SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 81
Baixar para ler offline
Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.
• Alguns acreditam que quando você paga
diretamente para usar (ou usufruir de) alguma
coisa, há a tendência de você usar essa coisa com
maior cuidado, de maneira mais eficiente.

• Isso é verdadeiro quando você compra tinta para
pintar sua casa; você procura não desperdiçar,
tendo cuidado de usá-la da melhor maneira
possível.
• A proposta de se usar instrumentos
econômicos na gestão ambiental é baseada no
mesmo princípio de buscar a eficiência no uso do
meio ambiente.
• Quando se aplica um tributo ambiental (taxa,
tarifa, imposto por emissão ou por uso de uma
unidade do patrimônio ambiental qualquer), os
responsáveis pela emissão devem pagar pelos
serviços prestados pelo meio ambiente
(transporte, diluição, decomposição química, etc.)
da mesma forma que eles pagam pelos demais
insumos utilizados em suas operações.
• Ou seja, seria como perguntar ao agente
poluidor:

• “Você deseja poluir? Tudo bem. Então suas
emissões serão medidas e você terá que pagar
por cada unidade de poluentes que emitir.”
• Da mesma forma que a empresa procura
poupar uma unidade de mão de obra escassa, e
portanto relativamente cara, ela terá o estímulo a
conservar a utilização dos serviços ambientais.

• E ela irá conservá-lo da forma que julgar mais
conveniente.
• Ou dito de outra forma, os contaminadores ou
os degradadores buscam, por sí só, a melhor
maneira de reduzir as emissões e as
degradações, substituindo uma autoridade
controladora na escolha dessa opção.

• A maneira mais simples de iniciar essa análise é
através de um exemplo hipotético.
• Vamos supor, inicialmente, uma fonte individual
de um contaminante particular.

• As informações ambientais básicas dessa fonte
estão resumidas na Tabela 1 a seguir.

• Vamos supor, também, que um tributo de R$
120,00 por tonelada por mês seja estabelecido
para o contaminante.
Emissões        Custos               Custos Totais    Gastos            Custos Totais
(toneladas/mês) Marginais de         de Redução       tributários
                Redução                               totais a
                                                      R$ 120,00 por
                                                      ton/mês



10                               0                0              1200             1200
09                              15               15              1080             1095
08                              30               45               960             1005
07                              50               95               840              935
06                              70              165               720              885
05                              90              255               600              855
04                             115              370               480              850
03                             135              505               360              865
02                             175              680               240              920
01                             230              910               120             1030
00                             290             1200                 0             1200
• Com esse tributo e com essas estruturas de
custo, observa-se que o custo total mínimo
(soma do custo total de redução e dos gastos
totais com taxa ambiental) é de R$ 850,00 e
ocorre a uma taxa de emissões de 4 toneladas
por mês.

• O mesmo resultado é obtido se você
considerar os custos marginais de redução.
• Inicialmente a empresa está emitindo dez
unidades por mês do poluente.

• Se ela decide reduzir suas emissões para nove
toneladas por mês, ela incorre em R$ 15,00 de
custo, mas poupa R$ 120,00 de taxa ambiental.

• Sem dúvida uma decisão lógica do ponto de
vista econômico.
• Seguindo esta lógica, a empresa continuará
reduzindo as emissões enquanto o custo marginal
de redução for menor que o taxa por
tonelada/mês de emissão.

• A empresa prosseguirá até o ponto em que o
custo marginal de redução seja igual ao valor do
taxa por unidade de poluente emitido.
• O resultado final pode ser melhor visualizado na
Figura 1.

• Depois que a empresa reduzir suas emissões até
4 toneladas por mês, seu custo total de tributo
ambiental será de R$ 480,00 e seu custo marginal
de redução será de R$ 370,00.
• Você é capaz de identificar esses custos em
segmentos da Figura 1?

• Eu creio que sim.
Pág. 271



      300


      250


                CMR
      200


US$   150


      100

            a
      50
                          b


       0                                     10
            2         4       6    8

                          Emissões (toneladas/mês)
• Os custos totais de redução correspondem,
graficamente, à área b na Figura 1; enquanto
que o total pago em tributos ao nível de 4
ton/mês corresponde à área a, na mesma figura.

• Destaco, para uma discussão futura que, ao
nível de 10 ton/mês, o custo total da empresa é
de R$ 1 200,00.
• Mas, por que a empresa não decide continuar
emitindo 10 ton/mês e transfere a carga do
tributo para o consumidor através de aumento do
preço do seu produto?

• As pressões competitivas forçam empresas a
realizar todo o possível para minimizar seus
custos e para evitar que clientes procurem
produto similar produzido por outra empresa.
• Assim, quanto mais competitivo for o ramo da
atividade da empresa onde for estabelecido o
tributo ambiental, menor a chance de transferir o
tributo para o preço.
• Quanto menor for a elasticidade preço da
demanda pelo bem (em particular, quando não
existirem substitutos perfeitos para o bem
produzido pela empresa) maior chance a empresa
terá de transferir o valor do tributo ambiental
para o preço.
• Pelo mesmo raciocínio fica claro, então, que
setores menos competitivos (monopólios
naturais - geração de energia elétrica) e
produtores ou ofertantes de bens de demanda
inelástica a preços (tais como os farmacêuticos e
os combustíveis) serão setores onde as empresa
procurarão transferir tributos ambientais para os
preços dos produtos, reduzindo assim a eficácia
do instrumento.
• Para as empresas em mercados competitivos,
ceteris paribus, o seu nível de resposta a um
tributo ambiental dependerá:

• i) do nível do tributo e

• ii) da inclinação de sua curva de custo marginal
de redução.
• Uma comparação sempre presente é entre o
estabelecimento de um padrão vis-a-vis o
estabelecimento de um tributo para uma mesma
meta ambiental.

• Usando o nosso exemplo anterior, com o taxa o
gasto total da empresa para reduzir suas
emissões para 4 ton/mês foi equivalente a R$
850,00.
• Se fosse estabelecido um padrão máximo de 4
ton /mês, essa mesma empresa teria um gasto
de apenas R$ 370,00 decorrentes de sua curva
de custo de redução.

• Para a empresa, o sistema de padrão é de
menor custo, pois ela recebe 4 unidades de
serviços ambientais totalmente sem custos.
• Para a sociedade, o tributo ambiental é mais
adequado, pois cobra por cada unidade de
serviço ambiental usado.

