   Objetivo: Elaborar uma situação deaprendizagem com foco na leitura e na oralidadeutilizando diferentes tipos de lingua...
   Em uma roda de conversa vamos trocar informaçõessobre a vida do autor Moacyr Scliar respondendo àsseguintes perguntas:...
   Explorar as imagens ativando o conhecimento demundo do aluno e relacionando com o título doconto: “Pausa”.  Observe a...
 Observem as imagens mostradas. O que elassignificam?   Em que momentos utilizamos a pausa?   A pausa é importante para...
  Sugestão – Anote as hipóteses levantadas pelosalunos na lousa e faça a confirmação ou negaçãodelas após a leitura do te...
"Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama,correu para o banheiro, fez a barba e lavou-se. Vestiu-se rapida...
A mulher coçava a axila esquerda. Antes que voltasse à carga, Samuel pegou o chapéu:—Volto de noite.As ruas ainda estavam ...
— Está bem, não vou atrapalhar. O de sempre. — Estendeu achave.Samuel subiu quatro lanços de uma escada vacilante.Ao chega...
Samuel dormia; sonhava. Nu, corria por uma planície imensa,perseguido por índio montado a cavalo. No quarto abafado ressoa...
 Localização de informações, comparaçãode informações e generalizações.  Explorar as expressões, a pontuação queenfatiza...
  Pesquisar sobre o termo “pausa” e fazer umarelação com o conto que foi lido. 
 Recuperação do contexto de produção   Em dupla os alunos deverão fazer:   O levantamento do vocabulário e expressõesde...
 Percepção de intertextualidade  Comparação do texto “Pausa” com trechos damúsica “Pausa” (cantada por Tetê Espíndola) e...
Chuva finaGota a gota caiO tempo, a correnteza vaiNão há destino, só um irNão quer sentidoE tanto fazSentir o dia dilatarD...
Hagar e Eddie Sortudo náufragos?Hagar e Eddie Sortudo náufragos?Diversão na certa!Diversão na certa!Créditos da tira: :Cré...
 Percepção de outras linguagens  Resgate do contexto social das personagens.Que marcas das falas das personagens nosreme...
Aula mgme abre
Aula mgme abre
Aula mgme abre
Aula mgme abre
Aula mgme abre
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula mgme abre

125 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
125
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula mgme abre

