SlideShare uma empresa Scribd logo
ECOLOGIA DA PAISAGEM E ASPECTOS DA DEGRADAÇÃO E
RECUPERAÇÃO ECOSSISTÊMICA*
Monteiro, Carlos Alberto
Pós-graduando em Ciências Ambientais e Florestais – UFRRJ
theologian.monteiro@gmail.com
*Trabalho realizado para a disciplina IF Téc. Silviculturais para a restauração florestal.
Professor Dr. Paulo Sergio Leles
RESUMO
O objetivo do presente trabalho é articular um posicionamento e fornecer um
referencial teórico sobre a importância da Ecologia da Paisagem como instrumento
de gestão ambiental e planejamento territorial com enfoque das duas abordagens
tanto espacial, ou geográfica, quanto aos aspectos ecológicos. O caráter desta nova
perspectiva como disciplina traz o fato da mesma possuir um caráter interdisciplinar
e transdisciplinar como instrumento de gestão territorial. Adotou-se a metodologia
qualitativa descritiva de levantamento, análise e discussão de referencial
bibliográfico contemporâneo sobre a temática proposta. Concluiu-se que a ecologia
da paisagem deve enfocar a relação entre os processos ecológicos levando em
conta o espaço explicito como modulador das dinâmicas e dos processos ambientais
e biológicos. A ecologia da paisagem poderá vir a ser uma importante ferramenta
interdisciplinar, ajudando a desenvolver uma consciência do ambiente como uma
heterogeneidade da qual se bem manejada com os conhecimentos e técnicas
aliadas a conservação e preservação dos recursos naturais poderá tornar as
praticas humanas mais éticas sobre todas as formas de vida com as quais
compartilhamos este planeta.
PALAVRAS-CHAVE: paisagem, ecologia, escala, conservação ambiental, meio
ambiente,.
TEMA CENTRAL:Ecologia da paisagem.
ABSTRACT
The aim of this work is to articulate a position and provide a theoretical framework on
the importance of Landscape Ecology as an environmental management tool and
territorial planning with a focus of the two approaches both spatial or geographic, as
the ecological aspects. The character of this new perspective as a discipline brings
the fact that it has an interdisciplinary and transdisciplinary character as a land
management tool. Adopted the descriptive qualitative methodology of survey,
analysis and contemporary literature reference for discussion on the proposed
theme. It was concluded that the landscape ecology should focus on the relationship
between the ecological processes taking into account the explicit space as a
modulator of the dynamics and the environmental and biological processes. The
ecology of the landscape could become an important interdisciplinary tool, helping to
develop an environmental consciousness as a heterogeneity which is well managed
with the knowledge and techniques combined with conservation and preservation of
natural resources can make the most ethical human practices on all forms of life with
which we share this planet.
KEYWORDS: landscape, ecology, range, environmental conservation, environment .
1. INTRODUÇÃO
A ecologia de paisagens é uma disciplina nova, no contexto da ecologia como
é um instrumento fundamental para a gestão e planejamento ambiental, promovendo
um novo olhar sobre as relações e processos ecológicos e daquilo que ocorre nos
ambientes naturais. A paisagem é determinada por atributos naturais da
geomorfologia, clima, uso da terra e também pela própria percepção do que vemos.
Historicamente, a paisagem tem sido amplamente modificada pela ação do
homem fazendo com que os elementos naturais sejam cada vez mais raros. Com o
avanço tecnológico a “paisagem natural" foi rapidamente substituída pela “paisagem
urbana" e pela "paisagem rural". (MAGRO, 1996).
Por sua vez, a ecologia da paisagem é algo visual, ela tem a possibilidade de
juntar outras formas de conhecimento aliado ao conhecimento da ecologia auxiliar a
gestão do ambiente e com um novo olhar em termos de uma escala geoespacial e
temporal para compreender as complexidades do ambiente e envolver-se em
alternativas que promovam medidas acertadas e sustentáveis de uso dos recursos
naturais. O levantamento de informações relativas à paisagem como moduladora
dessas relações leva a uma interpretação mais completa unindo conhecimentos
interdisciplinares e transdisciplinares para uma avaliação de impactos e a
possibilidade de um planejamento territorial. Sendo assim, alguns instrumentos de
gestão podem se utilizar de ferramentas tecnológicas como imagens de satélite,
SIG, bem como se utilizar de indicadores biológicos da qualidade ambiental para
interpretar as relações ecológicas moduladas pela estrutura da paisagem.
No entanto, Metzger (2001) chama a atenção de que as análises
interpretativas sobre as relações e interações ecológicas da heterogeneidade devem
considerar a escala de observação, a exemplo disso, a heterogeneidade depende da
escala de alcance das espécies estudadas. Para SANTOS (1996), a dimensão da
paisagem é a dimensão da percepção, o que chega aos sentidos. Por isso, o
aparelho cognitivo tem importância crucial nessa apreensão, pelo fato de que toda
nossa educação, formal ou informal, é feita de forma seletiva, pessoas diferentes
apresentam diversas versões do mesmo fato. Por exemplo, coisas que um arquiteto,
um artista vêem, outros não podem ver ou o fazem de maneira distinta. Isso é válido
também, para profissionais com diferente formação e para o homem comum. Se é
assim cada pesquisador pode acrescentar abordagens para entender os padrões
espaciais com os processos ecológicos com fins para a conservação.
De acordo com CONSTANZA et al. (1990), a paisagem tem sido “utilizada”
para a modelagem ecológica de forma a predizer mudanças nos padrões de
mudança da sua cobertura (uso do solo), ao longo de grandes regiões (de dezenas
a centenas de quilômetros) ao longo da escala do tempo (dezenas a centenas de
anos) como o resultado de várias alternativas possíveis de gestão específicas de
algumas áreas, tanto naturais como antrópicas.
Portanto, os princípios “chave” da ecologia da paisagem podem resumir-se
em termos de estrutura, função e comportamento biológico levando em conta os
padrões espaciais bem como a escala temporal dos processos ecossistêmicos, esta
visão é advinda da escola americana, mas nessa vertente os processos ecológicos
ou ambientais deverão apresentar uma série de hipóteses ou situações possíveis do