• Já foi dito que, em situações competitivas,
tributos maiores gerarão reduções de emissões
maiores.
Mas quão elevado deve ser
    um tributo ambiental?
• Se a curva de custo marginal da redução é
conhecida e se a curva de dano ambiental
(benefício da redução) também é conhecida, a
teoria econômica neoclássica nos diz que o
tributo deveria ser estabelecido ao nível eficiente
de emissões, onde custo marginal fosse igual ao
benefício marginal de redução.
• Esse nível seria em t* na Figura 2, com um nível
de emissão em e*.

• Os custos totais do controle das emissões da
empresa podem ser divididos em dois tipos:

• os custos totais da redução, ou e na Figura 2;

• os pagamentos totais do tributo ambiental,
representado na Figura 2 por a + b + c + d .
Página 273




           Custos                           Danos
           Marginais de                   Marginal
           Redução




US$



                                                f


      t*
           a             c

                b            d        e
      0             et           e*                  e0


                    Emissões (toneladas/ano)
• A redução das emissões de e0 para e*
representou a eliminação dos danos ambientais
de um montante de e + f.

• Os danos ambientais que ainda permanecem
podem ser representados na Figura 2 como a
área b + d.
• Fica claro, então, que os danos ambientais que
ainda permanecem após a redução são menores
do que a empresa ainda paga de tributos
ambientais pelos serviços do meio ambiente que
ela ainda está usando.

• Está evidente, portanto, que tributo sobre
emissão é baseado no direito de uso do
recurso ambiental e não em uma suposta
compensação pela poluição causada.
• Por outro lado, também fica claro que a
empresa está pagando mais do que o serviço que
ainda utiliza do meio ambiente.

• Esse fato gera a proposta de estabelecimento
de tributo em duas partes.
• Em primeiro lugar, seria permitida uma certa
quantidade de emissões sem a cobrança de
tributos.

• Em uma segunda etapa, aplica-se o tributo
somente sobre a emissões que excederem aquele
limite inicial.
• Na Figura 2 seria permitido um limite de
emissões em e1 .

• Até aí a empresa está livre do pagamento de
taxa.

• A qualquer unidade de emissão superior a esse
limite, a empresa paga o taxa t*.

• Comparativamente à situação anterior, a
empresa está pagando apenas c + d.
Como se pode estabelecer um tributo sem
                se conhecer a função de
              dano ambiental marginal?
• Você poderia fazer por tentativa e erro, por
aproximações sucessivas até chegar ao ponto
ideal.

• Entretanto, isso teria um custo muito elevado,
em termos de credibilidade do instrumento
tributo.
• FIELD recomenda que os formuladores de
política ambiental estabeleçam um tributo no
nível correto desde o início.

• Isto exigiria um estudo prévio para se obter
uma idéia aproximada da curva de custos
agregados de redução e da curva de custos dos
danos.

• Poderia ser usada a estratégia de escolha de
uma empresa representativa do setor.
• O tributo sobre externalidades foi inicialmente
proposto por Pigou em 1932 visa taxar o agente
gerador da externalidade de tal modo que ele
mude sua atividade até que o nível de
externalidade alcance o nível socialmente ótimo.
• O valor do tributo deve ser exatamente o
custo marginal de degradação causado pela
poluição ou por qualquer outra externalidade.

• O “tributo ambiental ótimo” é teoricamente
robusto, podendo ser representado em termos
gráficos como se segue.
TRIBUTO ÓTIMO E DIFERENÇA ENTRE
                CUSTOS PRIVADO E SOCIAL
Utilidade                                 Utilidade
                      CM                                   CM (social)




                                                               CM (privado)

ω QR*
                                Optimal
                                  tax


                                                                  BM = ω QR

                           BM

                MT*                                   M*
• Para que seja eficiente, especialmente no
controle de fontes múltiplas de emissões, o
tributo precisa satisfazer o princípio eqüi-
marginal.

• Assim, se é aplicado um mesmo tributo a
fontes diferentes com diversas funções de custo
marginal de redução e cada fonte reduz suas
emissões até que seu custo marginal de redução
seja igual ao tributo, os custos marginais se
igualam entre todas as fontes.
• Isso pode ser observado na Tabela 2 e
visualizado na Figura 3, a seguir.
Nível de    Custo Marginal   Custo Marginal
     Emissões          Fonte A           Fonte B
     (ton/mês)

     20                     0,0              0,0
     19                     1,0              2,1
     18                     2,1              4,6
     17                     3,3              9,4
     16                     4,6             19,3
     15                     6,0             32,5
     14                     7,6             54,9
13
13    9,4    82,9
       12   11,5   116,9
       11   13,9   156,9
       10   16,5   204,9
       09   19,3   264,9
       08   22,3   332,9
       07   25,5   406,9
       06   28,9   487,0
32,5
05   3 2 ,5   5 7 7 ,0

         04   3 6 ,3   6 7 7 ,2

         03   4 0 ,5   7 8 7 ,2

         02   4 4 ,9   9 0 7 ,2

         01   4 9 ,7   1 0 3 7 ,2

         00   5 4 ,9   1 1 8 7 ,2
1 0 37
• Os custos marginais de redução da fonte A
crescem muito menos rapidamente com as
reduções de emissão que os da fonte B.

• Possivelmente a tecnologia de produção de B
faz com que as suas reduções de emissão sejam
mais caras (maior custo) do que as de A.
• Se o tributo for estabelecido em R$ 33,00 por
tonelada, temos:

• A Fonte A reduzirá suas emissões até 5
toneladas por mês;

• A Fonte B reduzirá as suas até 15 ton/mês.
• Após essas reduções, os custos marginais de
redução das duas fontes serão iguais.

• A redução total será de 20 toneladas por mês,
com o tributo se distribuindo automaticamente
entre as duas empresas de acordo com o
princípio eqüi-marginal.
• O tributo sobre as emissões dez com que a
Fonte A reduzisse suas emissões em 75%,
enquanto a Fonte B o fez em 25%.

• Maiores reduções de emissão foram alcançadas
pela empresa com menores custos marginais de
redução.
• Isso fica claro no Gráfico 3.

• Vamos supor agora que a autoridade ambiental
decida por uma redução proporcional, baseado
na crença que todos devem ser tratados
igualmente.
• Essa “sábia” autoridade pode, por exemplo,
exigir que cada fonte corte 50% de suas
emissões.

