SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Enfª Nair Mara
 você resolve palpar o próprio seio e sente que tem alguma coisa diferente ali
Nódulos nas Mamas
Qual seria sua primeira reação?
 Medo?
 Pavor?
 Desespero?
Ai, meu Deus, será que estou com um câncer?
... de acordo com o Ministério da Saúde, o câncer de mama é o que mais
causa a morte das mulheres, principalmente acima dos 40 anos.
EFEITOS PSICOLÓGICOS
afetando a auto-estima e até mesmo a sexualidade da
mulher
Felizmente, a grande maioria dos nódulos de mama
não são do mal
O primeiro passo é aprender a tocar o próprio seio
Mas você sabe como identificá-los?
E se o nódulo realmente existir?
‘conheça suas características’
* Localização *
* consistência (sólido ou cístico) *
* Contornos *
* tamanho *
* e se necessário for, estudar suas células através da
biópsia para saber se é um câncer ou não *
Trata-se de um grupo de doenças da mama que não tem nenhuma relação com o cancro mas
que muitas vezes podem-se apresentar com sintomatologia semelhante ao do cancro. São
doenças facilmente tratáveis e mesmo se não forem completamente resolvidas, podem ser
controladas. È importante o aconselhamento médico para a sua avaliação.
Patologias Benignas
Infecções e abcessos
são infecções provocadas por microrganismos chamados bactérias e são mais
frequentes durante a amamentação.
A mastite (infecção da mama)
É o acúmulo de leite sem a ordenha
Diagnóstico
Mamas quentes, febre, dor, a palpação
pode sair pus.
Conduta
Estimular a amamentação
Tratamento
 Compressas úmidas mornas até sentir alívio (5 a 10 min.)
 amamente até esvaziar a mama doente: Massagear delicadamente as áreas
doentes enquanto estiver amamentando.
 usar sutiã que sustente bem a base da mama mas que não aperte a mama
Atenção
Na mulher não lactante a mastite pode ter origem à ectasia ductal que habitualmente
se desenvolve em mulheres fumadoras e as vezes recidiva passando a sua forma de
doença crônica criando as chamadas fístulas periareolares com saída de pus. A sua
sintomatologia e tratamento são semelhantes à mastite da lactante. As formas crónicas
têm indicação cirúrgica.
 Presente em quase todas as mamas;
Fibroadenose
 Tecido mamário normal “preso” entre tecido conectivo;
 Provoca desconforto;
 tratamento hormonal.
Fibroadenomas
 Excessivo desenvolvimento dos lóbulos
 Nódulos indolores
Doença Fibroquística
 Nódulos dolorosos;
 Tratamento hormonal.
 Dilatação dos ductos por influência
hormonal;
Papiloma Intraductal
 Corrimento mamilar;
 Tratamento cirúrgico.
 Renovação excessiva das camadas epiteliais;
Cistos
 São nódulos de conteúdo líquido, podem ter vários tamanhos e podem ser dolorosos.
 Ocorrem geralmente em mulheres de
40 a 50 anos.
Sintomas
 São assintomáticos
 Raramente tem dor
Tratamento
 Maioria não necessita de nenhum tratamento;
 Em alguns casos necessita a sua excisão cirúrgica ou seu esvaziamento.
Diagnóstico
 Ultrasonografia
Câncer de Mama
1 em cada 8 mulheres desenvolvem câncer de mama
O câncer de mama é uma doença tratável
O diagnóstico precoce á a chave para cura
Sinais do câncer e mama
 Nódulos;
 Alteração na pele;
 Linfonodos palpáveis
 Secreção  Veias salientes
Diagnóstico
É uma doença com localização e aspectos clínicos-patológicos;
O diagnóstico precoce é feito com exames clínicos e mamografia
Assintomática;
Agilidade no diagnóstico;
Hereditariedade;
Menstruação precoce ou menopausa tardia;
Gestão após os 30 anos;
CANCER DE MAMA EM HOMENS
* Geralmente este tipo de câncer acomete o homem de idade
mais avançada.
sendo mais freqüente na faixa etária de 50 e 60 anos, e
representa apenas 0.6% de todos os outros tipos de câncer que
atingem o homem.
* Quanto antes for diagnosticado, melhor o prognóstico. Como na
mulher, os índices de cura para o diagnóstico precoce são de 80% a
90%. Se descoberto tardiamente, o índice cai brutalmente: de 10%
a 20% dos casos.
* A estimativa do Instituto Nacional do
Câncer, órgão ligado ao Ministério da
Saúde, é de que surjam cerca de 250 casos
novos em todo Brasil, a cada ano.
Os sintomas do câncer de mama masculino são:
* aparecimento de nódulo na região da auréola (bico
do peito).
* secreções no mamilo.
* retração do mamilo.
* alterações no volume da mama e
* ulceração do mamilo.
CÂNCER DE MAMA EM HOMENS
"Um mundo visual que poucos viram onde há graça, coragem,
dor e feminilidade. Todos os caminhos cruzados a expor um lado
