SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro
Guia de Implementação – Parte 4: Fundamentação para
Implementação do Nível D do MR–MPS–SW:2012

Aluno: Kelvin Salton do Prado

E-mail: kelvinpfw@hotmail.com

Disciplina: Qualidade de Software

Prof. Cristiano Bertolini
Frederico Westphalen, 28 de março de 2014.
Universidade Federal de Santa Maria – UFSM
Centro de Educação Superior Norte do RS -
CESNORS
O MPS.BR é um programa mobilizador, de longo prazo,
criado em dezembro de 2003, coordenado pela
Associação para Promoção da Excelência do Software
Brasileiro (SOFTEX), que conta com apoio do:
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT);
Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP);
Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas
Empresas (SEBRAE);
Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
1. Prefácio
O objetivo do Programa MPS.BR é a Melhoria de
Processo de Software e de Serviços no Brasil, com duas
metas a alcançar a médio e longo prazos:
a) meta técnica, visando à criação e aprimoramento dos
modelos MPS;
b) meta de mercado, visando à disseminação e adoção
dos modelos MPS-SW e MPS-SV, em todas as regiões do
país, em um intervalo de tempo adequado, a um custo
razoável.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
1. Prefácio
As mudanças que estão ocorrendo nos ambientes de
negócios têm motivado as empresas a modificar
estruturas organizacionais e processos produtivos,
saindo da visão tradicional baseada em áreas funcionais
em direção a redes de processos centrados no cliente.
Alcançar competitividade pela qualidade, para as
empresas de software e serviços, implica tanto na
melhoria da qualidade dos produtos de software e
serviços, como dos processos de produção e
distribuição.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
2. Introdução
Busca-se que os modelos MPS-SW e MPS-SV sejam
adequados ao perfil de empresas com diferentes
tamanhos e características, públicas e privadas, embora
com especial atenção às micro, pequenas e médias
empresas.
Também se espera que os modelos MPS sejam
compatíveis com os padrões de qualidade aceitos
internacionalmente e que tenham como pressuposto o
aproveitamento de toda a competência existente nos
padrões e modelos de melhoria de processo já
disponíveis.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
2. Introdução
O Guia de Implementação fornece orientações para
implementar nas organizações os níveis de maturidade
descritos no Modelo de Referência MR-MPS-SW,
detalhando os processos contemplados nos respectivos
níveis de maturidade e os resultados esperados com a
implementação dos processos.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
2. Introdução
A implementação do nível E numa organização tem como
foco principal a padronização dos processos da
organização, por meio da definição de processos
padrão, o que inclui, além dos processos do nível E,
todos os processos que pertencem aos níveis G e F do
MR-MPS-SW.
A evolução do nível E para o nível D não apresenta
novidades em termos dos processos e atributos de
processo já implantados no nível E, pois estes continuam
com a mesma capacidade.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Evoluindo do nível E para o nível D
A evolução para o nível D implica, portanto, apenas na
definição e implementação de cinco novos processos
com o mesmo nível de capacidade dos processos já
implantados:
a) Desenvolvimento de Requisitos (DRE);
b) Integração do Produto (ITP);
c) Projeto e Construção do Produto (PCP);
d) Validação (VAL);
e) Verificação (VER).
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Evoluindo do nível E para o nível D
O propósito do processo Desenvolvimento de Requisitos
é definir os requisitos do cliente, do produto e dos
componentes do produto.
Estes três tipos de requisitos atendem as diferentes
necessidades de todos os envolvidos no projeto.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Desenvolvimento de Requisitos(DRE)
Requisitos são a base de todo projeto de software. Um
requisito é uma característica do sistema ou a descrição
de algo que o sistema é capaz de realizar para atingir os
seus objetivos [PFLEEGER, 2004].
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Desenvolvimento de Requisitos(DRE)
Inicialmente as necessidades, expectativas, restrições e
interfaces do cliente são levantadas e traduzidas em
requisitos do cliente.
Posteriormente os requisitos do cliente são refinados e
descritos em termos técnicos originando os requisitos
funcionais e não-funcionais do produto e dos
componentes do produto.
Os requisitos devem ser analisados, validados e
gerenciados ao longo do ciclo de desenvolvimento ou de
manutenção de um produto.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Desenvolvimento de Requisitos(DRE)
O propósito do processo Integração do Produto é
compor os componentes do produto, produzindo um
produto integrado consistente com seu projeto, e
demonstrar que os requisitos funcionais e não-
funcionais são satisfeitos para o ambiente alvo ou
equivalente.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Integração do Produto (ITP)
O processo Integração do Produto diz respeito a como
integrar um produto e qual a sequência de integração a
