SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
Instrumentos Econômicos: Subsídios Ambientais.
• Acabamos de perceber que um tributo sobre
emissões funciona como se estivéssemos
estabelecendo um preço pelo uso do patrimônio
ambiental que está sendo degradado por um
determinado agente social.

• Teoricamente, os mesmos resultados obtidos
com a fixação do tributo sobre emissões podem
ser obtidos com o estabelecimento de um
subsídio ambiental.
• Neste caso a autoridade pública paga ao
poluidor/degradador uma determinada quantia
por cada tonelada de emissões que ele/ela
reduzir a partir de um determinado nível tomado
como ponto de referência.

• Antes de detalharmos o subsídio ambiental
vamos ver aspectos do subsídio.
• A OECD (1996) define subsídios como medidas
para manutenção de preços abaixo do nível de
mercado para consumidores ou acima do nível do
mercado para produtores.

• Pode ser entendido, ainda, como um redutor de
custos a consumidores ou produtores por meio
de um suporte nos preços, dado direta ou
indiretamente.
• Sendo calibrados devidamente, terão papel
fundamental na mudança de comportamento do
agente degradador.

• Para Pindyck e Rubinfield (2002) subsídio
também pode ser analisado como um tributo
negativo.
• Em relação a um mercado que atua com
incidência de subsídios, o preço líquido recebido
pelo vendedor excede o preço pago pelo
comprador, e a diferença entre os dois é o valor
do subsídio.

• As quantidades produzidas aumentam,
conferindo aos subsídios efeitos contrários do
que ocorre com os tributos.
• O gráfico 1 ilustra um mercado onde as
elasticidades da oferta e da demanda são
semelhantes, antes da implementação dos
subsídios.

• Ou seja, o benefício do subsídio é
compartilhado de forma parecida por produtores
e consumidores.

• QD = quantidade demandada
• QO = quantidade ofertada
Gráfico 1
Efeito do subsídio sobre os mercados.

   Preço
                                          O




      PV



      P0
                             s


     PC




                                    D



                   Q0   Q1       Quantidade
• PC = preço pago pelos compradores;

• PV = preço recebido pelos vendedores (já incluídos o
subsídio);

• s = subsídios.

• Q0 = quantidade inicial, em equilíbrio entre oferta e
demanda;

• Q1 = quantidade ofertada e demandada após a
introdução do subsídio.
Gráfico 2: Equilíbrio entre oferta e
demanda – antes e depois do subsídio.

     Preço em R$
                                                                O

               120
                                                                 O’
               110

                   100

                   90

                   80

                   70

                   60
                                       E
                   50
                                            E’
                   40

                   30    Subsídio

                   20                                                     D

                   10


                         200    400   600        800   1.000   1.200    1.400
                                                                       Quantidade (em mil t)
• A condição racional para estabelecer um
subsídio vem dos padrões econômicos de bem-
estar.

•Isto nos diz que as falhas de mercado afetam o
nível ótimo dos bens e e serviços ambientais
devido a existência de externalidades. [CLINCH
(2002)].

•A prescrição dos economistas para corrigir estas
falhas de mercado pode ser:
• a) internalização dos custos externos pela
introdução de tributos de tal forma que os
produtores de externalidades paguem pelo custo
social de suas atividades;

• b) internalização dos benefícios externos
através do fornecimento de subsídios, de tal
forma que os produtores desses benefícios
sejam recompensados.
• Subsídios também podem ser justificados
economicamente pela correção de outras formas
de falhas de mercado.

• Clinch (2002) cita como exemplo, se a
distribuição de renda é considerada sub-ótima,
tributos e subsídios podem ser justificados como
um mecanismo re-distributivo.

• No caso da existência de desemprego,
subsídios podem ser justificados em um projeto
para uso da m.d.o.
• Almeida (1998) acrescenta, especificamente
em assuntos ambientais ainda os seguintes
fatores, como importantes na adoção dos
subsídios:

• a) aceleram a reestruturação de antigas
fábricas;

• b) solucionam problemas econômicos
decorrentes da implementação das
recomendações políticas;
• c) incentivam a introdução de tecnologias não-
polutentes.

• Em alguns países, os subsídios também são
utilizados como medida complementar
necessária às regulações diretas..
• O subsídio ambiental atua como uma
“recompensa” pela redução da degradação/ da
poluição..

• Apesar de apresentarem uma total simetria no
curto prazo, tributos e subsídios têm efeitos
distintos no longo prazo.
• No curto prazo, os incentivos criados pelo
tributo sobre emissões e pelo subsídio à redução
de emissões são essencialmente os mesmos.

• No longo prazo, os efeitos distributivos do
subsídio são bastante distintos dos do tributo.

• Vamos tentar perceber isso utilizando os
mesmos dados apresentados na aula sobre
tributos.
• O nível inicial de emissões de uma determinada
empresa é de 10 toneladas/mês.

