SlideShare uma empresa Scribd logo
― Oh não! OUTRA VEZ sopa
de legumes! ― queixou-se o
lobo, que já era velhinho.
―Quem me dera ter uma
ovelhinha aqui á mesa. Fazia já
um belo ensopado de borrego!
Eis senão quando… TRUZ!
TRUZ!
Quem batia a porta era uma
linda ovelhinha!
― Posso entrar? ― perguntou
ela.
― Claro, minha querida! A casa
é tua! Vieste mesmo á hora do
jantar ― disse o lobo que, para
alem de ser velhinho,
também era muito matreiro…
A ovelhinha estava cheia de frio.
― BRRRR! BRRRR! ― fazia ela a
tremer.
― Mas que azar o meu! ―
sussurrou o lobo. ― Logo me
calhou uma ovelhinha congelada!
não gosto de comida assim!...
Então, o lobo lembrou-se de por a
ovelhinha ao pé da lareira para ela
se aquecer e, todo apressado, foi
procurar a sua receita preferida de
ensopado de borrego.
Mnham mnham!... já lhe crescia
agua na boca só de pensar no seu
delicioso repasto.
Mas não era só o lobo que estava
com fome. A barriga da ovelhinha
também já estava a dar horas…
― Mas que azar o meu! ― pensou
o lobo. ― não posso comer uma
ovelhinha toda esfomeada! Até
me podia fazer mal ao estômago!
Então o lobo ofereceu a
ovelhinha uma cenoura.
― Assim, ia tenho borrego
recheado!
A ovelhinha devorou a cenoura
tão depressa que ficou com
soluços.
― HIC, HIC, HIC! ― fazia ela sem
parar.
― Ai, ai! Que azar o meu! ―
lamentou-se o lobo. ― Quem é
que come uma ovelhinha cheia de
soluços? Ate pode ser
contagioso!
O problema e que o lobo não
percebia nada de soluços.
Como é que se acabava com
eles?
― E se eu atirasse a ovelhinha ao
ar?
― HIC!
Mas não resultou.
― E se eu a virasse ao contrario?
― HIC!
Mas não resultou.
― E se eu a abanasse de um lado para o
outro? Mas também não resultou.
Então o lobo pegou na ovelha ao colo e
começou a dar-lhe palmadinhas nas costas
com a sua pata enorme coberta de pelos!
Os soluços da ovelhinha não tardaram a
passar e ela adormeceu num instante,
enroscada no pescoço do lobo.
O lobo, que já era velhinho, ficou muito
embaraçado porque nunca tinha sido
abraçado pelo seu futuro jantar. E
como seria de esperar, a fome, afinal, já
nem era tanta…
A ovelhinha ressonava baixinho encostada
as orelhas do lobo.
― RRRROOONCHHH!
RRRROOONCHHH! ― fazia ela.
― Que azar o meu! ― queixou-se o lobo. ―
Como é que vou comer uma ovelha que
esta a ressonar?
― Que azar o meu! ― queixou-se o
lobo. ― Como e que vou comer uma
ovelha que esta a ressonar?
O lobo sentou-se na cadeira de
balouço ao pé da lareira, com a
ovelhinha nos braços.
― já nem me lembro da ultima vez
que alguém me fez uns mimos! ―
reconheceu o lobo.