• Ou seja, cada fonte terá de cortar suas
emissões para 10 toneladas por mês.
Página 276




           CMRA                                                    CMRB
                                             50
  50


  40                                         40


U 30                                   US$   30
S
$
  20                                         20
                                                          c
       a
               b
  10                                         10                         d


           5       10   15        20                  5       10   15        20


       Emissões (toneladas/mês)                   Emissões (toneladas/mês)
• Qual o custo total dessa decisão?

• Na Figura 3, os custos totais de redução são
iguais à área b para a Fonte A e à área d para a
Fonte B.

• Por outro lado, o pagamento de tributos da
Fonte A corresponderia à área a, enquanto que
a da Fonte B seria equivalente à área c.
Custos Totais Custos Totais
          de Execução de Execução
            (R$/mês)      (R$/mês)

           Redução        Imposto sobre
          Proporcional     os Efluentes

Fonte A            75,9           204,4

Fonte B           684,4            67,9

Total             760,3           272,3
• Assim, quanto menos vertical for a curva de
custo marginal de redução da empresa, maior a
redução e menor o pagamento de tributo.

• É verdade que quanto maior a taxa tributária,
maiores serão as reduções das emissões.
• Entretanto, numa situação como a da Fonte B
seria necessário um tributo muito alto para que
ela acabasse com as suas emissões.

• É importante destacar que os resultados
eficientes dos tributos podem ser obtidos
mesmo quando a autoridade pública não tenha
conhecimento sobre os custos marginais de
redução de qualquer das fontes.
• Mas nem tudo são flores: emissões de fontes
diferentes podem ter impactos diferentes sobre
a qualidade do meio ambiente, possibilidade não
considerada até agora.

• Muito freqüentemente, as fontes estão
localizadas a diferentes distâncias de uma
comunidade: a Fonte A duas vezes mais distante
da comunidade do que a Fonte B.
• Em uma situação como esta, é provável que o
dano causado ao bem-estar da comunidade
como resultado das emissões de B seja duas
vezes maior do que os impactos da Fonte A.

• Essa diferença espacial é um caso especial de
“emissões não uniformes”.
• Se a autoridade pública estabelece um único
tributo, esse será ineficiente.

• No nosso exemplo, será recomendável um
tributo por zona.

• Dentro de cada zona você teria o mesmo
tributo para todas as fontes; porém você teria
tributos diferentes para zonas distintas.
• Existem, também, as incertezas com relação às
respostas que as empresas darão ao tributo
ambiental, em termos de redução das emissões.

• Se as funções de custo marginal de redução
forem muito inclinadas, o nível em que o tributo
for estabelecido passa a ser muito importante
para garantir a redução esperada de emissões.
• Isso fica claro no Gráfico 4.

• Por outro lado, um dos aspectos positivos
freqüentemente citados em relação ao tributo
ambiental é o estímulo que esse instrumento dá
para que as empresas mudem o seu padrão
tecnológico na busca de um menor nível de
poluição ou degradação.
• Esse incentivo ao esforço máximo pode
ser visualizado graficamente.

• O Gráfico 5 mostra duas situações.
CMR1
           CMR2




      ta



US$
      t


      tb




      0           e5   e3     e1   e2   e4

                         Emissões (libras/mês)
• CMR1 representa a situação atual.

• Já CMR2 representa a situação que a empresa
enfrentaria após gastos em P e D para gerar um
padrão tecnológico que permita um custo
marginal de redução menor.
• Qual seria a origem do estímulo da empresa
para gastar recursos em P e D para alterar sua
curva de custo marginal de redução?

• Em um nível de tributo t por tonelada de
emissão, com CMR1 a emissão será reduzida
para e1 , com custo de redução igual a d + e e
com o custo de pagamento de tributo igual a a
+ b + c.
• Com uma nova curva de custo marginal de
redução, a empresa pode reduzir as emissões
para e2 ; neste ponto os custos de redução são
equivalentes a b + e e os custos de taxas
equivalentes a a; a redução dos custos totais foi
de c + d.
CMR1




          CMR2
US$



      t
                             c
           a
                                      d
                        b
                                      e

      0
                  E2             E1

                            Emissões (toneladas/ano)
Por que não
impostos ambientais
                 ou
  taxas ambientais?
• Quando vocês estiverem lendo as referências
internacionais sobre este tópico da disciplina,
vocês perceberão o uso dos termos
“environmental tax” ou “green tax” ou
“pigouvian tax”.

• A mais adequada tradução para “tax” seria
imposto ou taxa.

• Assim teríamos imposto ambiental, taxa
ambiental ou imposto pigouviano.
• Simples o bastante, …

• … se o Brasil fosse um país simples.

• No entanto, ele não o é.
• Deon Sette, Nogueira e Panizi Souza (2004)
nos lembram que dentre os vários aspectos
jurídicos adotados pela doutrina para
classificação das espécies tributárias no Brasil
são de maior relevância para esta aula:
• a função (fiscal, parafiscal e extrafiscal);

• o fato gerador (a razão para a existência do
tributo); e

• a questão da vinculação (afetação ou não
afetação) das receitas tributárias.

• Esses aspectos jurídicos influenciam o
tratamento que podemos dar ao “environmental
tax” no Brasil.
• a) Quanto à função - Finalidade (BRITO
MACHADO, 2003, pg. 73-74)

• Fiscal – quando tem como principal objetivo a
arrecadação de recursos financeiros para o
Estado;

• Parafiscal – se destinam ao custeio de
atividades paralelas à da administração pública
direta, como a seguridade social.
• Ou seja, seu objetivo é a arrecadação de
recursos para o custeio de atividades que, em
princípio não integram funções próprias do
Estado, mas esse as desenvolve através de
entidades específicas;
• Extrafiscal – atendem a outros fins que não a
arrecadação, tendo como objetivo principal a
interferência no domínio econômico atuando
como condutor da economia, corretor de
situações sociais indesejadas e um elemento
decisivo para mudanças de
comportamento dos agentes econômicos.
• b) Quanto ao Fato Gerador

• A denominação fato gerador foi adotada pelo
Código Tributário Nacional (CTN), para
caracterizar a situação de fato ou a situação
jurídica que, ocorrendo, determina a incidência
do tributo.
• Dito de outra forma, é a situação, fato ou
conjunto de fatos, tipificados hipotética e
genericamente em lei, que, ocorrendo na vida
real, sujeitam alguém ao pagamento de tributos
(ROSA JR, 2002, pp 481-482).

