SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
Sociedade das Ciências Antigas
A Alquimia da Prece
Por
Robert Ambelain
Na Maçonaria, o sentido do divino exprime-se principalmente pela seriedade com que o Maçom
segue e observa os ritos, cerimônias sacralizadoras, etc. Mas também, fora de sua loja, por sua
própria atividade espiritual.
Quer vivencie ele uma religião exotérica de sua escolha: judaísmo, cristianismo. islamismo, etc..
quer se limite a uma simples filosofia religiosa extraída de suas leituras, em suma, quer seja
banalmente deísta, ele nunca poderá furtar-se duma inevitável prática, se quiser realmente
permanecer em determinado plano. Essa prática, exprime-a uma palavra extremamente banalizada:
"prece", cujo equivalente latino, precarius. significa igualmente "obter".
Ora, a prece, como o sentido do sagrado que ela exprime, é, por todas as evidências, um fenômeno
espiritual. E, conforme observou judiciosamente o doutor Carrel, num pequeno opúsculo sobre o
assunto, o mando espiritual encontra-se fora do alcance de nossas técnicas experimentais modernas,
Como, pois, adquirir um conhecimento positivo da prece? O domínio científico compreende,
felizmente, a totalidade do observável. E esse domínio pode, por intermédio da fisiologia, estender-
se às manifestações do espiritual, pois, pela observação sistemática do homo oratoris que
aprendemos em que consiste o fenômeno da prece, a técnica de sua produção e de seus efeitos.
A prece, em verdade, representa o esforço do homem para se comunicar com toda entidade
incorpórea ou metafísica (Idéias Eternas de Platão), ancestrais, guias, santos, deuses, etc., e,
principalmente, com a Causa Primeira, ponto culminante da pirâmide precedente. Longe de
consistir numa monótona e vã recitação de fórmulas, a verdadeira prece representa um estado
místico para o homem, um estado onde a consciência dele aborda o Absoluto. Bem por isso, esse
estado permanece inacessível tanto quanto incompreensível ao filósofo racionalista e ao sábio
comum. Para orar, é preciso fazer o esforço de se dirigir à Divindade. "Pensa em Deus com mais
freqüência do que respiras...", nos diz Epíteto. E brevíssimas, porém muito freqüentes invocações
mentais podem manter o homem na presença desse Absoluto.
Aliás, essa é outra das funções da prece, sua função construtiva, que atua em "regiões espirituais"
que permanecem desconhecidas ou inexploradas. "Ora et labora", "Ora e trabalha", reza a antiga
divisa hermética. Ao que anui o adágio popular: "Trabalhar é rezar. Vamos concluir que talvez,
também na mesma ordem de idéias, orar equivalha a trabalhar, ou seja, obrar. Pois que nos diz São
Paulo: "A fé é a substância das coisas esperadas..." (Epístola aos Hebreus, Xl, I).
Tudo depende daquilo que se entende por essa palavra. Talvez o homem que reza, o orante,
construa para si, num outro mundo, essa forma gloriosa, esse "corpo de luz" de que falam os
maniqueus, e que é sua Jerusalém celestial, sua própria cidade celestial, nascida de seu templo
interior que foi o berço, o protótipo inicial. Permutam-se influxos celestiais originais, por uma
espécie de reversibilidade, de projeção da obra terrestre no plano celestial.
Artigo – A Alquimia da Prece Sociedade das Ciências Antigas 2
A partir daí, pode-se admitir que o homem que não ora, não teça sua própria imortalidade; ele se
priva, assim, dum precioso tesouro. Nesse caso, cada um de nós encontrará, além da morte corporal,
aquilo que ele tiver, em sua vida física, esperado encontrar lá. O ateu dirige-se para o nada que
desejou, e o crente, para uma outra ida.
Psicologicamente, o sentido do divino parece ser um impulso proveniente do mais profundo da
natureza humana, uma atividade fundamental, que se constata bem claramente entre os primitivos,
muito mais que entre os civilizados. E suas variações estão ligadas a diversas outras atividades
fundamentais: senso moral, senso estético, vontade pessoal, notadamente.
O inverso é igualmente verdadeiro. E, como observou o doutor Carrel, a história mostra que a perda
do senso moral e do sagrado, na maioria dos elementos constitutivos duma nação, acarreta-lhe a
desgraça e sua escravização rápida aos povos vizinhos que hajam conservado aquilo que a nação
