Civilizações hidráulicas aula érico

2.194 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.194
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Civilizações hidráulicas aula érico

  1. 1. CivilizaçõesHidráulicas
  2. 2. O termo "Civilização Hidráulica" se refere às civilizações antigasda MESOPOTÂMIA e do EGITO e está relacionado ao sistemaconcebido por Karl Wittfogel da hipótese causal hidráulica edo modo de produção asiático, que é baseado na teoriamarxista. Essa hipótese explicaria a organização social eeconômica dessas civilizações com base em sua dependênciaeconômica dos rios que as margeavam, o Tigre e o Eufrates paraa Mesopotâmia, Amarelo e Azul para China, Ganges para India eo Nilo para o Egito.
  3. 3. A Mesopotâmia é considerada um dos berços dacivilização, já que foi na Baixa Mesopotâmiaonde surgiram as primeiras civilizações por voltado VI milênio a.C. As primeiras cidades foram oresultado culminante de uma sedentarização dapopulação e de uma revolução agrícola, que seoriginou durante a Revolução Neolítica. Ohomem deixava de ser um coletor que dependiada caça e dos recursos naturais oferecidos, umanova forma de domínio do ambiente é uma dascausas possíveis da eclosão urbana naMesopotâmia.  
  4. 4. A partir do III milênio cidades como Ur, Uruk, Nippur, Kish,Lagash e Eridu e a região do Elam se desenvolvem e aatividade comercial entre eles se torna mais intensa. Ostemplos passam a gerir a economia e muitosZIGURATES são construídos.Porém, Richard Leakey, em seu livro A evolução daHumanidade, relata como Jack Harlan demonstrou quecoletores poderiam ter um armazenamento de alimentossignificativo: sua experiência se deu utilizando uma foice desílex colhendo trigo e cevada selvagens. Portanto, asprimeiras comunidades que abandonam o nomadismopoderiam ser de caçadores-coletores não restringindo osedentarismo unicamente à agricultura ou a domesticaçãode animais, o que também se fez importante nesseprocesso de urbanização.
  5. 5. O surgimento dos primeiros núcleos urbanos na região foi acompanhado dodesenvolvimento de um complexo sistema hidráulico que favorecia autilização dos pântanos, evitava inundaçõese garantia o armazenamento deágua para as estações mais secas.Fazia-se necessária a construção dessas estruturas para manter algum tipo decontrole sobre o regime dos rios. A princípio se acreditou que a construçãodesse sistema de irrigação fosse responsável por determinar um controlerígido e despótico da sociedade pelos governantes. Esses rios gêmeos, emfunção do relevo que os envolve, correm de noroeste para sudeste, numsentido oposto ao Nilo, sendo as enchentes na Mesopotâmia muito maisviolentas e sem uniformidade e a regularidade apresentada pelo Nilo. " Arecompensa - terra para lavrar, água para irrigar, tâmaras para colher epastos para a criação - fixou o homem à terra" (PINSKY, 1994) Somente otrabalho coletivo permitiu que se pudesse dominar os rios, o homem que seafastava das cidades se afastava das áreas irrigadas, pondo-se à margemdesse processo.
  6. 6. Os mesopotâmicos não se caracterizavam pelaconstrução de uma unidade política. Entre eles, semprepredominaram os pequenos Estados, que tinham nascidades seu centro político, formando as chamadas cidades- estados. Cada uma delas controlava seu próprio territóriorural e pastoril e a própria rede de irrigação. Tinhamgoverno e burocracia próprios e eram independentes. Mas,em algumas ocasiões, em função das guerras ou aliançasentre as cidades, surgiram os Estados maiores,sempre monárquicos, sendo o poder real caracterizado deorigem divina (Teocrático). Porém, essas alianças eramtemporárias. Apesar de independentes politicamente,esses pequenos Estados mesopotâmicos eraminterdependentes na economia, o que gerava um dinâmicoprocesso de trocas.
  7. 7. A Suméria, geralmente considerada a civilização mais antiga da humanidade,localizava-se na parte sul da MESOPOTÂMIA (apesar disto os proto-sumériossurgiram no Norte da Mesopotamia, no atual Curdistão, tal como não eramoriginalmente semitas, mas sim invadidos por eles via sul proto-árabe),apropriadamente posicionada em terrenos conhecidos por sua fertilidade,entre os rios TIGRE e EUFRATES. Evidências aqueológicas datam o início dacivilização suméria Entre 3500 e 3000 a.C. quando houve um florescimentocultural, e a Suméria exerceu influência sobre as áreas circunvizinhas,culminando na dinastia de Ágade, fundada em aproximadamente 2340 a.C.por Sargão I, sendo que este, ao que tudo indica, seria de etnia e línguasemitas. Depois de 2000 a.C. a Suméria entrou em declínio, sendo absorvidapela Babilônia e pela Assíria.Duas importantes criações atribuídas aos sumérios são A Escrita Cuneiforme,que provavelmente antecede todas as outras formas de escrita, tendo sidooriginalmente usada por volta de 3500 a.C.; as Cidades-estado - a maisconhecida delas sendo, provavelmente, a cidade de Ur, construída por Ur-Nammu, o fundador da terceira dinastia Ur, por volta de 2000 a.C.