profundamente comovente da humanidade."
Milhares de mulheres são diagnosticadas com câncer de mama
todos os anos
doença é a principal causa de morte entre mulheres de 15 a 40
anos
Muitas campanhas de conscientização sobre o problema e métodos de
prevenção (necessidade do exame de mama) são feitas ao redor do mundo
Estudiosos do assunto afirmam que, apesar de toda informação sobre a
importância da realização do auto-exame, divulgada principalmente nos meios de
comunicação e pelos programas de assistência à saúde da mulher, as mulheres
não têm sido estimuladas o bastante para realizarem o auto-exame
alguns estudos em psicologia demonstram que mulheres com maior nível de
renda e nível de instrução são as que mais aderem e possuem conhecimento
sobre o auto-exame das mamas
‘E hoje vejo que, se tivesse mais informação, a minha realidade
seria outra, eu teria buscado ajuda logo no início (Júlia).’
‘Neste momento, eu fiquei muito revoltada, foi muito difícil, chorei muito...’
(Júlia). (reação ao resultado do diagnóstico)
‘Então, a primeira reação é essa, você fica até um pouco revoltada. E passa todo um questionamento de como foi
a sua vida. Por que está acontecendo isso? Por que eu não fiz isso? Por que eu não fiz aquilo? Entendeu? Parece
que você está marcado para morrer, bem antes do que você imaginava.’ (Ana).
Sou outra mais revoltada, minha maneira de ser não é mais como antes, eu me
irrito à toa. Essa cirurgia abalou a minha estrutura emocional, até hoje me sinto
nervosa, tensa, irritada, não sou mais como antes. Cobro a mim mesma, não gosto
de ficar dentro de casa, gosto de lidar com o público (Júlia).
‘Vai botar uma roupa e fica um buraco aqui; não pode usar uma blusa decotada.
Mandei fazer uma blusa tipo camiseta de ginástica, botava sutiã, ia para a praia,
mas péssima! Fui à praia, tudo isso empurrada pelos outros, porque, no fundo, eu
não queria.’ (Elza).
Você não tira o sutiã perto de ninguém, você não troca de roupa
perto de ninguém, mesmo estando tudo bonitinho, você acha
que alguém vai perceber (Vera).
Aí, eu falava, olha: eu fiz uma cirurgia, tem uma cicatriz e não quero ficar mostrando. Então, eu
vou transar de sutiã, e eles não se incomodam, eles não estão nem aí para o tal do seio, eles
pegam normalmente. (...) Não é agradável transar de sutiã, mas aí eu produzia o sutiã, comprava
uma lingerie bem bonita e tal! E não me impede de, sabe, assim (...) não tem problema nenhum,
além do que o outro seio é normal. Se ele quiser beijar e tal, tem o outro seio, entendeu?
Mantenho dentro do sutiã, separo um pouquinho e fico numa boa. Graças a Deus! (Lúcia).
Você tem medo de olhar no espelho, a imagem te assusta mesmo, você está
deficiente (Vera).
Tem um peito, o outro não tem. Não dá para você olhar no espelho,
entendeu? Tomava banho sem ficar me olhando muito porque eu estava sem
peito, eu não me olhava muito (Elza).
Mas, sei lá! Até agora não pintou, não! Eu não tenho um marido, não tenho
nada. Eu acho que se eu tivesse que ficar despida perto de um homem...
(Maria).
Quando eu estava na época da quimioterapia, quando cai o cabelo, é
horrível! Fui para a frente do espelho e passei a tesoura. O cabelo faz muita
coisa (Maria).
Seus valores mudam completamente, não é pouco não, muda muito. Você
nasce de novo, é a palavra mais certa. Só passando pelo processo para
saber. E essa mudança talvez seria o medo da morte (Vera).
Não para o meu marido, mas para mim ficava ruim, eu já ficava de camisetinha, por exemplo;
quando eu estava de baby dool ou camisola, eu não tirava a parte de cima. Ele tocava no seio
normal porque aqui não tinha nada para ele tocar, era liso (...) Ele via isso como uma coisa
normal, para ele não mudou nada, entendeu? Para ele, não fez diferença, poderia retirar os dois
também que, para ele, não fazia diferença nenhuma (Elza).
‘Então, quando você imagina... fica
sabendo da notícia, você imagina vou
morrer daqui a dois meses. O alívio é
tão grande que ao saber que você não
vai morrer, que o resto é bobagem,
você passa a ter um outro estilo de
vida, tudo na sua vida é outra coisa,
tudo, tudo. Além de ajudar outras
pessoas que passam pela mesma
situação, tenho que aprender alguma
coisa com isso, mudando o meu jeito de
pensar, mudando o meu jeito de agir,
tudo entendeu?’ (Lúcia)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Outubro rosa
Outubro rosaOutubro rosa
Outubro rosa
 