escravizada muitas vezes perdeu por culpa sua. Grécia e Roma são tristes exemplos. Os franceses
do período que vai de 1924 a 1939 haviam sido literalmente "desvirilizados" (com exceção duma
minoria que constitui a Resistência e a França livre), por uma propaganda incessante em prol da
objeção de consciência, do desarmamento unilateral e do pacifismo a qualquer preço. Conhecemos
o resultado: trinta e oito milhões de mortos.
Por outro lado, devemos ter igualmente presente que o sentido do divino, quando levado ao estágio
da intolerância e do fanatismo, leva aos mesmos e tristes resultados, por caminhos simplesmente
inversos.
Nossa existência própria está ligada a uma relação regular com o universo contingente. Seria
desarrazoado supor-nos igualmente mergulhados num "universo espiritual", pelo próprio fato de
nossa consciência - esta sim - ter acesso a dois diferentes universos esses entre os quais não nos
podemos mover à vontade, assim como nosso corpo de carne não pode ausentar-se do universo
material do qual retira os elementos necessários à sua conservação: oxigênio, azoto, hidrogênio,
carbono, os quais ele aure através das funções nutritivas e respiratórias)? Esse universo espiritual,
em que nossa consciência encontraria os mesmos princípios de sua conservação e de sua evolução
post-mortem, seria lícito supô-lo o Ser Imanente, a Causa Primeira, que as religiões comuns
denominam Deus? Em caso afirmativo, a prece poderia então ser considerada como o agente das
relações naturais entre nossa consciência e seu meio próprio, tal como a respiração e a nutrição o
são para o corpo físico. O grande psicanalista Jung afirmou: "Muitas neuroses decorrem do fato de
muitas pessoas insistirem em permanecer cegas quanto a suas próprias aspirações religiosas. por
uma paixão infantil pelas luzes da razão.
E que existe uma verdadeira alquimia espiritual.
O primeiro a abordá-la foi Thomas Weilley, em 1688, ao traduzir um texto grego até então em mãos
de Henri Kunrath, autor de La Clé mystérieuse de La Sagesse éternelle chrétienne et abbalistique,
divine et magique (1609), do Véritable traité de l'Athanor philosophique (1783), antecedidos
ambos, em 1609, pelo famoso Amphithéâtre christiano-kabbalisti que de L'Éternelle Sapience.
Esse texto grego, manuscrito, já era uma cópia de um tratado redigido por Raymond Lulle, parte
integrante, em manuscrito, do célebre Testamentum Raymundi Lulli, philosophi doctissimi, tendo
este sido, lembremo-nos, mártir e iluminado.
Louis-Claude de Saint-Martin, por outros caminhos, analisou em detalhes algumas dessas práticas,
tendo-as transmitido àqueles que considerava seus Íntimos, um pequeno grupo de maçons de
Estrasburgo, após abandonar a via operativa de seu primeiro mestre, Martinez de Pasqually, e a
Maçonaria escocesa retificada de seu irmão Elu Cohen: Jean-Baptiste Willermoz, em Lyon.
Pois, tal como existe uma técnica da alquimia material, existe uma técnica da alquimia espiritual.
Essa existência bastante real de um processo para se chegar à iluminação interior tradicional,
Artigo – A Alquimia da Prece Sociedade das Ciências Antigas 3
ensinavam-na todos os antigos mestres de outrora. E uma verdadeira técnica, não uma banal
sensibilidade; é uma mística sábia, não uma mística estática. E nada tem a ver com as lucubrações
das seitas atuais, fundadas por mitômanos, megalômanos, impostores conscientes ou inconscientes.
E um caminho individual, solitário, sem filiação a qualquer grupo, o que seguramente é uma
garantia. No mais, é acessível a qualquer um, seja qual for sua religião original.
Pode-se afirmar que se trata do verdadeiro martinismo de Saint-Martin", que o reservou a alguns
discípulos seguros. Nada tem a ver com o martinezismo, nem com o martinismo de Papus, e muito
menos com o filipismo que veio depois dele, em 1952! Nesse último aspecto, reside toda a
diferença entre a teologia de um beneditino e a cadeira de aldeia.
Esse caminho nada mais é que o aspecto superior daquilo que apresentamos na Scala
philosophorum, ou a simbologia maçônica das Ferramentas; obra adaptada à mentalidade racional
dos maçons de nossa época.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Espiritismo - Objeto e Princípios
Espiritismo - Objeto e PrincípiosEspiritismo - Objeto e Princípios
Espiritismo - Objeto e PrincípiosAngelo Baptista
 