  8. 8. Por volta dos finais do IV milênio a.C, a Sumériafoi dividida por cidades-estado independentes,as quais foram delimitadas por canais e e murosde pedra. Cada uma era centrada em um templodedicado a um deus ou deusa patrono particularda cidade e governado por um sacerdote Ensi oupor um rei Lugal que estava intimamente ligadoaos rituais religiosos da cidade.
  9. 9. As "primeiras" cinco cidades que vieram a sercomandadas pela realeza pré-dinastica segundoregistros, foram:   Eridu (Abu Shahrain)Bad-tibira (Tell al-Madain)Larsa (as-Senkereh)Sippar (Abu Habbah)Shuruppak (Fara
  10. 10. A origem e a história antiga dos sumérios ainda são poucoconhecidas. O primeiro povoamento civilizado terá sido em Eridu,trazido pelo deus Enki ou pelo seu assessor ( a partir de Abgallu ouab=água, gal=grande, lu=homem). Sabe-se que no final do períodoneolítico, os povos sumerianos, vindos do planalto do Irã, fixaram-sena Caldéia. No terceiro milênio, haviam criado pelo menos dozecidades-estados autônomas: Ur, Eridu, Lagash, Umma, Adab, Kish, Sipar, Larak, Akshak, Nipur, Larsa e Bad-tibira. Cada uma compreendia umacidade murada, além das terras e povoados que a circundavam, etinha divindade própria, cujo templo era a estrutura central da urbe.Com a crescente rivalidade entre as cidades, cada uma instituiutambém um rei.O primeiro rei a unir as diferentes cidades, por volta de 2800 a.C., foio rei de Kish, Etana. Por muitos séculos, a liderança foi disputadapor Lagash, Ur, Eridu e a própria Kish, o que enfraqueceu os sumériose tornou-os extremamente vulneráveis a invasores. .
  11. 11. A Acádia (ou Ágade, Agade, Agadê, Acade ou ainda Akkad) é o nome dadotanto a uma cidade como à região onde se localizava, na parte superior dabaixa Mesopotâmia, situada à margem esquerda do Eufrates,entre Sippar e Kish (no atualIraque, a cerca de 50 km a sudoeste do centrode Bagdá). Geralmente, contudo, é comum referir-se à cidade como Acádia.Acádia foi uma das mais famosas cidades mesopotâmias, cuja riqueza,esplendor e gloriosos soberanos seriam recordados por milênios. Nãodispomos até hoje de registro arqueológico da existência da cidade, nemdepósitos de fundações, nem arquivos, nem sepulturas, nenhuma seqüênciaestratificada de entulho, nenhum remanescente arquitetônico, nada detijolos com inscrições para identificar o local mesmo assim, a realidade deAcádia como a nova capital de um estado fundado por Sargão nunca esteveem dúvida porque o nome da cidade aparece em documentos escritos apartir da segunda metade do terceiro milênio, provenientes de outros sítiosarqueológicos mesopotâmios, além das freqüentes referências a Acádia naliteratura cuneiforme, em augúrios e títulos régios. Acádia era conhecidacomo o centro do mais bem-sucedido império jamais visto, o qual se estendiaaos quatro cantos do mundo. Tão prestigioso era o seu nome que os reisbabilônios intitularam-se "rei de Acádia" até o advento do período persa.
  12. 12. Os acádios, grupos de nômades vindosdo deserto da Síria, começaram a penetrar nosterritórios ao norte das regiões sumérias,terminando por dominar as cidades-estados destaregião por volta de 2550 a.C.. Mesmo antes daconquista, porém, já ocorria uma síntese entre asculturas suméria e acádia, que se acentuou com aunificação dos dois povos. Os ocupantesassimilaram a cultura dos vencidos, embora, emmuitos aspectos, as duas culturas mantivessemdiferenças entre si, como por exemplo - e maisevidentemente - no campo religioso.
