SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
Oficina Gestão eletrônica
de documentos
Módulo 1, Contextualização da gestão eletrônica de documentos
Cristian Berrío Zapata
Phd CI/MA Administração/Esp. Gestão de Tecnologia/Psicólogo
berriozapata@ufpa.br
FAARQ – ICSA - UFPA
Roteiro
1. Breve análise histórica entre a arquivologia brasileira e a automação (anos
1934, 1970, 1990).
2. Estado da arte da gestão eletrônica de documentos Definições CONARQ.
3. Iniciativas e regulamentações a nível internacional e nacional (mapa)
UNESCO, e-Arc, etc. Elementos de organização, tratamento, recuperação e
acesso aos documentos eletrônicos.
Breve análise histórica
Breve análise histórica
Breve análise histórica
Breve análise histórica
Homo Faber
Breve análise histórica
1. Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970,
1990).
• Tecnologia e representação
o University of Twente
o Holanda
o Ano 2014
o Antonius Schröeder
Breve análise histórica
1. Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970,
1990).
• Tecnologia e representação
o Social Change in The "Aperspectival World"
o The Paradox of Social Reproduction and
Cultural Innovation
o Farouk Y. Seif
o Antioch University Seattle, USA
o 2006
o O Signo de Peirce
Breve análise histórica
1. Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970,
1990).
• Tecnologia e representação
o Social Change in The "Aperspectival World"
o The Paradox of Social Reproduction and
Cultural Innovation
o Farouk Y. Seif
o Antioch University Seattle, USA
o 2006
o O Signo de Peirce
Breve análise histórica
1. Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970,
1990).
• Tecnologia e representação
o Social Change in The "Aperspectival World"
o The Paradox of Social Reproduction and
Cultural Innovation
o Farouk Y. Seif
o Antioch University Seattle, USA
o 2006
Breve análise histórica
1. Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970,
1990).
• Tecnologia e representação
o Open book of social innovation
o Murray, Caulier-Grice, Mulgan
o Young Foundation
Breve análise histórica
1. Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970,
1990).
• Tecnologia e representação
o Open book of social innovation
o Murray, Caulier-Grice, Mulgan
o Young Foundation
o Ano 2010
Breve análise histórica
Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970,
1990).
• Tecnologia e representação
• O sentido sociocultural do registro duradouro
• Tradição oral vs. Tradição escrita
• Michel Serres e “l’ hominescence”, uma grande mudança na
nossa relação com o tempo e a morte, uma participação
crescente do sintético (não natural, uma construção virtual da
realidade.
• A questão da Sociedade Liquida de Zygmunt Bauman
Breve análise histórica
1. Entre a arquivologia brasileira e a automação
Ano 1934
Ano 1970
Ano 1990
Breve análise histórica
1. Entre a arquivologia brasileira e a automação
Ano 1934
Ano 1970
Ano 1990
Breve análise histórica
1. Entre a arquivologia brasileira e a automação
Ano 1934
Ano 1970
Ano 1990
https://www.youtube.com/watch?v=7bjpJvhGDlALa Cité Mondial
Breve análise histórica
1. Entre a arquivologia brasileira e a automação
Ano 1934
Ano 1970
Ano 1990
Breve análise histórica
1. Entre a arquivologia brasileira e a automação
Ano 1934
Ano 1970
Ano 1990
Multimídia
Breve análise histórica
1. Entre a arquivologia brasileira e a automação
Ano 1934
Ano 1970
Ano 1990
Multimídia
Top significant moments from the Internet history
A Visual History of the Internet
João Bordalo citado por Steve Clayton (2009)
Microsoft developer
Breve análise histórica
1. Entre a arquivologia brasileira e a automação
Ano 1934
Ano 1970
Ano 1990
Breve análise histórica
Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970, 1990).
• 1838 Arquivo Público do Império (Constituição 1824)
• cursos esporádicos de formação
• Instituto de Desenvolvimento e Organização Racional do
• Trabalho (IDORT/SP)
• Fundação Getúlio Vargas (FGV)
• Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP)
• Pontifícia Universidade Católica (PUC/RJ)
• 1911 Arquivo Nacional
• 1960 Curso Permanente de Arquivos
Breve análise histórica
Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma
disciplina arquivística
“os membros da burocracia brasileira da época, de modo geral, tinham
formação e cultura europeia, e a França constituía-se na principal
referência da intelectualidade” (ESTEVÃO; FONSECA, 2010, p. 84).
Destaca-se que, dentre as contribuições teóricas da Arquivologia
francesa, a mais significativa é o “princípio da proveniência” ou como
também é conhecido “princípio do respeito aos fundos”, desenvolvido
pelo historiador e arquivista francês Natalis de Wailly, em 1841, na
ocasião chefe dos arquivos departamentais do Ministério do Interior.”
DE SOUZA, ÁVILA ARAÚJO. O ensino da arquivologia no Brasil: fases e influências
Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, vol. 18, núm.
37, maio/agosto,
2013, pp. 83-102 (p. 86)
Breve análise histórica
Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma
disciplina arquivística
“Em outras palavras: fundar uma arquivística científica com base
científica, em consonância com os avanços tecnológicos já observados
