Ambiente e sociedade

2.657 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.657
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
709
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ambiente e sociedade

  1. 1. Impactos ambientais da atividade humana
  2. 2. A BIOSFERA – habitat de todos os seresvivos A biosfera é um sistemacomplexo formado peloar da camada inferior daatmosfera, pela partesuperficial das terrasemersas da litosfera epelas águas dahidrosfera. É devido àinteração entre esteselementos que é possívela existência de vida naTerra.
  3. 3. A importância da atmosfera A atmosfera desempenha funções essenciais para aexistência de vida na Terra: protege, em grande parte, a superfície terrestre daqueda de meteoros e das radiações solares ultravioleta; regulariza as temperaturas, através do efeito de estufa; contém o oxigénio essencial à respiração.
  4. 4. Componentes do ar nas camadasinferiores da atmosfera.
  5. 5. Estrutura vertical da atmosfera.TROPOSFERA - É a camada em contacto com a superfícieterrestre e a mais densa. É onde ocorrem os fenómenosmeteorológicos.A temperatura diminui segundo um valor médio de menos 6,5°C por cada 1000 metros de altitude - gradiente térmico vertical.O seu limite superior - a tropopausa - situa-se, em média, a 12km de altitude.ESTRATOSFERA - A temperatura mantém-se constante atéaos 25 km e aumenta, depois, até à estratopausa, devido àabsorção da maior parte das radiações solares ultravioleta pelacamada de azono.Como há menos turbulência do que na troposfera, algunsaviões comerciais, nas latitudes médias, circulam na baixaestratosfera.MESOAFERA - Verifica-se uma diminuição rápida da temperaturacoma altitude, devido à escassa absorção da radiação solar.TERMOSFERA- A temperatura aumenta com a altitude, devido àabsorção de grande parte da radiação solar.Muitos meteoros são destruídos pelas altas temperaturas da termosferae dão origem às estrelas cadentes. Nesta camada também sãofrequentes as auroras boreais ou austrais.EXOSFERA - Camada exterior da atmosfera, com temperaturasmuitoelevadas. É onde orbitam os satélites artificiais.
  6. 6. EFEITO DE ESTUFA O efeito de estufaé a função daatmosfera quecontribui para oaquecimento daparte inferior datroposfera devidoà reflexão departe da energiada radiaçãoterrestre para asuperfície daTerra.
  7. 7. Principais gases com efeito deestufa (GEE) dióxido de carbono (CO2) metano (CH4), o óxido nitroso (N2O),
  8. 8. Problemas associados à poluiçãoatmosférica O aumento do efeito de estufa Alterações climáticas Destruição da camada de ozono Chuvas ácidas Clima urbano Smog
  9. 9. Problemas associados à poluição atmosférica – oaumento do efeito de estufa Um dos impactos ambientais das atividades humanas éo progressivo aumento da concentração dos gases comefeito de estufa na atmosfera. Consequentemente, verifica-se o aumento do efeito deestufa e a subida da temperatura média daTerra, geralmente designada por aquecimento global.
  10. 10. Problemas associados à poluição atmosférica –o aumento do efeito de estufa A subida da temperatura média da Terra provoca adilatação térmica das águas superficiais dos oceanos eo degelo dos glaciares existentes nas regiões polares enas áreas montanhosas, alterações que, por sua vez,contribuem para a subida do nível médio das águas domar.
  11. 11. Consequências da subida do nívelmédio das águas do mar erosão e inundação de muitas ilhas e áreas costeiras debaixa altitude; migrações da população; modificação e/ou desaparecimento de muitos habitatsnaturais; salinização das reservas de água doce.
  12. 12. Alterações climáticasO aumento do efeito de estufa origina alterações nadistribuição das temperaturas e da precipitação a nívelmundial, destacando-se: a subida das temperaturas em quase todas as regiões eprincipalmente no hemisfério norte, a norte do círculopolar Ártico; o aumento da precipitação em termos gerais, devido a umamaior evaporação nos oceanos ;Outras alterações provocadas pelo aumento do efeito deestufa estão relacionadas com a ocorrência de situaçõesmeteorológicas extremas - inundações, furacões, ondas decalor, secas, etc. - de um modo geral, mais frequentes edestruidoras.