• Existem diferentes fatos geradores de tributos,
alguns são ligados a atividades estatais, outros
são completamente alheios, isto é, estão ligados
à atividade ou situação exclusivamente do
contribuinte e outros decorrem de fatos que
geram valorização imobiliária.
• Tem-se, assim, a tricotomia tradicional que
classifica o gênero tributo nas espécies:

• impostos,

• taxas e

• contribuições de melhoria (SABBAG, 2004, pg.
66).
• c) Quanto à vinculação (afetação) dos
tributos

• Os tributos, quando analisados à luz da
destinação dada às receitas financeiras, podem
ser vinculados -afetados- (taxas e contribuições
de melhoria) e não vinculados -não afetados-
(impostos).
• A atual lei fundamental tem por princípio
orçamentário básico a "unidade de caixa", assim
veda, através do art., 167, inciso IV, a
vinculação de receita de "impostos" a órgão,
fundo ou despesas.

• Trata-se do princípio orçamentário da não
afetação da receita, que teria como fundamento
permitir ao administrador a "discricionariedade“
para proceder às liberações de verbas
orçamentárias no momento em que entendesse
que iriam atender melhor ao interesse público.
• Conforme apregoa Giuliani Fonrouge   in Oliveira
(1995, pg. 90) ..."não se pode desconhecer que
a afetação de recursos a determinados gastos
tem dado bons resultados....e que modernas
exigências econômico-sociais tendem a
acentuar-lhe as derrogações".
• Assim sendo, hodiernamente, com a evolução
do direito constitucional, seria um avanço a des-
constitucionalização desse princípio da não
vinculação, deixando ao legislador a liberdade
para afetar ou não as receitas dos impostos de
acordo com valores legítimos que devam ser
preferencialmente atendidos, como é o caso do
meio ambiente por se tratar de um bem supra
individual (OLIVEIRA, 1995).

• Nem todos concordam com isso; não podemos
chamar de imposto ou de taxa.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PES COURSE - RECIFE (Economical instruments: Environmental Taxes / JORGE NOGUEIRA)

Aula 06 custos de produção
Aula 06   custos de produçãoAula 06   custos de produção
Aula 06 custos de produçãopetecoslides
 
Custos e Tarifas no Brasil
Custos e Tarifas no BrasilCustos e Tarifas no Brasil
Custos e Tarifas no BrasilAndre Dantas
 
IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano? - http://bit.l...
IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano? - http://bit.l...IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano? - http://bit.l...
IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano? - http://bit.l...Marco Libório
 
IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano?
IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano?IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano?
IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano?UWU Solutions, Lda.
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucroDaniel Moura
 
Apresentação aes eletropaulo_1_t11_port
Apresentação aes eletropaulo_1_t11_portApresentação aes eletropaulo_1_t11_port
Apresentação aes eletropaulo_1_t11_portAES Eletropaulo
 
gerenciamnto de custos
gerenciamnto de custosgerenciamnto de custos
gerenciamnto de custostania mendes
 

Semelhante a PES COURSE - RECIFE (Economical instruments: Environmental Taxes / JORGE NOGUEIRA) (11)

Aula 06 custos de produção
Aula 06   custos de produçãoAula 06   custos de produção
Aula 06 custos de produção
 
Custos e Tarifas no Brasil
Custos e Tarifas no BrasilCustos e Tarifas no Brasil
Custos e Tarifas no Brasil
 
IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano? - http://bit.l...
IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano? - http://bit.l...IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano? - http://bit.l...
IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano? - http://bit.l...
 
IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano?
IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano?IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano?
IRC 2014 - Sabe se a sua empresa vai pagar muito IRC este ano?
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
 
Trabalho 125 cc
Trabalho 125 ccTrabalho 125 cc
Trabalho 125 cc
 
Apresentação aes eletropaulo_1_t11_port
Apresentação aes eletropaulo_1_t11_portApresentação aes eletropaulo_1_t11_port
Apresentação aes eletropaulo_1_t11_port
 
Aula03 calcula
Aula03 calculaAula03 calcula
Aula03 calcula
 
gerenciamnto de custos
gerenciamnto de custosgerenciamnto de custos
gerenciamnto de custos
 
Custo volume lucro
Custo volume lucroCusto volume lucro
Custo volume lucro
 
Formação de preços
Formação de preçosFormação de preços
Formação de preços
 

Mais de Environmental Leadership and Training Initiative (ELTI), Yale University

Mais de Environmental Leadership and Training Initiative (ELTI), Yale University (20)

REDD Panama 2011 - Félix Magallón / REDD+ Panamá
REDD Panama 2011 - Félix Magallón / REDD+ PanamáREDD Panama 2011 - Félix Magallón / REDD+ Panamá
REDD Panama 2011 - Félix Magallón / REDD+ Panamá
 
REDD Panama 2011 - Catherine Potvin / REDD negociación cambio climático
REDD Panama 2011 - Catherine Potvin / REDD negociación cambio climáticoREDD Panama 2011 - Catherine Potvin / REDD negociación cambio climático
REDD Panama 2011 - Catherine Potvin / REDD negociación cambio climático
 
REDD Panama 2011 - Helene Muller-Landau / Cambio climático y carbono forestal
REDD Panama 2011 - Helene Muller-Landau / Cambio climático y carbono forestalREDD Panama 2011 - Helene Muller-Landau / Cambio climático y carbono forestal
REDD Panama 2011 - Helene Muller-Landau / Cambio climático y carbono forestal
 
REDD Panama 2011 - Joseph Masacaro / High-resolution carbon mapping for REDD+
REDD Panama 2011 - Joseph Masacaro / High-resolution carbon mapping for REDD+REDD Panama 2011 - Joseph Masacaro / High-resolution carbon mapping for REDD+
REDD Panama 2011 - Joseph Masacaro / High-resolution carbon mapping for REDD+
 
REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Aspectos metodológicos REDD+
REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Aspectos metodológicos REDD+REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Aspectos metodológicos REDD+
REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Aspectos metodológicos REDD+
 
REDD Panama 2011 - Marina Campos / Comunidades del bosque, salvaguardas, REDD+
REDD Panama 2011 - Marina Campos / Comunidades del bosque, salvaguardas, REDD+REDD Panama 2011 - Marina Campos / Comunidades del bosque, salvaguardas, REDD+
REDD Panama 2011 - Marina Campos / Comunidades del bosque, salvaguardas, REDD+
 