que demonstrações seguras.
De acordo com Metzger (2001) a ecologia da paisagem, é uma ciência
emergente com características transdisciplinares e inclui, gestores, sociedade como
um todo pois o homem faz parte da paisagem. A importância disso é que esta nova
ciência, possui um grande potencial para processo de planejamento territorial como
instrumento de gestão, permite a sociedade inserir seus problemas na formulação
das perguntas e ansiedade do homem e o fluxo de conhecimento pode se dar muito
melhor, trazendo a ecologia da paisagem a integrar aspectos científicos com a
pratica. Portanto, por meio das análises e interpretações da heterogeneidade deve
considerar a multiplicidade das escalas e da adequada observação e da participação
de diversos ramos de conhecimento, poderá ser possível estabelecer um esforço
intensivo para “programas ambientais” ou uma gestão territorial de forma confiável
quando se pensa na aplicação da ecologia da paisagem.
O potencial da ecologia da paisagem como instrumento inclusive para a
administração dos recursos florestais, paisagísticos, conservação de recursos
naturais e preservação da fauna e flora, a possibilidade de considerar múltiplas
escalas é de fundamental importância para entender o ambiente e a
heterogeneidade ambiental, mitigando, assim, problemas evidenciados bem como
traçar estratégias futuras de uma determinada unidade territorial geográfica, tais
como uma microbacia, unidade de conservação ou ainda uma zona territorial de
forma horizontal. (Metzger, 2001)
Diante disso, o objetivo do presente trabalho é o de fornecer um referencial
teórico sobre a importância da ecologia da paisagem como considerando o ambiente
como a totalidade e como agente modulador das dinâmicas, processos, interações,
processos biológicos e abióticos. O enfoque é na heterogeneidade agregando uma
análise integradora, de forma que é uma ecologia espacialmente explicita.
Adotou-se a metodologia qualitativa descritiva de levantamento, análise e
discussão de referencial bibliográfico contemporâneo sobre a temática proposta.
2. CONTEÚDO
A ecologia da paisagem é uma ciência, ou uma atividade humana da qual
treina observar o ambiente em sua totalidade, ela já nasceu interdisciplinar e
transdisciplinar, um ecólogo da paisagem é atraído pelas relações entre o homem e
o ambiente, trazendo no seu arcabouço a perspectiva de construção de uma nova
ciência.
A visão integradora das relações espaciais já fazia parte da forma de
interpretação da natureza, podendo-se destacar, como exemplo, o médico e
geógrafo Alexander Von Humboldt (1769-1859), que descrevendo formalmente as
relações entre clima, latitude e altitude, chega, em 1805, ao conceito de geobotânica
cujo objeto era o estudo das relações das plantas com o ambiente, o que sugere
uma visão mais integradora da natureza.
A definição mais simples para paisagem é aquela encontrada no dicionário
Aurélio (Ferreira, 1986)
A chave da ecologia da paisagem é uma visão espacial da ecologia na sua
análise e agrega uma horizontalidade na interpretação dos processos ecológicos,
considerando uma nova abordagem, ou seja, dando uma ênfase para a paisagem
considerando toda a heterogeneidade da paisagem.
Neste sentido, a ecologia da paisagem enriquece as análises ecológicas, e
ela entende que a estrutura da paisagem modula as interações e relações
ecológicas e ambientais (Metzger, 2001).
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS
A EA deve enfocar a relação entre o ser humano, a natureza e o universo de
forma multi e interdisciplinar, ajudando a desenvolver uma consciência ética sobre
todas as formas de vida com as quais compartilhamos neste planeta. E utilizar como
estratégia a construção de trilhas interpretativas pode ser uma alternativa de
sensibilizar as pessoas para as questões ambientais e o conhecimento mais amplo
da natureza que nos envolve.
4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AB’SABER, A. N. Amazônia: do discurso à práxis. São Paulo: EDUSP, 1996.
DIAS, G. F. Elementos para capacitação em educação ambiental. Ilhéus: Editus,
1999.
DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 2004.
DÍAZ, A. P. Educação ambiental como projeto. Porto Alegre: Artmed, 2002.
GUILLAUMON, J. R. Análise de trilhas de interpretação. Instituto Florestal (Bol.
Técnico 25), São Paulo, 57 p., 1977.
GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. Campinas, SP: Papirus,
1995 (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).
MINIMI, N. A formação dos professores em educação ambiental. Oficina
panorama da educação ambiental. Brasília: MEC-SEF-DPEF- Coordenação de
Educação Ambiental, 2000.
MOTA, I. M. Educação ambiental aplicada ao uso de trilhas interpretativas
como recurso pedagógico. Lavras: UFLA, 2007. 47p. (Monografia de pós
graduação Lato Sensu).
RUSCHEINSKY, A. Educação ambiental: abordagens múltiplas. Porto Alegre:
Artmed, 2002.
SALVATI, S. S. Trilhas: conceitos, técnicas de implantação e impactos.
Disponível em: <http://ecosfera.sites.uol.com.br/trilhas.htm> Acesso em 15
maio/2007.
DIAS, G. F. Elementos para capacitação em educação ambiental. Ilhéus: Editus,
1999.
DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 2004.
DÍAZ, A. P. Educação ambiental como projeto. Porto Alegre: Artmed, 2002.
GUILLAUMON, J. R. Análise de trilhas de interpretação. Instituto Florestal (Bol.
Técnico 25), São Paulo, 57 p., 1977.
GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. Campinas, SP: Papirus,
1995 (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).
MINIMI, N. A formação dos professores em educação ambiental. Oficina
panorama da educação ambiental. Brasília: MEC-SEF-DPEF- Coordenação de
Educação Ambiental, 2000.
MOTA, I. M. Educação ambiental aplicada ao uso de trilhas interpretativas
como recurso pedagógico. Lavras: UFLA, 2007. 47p. (Monografia de pós
graduação Lato Sensu).
RUSCHEINSKY, A. Educação ambiental: abordagens múltiplas. Porto Alegre:
Artmed, 2002.
SALVATI, S. S. Trilhas: conceitos, técnicas de implantação e impactos.
Disponível em: <http://ecosfera.sites.uol.com.br/trilhas.htm> Acesso em 15
maio/2007.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metodos na geo fisica
Metodos na geo fisicaMetodos na geo fisica
Metodos na geo fisica
Cleyciane Rodrigues
 