  13. 13. A maioria das cidades-templos foi unificada pelaprimeira vez por volta de 2375 a.C. por Lugal-zage-si, soberano da cidade-estado de Uruk. Foi aprimeira manifestação de uma ideia imperial deque se tem notícia na história.Depois, quando Sargão I, patési da cidade deAcádia, subiu ao poder, no século XXIII a.C., elelevou esse processo cooptativo adiante,conquistando muitas das regiões circunvizinhas,terminando por criar um império de grandesproporções, cobrindo todo o Oriente Médio echegando a se estender até o Mar Mediterrâneo ea Anatólia, .
  14. 14. O império criado por Sargão desmoronou apósum século de existência, em conseqüência derevoltas internas e dos ataques dos guti, nômadesoriginários dos montes Zagros, no Alto do Tigre, queinvestiam contra as regiões urbanizadas, uma vezque a sedentarização das populações do OrienteMédio lhes dificultava a caça e o pastoreio. Por voltade 2150 a.C., os guti conquistaram a civilizaçãosumério-acadiana. Depois disso, a história daMesopotâmia parecia se repetir. A unidade políticados sumério-acadianos era destruída pelos guti, que,por sua vez, eram vencidos por revoltas internas dossumério-acadianos.
  15. 15. O domínio intermitente dos guti durou um século, sendosubstituído no século seguinte (cerca de 2100 a.C.–1950 a.C.)por uma dinastia proveniente da cidade-estado de Ur. Expulsosos guti, Ur-Nammu reunificou a região sobre o controle dossumérios. Foi um rei enérgico, que construiu osfamosos zigurates e promoveu a compilação das leis do direitosumeriano. Os reis de Ur não somente restabeleceram asoberania suméria, mas também conquistaram a Acádia. Nesseperíodo, chamado de renascença sumeriana, a civilizaçãosuméria atingiu seu apogeu. Contudo, esse foi o último ato demanifestação do poder político da Suméria: atormentados pelosataques de Tribos elamita e amoritas, o império ruiu. Nestaépoca, os sumérios desapareceram da história, mas a influênciade sua cultura nas civilizações subseqüentes da Mesopotâmiateve longo alcance.
  16. 16. A Assíria foi um reino acádio semita em torno da regiãodo alto rio Tigre, no norte da Mesopotâmia (atual nortedo Iraque), e que dominou por diversas vezes ao longoda história os impérios existentes naquela região,desde a tomada da Babilônia até a sua reconquista. Seunome vem de sua capital original, a antiga cidadede Assur. O termo também pode se referir à regiãogeográfica, ou, mais precisamente, ao centro da regiãoonde estes reinos se localizavam.Os descendentes dos assírios ainda habitam a regiãonos dias de hoje, formando uma minoria cristã noIraque.
  17. 17. A Assíria é o antigo reino de Assur (Ashur), país da Ásia,localizado ao norte da Mesopotâmia a partir da fronteira norte oatual Iraque, que surge juntamente com Elam e Mari no altoTigre, quando obtêm, em 1950 a.C., a independência de Ur III.O grande Império Assírio vem logo após o enfraquecimento doantigo império da Babilonia. Vindos do Norte, conquistaramtoda a região da Mesopotâmia por volta do séc. XII a.C. Estima-se que existia desde o séc. IX a.C. Era um povo guerreiro com umexército forte e muito bem organizado, o que o ajudou a mantero poder do reino unificado. Sua capital era a cidade de Nínive.Devido às revoltas internas e à pressão externa o império caiu,mais exatamente quando a capital foi devastada, algunshistoriadores afirmam que em 606 a.C. e outros dizem em 612a.C.
  18. 18. Suas principais cidades-estado foram Assur,Nínive e Nimrud. Revoltas internas e invasões denômades da Ásia Central (os medos da Pérsia eos caldeus) colocam fim ao império em 612a.C. A parte ocidental do país erauma estepe adequada apenas a uma populaçãonômade. Entretanto, a parte oriental eraapropriada para a agricultura, com colinascobertas de bosques e férteis vales banhadospor pequenos rios.
  19. 19. Os militares assírios formaram o primeiro exércitoorganizado e o mais poderoso até então.Desenvolveram armas de ferro e carros de combatepuxados por cavalos, além decavalaria pesadaindividual. O controle das áreas conquistadas eramantido pelas tropas e por práticas cruéis, como adeportação e a mutilação dos vencidos. Os guerreiros esacerdotes desfrutavam de grandes privilégios: nãopagavam tributos e eram grandes proprietários deterra. A população comum, formada por camponeses eartesãos, ficava sujeita a altos tributos e serviçosforçados na construção de imensos palácios e estradas.Os assírios desenvolveram a horticultura eaperfeiçoaram o arado.