Roustaing, o anti-kardec
Roustaing,   o anti-kardecRoustaing,   o anti-kardec
Roustaing, o anti-kardecHelio Cruz
 
O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca
O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca  O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca
O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca Diego Silva
 
RELIGIÃO ESPÍRITA ASPECTOS INTERESSANTES
RELIGIÃO ESPÍRITA ASPECTOS INTERESSANTESRELIGIÃO ESPÍRITA ASPECTOS INTERESSANTES
RELIGIÃO ESPÍRITA ASPECTOS INTERESSANTESFatima Carvalho
 
Espiritismo E CiêNcia
Espiritismo E CiêNciaEspiritismo E CiêNcia
Espiritismo E CiêNciaBruna Dalmagro
 
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?Harleyde Santos
 
O triplice aspecto do espiritismo
O triplice aspecto do espiritismoO triplice aspecto do espiritismo
O triplice aspecto do espiritismoGraça Maciel
 
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de EspiritismoAula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de Espiritismoliliancostadias
 
Esdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objetoEsdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objetoDenise Aguiar
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaTríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaAntonino Silva
 
[2º ano] Filosofia: Filosofia de Santo Agostinho - Patrística
[2º ano] Filosofia: Filosofia de Santo Agostinho - Patrística[2º ano] Filosofia: Filosofia de Santo Agostinho - Patrística
[2º ano] Filosofia: Filosofia de Santo Agostinho - PatrísticaKaroline Rodrigues de Melo
 
Curso Básico de Espiritismo
Curso Básico de EspiritismoCurso Básico de Espiritismo
Curso Básico de EspiritismoADEP Portugal
 

Mais procurados (20)

Espiritismo - Objeto e Princípios
Espiritismo - Objeto e PrincípiosEspiritismo - Objeto e Princípios
Espiritismo - Objeto e Princípios
 
Roustaing, o anti-kardec
Roustaing,   o anti-kardecRoustaing,   o anti-kardec
Roustaing, o anti-kardec
 
O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca
O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca  O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca
O Que É Espiritualismo - Pablo de Salamanca
 
RELIGIÃO ESPÍRITA ASPECTOS INTERESSANTES
RELIGIÃO ESPÍRITA ASPECTOS INTERESSANTESRELIGIÃO ESPÍRITA ASPECTOS INTERESSANTES
RELIGIÃO ESPÍRITA ASPECTOS INTERESSANTES
 
Espiritismo E CiêNcia
Espiritismo E CiêNciaEspiritismo E CiêNcia
Espiritismo E CiêNcia
 
Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?Aula- O que é Espiritismo?
Aula- O que é Espiritismo?
 
O que é o espiritismo
O que é o espiritismoO que é o espiritismo
O que é o espiritismo
 
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
Espiritismo
 
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
 
O triplice aspecto do espiritismo
O triplice aspecto do espiritismoO triplice aspecto do espiritismo
O triplice aspecto do espiritismo
 
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de EspiritismoAula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
 
Esdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objetoEsdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objeto
 
O que é o espiritismo
O que é o espiritismoO que é o espiritismo
O que é o espiritismo
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaTríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
 
[2º ano] Filosofia: Filosofia de Santo Agostinho - Patrística
[2º ano] Filosofia: Filosofia de Santo Agostinho - Patrística[2º ano] Filosofia: Filosofia de Santo Agostinho - Patrística
[2º ano] Filosofia: Filosofia de Santo Agostinho - Patrística
 
Aula 1 - Allan Kardec
Aula 1 - Allan KardecAula 1 - Allan Kardec
Aula 1 - Allan Kardec
 
Curso Básico de Espiritismo
Curso Básico de EspiritismoCurso Básico de Espiritismo
Curso Básico de Espiritismo
 
O ESPIRITISMO E A CIÊNCIA MODERNA
O ESPIRITISMO E A CIÊNCIA MODERNAO ESPIRITISMO E A CIÊNCIA MODERNA
O ESPIRITISMO E A CIÊNCIA MODERNA
 
Ag 110209-caracteres da revelação espírita
Ag 110209-caracteres da revelação espíritaAg 110209-caracteres da revelação espírita
Ag 110209-caracteres da revelação espírita
 
