Encontro de Bibliotecas itinerantes em Montalegre, 8 Junho 2013

698 visualizações

Publicada em

Apresentação no Encontro de Bibliotecas Itinerantes em Montalegre, 8 e 9 Junho 2013

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Encontro de Bibliotecas itinerantes em Montalegre, 8 Junho 2013

  1. 1. Na Estrada com os LivrosAs bibliotecas móveis como solução de acesso aserviços de bibliotecas num país de contrastesMontalegre, 8 de Junho de 2013João Henriques
  2. 2. 1. Dissertação de mestrado• Motivações, objectivos emetodologia• Contextualização• Resultados do estudo2. A Nave Voadora – Directório deBibliotecas Itinerantes• Motivações e recolha deinformação• Uma descrição da realidade• Objectivos futurosItinerário…
  3. 3. Motivações• Ressurgimento das bibliotecas móveis•50 anos rede de bibliotecas itinerantes da FundaçãoCalouste Gulbenkian (2008)• Ausência de reflexão e debate ao contrário do queacontece em outros países europeus (ex. Espanha)Desigual distribuição dapopulação no territórioportuguêsex. assimetrialitoral - interiorDesigualdade noacesso a serviçospúblicos básicosSOLUÇÃO (ex. zonas rurais)Recurso ao modelo deitinerânciaunidades móveis de saúde,bibliotecas móveis, postosde correios, etc.3
  4. 4. Objectivos• Demonstrar que as bibliotecas móveis como serviçode extensão bibliotecária são um meio eficaz paraatingir zonas do território e franjas da populaçãoque, de outro modo, não poderiam aceder aosserviços de biblioteca e aos recursos informacionaisque ela fornece;• Avaliar as consequências sobre os hábitos de leiturae acesso à informação nas populações por elesservidas.
  5. 5. Metodologia• Método linear clássico (Quivy e Van Campenhoudt, 2005)• Estudo de Caso (Bibliomóvel de Proença-a-Nova)• Em termos exploratórios:Análise dedocumentosnormativosBibliografia geral e casosde aplicação destesserviços (práticas depromoção da leitura,gestão de colecções,gestão do serviço, etc.)Caracterização douniverso das bibliotecasmóveis em Portugal(levantamento dosserviços existentes)
  6. 6. Metodologia• Técnica de recolha de dados: inquérito porquestionário•População - alvo: amostra de 52 indivíduos num universode 220 indivíduos (utilizadores registados da Bibliomóvel)• Estrutura do inquérito: perguntas fechadas,complementadas por perguntas semi-abertas, uma questãoem escala ordinal1ª parte 2ª parte 3ª parteIdentificação dascaracterísticas dapopulação em estudo(género, idade,habilitações e local deresidência)Avaliar o grau deutilização de bibliotecasna área geográfica alvode estudoIdentificar consequênciase mudanças introduzidaspela Bibliomóvel ao níveldos hábitos de leitura eacesso à informação6
  7. 7. Definição e Conceito de serviço“Os serviços têm de ser fisicamente acessíveis a todos os membros da comunidade. [...]Implica igualmente serviços destinados àqueles a quem é impossível frequentar abiblioteca.”Manifesto IFLA/UNESCO sobre Bibliotecas Públicas, 1994Pontos fixosex. pólos da bibliotecapúblicaPontos móveisex. bibliotecas móveisEmpréstimos colectivosex. bibliocaixas oubibliomalasEmpréstimosvia postalConceito de extensãobibliotecária:Os processos e serviçosque uma biblioteca leva acabo para chegar aos seusutilizadores que, porrazões de umamarginalização criada pordeterminado contexto
  8. 8. Definição e Conceito de serviçoComo definir Biblioteca Móvel?Serviço de extensão bibliotecária da biblioteca pública, que é disponibilizadoatravés de um qualquer meio de transporte (carro, barco, comboio, etc.) e pormeio do qual são levados os serviços básicos de biblioteca até comunidadesdesfavorecidas pela sua localização geográfica (pequenas comunidades, áreasrurais, bairros periféricos de zonas urbanas) ou públicos específicos (prisões, laresde idosos ou escolas), e que a esses mesmos serviços não podem ter um fácilacesso.