eBook - Câncer de mama
eBook - Câncer de mamaeBook - Câncer de mama
eBook - Câncer de mama
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Outubro Rosa.pptx
Outubro Rosa.pptxOutubro Rosa.pptx
Outubro Rosa.pptx
 
Cancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero prontoCancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero pronto
 
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
 
ApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De Mama
ApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De MamaApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De Mama
ApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De Mama
 
Slides cancer de mama
Slides cancer de mamaSlides cancer de mama
Slides cancer de mama
 
Outubro Rosa - Prevenção
Outubro Rosa - PrevençãoOutubro Rosa - Prevenção
Outubro Rosa - Prevenção
 
Cancer de mama
Cancer de mamaCancer de mama
Cancer de mama
 
Cancer de Mama
Cancer de MamaCancer de Mama
Cancer de Mama
 
Tudo sobre a Saúde da Mama
Tudo sobre a Saúde da MamaTudo sobre a Saúde da Mama
Tudo sobre a Saúde da Mama
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
 
Outubro Rosa
Outubro RosaOutubro Rosa
Outubro Rosa
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Câncer de mama- Outubro Rosa
 Câncer de mama- Outubro Rosa Câncer de mama- Outubro Rosa
Câncer de mama- Outubro Rosa
 
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018
 
Cancer de mama 2012
Cancer de mama 2012 Cancer de mama 2012
Cancer de mama 2012
 
Câncer de Mama e de Útero
Câncer de Mama e de ÚteroCâncer de Mama e de Útero
Câncer de Mama e de Útero
 
Prevenção de câncer de colo do útero
Prevenção de câncer de colo do úteroPrevenção de câncer de colo do útero
Prevenção de câncer de colo do útero
 

Destaque

IV Cc Secretarias - Prevencao De Cancer
IV Cc Secretarias - Prevencao De CancerIV Cc Secretarias - Prevencao De Cancer
IV Cc Secretarias - Prevencao De CancerGustavo Oliveira
 
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaOutubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaCarlos Lima
 
Câncer de mama - Palestra para comunidade
Câncer de mama -  Palestra para comunidadeCâncer de mama -  Palestra para comunidade
Câncer de mama - Palestra para comunidadeMaylu Souza
 
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.Harriane Rangel
 
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012Graciela Luongo
 
Câncer Útero / Próstata / Mama
Câncer Útero / Próstata / MamaCâncer Útero / Próstata / Mama
Câncer Útero / Próstata / MamaAndressa Macena
 
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do ÚteroTudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do ÚteroOncoguia
 

Destaque (15)

IV Cc Secretarias - Prevencao De Cancer
IV Cc Secretarias - Prevencao De CancerIV Cc Secretarias - Prevencao De Cancer
IV Cc Secretarias - Prevencao De Cancer
 
Cancer de mama
Cancer de mamaCancer de mama
Cancer de mama
 
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaOutubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de Mama
 
Câncer de mama - Palestra para comunidade
Câncer de mama -  Palestra para comunidadeCâncer de mama -  Palestra para comunidade
Câncer de mama - Palestra para comunidade
 
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012
 
Câncer Útero / Próstata / Mama
Câncer Útero / Próstata / MamaCâncer Útero / Próstata / Mama
Câncer Útero / Próstata / Mama
 
Cancer De Mama
Cancer De MamaCancer De Mama
Cancer De Mama
 
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do ÚteroTudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
 
Slide on social media
Slide on social mediaSlide on social media
Slide on social media
 