ser usada.
Trata, também, da criação de um ambiente operacional
no qual se possa implantar o produto satisfatoriamente;
da documentação dos procedimentos e critérios de
integração do produto; de como assegurar a integração
correta das partes; e da entrega do produto.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Integração do Produto (ITP)
Em projetos pequenos, a integração pode envolver
apenas algumas classes ou arquivos que precisam
funcionar juntos.
Em projetos grandes, pode envolver milhares de
programas e componentes que formam um sistema
maior.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Integração do Produto (ITP)
O propósito do processo Projeto e Construção do
Produto é projetar, desenvolver e implementar soluções
para atender aos requisitos.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Projeto e Construção do Produto (PCP)
Uma vez que os requisitos foram desenvolvidos, têm
suas mudanças controladas e estão sob o nível
apropriado de gerência de configuração, o objetivo do
processo de Projeto e Construção do Produto (PCP) é
projetar uma solução, dentre as inúmeras possíveis
soluções existentes, para satisfazer aos requisitos,
desenvolver e, então, implementar a solução projetada.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Projeto e Construção do Produto (PCP)
A execução do processo Projeto e Construção do
Produto (PCP) é iniciada quando os requisitos para o
problema a ser resolvido pelo software estiverem
definidos, desenvolvidos e aprovados.
Este processo pode ser executado tanto no contexto do
software a ser desenvolvido quanto no contexto do
sistema onde o software é integrado.
O objetivo do processo Projeto e Construção do Produto
(PCP) é definir atividades que permitam a elaboração do
projeto (design) do software e, também, possibilitem a
implementação da solução de projeto (design) para os
requisitos em questão.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Projeto e Construção do Produto (PCP)
O propósito do processo Validação é confirmar que um
produto ou componente do produto atenderá a seu uso
pretendido quando colocado no ambiente para o qual foi
desenvolvido.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Validação (VAL)
O processo Validação diz respeito, portanto, a como
avaliar a qualidade de um produto ou componente de
produto, garantindo que atenda às necessidades de seus
usuários, quando colocado em seu ambiente de uso.
O objetivo da validação é garantir que o produto correto
está sendo desenvolvido.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Validação (VAL)
A qualidade de software destaca-se como um diferencial
de mercado visto que sua importância está no fato de
produzir sistemas cada vez melhores e, assim, assegurar
a satisfação do cliente.
Nesse contexto, a validação é considerada um elemento
importante para a garantia da qualidade e, portanto, deve
ser planejada e executada, com eficácia, durante o
desenvolvimento do software.
A validação de software visa avaliar a qualidade de
produtos ou componentes de produto.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Validação (VAL)
O propósito do processo Verificação é confirmar que
cada serviço e/ou produto de trabalho do processo ou do
projeto atende apropriadamente os requisitos
especificados.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Verificação (VER)
O processo Verificação trata de como avaliar produtos de
trabalho e serviços, garantindo que atendam a seus
requisitos, por meio da identificação dos itens a serem
verificados, do planejamento da verificação de cada um
destes itens e da execução da verificação conforme
planejado ao longo do desenvolvimento do produto.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Verificação (VER)
O principal objetivo da engenharia de software é, sem
dúvida, melhorar a qualidade do software. Uma vez que a
qualidade de um produto de software está diretamente
relacionada à sua quantidade de defeitos, os defeitos de
um produto de software devem ser detectados o mais
cedo possível evitando o retrabalho [PUTNAM e MYERS,
2003].
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Verificação (VER)
Estudos mostram que o custo de corrigir um defeito de
projeto ou de codificação na própria fase é entre 10 a 100
vezes menor do que o custo de corrigi-lo na fase de
testes [ANDERSSON, 2003].
Essa é uma das principais motivações para o uso da
verificação de software, que procura detectar os defeitos
o quanto antes.
Além de possibilitar a detecção de defeitos mais cedo,
uma verificação efetiva pode aumentar a produtividade
em projetos de software [BARRETO, 2006].
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Verificação (VER)
A evolução do nível E para o nível D não apresenta
novidades em termos dos atributos de processo já
implantados no nível E.
A evolução para o nível D do MR-MPS-SW implica,
portanto, apenas na definição e implementação dos cinco
novos processos com a mesma capacidade dos
processos já implantados.
Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D
3. Conclusão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide apresentação CMMI-TOGAF
Slide apresentação CMMI-TOGAFSlide apresentação CMMI-TOGAF
Slide apresentação CMMI-TOGAFEdton Lemos
 