  13. 13. Possíveis impactos das alterações climáticasprevistas para Portugal: a redução da quantidade e da qualidade daágua, principalmente no Sul; o aumento do risco de cheias no Inverno e oagravamento dos incêndios florestais no Verão; a diminuição generalizada dos rendimentos agrícolas; a criação de condições mais favoráveis para atransmissão de doenças como a malária e a febre doNilo Ocidental, etc.
  14. 14.  o branqueamento dos corais; a possível expansão das doenças tropicais; o aumento dos incêndios florestais; diminuição da produção agrícola em algumas regiões.Outras consequências do aumento doefeito de estufa
  15. 15. A destruição da camada de ozono Na estratosfera, o ozono atua como um filtro dasradiações ultravioleta (UV) emitidas pelo Sol, evitandoque a maioria atinja a Terra. Porém, desde há muito que se sabe que a espessura dacamada de ozono começou a diminuir, principalmentedevido à emissão de clorofluorcarbonetos (CFC) para aatmosfera
  16. 16. O ozono (O3) tem efeitos prejudiciais para os seresvivos quando se encontra junto à superfície terrestre: provoca irritações nos olhos e no trato respiratório; é o componente principal do smog; atua como gás com efeito de estufa.A exposição prolongada e sem proteção a radiações UV podecausar:- queimaduras e envelhecimento da pele;- levar ao aumento dos casos de cancro da pele;- cataratas nos olhos;- diminuição das defesas imunológicas, favorecendo oaparecimento de doenças infeciosas;- A radiação UV em excesso pode também reduzir ocrescimento das plantas e a realização da fotossíntese eprovocar alterações genéticas no fitoplâncton, comrepercussões nas cadeias alimentares marinhas.
  17. 17. Os produtos químicos quedestroem a camada de ozono destacam-se os clorofluorcarbonetos (CFC) como principaisresponsáveis pela destruição da camada de ozono outras substâncias: halons, tetracloreto de carbono, brometo demetilo, entre outras.Utilizações das principais substâncias que destroem a camada deozono:Clorofluorcarbonetos (CFC) - Espumas e solventesindustriais; Refrigeração; Ar condicionado; AerossóisBrometo de metilo - Controlo de pragas na agriculturaHalons - Extintores de incêndiosTetracloreto de carbono - Utilizações laboratoriais
  18. 18. As chuvas ácidas O consumo de combustíveisfósseis também origina aemissão de gases como odióxido de enxofre e o óxidode azoto. Na atmosfera, essesgases reagem com o vapor deágua e transformam-se, respetivamente, em ácidosulfúrico e ácidonítrico, que, dissolvidos naágua da chuva, formam aschuvas ácidas. A América do Norte e aEuropa são os continentesmais afetados pelas chuvasácidas.
  19. 19. Consequências das chuvas ácidas Acidificação de solos, lagos e rios e,consequentemente, aumento da erosão dos solos; diminuição dos rendimentos agrícolas; desaparecimento de algumas plantas e espécies depeixes; Corrosão de estátuas, monumentos e edifícios; Destruição de florestas; Problemas respiratórios e pulmonares na população.
  20. 20. O clima urbano As cidades de grande dimensão possuem um climacom características diferentes do das áreascircundantes, pois normalmente registam chuvasácidas com maior frequência, mais dias de nevoeiropor ano, temperaturas mais elevadas e situações desmog.
  21. 21. A «ilha» de calor urbano O fenómeno ocorre praticamente em todas as cidades degrande dimensão e resulta das alterações que odesenvolvimento urbano e as atividades humanasprovocam na cobertura do solo e na composição daatmosfera. O termo «ilha» de calor urbano sugere a existência de umacidade «quente» rodeada pelo campo mais fresco. Noentanto, a maior parte das cidades apresenta áreas maisquentes (por exemplo, bairros de grande densidade deconstrução e tráfego intenso) e outras mais frescas (comoos espaços verdes e os planos de água).
  22. 22. As principais causas da «ilha» decalor urbano são: a densificação das construções, com diferentes orientaçõese alturas, reduz a velocidade do vento e aumenta a absorçãoe a reflexão das radiações solares entre os edifícios; a acentuada poluição do ar reforça o efeito de estufa sobreas cidades; a emissão de calor pelos sistemas de aquecimento dosedifícios e transportes e pela iluminação das ruas; a utilização de materiais de construção com grandecapacidade para armazenar calor; a diminuição da cobertura vegetal e a crescenteimpermeabilização do solo urbano.