  20. 20. A literatura assíria era praticamente idênticaàBabilônia, e os reis assírios mais cultos,principalmente Assurbanípal II, se gabavam dearmazenar em suas bibliotecas cópias dedocumentos literários das culturas que osantecederam, bem como dos países vencidos. Avida social ou familiar, os costumesmatrimoniais e as leis de propriedade de assíriose babilônicos também eram muito parecidos.Suas práticas e crenças religiosas eramsemelhantes.
  21. 21. Ao longo de sua história, o poder da Assíria dependeuquase que inteiramente de sua força militar. O rei era ocomandante-chefe do exército e dirigia suascampanhas. Embora em teoria fosse monarca absoluto,na realidade os nobres e cortesãos que o rodeavam,assim como os governadores que nomeava paraadministrar as terras conquistadas, tomavamfrequentemente decisões em seu nome. As ambições eintrigas foram uma ameaça constante para a vida dogovernante assírio. Essa debilidade central naorganização e na administração do Império Assírio foiuma das responsáveis por sua desintegração e colapso..
  22. 22. Em 729 a.C., no reinado de Tiglath-Pileser III ou TeglatefalasarIII (746 - 727 a.C.), os assírios conquistaram a Babilônia. Teglatefalasar IIItambém conteve a expansão da Média no oriente e tentou sem sucessoconquistar o reino de Urartu, situado no Ararat.Israel foi conquistada no primeiro ano do reinado de Sargão II (721 - 705a.C.). Cerca de 27.000 hebreus foram deportados. Em 715 a.C., foi a vezda Média ser conquistada. Sargão II ainda conquistou a Síria.Seu sucessor, Senaquerib (705 - 681 a.C.), transferiu a capitalde Assur para Nínive. De acordo com os livros bíblicos de II Reis, IICrônicas e do profeta Isaías, admitido no cânon do Antigo Testamento,Senaquerib teria buscado conquistar Judá, cercando a cidadede Jerusalém. No entanto, a Bíblia relata que Senaquerib fracassou emsua tentativa militar e, ao retornar para Nínive, foi assassinado por doisde seus filhos.Então, Senaquerib, rei da Assíria, partiu, e foi; e voltou e ficou em Nínive. Esucedeu que, estando ele prostado na casa de Nisroque, seudeus, Adrameleque e Serezer, seus filhos, o feriram à espada; porém elesescaparam para a terra de Ararate; e Esar-Hadom, seu filho, reinou emseu lugar. (II Reis 19:36-37)
  23. 23. Assurbanipal (669-631 a.C) não conseguiu evitar que oEgito, em 653 a.C., efetivasse sua emancipação.No entanto, sabe-se que Assurbanipal criou a bibliotecarela que leva seu nome, com obras em escrita cuneiforme,muitas delas preservadas até os dias atuais, que permitiramaos pesquisadores descobrir muitos aspectos da vidapolítica, militar e intelectual desta grande civilização, bemcomo a investigação dos textos bíblicos.Em 625 a.C., os caldeus tomaram a Babilônia econquistaram sua independência. Ciáxeres rei da Média,em aliança com o rei dos caldeus, invadiu Assur em615a.C. e, em 612 a.C. tomou Nínive, pondo fimao Estado assírio.
  24. 24. A Caldeia era uma região no sul da Mesopotâmia,principalmente na margem oriental do rioEufrates, mas muitas vezes o termo é usado parase referir a toda a planície mesopotâmica. Aregião da Caldéia é uma vasta planície formadapor depósitos do Eufrates e do Tigre, estendendo-se a cerca de 250 quilômetros ao longo do cursode ambos os rios, e cerca de 60 quilômetros emlargura.
  25. 25. Os hititas eram um povo indo-europeu que, no II milénio a.C., fundouum poderoso impériona Anatólia central (atual Turquia), cujaqueda data dos séculos XIII-XII a.C. Emsua extensão máxima, o Império Hititacompreendia a Anatólia, o norte e ooeste da Mesopotâmia até à Palestina.
  26. 26. As leis hititas não incluíam as crueldades mutiladorasdo antigo código babilônico, nem do mais recente,assírio. Evidentemente, o desafio à autoridade realrecebia uma punição draconiana: a casa do infrator era"reduzida a um monte de pedras" e o criminoso,apedrejado até a morte, junto com a família. Foradisso, a pena de morte era obrigatória apenas para obestialismo e o estupro, em relação ao qual se faziauma estranha distinção entre atacar uma mulhercasada "nas montanhas", que era um crime capital, ouna casa dela. Neste último caso, se ninguém ouvisse amulher gritar por ajuda, ela seria condenada à morte,talvez com base na teoria de que ela estariavoluntariamente cometendo adultério.