Mas assim que o lobo começou a
cheirar a ovelhinha, ficou deliciado
com o seu perfume!
― OHHH! ― suspirou o lobo. ― Se
eu a comesse depressa ela nem
sequer dava por isso.
E quando o lobo se preparava
para engolir a ovelhinha… ela
acordou e deu-lhe um grande
beijinho! CHUAC!
― NAAOOO! ― gritou ele. ―
Isso não vale! Eu sou um lobo
mau e tu és um ensopado!
― Um enlatado? ― perguntou
a ovelhinha a sorrir.
E confessou: ― Eu sei lá o
que é isso!
― Que e que eu faço a minha
vida?! ― exclamou o lobo. ―
Bom, vais mesmo ter de te ir
embora!
Muito decidido, o lobo pôs a
ovelhinha na rua, mas primeiro deu-
lhe um agasalho.
― SOME-TE DAQUI!!! ― gritou. ―
Se ficares, como-te e depois já não
te podes arrepender.
E com um grande estrondo fechou a
porta. BANG!
lá fora, a noite era escura e fria. E a
ovelhinha não parava de bater a
porta.
― Oh, Loobo! Looobo? ― suplicava
ela. ― Deixa-me entrar!
Mas o lobo, que já era velhinho,
tapou as orelhas com as patas e
pôs-se a cantar LA,≪
LA, LA, LA, LA, LA, LA! até a≫
ovelhinha se calar.
Finalmente, tudo estava em silencio.
― Ainda bem que ela já se foi embora! ―
suspirou o lobo aliviado. ― Aqui ela não
estava em segurança. Um lobo velho e
esfomeado como eu e sempre capaz do
pior!
Mas pouco depois, o lobo começou a
pensar na ovelhinha, sozinha e
desamparada na
escuridão da floresta. ― Talvez ela se
perca…
― Talvez morra de frio….
― Talvez caia nas garras de um bicho…
― OH, NAO! O QUE E QUE EU FUI
FAZER? ― perguntou ele arrependido.
Sem querer perder tempo, o lobo pôs-se
de pé e abriu a porta. Mas infelizmente
não havia sinal da ovelhinha.
O lobo, que já era velhinho,
correu aos berros pela
floresta fora:
― Ovelhinha, ovelhinha,
volta, não tenhas medo!
Prometo que não te como!
Passado muito, muito tempo,
o velho lobo, triste e
encharcado, regressou
sozinho a sua quinta. Estava
mesmo desanimado.
Abriu a porta e, qual não foi o seu espanto, quando viu a ovelhinha ao pé da lareira!
― VOLTASTE! és mesmo tu? não tens outro sitio para onde ir? ― perguntou o lobo
muito eufórico.
E a ovelhinha abanou a cabeça, dizendo que não.
― Que… que… queres ficar aqui co… comigo? ― convidou o
lobo a gaguejar. A ovelhinha olhou para ele, olhos nos olhos.
― E tu prometes que não me comes? ― quis saber ela.
― NAO! CLARO QUE NAO! ― afirmou ele. Como e que eu podia comer uma
ovelhinha que precisa de mim? Ate podia ficar com o coração partido…
A ovelhinha sorriu e atirou-se para os braços do lobo, que já era velhinho.
― Estás com fome, enlatado? ― perguntou ele. ― Que tal uma sopinha de
legumes?
A ovelha