ESDE - Fundamental l – módulo l – roteiro 3 – Sergio Luiz Ribeiro
ESDE - Fundamental l – módulo l – roteiro 3 – Sergio Luiz RibeiroESDE - Fundamental l – módulo l – roteiro 3 – Sergio Luiz Ribeiro
ESDE - Fundamental l – módulo l – roteiro 3 – Sergio Luiz Ribeiro
 

Semelhante a Alquimia da Prece

Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentojeconiaseandreia
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentojeconiaseandreia
 
Espiritualidade
EspiritualidadeEspiritualidade
EspiritualidadeACMelzer
 
Hinoshita, alice ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...
Hinoshita, alice   ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...Hinoshita, alice   ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...
Hinoshita, alice ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...Karine Rodrigues
 
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques espírito ...
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques   espírito ...A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques   espírito ...
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques espírito ...Ricardo Akerman
 
A IMORTALIDADE DA ALMA
A IMORTALIDADE DA ALMAA IMORTALIDADE DA ALMA
A IMORTALIDADE DA ALMAVi Meirim
 
A doutrina espírita (sef)
A doutrina espírita (sef)A doutrina espírita (sef)
A doutrina espírita (sef)Ricardo Akerman
 
Estudo do livro Roteiro lição 22
Estudo do livro Roteiro lição 22Estudo do livro Roteiro lição 22
Estudo do livro Roteiro lição 22Candice Gunther
 
Entendendo a vida evo consolador
Entendendo a vida evo consoladorEntendendo a vida evo consolador
Entendendo a vida evo consoladormarciot
 
Espiritismo segundo o_evangelho
Espiritismo segundo o_evangelhoEspiritismo segundo o_evangelho
Espiritismo segundo o_evangelhopaiaia
 

Semelhante a Alquimia da Prece (20)

Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
 
Espiritualidade
EspiritualidadeEspiritualidade
Espiritualidade
 
Hinoshita, alice ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...
Hinoshita, alice   ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...Hinoshita, alice   ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...
Hinoshita, alice ciência e espiritualidade - as noções de ciência no espiri...
 
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques espírito ...
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques   espírito ...A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques   espírito ...
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques espírito ...
 
Ere capa
Ere capaEre capa
Ere capa
 
A IMORTALIDADE DA ALMA
A IMORTALIDADE DA ALMAA IMORTALIDADE DA ALMA
A IMORTALIDADE DA ALMA
 
A doutrina espírita (sef)
A doutrina espírita (sef)A doutrina espírita (sef)
A doutrina espírita (sef)
 
Fides et Ratio
Fides et RatioFides et Ratio
Fides et Ratio
 
Estudo do livro Roteiro lição 22
Estudo do livro Roteiro lição 22Estudo do livro Roteiro lição 22
Estudo do livro Roteiro lição 22
 
A diferença entre religião e religiosidade
A diferença entre religião e religiosidadeA diferença entre religião e religiosidade
A diferença entre religião e religiosidade
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1
( Espiritismo)   # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1( Espiritismo)   # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1
( Espiritismo) # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1
( Espiritismo)   # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1( Espiritismo)   # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1
( Espiritismo) # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1
 
Chnotícias4
Chnotícias4Chnotícias4
Chnotícias4
 
Beume 57
Beume 57Beume 57
Beume 57
 
Entendendo a vida evo consolador
Entendendo a vida evo consoladorEntendendo a vida evo consolador
Entendendo a vida evo consolador
 
Seitas e heresias.pdf
Seitas e heresias.pdfSeitas e heresias.pdf
Seitas e heresias.pdf
 
Justiça da Reencarnação
Justiça da ReencarnaçãoJustiça da Reencarnação
Justiça da Reencarnação
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
 
Espiritismo segundo o_evangelho
Espiritismo segundo o_evangelhoEspiritismo segundo o_evangelho
Espiritismo segundo o_evangelho
 

Mais de RODRIGO ORION

LET'S PRACTICE THE TRUE WITCH
LET'S PRACTICE THE TRUE WITCHLET'S PRACTICE THE TRUE WITCH
LET'S PRACTICE THE TRUE WITCHRODRIGO ORION
 
Uma Grande Descoberta !!
Uma Grande Descoberta !!Uma Grande Descoberta !!
Uma Grande Descoberta !!RODRIGO ORION
 