I
II
Apostila 1
Apostila 1Apostila 1
Apostila 1
Rigo Rodrigues
 
4. ecologia da paisagem e bacia hidrográfica
4. ecologia da paisagem e bacia hidrográfica4. ecologia da paisagem e bacia hidrográfica
4. ecologia da paisagem e bacia hidrográfica
Virna Salgado Barra
 
O Ensino de Geografia
O Ensino de GeografiaO Ensino de Geografia
O Ensino de Geografia
Brazilian Army
 
Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...
Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...
Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...
Paulo Orlando
 
Aula 8 teorica ecologia da paisagem
Aula 8 teorica ecologia da paisagemAula 8 teorica ecologia da paisagem
Aula 8 teorica ecologia da paisagem
Universidade Federal do Pará
 
Aula 4 ecologia de paisagens
Aula 4   ecologia de paisagensAula 4   ecologia de paisagens
Aula 4 ecologia de paisagens
Damis Padilha
 
Georges Bertrand
Georges BertrandGeorges Bertrand
Georges Bertrand
Virna Salgado Barra
 
Cuidado ambiental
Cuidado ambientalCuidado ambiental
a_natureza_da_gf_na_geografia.pdf
a_natureza_da_gf_na_geografia.pdfa_natureza_da_gf_na_geografia.pdf
a_natureza_da_gf_na_geografia.pdf
Alexandre Pinheiro de Alcântara
 
Analise Ambiental 01
Analise Ambiental 01Analise Ambiental 01
Analise Ambiental 01
Francisco de Assis da S Araujo
 
O MODELO GTP (GEOSSISTEMA – TERRITÓRIO – PAISAGEM) como trabalhar IMP2.pdf
O MODELO GTP (GEOSSISTEMA – TERRITÓRIO – PAISAGEM) como trabalhar IMP2.pdfO MODELO GTP (GEOSSISTEMA – TERRITÓRIO – PAISAGEM) como trabalhar IMP2.pdf
O MODELO GTP (GEOSSISTEMA – TERRITÓRIO – PAISAGEM) como trabalhar IMP2.pdf
Alexandre Pinheiro de Alcântara
 
CONCEPÇÕES DE AMBIENTE DE FUTURAS PROFESSORAS PORTUGUESAS: UM ESTUDO DE CASO
CONCEPÇÕES DE AMBIENTE DE FUTURAS PROFESSORAS  PORTUGUESAS: UM ESTUDO DE CASOCONCEPÇÕES DE AMBIENTE DE FUTURAS PROFESSORAS  PORTUGUESAS: UM ESTUDO DE CASO
CONCEPÇÕES DE AMBIENTE DE FUTURAS PROFESSORAS PORTUGUESAS: UM ESTUDO DE CASO
Marisa Correia
 
009 5 eixo temático biogeografia e biodiversidade prof adriano severo figueiró
009 5   eixo temático biogeografia e biodiversidade prof adriano severo figueiró009 5   eixo temático biogeografia e biodiversidade prof adriano severo figueiró
009 5 eixo temático biogeografia e biodiversidade prof adriano severo figueiró
Edilene Oliveira
 
Avaliação de aspecto e impactos ambientais ga
Avaliação de aspecto e impactos ambientais gaAvaliação de aspecto e impactos ambientais ga
Avaliação de aspecto e impactos ambientais ga
Helder Paz
 
Geossistemas do estado de Santa Catarina
Geossistemas do estado de Santa CatarinaGeossistemas do estado de Santa Catarina
Geossistemas do estado de Santa Catarina
Gabrieldibernardi
 
Conflitos ambientais em unidades de conservação dilemas da gestão territoria...
Conflitos ambientais em unidades de conservação  dilemas da gestão territoria...Conflitos ambientais em unidades de conservação  dilemas da gestão territoria...
Conflitos ambientais em unidades de conservação dilemas da gestão territoria...
Ju2014
 
recursos naturais minerais terapeuticos e turisticos RNMTT 2009
recursos naturais minerais terapeuticos e turisticos RNMTT 2009 recursos naturais minerais terapeuticos e turisticos RNMTT 2009
recursos naturais minerais terapeuticos e turisticos RNMTT 2009
Termalismo Brasil
 
Ecologia da paisagem
Ecologia da paisagemEcologia da paisagem
Ecologia da paisagem
Priscila G. Corrieri Gomide
 

Mais procurados (20)

Metodos na geo fisica
Metodos na geo fisicaMetodos na geo fisica
Metodos na geo fisica
 
I
II
I
 
Apostila 1
Apostila 1Apostila 1
Apostila 1
 
4. ecologia da paisagem e bacia hidrográfica
4. ecologia da paisagem e bacia hidrográfica4. ecologia da paisagem e bacia hidrográfica
4. ecologia da paisagem e bacia hidrográfica
 
O Ensino de Geografia
O Ensino de GeografiaO Ensino de Geografia
O Ensino de Geografia
 
Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...
Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...
Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...
 