  9. 9. A implementação do serviço: critériosQue documentos orientadores a utilizar?- Mobile Library Guidelines (IFLA, 1991)- El servicio de bibliobús: pautas básicas para su funcionamiento(2002)Que preocupações se devem ter ao implementar estesserviços?• Estudar a viabilidade e as condições existentes para a implementaçãode um serviço de biblioteca móvel tendo em conta:- A comunidade o ter solicitado- A proximidade ou não com bibliotecas (pontos fixos)- A proximidade de escolas e jardins de infância- Quantitativos populacionais existentes e seu grau de mobilidade
  10. 10. A implementação do serviço: critérios• Conhecer as características do local: tipos de público,potenciais utilizadores, etc.• Pontos de paragem: locais centrais, sinalizados,periodicidade das visitas• Estabelecer as melhores rotas possíveis• Colecção: articulação com a colecção da bibliotecapública fixa; carácter geral mas com atenção àsnecessidades locais• Tipos de veículos: características técnicas• Recursos Humanos
  11. 11. Serviços disponibilizados• Os serviços disponibilizados não diferem dos tradicionais:apenas têm especificidades próprias• Empréstimo Domiciliário: periodicidade das visitas,flexibilidade das regras de empréstimo• Novas Tecnologias da Informação e Comunicação: acessointernet, existência de um número mínimo de equipamentos• Serviços à Comunidade: Serviço de Referência, Formação,apoio na execução de práticas ligadas ao quotidiano (escrevercarta, etc.)• Promoção da leitura: actividades de animação da leitura (ex.hora do conto)
  12. 12. Bibliotecas móveis em Portugal: umpercurso• A 1ª República: primeiras experiências- Proximidade com o utilizador- Evolução em números: 50 (1920) 22 (1922) 19 (1926)• As bibliotecas ambulantes do Secretariado Nacional de Informação(1945-1949)- População-alvo: populações rurais- Valores identitários da cultura portuguesa = reflexo na colecção• A biblioteca móvel do Museu-Biblioteca Conde Castro Guimarães (Cascais)e o papel de Branquinho da Fonseca (1953)- 1ª experiência bem sucedida- Introdução de princípios inovadores para a época tais como o empréstimo domiciliárioe uma renovação constante da colecção
  13. 13. Bibliotecas móveis em Portugal: umpercurso• O papel pioneiro das bibliotecas itinerantes da Fundação CalousteGulbenkian (1958) com adopção de outros princípios inovadores:- Empréstimo domiciliário por período alargado- Aconselhamento sobre leituras- Atenção às necessidades de diferentes grupos etários (ex. crianças e adolescentes)- Aumento gradual da cobertura do serviço15 (1958) 29 (1960) 47 (1962) 60 (1972) 62 (1975) 57 (1989)- Crescente adesão de utilizadores2.571,212 (1958-1962) 6.302,991 (1963-1967) 7.346,573 (1978-1982)- Década de 70 (séc. XX) → Extinção ServiçoBibliotecas Fixas (2002)
  14. 14. Bibliotecas móveis emPortugal (2009)• A segunda metade da década de 90 (séc. XX) marcao ressurgimento das bibliotecas móveis• Distribuição territorial:- 56 unidades circulantes- Litoral / Interior Norte e Centro- Grande Lisboa, Alentejo, Algarve• Públicos: escolas e público em geral• Veículos: carrinhas; apenas uma utiliza veículo tipoautocarro (Mealhada)Legenda:BM em serviço BM recentemente em serviçoBM fora serviço (avarias) BM em projectoBM fora serviço (pólos fixos)
  15. 15. Estudo de casoBibliomóvel de Proença-a-Nova: análise domeio envolvente• O concelho de Proença-a-Nova situa-se no distrito de CasteloBranco, na denominada região do Pinhal Interior Sul• 9.610 habitantes (Censos 2001) distribuídos por uma área de 395,4km² e seis freguesias (Alvito da Beira, Montes da Senhora, Peral,Proença-a-Nova e Sobreira Formosa)• Elevados índices de desertificação = acentuada diminuição donúmero de habitantes = envelhecimentoSintoma: encerramento progressivo de numerososestabelecimentos de ensino do 1º ciclo EB• Baixo nível de habilitações, maioritariamente ao nível do 1.º ciclodo ensino básico