• A autoridade pública buscando reduzir esse
nível de emissões percebe que não seria
adequado utilizar um tributo sobre unidade
emitida, pois a empresa não teria condições
financeiras para pagar este tributo.
• Decide, então, oferecer um pagamento de R$
120,00 por tonelada / mês de emissões que a
empresa reduzir a partir deste nível.

• A análise que se segue é baseada nos dados
resumidos na Tabela 1, onde são apresentados
os custos marginais de redução, os custos totais
de redução, o subsídio total e o subsídio total
menos os custos de redução.
• Até que nível este empresário reduz suas
emissões?
Subsídio para a Redução das Emissões
 Emissõe s      Custos        Custos      Subsídio Total a    Subsídio Total
(toneladas/    Marginais       Totais       R$ 120,00            menos
   mês)       de Redução    de Redução     por tonelada      Custos Totais de
                                                                Redução




    10                  0             0                 0                  0
    09                 15            15               120                105
    08                 30            45               240                195
    07                 50            95               360                265
    06                 70           165               480                315
    05                 90           255               600                345
    04                115           370               720                350
    03                130           500               840                340
    02                180           680               960                280
    01                230           910              1080                170
    00                290          1200              1200                  0
• O empresário procurará reduzir suas emissões,
e receber o subsídio por cada tonelada reduzida,
até o ponto em que o custo de redução for igual
ao valor do subsídio recebido (R$
120,00/tonelada/mês).

• Não faz sentido ele gastar para reduzir mais do
que o valor que ele/ela espera receber pelo seu
gesto de reduzir.
• Isto indica uma redução até o nível de 4
toneladas/mês, onde o custo de redução é de R$
115,00 por tonelada.

• Veja bem que este é exatamente o nível obtido
na simulação que realizamos para o caso do
tributo ambiental.
• Obtendo o mesmo resultado significa que
tributos e subsídios são exatamente a mesma
coisa?

•   Não!!

• Em primeiro lugar, os subsídios apresentam a
dificuldade de estabelecer o ponto de referência.
• Ou seja, estabelecer o ponto a partir do qual
serão medidas as reduções.

• O poluidor desejaria que esse nível fosse o
mais elevado possível.

• Assim, seria previsível que o poluidor
aumentasse muito suas emissões quando das
medições para estabelecer esse ponto de
referência.
• A autoridade pública poderia, então, estar
subsidiando a ineficiência.

• Em segundo lugar, a situação financeira da
empresa no “nível ótimo de emissão” (4
toneladas/mês) é completamente diferente no
caso do subsídio do que era no caso do imposto.
• Se vocês analisarem com cuidado, no caso do
imposto a empresa tinha um custo total de R$
850,00 para alcançar 4 toneladas/mês de
emissão.

• No caso de subsídio, ela tem uma receita total
de R$ 350,00.
• Ora, dependendo da situação existente, essa
receita de subsídios pode se transformar em um
atrativo para que novas empresas decidam entrar
neste ramo de produção.

• O resultado é que o subsídio, que em um
determinado momento busca reduzir a poluição,
em um momento posterior pode contribuir para
aumentar esta poluição.
• Fica claro, então, que tributo e subsídio
ambientais são equivalentes apenas em termos
de nível obtido de redução de poluição e em
situações reais bem específicas (não há aumento
no número de empresas e o nível de referência é
adequadamente fixado).

• Mas como     podem    ser   estruturados   os
subsídios?
• Almeida (1998, p. 55) enuncia ser subsídio
uma denominação genérica pertinente a várias
formas de assistência financeira, cujo objetivo é
oferecer incentivos para que agentes poluidores
promovam a redução de poluição ambiental.

• E que, de acordo com critérios da OCDE
(1989, p. 15), a autora apresenta os principais
tipos de subsídios existentes:
• subvenção: assistência financeira não
reembolsável, prestada a agentes poluidores que
se decidam pela redução de seus níveis de
emissões;

• empréstimos subsidiados: empréstimos a taxas
de juros reduzidos (abaixo das praticadas no
mercado) para os agentes que adotaram
medidas antipoluição;
• incentivos fiscais: depreciação acelerada ou
outras formas de isenção ou abatimentos de
impostos para os que praticarem medidas
antipoluentes.

• Jacobs (1991) alerta que os subsídios
constituem-se violação ao princípio de quem
polui paga.
• E aí o custo da proteção ambiental é assumido
pelo conjunto da sociedade.

• Parece revelador, então, que a incorporação de
instrumentos econômicos na política ambiental
brasileira esteja ocorrendo através do subsídio
ambiental.
• ICMS-verde, ICMS-ecológico, RPPN, entre
outros, são materializações do conceito de
subsídio ambiental no Brasil.

• Resta saber se essa materialização sobrevive a
uma avaliação cuidadosa através dos critérios
indicados algumas aulas passadas.
• Tributo e subsídio ambientais são mais
populares entre os formuladores de política
ambiental da Europa e do Japão do que entre
formuladores de política ambiental dos Estados
Unidos.