DESCUBRA O OUTRO LADO..
DESCUBRA O OUTRO LADO..DESCUBRA O OUTRO LADO..
DESCUBRA O OUTRO LADO..RODRIGO ORION
 
CABALA MUITO BEM EXPLICADA !
CABALA MUITO BEM EXPLICADA !CABALA MUITO BEM EXPLICADA !
CABALA MUITO BEM EXPLICADA !RODRIGO ORION
 
Excelente Livro com abordagens Antigas.
Excelente Livro com abordagens Antigas.Excelente Livro com abordagens Antigas.
Excelente Livro com abordagens Antigas.RODRIGO ORION
 
Esoterismo Por: Fernando Pessoa
Esoterismo Por: Fernando PessoaEsoterismo Por: Fernando Pessoa
Esoterismo Por: Fernando PessoaRODRIGO ORION
 
. Sin ella, este libro no se hubiera escrito. Ni siquiera habría podido nacer...
. Sin ella, este libro no se hubiera escrito. Ni siquiera habría podido nacer.... Sin ella, este libro no se hubiera escrito. Ni siquiera habría podido nacer...
. Sin ella, este libro no se hubiera escrito. Ni siquiera habría podido nacer...RODRIGO ORION
 
Biblia em Hebraico Transliterado
Biblia em Hebraico TransliteradoBiblia em Hebraico Transliterado
Biblia em Hebraico TransliteradoRODRIGO ORION
 
José Airton de Carvalho
José Airton de CarvalhoJosé Airton de Carvalho
José Airton de CarvalhoRODRIGO ORION
 

Mais de RODRIGO ORION (20)

Vale a Pena !
 Vale a Pena ! Vale a Pena !
Vale a Pena !
 
Muito Bom !
Muito Bom !Muito Bom !
Muito Bom !
 
ASÉ !!!!
ASÉ !!!!ASÉ !!!!
ASÉ !!!!
 
EXCELENTE LIVRO !
EXCELENTE LIVRO !EXCELENTE LIVRO !
EXCELENTE LIVRO !
 
LET'S PRACTICE THE TRUE WITCH
LET'S PRACTICE THE TRUE WITCHLET'S PRACTICE THE TRUE WITCH
LET'S PRACTICE THE TRUE WITCH
 
Uma Grande Descoberta !!
Uma Grande Descoberta !!Uma Grande Descoberta !!
Uma Grande Descoberta !!
 
VAMOS A PRACTICAR
VAMOS A PRACTICARVAMOS A PRACTICAR
VAMOS A PRACTICAR
 
AGRADEÇIMENTO !!
AGRADEÇIMENTO !!AGRADEÇIMENTO !!
AGRADEÇIMENTO !!
 
DESCUBRA O OUTRO LADO..
DESCUBRA O OUTRO LADO..DESCUBRA O OUTRO LADO..
DESCUBRA O OUTRO LADO..
 
CABALA MUITO BEM EXPLICADA !
CABALA MUITO BEM EXPLICADA !CABALA MUITO BEM EXPLICADA !
CABALA MUITO BEM EXPLICADA !
 
Excelente Livro com abordagens Antigas.
Excelente Livro com abordagens Antigas.Excelente Livro com abordagens Antigas.
Excelente Livro com abordagens Antigas.
 
Esoterismo Por: Fernando Pessoa
Esoterismo Por: Fernando PessoaEsoterismo Por: Fernando Pessoa
Esoterismo Por: Fernando Pessoa
 
Cabalah Estudo
Cabalah EstudoCabalah Estudo
Cabalah Estudo
 
. Sin ella, este libro no se hubiera escrito. Ni siquiera habría podido nacer...
. Sin ella, este libro no se hubiera escrito. Ni siquiera habría podido nacer.... Sin ella, este libro no se hubiera escrito. Ni siquiera habría podido nacer...
. Sin ella, este libro no se hubiera escrito. Ni siquiera habría podido nacer...
 