REDD Panama 2011 - Estebancio Castro / Dimensiones socioeconómicas REDD+
REDD Panama 2011 - Estebancio Castro / Dimensiones socioeconómicas REDD+REDD Panama 2011 - Estebancio Castro / Dimensiones socioeconómicas REDD+
REDD Panama 2011 - Estebancio Castro / Dimensiones socioeconómicas REDD+
 
REDD Panama 2011 - Heraclio Herrera / Pueblos indigenas REDD Panamá
REDD Panama 2011 - Heraclio Herrera / Pueblos indigenas REDD PanamáREDD Panama 2011 - Heraclio Herrera / Pueblos indigenas REDD Panamá
REDD Panama 2011 - Heraclio Herrera / Pueblos indigenas REDD Panamá
 
REDD Panama 2011 - Rhett Butler / Costos netos REDD+
REDD Panama 2011 - Rhett Butler / Costos netos REDD+REDD Panama 2011 - Rhett Butler / Costos netos REDD+
REDD Panama 2011 - Rhett Butler / Costos netos REDD+
 
REDD Panama 2011 - Percy Summers / Co-beneficios sociales, de biodiversidad y...
REDD Panama 2011 - Percy Summers / Co-beneficios sociales, de biodiversidad y...REDD Panama 2011 - Percy Summers / Co-beneficios sociales, de biodiversidad y...
REDD Panama 2011 - Percy Summers / Co-beneficios sociales, de biodiversidad y...
 
REDD Panama 2011 - Florencia Montagnini / SAF y REDD
REDD Panama 2011 - Florencia Montagnini / SAF y REDDREDD Panama 2011 - Florencia Montagnini / SAF y REDD
REDD Panama 2011 - Florencia Montagnini / SAF y REDD
 
REDD Panama 2011 - Gabriel Labbate / UNREDD, REDD+ en acción
REDD Panama 2011 - Gabriel Labbate / UNREDD, REDD+ en acciónREDD Panama 2011 - Gabriel Labbate / UNREDD, REDD+ en acción
REDD Panama 2011 - Gabriel Labbate / UNREDD, REDD+ en acción
 
REDD Panama 2011 - Mariana Pavan / JUMA RED project
REDD Panama 2011 - Mariana Pavan / JUMA RED projectREDD Panama 2011 - Mariana Pavan / JUMA RED project
REDD Panama 2011 - Mariana Pavan / JUMA RED project
 
REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Estándares certificación REDD
REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Estándares certificación REDDREDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Estándares certificación REDD
REDD Panama 2011 - Lucio Pedroni / Estándares certificación REDD
 
REDD Panama 2011 - Catherine Potvin / Conclusion y visión a futuro
REDD Panama 2011 - Catherine Potvin / Conclusion y visión a futuroREDD Panama 2011 - Catherine Potvin / Conclusion y visión a futuro
REDD Panama 2011 - Catherine Potvin / Conclusion y visión a futuro
 
HONDURAS COURSE - Estado de la cubierta forestal en centroamerica / Omar Samayoa
HONDURAS COURSE - Estado de la cubierta forestal en centroamerica / Omar SamayoaHONDURAS COURSE - Estado de la cubierta forestal en centroamerica / Omar Samayoa
HONDURAS COURSE - Estado de la cubierta forestal en centroamerica / Omar Samayoa
 
HONDURAS COURSE - Caso Suruí REDD+ / Beto Borges
HONDURAS COURSE - Caso Suruí REDD+ / Beto BorgesHONDURAS COURSE - Caso Suruí REDD+ / Beto Borges
HONDURAS COURSE - Caso Suruí REDD+ / Beto Borges
 
HONDURAS COURSE - Proyecto de deforestación evitada RBM (GUATECARBON) / Juan ...
HONDURAS COURSE - Proyecto de deforestación evitada RBM (GUATECARBON) / Juan ...HONDURAS COURSE - Proyecto de deforestación evitada RBM (GUATECARBON) / Juan ...
HONDURAS COURSE - Proyecto de deforestación evitada RBM (GUATECARBON) / Juan ...
 
HONDURA COURSE - Programa de incentivos economicos ambientales-ACP / Arturo C...
HONDURA COURSE - Programa de incentivos economicos ambientales-ACP / Arturo C...HONDURA COURSE - Programa de incentivos economicos ambientales-ACP / Arturo C...
HONDURA COURSE - Programa de incentivos economicos ambientales-ACP / Arturo C...
 
HONDURAS COURSE - La asociacion de juntas administradores de agua del sector ...
HONDURAS COURSE - La asociacion de juntas administradores de agua del sector ...HONDURAS COURSE - La asociacion de juntas administradores de agua del sector ...
HONDURAS COURSE - La asociacion de juntas administradores de agua del sector ...
 

PES COURSE - RECIFE (Economical instruments: Environmental Taxes / JORGE NOGUEIRA)