• Um relatório OECD (1997) identifica mais de
50 situações onde impostos e taxas são usadas
nas áreas de poluição do ar, da água e sonora e
de disposição de resíduos sólidos.
• Impostos sobre emissão para controlar
poluição da água são usados na França, Itália,
Alemanha e Países Baixos.

• Impostos sobre emissão para controlar
poluição do ar são usados na França, Japão,
Reino Unido e Suécia.
• Os Estados Unidos fazem um uso muito mais
restrito dos impostos e taxas ambientais; as
exceções são: imposto sobre CFCs e taxas de
esgoto e de resíduos sólidos e perigosos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

111003 milkpointday marcelo_mercado
111003 milkpointday marcelo_mercado111003 milkpointday marcelo_mercado
111003 milkpointday marcelo_mercadoAgriPoint
 
Six Sigma Congress 2012 Prince2 Cemig
Six Sigma Congress 2012 Prince2 CemigSix Sigma Congress 2012 Prince2 Cemig
Six Sigma Congress 2012 Prince2 CemigCarlos Sousa
 
Matematica slides habitacional2
Matematica slides habitacional2Matematica slides habitacional2
Matematica slides habitacional2gabaritocontabil
 
Rafael Cervieri - IV Seminário Confinatto
Rafael Cervieri - IV Seminário ConfinattoRafael Cervieri - IV Seminário Confinatto
Rafael Cervieri - IV Seminário ConfinattoAgroTalento
 
Apresentacao Melhorias
Apresentacao MelhoriasApresentacao Melhorias
Apresentacao MelhoriasHarborHoteis
 
Mini geradores com relatório
Mini geradores com relatórioMini geradores com relatório
Mini geradores com relatórioMarcos Paiva
 

Mais procurados (6)

111003 milkpointday marcelo_mercado
111003 milkpointday marcelo_mercado111003 milkpointday marcelo_mercado
111003 milkpointday marcelo_mercado
 
Six Sigma Congress 2012 Prince2 Cemig
Six Sigma Congress 2012 Prince2 CemigSix Sigma Congress 2012 Prince2 Cemig
Six Sigma Congress 2012 Prince2 Cemig
 
Matematica slides habitacional2
Matematica slides habitacional2Matematica slides habitacional2
Matematica slides habitacional2
 
Rafael Cervieri - IV Seminário Confinatto
Rafael Cervieri - IV Seminário ConfinattoRafael Cervieri - IV Seminário Confinatto
Rafael Cervieri - IV Seminário Confinatto
 
Apresentacao Melhorias
Apresentacao MelhoriasApresentacao Melhorias
Apresentacao Melhorias
 
Mini geradores com relatório
Mini geradores com relatórioMini geradores com relatório
Mini geradores com relatório
 

Destaque

colegio santiago de las atalayas
colegio santiago de las atalayascolegio santiago de las atalayas
colegio santiago de las atalayasnurkr benmur
 
BCS Consulting
BCS ConsultingBCS Consulting
BCS ConsultingPaul Irwin
 
Besenfio d'oro 2005
Besenfio d'oro 2005Besenfio d'oro 2005
Besenfio d'oro 2005pac
 
Presentacion l-materna-1(1)
Presentacion l-materna-1(1)Presentacion l-materna-1(1)
Presentacion l-materna-1(1)Ustadistancia
 
Expo de investigacion
Expo de investigacionExpo de investigacion
Expo de investigacionmarcobedon
 
Powerpoint chương 2
Powerpoint chương 2Powerpoint chương 2
Powerpoint chương 2Kimphuongbuh
 
Criminalización de la protesta y paro nacional agrario-primer balance
Criminalización de la protesta y paro nacional agrario-primer balanceCriminalización de la protesta y paro nacional agrario-primer balance
Criminalización de la protesta y paro nacional agrario-primer balanceJolie MuSan
 
Photos extraordinary
Photos extraordinary Photos extraordinary
Photos extraordinary popserge
 
Preliminares del plan de área idioma extranjero
Preliminares del plan de área idioma extranjeroPreliminares del plan de área idioma extranjero
Preliminares del plan de área idioma extranjeroclaupatty27
 
Understanding bitcoin
Understanding bitcoinUnderstanding bitcoin
Understanding bitcoinShuo Yang
 
ECOGOV: 2.4 CREATING THE CONSTITUTION
ECOGOV: 2.4 CREATING THE CONSTITUTIONECOGOV: 2.4 CREATING THE CONSTITUTION
ECOGOV: 2.4 CREATING THE CONSTITUTIONprofessorhood
 

Destaque (20)

colegio santiago de las atalayas
colegio santiago de las atalayascolegio santiago de las atalayas
colegio santiago de las atalayas
 