Biblia em Hebraico Transliterado
Biblia em Hebraico TransliteradoBiblia em Hebraico Transliterado
Biblia em Hebraico Transliterado
 
Boaz-Maçonaria
Boaz-MaçonariaBoaz-Maçonaria
Boaz-Maçonaria
 
MARTHA FOLLAIN
 MARTHA FOLLAIN MARTHA FOLLAIN
MARTHA FOLLAIN
 
José Airton de Carvalho
José Airton de CarvalhoJosé Airton de Carvalho
José Airton de Carvalho
 
Curso 11
Curso 11Curso 11
Curso 11
 
Curso 10
Curso 10Curso 10
Curso 10
 

Último

Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Fraternitas Movimento
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfFrancisco Baptista
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxManoel Candido Pires Junior
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfDaddizinhaRodrigues
 

Último (7)

Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 

Alquimia da Prece

  • 1. Sociedade das Ciências Antigas A Alquimia da Prece Por Robert Ambelain Na Maçonaria, o sentido do divino exprime-se principalmente pela seriedade com que o Maçom segue e observa os ritos, cerimônias sacralizadoras, etc. Mas também, fora de sua loja, por sua própria atividade espiritual. Quer vivencie ele uma religião exotérica de sua escolha: judaísmo, cristianismo. islamismo, etc.. quer se limite a uma simples filosofia religiosa extraída de suas leituras, em suma, quer seja banalmente deísta, ele nunca poderá furtar-se duma inevitável prática, se quiser realmente permanecer em determinado plano. Essa prática, exprime-a uma palavra extremamente banalizada: "prece", cujo equivalente latino, precarius. significa igualmente "obter". Ora, a prece, como o sentido do sagrado que ela exprime, é, por todas as evidências, um fenômeno espiritual. E, conforme observou judiciosamente o doutor Carrel, num pequeno opúsculo sobre o assunto, o mando espiritual encontra-se fora do alcance de nossas técnicas experimentais modernas, Como, pois, adquirir um conhecimento positivo da prece? O domínio científico compreende, felizmente, a totalidade do observável. E esse domínio pode, por intermédio da fisiologia, estender- se às manifestações do espiritual, pois, pela observação sistemática do homo oratoris que aprendemos em que consiste o fenômeno da prece, a técnica de sua produção e de seus efeitos. A prece, em verdade, representa o esforço do homem para se comunicar com toda entidade incorpórea ou metafísica (Idéias Eternas de Platão), ancestrais, guias, santos, deuses, etc., e, principalmente, com a Causa Primeira, ponto culminante da pirâmide precedente. Longe de consistir numa monótona e vã recitação de fórmulas, a verdadeira prece representa um estado místico para o homem, um estado onde a consciência dele aborda o Absoluto. Bem por isso, esse estado permanece inacessível tanto quanto incompreensível ao filósofo racionalista e ao sábio comum. Para orar, é preciso fazer o esforço de se dirigir à Divindade. "Pensa em Deus com mais freqüência do que respiras...", nos diz Epíteto. E brevíssimas, porém muito freqüentes invocações mentais podem manter o homem na presença desse Absoluto. Aliás, essa é outra das funções da prece, sua função construtiva, que atua em "regiões espirituais" que permanecem desconhecidas ou inexploradas. "Ora et labora", "Ora e trabalha", reza a antiga divisa hermética. Ao que anui o adágio popular: "Trabalhar é rezar. Vamos concluir que talvez, também na mesma ordem de idéias, orar equivalha a trabalhar, ou seja, obrar. Pois que nos diz São Paulo: "A fé é a substância das coisas esperadas..." (Epístola aos Hebreus, Xl, I). Tudo depende daquilo que se entende por essa palavra. Talvez o homem que reza, o orante, construa para si, num outro mundo, essa forma gloriosa, esse "corpo de luz" de que falam os maniqueus, e que é sua Jerusalém celestial, sua própria cidade celestial, nascida de seu templo interior que foi o berço, o protótipo inicial. Permutam-se influxos celestiais originais, por uma espécie de reversibilidade, de projeção da obra terrestre no plano celestial.
