência doméstica
Violência doméstica
 

Semelhante a A história de Maria da Penha e a luta contra a violência doméstica

palestra arthur azevedo maria da penha.pptx
palestra arthur azevedo maria da penha.pptxpalestra arthur azevedo maria da penha.pptx
palestra arthur azevedo maria da penha.pptxAmandaMotaAlvesBarre
 
Leimariadapenha 100806113610-phpapp02
Leimariadapenha 100806113610-phpapp02Leimariadapenha 100806113610-phpapp02
Leimariadapenha 100806113610-phpapp02Zenaide Parmigiani
 
492-leimariadapenha-130131101820-phpapp02.pdf
492-leimariadapenha-130131101820-phpapp02.pdf492-leimariadapenha-130131101820-phpapp02.pdf
492-leimariadapenha-130131101820-phpapp02.pdfJoaoVitor360609
 
Lei mariapenhaslides
Lei mariapenhaslidesLei mariapenhaslides
Lei mariapenhaslidesRai Maia
 
Lei maria da penha
Lei maria da penhaLei maria da penha
Lei maria da penhaLucas Dias
 
Cartilha combate á violência contra a mulher
Cartilha combate  á  violência contra a mulherCartilha combate  á  violência contra a mulher
Cartilha combate á violência contra a mulherCEDDHSC-ESTADUAL-RJ
 
TCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulherTCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulherMarcia Oliveira
 
EM DEFESA DAS MULHERES CONTRA O FEMINICIDIO NO BRASIL E NO MUNDO
EM DEFESA DAS MULHERES CONTRA O FEMINICIDIO NO BRASIL E NO MUNDO   EM DEFESA DAS MULHERES CONTRA O FEMINICIDIO NO BRASIL E NO MUNDO
EM DEFESA DAS MULHERES CONTRA O FEMINICIDIO NO BRASIL E NO MUNDO Fernando Alcoforado
 
Slide SI - Violência Contra A Mulher.pptx
Slide SI - Violência Contra A Mulher.pptxSlide SI - Violência Contra A Mulher.pptx
Slide SI - Violência Contra A Mulher.pptxsamuel7gonsalvestele
 
Bibliografia -violncia_contra_crianas_e_adolescentes
Bibliografia  -violncia_contra_crianas_e_adolescentesBibliografia  -violncia_contra_crianas_e_adolescentes
Bibliografia -violncia_contra_crianas_e_adolescentesOnésimo Remígio
 
Gênero violência e conjugalidade superando desafios - Dra. adélia moreira
Gênero violência e conjugalidade superando desafios - Dra. adélia moreiraGênero violência e conjugalidade superando desafios - Dra. adélia moreira
Gênero violência e conjugalidade superando desafios - Dra. adélia moreiraadventocongressos
 
Palestra Power Point sobre Feminicídio no Brasil
Palestra Power Point sobre Feminicídio no BrasilPalestra Power Point sobre Feminicídio no Brasil
Palestra Power Point sobre Feminicídio no BrasilPPAD
 

Semelhante a A história de Maria da Penha e a luta contra a violência doméstica (20)

Lei Maria da Penha
Lei Maria da PenhaLei Maria da Penha
Lei Maria da Penha
 
palestra arthur azevedo maria da penha.pptx
palestra arthur azevedo maria da penha.pptxpalestra arthur azevedo maria da penha.pptx
palestra arthur azevedo maria da penha.pptx
 
Leimariadapenha 100806113610-phpapp02
Leimariadapenha 100806113610-phpapp02Leimariadapenha 100806113610-phpapp02
Leimariadapenha 100806113610-phpapp02
 
Lei Maria da Penha
Lei Maria da PenhaLei Maria da Penha
Lei Maria da Penha
 
Lei Maria da Penha
Lei Maria da PenhaLei Maria da Penha
Lei Maria da Penha
 
Lei maria da_penha
Lei maria da_penhaLei maria da_penha
Lei maria da_penha
 
492-leimariadapenha-130131101820-phpapp02.pdf
492-leimariadapenha-130131101820-phpapp02.pdf492-leimariadapenha-130131101820-phpapp02.pdf
492-leimariadapenha-130131101820-phpapp02.pdf
 
Lei mariapenhaslides
Lei mariapenhaslidesLei mariapenhaslides
Lei mariapenhaslides
 