Inför prov
Inför provInför prov
Inför prov
 
08NVb
08NVb08NVb
08NVb
 
BCS Consulting
BCS ConsultingBCS Consulting
BCS Consulting
 
CMC1
CMC1CMC1
CMC1
 
Hoja De Vida Todos
Hoja De Vida  TodosHoja De Vida  Todos
Hoja De Vida Todos
 
Besenfio d'oro 2005
Besenfio d'oro 2005Besenfio d'oro 2005
Besenfio d'oro 2005
 
Presentacion l-materna-1(1)
Presentacion l-materna-1(1)Presentacion l-materna-1(1)
Presentacion l-materna-1(1)
 
08NVa planering
08NVa planering08NVa planering
08NVa planering
 
Expo de investigacion
Expo de investigacionExpo de investigacion
Expo de investigacion
 
Powerpoint chương 2
Powerpoint chương 2Powerpoint chương 2
Powerpoint chương 2
 
segundo parcial
segundo parcialsegundo parcial
segundo parcial
 
Criminalización de la protesta y paro nacional agrario-primer balance
Criminalización de la protesta y paro nacional agrario-primer balanceCriminalización de la protesta y paro nacional agrario-primer balance
Criminalización de la protesta y paro nacional agrario-primer balance
 
Renaissance
RenaissanceRenaissance
Renaissance
 
Photos extraordinary
Photos extraordinary Photos extraordinary
Photos extraordinary
 
sogni d'oro
 sogni d'oro sogni d'oro
sogni d'oro
 
Preliminares del plan de área idioma extranjero
Preliminares del plan de área idioma extranjeroPreliminares del plan de área idioma extranjero
Preliminares del plan de área idioma extranjero
 
Understanding bitcoin
Understanding bitcoinUnderstanding bitcoin
Understanding bitcoin
 
ECOGOV: 2.4 CREATING THE CONSTITUTION
ECOGOV: 2.4 CREATING THE CONSTITUTIONECOGOV: 2.4 CREATING THE CONSTITUTION
ECOGOV: 2.4 CREATING THE CONSTITUTION
 
Defactual
DefactualDefactual
Defactual
 

Semelhante a Subsídios Ambientais e seus Efeitos no Mercado

Reestruturação de produto
Reestruturação de produtoReestruturação de produto
Reestruturação de produtoAlcir Arantes
 
Palestra: Dinheiro, multiplique-se!
Palestra: Dinheiro, multiplique-se!Palestra: Dinheiro, multiplique-se!
Palestra: Dinheiro, multiplique-se!Pop Promotora
 
Casa bb-matemática-financeira
Casa bb-matemática-financeiraCasa bb-matemática-financeira
Casa bb-matemática-financeiraNelson Barros
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de ProduçãoLuciano Pires
 
Financas gabarito complementar aula_8
Financas gabarito complementar aula_8Financas gabarito complementar aula_8
Financas gabarito complementar aula_8controladoriacontab
 
Exercicios basicos para_estudos
Exercicios basicos para_estudosExercicios basicos para_estudos
Exercicios basicos para_estudosGraciela Lopes
 
Apostila iv margem de contribuicao
Apostila iv   margem de contribuicaoApostila iv   margem de contribuicao
Apostila iv margem de contribuicaozeramento contabil
 
Analise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de EquilibrioAnalise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de EquilibrioFilipe Mello
 
Financas exercicios contabilidade gabarito 03
Financas exercicios contabilidade gabarito 03Financas exercicios contabilidade gabarito 03
Financas exercicios contabilidade gabarito 03controladoriacontab
 
Prova exa.. (1)
Prova exa.. (1)Prova exa.. (1)
Prova exa.. (1)BSuelly
 
Exercicios contabilidade gabarito 01
Exercicios contabilidade gabarito 01Exercicios contabilidade gabarito 01
Exercicios contabilidade gabarito 01capitulocontabil
 
Controladoria gabarito lista suplementar_2_bimestre2
Controladoria gabarito lista suplementar_2_bimestre2Controladoria gabarito lista suplementar_2_bimestre2
Controladoria gabarito lista suplementar_2_bimestre2controladoriacontab
 
Aula 06 custos de produção
Aula 06   custos de produçãoAula 06   custos de produção
Aula 06 custos de produçãopetecoslides
 
Powerpoint para Assembleia.pptx
Powerpoint para Assembleia.pptxPowerpoint para Assembleia.pptx
Powerpoint para Assembleia.pptxericacordeiro23
 
Powerpoint para Assembleia.pptx
Powerpoint para Assembleia.pptxPowerpoint para Assembleia.pptx
Powerpoint para Assembleia.pptxGeysiaCosta
 

Semelhante a Subsídios Ambientais e seus Efeitos no Mercado (20)

Reestruturação de produto
Reestruturação de produtoReestruturação de produto
Reestruturação de produto
 
Palestra: Dinheiro, multiplique-se!
Palestra: Dinheiro, multiplique-se!Palestra: Dinheiro, multiplique-se!
Palestra: Dinheiro, multiplique-se!
 