  • 2. • Alguns acreditam que quando você paga diretamente para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. • Isso é verdadeiro quando você compra tinta para pintar sua casa; você procura não desperdiçar, tendo cuidado de usá-la da melhor maneira possível.
  • 3. • A proposta de se usar instrumentos econômicos na gestão ambiental é baseada no mesmo princípio de buscar a eficiência no uso do meio ambiente.
  • 4. • Quando se aplica um tributo ambiental (taxa, tarifa, imposto por emissão ou por uso de uma unidade do patrimônio ambiental qualquer), os responsáveis pela emissão devem pagar pelos serviços prestados pelo meio ambiente (transporte, diluição, decomposição química, etc.) da mesma forma que eles pagam pelos demais insumos utilizados em suas operações.
  • 5. • Ou seja, seria como perguntar ao agente poluidor: • “Você deseja poluir? Tudo bem. Então suas emissões serão medidas e você terá que pagar por cada unidade de poluentes que emitir.”
  • 6. • Da mesma forma que a empresa procura poupar uma unidade de mão de obra escassa, e portanto relativamente cara, ela terá o estímulo a conservar a utilização dos serviços ambientais. • E ela irá conservá-lo da forma que julgar mais conveniente.
  • 7. • Ou dito de outra forma, os contaminadores ou os degradadores buscam, por sí só, a melhor maneira de reduzir as emissões e as degradações, substituindo uma autoridade controladora na escolha dessa opção. • A maneira mais simples de iniciar essa análise é através de um exemplo hipotético.
  • 8. • Vamos supor, inicialmente, uma fonte individual de um contaminante particular. • As informações ambientais básicas dessa fonte estão resumidas na Tabela 1 a seguir. • Vamos supor, também, que um tributo de R$ 120,00 por tonelada por mês seja estabelecido para o contaminante.
  • 9. Emissões Custos Custos Totais Gastos Custos Totais (toneladas/mês) Marginais de de Redução tributários Redução totais a R$ 120,00 por ton/mês 10 0 0 1200 1200 09 15 15 1080 1095 08 30 45 960 1005 07 50 95 840 935 06 70 165 720 885 05 90 255 600 855 04 115 370 480 850 03 135 505 360 865 02 175 680 240 920 01 230 910 120 1030 00 290 1200 0 1200
  • 10. • Com esse tributo e com essas estruturas de custo, observa-se que o custo total mínimo (soma do custo total de redução e dos gastos totais com taxa ambiental) é de R$ 850,00 e ocorre a uma taxa de emissões de 4 toneladas por mês. • O mesmo resultado é obtido se você considerar os custos marginais de redução.
  • 11. • Inicialmente a empresa está emitindo dez unidades por mês do poluente. • Se ela decide reduzir suas emissões para nove toneladas por mês, ela incorre em R$ 15,00 de custo, mas poupa R$ 120,00 de taxa ambiental. • Sem dúvida uma decisão lógica do ponto de vista econômico.
  • 12. • Seguindo esta lógica, a empresa continuará reduzindo as emissões enquanto o custo marginal de redução for menor que o taxa por tonelada/mês de emissão. • A empresa prosseguirá até o ponto em que o custo marginal de redução seja igual ao valor do taxa por unidade de poluente emitido.
  • 13. • O resultado final pode ser melhor visualizado na Figura 1. • Depois que a empresa reduzir suas emissões até 4 toneladas por mês, seu custo total de tributo ambiental será de R$ 480,00 e seu custo marginal de redução será de R$ 370,00.
  • 14. • Você é capaz de identificar esses custos em segmentos da Figura 1? • Eu creio que sim.
  • 15. Pág. 271 300 250 CMR 200 US$ 150 100 a 50 b 0 10 2 4 6 8 Emissões (toneladas/mês)
  • 16. • Os custos totais de redução correspondem, graficamente, à área b na Figura 1; enquanto que o total pago em tributos ao nível de 4 ton/mês corresponde à área a, na mesma figura. • Destaco, para uma discussão futura que, ao nível de 10 ton/mês, o custo total da empresa é de R$ 1 200,00.
  • 17. • Mas, por que a empresa não decide continuar emitindo 10 ton/mês e transfere a carga do tributo para o consumidor através de aumento do preço do seu produto? • As pressões competitivas forçam empresas a realizar todo o possível para minimizar seus custos e para evitar que clientes procurem produto similar produzido por outra empresa.
  • 18. • Assim, quanto mais competitivo for o ramo da atividade da empresa onde for estabelecido o tributo ambiental, menor a chance de transferir o tributo para o preço.
  • 19. • Quanto menor for a elasticidade preço da demanda pelo bem (em particular, quando não existirem substitutos perfeitos para o bem produzido pela empresa) maior chance a empresa terá de transferir o valor do tributo ambiental para o preço.
  • 20. • Pelo mesmo raciocínio fica claro, então, que setores menos competitivos (monopólios naturais - geração de energia elétrica) e produtores ou ofertantes de bens de demanda inelástica a preços (tais como os farmacêuticos e os combustíveis) serão setores onde as empresa procurarão transferir tributos ambientais para os preços dos produtos, reduzindo assim a eficácia do instrumento.
  • 21. • Para as empresas em mercados competitivos, ceteris paribus, o seu nível de resposta a um tributo ambiental dependerá: • i) do nível do tributo e • ii) da inclinação de sua curva de custo marginal de redução.
  • 22. • Uma comparação sempre presente é entre o estabelecimento de um padrão vis-a-vis o estabelecimento de um tributo para uma mesma meta ambiental. • Usando o nosso exemplo anterior, com o taxa o gasto total da empresa para reduzir suas emissões para 4 ton/mês foi equivalente a R$ 850,00.
  • 23. • Se fosse estabelecido um padrão máximo de 4 ton /mês, essa mesma empresa teria um gasto de apenas R$ 370,00 decorrentes de sua curva de custo de redução. • Para a empresa, o sistema de padrão é de menor custo, pois ela recebe 4 unidades de serviços ambientais totalmente sem custos.
  • 24. • Para a sociedade, o tributo ambiental é mais adequado, pois cobra por cada unidade de serviço ambiental usado. • Já foi dito que, em situações competitivas, tributos maiores gerarão reduções de emissões maiores.
  • 25. Mas quão elevado deve ser um tributo ambiental?
  • 26. • Se a curva de custo marginal da redução é conhecida e se a curva de dano ambiental (benefício da redução) também é conhecida, a teoria econômica neoclássica nos diz que o tributo deveria ser estabelecido ao nível eficiente de emissões, onde custo marginal fosse igual ao benefício marginal de redução.