  27. 27. • De entre os vários reis de Hatti destacaram- se: Hattusilis I Hattusilis III Muwatallis Suppiluliuma (ou Schubiluliuma) Mursili II
  28. 28. Os amoritas, (também chamados de antigos babilônios),povos semitas vindos do deserto sírio-árabe, haviam seestabelecido na cidade da Babilônia, que, com o tempo,converteu-se em importante centro comercial, devido a sualocalização privilegiada. A antiga Babilônia está situada aaproximadamente 75 quilômetros da moderna Bagdá. Umimpério foi estabelecido em 1894 a.C. por AmoreuSumuabum (criador da I dinastia amorreana) e expandidopor seus sucessores. As disputas entre a Babilônia e asdemais cidades-estados mesopotâmicas, além de outrasinvasões, resultaram numa luta ininterrupta até o iníciodo século XVIII a.C., quando Hamurábi, sexto rei dadinastia, realizou a completa unificação, fundando oPrimeiro Império Babilônico. mas com o tempo acobouperdendo seu reinado
  29. 29. No período de Hamurábi, houve um certodesenvolvimento da propriedade privada edo comércio. Propriedades agrícolas foramdoadas a funcionários públicos, sacerdotes e atémesmo a determinados arrendatários.Entretanto, todas essas atividades privadassempre permaneceram sob controle estatal. Osmercadores, por exemplo, formavam umacorporação subordinada ao Estado, e ocomerciante era uma mistura de funcionáriopublico e mercador privado: comprava a mandodo rei e colaborava na cobrança de taxas.
  30. 30. Em linhas gerais pode-se dizer que a forma deprodução predominante na Mesopotâmiabaseou-se na propriedade coletiva das terrasadministrada pelos templos e palácios. Osindivíduos só usufruíam da terra enquantomembros dessas comunidades. Acredita-se quequase todos os meios de produção estavam sob ocontrole do déspota, personificação do Estado, edos templos. O templo era o centro que recebiatoda a produção, distribuindo-a de acordo com asnecessidades, além de proprietário de boa partedas terras: é o que se denomina cidade-templo.
  31. 31. Administradas por uma corporação de sacerdotes, as terras, queteoricamente eram dos deuses, eram entregues aos camponeses.Cada família recebia um lote de terra e devia entregar ao templouma parte da colheita como pagamento pelo uso útil da terra. Já aspropriedades particulares eram cultivadaspor assalariados ou arrendatários.Entre os sumerianos havia a escravidão, porém o número deescravos era relativamente pequeno.Em contraste com as cheias regulares e benéficas do Nilo, o fluxodas águas dos rios Tigre e Eufrates, ao subir à Leste pelos MontesTauro, é irregular e imprevisível, produzindo condições de seca emum ano e inundações violentas e destrutivas em outro. Paramanter algum tipo de controle, fazia-se necessário a construçãode açudes e canais, além de complexa organização. A construçãodessas estruturas também era dirigida pelo Estado. O controle dosrios exigia numerosíssima mão-de-obra, que o governo recrutava,organizava e controlava
  32. 32. A agricultura. Era base da Economia. A economia da BaixaMesopotâmia, em meados do terceiro milênio a.C.,baseava-se na agricultura de irrigação.Cultivavam trigo, cevada,linho, gergelim (sésamo, de ondeextraiam o azeite para alimentação eiluminação), árvores frutíferas, raízes e legumes. Osinstrumentos de trabalho eram rudimentares, em geralde pedra, madeira e barro. O bronze foi introduzido nasegunda metade do terceiro milênio a.C., porem, averdadeira revolução ocorreu com a sua utilização, isto jáno final do segundo milênio antes da Era Cristã. Usavamo arado semeador, a grade e carros de roda;A criação de animais. A criaçãode carneiros, burros, bois, gansos e patos era bastantedesenvolvida;
  33. 33. O COMÉRCIO era realizado por funcionários a serviço dos templos e dopalácio. Apesar disso, podiam fazer negócios por conta própria. A situaçãogeográfica e a pobreza de matérias primas favoreceram osempreendimentos mercantis. As caravanas de mercadores iam venderseus produtos e buscar o marfim da Índia, a madeira do Líbano, o cobredo Chipre e o estanho do Caucaso. Exportavam tecidos de linho, lã etapetes, além de pedras preciosa e perfume. As transações comerciaiseram feitas na base de troca, criando um padrão de troca inicialmenterepresentado pela cevada e depois pelos metais que circulavam sobre asmais diversas formas, sem jamais atingir, no entanto, a forma de moeda.A existência de um comércio muito intenso deu origem a umaorganização economia sólida, que realizava operações como empréstimosa juros, corretagem e sociedades em negócios.Usavam recibos, escrituras e cartas de crédito. O comércio foi uma figuraimportante na sociedade mesopotâmica, e o fortalecimento do grupomercantil provocou mudanças significativas, que acabaram por influenciarna desagregação da forma de produção templário-palaciana dominantena Mesopotâmia.