MPS.BR - Melhoria de Processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria de Processo de Software BrasileiroMPS.BR - Melhoria de Processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria de Processo de Software BrasileiroMERKADO DELIVERY
 
X-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de SoftwareX-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de SoftwareAlexandreBartie
 
MPS.BR Lições Aprendidas
MPS.BR Lições AprendidasMPS.BR Lições Aprendidas
MPS.BR Lições AprendidasGorio Eduardo
 
3 - Modelos de Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
3 - Modelos de  Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix3 - Modelos de  Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
3 - Modelos de Processo de Software - Prof.ª Cristiane FidelixCris Fidelix
 
Introdução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de SoftwareIntrodução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de SoftwareCamilo Almendra
 
Implantacao.Processo.Fabrica.SL
Implantacao.Processo.Fabrica.SLImplantacao.Processo.Fabrica.SL
Implantacao.Processo.Fabrica.SLAnnkatlover
 
MPS.BR - Melhoria do processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria do processo de Software BrasileiroMPS.BR - Melhoria do processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria do processo de Software BrasileiroPaulo Henrique de Sousa
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 2.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 2.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 2.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 2.pptxRoberto Nunes
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxRoberto Nunes
 
Apresentação modelagem de_negócio_rup
Apresentação modelagem de_negócio_rupApresentação modelagem de_negócio_rup
Apresentação modelagem de_negócio_rupJarbas Pereira
 
Visão geral da engenharia de software qualidade de software
Visão geral da engenharia de software   qualidade de softwareVisão geral da engenharia de software   qualidade de software
Visão geral da engenharia de software qualidade de softwarejordanavy
 

Mais procurados (19)

Slide apresentação CMMI-TOGAF
Slide apresentação CMMI-TOGAFSlide apresentação CMMI-TOGAF
Slide apresentação CMMI-TOGAF
 
MPS.BR - Melhoria de Processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria de Processo de Software BrasileiroMPS.BR - Melhoria de Processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria de Processo de Software Brasileiro
 
X-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de SoftwareX-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de Software
 
MPS.BR Lições Aprendidas
MPS.BR Lições AprendidasMPS.BR Lições Aprendidas
MPS.BR Lições Aprendidas
 
3 - Modelos de Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
3 - Modelos de  Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix3 - Modelos de  Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
3 - Modelos de Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Mpsbr
MpsbrMpsbr
Mpsbr
 
Slides MPS-BR
Slides MPS-BRSlides MPS-BR
Slides MPS-BR
 
Introdução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de SoftwareIntrodução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de Software
 
Cmmi dev-1-2-portuguese
Cmmi dev-1-2-portugueseCmmi dev-1-2-portuguese
Cmmi dev-1-2-portuguese
 
Cmmi e mps.Br
Cmmi e mps.BrCmmi e mps.Br
Cmmi e mps.Br
 
Implantacao.Processo.Fabrica.SL
Implantacao.Processo.Fabrica.SLImplantacao.Processo.Fabrica.SL
Implantacao.Processo.Fabrica.SL
 
MPS.BR - Melhoria do processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria do processo de Software BrasileiroMPS.BR - Melhoria do processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria do processo de Software Brasileiro
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
 
Rup e metodos ágies
Rup e metodos ágiesRup e metodos ágies
Rup e metodos ágies
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 2.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 2.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 2.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 2.pptx
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
 
Apresentação modelagem de_negócio_rup
Apresentação modelagem de_negócio_rupApresentação modelagem de_negócio_rup
Apresentação modelagem de_negócio_rup
 
MPS.BR
MPS.BRMPS.BR
MPS.BR
 
Visão geral da engenharia de software qualidade de software
Visão geral da engenharia de software   qualidade de softwareVisão geral da engenharia de software   qualidade de software
Visão geral da engenharia de software qualidade de software
 