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A casa da mosca fosca
A casa da mosca foscaA casa da mosca fosca
A casa da mosca fosca
gigilu
 
Uma Aventura no Outono
Uma Aventura no OutonoUma Aventura no Outono
Uma Aventura no Outono
pikittas
 
O ciclo do mel
O ciclo do melO ciclo do mel
O ciclo do mel
Isa Crowe
 
Ciclo do chocolate
Ciclo do chocolateCiclo do chocolate
Ciclo do chocolate
Isa Crowe
 
Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Historia desculpa por acaso és uma bruxa Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Ana Paula Santos
 
O primeiro dia de escola antónio mota 2011
O primeiro dia de escola   antónio mota 2011O primeiro dia de escola   antónio mota 2011
O primeiro dia de escola antónio mota 2011
Ministério da Educação
 
Eu Sei Tudo Sobre O Pai Natal 2
Eu Sei Tudo Sobre O Pai Natal 2Eu Sei Tudo Sobre O Pai Natal 2
Eu Sei Tudo Sobre O Pai Natal 2
Cat Rego
 
A joaninha que perdeu as pintinhas
A joaninha que perdeu as pintinhasA joaninha que perdeu as pintinhas
A joaninha que perdeu as pintinhas
lauridesm
 
Um Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.PptUm Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.Ppt
Cláudia Cardoso
 
A árvore generosa
A árvore generosaA árvore generosa
A árvore generosa
Vera Monteiro
 
O patinho que não comia legumes
O patinho que não comia legumesO patinho que não comia legumes
O patinho que não comia legumes
maria leite
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Marisol Santos
 
Dá me um abraço com animação
Dá me um abraço com animaçãoDá me um abraço com animação
Dá me um abraço com animação
Fátima Lares Correia
 
A oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdfA oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdf
Isa Crowe
 
Kiko o dentinho de leite
Kiko o dentinho de leiteKiko o dentinho de leite
Kiko o dentinho de leite
Isa Crowe
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
Tânia Alves
 
O dia em que a barriga rebentou josé fanha
O dia em que a barriga rebentou  josé fanhaO dia em que a barriga rebentou  josé fanha
O dia em que a barriga rebentou josé fanha
Ismael Bonifácio Pinto Magalhães
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
Maria Ferreira
 
A galinha ruiva
A galinha ruivaA galinha ruiva
A galinha ruiva
Bertilia Madeira
 

Mais procurados (20)

A casa da mosca fosca
A casa da mosca foscaA casa da mosca fosca
A casa da mosca fosca
 
Uma Aventura no Outono
Uma Aventura no OutonoUma Aventura no Outono
Uma Aventura no Outono
 
O meu pai
O meu paiO meu pai
O meu pai
 
O ciclo do mel
O ciclo do melO ciclo do mel
O ciclo do mel
 
Ciclo do chocolate
Ciclo do chocolateCiclo do chocolate
Ciclo do chocolate
 
Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Historia desculpa por acaso és uma bruxa Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Historia desculpa por acaso és uma bruxa
 
O primeiro dia de escola antónio mota 2011
O primeiro dia de escola   antónio mota 2011O primeiro dia de escola   antónio mota 2011
O primeiro dia de escola antónio mota 2011
 
Eu Sei Tudo Sobre O Pai Natal 2
Eu Sei Tudo Sobre O Pai Natal 2Eu Sei Tudo Sobre O Pai Natal 2
Eu Sei Tudo Sobre O Pai Natal 2
 
A joaninha que perdeu as pintinhas
A joaninha que perdeu as pintinhasA joaninha que perdeu as pintinhas
A joaninha que perdeu as pintinhas
 
Um Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.PptUm Beijo Na MãO.Ppt
Um Beijo Na MãO.Ppt
 
A árvore generosa
A árvore generosaA árvore generosa
A árvore generosa
 
O patinho que não comia legumes
O patinho que não comia legumesO patinho que não comia legumes
O patinho que não comia legumes
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
 
Dá me um abraço com animação
Dá me um abraço com animaçãoDá me um abraço com animação
Dá me um abraço com animação
 
A oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdfA oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdf
 
Kiko o dentinho de leite
Kiko o dentinho de leiteKiko o dentinho de leite
Kiko o dentinho de leite
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
 
O dia em que a barriga rebentou josé fanha
O dia em que a barriga rebentou  josé fanhaO dia em que a barriga rebentou  josé fanha
O dia em que a barriga rebentou josé fanha
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
 
A galinha ruiva
A galinha ruivaA galinha ruiva
A galinha ruiva
 

Destaque

Casa de vo
Casa de voCasa de vo
Casa de vo
Mensagens Virtuais
 
Casa das unidades e dezenas
Casa das unidades e dezenasCasa das unidades e dezenas
Casa das unidades e dezenas
macaquinhos
 
HISTÓRIA AS TRÊS PARTES
HISTÓRIA AS TRÊS PARTESHISTÓRIA AS TRÊS PARTES
HISTÓRIA AS TRÊS PARTES
informaticapd
 
História dos números decimais
História dos números decimaisHistória dos números decimais
História dos números decimais
kov0901
 
