Anderson Trampusch
 A guerra de Ifni tratou-se de uma série de incursões
armadas ao Saara Ocidental por insurgentes Marroquinos e
rebeldes S...
Causas
 A cidade de Sidi Ifni foi incorporada no Império Colonial Espanhol
em 1860. As seguintes décadas de colaboração F...
O rebentar da guerra
 A 10 de Abril surgem violentas demonstrações contra o domínio
estrangeiro em Ifni, seguidas por con...
O assalto a Ifni
 A 21 de Novembro, os serviços secretos espanhóis em Ifni
informaram que ataques marroquinos perto de Ta...
Tiluin
 Em Tiluin, 60 atiradores num conjunto composto por membros do
exercito e milícias locais, esforçaram-se para repe...
Telata
 A libertação de Teleta deu-se com menos sucesso. Em 24 de
Novembro saiu de Sidi Ifni uma companhia de paraquedist...
O cerco a Sidi Ifni
 Os ataques marroquinos iniciais foram bastante frutíferos. No
espaço de duas semanas os marroquinos ...
 Com recursos trazidos pela Marinha Espanhola e
quilómetros de trincheiras e postos, Sidi Ifni com
cerca de 7.500 soldado...
A reconquista do Saara espanhol
 Em Janeiro de 1958, Marrocos redobrou o seu empenho para com
a campanha espanhola, reorg...
 Em Fevereiro, companhias Franco-Espanholas lançaram uma grande
ofensiva que desmantelou com sucesso o Exército de Libert...
Consequências
 A 2 de Abril os governos de Espanha e Marrocos assinaram
o Tratado de Angra de Cintra. Marrocos obteve a r...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Guerra de ifni

101 visualizações

Publicada em

resumo da guerra de ifni que aconteceu na afica

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
101
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guerra de ifni