Casa bb-matemática-financeira
Casa bb-matemática-financeiraCasa bb-matemática-financeira
Casa bb-matemática-financeira
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 
Financas gabarito complementar aula_8
Financas gabarito complementar aula_8Financas gabarito complementar aula_8
Financas gabarito complementar aula_8
 
Exercicios basicos para_estudos
Exercicios basicos para_estudosExercicios basicos para_estudos
Exercicios basicos para_estudos
 
Apostila iv margem de contribuicao
Apostila iv   margem de contribuicaoApostila iv   margem de contribuicao
Apostila iv margem de contribuicao
 
Aula03 calcula
Aula03 calculaAula03 calcula
Aula03 calcula
 
Analise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de EquilibrioAnalise de Ponto de Equilibrio
Analise de Ponto de Equilibrio
 
Lucro real i
Lucro real iLucro real i
Lucro real i
 
Financeiro novembro
Financeiro novembroFinanceiro novembro
Financeiro novembro
 
Financas exercicios contabilidade gabarito 03
Financas exercicios contabilidade gabarito 03Financas exercicios contabilidade gabarito 03
Financas exercicios contabilidade gabarito 03
 
Prova exa.. (1)
Prova exa.. (1)Prova exa.. (1)
Prova exa.. (1)
 
Balancetes e razonetes cap 09
Balancetes e razonetes cap 09Balancetes e razonetes cap 09
Balancetes e razonetes cap 09
 
Apresentação ana lúcia 15.04.2012
Apresentação ana lúcia 15.04.2012Apresentação ana lúcia 15.04.2012
Apresentação ana lúcia 15.04.2012
 
Exercicios contabilidade gabarito 01
Exercicios contabilidade gabarito 01Exercicios contabilidade gabarito 01
Exercicios contabilidade gabarito 01
 
Controladoria gabarito lista suplementar_2_bimestre2
Controladoria gabarito lista suplementar_2_bimestre2Controladoria gabarito lista suplementar_2_bimestre2
Controladoria gabarito lista suplementar_2_bimestre2
 
Aula 06 custos de produção
Aula 06   custos de produçãoAula 06   custos de produção
Aula 06 custos de produção
 
Powerpoint para Assembleia.pptx
Powerpoint para Assembleia.pptxPowerpoint para Assembleia.pptx
Powerpoint para Assembleia.pptx
 
Powerpoint para Assembleia.pptx
Powerpoint para Assembleia.pptxPowerpoint para Assembleia.pptx
Powerpoint para Assembleia.pptx
 

Mais de Environmental Leadership and Training Initiative (ELTI), Yale University

Mais de Environmental Leadership and Training Initiative (ELTI), Yale University (20)

REDD Panama 2011 - Félix Magallón / REDD+ Panamá
REDD Panama 2011 - Félix Magallón / REDD+ PanamáREDD Panama 2011 - Félix Magallón / REDD+ Panamá
REDD Panama 2011 - Félix Magallón / REDD+ Panamá
 
REDD Panama 2011 - Catherine Potvin / REDD negociación cambio climático
REDD Panama 2011 - Catherine Potvin / REDD negociación cambio climáticoREDD Panama 2011 - Catherine Potvin / REDD negociación cambio climático
REDD Panama 2011 - Catherine Potvin / REDD negociación cambio climático
 
REDD Panama 2011 - Helene Muller-Landau / Cambio climático y carbono forestal
REDD Panama 2011 - Helene Muller-Landau / Cambio climático y carbono forestalREDD Panama 2011 - Helene Muller-Landau / Cambio climático y carbono forestal
REDD Panama 2011 - Helene Muller-Landau / Cambio climático y carbono forestal
 
REDD Panama 2011 - Joseph Masacaro / High-resolution carbon mapping for REDD+
REDD Panama 2011 - Joseph Masacaro / High-resolution carbon mapping for REDD+REDD Panama 2011 - Joseph Masacaro / High-resolution carbon mapping for REDD+
REDD Panama 2011 - Joseph Masacaro / High-resolution carbon mapping for REDD+
 
REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Aspectos metodológicos REDD+
REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Aspectos metodológicos REDD+REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Aspectos metodológicos REDD+
REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Aspectos metodológicos REDD+
 
REDD Panama 2011 - Marina Campos / Comunidades del bosque, salvaguardas, REDD+
REDD Panama 2011 - Marina Campos / Comunidades del bosque, salvaguardas, REDD+REDD Panama 2011 - Marina Campos / Comunidades del bosque, salvaguardas, REDD+
REDD Panama 2011 - Marina Campos / Comunidades del bosque, salvaguardas, REDD+
 
REDD Panama 2011 - Estebancio Castro / Dimensiones socioeconómicas REDD+
REDD Panama 2011 - Estebancio Castro / Dimensiones socioeconómicas REDD+REDD Panama 2011 - Estebancio Castro / Dimensiones socioeconómicas REDD+
REDD Panama 2011 - Estebancio Castro / Dimensiones socioeconómicas REDD+
 