em centros internacionais mais evoluídos” (SOARES, 1987, p. 7).” (apud
Araujo)
DE SOUZA, ÁVILA ARAÚJO. O ensino da arquivologia no Brasil: fases e influências
Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, vol. 18, núm.
37, maio/agosto,
2013, pp. 83-102 (p. 86)
Breve análise histórica
Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma
disciplina arquivística
1973 Curso Permanente de Arquivos em com a Universidade do Brasil (Universidade
Federal do Rio de Janeiro vira universitário
1977 o curso é transferido para o espaço universitário da Federação das Escolas Federais
Isoladas do Rio de Janeiro, atual UNIRIO.
1977 Universidade Federal de Santa Maria
1978 Universidade Federal Fluminense, em 1978.
Breve análise histórica
Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma
disciplina arquivística
2007 Decreto nº 6.096, de 24 de abril REUNI (Programa de Apoio a Planos de
Reestruturação e Expansão das Universidades Federais) possibilitou a criação de seis
cursos de Arquivologia:
Universidade Federal do Amazonas (UFAM)
Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Universidade Federal do Rio Grande (FURG)
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Universidade Federal do Pará (UFPA)
Breve análise histórica
Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma
disciplina arquivística
Proximidade acadêmico-institucional de Arquivologia, Biblioteconomia, Museologia:
o Universidade de Brasília (UnB)
o Universidade Federal da Bahia (UFBA)
o Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
o Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
o Universidade Federal do Pará (UFPA)
o Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
o Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)
Breve análise histórica
Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma
disciplina arquivística
Proximidade acadêmico-institucional de Arquivologia, Biblioteconomia:
o Universidade Federal do Amazonas (UFAM)
o Universidade Federal do Rio Grande (FURG)
o Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
o Universidade Estadual de Londrina (UEL)
o Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
o Universidade Federal Fluminense (UFF)
o Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP)
Breve análise histórica
Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma
disciplina arquivística
o O Conselho Nacional de Arquivos – CONARQ
o Criado art. 26 da Lei nº 8.159 1991
o Regulamentado Decreto nº 4.073 2002
o Órgão colegiado, vinculado ao Arquivo Nacional da Casa Civil da Presidência da República,
que tem por finalidade definir a política nacional de arquivos públicos e privados, como órgão
central de um Sistema Nacional de Arquivos, bem como exercer orientação normativa visando
à gestão documental e à proteção especial aos documentos de arquivo.
o Política nacional de arquivos públicos e privados
o Constituição Federal 1988
o Lei nº 8.159 de 1991
o Decreto 1.173, de 1994
o Decreto 1.461 de 1995
o Decreto 2.182, de 1997
o Decreto 2.942 de 1999
o Decreto nº 4.073, de 2002
Breve análise histórica
• UNESCO 2003
• “Information for All” Programme
• “Memory of the World” Programme
o PATRIMÔNIO DIGITAL : Recursos exclusivos do conhecimento humano e expressão no cultural, educacional,
científico e administrativo.
o O objetivo é garantir que permaneça acessível ao público.
• A ameaça de perda
• Obsolescência
• Incerteza sobre recursos, responsabilidade e métodos para a manutenção e Preservação
• Falta de legislação de apoio
• Mudança do comportamento tem ficado para trás da mudança tecnológica
Breve análise histórica
• UNESCO 2003
o Responsabilidade
o Decidir o que manter
o Trabalhando com produtores
o Direitos
o Controle, proteção e gerenciamento, gestão de risco, custos, padrões, estruturas organizacionais, políticas de
preservação e planejamento
o Autenticidade e proteção dos dados
o Manter a acessibilidade
• Compreender os materiais que estão sendo preservados
o Objetos físicos ou suportes
o Objetos lógicos como código legível pelo computador
o Objetos conceituais que têm significado para os seres humanos
o Elementos essenciais na mensagem sobre propósito ou recursos
Breve análise histórica
• Tendência de padronização mundial
o UNESCO
o ISSO (International Organization for Standardization)
o ICA (International Council on Archives)
o CONARQ (Conselho Nacional de Arquivos)
o E-ARQ
o Articulação, entendimento, compatibilidade
Breve análise histórica
• Mapa de normas
Conclusão
Arquivologia Biblioteconomia Museologia
Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma
disciplina arquivística
AUTOMAÇÃOIndustrialismo
Ciência Documental
Tecnologia
da
Informação
e
Comunicação
Informática (Eletrônico)
Microfilme (Químico)
Libro/papel (Clássico)
Objetos (Pre-linguístico)
Conclusão
Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma
disciplina arquivística
Informática (Eletrônico)
Microfilme (Químico)
Libro/papel (Clássico)
Objetos (Pre-linguístico)
Ressignificação da realidade documentaria
Ressignificação tecnológica
Apropriação estratégicas de normas
Configuração de uma prática profissional adaptativa