Semelhante a MPS.BR

Trabalho qualidade de_software
Trabalho qualidade de_softwareTrabalho qualidade de_software
Trabalho qualidade de_softwarestefaniak2004
 
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa CertificadaQualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa CertificadaVinicius_Nunes
 
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O  MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O  MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...Adson Wendel
 
Es capítulo 2 - processos de software
Es   capítulo 2  - processos de softwareEs   capítulo 2  - processos de software
Es capítulo 2 - processos de softwareFelipe Oliveira
 
Melhoria de processos do software brasileiro
Melhoria de processos do software brasileiroMelhoria de processos do software brasileiro
Melhoria de processos do software brasileiroingrid_fatec
 
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2Fernando Vargas
 
O Processo de Desenvolvimento de Software
O Processo de Desenvolvimento de SoftwareO Processo de Desenvolvimento de Software
O Processo de Desenvolvimento de SoftwareCamilo de Melo
 
Erika questionario pt 1 (Eng Software III).
Erika questionario pt 1 (Eng Software III).Erika questionario pt 1 (Eng Software III).
Erika questionario pt 1 (Eng Software III).Érika Santos
 
Apresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).ppt
Apresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).pptApresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).ppt
Apresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).pptDETUDOUMPOUCO42
 
Uma abordagem de entrega contínua para empresas de desenvolvimento de software
Uma abordagem de entrega contínua para empresas de desenvolvimento de softwareUma abordagem de entrega contínua para empresas de desenvolvimento de software
Uma abordagem de entrega contínua para empresas de desenvolvimento de softwareRodolfo Bueno
 
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane FidelixIntrodução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane FidelixCris Fidelix
 
Mps br final - mps
Mps br final - mpsMps br final - mps
Mps br final - mpsEdvaldo Cruz
 
1 - APS – Iniciação Desenvolvimento Requisitos.pdf
1 - APS – Iniciação Desenvolvimento Requisitos.pdf1 - APS – Iniciação Desenvolvimento Requisitos.pdf
1 - APS – Iniciação Desenvolvimento Requisitos.pdfa29398
 
Estagio modelo relatorio
Estagio modelo relatorioEstagio modelo relatorio
Estagio modelo relatoriorenannmaia13
 
Engenharia de Software introdução
Engenharia de Software    introduçãoEngenharia de Software    introdução
Engenharia de Software introduçãomiroslayer
 
A EXPERIÊNCIA NA DEFINIÇÃO DE UM PROCESSO BASEADO NO MPS.BR NÍVEL G
A EXPERIÊNCIA NA DEFINIÇÃO DE UM PROCESSO BASEADO NO MPS.BR NÍVEL GA EXPERIÊNCIA NA DEFINIÇÃO DE UM PROCESSO BASEADO NO MPS.BR NÍVEL G
A EXPERIÊNCIA NA DEFINIÇÃO DE UM PROCESSO BASEADO NO MPS.BR NÍVEL GNorton Guimarães
 

Semelhante a MPS.BR (20)

Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)
 
Trabalho qualidade de_software
Trabalho qualidade de_softwareTrabalho qualidade de_software
Trabalho qualidade de_software
 
Subm_SamuelPereira_FINAL
Subm_SamuelPereira_FINALSubm_SamuelPereira_FINAL
Subm_SamuelPereira_FINAL
 
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa CertificadaQualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
 
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O  MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O  MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
 
Es capítulo 2 - processos de software
Es   capítulo 2  - processos de softwareEs   capítulo 2  - processos de software
Es capítulo 2 - processos de software
 
Melhoria de processos do software brasileiro
Melhoria de processos do software brasileiroMelhoria de processos do software brasileiro
Melhoria de processos do software brasileiro
 
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
 
O Processo de Desenvolvimento de Software
O Processo de Desenvolvimento de SoftwareO Processo de Desenvolvimento de Software
O Processo de Desenvolvimento de Software
 
Erika questionario pt 1 (Eng Software III).
Erika questionario pt 1 (Eng Software III).Erika questionario pt 1 (Eng Software III).
Erika questionario pt 1 (Eng Software III).
 
Apresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).ppt
Apresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).pptApresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).ppt
Apresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).ppt
 
Uma abordagem de entrega contínua para empresas de desenvolvimento de software
Uma abordagem de entrega contínua para empresas de desenvolvimento de softwareUma abordagem de entrega contínua para empresas de desenvolvimento de software
Uma abordagem de entrega contínua para empresas de desenvolvimento de software
 
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane FidelixIntrodução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Mps br final - mps
Mps br final - mpsMps br final - mps
Mps br final - mps
 
Apresentação TCC I - IES/SC 2013
Apresentação TCC I - IES/SC 2013Apresentação TCC I - IES/SC 2013
Apresentação TCC I - IES/SC 2013
 
1 - APS – Iniciação Desenvolvimento Requisitos.pdf
1 - APS – Iniciação Desenvolvimento Requisitos.pdf1 - APS – Iniciação Desenvolvimento Requisitos.pdf
1 - APS – Iniciação Desenvolvimento Requisitos.pdf
 
Estagio modelo relatorio
Estagio modelo relatorioEstagio modelo relatorio
Estagio modelo relatorio
 
Engenharia de Software introdução
Engenharia de Software    introduçãoEngenharia de Software    introdução
Engenharia de Software introdução
 
A EXPERIÊNCIA NA DEFINIÇÃO DE UM PROCESSO BASEADO NO MPS.BR NÍVEL G
A EXPERIÊNCIA NA DEFINIÇÃO DE UM PROCESSO BASEADO NO MPS.BR NÍVEL GA EXPERIÊNCIA NA DEFINIÇÃO DE UM PROCESSO BASEADO NO MPS.BR NÍVEL G
A EXPERIÊNCIA NA DEFINIÇÃO DE UM PROCESSO BASEADO NO MPS.BR NÍVEL G
 
Artigo corrigido
Artigo corrigidoArtigo corrigido
Artigo corrigido
 

Mais de KelvinSalton

Pirataria e Propriedade Intelectual
Pirataria e Propriedade IntelectualPirataria e Propriedade Intelectual
Pirataria e Propriedade IntelectualKelvinSalton
 
Panorama econômico Canadá
Panorama econômico CanadáPanorama econômico Canadá
Panorama econômico CanadáKelvinSalton
 
Panorama econômico brasileiro na área de jogos eletrônicos
Panorama econômico brasileiro na área de jogos eletrônicosPanorama econômico brasileiro na área de jogos eletrônicos
Panorama econômico brasileiro na área de jogos eletrônicosKelvinSalton
 
Desenvolvimento de Jogos
Desenvolvimento de JogosDesenvolvimento de Jogos
Desenvolvimento de JogosKelvinSalton
 
Estudo e Construção de um Protótipo de Framework de Recomendação para Lojas V...
Estudo e Construção de um Protótipo de Framework de Recomendação para Lojas V...Estudo e Construção de um Protótipo de Framework de Recomendação para Lojas V...
Estudo e Construção de um Protótipo de Framework de Recomendação para Lojas V...KelvinSalton
 
Da visão de ciência à organização curricular
Da visão de ciência à organização curricularDa visão de ciência à organização curricular
Da visão de ciência à organização curricularKelvinSalton
 

Mais de KelvinSalton (7)

Pirataria e Propriedade Intelectual
Pirataria e Propriedade IntelectualPirataria e Propriedade Intelectual
Pirataria e Propriedade Intelectual
 
Panorama econômico Canadá
Panorama econômico CanadáPanorama econômico Canadá
Panorama econômico Canadá
 
Panorama econômico brasileiro na área de jogos eletrônicos
Panorama econômico brasileiro na área de jogos eletrônicosPanorama econômico brasileiro na área de jogos eletrônicos
Panorama econômico brasileiro na área de jogos eletrônicos
 
Desenvolvimento de Jogos
Desenvolvimento de JogosDesenvolvimento de Jogos
Desenvolvimento de Jogos
 
Android
AndroidAndroid
Android
 
Estudo e Construção de um Protótipo de Framework de Recomendação para Lojas V...
Estudo e Construção de um Protótipo de Framework de Recomendação para Lojas V...Estudo e Construção de um Protótipo de Framework de Recomendação para Lojas V...
Estudo e Construção de um Protótipo de Framework de Recomendação para Lojas V...
 