  23. 23. O smog urbano A palavra "smog" deriva do inglês ("smoke" + "fog") e éum fenómeno cada vez mais visível nas grandes áreasurbanas. O nevoeiro fotoquímico, também conhecido porSmog, consiste numa mistura de poluentes primários(Monóxido de Carbono, Dióxidos de Enxofre e Azoto)e poluentes secundários como por exemplo oozono, formados sob a influência da luz solar. Uma vezque o Smog está dependente do Sol, este tipo depoluição torna-se mais evidente nos dias de seca e demaior calor.
  24. 24. Evolução do nevoeiro fotoquímico ao longo do diaComo se pode verificar através deste gráfico, os níveis de smog não são constantes aolongo do dia.Durante a manhã, como circula um maior número de automóveis forma-se maistrânsito, o que faz aumentar os níveis de óxidos de azoto na atmosfera.À medida que o dia progride aumentam os níveis de ozono fotoquímico formandocada vez mais nevoeiro fotoquímico.Este tipo de poluição atinge a sua máxima intensidade durante a tarde ou seja aaltura mais quente do dia, o que pode provocar irritações nos olhos e no sistemarespiratório dos habitantes.
  25. 25. Perigos do smog para a saúde pública Irritação e danos nosolhos, na pele e nos pulmões; Seca as membranasprotetoras do nariz e dagarganta; Provoca alterações no sistemaimunitário; Agrava também as doençasrespiratórias como a asma daíque as pessoas portadoradeste tipo de doença, e ascrianças sejam maisvulneráveis a este tipo depoluição.
  26. 26. A ÁGUA NA TERRA Mais de dois terços dasuperfície terrestre estãocobertos por água, mas aágua doce representamenos de 3% do totale, desta percentagem, umagrande parte está retidanos glaciares. São as águassuperficiais -lagos, albufeiras e rios - eessencialmente assubterrâneas - toalhasfreáticas e aquíferos - quefornecem a águaconsumida.
  27. 27. O ciclo da água A água é um recurso essencial à vida e infinitamenterenovável. O fenómeno responsável pela sua circulação econservação na Terra é o ciclo da água. O acentuado crescimento da população mundial temsido acompanhado por um aumento muito superior doconsumo de água, pelo que são cada vez mais comunsos problemas de escassez de água.
  28. 28. O cicloda água 1 - EvaporaçãoA água dos oceanos, mares, rios, ribeiras e lagos por ação do sol evapora-se (passa do estado líquido para o estadogasoso) e o vapor de água que se forma por ação da gravidade sobe para a atmosfera. 2 - EvapotranspiraçãoOs animais e plantas, por um processo chamado evapotranspiração, também libertam vapor de água para a atmosfera. 3 - CondensaçãoNa atmosfera, o vapor de água arrefece. Este processo designa-se por condensação, isto é, o vapor transforma-se emgotas de água, formando as nuvens. 4 - PrecipitaçãoQuando as nuvens passam por zonas frias a condensação aumenta originando a precipitação. Esta pode ser sob a formade chuva, neve, granizo ou nevoeiro. 5 - InfiltraçãoQuando ocorre a precipitação, uma parte da água da chuva (ou neve, granizo, nevoeiro) cai diretamente nos oceanos,rios, ribeiras e lagos, outra escorre à superfície e ainda outra infiltra-se no solo. Uma parte da água evapora mal cai nosolo, especialmente em áreas aquecidas fechadas ou impermeabilizadas como as estradas asfaltadas, os parques deestacionamento e os telhados dos edifícios.Da água que se infiltra no solo, uma parte é absorvida pelas raízes das plantas, outra abastece as nascentes dos rios e osreservatórios subterrâneos (aquíferos).
  29. 29. Problemas na utilização da água- Sobrexploração- Poluição da água doceSobrexploração Em termos globais, o mundo tem mais água doce doque o suficiente para cobrir todas as necessidades - oproblema é que alguns países têm muito menos águado que outros e estão a sobrexplorar as suas reservassubterrâneas e superficiais. Ao fazê-lo, comprometema quantidade de água disponível no futuro.
  30. 30. - Sobrexploração Os sintomas físicos do consumo de água abusivovariam de caso para caso. Entre os problemas menos visíveis mas mais agudos,inclui-se a descida das toalhas freáticas, resultado deum ritmo de consumo de água do subsolo muito maisrápido do que o da reposição natural pelo ciclo daágua.