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Destaque (9)

The Higher Education Landscape in Namibia
The Higher Education Landscape in NamibiaThe Higher Education Landscape in Namibia
The Higher Education Landscape in Namibia
 
Leptospiros case presentation
Leptospiros case presentationLeptospiros case presentation
Leptospiros case presentation
 
The Pill at Work
The Pill at Work The Pill at Work
The Pill at Work
 
Herramientas Web 2.0 y 3.0 en salud.
Herramientas Web 2.0 y 3.0 en salud.Herramientas Web 2.0 y 3.0 en salud.
Herramientas Web 2.0 y 3.0 en salud.
 
Planeación semanal 2
Planeación semanal 2Planeación semanal 2
Planeación semanal 2
 
Mantenimiento
MantenimientoMantenimiento
Mantenimiento
 
Dự án road show tháng 9.2016
Dự án road show tháng 9.2016Dự án road show tháng 9.2016
Dự án road show tháng 9.2016
 
Sonar
SonarSonar
Sonar
 
Ramadanesques 12 1437
Ramadanesques 12 1437Ramadanesques 12 1437
Ramadanesques 12 1437
 

Semelhante a Gestão eletrônica de documentos

Aula 04 - Arquivística Contemporânea (1961-)
Aula 04 -  Arquivística Contemporânea (1961-)Aula 04 -  Arquivística Contemporânea (1961-)
Aula 04 - Arquivística Contemporânea (1961-)Francisco Cougo Jr
 
Arquivologia - BCI11 - UFSCar
Arquivologia - BCI11 - UFSCarArquivologia - BCI11 - UFSCar
Arquivologia - BCI11 - UFSCarAriovaldo Alves
 
SINAIS DE POLÍTICAS DE PRESERVAÇÃO BIBLIOGRÁFICAS
SINAIS DE POLÍTICAS DE PRESERVAÇÃO BIBLIOGRÁFICASSINAIS DE POLÍTICAS DE PRESERVAÇÃO BIBLIOGRÁFICAS
SINAIS DE POLÍTICAS DE PRESERVAÇÃO BIBLIOGRÁFICASFabrício Garrido
 
Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural
Dicionário IPHAN de Patrimônio CulturalDicionário IPHAN de Patrimônio Cultural
Dicionário IPHAN de Patrimônio Culturalcultcultura
 
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica Roberto Lopes
 
projeto cultura afro brasileira
projeto cultura afro brasileiraprojeto cultura afro brasileira
projeto cultura afro brasileiraculturaafro
 
Ciência da Informação no Brasil
Ciência da Informação no BrasilCiência da Informação no Brasil
Ciência da Informação no BrasilFernadmini
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Viegas Fernandes da Costa
 
Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)
Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)
Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)Gustavo Fischer
 
Carneiro&alvares 29062019 artigo
Carneiro&alvares 29062019   artigoCarneiro&alvares 29062019   artigo
Carneiro&alvares 29062019 artigoAnaCristinaCarneirod
 
seminarioprofluciana
seminarioproflucianaseminarioprofluciana
seminarioproflucianaAlinebataglia
 
Patrimonio cultural lima filho
Patrimonio cultural   lima filhoPatrimonio cultural   lima filho
Patrimonio cultural lima filhoJunior Pacifico
 
Patrimônio Cultural, sistemas e ações articuladas. Arruda, Renato F.- dissert...
Patrimônio Cultural, sistemas e ações articuladas. Arruda, Renato F.- dissert...Patrimônio Cultural, sistemas e ações articuladas. Arruda, Renato F.- dissert...
Patrimônio Cultural, sistemas e ações articuladas. Arruda, Renato F.- dissert...Renato Fonseca
 
