Seq. didática 1 (vanessa)

377 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
377
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
133
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seq. didática 1 (vanessa)

  1. 1. Público Alvo: 9º ano – 8ª sérieAulas previstas: 06
  2. 2.  Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama, correu para o banheiro. Fez a barba e lavou-se.Vestiu-se rapidamente e sem ruído. Estava na cozinha, preparando sanduíches, quando a mulherapareceu, bocejando: —Vais sair de novo, Samuel? Fez que sim com a cabeça. Embora jovem, tinha a fronte calva; mas as sobrancelhas eram espessas, a barba, embora recém-feita, deixava ainda no rosto uma sombra azulada. O conjunto era uma máscara escura. —Todos os domingos tu sais cedo – observou a mulher com azedume na voz. —Temos muito trabalho no escritório – disse o marido, secamente. Ela olhou os sanduíches: —Por que não vens almoçar? —Já te disse: muito trabalho. Não há tempo. Levo um lanche. A mulher coçava a axila esquerda. Antes que voltasse a carga, Samuel pegou o chapéu: —Volto de noite. As ruas ainda estavam úmidas de cerração. Samuel tirou o carro da garagem. Guiava vagarosamente, ao longodo cais, olhando os guindastes, as barcaças atracadas. Estacionou o carro numa travessa quieta. Com o pacote de sanduíches debaixo do braço, caminhouapressadamente duas quadras. Deteve-se ao chegar a um hotel pequeno e sujo. Olhou para os lados e entroufurtivamente. Bateu com as chaves do carro no balcão, acordando um homenzinho que dormia sentado numapoltrona rasgada. Era o gerente. Esfregando os olhos, pôs-se de pé:
  3. 3.  —Ah! Seu Isidoro! Chegou mais cedo hoje. Friozinho bom este, não é? A gente... —Estou com pressa, seu Raul – atalhou Samuel. — Está bem, não vou atrapalhar. O de sempre - Estendeu a chave. Samuel subiu quatro lanços de uma escada vacilante. Ao chegar ao último andar, duas mulheres gordas, de chambrefloreado, olharam-no com curiosidade: —Aqui, meu bem! – uma gritou, e riu: um cacarejo curto. Ofegante, Samuel entrou no quarto e fechou a porta a chave. Era um aposento pequeno: uma cama de casal, um guarda-roupa depinho: a um canto, uma bacia cheia d’água, sobre um tripé. Samuel correu as cortinas esfarrapadas, tirou do bolso um despertador deviagem, deu corda e colocou-o na mesinha de cabeceira. Puxou a colcha e examinou os lençóis com o cenho franzido; com um suspiro, tirou o casaco e os sapatos, afrouxou a gravata.Sentado na cama, comeu vorazmente quatro sanduíches. Limpou os dedos no papel de embrulho, deitou-se fechou os olhos. Dormir. Em pouco, dormia. Lá embaixo, a cidade começava a move-se: os automóveis buzinando, os jornaleiros gritando, os sons longínquos. Um raio de sol filtrou-se pela cortina, estampou um círculo luminoso no chão carcomido. Samuel dormia; sonhava. Nu, corria por uma planície imensa, perseguido por um índio montado o cavalo. No quarto abafadoressoava o galope. No planalto da testa, nas colinas do ventre, no vale entre as pernas, corriam. Samuel mexia-se e resmungava. Àsduas e meia da tarde sentiu uma dor lancinante nas costas. Sentou-se na cama, os olhos esbugalhados: o índio acabava de trespassá-lo com a lança. Esvaindo-se em sangue, molhando de suor, Samuel tombou lentamente; ouviu o apito soturno de um vapor.Depois, silêncio. Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama, correu para a bacia, levou-se. Vestiu-se rapidamente e saiu. Sentado numa poltrona, o gerente lia uma revista. — Já vai, seu Isidoro? —Já – disse Samuel, entregando a chave. Pagou, conferiu o troco em silêncio. —Até domingo que vem, seu Isidoro – disse o gerente. —Não sei se virei – respondeu Samuel, olhando pela porta; a noite caia. —O senhor diz isto, mas volta sempre – observou o homem, rindo. Samuel saiu. Ao longo dos cais, guiava lentamente. Parou um instante, ficou olhando os guindastes recortados contra o céu avermelhado.Depois, seguiu. Para casa.
  4. 4. Competências e habilidades: reconhecercaracterísticas do gênero ―conto‖, comparar anarrativa em diferentes gêneros.
  5. 5. - Normalmente, como é o relacionamento entremarido e mulher?- É comum haver o comportamento encontradono texto?- Vocês acham que a rotina interfere norelacionamento?- O que o título sugere?
  6. 6. Levar os alunos à sala de informáticapara pesquisar sobre o autor:biografia, estilo, características, obrasetc.
  7. 7. Inicia-se a leitura colaborativa ou compartilhadacom inferências do professor acerca do vocabulárioe expressões:- Quanto ao gênero, o texto corresponde ao que seesperava? É um artigo científico ou uma narração?- A qual gênero pertence?
  8. 8. Mostrar dentro da tipologianarrativa, que há vários gêneros osquais contam histórias. Que esseespecialmente é um conto, assimfornecendo as características dogênero, confrontando comcrônica, fábula e lenda.
  9. 9. - O que faz o marido querer ―fugir de casa‖ aosdomingos?- Os fatos foram convincentes e resolveram oproblema?
  10. 10. - A que conclusão pode-se chegar em relação àsatitudes do marido?- A sequência narrativa deixa claro os motivospelos quais o marido saía de casa?- A sua concepção em relação ao título mudouapós a leitura?
  11. 11. Propor uma reescrita do texto, priorizando a duplaprodutiva. Em seguida, trocam-se os textos parauma revisão que posteriormente volta à duplaautora, para reconhecer seus erros.Ilustração do conto em forma de charge, oucaricatura.
  12. 12.  - Propor uma intertextualidade à classe (se nãosouberem o que é, aproveitar a oportunidadepara construir esse conhecimento com osalunos). - Exibição da letra da música ―Tédio‖ (BiquiniCavadão) e dos filmes ―Click‖ e ―Separadospelo casamento‖.
  13. 13. TédioBiquini CavadãoAlô!Sabe esses diasEm que horas dizem nadaE você nem troca o pijamaPreferia estar na camaUm dia, a monotoniaTomou conta de mimÉ o tédioCortando os meus programasEsperando o meu fim...(Refrão)Sentado no meu quartoO tempo vôaLá fora a vida passaE eu aqui à tôaEu já tentei de tudoMas não tenho remédioPrá livrar-me desse tédio...Vejo o programaQue não me satisfazLeio o jornal que é de ontemPois prá mim, tanto fazJá tive esse problemaSei que o tédioÉ sempre assimSe tudo piorarNão sei do que sou capaz...(Refrão)Vejo o programaQue não me satisfazLeio o jornal que é de ontemPois prá mim, tanto fazJá tive esse problemaSei que o tédioÉ sempre assimSe tudo piorarNão sei do que sou capaz...(Refrão)Tédio!Não tenho um programaTédio!Esse é o meu dramaO que corrói é o tédioUm dia eu fico cegoMe atiro deste prédio...
  14. 14. “Separados pelo casamento”(comédia romântica)e“Click”- Propor um levantamento das semelhanças entreas quatro situações: da conto , dos dois filmes eleitura e apreciação da música.- Abrir uma roda de conversas para expor o que foiidentificado.

×