  • 2. Artigo – A Alquimia da Prece Sociedade das Ciências Antigas 2 A partir daí, pode-se admitir que o homem que não ora, não teça sua própria imortalidade; ele se priva, assim, dum precioso tesouro. Nesse caso, cada um de nós encontrará, além da morte corporal, aquilo que ele tiver, em sua vida física, esperado encontrar lá. O ateu dirige-se para o nada que desejou, e o crente, para uma outra ida. Psicologicamente, o sentido do divino parece ser um impulso proveniente do mais profundo da natureza humana, uma atividade fundamental, que se constata bem claramente entre os primitivos, muito mais que entre os civilizados. E suas variações estão ligadas a diversas outras atividades fundamentais: senso moral, senso estético, vontade pessoal, notadamente. O inverso é igualmente verdadeiro. E, como observou o doutor Carrel, a história mostra que a perda do senso moral e do sagrado, na maioria dos elementos constitutivos duma nação, acarreta-lhe a desgraça e sua escravização rápida aos povos vizinhos que hajam conservado aquilo que a nação escravizada muitas vezes perdeu por culpa sua. Grécia e Roma são tristes exemplos. Os franceses do período que vai de 1924 a 1939 haviam sido literalmente "desvirilizados" (com exceção duma minoria que constitui a Resistência e a França livre), por uma propaganda incessante em prol da objeção de consciência, do desarmamento unilateral e do pacifismo a qualquer preço. Conhecemos o resultado: trinta e oito milhões de mortos. Por outro lado, devemos ter igualmente presente que o sentido do divino, quando levado ao estágio da intolerância e do fanatismo, leva aos mesmos e tristes resultados, por caminhos simplesmente inversos. Nossa existência própria está ligada a uma relação regular com o universo contingente. Seria desarrazoado supor-nos igualmente mergulhados num "universo espiritual", pelo próprio fato de nossa consciência - esta sim - ter acesso a dois diferentes universos esses entre os quais não nos podemos mover à vontade, assim como nosso corpo de carne não pode ausentar-se do universo material do qual retira os elementos necessários à sua conservação: oxigênio, azoto, hidrogênio, carbono, os quais ele aure através das funções nutritivas e respiratórias)? Esse universo espiritual, em que nossa consciência encontraria os mesmos princípios de sua conservação e de sua evolução post-mortem, seria lícito supô-lo o Ser Imanente, a Causa Primeira, que as religiões comuns denominam Deus? Em caso afirmativo, a prece poderia então ser considerada como o agente das relações naturais entre nossa consciência e seu meio próprio, tal como a respiração e a nutrição o são para o corpo físico. O grande psicanalista Jung afirmou: "Muitas neuroses decorrem do fato de muitas pessoas insistirem em permanecer cegas quanto a suas próprias aspirações religiosas. por uma paixão infantil pelas luzes da razão. E que existe uma verdadeira alquimia espiritual. O primeiro a abordá-la foi Thomas Weilley, em 1688, ao traduzir um texto grego até então em mãos de Henri Kunrath, autor de La Clé mystérieuse de La Sagesse éternelle chrétienne et abbalistique, divine et magique (1609), do Véritable traité de l'Athanor philosophique (1783), antecedidos ambos, em 1609, pelo famoso Amphithéâtre christiano-kabbalisti que de L'Éternelle Sapience. Esse texto grego, manuscrito, já era uma cópia de um tratado redigido por Raymond Lulle, parte integrante, em manuscrito, do célebre Testamentum Raymundi Lulli, philosophi doctissimi, tendo este sido, lembremo-nos, mártir e iluminado. Louis-Claude de Saint-Martin, por outros caminhos, analisou em detalhes algumas dessas práticas, tendo-as transmitido àqueles que considerava seus Íntimos, um pequeno grupo de maçons de Estrasburgo, após abandonar a via operativa de seu primeiro mestre, Martinez de Pasqually, e a Maçonaria escocesa retificada de seu irmão Elu Cohen: Jean-Baptiste Willermoz, em Lyon. Pois, tal como existe uma técnica da alquimia material, existe uma técnica da alquimia espiritual. Essa existência bastante real de um processo para se chegar à iluminação interior tradicional,
  • 3. Artigo – A Alquimia da Prece Sociedade das Ciências Antigas 3 ensinavam-na todos os antigos mestres de outrora. E uma verdadeira técnica, não uma banal sensibilidade; é uma mística sábia, não uma mística estática. E nada tem a ver com as lucubrações das seitas atuais, fundadas por mitômanos, megalômanos, impostores conscientes ou inconscientes. E um caminho individual, solitário, sem filiação a qualquer grupo, o que seguramente é uma garantia. No mais, é acessível a qualquer um, seja qual for sua religião original. Pode-se afirmar que se trata do verdadeiro martinismo de Saint-Martin", que o reservou a alguns discípulos seguros. Nada tem a ver com o martinezismo, nem com o martinismo de Papus, e muito menos com o filipismo que veio depois dele, em 1952! Nesse último aspecto, reside toda a diferença entre a teologia de um beneditino e a cadeira de aldeia. Esse caminho nada mais é que o aspecto superior daquilo que apresentamos na Scala philosophorum, ou a simbologia maçônica das Ferramentas; obra adaptada à mentalidade racional dos maçons de nossa época. FIM