Livro - As Três Partes
Livro - As Três PartesLivro - As Três Partes
Livro - As Três Partes
weleslima
 
Um pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAIC
Um pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAICUm pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAIC
Um pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAIC
Vera Marlize Schröer
 

Destaque (6)

Casa de vo
Casa de voCasa de vo
Casa de vo
 
Casa das unidades e dezenas
Casa das unidades e dezenasCasa das unidades e dezenas
Casa das unidades e dezenas
 
HISTÓRIA AS TRÊS PARTES
HISTÓRIA AS TRÊS PARTESHISTÓRIA AS TRÊS PARTES
HISTÓRIA AS TRÊS PARTES
 
História dos números decimais
História dos números decimaisHistória dos números decimais
História dos números decimais
 
Livro - As Três Partes
Livro - As Três PartesLivro - As Três Partes
Livro - As Três Partes
 
Um pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAIC
Um pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAICUm pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAIC
Um pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAIC
 

Semelhante a A ovelha

Aovelhinha
AovelhinhaAovelhinha
Aovelhinha
Acilu
 
A Ovelhinha
A OvelhinhaA Ovelhinha
A Ovelhinha
filomenabarbosa
 
A Ovelhinha
A OvelhinhaA Ovelhinha
A ovelhinha que veio para jantar
A ovelhinha que veio para jantarA ovelhinha que veio para jantar
A ovelhinha que veio para jantar
Paty Nunes
 
A Ovelhinha
A OvelhinhaA Ovelhinha
A Ovelhinha
Cláudia Cardoso
 
A ovelhinha pequenina
A ovelhinha pequeninaA ovelhinha pequenina
A ovelhinha pequenina
Vitor Barros
 
Aovelhinha 091102045213-phpapp01
Aovelhinha 091102045213-phpapp01Aovelhinha 091102045213-phpapp01
Aovelhinha 091102045213-phpapp01
maru090902
 
A ovelhinha que_veio_para_jantar[1]
A ovelhinha que_veio_para_jantar[1]A ovelhinha que_veio_para_jantar[1]
A ovelhinha que_veio_para_jantar[1]
Ana Moreira
 
A ovelhinha que veio para o jantar
A ovelhinha que veio para o jantarA ovelhinha que veio para o jantar
A ovelhinha que veio para o jantar
Charlies Ponciano
 
A ovelhinha q veio para o jantar
A ovelhinha q veio para o jantarA ovelhinha q veio para o jantar
A ovelhinha q veio para o jantar
smlcarvalho
 
aovelhinhaqueveioparaojantar-150317140205-conversion-gate01.pdf
aovelhinhaqueveioparaojantar-150317140205-conversion-gate01.pdfaovelhinhaqueveioparaojantar-150317140205-conversion-gate01.pdf
aovelhinhaqueveioparaojantar-150317140205-conversion-gate01.pdf
ssusercfcce4
 
A ovelhinha que veio para o jantar
A ovelhinha que veio para o jantarA ovelhinha que veio para o jantar
A ovelhinha que veio para o jantar
Eliete Lopes Matricardi
 
A ovelhinha que veio para jantar - Steve Smallman
A ovelhinha que veio para jantar - Steve SmallmanA ovelhinha que veio para jantar - Steve Smallman
A ovelhinha que veio para jantar - Steve Smallman
Emília Lima
 
Interpretaçao de texto pip hoz malepon viuh echer ou o caçador
Interpretaçao de texto pip hoz malepon viuh echer ou o caçadorInterpretaçao de texto pip hoz malepon viuh echer ou o caçador
Interpretaçao de texto pip hoz malepon viuh echer ou o caçador
Atividades Diversas Cláudia
 