Aula 8 teorica ecologia da paisagem
Aula 8 teorica ecologia da paisagemAula 8 teorica ecologia da paisagem
Aula 8 teorica ecologia da paisagem
 
Aula 4 ecologia de paisagens
Aula 4   ecologia de paisagensAula 4   ecologia de paisagens
Aula 4 ecologia de paisagens
 
Georges Bertrand
Georges BertrandGeorges Bertrand
Georges Bertrand
 
Cuidado ambiental
Cuidado ambientalCuidado ambiental
Cuidado ambiental
 
a_natureza_da_gf_na_geografia.pdf
a_natureza_da_gf_na_geografia.pdfa_natureza_da_gf_na_geografia.pdf
a_natureza_da_gf_na_geografia.pdf
 
Analise Ambiental 01
Analise Ambiental 01Analise Ambiental 01
Analise Ambiental 01
 
O MODELO GTP (GEOSSISTEMA – TERRITÓRIO – PAISAGEM) como trabalhar IMP2.pdf
O MODELO GTP (GEOSSISTEMA – TERRITÓRIO – PAISAGEM) como trabalhar IMP2.pdfO MODELO GTP (GEOSSISTEMA – TERRITÓRIO – PAISAGEM) como trabalhar IMP2.pdf
O MODELO GTP (GEOSSISTEMA – TERRITÓRIO – PAISAGEM) como trabalhar IMP2.pdf
 
CONCEPÇÕES DE AMBIENTE DE FUTURAS PROFESSORAS PORTUGUESAS: UM ESTUDO DE CASO
CONCEPÇÕES DE AMBIENTE DE FUTURAS PROFESSORAS  PORTUGUESAS: UM ESTUDO DE CASOCONCEPÇÕES DE AMBIENTE DE FUTURAS PROFESSORAS  PORTUGUESAS: UM ESTUDO DE CASO
CONCEPÇÕES DE AMBIENTE DE FUTURAS PROFESSORAS PORTUGUESAS: UM ESTUDO DE CASO
 
009 5 eixo temático biogeografia e biodiversidade prof adriano severo figueiró
009 5   eixo temático biogeografia e biodiversidade prof adriano severo figueiró009 5   eixo temático biogeografia e biodiversidade prof adriano severo figueiró
009 5 eixo temático biogeografia e biodiversidade prof adriano severo figueiró
 
Avaliação de aspecto e impactos ambientais ga
Avaliação de aspecto e impactos ambientais gaAvaliação de aspecto e impactos ambientais ga
Avaliação de aspecto e impactos ambientais ga
 
Geossistemas do estado de Santa Catarina
Geossistemas do estado de Santa CatarinaGeossistemas do estado de Santa Catarina
Geossistemas do estado de Santa Catarina
 
Conflitos ambientais em unidades de conservação dilemas da gestão territoria...
Conflitos ambientais em unidades de conservação  dilemas da gestão territoria...Conflitos ambientais em unidades de conservação  dilemas da gestão territoria...
Conflitos ambientais em unidades de conservação dilemas da gestão territoria...
 
recursos naturais minerais terapeuticos e turisticos RNMTT 2009
recursos naturais minerais terapeuticos e turisticos RNMTT 2009 recursos naturais minerais terapeuticos e turisticos RNMTT 2009
recursos naturais minerais terapeuticos e turisticos RNMTT 2009
 
Ecologia da paisagem
Ecologia da paisagemEcologia da paisagem
Ecologia da paisagem
 

Semelhante a Ecologia da paisagem sob o ponto de vista de restauração ambiental

CLIMA URBANO E QUALIDADE AMBIENTAL NA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO ...
CLIMA URBANO E QUALIDADE AMBIENTAL NA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO ...CLIMA URBANO E QUALIDADE AMBIENTAL NA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO ...
CLIMA URBANO E QUALIDADE AMBIENTAL NA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO ...
UNAERP
 
03 paisagem trajetoria do conceito em geografia
03   paisagem trajetoria do conceito em geografia03   paisagem trajetoria do conceito em geografia
03 paisagem trajetoria do conceito em geografia
reginaldopedroso7
 
Indicadores qualidade ambiental na cidade de são paulo
Indicadores   qualidade ambiental na cidade de são pauloIndicadores   qualidade ambiental na cidade de são paulo
Indicadores qualidade ambiental na cidade de são paulo
UNAERP
 
20080213 113441 meio-127
20080213 113441 meio-12720080213 113441 meio-127
20080213 113441 meio-127
Josenete Cardoso
 
3aAula Disciplina Pos Geo USP 03 set 2 (1).pptx
3aAula Disciplina Pos Geo USP 03 set 2 (1).pptx3aAula Disciplina Pos Geo USP 03 set 2 (1).pptx
3aAula Disciplina Pos Geo USP 03 set 2 (1).pptx
VladimirSantos30
 
Artigo bioterra v20_n2_05
Artigo bioterra v20_n2_05Artigo bioterra v20_n2_05
Artigo bioterra v20_n2_05
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
fichamento Geografia socioambiental
fichamento Geografia socioambientalfichamento Geografia socioambiental
fichamento Geografia socioambiental
Hemily Sued
 
Artigo8
Artigo8Artigo8
Conceitos e definições Restauração Ecológica Aronson
Conceitos e definições Restauração Ecológica AronsonConceitos e definições Restauração Ecológica Aronson
Conceitos e definições Restauração Ecológica Aronson
Carlos Alberto Monteiro
 