Lei maria da penha
Lei maria da penhaLei maria da penha
Lei maria da penha
 
Cartilha combate á violência contra a mulher
Cartilha combate  á  violência contra a mulherCartilha combate  á  violência contra a mulher
Cartilha combate á violência contra a mulher
 
Leimariadapenha
LeimariadapenhaLeimariadapenha
Leimariadapenha
 
TCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulherTCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulher
 
Lei maria da penha
Lei maria da penhaLei maria da penha
Lei maria da penha
 
Projeto Superação
Projeto Superação Projeto Superação
Projeto Superação
 
EM DEFESA DAS MULHERES CONTRA O FEMINICIDIO NO BRASIL E NO MUNDO
EM DEFESA DAS MULHERES CONTRA O FEMINICIDIO NO BRASIL E NO MUNDO   EM DEFESA DAS MULHERES CONTRA O FEMINICIDIO NO BRASIL E NO MUNDO
EM DEFESA DAS MULHERES CONTRA O FEMINICIDIO NO BRASIL E NO MUNDO
 
Violencia Domestica
Violencia Domestica Violencia Domestica
Violencia Domestica
 
Slide SI - Violência Contra A Mulher.pptx
Slide SI - Violência Contra A Mulher.pptxSlide SI - Violência Contra A Mulher.pptx
Slide SI - Violência Contra A Mulher.pptx
 
Bibliografia -violncia_contra_crianas_e_adolescentes
Bibliografia  -violncia_contra_crianas_e_adolescentesBibliografia  -violncia_contra_crianas_e_adolescentes
Bibliografia -violncia_contra_crianas_e_adolescentes
 
Gênero violência e conjugalidade superando desafios - Dra. adélia moreira
Gênero violência e conjugalidade superando desafios - Dra. adélia moreiraGênero violência e conjugalidade superando desafios - Dra. adélia moreira
Gênero violência e conjugalidade superando desafios - Dra. adélia moreira
 
Palestra Power Point sobre Feminicídio no Brasil
Palestra Power Point sobre Feminicídio no BrasilPalestra Power Point sobre Feminicídio no Brasil
Palestra Power Point sobre Feminicídio no Brasil
 

Mais de cacau flamengo

Encontrão: Apropriação dos resultados do SAERJ
Encontrão:  Apropriação dos resultados do SAERJEncontrão:  Apropriação dos resultados do SAERJ
Encontrão: Apropriação dos resultados do SAERJcacau flamengo
 
Manual de lancamentodenotas 2011 professor2
Manual de lancamentodenotas 2011 professor2Manual de lancamentodenotas 2011 professor2
Manual de lancamentodenotas 2011 professor2cacau flamengo
 
Resultados do saerj do CIEP 230
Resultados do saerj do CIEP 230Resultados do saerj do CIEP 230
Resultados do saerj do CIEP 230cacau flamengo
 
Dicas de segurança na internet
Dicas de segurança na internet  Dicas de segurança na internet
Dicas de segurança na internet cacau flamengo
 
Manual encerramento 2011
Manual encerramento 2011Manual encerramento 2011
Manual encerramento 2011cacau flamengo
 
Calendarios2011 EJA - Ensino Médio
Calendarios2011 EJA - Ensino MédioCalendarios2011 EJA - Ensino Médio
Calendarios2011 EJA - Ensino Médiocacau flamengo
 
Calendarios2011 Ensino Regular
Calendarios2011 Ensino RegularCalendarios2011 Ensino Regular
Calendarios2011 Ensino Regularcacau flamengo
 
Projeto meio-ambiente3136
Projeto meio-ambiente3136Projeto meio-ambiente3136
Projeto meio-ambiente3136cacau flamengo
 
Mensagem para a reunião de pais
Mensagem para a reunião de paisMensagem para a reunião de pais
Mensagem para a reunião de paiscacau flamengo
 

Mais de cacau flamengo (20)

Dia do trabalho
Dia do trabalhoDia do trabalho
Dia do trabalho
 
Encontrão: Apropriação dos resultados do SAERJ
Encontrão:  Apropriação dos resultados do SAERJEncontrão:  Apropriação dos resultados do SAERJ
Encontrão: Apropriação dos resultados do SAERJ
 
Manual de lancamentodenotas 2011 professor2
Manual de lancamentodenotas 2011 professor2Manual de lancamentodenotas 2011 professor2
Manual de lancamentodenotas 2011 professor2
 