REDD Panama 2011 - Heraclio Herrera / Pueblos indigenas REDD Panamá
REDD Panama 2011 - Heraclio Herrera / Pueblos indigenas REDD PanamáREDD Panama 2011 - Heraclio Herrera / Pueblos indigenas REDD Panamá
REDD Panama 2011 - Heraclio Herrera / Pueblos indigenas REDD Panamá
 
REDD Panama 2011 - Rhett Butler / Costos netos REDD+
REDD Panama 2011 - Rhett Butler / Costos netos REDD+REDD Panama 2011 - Rhett Butler / Costos netos REDD+
REDD Panama 2011 - Rhett Butler / Costos netos REDD+
 
REDD Panama 2011 - Percy Summers / Co-beneficios sociales, de biodiversidad y...
REDD Panama 2011 - Percy Summers / Co-beneficios sociales, de biodiversidad y...REDD Panama 2011 - Percy Summers / Co-beneficios sociales, de biodiversidad y...
REDD Panama 2011 - Percy Summers / Co-beneficios sociales, de biodiversidad y...
 
REDD Panama 2011 - Florencia Montagnini / SAF y REDD
REDD Panama 2011 - Florencia Montagnini / SAF y REDDREDD Panama 2011 - Florencia Montagnini / SAF y REDD
REDD Panama 2011 - Florencia Montagnini / SAF y REDD
 
REDD Panama 2011 - Gabriel Labbate / UNREDD, REDD+ en acción
REDD Panama 2011 - Gabriel Labbate / UNREDD, REDD+ en acciónREDD Panama 2011 - Gabriel Labbate / UNREDD, REDD+ en acción
REDD Panama 2011 - Gabriel Labbate / UNREDD, REDD+ en acción
 
REDD Panama 2011 - Mariana Pavan / JUMA RED project
REDD Panama 2011 - Mariana Pavan / JUMA RED projectREDD Panama 2011 - Mariana Pavan / JUMA RED project
REDD Panama 2011 - Mariana Pavan / JUMA RED project
 
REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Estándares certificación REDD
REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Estándares certificación REDDREDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Estándares certificación REDD
REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Estándares certificación REDD
 
REDD Panama 2011 - Catherine Potvin / Conclusion y visión a futuro
REDD Panama 2011 - Catherine Potvin / Conclusion y visión a futuroREDD Panama 2011 - Catherine Potvin / Conclusion y visión a futuro
REDD Panama 2011 - Catherine Potvin / Conclusion y visión a futuro
 
HONDURAS COURSE - Estado de la cubierta forestal en centroamerica / Omar Samayoa
HONDURAS COURSE - Estado de la cubierta forestal en centroamerica / Omar SamayoaHONDURAS COURSE - Estado de la cubierta forestal en centroamerica / Omar Samayoa
HONDURAS COURSE - Estado de la cubierta forestal en centroamerica / Omar Samayoa
 
HONDURAS COURSE - Caso Suruí REDD+ / Beto Borges
HONDURAS COURSE - Caso Suruí REDD+ / Beto BorgesHONDURAS COURSE - Caso Suruí REDD+ / Beto Borges
HONDURAS COURSE - Caso Suruí REDD+ / Beto Borges
 
HONDURAS COURSE - Proyecto de deforestación evitada RBM (GUATECARBON) / Juan ...
HONDURAS COURSE - Proyecto de deforestación evitada RBM (GUATECARBON) / Juan ...HONDURAS COURSE - Proyecto de deforestación evitada RBM (GUATECARBON) / Juan ...
HONDURAS COURSE - Proyecto de deforestación evitada RBM (GUATECARBON) / Juan ...
 
HONDURA COURSE - Programa de incentivos economicos ambientales-ACP / Arturo C...
HONDURA COURSE - Programa de incentivos economicos ambientales-ACP / Arturo C...HONDURA COURSE - Programa de incentivos economicos ambientales-ACP / Arturo C...
HONDURA COURSE - Programa de incentivos economicos ambientales-ACP / Arturo C...
 
HONDURAS COURSE - La asociacion de juntas administradores de agua del sector ...
HONDURAS COURSE - La asociacion de juntas administradores de agua del sector ...HONDURAS COURSE - La asociacion de juntas administradores de agua del sector ...
HONDURAS COURSE - La asociacion de juntas administradores de agua del sector ...
 