  34. 34. A ASTRONOMIA entre os babilônicos, foi a principal ciência.Notáveis eram os conhecimentos dos sacerdotes no campo daastronomia, muito ligada e mesmo subordinada a astrologia. Astorres dos templos serviam de observatórios astronômicos.Conheciam as diferenças entre os planetas e as estrelas esabiam prever eclipses lunares e solares. Dividiram o ano emmeses, os meses em semanas, as semanas em sete dias, os diasem doze horas, as horas em sessenta minutos e os minutos emsessenta segundos. Os elementos da astronomia elaboradapelos mesopotâmicos serviram de base à astronomia dosgregos, dos árabes e deram origem à astronomia dos europeus;
  35. 35. A MATEMÁTICA Entre os caldeus, alcançou grande progresso. Asnecessidades do dia a dia levaram a um certo desenvolvimentoda matemática. Os mesopotâmicos usavam um sistemamatemático sexagesimal (baseado no número 60). Elesconheciam os resultados das multiplicações e divisões, raízesquadradas e raíz cúbica e equações do segundo grau. Osmatemáticos indicavam os passos a serem seguidos nessasoperações, através da multiplicação dos exemplos. Jamaisdivulgaram as formulas dessas operações, o que tornaria asrepetições dos exemplos desnecessárias. Também dividiram ocírculo em 360 graus, elaboraram tábuas correspondentes àstábuas dos logarítimos atuais e inventaram medidas decomprimento, superfície e capacidade de peso;
  36. 36. A Medicina. Os progressos da medicina foram grandes(catalogação das plantas medicinais, por exemplo). Assim comoo direito e a matemática, a medicina estava ligada aadivinhação. Contudo, a medicina não era confundida com asimples magia. Os médicos da Mesopotâmia, cuja profissão erabastante considerada, não acreditavam que todos os malestinham origem sobrenatural, já que utilizavam medicamentos àbase de plantas e faziam tratamentos cirúrgicos. Geralmente, omedico trabalhava junto com um exorcista, para expulsar osdemônios, e recorria aos adivinhos, para diagnosticar os males
  37. 37. A Escrita Cuneiforme, grande realização sumeriana, usada pelossírios, hebreus e persas, surgiu ligada às necessidades decontabilização dos templos. Era ideográfica, ou seja o objetorepresentado expressava uma ideia. Os sumérios - e, mais tardeos babilônicos e os assírios, que falavam acadiano - fizeram usoextensivo da escrita cuneiforme. Mais tarde, os sacerdotes eescribas começaram a utilizar uma escrita convencional, que nãotinha nenhuma relação com o objeto representado. Asconvenções eram conhecidas por eles, os encarregados dalinguagem culta, e procuravam representar os sons da falahumana, isto é, cada sinal representava um som;
  38. 38. Da literatura mesopotâmica sobraram diversos textos efragmentos, muitos ainda em vias de decifração e tradução [1].Uma característica comum à maioria dos textos é sua origemestatal, especialmente no caso da religião e dos negócios. Háainda crônicas sobre os feitos dos governantes e dos deuses,hinos, fábulas, versos, além de anotações de comerciantes. Tudoisso encontra-se registrado em tábuas de argila, em escritacuneiforme, assim denominada porque seus caracteres têmforma de cunha. Destacam-se o MiTO DA CRIAÇÃO, DO DÍLÚVI EA EPOPÉIA DE GILGAMESH - aventura de amor e coragem desseherói deus, cujo objetivo era obter a imortalidade.
  39. 39. O CÓDIGO DE HAMURABI até pouco tempo o primeiro  código de leis que setinha notícia, é uma compilação de leis sumerianas mescladas com tradiçõessemitas. Ele apresenta uma diversidade de procedimentos jurídicos edeterminação de penas para uma vasta gama de crimes. Contém 282 leis,abrangendo praticamente todos os aspectos da vida babilônica, passandopelo comércio, propriedade, herança, direitos da mulher, familia, herançaadultério, falsas acusações e escravidão. Suas principais característicassão: “olho por olho, dente por dente”, desigualdade perante a lei (aspunições variavam de acordo com a posição social da vitima e do infrator),divisão da sociedade em classes (os homens livres, os escravos e um grupointermediário pouco conhecido – os mushkhinum) e igualdade de filiação nadistribuição da herança. O Código de Hamurábi reflete a preocupação emdisciplinar a vida econômica (controle dos preços, organização dos artesãos,etc.) e garantir o regime de propriedade privada da terra. Os textos jurídicosmesopotâmicos invocavam os deuses da justiça, os mesmos da adivinhação,que decretavam as leis e presidiam os julgamentos.Anterior ao Código de Hamurábi, tem-se o Código de Ur-Nammu.