"Um lobo culto"
"Um lobo culto""Um lobo culto"
"Um lobo culto"
AVEOS
 
Um lobo culto
Um lobo cultoUm lobo culto
Um lobo culto
AVEOS
 
Um lobo culto
Um lobo cultoUm lobo culto
Um lobo culto
AVEOS
 
Capuchinho Vermelho
Capuchinho VermelhoCapuchinho Vermelho
Capuchinho Vermelho
Helena Maia
 
Os Três Portinhos
Os Três PortinhosOs Três Portinhos
Os Três Portinhos
Paty Nunes
 
Se o lobo fosse mau...alunos
Se o lobo fosse mau...alunosSe o lobo fosse mau...alunos
Se o lobo fosse mau...alunos
Ana Passos
 

Semelhante a A ovelha (20)

Aovelhinha
AovelhinhaAovelhinha
Aovelhinha
 
A Ovelhinha
A OvelhinhaA Ovelhinha
A Ovelhinha
 
A Ovelhinha
A OvelhinhaA Ovelhinha
A Ovelhinha
 
A ovelhinha que veio para jantar
A ovelhinha que veio para jantarA ovelhinha que veio para jantar
A ovelhinha que veio para jantar
 
A Ovelhinha
A OvelhinhaA Ovelhinha
A Ovelhinha
 
A ovelhinha pequenina
A ovelhinha pequeninaA ovelhinha pequenina
A ovelhinha pequenina
 
Aovelhinha 091102045213-phpapp01
Aovelhinha 091102045213-phpapp01Aovelhinha 091102045213-phpapp01
Aovelhinha 091102045213-phpapp01
 
A ovelhinha que_veio_para_jantar[1]
A ovelhinha que_veio_para_jantar[1]A ovelhinha que_veio_para_jantar[1]
A ovelhinha que_veio_para_jantar[1]
 
A ovelhinha que veio para o jantar
A ovelhinha que veio para o jantarA ovelhinha que veio para o jantar
A ovelhinha que veio para o jantar
 
A ovelhinha q veio para o jantar
A ovelhinha q veio para o jantarA ovelhinha q veio para o jantar
A ovelhinha q veio para o jantar
 
aovelhinhaqueveioparaojantar-150317140205-conversion-gate01.pdf
aovelhinhaqueveioparaojantar-150317140205-conversion-gate01.pdfaovelhinhaqueveioparaojantar-150317140205-conversion-gate01.pdf
aovelhinhaqueveioparaojantar-150317140205-conversion-gate01.pdf
 
A ovelhinha que veio para o jantar
A ovelhinha que veio para o jantarA ovelhinha que veio para o jantar
A ovelhinha que veio para o jantar
 
A ovelhinha que veio para jantar - Steve Smallman
A ovelhinha que veio para jantar - Steve SmallmanA ovelhinha que veio para jantar - Steve Smallman
A ovelhinha que veio para jantar - Steve Smallman
 
Interpretaçao de texto pip hoz malepon viuh echer ou o caçador
Interpretaçao de texto pip hoz malepon viuh echer ou o caçadorInterpretaçao de texto pip hoz malepon viuh echer ou o caçador
Interpretaçao de texto pip hoz malepon viuh echer ou o caçador
 
"Um lobo culto"
"Um lobo culto""Um lobo culto"
"Um lobo culto"
 
Um lobo culto
Um lobo cultoUm lobo culto
Um lobo culto
 
Um lobo culto
Um lobo cultoUm lobo culto
Um lobo culto
 
Capuchinho Vermelho
Capuchinho VermelhoCapuchinho Vermelho
Capuchinho Vermelho
 
Os Três Portinhos
Os Três PortinhosOs Três Portinhos
Os Três Portinhos
 
Se o lobo fosse mau...alunos
Se o lobo fosse mau...alunosSe o lobo fosse mau...alunos
Se o lobo fosse mau...alunos
 

Mais de Isabel Oliveira

Breve História sobre Dia do pai
Breve História sobre Dia do paiBreve História sobre Dia do pai
Breve História sobre Dia do pai
Isabel Oliveira
 