  31. 31. Poluição da água doce A disponibilidade de água doce também é afetada pelapoluição resultante da intervenção humana: os esgotos domésticos e os efluentes industriais e deexplorações pecuárias são muitas vezes lançados noscursos de água, sem qualquer tipo de tratamento; os pesticidas e fertilizantes químicos usados naagricultura contaminam as águas subterrâneas aoinfiltrarem-se no subsolo e poluem rios, lagos ealbufeiras, devido ao escoamento superficial.
  32. 32. A eutrofização O fenómeno resulta da excessiva acumulação dedetritos orgânicos e fertilizantes químicos na água, oque origina uma grande proliferação de algassuperficiais que impedem a penetração da luz. Por estemotivo, a vegetação subaquática morre e decompõe-se,levando à diminuição da quantidade de alimento, doshabitats e do oxigénio dissolvido na água. Mais tarde,quando as algas superficiais também morrem, dá-seum crescimento exponencial de bactériasdecompositoras, que diminuem ainda mais o oxigéniopresente na água. Desta forma, o esgotamento dooxigénio provoca a morte por asfixia de peixes e deoutras espécies aquáticas.
  33. 33. Soluções mais utilizadas para reduzir os problemas deescassez de água doce e evitar a poluição dos recursoshídricos construção de barragens para permitir oarmazenamento de água, embora possam existirimpactos ambientais desfavoráveis; Dessalinização da água do mar; Construção de ETAR (Estações de Tratamento deÁguas Residuais); Poupar água nos usos doméstico, na indústria e naagricultura (utilizar sistemas de rega com maioreficiência – ex.: Irrigação gota-a-gota)
  34. 34. Impactos da construção debarragens: Positivos: Reserva de água docepara irrigação eabastecimento público; Redução dos riscos deinundação; Prática de pesca e deatividades recreativas; Produção dehidroeletricidade. Negativos: Perda de água porevaporação; Destruição da vegetação ecampos agrícolas nas áreasinundadas; Diminuição dos caudais eda deposição desedimentos ricos emnutrientes a jusante; Elevados custos deconstrução; Deslocação da populaçãoda áreas inundadas.
  35. 35. ETAR – Estação de Tratamento deÁguas Residuais Asseguram o tratamentode efluentes urbanosantes de seremdespejados nos rios ouno oceano; Permitem oaproveitamento debiogás; Produzem água parareutilização para finscompatíveis.
  36. 36. Oceanos e mares ameaçados Durante demasiado tempo, os oceanos e mares foramconsiderados grandes reservatórios para a deposiçãode resíduos e poluentes e, simultaneamente, fontesinesgotáveis de alimento e recursos e importantes viasde comunicação. Contudo, nas últimas décadas, apoluição excessiva, a sobrepesca e o tráfego de petróleotêm-se revelado sérias ameaças à preservação dosoceanos e mares.
  37. 37. Principais fontes de poluição dosoceanos. Agroquímicos usados na agricultura; Esgotos urbanos; Esgotos industriais; Efluentes das centrais nucleares; Fugas em refinarias de petróleo; Despejo de esgotos em alto-mar; Acidentes com petroleiros e lavagem de tanques; Despejo de resíduos nucleares.
  38. 38. As marés negrasO tráfego de petróleo por via marítima está na origem deuma das formas de poluição mais graves dos oceanos emares - as marés negras. Estas devem-se a derramesacidentais, durante as operações de carga e descarga oudevido a colisões, a rombos nos cascos dos navios e anaufrágios, mas também a lavagens ilegais dosdepósitos em mar alto e ao largo da costa. Por vezes, asmarés negras têm origem em fugas de plataformaspetrolíferas.
  39. 39. Impactos das marés negras Impede o desenvolvimento do fitoplâncton e afeta moluscos,crustáceos, peixes, aves e mamíferos marinhos. As aves ficam impregnadas e as suas penas ganhampermeabilidade, o mesmo acontecendo com o pelo dosmamíferos marinhos. Como resultado, os animais ficam maispesados e afogam-se. Mortes por envenenamento, devido à ingestão direta de petróleoou por inalação dos compostos que contaminam a atmosfera. Quando as marés negras atingem as zonas costeiras, os seusefeitos tornam-se ainda mais catastróficos: destruírem a flora e a fauna; provocam enormes prejuízos à pesca; têm um forte efeito negativo na atividade turística, já que os detritospetrolíferos, de remoção difícil, impedem durante muito tempo autilização das praias.