  1. 1. Anderson Trampusch
  2. 2.  A guerra de Ifni tratou-se de uma série de incursões armadas ao Saara Ocidental por insurgentes Marroquinos e rebeldes Sahrawi iniciada em Outubro de 1957 e que culminou no cerco à cidade de Sidi Ifni. A guerra, que pode ser vista como uma parte do movimento geral de descolonização que percorreu a África na segunda metade do século XX, foi levada a cabo numa fase inicial por elementos do Exército de Libertação de Marrocos que dedicaram uma considerável parte dos seus recursos à captura das possessões espanholas.
  3. 3. Causas  A cidade de Sidi Ifni foi incorporada no Império Colonial Espanhol em 1860. As seguintes décadas de colaboração Franco-Espanhola resultaram na criação e expansão de protetorados espanhóis a sul da cidade e a influência espanhola obteve reconhecimento internacional na Conferencia de Berlim de 1884. Em 1946, as várias colónias na região foram consolidadas com a formação da África Ocidental Espanhola. Imediatamente após ter obtido a sua independência de França em 1956, Marrocos revelou interesse nas possessões espanholas, declarando que eram historicamente e geograficamente parte do território marroquino. O Sultão marroquino Mohammed V encorajou os esforços para retomar a terra e financiou pessoalmente conspiradores contra Espanha em Ifni.
  4. 4. O rebentar da guerra  A 10 de Abril surgem violentas demonstrações contra o domínio estrangeiro em Ifni, seguidas por conflitos civis e uma onda de assassinatos a leais a Espanha. Em retaliação, o Generalíssimo Franco enviou dois batalhões da Legião Espanhola em Junho. A mobilização militar espanhola acabou por fazer convergir o exército marroquino perto de Ifni. A 23 de Outubro, duas aldeias, foram ocupadas por 1.500 soldados marroquinos. Outros dois batalhões espanhóis chegaram ao Saara espanhol ainda antes das hostilidades terem começado.
  5. 5. O assalto a Ifni  A 21 de Novembro, os serviços secretos espanhóis em Ifni informaram que ataques marroquinos perto de Tafraut estavam iminentes. Dois dias mais tarde as linhas de comunicação espanholas foram cortadas e uma força de 2.000 homens tomam de assalto quartéis espanhóis e armazéns em Ifni e nas redondezas. Embora a investida marroquina em Sidi Ifni tenha sido repelida com facilidade, dois postos espanhóis nas redondezas foram abandonados face aos ataques e muitos outros mantiveram- se sob cerco apertado.
  6. 6. Tiluin  Em Tiluin, 60 atiradores num conjunto composto por membros do exercito e milícias locais, esforçaram-se para repelir uma força de centenas de marroquinos. A 25 de Novembro um esquadrão de cinco bombardeiros, bombardearam posições inimigas, enquanto outros cinco aviões de carga deixaram 75 paraquedistas no posto. A 3 de Dezembro, soldados do 6º batalhão da Legião espanhola chegaram e puseram termo ao cerco, retomando o aeródromo. Todo o pessoal militar e civil foi então evacuado para Sidi Ifni.
  7. 7. Telata  A libertação de Teleta deu-se com menos sucesso. Em 24 de Novembro saiu de Sidi Ifni uma companhia de paraquedistas da Legião Espanhola a bordo de camiões. O terreno acidentado e as frequentes emboscadas marroquinas forçaram os espanhóis para fora da estrada e causaram vários feridos. Dois dias após a partida a companhia ficou sem comida. Com poucas munições, os espanhóis continuaram a marcha sendo alvos de repetidos ataques. Foram lançadas várias rações por aviões mas o número de mortos continuou a subir, entre eles o Capitão. A 2 de Dezembro uma coluna de infantaria irrompeu as linhas marroquinas e repeliu o cerco.
  8. 8. O cerco a Sidi Ifni  Os ataques marroquinos iniciais foram bastante frutíferos. No espaço de duas semanas os marroquinos e aliados tribais tinham garantido já o controle de grande parte de Ifni, isolando a infantaria espanhola da capital. Ataques simultâneos lançados por todo o Saara espanhol permitiram aos marroquinos capturar postos e emboscar patrulhas. Na esperança de criar revoltas em Sidi Ifni as forças marroquinas, agora reforçadas, iniciaram o cerco à cidade. No entanto este esforço foi em vão, pois as defesas espanholas estavam além das estimativas marroquinas.
  9. 9.  Com recursos trazidos pela Marinha Espanhola e quilómetros de trincheiras e postos, Sidi Ifni com cerca de 7.500 soldados provou ser impugnável. O cerco, que durou até Junho de 1958, foi monótono e deu-se praticamente sem derrame de sangue, pois tanto Espanha como Marrocos tinham concentrados os seus recursos em terras do Saara.
  10. 10. A reconquista do Saara espanhol  Em Janeiro de 1958, Marrocos redobrou o seu empenho para com a campanha espanhola, reorganizando todas as unidades militares no território espanhol como. Os espanhóis foram atacados mas venceram e forçaram os marroquinos a concentrar os esforços a sudeste. No entanto, pequenos grupos de homens com espingardas escondidos em dunas perto de postos espanhóis atacavam batalhões que passavam despercebidos.
  11. 11.  Em Fevereiro, companhias Franco-Espanholas lançaram uma grande ofensiva que desmantelou com sucesso o Exército de Libertação de Marrocos. Pela primeira vez, um poder massivo aéreo europeu foi posto em ação quando França e Espanha fizeram decolar uma frota conjunta de 150 aviões. Os fortes montanhosos em Tan-Tan foram os primeiros a cair, bombardeados pelo ar e sofrendo ataques por terra. O exército espanhol, em conjunto com as forças francesas lançaram um ataque final sobre os marroquinos a 21 de Fevereiro, destruindo as concentrações do Exército de Libertação de Marrocos.
  12. 12. Consequências  A 2 de Abril os governos de Espanha e Marrocos assinaram o Tratado de Angra de Cintra. Marrocos obteve a região de Tarfaya. Espanha manteve o domínio sobre Ifni até 1969, quando sob pressão internacional, o território foi cedido a Marrocos. Só em 1975 o Saara Ocidental teve o mesmo destino. Marrocos renunciou a parte de Tinduf na zona de França, e a Mauritânia

×