Dia internacional da Mulher
Dia internacional da MulherDia internacional da Mulher
Dia internacional da Mulher
Isabel Oliveira
 
Ética e a guerra
Ética e a guerraÉtica e a guerra
Ética e a guerra
Isabel Oliveira
 
Tradioutono
TradioutonoTradioutono
Tradioutono
Isabel Oliveira
 
25 abril
25 abril25 abril
25 abril
Isabel Oliveira
 
Encerrando ciclos
Encerrando ciclosEncerrando ciclos
Encerrando ciclos
Isabel Oliveira
 
José Saramago
José SaramagoJosé Saramago
José Saramago
Isabel Oliveira
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
Isabel Oliveira
 

Mais de Isabel Oliveira (8)

Breve História sobre Dia do pai
Breve História sobre Dia do paiBreve História sobre Dia do pai
Breve História sobre Dia do pai
 
Dia internacional da Mulher
Dia internacional da MulherDia internacional da Mulher
Dia internacional da Mulher
 
Ética e a guerra
Ética e a guerraÉtica e a guerra
Ética e a guerra
 
Tradioutono
TradioutonoTradioutono
Tradioutono
 
25 abril
25 abril25 abril
25 abril
 
Encerrando ciclos
Encerrando ciclosEncerrando ciclos
Encerrando ciclos
 
José Saramago
José SaramagoJosé Saramago
José Saramago
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 

Último

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 

Último (20)