Resultados do saerj do CIEP 230
Resultados do saerj do CIEP 230Resultados do saerj do CIEP 230
Resultados do saerj do CIEP 230
 
Dicas de segurança na internet
Dicas de segurança na internet  Dicas de segurança na internet
Dicas de segurança na internet
 
Como usar a internet
Como usar a internetComo usar a internet
Como usar a internet
 
Buenos Aires
Buenos AiresBuenos Aires
Buenos Aires
 
Projeto de história
Projeto de históriaProjeto de história
Projeto de história
 
Bia
BiaBia
Bia
 
Projeto de leitura
Projeto de leitura Projeto de leitura
Projeto de leitura
 
Inicio das aulas 1
Inicio das aulas 1Inicio das aulas 1
Inicio das aulas 1
 
Manual encerramento 2011
Manual encerramento 2011Manual encerramento 2011
Manual encerramento 2011
 
Calendarios2011 EJA - Ensino Médio
Calendarios2011 EJA - Ensino MédioCalendarios2011 EJA - Ensino Médio
Calendarios2011 EJA - Ensino Médio
 
Calendarios2011 Ensino Regular
Calendarios2011 Ensino RegularCalendarios2011 Ensino Regular
Calendarios2011 Ensino Regular
 
Jorn al
Jorn alJorn al
Jorn al
 
Jorn al
Jorn alJorn al
Jorn al
 
Prova que aprova
Prova que aprovaProva que aprova
Prova que aprova
 
Projeto meio-ambiente3136
Projeto meio-ambiente3136Projeto meio-ambiente3136
Projeto meio-ambiente3136
 
Mensagem para a reunião de pais
Mensagem para a reunião de paisMensagem para a reunião de pais
Mensagem para a reunião de pais
 
Sobreviventes
SobreviventesSobreviventes
Sobreviventes
 

Último

Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 

A história de Maria da Penha e a luta contra a violência doméstica

  • 1. LEI “MARIA DA PENHA”
  • 2. Conheça a história de Maria da Penha , a mulher que lutou por quase 20 anos para ver seu agressor na cadeia e deu nome à lei especial cntra a violência doméstica
  • 3. Maria da Penha Maia Fernandes, Biofarmacêutica cearense, hoje com 61 anos, fez da sua tragédia pessoal uma bandeira de luta pelos direitos da mulher e batalhou durante 20 anos para que fosse feita justiça. O seu agressor, o professor universitário de Econômia Marco Antonio Herredia Viveros, era também o seu marido e pai de suas três filhas. Na época ela tinha 38 anos e suas filhas idades entre 6 e 2 anos.
  • 4. Na primeira tentativa de assassinato, em 1983, Viveros atirou em suas costas enquanto ainda dormia, alegando que tinha sido um assalto. Depois do disparo, foi encontrado na cozinha, gritando por socorro. Dizia que os ladrões haviam escapado pela janela. Maria da Penha foi hospitalizada e ficou internada durante quatro meses. Voltou ao lar paraplégica e mantida em regime de isolamento completo.
  • 5. Foi nessa época que aconteceu a segunda tentativa de homicídio: o marido a empurrou da cadeira de rodas e tentou eletrocutá-la embaixo do chuveiro.
  • 6. Foi a júri duas vezes: a primeira, em 1991, quando os advogados do réu anularam o julgamento. Já na segunda, em 1996, o réu foi condenado a dez anos e seis meses, mas recorreu. Com a ajuda de diversas ONGs, Maria da Penha enviou o caso para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (OEA), pela demora injustificada em não se dar uma decisão ao caso.
  • 7. Após as tentativas de homicídio, Maria da Penha começou a atuar em movimentos sociais contra violência e impunidade e hoje é coordenadora de Estudos, Pesquisas e Publicações da Associação de Parentes e Amigos de Vítimas de Violência (APAVV) no Ceará.
  • 8. A história de Maria da Penha pode ser conhecida na biografia que escreveu em 1994, intitulada “Sobrevivi... Posso contar”. Hoje ela atua junto à Coordenação de Políticas para as Mulheres da prefeitura de Fortaleza e é considerada símbolo contra a violência doméstica e batizou a Lei de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, sancionada pelo presidente Lula, no dia 7 de agosto de 2006.
  • 9. DIVULGUE A LEI “MARIA DA PENHA” !!! Você poderá auxiliar alguém que esteja sofrendo violência doméstica e não sabe o que fazer.