A Informatização da Medicina

931 visualizações

Publicada em

A comunicação está presente em todos os aspectos da vida cotidiana, inclusive no relacionamento com as tecnologias de informação e comunicação. O presente trabalho é uma reflexão sobre o relacionamento do profissional médico com estas tecnologias. Baseando-se nas teorias da comunicação, abordou-se os aspectos históricos e comportamentais desse profissional. Estudando os sistemas e as tecnologias de comunicação e informação aproximamos estes conceitos à teoria de Foucault na obra Vigiar e Punir, matizando a aspectos da obra O capital de Marx.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

A Informatização da Medicina

  1. 1. A Informatização da Medicina O Relacionamento da Classe Médica com os Sistemas de Informação e Comunicação Fabiana Casarin Bertazzo Orientador: Prof. Armando Levy Dezembro de 2010 Imagens: Dreamstime.com
  2. 2. A Informatização da Medicina Delineando o objeto: • Percepção do baixo nível de informatização dos serviços de saúde • O médico como figura central • Levantamento de antecedentes na literatura científica - Joia e Magalhães (2009); Pires (2004); Costa (2001) Imagens: Dreamstime.com
  3. 3. A Informatização da Medicina Para entender o relacionamento da classe médica com os sistemas informatizados: • História da medicina • A problemática dos Sistemas: - Foucault - Panoptismo - Marx - Conflito homem-máquina • Desenvolvimento da informática médica • Entrevistas com médicos – Grupos de Foco Imagens: Dreamstime.com
  4. 4. A Informatização da Medicina Uma reflexão como intervenção: • O médico reconhece que os sistemas informatizados facilitam alguns aspectos do seu trabalho, como na pesquisa de literatura científica. - Porém, ele está ciente de que os sistemas fortalecem a dominação das instituições. • A informatização expõe o profissional – Panoptismo: de “invisível” para controlado. - Até então, o médico detinha autoridade frente aos pacientes e a equipe multiprofissional. • Não é que o médico seja resistente a tecnologia, ele é resistente ao que se interpõe entre ele e o paciente. Imagens: Dreamstime.com
  5. 5. A Informatização da Medicina Uma reflexão como intervenção: • Como já acontecido com outros profissionais: a vigilância não é mais só fazer valer os regulamentos, ela agora extrai o conhecimento e assim expande o domínio das instituições. É o problema das grandes oficinas e das fábricas, onde se organiza um novo tipo de vigilância. [...] leva em conta a atividade dos homens, seu conhecimento técnico, a maneira de fazê-lo, sua rapidez, seu zêlo, seu comportamento. (FOULCALT, 2004, p. 146) • Resistência silenciosa – Boicote aos sistemas: - Negligenciamento de informações - Uso de senha de terceiros Imagens: Dreamstime.com
  6. 6. A Informatização da Medicina Uma reflexão como intervenção: • A desorganização da resposta médica a informatização dos sistemas acaba prejudicando o paciente – Que não tem conhecimento do que está acontecendo e por este motivo não se pronuncia sobre a questão. • Sugestão de pesquisa em comunicação: - Pensar o envolvimento da sociedade na questão do sigilo de suas informações de saúde. - É preciso ouvir e compreender os pacientes, os verdadeiros “donos” das informações registradas nos sistemas aplicados à medicina. Imagens: Dreamstime.com
  7. 7. Obrigada! Fabiana Casarin Bertazzo fabertazzo@hotmail.com fabertazzo@usp.br Trabalho apresentado junto ao Departamento de Comunicações e Artes daEscola de Comunicação e Artes da USP como requisito parcial para obtenção do título de especialista em nível de especialização em Gestão da Comunicação: Políticas, Educação e Cultura. Imagens: Dreamstime.com

×