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 

A ovelha

  • 1.
  • 2. ― Oh não! OUTRA VEZ sopa de legumes! ― queixou-se o lobo, que já era velhinho. ―Quem me dera ter uma ovelhinha aqui á mesa. Fazia já um belo ensopado de borrego! Eis senão quando… TRUZ! TRUZ! Quem batia a porta era uma linda ovelhinha! ― Posso entrar? ― perguntou ela. ― Claro, minha querida! A casa é tua! Vieste mesmo á hora do jantar ― disse o lobo que, para alem de ser velhinho, também era muito matreiro…
  • 3. A ovelhinha estava cheia de frio. ― BRRRR! BRRRR! ― fazia ela a tremer. ― Mas que azar o meu! ― sussurrou o lobo. ― Logo me calhou uma ovelhinha congelada! não gosto de comida assim!... Então, o lobo lembrou-se de por a ovelhinha ao pé da lareira para ela se aquecer e, todo apressado, foi procurar a sua receita preferida de ensopado de borrego. Mnham mnham!... já lhe crescia agua na boca só de pensar no seu delicioso repasto. Mas não era só o lobo que estava com fome. A barriga da ovelhinha também já estava a dar horas…
  • 4. ― Mas que azar o meu! ― pensou o lobo. ― não posso comer uma ovelhinha toda esfomeada! Até me podia fazer mal ao estômago! Então o lobo ofereceu a ovelhinha uma cenoura. ― Assim, ia tenho borrego recheado! A ovelhinha devorou a cenoura tão depressa que ficou com soluços. ― HIC, HIC, HIC! ― fazia ela sem parar. ― Ai, ai! Que azar o meu! ― lamentou-se o lobo. ― Quem é que come uma ovelhinha cheia de soluços? Ate pode ser contagioso! O problema e que o lobo não percebia nada de soluços. Como é que se acabava com eles? ― E se eu atirasse a ovelhinha ao ar? ― HIC! Mas não resultou. ― E se eu a virasse ao contrario?
  • 5. ― HIC! Mas não resultou. ― E se eu a abanasse de um lado para o outro? Mas também não resultou. Então o lobo pegou na ovelha ao colo e começou a dar-lhe palmadinhas nas costas com a sua pata enorme coberta de pelos! Os soluços da ovelhinha não tardaram a passar e ela adormeceu num instante, enroscada no pescoço do lobo. O lobo, que já era velhinho, ficou muito embaraçado porque nunca tinha sido abraçado pelo seu futuro jantar. E como seria de esperar, a fome, afinal, já nem era tanta… A ovelhinha ressonava baixinho encostada as orelhas do lobo. ― RRRROOONCHHH! RRRROOONCHHH! ― fazia ela. ― Que azar o meu! ― queixou-se o lobo. ― Como é que vou comer uma ovelha que esta a ressonar?
  • 6. ― Que azar o meu! ― queixou-se o lobo. ― Como e que vou comer uma ovelha que esta a ressonar? O lobo sentou-se na cadeira de balouço ao pé da lareira, com a ovelhinha nos braços. ― já nem me lembro da ultima vez que alguém me fez uns mimos! ― reconheceu o lobo. Mas assim que o lobo começou a cheirar a ovelhinha, ficou deliciado com o seu perfume! ― OHHH! ― suspirou o lobo. ― Se eu a comesse depressa ela nem sequer dava por isso.
  • 7. E quando o lobo se preparava para engolir a ovelhinha… ela acordou e deu-lhe um grande beijinho! CHUAC! ― NAAOOO! ― gritou ele. ― Isso não vale! Eu sou um lobo mau e tu és um ensopado! ― Um enlatado? ― perguntou a ovelhinha a sorrir. E confessou: ― Eu sei lá o que é isso! ― Que e que eu faço a minha vida?! ― exclamou o lobo. ― Bom, vais mesmo ter de te ir embora!
  • 8. Muito decidido, o lobo pôs a ovelhinha na rua, mas primeiro deu- lhe um agasalho. ― SOME-TE DAQUI!!! ― gritou. ― Se ficares, como-te e depois já não te podes arrepender. E com um grande estrondo fechou a porta. BANG! lá fora, a noite era escura e fria. E a ovelhinha não parava de bater a porta. ― Oh, Loobo! Looobo? ― suplicava ela. ― Deixa-me entrar! Mas o lobo, que já era velhinho, tapou as orelhas com as patas e pôs-se a cantar LA,≪ LA, LA, LA, LA, LA, LA! até a≫ ovelhinha se calar.
  • 9. Finalmente, tudo estava em silencio. ― Ainda bem que ela já se foi embora! ― suspirou o lobo aliviado. ― Aqui ela não estava em segurança. Um lobo velho e esfomeado como eu e sempre capaz do pior! Mas pouco depois, o lobo começou a pensar na ovelhinha, sozinha e desamparada na escuridão da floresta. ― Talvez ela se perca… ― Talvez morra de frio…. ― Talvez caia nas garras de um bicho… ― OH, NAO! O QUE E QUE EU FUI FAZER? ― perguntou ele arrependido. Sem querer perder tempo, o lobo pôs-se de pé e abriu a porta. Mas infelizmente não havia sinal da ovelhinha.
  • 10. O lobo, que já era velhinho, correu aos berros pela floresta fora: ― Ovelhinha, ovelhinha, volta, não tenhas medo! Prometo que não te como! Passado muito, muito tempo, o velho lobo, triste e encharcado, regressou sozinho a sua quinta. Estava mesmo desanimado.
  • 11. Abriu a porta e, qual não foi o seu espanto, quando viu a ovelhinha ao pé da lareira! ― VOLTASTE! és mesmo tu? não tens outro sitio para onde ir? ― perguntou o lobo muito eufórico. E a ovelhinha abanou a cabeça, dizendo que não. ― Que… que… queres ficar aqui co… comigo? ― convidou o lobo a gaguejar. A ovelhinha olhou para ele, olhos nos olhos. ― E tu prometes que não me comes? ― quis saber ela. ― NAO! CLARO QUE NAO! ― afirmou ele. Como e que eu podia comer uma ovelhinha que precisa de mim? Ate podia ficar com o coração partido… A ovelhinha sorriu e atirou-se para os braços do lobo, que já era velhinho. ― Estás com fome, enlatado? ― perguntou ele. ― Que tal uma sopinha de legumes?