  16. 16. A Rede de BibliotecasMunicipais de Proença-a-Nova e a Bibliomóvel• Biblioteca Municipal Central(BM1)•4 pólos• 2.562 utilizadores (2007) = 28%hab. concelho• Bibliomóvel de Proença-a-Novasurge em 29 de Junho de 2006• 8 rotas, no período de terça asexta-feira, entre as 14:00h e as17:30h• Visitas: Periodicidade quinzenalLegenda:A23IC8Estrada NacionalEstradas Municipais
  17. 17. A Rede de Bibliotecas Municipais deProença-a-Nova e a Bibliomóvel• Percurso da Bibliomóvel serve, directamente, 23% da população doconcelho (2.209 habitantes residentes nos pontos de paragem)220 habitantes (10%) são utilizadores registados• Serviços: empréstimo domiciliário (livros e DVD’s), fotocópias, serviçode referência, acesso à Internet e os “Antídotos contra a solidão e oisolamento”• Novo serviço de itinerância: Maletras = Mala das Letras• Animação: Hora do Conto e Animação de VerãoColecçãoLivros DVD’s Periódicos828 115 8 publicações periódicas: 2 diários (1 desportivo e 1 generalista),1 jornal regional e 5 revistas mensais
  18. 18. Análise dos resultadosCaracterização da população em estudo• Predominância de utilizadores dosexo feminino (61,5%)• Repartição equitativa entre adultos(42,3%) e os escalões mais jovens- Crianças = 21,2%- Jovens = 17,3%• Habilitações literárias- 1º ciclo ensino básico (46,2%)- 3º ciclo ensino básico (30,8%)21,2 %17,3 %42,3 %19,2 %051015202530354045Percentagem%Escalão etárioCrianças (0-14)Jovens (15-24)Adultos (25-64)Idosos (65+)
  19. 19. • Perfil do utilizador- Adultos do sexo feminino, portadores dequalificações ao nível do 1.º ciclo do ensino básico(56,3%)Sem esquecer:- Jovens do sexo masculino, portadores dequalificações ao nível do 3º ciclo- Idosos, portadores de qualificações ao nível do 1ºciclo• Cobertura territorial restrita aos utilizadoresresidentes em cada ponto de paragemAnálise dos resultados
  20. 20. Análise dos resultados• 84,6% dos inquiridos nuncafrequentaram bibliotecas fora doconcelho• 51,9% inquiridos frequentou ospontos fixos de bibliotecaexistentes no concelho- Crianças (90,9%)- Jovens (100%)• O perfil dos não frequentadoresde bibliotecas é mais envelhecido- Adultos (68,2%)- Idosos (90%)Utilização de bibliotecas do concelho38,7 %22,6 %22,6 %9,7 %6,5 %051015202530354045Percentagem%Motivos para o não recurso àsbibliotecas concelhiasNão sentia necessidade derecorrer ao uso debibliotecasAusência de transportepróprio para a deslocaçãoAusência de tempo para aíme desclocar devido àminha actividadeprofissionalAusência de transportespúblicos para me deslocaràs bibliotecasOutras razões
  21. 21. Análise dos resultadosA Bibliomóvel e os seus impactos• Principal razão para a sua utilização é o facto de ela ser a biblioteca maispróxima (46,2%)- Adultos (40%) - Idosos (80%)• Desenvolvimento de comportamentos latentescomo o gosto pela leitura- 28,8% e 17,3% como 1ª e 2ªrazões, respectivamente- Crianças e Jovens = sinal de reforço da leitura- Adultos e Idosos = criação desse mesmo gosto pelaleitura• Fraco papel dos encarregados de educação noestímulo da leitura (1,9%)
  22. 22. Análise dos resultados• Aumento do nível conhecimentos e cultura geral (27,1%)• Estar mais informado sobre assuntos da actualidade (8,6%)• Transformação doshábitos de leitura einformação (82,7%)• Reforço da prática daleitura (55,7%)- Crianças (66,7%)- Jovens (62,5%)- Adultos (48,5%)- Idosos (61,5%)6,7%6,1%23,1%20%25%36,4%15,4%66,7%62,5%48,5%61,5%12,5%3%6,7%6,1%0 20 40 60 80CriançasJovensAdultosIdososPercentagem %EscalõesEtáriosOutras razõesSenti a necessidade demelhorar a minhaformação/escolaridadePassei a ler mais do que liaantesAumentei os meusconhecimentos/culturageralPassei a estar maisinformado sobre assuntosda actualidade