  40. 40. Outros problemas ambientaisA desflorestação As florestas cobrem cerca de um terço da superfícieterrestre e desempenham funções importantes para oequilíbrio ambiental do nosso planeta. Atualmente, a desflorestação é mais acentuada nospaíses em desenvolvimento, sendo particularmentepreocupante a devastação das florestas tropicaishúmidas em países como o Brasil, a Indonésia, aRepública Democrática do Congo, entre outros.
  41. 41. Funções das florestas produzem oxigénio eabsorvem dióxido de carbono- são, por isso, muitas vezesconsideradas o pulmão daTerra; fixam as camadas superficiaisdos solos e permitem aretenção de água nosubsolo, diminuindo o risco dedesertificação; fornecem alimento e habitata um elevado número deespécies.
  42. 42. Causas da desflorestação permitir o alargamento das áreas de cultivo e de criação degado; a exploração da madeira para fins comerciais; o consumo de lenha como fonte de energia doméstica,sobretudo nos países em desenvolvimento; a construção de vias de comunicação ou de grandesbarragens; a extração de recursos minerais do subsolo; a deflagração de incêndios florestais; a ocorrência de chuvas ácidas, mais frequentes na Américado Norte e na Europa Central.
  43. 43. Consequências da desflorestação A desflorestação pode acelerar a ocorrência das alteraçõesclimáticas, pois a destruição das árvores faz com que estasdeixem de absorver dióxido de carbono, contribuindo assimpara o aumento do efeito de estufa à escala mundial. Por outro lado, aumenta o risco de extinção de espécies e aerosão dos solos. A ausência de cobertura vegetal facilita oescoamento superficial das águas das chuvas e reduz ainfiltração, o que aumenta o desgaste e o transporte dosconstituintes dos solos para os rios e provoca a diminuiçãodos recursos hídricos subterrâneos.
  44. 44. A desertificação A desertificação refere-se à degradação dos solosprovocada por diversos fatores, entre os quais sedestacam as atividades humanas, como: a desflorestação; o consumo de lenha; o sobrepastoreio e a agricultura intensiva; mas também é um dos reflexos das alteraçõesclimáticas em determinadas regiões.
  45. 45. Consequências da desertificação Faz diminuir a produtividade dos solos e as reservas deágua doce; reduz a segurança alimentar; pode originar migrações da população e conflitos.
  46. 46. Biodiversidade em risco… Biodiversidade: refere-se à variedade de espéciesanimais e vegetais, à diversidade genética dentro daspróprias espécies e à variedade dos ecossistemas ehabitats naturais da Terra.
  47. 47. Biodiversidade em risco... A crescente destruição dos ecossistemas e dos habitats naturais explica oelevado número de espécies em risco de extinção e, consequentemente, adiminuição da biodiversidade na Terra. De entre as causas doproblema, destacam-se : a desflorestação; o aquecimento global; a destruição da camada de ozono; as chuvas ácidas; a poluição dos meios aquáticos,; a desertificação; a sobrepesca; a caça furtiva; o comércio ilegal de espécies ameaçadas e a introdução de espécies invasoras.Atualmente, a perda de biodiversidade é mais acentuada nas regiõestropicais, mas também afeta outras regiões.
  48. 48. A importância da biodiversidade Cada espécie desempenha o seu papel nas cadeiasalimentares em que participa. Sempre que uma espécieé extinta, outras espécies podem ser afetadas edesaparecer também; Com menor diversidade de espécies a vida na Terratorna-se mais sujeita a alterações ambientais. Pelocontrário, quanto mais rica é a diversidade biológica,maior é a oportunidade para descobertas no âmbito damedicina, da alimentação, do desenvolvimentoeconómico, e de serem encontradas respostasadaptativas a essas alterações ambientais.
  49. 49. Proteger a biodiversidade Devemos proteger a biodiversidade através dapreservação dos habitats naturais e da recuperação dasespécies ameaçadas pela extinção, para tal éimportante: Controlar a desflorestação e apoiar a reflorestação; Proibir a captura e o comércio de espécies em risco; Criar condições para a reprodução; Aumentar as áreas de proteção ambiental (parquesnaturais, reservas naturais, paisagens protegidas…)

×