  • 27. • Esse nível seria em t* na Figura 2, com um nível de emissão em e*. • Os custos totais do controle das emissões da empresa podem ser divididos em dois tipos: • os custos totais da redução, ou e na Figura 2; • os pagamentos totais do tributo ambiental, representado na Figura 2 por a + b + c + d .
  • 28. Página 273 Custos Danos Marginais de Marginal Redução US$ f t* a c b d e 0 et e* e0 Emissões (toneladas/ano)
  • 29. • A redução das emissões de e0 para e* representou a eliminação dos danos ambientais de um montante de e + f. • Os danos ambientais que ainda permanecem podem ser representados na Figura 2 como a área b + d.
  • 30. • Fica claro, então, que os danos ambientais que ainda permanecem após a redução são menores do que a empresa ainda paga de tributos ambientais pelos serviços do meio ambiente que ela ainda está usando. • Está evidente, portanto, que tributo sobre emissão é baseado no direito de uso do recurso ambiental e não em uma suposta compensação pela poluição causada.
  • 31. • Por outro lado, também fica claro que a empresa está pagando mais do que o serviço que ainda utiliza do meio ambiente. • Esse fato gera a proposta de estabelecimento de tributo em duas partes.
  • 32. • Em primeiro lugar, seria permitida uma certa quantidade de emissões sem a cobrança de tributos. • Em uma segunda etapa, aplica-se o tributo somente sobre a emissões que excederem aquele limite inicial.
  • 33. • Na Figura 2 seria permitido um limite de emissões em e1 . • Até aí a empresa está livre do pagamento de taxa. • A qualquer unidade de emissão superior a esse limite, a empresa paga o taxa t*. • Comparativamente à situação anterior, a empresa está pagando apenas c + d.
  • 34. Como se pode estabelecer um tributo sem se conhecer a função de dano ambiental marginal?
  • 35. • Você poderia fazer por tentativa e erro, por aproximações sucessivas até chegar ao ponto ideal. • Entretanto, isso teria um custo muito elevado, em termos de credibilidade do instrumento tributo.
  • 36. • FIELD recomenda que os formuladores de política ambiental estabeleçam um tributo no nível correto desde o início. • Isto exigiria um estudo prévio para se obter uma idéia aproximada da curva de custos agregados de redução e da curva de custos dos danos. • Poderia ser usada a estratégia de escolha de uma empresa representativa do setor.
  • 37. • O tributo sobre externalidades foi inicialmente proposto por Pigou em 1932 visa taxar o agente gerador da externalidade de tal modo que ele mude sua atividade até que o nível de externalidade alcance o nível socialmente ótimo.
  • 38. • O valor do tributo deve ser exatamente o custo marginal de degradação causado pela poluição ou por qualquer outra externalidade. • O “tributo ambiental ótimo” é teoricamente robusto, podendo ser representado em termos gráficos como se segue.
  • 39. TRIBUTO ÓTIMO E DIFERENÇA ENTRE CUSTOS PRIVADO E SOCIAL Utilidade Utilidade CM CM (social) CM (privado) ω QR* Optimal tax BM = ω QR BM MT* M*
  • 40. • Para que seja eficiente, especialmente no controle de fontes múltiplas de emissões, o tributo precisa satisfazer o princípio eqüi- marginal. • Assim, se é aplicado um mesmo tributo a fontes diferentes com diversas funções de custo marginal de redução e cada fonte reduz suas emissões até que seu custo marginal de redução seja igual ao tributo, os custos marginais se igualam entre todas as fontes.
  • 41. • Isso pode ser observado na Tabela 2 e visualizado na Figura 3, a seguir.
  • 42. Nível de Custo Marginal Custo Marginal Emissões Fonte A Fonte B (ton/mês) 20 0,0 0,0 19 1,0 2,1 18 2,1 4,6 17 3,3 9,4 16 4,6 19,3 15 6,0 32,5 14 7,6 54,9 13
  • 43. 13 9,4 82,9 12 11,5 116,9 11 13,9 156,9 10 16,5 204,9 09 19,3 264,9 08 22,3 332,9 07 25,5 406,9 06 28,9 487,0 32,5
  • 44. 05 3 2 ,5 5 7 7 ,0 04 3 6 ,3 6 7 7 ,2 03 4 0 ,5 7 8 7 ,2 02 4 4 ,9 9 0 7 ,2 01 4 9 ,7 1 0 3 7 ,2 00 5 4 ,9 1 1 8 7 ,2 1 0 37
  • 45. • Os custos marginais de redução da fonte A crescem muito menos rapidamente com as reduções de emissão que os da fonte B. • Possivelmente a tecnologia de produção de B faz com que as suas reduções de emissão sejam mais caras (maior custo) do que as de A.
  • 46. • Se o tributo for estabelecido em R$ 33,00 por tonelada, temos: • A Fonte A reduzirá suas emissões até 5 toneladas por mês; • A Fonte B reduzirá as suas até 15 ton/mês.
  • 47. • Após essas reduções, os custos marginais de redução das duas fontes serão iguais. • A redução total será de 20 toneladas por mês, com o tributo se distribuindo automaticamente entre as duas empresas de acordo com o princípio eqüi-marginal.
  • 48. • O tributo sobre as emissões dez com que a Fonte A reduzisse suas emissões em 75%, enquanto a Fonte B o fez em 25%. • Maiores reduções de emissão foram alcançadas pela empresa com menores custos marginais de redução.
  • 49. • Isso fica claro no Gráfico 3. • Vamos supor agora que a autoridade ambiental decida por uma redução proporcional, baseado na crença que todos devem ser tratados igualmente.
  • 50. • Essa “sábia” autoridade pode, por exemplo, exigir que cada fonte corte 50% de suas emissões. • Ou seja, cada fonte terá de cortar suas emissões para 10 toneladas por mês.
  • 51. Página 276 CMRA CMRB 50 50 40 40 U 30 US$ 30 S $ 20 20 c a b 10 10 d 5 10 15 20 5 10 15 20 Emissões (toneladas/mês) Emissões (toneladas/mês)
  • 52. • Qual o custo total dessa decisão? • Na Figura 3, os custos totais de redução são iguais à área b para a Fonte A e à área d para a Fonte B. • Por outro lado, o pagamento de tributos da Fonte A corresponderia à área a, enquanto que a da Fonte B seria equivalente à área c.
  • 53. Custos Totais Custos Totais de Execução de Execução (R$/mês) (R$/mês) Redução Imposto sobre Proporcional os Efluentes Fonte A 75,9 204,4 Fonte B 684,4 67,9 Total 760,3 272,3
  • 54. • Assim, quanto menos vertical for a curva de custo marginal de redução da empresa, maior a redução e menor o pagamento de tributo. • É verdade que quanto maior a taxa tributária, maiores serão as reduções das emissões.
  • 55. • Entretanto, numa situação como a da Fonte B seria necessário um tributo muito alto para que ela acabasse com as suas emissões. • É importante destacar que os resultados eficientes dos tributos podem ser obtidos mesmo quando a autoridade pública não tenha conhecimento sobre os custos marginais de redução de qualquer das fontes.
  • 56. • Mas nem tudo são flores: emissões de fontes diferentes podem ter impactos diferentes sobre a qualidade do meio ambiente, possibilidade não considerada até agora. • Muito freqüentemente, as fontes estão localizadas a diferentes distâncias de uma comunidade: a Fonte A duas vezes mais distante da comunidade do que a Fonte B.