  40. 40. A ARQUITETURA foi a mais desenvolvida das artes ,porém não era tão notável quanto a egípcia.Caracterizou-se pelo exibicionismo e pelo luxo.Construíram templos e palácios, que eram consideradoscópias dos existentes nos céus, de tijolos por ser escassaa pedra na região.O zigurate torre piramidal, de base retangular, compostode vários pisos superpostos, formadas por sucessivosandares, cada um menor que o anterior. Construçãocaracterística das cidades-estados sumerianos. Nasconstruções, empregavam argilas, ladrilhos e tijolos.Provavelmente só os sacerdotes tinham acesso à torre,que tanto podia ser um santuário, como um local deobservações astrônomicas.
  41. 41. A MÚSICA na Mesopotâmia, principalmenteentre os babilônicos, estava ligada à Religião.Cantar estava associado á religião.
  42. 42. Os deuses, extremamente numerosos, eramrepresentados à imagem e semelhança dos sereshumanos. O sol, a lua, os rios, outros elementos danatureza e entidades sobrenaturais, também eramcultuados. Embora cada cidade possuísse seu própriodeus, havia entre os sumérios algumas divindadesaceitas por todos. Na Mesopotâmia, os deusesrepresentavam o bem e o mal, tanto que adotavamcastigos contra quem não cumpria com as obrigações.
  43. 43. O centro da civilização sumeriana era o templo, acasa dos deuses que governava a cidade, além decentro da acumulação de riqueza. Ao redor do templodesenvolvia-se a atividade comercial. O patesirepresentava o deus e combinava poderes políticos ereligiosos.
  44. 44. Apenas ao sacerdote era permitida a entrada notemplo e dele era a total responsabilidade de cuidar daadoração aos deuses e fazer com que atendessem asnecessidades da comunidade. Os sacerdotes do temploestavam livres dos trabalhos nos campos, dirigiriam ostrabalhos de construção de canais de irrigação,reservatórios e diques. O deus através dos sacerdotesemprestava aos camponeses animais, sementes,arados e arrendava os campos. Ao pagar o“empréstimo”, o devedor acrescentava a ele uma“oferenda” de agradecimento
  45. 45. A concepção de uma vida além-túmuloera confusa. Acreditavam que osmortos iam para junto de Nergal, odeus que guardava um reino de ondenão se poderia voltar.
  46. 46. Contribuições dos Sumérios:Escrita cuneiforme;Veículos sobre rodas;Irrigação;Metalurgia do bronze.
  47. 47. AMORITAS (ou BABILÔNIOS):*edificaram o Primeiro ImpérioBabilônico. *Principal rei: Hamurabi.Contribuições:*Primeiros códigos de leis escritos da*História - o Código de Hamurabi;*Astronomia.
  48. 48. ASSÍRIOS: passaram a se organizarcomo sociedade altamente militar eexpansionista. Bastante violentos.Principal rei: Assurbanipal.Contribuições:*Armas de ferro;*Carros de combate;*Aríetes.
  49. 49. CALDEUS (ou NEOBABILÔNIOS): oscaldeus foram os principaisresponsáveis pela derrota dosassírios e pela organização do novoimpério babilônico. Principal rei: Nabucodonosor.Contribuições: Matemática.
  50. 50. A dieta dos trabalhadores é basicamente composta de frutosnaturais e secos, tais como maças, pêras, figos, ameixas,pêssegos e uvas. Verduras e legumes (poucos relatos sobre asmesmas), com os quais faziam sopas (em sumério “tu” e emacádio “ummaru”), são basicamente compostas de pepinos,tubérculos, raízes, como cebola e nabo. Na área decondimentos cultiva-se alho, alho-porró, mostarda, cominho,usados para condimentar principalmente carne de gado e emescala menor aves e galináceos, incluídos mais tarde em suadieta. As carnes mais abundantes são, naturalmente, cabras eovelhas, das quais se aproveita inclusive a pele e a lã. Aoliveira e seu fruto, a azeitona, tem importância central nadieta e vida culinária da Mesopotâmia, não só comoalimento, mas também como condimento através daprodução do óleo. Temperos comuns eram os quemisturavam várias ervas e raízes no óleo de oliva, e umavariedade cujo ingrediente era o mel.