Da visão de ciência à organização curricular
Da visão de ciência à organização curricularDa visão de ciência à organização curricular
Da visão de ciência à organização curricular
 

MPS.BR

  • 1. MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação – Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D do MR–MPS–SW:2012  Aluno: Kelvin Salton do Prado  E-mail: kelvinpfw@hotmail.com  Disciplina: Qualidade de Software  Prof. Cristiano Bertolini Frederico Westphalen, 28 de março de 2014. Universidade Federal de Santa Maria – UFSM Centro de Educação Superior Norte do RS - CESNORS
  • 2. O MPS.BR é um programa mobilizador, de longo prazo, criado em dezembro de 2003, coordenado pela Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (SOFTEX), que conta com apoio do: Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT); Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP); Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE); Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 1. Prefácio
  • 3. O objetivo do Programa MPS.BR é a Melhoria de Processo de Software e de Serviços no Brasil, com duas metas a alcançar a médio e longo prazos: a) meta técnica, visando à criação e aprimoramento dos modelos MPS; b) meta de mercado, visando à disseminação e adoção dos modelos MPS-SW e MPS-SV, em todas as regiões do país, em um intervalo de tempo adequado, a um custo razoável. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 1. Prefácio
  • 4. As mudanças que estão ocorrendo nos ambientes de negócios têm motivado as empresas a modificar estruturas organizacionais e processos produtivos, saindo da visão tradicional baseada em áreas funcionais em direção a redes de processos centrados no cliente. Alcançar competitividade pela qualidade, para as empresas de software e serviços, implica tanto na melhoria da qualidade dos produtos de software e serviços, como dos processos de produção e distribuição. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 2. Introdução
  • 5. Busca-se que os modelos MPS-SW e MPS-SV sejam adequados ao perfil de empresas com diferentes tamanhos e características, públicas e privadas, embora com especial atenção às micro, pequenas e médias empresas. Também se espera que os modelos MPS sejam compatíveis com os padrões de qualidade aceitos internacionalmente e que tenham como pressuposto o aproveitamento de toda a competência existente nos padrões e modelos de melhoria de processo já disponíveis. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 2. Introdução
  • 6. O Guia de Implementação fornece orientações para implementar nas organizações os níveis de maturidade descritos no Modelo de Referência MR-MPS-SW, detalhando os processos contemplados nos respectivos níveis de maturidade e os resultados esperados com a implementação dos processos. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 2. Introdução
  • 7. A implementação do nível E numa organização tem como foco principal a padronização dos processos da organização, por meio da definição de processos padrão, o que inclui, além dos processos do nível E, todos os processos que pertencem aos níveis G e F do MR-MPS-SW. A evolução do nível E para o nível D não apresenta novidades em termos dos processos e atributos de processo já implantados no nível E, pois estes continuam com a mesma capacidade. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Evoluindo do nível E para o nível D
  • 8. A evolução para o nível D implica, portanto, apenas na definição e implementação de cinco novos processos com o mesmo nível de capacidade dos processos já implantados: a) Desenvolvimento de Requisitos (DRE); b) Integração do Produto (ITP); c) Projeto e Construção do Produto (PCP); d) Validação (VAL); e) Verificação (VER). Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Evoluindo do nível E para o nível D
  • 9. O propósito do processo Desenvolvimento de Requisitos é definir os requisitos do cliente, do produto e dos componentes do produto. Estes três tipos de requisitos atendem as diferentes necessidades de todos os envolvidos no projeto. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Desenvolvimento de Requisitos(DRE)
  • 10. Requisitos são a base de todo projeto de software. Um requisito é uma característica do sistema ou a descrição de algo que o sistema é capaz de realizar para atingir os seus objetivos [PFLEEGER, 2004]. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Desenvolvimento de Requisitos(DRE)
  • 11. Inicialmente as necessidades, expectativas, restrições e interfaces do cliente são levantadas e traduzidas em requisitos do cliente. Posteriormente os requisitos do cliente são refinados e descritos em termos técnicos originando os requisitos funcionais e não-funcionais do produto e dos componentes do produto. Os requisitos devem ser analisados, validados e gerenciados ao longo do ciclo de desenvolvimento ou de manutenção de um produto. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Desenvolvimento de Requisitos(DRE)
  • 12. O propósito do processo Integração do Produto é compor os componentes do produto, produzindo um produto integrado consistente com seu projeto, e demonstrar que os requisitos funcionais e não- funcionais são satisfeitos para o ambiente alvo ou equivalente. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Integração do Produto (ITP)