  1. 1.    Objetivo: Elaborar uma situação deaprendizagem com foco na leitura e na oralidadeutilizando diferentes tipos de linguagens.   Público alvo: 9º ano.   Tempo: 6 aulas. 
  2. 2.    Em uma roda de conversa vamos trocar informaçõessobre a vida do autor Moacyr Scliar respondendo àsseguintes perguntas:   Você conhece esse autor?  Conhece alguma obra desse autor?   Qual obra? Sugestão – Após as respostas dos alunos apresentar:uma foto do autor, sua biografia e o nome de algumasde suas obras.
  3. 3.    Explorar as imagens ativando o conhecimento demundo do aluno e relacionando com o título doconto: “Pausa”.  Observe as imagens a seguir e responda:  
  4. 4.  Observem as imagens mostradas. O que elassignificam?   Em que momentos utilizamos a pausa?   A pausa é importante para quê?
  5. 5.   Sugestão – Anote as hipóteses levantadas pelosalunos na lousa e faça a confirmação ou negaçãodelas após a leitura do texto. Leitura compartilhada do texto.
  6. 6. "Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama,correu para o banheiro, fez a barba e lavou-se. Vestiu-se rapidamente e sem ruído. Estava nacozinha, preparando sanduíches, quando a mulher apareceu, bocejando:—Vais sair de novo, Samuel?Fez que sim com a cabeça. Embora jovem, tinha a frontecalva; mas as sobrancelhas eram espessas, a barba, embora recém-feita, deixava ainda no rosto uma sombra azulada. O conjunto erauma máscara escura.— Todos os domingos tu sais cedo — observou a mulher com azedume na voz.— Temos muito trabalho no escritório — disse o marido, secamente.Ela olhou os sanduíches:—Por que não vens almoçar?— Já te disse: muito trabalho. Não há tempo. Levo um lanche.
  7. 7. A mulher coçava a axila esquerda. Antes que voltasse à carga, Samuel pegou o chapéu:—Volto de noite.As ruas ainda estavam úmidas de cerração. Samuel tirou o carro da garagem. Guiavavagarosamente, ao longo do cais, olhando os guindastes, as barcaças atracadas.Estacionou o carro numa travessa quieta. Com o pacote de sanduíches debaixo do braço,caminhou apressadamente duas quadras. Deteve-se ao chegar a um hotel pequeno e sujo.Olhou para os lados e entrou furtivamente. Bateu com as chaves do carro no balcão, acordandoum homenzinho que dormia sentado numa poltrona rasgada. Era o gerente. Esfregando os olhos,pôs-se de pé.—Ah! Seu Isidoro! Chegou mais cedo hoje. Friozinho bom este, não é? A gente...—Estou com pressa, seu Raul!—atalhou Samuel.
  8. 8. — Está bem, não vou atrapalhar. O de sempre. — Estendeu achave.Samuel subiu quatro lanços de uma escada vacilante.Ao chegar ao último andar, duas mulheres gordas, de chambrefloreado, olharam-no com curiosidade:—Aqui,meu bem!—uma gritou, e riu:um cacarejo curto.Ofegante, Samuel entrou no quarto e fechou a porta à chave. Era um aposento pequeno: umacama de casal, um guarda-roupa de pinho; a um canto, uma bacia cheia dágua, sobre um tripé.Samuel correu as cortinas esfarrapadas, tirou do bolso um despertador de viagem,deu corda ecolocou-o na mesinha de cabeceira. Puxou a colcha e examinou os lençóis com o cenhofranzido; com um suspiro, tirou o casaco e os sapatos, afrouxou a gravata. Sentado na cama,comeu vorazmente quatro sanduíches. Limpou os dedos nopapel de embrulho, deitou-se e fechou os olhos.Dormir. Em pouco,dormia. Lá embaixo, a cidadecomeçava a mover-se: os automóveis buzinando, os jornaleiros gritando,os sons longínquos.Um raio de sol filtrou-se pela cortina, estampou um círculo luminoso no chão carcomido.
  9. 9. Samuel dormia; sonhava. Nu, corria por uma planície imensa,perseguido por índio montado a cavalo. No quarto abafado ressoava ogalope. No planalto da testa, nas colinas do ventre, no vale entre aspernas, corriam.Samuel mexia­se e resmungava.Às duas e meia da tarde sentiuuma dor lancinante nas costas. Sentou­se na cama, os olhosesbugalhados: o índio acabava de trespassá­lo com a lança. Esvaindo­seem sangue, molhado de suor, Samuel tombou lentamente; ouviu o apitoSoturno de um vapor. Depois,silêncio. Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama,correu para a bacia, lavou­se. Vestiu­se rapidamente e saiu. Sentado numa poltrona, o gerentelia uma revista.—Já vai, seu Isidoro?— Já — disse Samuel, entregando a chave. Pagou, conferiu otroco em silêncio.—Até domingo que vem, seu Isidoro — disse o gerente.—Não sei se virei—respondeu Samuel, olhando pela porta; a noite caía.O senhor diz isto, mas volta sempre — observou o homem, rindo. Samuel saiu. Ao longo docais, guiava lentamente. Parou um instante, ficou olhando os guindastes recortados contra o céuavermelhado. Depois, seguiu.Para casa."SCLIAR, Moacyr.In:BOSI, Alfredo. O Conto Brasileiro Contemporâneo. SãoPaulo: Cutrix,1997.
  10. 10.  Localização de informações, comparaçãode informações e generalizações.  Explorar as expressões, a pontuação queenfatiza a reação dos personagens;  Ativar conhecimentos prévios em relação aotexto.  Trabalhar os seguintes elementos da narrativa:personagem, tempo e espaço.
  11. 11.   Pesquisar sobre o termo “pausa” e fazer umarelação com o conto que foi lido. 
  12. 12.  Recuperação do contexto de produção   Em dupla os alunos deverão fazer:   O levantamento do vocabulário e expressõesdesconhecidas;   A checagem da lista utilizando o dicionário/internet;   Em seguida deverão preencher uma planilhaidentificando: Tempo e espaço;   Características físicas e psicológicas daspersonagens;  Enredo e foco narrativo.  
  13. 13.  Percepção de intertextualidade  Comparação do texto “Pausa” com trechos damúsica “Pausa” (cantada por Tetê Espíndola) e aHQ que levem à reflexão das atitudes ecomportamentos do personagem principal doconto.
  14. 14. Chuva finaGota a gota caiO tempo, a correnteza vaiNão há destino, só um irNão quer sentidoE tanto fazSentir o dia dilatarDe grão em grãoA sombra contrairAo contratempo de um hai-kaiO incenso doce e denso de hortelãDa manhãA surgir, a migrarTrigo, estrada, moenda, roda dáguaCaminho do solTrino, ária, fuga, reza, pausaCaminho do som.
  15. 15. Hagar e Eddie Sortudo náufragos?Hagar e Eddie Sortudo náufragos?Diversão na certa!Diversão na certa!Créditos da tira: :Créditos da tira: : BlogBlog TirasTiras HagarHagar
  16. 16.  Percepção de outras linguagens  Resgate do contexto social das personagens.Que marcas das falas das personagens nosremetem aos tipos de pessoas?  Debate: O que vocês acharam docomportamento das personagens do conto?

×