  51. 51. Desde muito cedo as farinhas fazem parte da alimentação detoda a população (ricos e pobres). Assim, através de técnicasde moer e triturar os grãos produzia-se sêmolas e farinhasusadas em massas e pastas, conservadas secas oufermentadas. As massas eram usadas para produzir tortas depão, assadas em grandes vasilhas colocadas sobre as brasasde lenha. Estas vasilhas tinham um imenso número deformas, o que indica que vários tipos de pães eramconfeccionados nas panificadoras da época. Os catálogos depães conhecidos apresentam, em alguns casos, mais de 300variedades, usando-se diversos tipos de farinhas, sendopreparadas com azeite, mel, leite, cerveja, especiariasaromatizadas, etc. Nas panificações, estabelecimentosconhecidos desde o III milênio a.C., não só se fazia o pãocomo também a cerveja.
  52. 52. Do malte da cevada se obtém a cerveja, a bebida maisconsumida, tanto dentro dos palácios como entre apopulação. Os povos da Mesopotâmia fabricavam vários tiposde cerveja, e em grandes quantidades, de tal forma que aprodução de bebidas alcoólicas como o vinho (produzido nosvinhedos da Alta Mesopotâmia - norte e nordeste) e a cervejasão fundamentais na economia e sobrevivência desses povos.Os variados tipos de cerveja apontam para diferentes formasde preparo e fermentação, produzindo-se, entre outros,cerveja velha, cerveja jovem, cerveja negra, cerveja doce ecerveja fina ou fraca (provavelmente misturada com água),principalmente consumida pelas mulheres.
  53. 53. Do malte da cevada se obtém a cerveja, a bebida maisconsumida, tanto dentro dos palácios como entre a população.Os povos da Mesopotâmia fabricavam vários tipos de cerveja,e em grandes quantidades, de tal forma que a produção debebidas alcoólicas como o vinho (produzido nos vinhedos daAlta Mesopotâmia - norte e nordeste) e a cerveja sãofundamentais na economia e sobrevivência desses povos. Osvariados tipos de cerveja apontam para diferentes formas depreparo e fermentação, produzindo-se, entre outros, cervejavelha, cerveja jovem, cerveja negra, cerveja doce e cerveja finaou fraca (provavelmente misturada com água), principalmenteconsumida pelas mulheres.
  54. 54. A matéria prima predominante era o linho e a lã usados sempre na sua cornatural. Um retângulo de tecido ao redor da cintura preso por tiras ousimplesmente com um nó numa forma primitiva de saia era a vestimentaprincipal do povo na Mesopotâmia. Vestígios da civilização suméria (III a C) mostram pessoas usando saiascompostas por tecidos com o borda formada com tufos de lã dispostossimétricamente que dão às roupas um aspecto "franjado" Este tipo deroupa era usado por homens e mulheres. As mulheres de classes superiores e altos dignatários costumavam usareste tipo de roupa mas aos poucos foram substituindo por uma túnica commangas Acredita-se que as mangas e o uso de botas foram influência depovos da montanha que viviam ao redor da região entre o Eufrates e doTigre . Homens e mulheres usavam cabelos compridos e os cabelos assim comoas barbas eram cacheados e até entremeados com fios de ouro O adornode cabeça para os homens tinha o aspecto de um vaso invertido Asmulheres casadas eram obrigadas a usarem um véu em lugares públicos(uma lei de 1 200 a C que ainda prevalece até hoje.
  55. 55. INVENÇÕES E CONTRIBUIÇÃO DA MESOPOTÂMIA PARA AHUMANIDADE:* Escrita (escrita cuneiforme);*Astrologia (criação do zodíaco - horóscopo);*Arquitetura (templos: Zigurate);*Primeira lei escrita (Código de Hamurabi);*Matemática;*Mito da Criação e Epopéia de Gilgamesh (contribuiçãoliterária);*Metalurgia do bronze e do ferro;*Irrigação;*Arado;*Carro sobre rodas;*O ano de 12 meses e a semana de 7 dias;*A divisão do dia em 24 horas
  56. 56. REFERÊNCIAS:Fonte: Livro didático Construindo Conciências. Editora Scipione.Ascaso & Serrano. HISTÓRIA ANTIGUA DEL ORIENTE PRÓXIMO. EditoraAkal. 1998.http://profhistomar.blogspot.com.br/2012/03/mesopotamia-7-anos.htmlhttp://pt.wikipedia.org/wiki/Mesopot%C3%A2miahttp://pt.wikipedia.org/wiki/Acadios

×