  • 13. O processo Integração do Produto diz respeito a como integrar um produto e qual a sequência de integração a ser usada. Trata, também, da criação de um ambiente operacional no qual se possa implantar o produto satisfatoriamente; da documentação dos procedimentos e critérios de integração do produto; de como assegurar a integração correta das partes; e da entrega do produto. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Integração do Produto (ITP)
  • 14. Em projetos pequenos, a integração pode envolver apenas algumas classes ou arquivos que precisam funcionar juntos. Em projetos grandes, pode envolver milhares de programas e componentes que formam um sistema maior. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Integração do Produto (ITP)
  • 15. O propósito do processo Projeto e Construção do Produto é projetar, desenvolver e implementar soluções para atender aos requisitos. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Projeto e Construção do Produto (PCP)
  • 16. Uma vez que os requisitos foram desenvolvidos, têm suas mudanças controladas e estão sob o nível apropriado de gerência de configuração, o objetivo do processo de Projeto e Construção do Produto (PCP) é projetar uma solução, dentre as inúmeras possíveis soluções existentes, para satisfazer aos requisitos, desenvolver e, então, implementar a solução projetada. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Projeto e Construção do Produto (PCP)
  • 17. A execução do processo Projeto e Construção do Produto (PCP) é iniciada quando os requisitos para o problema a ser resolvido pelo software estiverem definidos, desenvolvidos e aprovados. Este processo pode ser executado tanto no contexto do software a ser desenvolvido quanto no contexto do sistema onde o software é integrado. O objetivo do processo Projeto e Construção do Produto (PCP) é definir atividades que permitam a elaboração do projeto (design) do software e, também, possibilitem a implementação da solução de projeto (design) para os requisitos em questão. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Projeto e Construção do Produto (PCP)
  • 18. O propósito do processo Validação é confirmar que um produto ou componente do produto atenderá a seu uso pretendido quando colocado no ambiente para o qual foi desenvolvido. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Validação (VAL)
  • 19. O processo Validação diz respeito, portanto, a como avaliar a qualidade de um produto ou componente de produto, garantindo que atenda às necessidades de seus usuários, quando colocado em seu ambiente de uso. O objetivo da validação é garantir que o produto correto está sendo desenvolvido. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Validação (VAL)
  • 20. A qualidade de software destaca-se como um diferencial de mercado visto que sua importância está no fato de produzir sistemas cada vez melhores e, assim, assegurar a satisfação do cliente. Nesse contexto, a validação é considerada um elemento importante para a garantia da qualidade e, portanto, deve ser planejada e executada, com eficácia, durante o desenvolvimento do software. A validação de software visa avaliar a qualidade de produtos ou componentes de produto. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Validação (VAL)
  • 21. O propósito do processo Verificação é confirmar que cada serviço e/ou produto de trabalho do processo ou do projeto atende apropriadamente os requisitos especificados. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Verificação (VER)
  • 22. O processo Verificação trata de como avaliar produtos de trabalho e serviços, garantindo que atendam a seus requisitos, por meio da identificação dos itens a serem verificados, do planejamento da verificação de cada um destes itens e da execução da verificação conforme planejado ao longo do desenvolvimento do produto. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Verificação (VER)
  • 23. O principal objetivo da engenharia de software é, sem dúvida, melhorar a qualidade do software. Uma vez que a qualidade de um produto de software está diretamente relacionada à sua quantidade de defeitos, os defeitos de um produto de software devem ser detectados o mais cedo possível evitando o retrabalho [PUTNAM e MYERS, 2003]. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Verificação (VER)
  • 24. Estudos mostram que o custo de corrigir um defeito de projeto ou de codificação na própria fase é entre 10 a 100 vezes menor do que o custo de corrigi-lo na fase de testes [ANDERSSON, 2003]. Essa é uma das principais motivações para o uso da verificação de software, que procura detectar os defeitos o quanto antes. Além de possibilitar a detecção de defeitos mais cedo, uma verificação efetiva pode aumentar a produtividade em projetos de software [BARRETO, 2006]. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Verificação (VER)
  • 25. A evolução do nível E para o nível D não apresenta novidades em termos dos atributos de processo já implantados no nível E. A evolução para o nível D do MR-MPS-SW implica, portanto, apenas na definição e implementação dos cinco novos processos com a mesma capacidade dos processos já implantados. Parte 4: Fundamentação para Implementação do Nível D 3. Conclusão