Paisagem
PaisagemPaisagem
LEAL&RODRIGUES_13CBGE
LEAL&RODRIGUES_13CBGELEAL&RODRIGUES_13CBGE
LEAL&RODRIGUES_13CBGE
Maria José Brollo
 
Trab de introd a isig terminado
Trab de introd a isig terminadoTrab de introd a isig terminado
Trab de introd a isig terminado
Acacio Monjane
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Idelvone mendes
Idelvone mendesIdelvone mendes
Idelvone mendes
Colegio D. Temoteo
 
01 as ciencias_ecologicas.pdf resenha 2
01 as ciencias_ecologicas.pdf resenha 201 as ciencias_ecologicas.pdf resenha 2
01 as ciencias_ecologicas.pdf resenha 2
Cidah Silva
 
Projeto Aguas Rio Bacalhau
Projeto Aguas Rio BacalhauProjeto Aguas Rio Bacalhau
Projeto Aguas Rio Bacalhau
Matheus Bueno
 
A abordagem ambiental unifica as geografias viii encontro nac ional da anpe...
A abordagem ambiental unifica as geografias   viii encontro nac ional da anpe...A abordagem ambiental unifica as geografias   viii encontro nac ional da anpe...
A abordagem ambiental unifica as geografias viii encontro nac ional da anpe...
blogarlete
 
A abordagem ambiental unifica as geografias viii encontro nac ional da anpe...
A abordagem ambiental unifica as geografias   viii encontro nac ional da anpe...A abordagem ambiental unifica as geografias   viii encontro nac ional da anpe...
A abordagem ambiental unifica as geografias viii encontro nac ional da anpe...
blogarlete
 
Portfolio_Trilha_Meio_Ambiente_e_Sociedade.pdf
Portfolio_Trilha_Meio_Ambiente_e_Sociedade.pdfPortfolio_Trilha_Meio_Ambiente_e_Sociedade.pdf
Portfolio_Trilha_Meio_Ambiente_e_Sociedade.pdf
janainadfsilva
 
2ª aula conceitos
2ª aula conceitos2ª aula conceitos
2ª aula conceitos
Gilson Adao
 

Semelhante a Ecologia da paisagem sob o ponto de vista de restauração ambiental (20)

CLIMA URBANO E QUALIDADE AMBIENTAL NA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO ...
CLIMA URBANO E QUALIDADE AMBIENTAL NA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO ...CLIMA URBANO E QUALIDADE AMBIENTAL NA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO ...
CLIMA URBANO E QUALIDADE AMBIENTAL NA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO ...
 
03 paisagem trajetoria do conceito em geografia
03   paisagem trajetoria do conceito em geografia03   paisagem trajetoria do conceito em geografia
03 paisagem trajetoria do conceito em geografia
 
Indicadores qualidade ambiental na cidade de são paulo
Indicadores   qualidade ambiental na cidade de são pauloIndicadores   qualidade ambiental na cidade de são paulo
Indicadores qualidade ambiental na cidade de são paulo
 
20080213 113441 meio-127
20080213 113441 meio-12720080213 113441 meio-127
20080213 113441 meio-127
 
3aAula Disciplina Pos Geo USP 03 set 2 (1).pptx
3aAula Disciplina Pos Geo USP 03 set 2 (1).pptx3aAula Disciplina Pos Geo USP 03 set 2 (1).pptx
3aAula Disciplina Pos Geo USP 03 set 2 (1).pptx
 
Artigo bioterra v20_n2_05
Artigo bioterra v20_n2_05Artigo bioterra v20_n2_05
Artigo bioterra v20_n2_05
 
fichamento Geografia socioambiental
fichamento Geografia socioambientalfichamento Geografia socioambiental
fichamento Geografia socioambiental
 
Artigo8
Artigo8Artigo8
Artigo8
 
Conceitos e definições Restauração Ecológica Aronson
Conceitos e definições Restauração Ecológica AronsonConceitos e definições Restauração Ecológica Aronson
Conceitos e definições Restauração Ecológica Aronson
 
Paisagem
PaisagemPaisagem
Paisagem
 
LEAL&RODRIGUES_13CBGE
LEAL&RODRIGUES_13CBGELEAL&RODRIGUES_13CBGE
LEAL&RODRIGUES_13CBGE
 
Trab de introd a isig terminado
Trab de introd a isig terminadoTrab de introd a isig terminado
Trab de introd a isig terminado
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Idelvone mendes
Idelvone mendesIdelvone mendes
Idelvone mendes
 
01 as ciencias_ecologicas.pdf resenha 2
01 as ciencias_ecologicas.pdf resenha 201 as ciencias_ecologicas.pdf resenha 2
01 as ciencias_ecologicas.pdf resenha 2
 
Projeto Aguas Rio Bacalhau
Projeto Aguas Rio BacalhauProjeto Aguas Rio Bacalhau
Projeto Aguas Rio Bacalhau
 
A abordagem ambiental unifica as geografias viii encontro nac ional da anpe...
A abordagem ambiental unifica as geografias   viii encontro nac ional da anpe...A abordagem ambiental unifica as geografias   viii encontro nac ional da anpe...
A abordagem ambiental unifica as geografias viii encontro nac ional da anpe...
 
A abordagem ambiental unifica as geografias viii encontro nac ional da anpe...
A abordagem ambiental unifica as geografias   viii encontro nac ional da anpe...A abordagem ambiental unifica as geografias   viii encontro nac ional da anpe...
A abordagem ambiental unifica as geografias viii encontro nac ional da anpe...
 
