Eae aula 2 - a criação

1.900 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

Eae aula 2 - a criação

  1. 1. A Criação Aula 01
  2. 2. Plano do Espírito DEUS — O Espírito Universal — cria perpetuamente porque o Espírito nunca repousa. O poder criador é um dos Seus atributos. A criação é mental porque tudo quanto é da esfera divina é imaterial, imponderável, abstrato. Todas as criações formam ciclos completos. Como emanação que é da Divindade, o Ser criado possui, potencialmente, possibilidades divinas, que desenvolve no curso da própria evolução. Tanto da Divindade, como tudo o que se refereEste é o Plano do à criação na esfera absoluta, escapam ao Espírito. nosso entendimento.
  3. 3. Plano da Energia A criação divina, sendo perpétua e ininterrupta, exige um campo universal de ação e este campo é o Espaço Infinito. O Espaço não é um vazio, mas um oceano de fluido primordial, passível de transformações inumeráveis, que contém uma energia potencial, fonte de todosEste é o Plano da os movimentos e força promotora Energia. de todas as mutações.
  4. 4. Esse fluido universaltransformado, concorrepara a produção de todasas formas e tipos dosseres vivos, das coisasinanimadas e dos mundosque rolam no espaço.
  5. 5. O fluido universal é responsável pela produção de todas as formas. Seres vivos / inanimados. Seres vivos InanimadosVocê é um ser vivo, assim como uma planta e uma bactéria. Já uma pedra não é viva, nem uma cadeira.
  6. 6. O PLANO DA MANIFESTAÇÃO O poder criador, atributo de Deus, é transmitido a Conjuntos de Inteligências Divinas e Espíritos puros da esfera crística, agentes da criação.Este é o Plano da Manifestação
  7. 7. Esses Espíritos, como receptáculos do poder,passam a exercê-lo na criação universal, comoexecutores da vontade divina, pela açãodinâmica do Verbo. O Verbo em Deus é o podercriador na esfera absoluta, abstrata, opensamento criador não-exteriorizado; o Verbofora de Deus é o pensamento transferido, opoder agindo na esfera das manifestaçõesobjetivas, no campo das realizaçõesfenomênicas.
  8. 8. Verbo não se traduz simplesmente por palavra,mas por poder realizador; é a enunciação deuma vontade divina no sentido de que certascoisas sucedam de determinada forma; na esferamental do plano criativo, Verbo significa projeçãode um pensamento, emissão de uma ordem vitalque, por si mesma, desencadeia uma sucessãode acontecimentos ou fenômenos no planoobjetivo.
  9. 9. Quando João, no seu Evangelho, diz: "No princípio era o Verbo e o Verbo era Deus e o Verbo estava com Deus" (João 1-1) refere-se ao poder criador na esfera abstrata, irrevelada, antes do desencadeamento dos fenômenos criativos,João o Evangelista referentes à Terra.
  10. 10. A criação objetiva só pode ser executada por Espíritosindividuados, que agem por ordem de Deus, em tarefasdeterminadas. Porque em Deus nada é individuado,particularizado, objetivado mas, ao contrário, tudo ésomático, universalizado, totalizado. Em Deus tudo é eterno,absoluto, integral, completo e infinito, não-sujeito alimitações e mudanças.Em suma: para uma criação objetiva, limitada, definida, épreciso a ação objetiva de um Ser individuado, dotado dospoderes espirituais necessários a transformar o pensamentodivino em coisa visível, concreta, material. Este é o plano da manifestação
  11. 11. Assim, o Verbo de Deus projeta sua vontade poderosa sobre determinado ponto do Espaço Infinito e aí, nesse oceano de fluido cósmico, a massa começa logo a transmutar-se, passando do estado estático, potencial, ao dinâmico, entrando em movimento; forma-se aí um turbilhão de átomos que passa a girar em torno de si mesmo, manifestando vida, calor e luz. É o princípio deÉ o Princípio da Criação tudo.