Subsídios Ambientais e seus Efeitos no Mercado

  • 2. • Acabamos de perceber que um tributo sobre emissões funciona como se estivéssemos estabelecendo um preço pelo uso do patrimônio ambiental que está sendo degradado por um determinado agente social. • Teoricamente, os mesmos resultados obtidos com a fixação do tributo sobre emissões podem ser obtidos com o estabelecimento de um subsídio ambiental.
  • 3. • Neste caso a autoridade pública paga ao poluidor/degradador uma determinada quantia por cada tonelada de emissões que ele/ela reduzir a partir de um determinado nível tomado como ponto de referência. • Antes de detalharmos o subsídio ambiental vamos ver aspectos do subsídio.
  • 4. • A OECD (1996) define subsídios como medidas para manutenção de preços abaixo do nível de mercado para consumidores ou acima do nível do mercado para produtores. • Pode ser entendido, ainda, como um redutor de custos a consumidores ou produtores por meio de um suporte nos preços, dado direta ou indiretamente.
  • 5. • Sendo calibrados devidamente, terão papel fundamental na mudança de comportamento do agente degradador. • Para Pindyck e Rubinfield (2002) subsídio também pode ser analisado como um tributo negativo.
  • 6. • Em relação a um mercado que atua com incidência de subsídios, o preço líquido recebido pelo vendedor excede o preço pago pelo comprador, e a diferença entre os dois é o valor do subsídio. • As quantidades produzidas aumentam, conferindo aos subsídios efeitos contrários do que ocorre com os tributos.
  • 7. • O gráfico 1 ilustra um mercado onde as elasticidades da oferta e da demanda são semelhantes, antes da implementação dos subsídios. • Ou seja, o benefício do subsídio é compartilhado de forma parecida por produtores e consumidores. • QD = quantidade demandada • QO = quantidade ofertada
  • 8. Gráfico 1 Efeito do subsídio sobre os mercados. Preço O PV P0 s PC D Q0 Q1 Quantidade
  • 9. • PC = preço pago pelos compradores; • PV = preço recebido pelos vendedores (já incluídos o subsídio); • s = subsídios. • Q0 = quantidade inicial, em equilíbrio entre oferta e demanda; • Q1 = quantidade ofertada e demandada após a introdução do subsídio.
  • 10. Gráfico 2: Equilíbrio entre oferta e demanda – antes e depois do subsídio. Preço em R$ O 120 O’ 110 100 90 80 70 60 E 50 E’ 40 30 Subsídio 20 D 10 200 400 600 800 1.000 1.200 1.400 Quantidade (em mil t)
  • 11. • A condição racional para estabelecer um subsídio vem dos padrões econômicos de bem- estar. •Isto nos diz que as falhas de mercado afetam o nível ótimo dos bens e e serviços ambientais devido a existência de externalidades. [CLINCH (2002)]. •A prescrição dos economistas para corrigir estas falhas de mercado pode ser:
  • 12. • a) internalização dos custos externos pela introdução de tributos de tal forma que os produtores de externalidades paguem pelo custo social de suas atividades; • b) internalização dos benefícios externos através do fornecimento de subsídios, de tal forma que os produtores desses benefícios sejam recompensados.
  • 13. • Subsídios também podem ser justificados economicamente pela correção de outras formas de falhas de mercado. • Clinch (2002) cita como exemplo, se a distribuição de renda é considerada sub-ótima, tributos e subsídios podem ser justificados como um mecanismo re-distributivo. • No caso da existência de desemprego, subsídios podem ser justificados em um projeto para uso da m.d.o.
  • 14. • Almeida (1998) acrescenta, especificamente em assuntos ambientais ainda os seguintes fatores, como importantes na adoção dos subsídios: • a) aceleram a reestruturação de antigas fábricas; • b) solucionam problemas econômicos decorrentes da implementação das recomendações políticas;
  • 15. • c) incentivam a introdução de tecnologias não- polutentes. • Em alguns países, os subsídios também são utilizados como medida complementar necessária às regulações diretas..
  • 16. • O subsídio ambiental atua como uma “recompensa” pela redução da degradação/ da poluição.. • Apesar de apresentarem uma total simetria no curto prazo, tributos e subsídios têm efeitos distintos no longo prazo.
  • 17. • No curto prazo, os incentivos criados pelo tributo sobre emissões e pelo subsídio à redução de emissões são essencialmente os mesmos. • No longo prazo, os efeitos distributivos do subsídio são bastante distintos dos do tributo. • Vamos tentar perceber isso utilizando os mesmos dados apresentados na aula sobre tributos.
  • 18. • O nível inicial de emissões de uma determinada empresa é de 10 toneladas/mês. • A autoridade pública buscando reduzir esse nível de emissões percebe que não seria adequado utilizar um tributo sobre unidade emitida, pois a empresa não teria condições financeiras para pagar este tributo.
  • 19. • Decide, então, oferecer um pagamento de R$ 120,00 por tonelada / mês de emissões que a empresa reduzir a partir deste nível. • A análise que se segue é baseada nos dados resumidos na Tabela 1, onde são apresentados os custos marginais de redução, os custos totais de redução, o subsídio total e o subsídio total menos os custos de redução.