Portfolio_Trilha_Meio_Ambiente_e_Sociedade.pdf
Portfolio_Trilha_Meio_Ambiente_e_Sociedade.pdfPortfolio_Trilha_Meio_Ambiente_e_Sociedade.pdf
Portfolio_Trilha_Meio_Ambiente_e_Sociedade.pdf
 
2ª aula conceitos
2ª aula conceitos2ª aula conceitos
2ª aula conceitos
 

Mais de Carlos Alberto Monteiro da Silva

Diversidade de scolitynae ENTOMORIO
Diversidade de scolitynae   ENTOMORIODiversidade de scolitynae   ENTOMORIO
Diversidade de scolitynae ENTOMORIO
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Resumo ENTOMORIO
Resumo ENTOMORIOResumo ENTOMORIO
Parametros fitossociológicos
Parametros fitossociológicosParametros fitossociológicos
Parametros fitossociológicos
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Grandes achados arqueologicos_-_parte_ii
Grandes achados arqueologicos_-_parte_iiGrandes achados arqueologicos_-_parte_ii
Grandes achados arqueologicos_-_parte_ii
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Grandes achados arqueologicos_-_parte_i
Grandes achados arqueologicos_-_parte_iGrandes achados arqueologicos_-_parte_i
Grandes achados arqueologicos_-_parte_i
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Caio fábio nephilim
Caio fábio   nephilimCaio fábio   nephilim
Caio fábio nephilim
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Caio fábio confissões do pastor
Caio fábio   confissões do pastorCaio fábio   confissões do pastor
Caio fábio confissões do pastor
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Objetivos ciencia
Objetivos cienciaObjetivos ciencia
Teoria e pratica em recuperao de áreas degradadas
Teoria e pratica em recuperao de áreas degradadasTeoria e pratica em recuperao de áreas degradadas
Teoria e pratica em recuperao de áreas degradadas
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Teologia brasileira
Teologia brasileiraTeologia brasileira
Historia concisa da_filosofia
Historia concisa da_filosofiaHistoria concisa da_filosofia
Historia concisa da_filosofia
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Louis Berkhof teologia-sistematica
Louis Berkhof teologia-sistematicaLouis Berkhof teologia-sistematica
Louis Berkhof teologia-sistematica
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Formalismo e interpretacao
Formalismo e interpretacaoFormalismo e interpretacao
Formalismo e interpretacao
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Ciencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundoCiencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundo
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Reflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgar
Reflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgarReflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgar
Reflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgar
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Atitude critica
Atitude criticaAtitude critica
Imparcialidade e ética
Imparcialidade e éticaImparcialidade e ética
Imparcialidade e ética
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
O que é e o que não é ciência,
O que é e o que não é ciência,O que é e o que não é ciência,
O que é e o que não é ciência,
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundoDilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
A ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologiaA ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologia
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 

Mais de Carlos Alberto Monteiro da Silva (20)

Diversidade de scolitynae ENTOMORIO
Diversidade de scolitynae   ENTOMORIODiversidade de scolitynae   ENTOMORIO
Diversidade de scolitynae ENTOMORIO
 
Resumo ENTOMORIO
Resumo ENTOMORIOResumo ENTOMORIO
Resumo ENTOMORIO
 
Parametros fitossociológicos
Parametros fitossociológicosParametros fitossociológicos
Parametros fitossociológicos
 
Grandes achados arqueologicos_-_parte_ii
Grandes achados arqueologicos_-_parte_iiGrandes achados arqueologicos_-_parte_ii
Grandes achados arqueologicos_-_parte_ii
 
Grandes achados arqueologicos_-_parte_i
Grandes achados arqueologicos_-_parte_iGrandes achados arqueologicos_-_parte_i
Grandes achados arqueologicos_-_parte_i
 
Caio fábio nephilim
Caio fábio   nephilimCaio fábio   nephilim
Caio fábio nephilim
 
Caio fábio confissões do pastor
Caio fábio   confissões do pastorCaio fábio   confissões do pastor
Caio fábio confissões do pastor
 
Objetivos ciencia
Objetivos cienciaObjetivos ciencia
Objetivos ciencia
 
Teoria e pratica em recuperao de áreas degradadas
Teoria e pratica em recuperao de áreas degradadasTeoria e pratica em recuperao de áreas degradadas
Teoria e pratica em recuperao de áreas degradadas
 
Teologia brasileira
Teologia brasileiraTeologia brasileira
Teologia brasileira
 
Historia concisa da_filosofia
Historia concisa da_filosofiaHistoria concisa da_filosofia
Historia concisa da_filosofia
 
Louis Berkhof teologia-sistematica
Louis Berkhof teologia-sistematicaLouis Berkhof teologia-sistematica
Louis Berkhof teologia-sistematica
 
Formalismo e interpretacao
Formalismo e interpretacaoFormalismo e interpretacao
Formalismo e interpretacao
 
Ciencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundoCiencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundo
 
Reflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgar
Reflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgarReflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgar
Reflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgar
 
Atitude critica
Atitude criticaAtitude critica
Atitude critica
 
Imparcialidade e ética
Imparcialidade e éticaImparcialidade e ética
Imparcialidade e ética
 
O que é e o que não é ciência,
O que é e o que não é ciência,O que é e o que não é ciência,
O que é e o que não é ciência,
 
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundoDilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundo
 
A ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologiaA ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologia
 

Último

Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 

Último (13)

Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 

Ecologia da paisagem sob o ponto de vista de restauração ambiental

  • 1. ECOLOGIA DA PAISAGEM E ASPECTOS DA DEGRADAÇÃO E RECUPERAÇÃO ECOSSISTÊMICA* Monteiro, Carlos Alberto Pós-graduando em Ciências Ambientais e Florestais – UFRRJ theologian.monteiro@gmail.com *Trabalho realizado para a disciplina IF Téc. Silviculturais para a restauração florestal. Professor Dr. Paulo Sergio Leles RESUMO O objetivo do presente trabalho é articular um posicionamento e fornecer um referencial teórico sobre a importância da Ecologia da Paisagem como instrumento de gestão ambiental e planejamento territorial com enfoque das duas abordagens tanto espacial, ou geográfica, quanto aos aspectos ecológicos. O caráter desta nova perspectiva como disciplina traz o fato da mesma possuir um caráter interdisciplinar e transdisciplinar como instrumento de gestão territorial. Adotou-se a metodologia qualitativa descritiva de levantamento, análise e discussão de referencial bibliográfico contemporâneo sobre a temática proposta. Concluiu-se que a ecologia da paisagem deve enfocar a relação entre os processos ecológicos levando em conta o espaço explicito como modulador das dinâmicas e dos processos ambientais e biológicos. A ecologia da paisagem poderá vir a ser uma importante ferramenta interdisciplinar, ajudando a desenvolver uma consciência do ambiente como uma heterogeneidade da qual se bem manejada com os conhecimentos e técnicas aliadas a conservação e preservação dos recursos naturais poderá tornar as praticas humanas mais éticas sobre todas as formas de vida com as quais compartilhamos este planeta. PALAVRAS-CHAVE: paisagem, ecologia, escala, conservação ambiental, meio ambiente,. TEMA CENTRAL:Ecologia da paisagem.
  • 2. ABSTRACT The aim of this work is to articulate a position and provide a theoretical framework on the importance of Landscape Ecology as an environmental management tool and territorial planning with a focus of the two approaches both spatial or geographic, as the ecological aspects. The character of this new perspective as a discipline brings the fact that it has an interdisciplinary and transdisciplinary character as a land management tool. Adopted the descriptive qualitative methodology of survey, analysis and contemporary literature reference for discussion on the proposed theme. It was concluded that the landscape ecology should focus on the relationship between the ecological processes taking into account the explicit space as a modulator of the dynamics and the environmental and biological processes. The ecology of the landscape could become an important interdisciplinary tool, helping to develop an environmental consciousness as a heterogeneity which is well managed with the knowledge and techniques combined with conservation and preservation of natural resources can make the most ethical human practices on all forms of life with which we share this planet. KEYWORDS: landscape, ecology, range, environmental conservation, environment . 1. INTRODUÇÃO A ecologia de paisagens é uma disciplina nova, no contexto da ecologia como é um instrumento fundamental para a gestão e planejamento ambiental, promovendo um novo olhar sobre as relações e processos ecológicos e daquilo que ocorre nos ambientes naturais. A paisagem é determinada por atributos naturais da geomorfologia, clima, uso da terra e também pela própria percepção do que vemos. Historicamente, a paisagem tem sido amplamente modificada pela ação do homem fazendo com que os elementos naturais sejam cada vez mais raros. Com o avanço tecnológico a “paisagem natural" foi rapidamente substituída pela “paisagem urbana" e pela "paisagem rural". (MAGRO, 1996). Por sua vez, a ecologia da paisagem é algo visual, ela tem a possibilidade de juntar outras formas de conhecimento aliado ao conhecimento da ecologia auxiliar a gestão do ambiente e com um novo olhar em termos de uma escala geoespacial e temporal para compreender as complexidades do ambiente e envolver-se em
  • 3. alternativas que promovam medidas acertadas e sustentáveis de uso dos recursos naturais. O levantamento de informações relativas à paisagem como moduladora dessas relações leva a uma interpretação mais completa unindo conhecimentos interdisciplinares e transdisciplinares para uma avaliação de impactos e a possibilidade de um planejamento territorial. Sendo assim, alguns instrumentos de gestão podem se utilizar de ferramentas tecnológicas como imagens de satélite, SIG, bem como se utilizar de indicadores biológicos da qualidade ambiental para interpretar as relações ecológicas moduladas pela estrutura da paisagem. No entanto, Metzger (2001) chama a atenção de que as análises interpretativas sobre as relações e interações ecológicas da heterogeneidade devem considerar a escala de observação, a exemplo disso, a heterogeneidade depende da escala de alcance das espécies estudadas. Para SANTOS (1996), a dimensão da paisagem é a dimensão da percepção, o que chega aos sentidos. Por isso, o aparelho cognitivo tem importância crucial nessa apreensão, pelo fato de que toda nossa educação, formal ou informal, é feita de forma seletiva, pessoas diferentes apresentam diversas versões do mesmo fato. Por exemplo, coisas que um arquiteto, um artista vêem, outros não podem ver ou o fazem de maneira distinta. Isso é válido também, para profissionais com diferente formação e para o homem comum. Se é assim cada pesquisador pode acrescentar abordagens para entender os padrões espaciais com os processos ecológicos com fins para a conservação. De acordo com CONSTANZA et al. (1990), a paisagem tem sido “utilizada” para a modelagem ecológica de forma a predizer mudanças nos padrões de mudança da sua cobertura (uso do solo), ao longo de grandes regiões (de dezenas a centenas de quilômetros) ao longo da escala do tempo (dezenas a centenas de anos) como o resultado de várias alternativas possíveis de gestão específicas de algumas áreas, tanto naturais como antrópicas. Portanto, os princípios “chave” da ecologia da paisagem podem resumir-se em termos de estrutura, função e comportamento biológico levando em conta os padrões espaciais bem como a escala temporal dos processos ecossistêmicos, esta visão é advinda da escola americana, mas nessa vertente os processos ecológicos ou ambientais deverão apresentar uma série de hipóteses ou situações possíveis do que demonstrações seguras.