  12. 12. No livro Evolução em Dois Mundos encontramos que:O fluido cósmico é o plasma divino, hausto do Criador, força nervosa do Todo-Sábio.É nesse elemento primordial que vibram e vivem constelações e sóis, mundos e seres,como vivem os peixes no oceano.A CO-CRIAÇÃO EM PLANO MAIORNessa substância original, ao influxo do próprio Criador, operam as InteligênciasDivinas a Ele agregadas, em processo de comunhão indescritível, os grandes Devas dateologia hindu ou os Arcanjos da interpretação de variados templos religiosos,extraem desse hálito espiritual os celeiros da energia com que constroem os sistemasda Imensidade, em serviço de Co-criação em plano maior, de conformidade com osdesígnios do Criador Misericordioso, que faz deles agentes orientadores da CriaçãoExcelsa.Essas Inteligências Gloriosas tomam o plasma divino e convertem-no em habitaçõescósmicas, de múltiplas expressões, radiantes ou obscuras, gaseificadas ou sólidas,obedecendo a leis predeterminadas, quais moradias que perduram por milênios emilênios, mas que se desgastam e se transformam, por fim, de vez que o EspíritoCriado pode formar ou co-criar, mas só Deus ê o Criador de Toda a Eternidade.
  13. 13. Esta ação do Verbo sobre os elementos potenciais criando movimento, calor e luz,corresponde ao 1º Dia da Gênese de Moisés quando diz: Haja Luz e houve luz. (Gên.1-1)
  14. 14. O segundo dia é quando, ao apelo doVerbo, acorrem para aquele ponto osEspíritos superiores, encarregados dasconstruções cósmicas, que passam aregular as alterações vibratórias damassa que, condensando-se, inicia seumovimento giratório em torno de umnúcleo central; essa condensação levaa um estado gasoso preliminar e assimse forma UMA NEBULOSA — matrizde mundos — que se destaca, nítida echeia de claridades, no fundo escurodo oceano de força.
  15. 15. Em torno a esses corpos celestes embrionários os Espíritosconstrutores formam uma camada fluídica de proteção, limitandocom o exterior, e para ali outra classe de Espíritos, os Criadoresdas formas, transportam os germes de vida de todos os seresque vão evoluir naquele orbe.Os gases das combustões internas vão subindo por expansãonatural mas são detidos na camada de proteção e, em contatocom o frio exterior, se condensam e caem de novo, na forma dechuvas, que se espalham pela superfície escaldante, levandoconsigo tais germes da vida.
  16. 16. Este é o segundo dia da Gênese. “Quando Moisés diz: Faça-se o firmamento e separe-se as águas”
  17. 17. Depois das águas caídas nasuperfície do globo em formação,acrescidas constantemente pornovas chuvas torrenciais, vão seunindo, formando mares e as terrasvão aparecendo e os germestrazidos pelas chuvas vãogerminando nas águas e nas terras,dando surgimento às primeirasplantas.
  18. 18. É o 3° Dia, quando Moisés serefere à reunião das águas, àcriação do elemento árido eao aparecimento das plantas.
  19. 19. Depois diminuem as combustões internas, a atmosfera clareia e o sol, conseguindo romper as nuvens espessas, aparece, pela primeira vez, iluminando a Terra, enquanto à noite brilham as estrelas e outros astros no firmamento limpo.É o 4° Dia, quando a Gênese fala da criação do sol, da lua e das estrelas.
  20. 20. Em seguida, acentuando- se o resfriamento, o calor diminui e as águas e os ares se enchem de seres animais de ordem inferior, cuja vida se torna, então, possível.É o 5° Dia, o da criação dos pássaros e dos peixes.
  21. 21. Por último, estabilizam-se, também, as superfícies sólidas, e surgem os animais de terra; e então, quando o cenário ficou pronto e se consolidaram todos os elementos necessários à vida, aparece o homem — o rei da criação.É o 6° Dia da Gênese, quando trata da criação dos animais de terra e do aparecimento do homem.
  22. 22. O 7° Dia, que Moisés destina ao repouso do Criador,representa a estabilização de todas as coisas e otrabalho humano da evolução.Assim, a palavra do Verbo, no princípio, desencadeia aação de todos os agentes da manifestação divinaatravés dos três aspectos fundamentais: Espírito,Energia e Matéria.Na descrição de Moisés, a criação é simbólica, cada diarepresentando períodos de tempo, cuja duraçãodesconhecemos, mas que a ciência conta por centenasde milhões de anos.

×