  • 20. • Até que nível este empresário reduz suas emissões?
  • 21. Subsídio para a Redução das Emissões Emissõe s Custos Custos Subsídio Total a Subsídio Total (toneladas/ Marginais Totais R$ 120,00 menos mês) de Redução de Redução por tonelada Custos Totais de Redução 10 0 0 0 0 09 15 15 120 105 08 30 45 240 195 07 50 95 360 265 06 70 165 480 315 05 90 255 600 345 04 115 370 720 350 03 130 500 840 340 02 180 680 960 280 01 230 910 1080 170 00 290 1200 1200 0
  • 22. • O empresário procurará reduzir suas emissões, e receber o subsídio por cada tonelada reduzida, até o ponto em que o custo de redução for igual ao valor do subsídio recebido (R$ 120,00/tonelada/mês). • Não faz sentido ele gastar para reduzir mais do que o valor que ele/ela espera receber pelo seu gesto de reduzir.
  • 23. • Isto indica uma redução até o nível de 4 toneladas/mês, onde o custo de redução é de R$ 115,00 por tonelada. • Veja bem que este é exatamente o nível obtido na simulação que realizamos para o caso do tributo ambiental.
  • 24. • Obtendo o mesmo resultado significa que tributos e subsídios são exatamente a mesma coisa? • Não!! • Em primeiro lugar, os subsídios apresentam a dificuldade de estabelecer o ponto de referência.
  • 25. • Ou seja, estabelecer o ponto a partir do qual serão medidas as reduções. • O poluidor desejaria que esse nível fosse o mais elevado possível. • Assim, seria previsível que o poluidor aumentasse muito suas emissões quando das medições para estabelecer esse ponto de referência.
  • 26. • A autoridade pública poderia, então, estar subsidiando a ineficiência. • Em segundo lugar, a situação financeira da empresa no “nível ótimo de emissão” (4 toneladas/mês) é completamente diferente no caso do subsídio do que era no caso do imposto.
  • 27. • Se vocês analisarem com cuidado, no caso do imposto a empresa tinha um custo total de R$ 850,00 para alcançar 4 toneladas/mês de emissão. • No caso de subsídio, ela tem uma receita total de R$ 350,00.
  • 28. • Ora, dependendo da situação existente, essa receita de subsídios pode se transformar em um atrativo para que novas empresas decidam entrar neste ramo de produção. • O resultado é que o subsídio, que em um determinado momento busca reduzir a poluição, em um momento posterior pode contribuir para aumentar esta poluição.
  • 29. • Fica claro, então, que tributo e subsídio ambientais são equivalentes apenas em termos de nível obtido de redução de poluição e em situações reais bem específicas (não há aumento no número de empresas e o nível de referência é adequadamente fixado). • Mas como podem ser estruturados os subsídios?
  • 30. • Almeida (1998, p. 55) enuncia ser subsídio uma denominação genérica pertinente a várias formas de assistência financeira, cujo objetivo é oferecer incentivos para que agentes poluidores promovam a redução de poluição ambiental. • E que, de acordo com critérios da OCDE (1989, p. 15), a autora apresenta os principais tipos de subsídios existentes:
  • 31. • subvenção: assistência financeira não reembolsável, prestada a agentes poluidores que se decidam pela redução de seus níveis de emissões; • empréstimos subsidiados: empréstimos a taxas de juros reduzidos (abaixo das praticadas no mercado) para os agentes que adotaram medidas antipoluição;
  • 32. • incentivos fiscais: depreciação acelerada ou outras formas de isenção ou abatimentos de impostos para os que praticarem medidas antipoluentes. • Jacobs (1991) alerta que os subsídios constituem-se violação ao princípio de quem polui paga.
  • 33. • E aí o custo da proteção ambiental é assumido pelo conjunto da sociedade. • Parece revelador, então, que a incorporação de instrumentos econômicos na política ambiental brasileira esteja ocorrendo através do subsídio ambiental.
  • 34. • ICMS-verde, ICMS-ecológico, RPPN, entre outros, são materializações do conceito de subsídio ambiental no Brasil. • Resta saber se essa materialização sobrevive a uma avaliação cuidadosa através dos critérios indicados algumas aulas passadas.
  • 35. • Tributo e subsídio ambientais são mais populares entre os formuladores de política ambiental da Europa e do Japão do que entre formuladores de política ambiental dos Estados Unidos. • Um relatório OECD (1997) identifica mais de 50 situações onde impostos e taxas são usadas nas áreas de poluição do ar, da água e sonora e de disposição de resíduos sólidos.
  • 36. • Impostos sobre emissão para controlar poluição da água são usados na França, Itália, Alemanha e Países Baixos. • Impostos sobre emissão para controlar poluição do ar são usados na França, Japão, Reino Unido e Suécia.
  • 37. • Os Estados Unidos fazem um uso muito mais restrito dos impostos e taxas ambientais; as exceções são: imposto sobre CFCs e taxas de esgoto e de resíduos sólidos e perigosos.