  • 4. De acordo com Metzger (2001) a ecologia da paisagem, é uma ciência emergente com características transdisciplinares e inclui, gestores, sociedade como um todo pois o homem faz parte da paisagem. A importância disso é que esta nova ciência, possui um grande potencial para processo de planejamento territorial como instrumento de gestão, permite a sociedade inserir seus problemas na formulação das perguntas e ansiedade do homem e o fluxo de conhecimento pode se dar muito melhor, trazendo a ecologia da paisagem a integrar aspectos científicos com a pratica. Portanto, por meio das análises e interpretações da heterogeneidade deve considerar a multiplicidade das escalas e da adequada observação e da participação de diversos ramos de conhecimento, poderá ser possível estabelecer um esforço intensivo para “programas ambientais” ou uma gestão territorial de forma confiável quando se pensa na aplicação da ecologia da paisagem. O potencial da ecologia da paisagem como instrumento inclusive para a administração dos recursos florestais, paisagísticos, conservação de recursos naturais e preservação da fauna e flora, a possibilidade de considerar múltiplas escalas é de fundamental importância para entender o ambiente e a heterogeneidade ambiental, mitigando, assim, problemas evidenciados bem como traçar estratégias futuras de uma determinada unidade territorial geográfica, tais como uma microbacia, unidade de conservação ou ainda uma zona territorial de forma horizontal. (Metzger, 2001) Diante disso, o objetivo do presente trabalho é o de fornecer um referencial teórico sobre a importância da ecologia da paisagem como considerando o ambiente como a totalidade e como agente modulador das dinâmicas, processos, interações, processos biológicos e abióticos. O enfoque é na heterogeneidade agregando uma análise integradora, de forma que é uma ecologia espacialmente explicita. Adotou-se a metodologia qualitativa descritiva de levantamento, análise e discussão de referencial bibliográfico contemporâneo sobre a temática proposta. 2. CONTEÚDO A ecologia da paisagem é uma ciência, ou uma atividade humana da qual treina observar o ambiente em sua totalidade, ela já nasceu interdisciplinar e
  • 5. transdisciplinar, um ecólogo da paisagem é atraído pelas relações entre o homem e o ambiente, trazendo no seu arcabouço a perspectiva de construção de uma nova ciência. A visão integradora das relações espaciais já fazia parte da forma de interpretação da natureza, podendo-se destacar, como exemplo, o médico e geógrafo Alexander Von Humboldt (1769-1859), que descrevendo formalmente as relações entre clima, latitude e altitude, chega, em 1805, ao conceito de geobotânica cujo objeto era o estudo das relações das plantas com o ambiente, o que sugere uma visão mais integradora da natureza. A definição mais simples para paisagem é aquela encontrada no dicionário Aurélio (Ferreira, 1986) A chave da ecologia da paisagem é uma visão espacial da ecologia na sua análise e agrega uma horizontalidade na interpretação dos processos ecológicos, considerando uma nova abordagem, ou seja, dando uma ênfase para a paisagem considerando toda a heterogeneidade da paisagem. Neste sentido, a ecologia da paisagem enriquece as análises ecológicas, e ela entende que a estrutura da paisagem modula as interações e relações ecológicas e ambientais (Metzger, 2001). 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS A EA deve enfocar a relação entre o ser humano, a natureza e o universo de forma multi e interdisciplinar, ajudando a desenvolver uma consciência ética sobre todas as formas de vida com as quais compartilhamos neste planeta. E utilizar como estratégia a construção de trilhas interpretativas pode ser uma alternativa de sensibilizar as pessoas para as questões ambientais e o conhecimento mais amplo da natureza que nos envolve. 4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AB’SABER, A. N. Amazônia: do discurso à práxis. São Paulo: EDUSP, 1996.
  • 6. DIAS, G. F. Elementos para capacitação em educação ambiental. Ilhéus: Editus, 1999. DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 2004. DÍAZ, A. P. Educação ambiental como projeto. Porto Alegre: Artmed, 2002. GUILLAUMON, J. R. Análise de trilhas de interpretação. Instituto Florestal (Bol. Técnico 25), São Paulo, 57 p., 1977. GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. Campinas, SP: Papirus, 1995 (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico). MINIMI, N. A formação dos professores em educação ambiental. Oficina panorama da educação ambiental. Brasília: MEC-SEF-DPEF- Coordenação de Educação Ambiental, 2000. MOTA, I. M. Educação ambiental aplicada ao uso de trilhas interpretativas como recurso pedagógico. Lavras: UFLA, 2007. 47p. (Monografia de pós graduação Lato Sensu). RUSCHEINSKY, A. Educação ambiental: abordagens múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 2002. SALVATI, S. S. Trilhas: conceitos, técnicas de implantação e impactos. Disponível em: <http://ecosfera.sites.uol.com.br/trilhas.htm> Acesso em 15 maio/2007.
  • 7. DIAS, G. F. Elementos para capacitação em educação ambiental. Ilhéus: Editus, 1999. DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 2004. DÍAZ, A. P. Educação ambiental como projeto. Porto Alegre: Artmed, 2002. GUILLAUMON, J. R. Análise de trilhas de interpretação. Instituto Florestal (Bol. Técnico 25), São Paulo, 57 p., 1977. GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. Campinas, SP: Papirus, 1995 (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico). MINIMI, N. A formação dos professores em educação ambiental. Oficina panorama da educação ambiental. Brasília: MEC-SEF-DPEF- Coordenação de Educação Ambiental, 2000. MOTA, I. M. Educação ambiental aplicada ao uso de trilhas interpretativas como recurso pedagógico. Lavras: UFLA, 2007. 47p. (Monografia de pós graduação Lato Sensu). RUSCHEINSKY, A. Educação ambiental: abordagens múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 2002. SALVATI, S. S. Trilhas: conceitos, técnicas de implantação e impactos. Disponível em: <http://ecosfera.sites.uol.com.br/trilhas.htm> Acesso em 15 maio/2007.