  23. 23. Análise dos resultadosCrianças Jovens Adultos IdososLivros 39,1% 25 40,5% 40%Periódicos 0 8,3% 51,4% 60%DVD’s 30,4% 25% 2,7% 0Internet 30,4% 41,7% 5,4% 0Que recursos contribuíram para essa transformação?• Para 17,3% dos inquiridos, o surgimentoda Bibliomóvel não produziu quaisquer alteraçõesnos seus hábitos de leitura e informação- 70% já liam anteriormente- 20% afirmaram não gostar de ler
  24. 24. Análise dos resultados• Benefícios para as suascomunidades (92%)- Incremento dos hábitos de leitura- Posse de mais informação sobre osmais variados assuntos- Reforço de laços de solidariedadee vizinhança em torno da leitura• Benefícios mais sentidospelos idosos (35,3%)• 8% dos inquiridos não identificaram quaisquer benefícios para as suascomunidades24,4%52,6%23,1%0102030405060Percentagem%Benefícios para a aldeiaProporcionoumaior convívioAs pessoas lêmmaisAs pessoas estãomais informadasOutras razões
  25. 25. Conclusões• Biblioteca pública = pólo de vida cultural e de socializaçãoa biblioteca móvel alarga esse conceito• Oportunidade para fomentar a coesão social e cultural de um paísao elevar os níveis de literacia• Meio de fomentar a procura de formação• Reforço dos laços de solidariedade nas comunidades em torno daleitura• Necessidade de reflexão sobre as bibliotecas móveis- Criação de espaços de debate- Criação de instrumentos de planeamento e avaliação
  26. 26. A Nave Voadora, Directório deBibliotecas Itinerantes Portuguesas
  27. 27. A Nave Voadora, Directório deBibliotecas Itinerantes PortuguesasMotivações• Contibuto para promoção da reflexão e debate• Descrever uma realidade pouco conhecida ouesquecida (até 2008/2008)• Agregar recursos váriosdispersos ou desconhecidos(Bibliografia, recursos para bibliotecários, etc.)
  28. 28. A Nave Voadora, Directório deBibliotecas Itinerantes PortuguesasComo?• Pesquisa de informação nos sítios Internet dasautarquias e bibliotecas públicas• Meios de comunicação socialnacionais e regionais• Formato wiki (Wetpaint)• Problemas: ausência ouinformação desactualizada
  29. 29. Bibliotecas móveis emPortugal (2013)• 69 unidades circulantes em PortugalContinental e ilhas (R.A. Açores)• Distribuição territorial:- Litoral / Interior Norte- Alentejo / Algarve- Menor n.º na zona centro• Públicos: público emgeral, escolas, instituições sociais, laresde idosos ou estabelecimentos prisionais.Legenda:BM em serviço BM desactivadasBM em projecto
  30. 30. 200956201369
  31. 31. Itinerantes em Portugal no ano 2013• 32serviçoss.d.indicada1958 (1)1961 (1)1989 (1)1991 (1) 1993 (1)1994 (1)1997 (4)1998 (2)2000 (1) 2001 (2)2002 (3)2004 (2)2005 (2)2006 (3) 2007 (1)2008 (1)2009 (1)2010 (1)2011 (4) 2012 (3)2013 (1)
  32. 32. Itinerantes em Portugal no ano 2013
  33. 33. Itinerantes em Portugal no ano 2013Uma razão para os diferentes números porvezes apresentados
  34. 34. Itinerantes em Portugal no ano 2013
  35. 35. Itinerantes em Portugal no ano 2013
  36. 36. A Nave Voadora na(s) rede(s)…Youtube (2011)Facebook (2013)Google + (2013)
  37. 37. A Nave Voadora,Directório de BibliotecasItinerantes PortuguesasObjectivos futuros• Actualização da informação mais permanente eparticipativa facilitando o debate• Continuação da recolha da memória dasitinerantes (vídeos, recortes de imprensa, etc.)• Descrição (possível) da históriadas itinerantes em PortugalMAIOR MOBILIZAÇÃO DE TODOS
  38. 38. Obrigado anavevoadora@gmail.comjoao.henriques83@gmail.comhttp://anavevoadora.wetpaint.com/

×