Vol67No18
Vol67No18Vol67No18
Vol67No18
 
Design Thinking
Design Thinking Design Thinking
Design Thinking
 
Unidad 7 shileshare
Unidad 7 shileshareUnidad 7 shileshare
Unidad 7 shileshare
 
png2pdf
png2pdfpng2pdf
png2pdf
 

Semelhante a Cancer de mama

Cancer de mama completo
Cancer de mama completoCancer de mama completo
Cancer de mama completoBarbaraqsms
 
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02Jaqueline Freire
 
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02Jaqueline Freire
 
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014Farmacêutico Digital
 
Urologista Miguel Srougi
Urologista Miguel SrougiUrologista Miguel Srougi
Urologista Miguel SrougiGuy Valerio
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3saudefieb
 
OUTUBRO ROSA.pptx
OUTUBRO ROSA.pptxOUTUBRO ROSA.pptx
OUTUBRO ROSA.pptxBackupPC1
 
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoCartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoFarmacêutico Digital
 
Saudedamulher 120428080212-phpapp01
Saudedamulher 120428080212-phpapp01Saudedamulher 120428080212-phpapp01
Saudedamulher 120428080212-phpapp01Cms Nunes
 
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"Marcia Oliveira
 
As dúvidas sobre sexualidade que mais permeiam a vida dos adolescentes.
As dúvidas sobre sexualidade que mais permeiam a vida dos adolescentes.   As dúvidas sobre sexualidade que mais permeiam a vida dos adolescentes.
As dúvidas sobre sexualidade que mais permeiam a vida dos adolescentes. Daniela Moreira Ramos
 
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde femininaSaúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde femininaAnderson Silva
 

Semelhante a Cancer de mama (20)

I006361
I006361I006361
I006361
 
Cancer de mama completo
Cancer de mama completoCancer de mama completo
Cancer de mama completo
 
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
 
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
Manualdeorientaoasadedamulher 120613120854-phpapp02
 
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
Folder salvar-vidas-cancer-mama-2014
 
Urologista Miguel Srougi
Urologista Miguel SrougiUrologista Miguel Srougi
Urologista Miguel Srougi
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
Revisão bloco 3
Revisão bloco 3Revisão bloco 3
Revisão bloco 3
 
OUTUBRO ROSA.pptx
OUTUBRO ROSA.pptxOUTUBRO ROSA.pptx
OUTUBRO ROSA.pptx
 
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoCartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
 
Saudedamulher 120428080212-phpapp01
Saudedamulher 120428080212-phpapp01Saudedamulher 120428080212-phpapp01
Saudedamulher 120428080212-phpapp01
 
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
 
Palestra
PalestraPalestra
Palestra
 
As dúvidas sobre sexualidade que mais permeiam a vida dos adolescentes.
As dúvidas sobre sexualidade que mais permeiam a vida dos adolescentes.   As dúvidas sobre sexualidade que mais permeiam a vida dos adolescentes.
As dúvidas sobre sexualidade que mais permeiam a vida dos adolescentes.
 
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde femininaSaúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
 

Último

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 

Último (20)

XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 

Cancer de mama

  • 2.  você resolve palpar o próprio seio e sente que tem alguma coisa diferente ali Nódulos nas Mamas Qual seria sua primeira reação?  Medo?  Pavor?  Desespero? Ai, meu Deus, será que estou com um câncer?
  • 3. ... de acordo com o Ministério da Saúde, o câncer de mama é o que mais causa a morte das mulheres, principalmente acima dos 40 anos. EFEITOS PSICOLÓGICOS afetando a auto-estima e até mesmo a sexualidade da mulher Felizmente, a grande maioria dos nódulos de mama não são do mal
  • 4. O primeiro passo é aprender a tocar o próprio seio Mas você sabe como identificá-los?
  • 5. E se o nódulo realmente existir? ‘conheça suas características’ * Localização * * consistência (sólido ou cístico) * * Contornos * * tamanho * * e se necessário for, estudar suas células através da biópsia para saber se é um câncer ou não *
  • 6. Trata-se de um grupo de doenças da mama que não tem nenhuma relação com o cancro mas que muitas vezes podem-se apresentar com sintomatologia semelhante ao do cancro. São doenças facilmente tratáveis e mesmo se não forem completamente resolvidas, podem ser controladas. È importante o aconselhamento médico para a sua avaliação. Patologias Benignas Infecções e abcessos são infecções provocadas por microrganismos chamados bactérias e são mais frequentes durante a amamentação. A mastite (infecção da mama) É o acúmulo de leite sem a ordenha
  • 7. Diagnóstico Mamas quentes, febre, dor, a palpação pode sair pus. Conduta Estimular a amamentação Tratamento  Compressas úmidas mornas até sentir alívio (5 a 10 min.)  amamente até esvaziar a mama doente: Massagear delicadamente as áreas doentes enquanto estiver amamentando.  usar sutiã que sustente bem a base da mama mas que não aperte a mama Atenção Na mulher não lactante a mastite pode ter origem à ectasia ductal que habitualmente se desenvolve em mulheres fumadoras e as vezes recidiva passando a sua forma de doença crônica criando as chamadas fístulas periareolares com saída de pus. A sua sintomatologia e tratamento são semelhantes à mastite da lactante. As formas crónicas têm indicação cirúrgica.
  • 8.  Presente em quase todas as mamas; Fibroadenose  Tecido mamário normal “preso” entre tecido conectivo;  Provoca desconforto;  tratamento hormonal. Fibroadenomas  Excessivo desenvolvimento dos lóbulos  Nódulos indolores
  • 9. Doença Fibroquística  Nódulos dolorosos;  Tratamento hormonal.  Dilatação dos ductos por influência hormonal; Papiloma Intraductal  Corrimento mamilar;  Tratamento cirúrgico.  Renovação excessiva das camadas epiteliais;
  • 10. Cistos  São nódulos de conteúdo líquido, podem ter vários tamanhos e podem ser dolorosos.  Ocorrem geralmente em mulheres de 40 a 50 anos. Sintomas  São assintomáticos  Raramente tem dor Tratamento  Maioria não necessita de nenhum tratamento;  Em alguns casos necessita a sua excisão cirúrgica ou seu esvaziamento. Diagnóstico  Ultrasonografia
  • 11. Câncer de Mama 1 em cada 8 mulheres desenvolvem câncer de mama O câncer de mama é uma doença tratável O diagnóstico precoce á a chave para cura Sinais do câncer e mama  Nódulos;  Alteração na pele;  Linfonodos palpáveis  Secreção  Veias salientes
  • 12. Diagnóstico É uma doença com localização e aspectos clínicos-patológicos; O diagnóstico precoce é feito com exames clínicos e mamografia Assintomática; Agilidade no diagnóstico; Hereditariedade; Menstruação precoce ou menopausa tardia; Gestão após os 30 anos;
  • 13. CANCER DE MAMA EM HOMENS
  • 14. * Geralmente este tipo de câncer acomete o homem de idade mais avançada. sendo mais freqüente na faixa etária de 50 e 60 anos, e representa apenas 0.6% de todos os outros tipos de câncer que atingem o homem.
  • 15. * Quanto antes for diagnosticado, melhor o prognóstico. Como na mulher, os índices de cura para o diagnóstico precoce são de 80% a 90%. Se descoberto tardiamente, o índice cai brutalmente: de 10% a 20% dos casos. * A estimativa do Instituto Nacional do Câncer, órgão ligado ao Ministério da Saúde, é de que surjam cerca de 250 casos novos em todo Brasil, a cada ano.
  • 16. Os sintomas do câncer de mama masculino são: * aparecimento de nódulo na região da auréola (bico do peito). * secreções no mamilo. * retração do mamilo. * alterações no volume da mama e * ulceração do mamilo.
  • 17. CÂNCER DE MAMA EM HOMENS
  • 18.
  • 19. "Um mundo visual que poucos viram onde há graça, coragem, dor e feminilidade. Todos os caminhos cruzados a expor um lado profundamente comovente da humanidade."
  • 20. Milhares de mulheres são diagnosticadas com câncer de mama todos os anos