  • 57. • Em uma situação como esta, é provável que o dano causado ao bem-estar da comunidade como resultado das emissões de B seja duas vezes maior do que os impactos da Fonte A. • Essa diferença espacial é um caso especial de “emissões não uniformes”.
  • 58. • Se a autoridade pública estabelece um único tributo, esse será ineficiente. • No nosso exemplo, será recomendável um tributo por zona. • Dentro de cada zona você teria o mesmo tributo para todas as fontes; porém você teria tributos diferentes para zonas distintas.
  • 59. • Existem, também, as incertezas com relação às respostas que as empresas darão ao tributo ambiental, em termos de redução das emissões. • Se as funções de custo marginal de redução forem muito inclinadas, o nível em que o tributo for estabelecido passa a ser muito importante para garantir a redução esperada de emissões.
  • 60. • Isso fica claro no Gráfico 4. • Por outro lado, um dos aspectos positivos freqüentemente citados em relação ao tributo ambiental é o estímulo que esse instrumento dá para que as empresas mudem o seu padrão tecnológico na busca de um menor nível de poluição ou degradação.
  • 61. • Esse incentivo ao esforço máximo pode ser visualizado graficamente. • O Gráfico 5 mostra duas situações.
  • 62. CMR1 CMR2 ta US$ t tb 0 e5 e3 e1 e2 e4 Emissões (libras/mês)
  • 63. • CMR1 representa a situação atual. • Já CMR2 representa a situação que a empresa enfrentaria após gastos em P e D para gerar um padrão tecnológico que permita um custo marginal de redução menor.
  • 64. • Qual seria a origem do estímulo da empresa para gastar recursos em P e D para alterar sua curva de custo marginal de redução? • Em um nível de tributo t por tonelada de emissão, com CMR1 a emissão será reduzida para e1 , com custo de redução igual a d + e e com o custo de pagamento de tributo igual a a + b + c.
  • 65. • Com uma nova curva de custo marginal de redução, a empresa pode reduzir as emissões para e2 ; neste ponto os custos de redução são equivalentes a b + e e os custos de taxas equivalentes a a; a redução dos custos totais foi de c + d.
  • 66. CMR1 CMR2 US$ t c a d b e 0 E2 E1 Emissões (toneladas/ano)
  • 67. Por que não impostos ambientais ou taxas ambientais?
  • 68. • Quando vocês estiverem lendo as referências internacionais sobre este tópico da disciplina, vocês perceberão o uso dos termos “environmental tax” ou “green tax” ou “pigouvian tax”. • A mais adequada tradução para “tax” seria imposto ou taxa. • Assim teríamos imposto ambiental, taxa ambiental ou imposto pigouviano.
  • 69. • Simples o bastante, … • … se o Brasil fosse um país simples. • No entanto, ele não o é.
  • 70. • Deon Sette, Nogueira e Panizi Souza (2004) nos lembram que dentre os vários aspectos jurídicos adotados pela doutrina para classificação das espécies tributárias no Brasil são de maior relevância para esta aula:
  • 71. • a função (fiscal, parafiscal e extrafiscal); • o fato gerador (a razão para a existência do tributo); e • a questão da vinculação (afetação ou não afetação) das receitas tributárias. • Esses aspectos jurídicos influenciam o tratamento que podemos dar ao “environmental tax” no Brasil.
  • 72. • a) Quanto à função - Finalidade (BRITO MACHADO, 2003, pg. 73-74) • Fiscal – quando tem como principal objetivo a arrecadação de recursos financeiros para o Estado; • Parafiscal – se destinam ao custeio de atividades paralelas à da administração pública direta, como a seguridade social.
  • 73. • Ou seja, seu objetivo é a arrecadação de recursos para o custeio de atividades que, em princípio não integram funções próprias do Estado, mas esse as desenvolve através de entidades específicas;
  • 74. • Extrafiscal – atendem a outros fins que não a arrecadação, tendo como objetivo principal a interferência no domínio econômico atuando como condutor da economia, corretor de situações sociais indesejadas e um elemento decisivo para mudanças de comportamento dos agentes econômicos.
  • 75. • b) Quanto ao Fato Gerador • A denominação fato gerador foi adotada pelo Código Tributário Nacional (CTN), para caracterizar a situação de fato ou a situação jurídica que, ocorrendo, determina a incidência do tributo.
  • 76. • Dito de outra forma, é a situação, fato ou conjunto de fatos, tipificados hipotética e genericamente em lei, que, ocorrendo na vida real, sujeitam alguém ao pagamento de tributos (ROSA JR, 2002, pp 481-482). • Existem diferentes fatos geradores de tributos, alguns são ligados a atividades estatais, outros são completamente alheios, isto é, estão ligados à atividade ou situação exclusivamente do contribuinte e outros decorrem de fatos que geram valorização imobiliária.
  • 77. • Tem-se, assim, a tricotomia tradicional que classifica o gênero tributo nas espécies: • impostos, • taxas e • contribuições de melhoria (SABBAG, 2004, pg. 66).
  • 78. • c) Quanto à vinculação (afetação) dos tributos • Os tributos, quando analisados à luz da destinação dada às receitas financeiras, podem ser vinculados -afetados- (taxas e contribuições de melhoria) e não vinculados -não afetados- (impostos).
  • 79. • A atual lei fundamental tem por princípio orçamentário básico a "unidade de caixa", assim veda, através do art., 167, inciso IV, a vinculação de receita de "impostos" a órgão, fundo ou despesas. • Trata-se do princípio orçamentário da não afetação da receita, que teria como fundamento permitir ao administrador a "discricionariedade“ para proceder às liberações de verbas orçamentárias no momento em que entendesse que iriam atender melhor ao interesse público.
  • 80. • Conforme apregoa Giuliani Fonrouge in Oliveira (1995, pg. 90) ..."não se pode desconhecer que a afetação de recursos a determinados gastos tem dado bons resultados....e que modernas exigências econômico-sociais tendem a acentuar-lhe as derrogações".
  • 81. • Assim sendo, hodiernamente, com a evolução do direito constitucional, seria um avanço a des- constitucionalização desse princípio da não vinculação, deixando ao legislador a liberdade para afetar ou não as receitas dos impostos de acordo com valores legítimos que devam ser preferencialmente atendidos, como é o caso do meio ambiente por se tratar de um bem supra individual (OLIVEIRA, 1995). • Nem todos concordam com isso; não podemos chamar de imposto ou de taxa.