Sistemas de Apoio à Decisão

899 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
899
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistemas de Apoio à Decisão

  1. 1. Sistemas de Apoio à DecisãoTeresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  2. 2. Tema 1 Decisão: teoria e prática • Aspectos fundamentais de uma decisão. • Influências do contexto. • Risco e Incerteza. • Fatores críticos • Racionalidade • Abordagem Construtivista • Suporte à Decisão Modelos DecisóriosTeresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  3. 3. Aspectos fundamentais de uma decisão. O conceito de decisão (do latim de-cidere, “separar, cortar”) Decisão significa um processo de redução das possibilidades de ação.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  4. 4. Aspectos fundamentais de uma decisão. As decisões não são feitas em um vácuo social. Muitos fatores sociais influenciam a tomada de decisão.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  5. 5. Os ambientes de negócios... ... estão cada vez mais competitivos, complexos e dinâmicos refletindo o processo de globalização e o mais rápido avanço e difusão das Tecnologias da Informação e das Comunicações (TIC).Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  6. 6. Os ambientes de negócios... “Altos níveis de incerteza e ambiguidade ambiental contribuem fortemente para que a mudança organizacional seja vista não como um evento raro, mas como uma ocorrência cada vez mais frequente nas organizações”. (VASCONCELOS & CYRINO, 2000, p. 21)Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  7. 7. Os ambientes de negócios... As rotinas de trabalho se tornaram mais complexas e seus tempos de execução foram encurtados drasticamente.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  8. 8. Os ambientes de negócios... Apesar de tantas mudanças econômicas e tecnológicas, o ser humano, como tomador de decisões, ainda é o diferencial para a obtenção de vantagens competitivas sustentáveis.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  9. 9. Ambientes de Risco ou de Incerteza Keynes e Knight enfatizaram a incerteza que surge da natureza necessariamente imperfeita do conhecimento humano.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  10. 10. Ambientes de Risco ou de Incerteza O futuro não é apenas desconhecido, mas incognoscível.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  11. 11. Ambientes de Risco ou de Incerteza A famosa distinção entre : O desconhecido O desconhecido conhecido - as desconhecido - coisas que nós as coisas que não sabemos que sabemos que não sabemos não sabemosTeresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  12. 12. A incerteza é inevitável O estado imperfeito do conhecimento humano significa que a incerteza generalizada é inevitável.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  13. 13. Fatores críticos Ao virar de cada esquina há um “cisne negro”: um evento que ninguém previu, nem poderia ter previsto. O cuidado com o problema da InduçãoTeresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  14. 14. Fatores críticos Estes eventos não estão nos modelos, nem podem estar, porque não estão nos dados disponíveis. Isso não significa que não vão acontecer.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  15. 15. Fatores críticos Na medida em que evoca uma relação entre a razão e ação, a decisão se reveste das interrogações sobre os fundamentos da atuação humana.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  16. 16. Racionalidade Decisão: ato que discrimina entre alternativas possíveis, ou seja, ato que antecipa, planeja, e condiciona o futuro mediante a determinação de possibilidades efetivas.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  17. 17. Racionalidade vista por Simon A teoria clássica é a de um homem que escolhe entre um número fixo de alternativas, a cada uma das quais estão associadas consequências conhecidas.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  18. 18. Racionalidade vista por Simon “Precisamos de uma descrição do processo de escolha que reconheça que as alternativas não são dadas, mas devem ser buscadas. Uma descrição que leve em conta a árdua tarefa de determinar que consequências cada alternativa acarreta.”Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  19. 19. Racionalidade vista por Simon Opondo-se às teorias fundamentadas na maximização, Simon propõe uma teoria da Racionalidade Limitada, em que os limites cognitivos levam o tomador de decisões a recorrer a modelos.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  20. 20. Racionalidade Um modelo é uma representação simplificada da realidade, ou seja, do mundo com o qual o tomador de decisões interage.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  21. 21. Racionalidade e Satisficing O critério fundamental desta teoria é a noção de satisficing, cujo pressuposto é de que o indivíduo trabalha tendo em vista um resultado satisfatório, embora não necessariamente ótimo.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  22. 22. Racionalidade e Satisficing Satisficing, rebate a ideia de que o seres humanos seriam maximizadores perfeitos, considerando todas as opções possíveis e calculando quais opções maximizarão os ganhos e minimizarão as perdas.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  23. 23. Racionalidade e Satisficing Satisficing: selecionamos a opção considerada boa o suficiente para satisfazer nosso nível mínimo de aceitabilidade.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  24. 24. Abordagem Construtivista Os decisores, em ambientes de incerteza Knightiniana, fazem conjecturas informadas sobre o caminho a sua frente, que se tornam hipóteses de trabalho, devendo ser constantemente atualizadas à medida que novas evidências surgem.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  25. 25. Suporte à Decisão A automatização de alguns processos dentro do processo de tomada de decisão minimizaria alguns dos erros devidos à precarização do trabalho e à racionalidade limitada dos decisores.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  26. 26. Suporte à Decisão Não significa que possa existir um sistema complexo que controle toda a cadeia decisória, tornando- se assim o decisor.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  27. 27. Suporte à Decisão Sistemas, menores e consistentes, de apoio à tomada de decisão podem ser úteis na busca da melhora qualitativa do trabalho.Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  28. 28. Suporte à Decisão Uma dessas vertentes tecnológicas são os Sistemas de Suporte à Decisão (SSD).Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  29. 29. Suporte à Decisão SSD -> soluções tecnológicas baseadas em sistemas computacionais, usadas no suporte a complexos processos de tomada de decisão e resolução de problemas. Ex.: Mineração de Dados em fontes não estruturadas (big data).Teresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  30. 30. MODELOS DECISÓRIOS Os limites cognitivos levam o tomador de decisões a recorrer a modelos simplificados : - Modelos mentais - Modelos analíticosTeresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  31. 31. MODELOS DECISÓRIOS Utilidade Subjetiva: Ao tomar decisões, as pessoas procurarão maximizar o prazer (utilidade positiva) e minimizar a dor (utilidade negativa). - Modelos multicriteriais de apoio à decisão - Processo Analítico Hierárquico - AHPTeresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  32. 32. MODELAGEM DA DECISÃO Estruturação Identificar objetivo, critérios, alternativas Medição Determinar pesos dos critérios e das alternativas Síntese Se necessário, alterar ConcluirTeresópolis -19 de dezembro de 2012 ApresentaçãoUNIFESO Fernando Goldman
  33. 33. Dúvidas ? www.kmgoldman.blogspot.com http://www.slideshare.net/goldman Engº Fernando Goldman Email: fernandogoldman@yahoo.com.brTeresópolis -19 de dezembro de 2012 Apresentação 33UNIFESO Fernando Goldman

×