  • 21. doença é a principal causa de morte entre mulheres de 15 a 40 anos
  • 22. Muitas campanhas de conscientização sobre o problema e métodos de prevenção (necessidade do exame de mama) são feitas ao redor do mundo
  • 23. Estudiosos do assunto afirmam que, apesar de toda informação sobre a importância da realização do auto-exame, divulgada principalmente nos meios de comunicação e pelos programas de assistência à saúde da mulher, as mulheres não têm sido estimuladas o bastante para realizarem o auto-exame
  • 24. alguns estudos em psicologia demonstram que mulheres com maior nível de renda e nível de instrução são as que mais aderem e possuem conhecimento sobre o auto-exame das mamas
  • 25. ‘E hoje vejo que, se tivesse mais informação, a minha realidade seria outra, eu teria buscado ajuda logo no início (Júlia).’ ‘Neste momento, eu fiquei muito revoltada, foi muito difícil, chorei muito...’ (Júlia). (reação ao resultado do diagnóstico)
  • 26. ‘Então, a primeira reação é essa, você fica até um pouco revoltada. E passa todo um questionamento de como foi a sua vida. Por que está acontecendo isso? Por que eu não fiz isso? Por que eu não fiz aquilo? Entendeu? Parece que você está marcado para morrer, bem antes do que você imaginava.’ (Ana).
  • 27. Sou outra mais revoltada, minha maneira de ser não é mais como antes, eu me irrito à toa. Essa cirurgia abalou a minha estrutura emocional, até hoje me sinto nervosa, tensa, irritada, não sou mais como antes. Cobro a mim mesma, não gosto de ficar dentro de casa, gosto de lidar com o público (Júlia).
  • 28. ‘Vai botar uma roupa e fica um buraco aqui; não pode usar uma blusa decotada. Mandei fazer uma blusa tipo camiseta de ginástica, botava sutiã, ia para a praia, mas péssima! Fui à praia, tudo isso empurrada pelos outros, porque, no fundo, eu não queria.’ (Elza).
  • 29. Você não tira o sutiã perto de ninguém, você não troca de roupa perto de ninguém, mesmo estando tudo bonitinho, você acha que alguém vai perceber (Vera).
  • 30. Aí, eu falava, olha: eu fiz uma cirurgia, tem uma cicatriz e não quero ficar mostrando. Então, eu vou transar de sutiã, e eles não se incomodam, eles não estão nem aí para o tal do seio, eles pegam normalmente. (...) Não é agradável transar de sutiã, mas aí eu produzia o sutiã, comprava uma lingerie bem bonita e tal! E não me impede de, sabe, assim (...) não tem problema nenhum, além do que o outro seio é normal. Se ele quiser beijar e tal, tem o outro seio, entendeu? Mantenho dentro do sutiã, separo um pouquinho e fico numa boa. Graças a Deus! (Lúcia).
  • 31. Você tem medo de olhar no espelho, a imagem te assusta mesmo, você está deficiente (Vera).
  • 32. Tem um peito, o outro não tem. Não dá para você olhar no espelho, entendeu? Tomava banho sem ficar me olhando muito porque eu estava sem peito, eu não me olhava muito (Elza).
  • 33. Mas, sei lá! Até agora não pintou, não! Eu não tenho um marido, não tenho nada. Eu acho que se eu tivesse que ficar despida perto de um homem... (Maria).
  • 34. Quando eu estava na época da quimioterapia, quando cai o cabelo, é horrível! Fui para a frente do espelho e passei a tesoura. O cabelo faz muita coisa (Maria).
  • 35. Seus valores mudam completamente, não é pouco não, muda muito. Você nasce de novo, é a palavra mais certa. Só passando pelo processo para saber. E essa mudança talvez seria o medo da morte (Vera).
  • 36. Não para o meu marido, mas para mim ficava ruim, eu já ficava de camisetinha, por exemplo; quando eu estava de baby dool ou camisola, eu não tirava a parte de cima. Ele tocava no seio normal porque aqui não tinha nada para ele tocar, era liso (...) Ele via isso como uma coisa normal, para ele não mudou nada, entendeu? Para ele, não fez diferença, poderia retirar os dois também que, para ele, não fazia diferença nenhuma (Elza).
  • 37. ‘Então, quando você imagina... fica sabendo da notícia, você imagina vou morrer daqui a dois meses. O alívio é tão grande que ao saber que você não vai morrer, que o resto é bobagem, você passa a ter um outro estilo de vida, tudo na sua vida é outra coisa, tudo, tudo. Além de ajudar outras pessoas que passam pela mesma situação, tenho que aprender alguma coisa com isso, mudando o meu jeito de pensar, mudando o meu jeito de agir, tudo entendeu?’ (Lúcia)

Notas do Editor

  1. 2
  2. 3
  3. 4
  4. 5
  5. 6
  6. 7
  7. 8
  8. 9
  9. 10
  10. 11
  11. 12
  12. 19
  13. 20
  14. 21
  15. 22
  16. 23
  17. 24
  18. 25
  19. 26
  20. 27
  21. 28
  22. 29
  23. 30
  24. 31
  25. 32
  26. 33
  27. 34
  28. 35
  29. 36
  30. 37