Arquivos da Universidade da Havana: do custodial ao pós-custodial
Arquivos da Universidade da Havana: do custodial ao pós-custodialArquivos da Universidade da Havana: do custodial ao pós-custodial
Arquivos da Universidade da Havana: do custodial ao pós-custodialebicet
 
ArqARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE MANAUS E AS POSSIBILIDADES DE PESQUISA HISTÓR...
ArqARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE MANAUS E AS POSSIBILIDADES DE PESQUISA HISTÓR...ArqARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE MANAUS E AS POSSIBILIDADES DE PESQUISA HISTÓR...
ArqARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE MANAUS E AS POSSIBILIDADES DE PESQUISA HISTÓR...José Ricardo Gonçalves Abreu
 

Semelhante a Gestão eletrônica de documentos (20)

Aula 04 - Arquivística Contemporânea (1961-)
Aula 04 -  Arquivística Contemporânea (1961-)Aula 04 -  Arquivística Contemporânea (1961-)
Aula 04 - Arquivística Contemporânea (1961-)
 
Arquivologia - BCI11 - UFSCar
Arquivologia - BCI11 - UFSCarArquivologia - BCI11 - UFSCar
Arquivologia - BCI11 - UFSCar
 
SINAIS DE POLÍTICAS DE PRESERVAÇÃO BIBLIOGRÁFICAS
SINAIS DE POLÍTICAS DE PRESERVAÇÃO BIBLIOGRÁFICASSINAIS DE POLÍTICAS DE PRESERVAÇÃO BIBLIOGRÁFICAS
SINAIS DE POLÍTICAS DE PRESERVAÇÃO BIBLIOGRÁFICAS
 
Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural
Dicionário IPHAN de Patrimônio CulturalDicionário IPHAN de Patrimônio Cultural
Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural
 
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
 
projeto cultura afro brasileira
projeto cultura afro brasileiraprojeto cultura afro brasileira
projeto cultura afro brasileira
 
Ciência da Informação no Brasil
Ciência da Informação no BrasilCiência da Informação no Brasil
Ciência da Informação no Brasil
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
 
As finalidades da museologia IV
As finalidades da museologia IVAs finalidades da museologia IV
As finalidades da museologia IV
 
IDENTIFICAÇÃO DA CONSOLIDAÇÃO CIENTÍFICA DA ARQUIVOLOGIA DURANTE OS ANOS 1970
IDENTIFICAÇÃO DA CONSOLIDAÇÃO CIENTÍFICA DA ARQUIVOLOGIA DURANTE OS ANOS 1970IDENTIFICAÇÃO DA CONSOLIDAÇÃO CIENTÍFICA DA ARQUIVOLOGIA DURANTE OS ANOS 1970
IDENTIFICAÇÃO DA CONSOLIDAÇÃO CIENTÍFICA DA ARQUIVOLOGIA DURANTE OS ANOS 1970
 
IDENTIFICAÇÃO DA CONSOLIDAÇÃO CIENTÍFICA DA ARQUIVOLOGIA DURANTE OS ANOS 1970
IDENTIFICAÇÃO DA CONSOLIDAÇÃO CIENTÍFICA DA ARQUIVOLOGIA DURANTE OS ANOS 1970 IDENTIFICAÇÃO DA CONSOLIDAÇÃO CIENTÍFICA DA ARQUIVOLOGIA DURANTE OS ANOS 1970
IDENTIFICAÇÃO DA CONSOLIDAÇÃO CIENTÍFICA DA ARQUIVOLOGIA DURANTE OS ANOS 1970
 
Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)
Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)
Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)
 
Carneiro&alvares 29062019 artigo
Carneiro&alvares 29062019   artigoCarneiro&alvares 29062019   artigo
Carneiro&alvares 29062019 artigo
 
seminarioprofluciana
seminarioproflucianaseminarioprofluciana
seminarioprofluciana
 
Patrimonio cultural lima filho
Patrimonio cultural   lima filhoPatrimonio cultural   lima filho
Patrimonio cultural lima filho
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
 
Patrimônio Cultural, sistemas e ações articuladas. Arruda, Renato F.- dissert...
Patrimônio Cultural, sistemas e ações articuladas. Arruda, Renato F.- dissert...Patrimônio Cultural, sistemas e ações articuladas. Arruda, Renato F.- dissert...
Patrimônio Cultural, sistemas e ações articuladas. Arruda, Renato F.- dissert...
 
Arquivos da Universidade da Havana: do custodial ao pós-custodial
Arquivos da Universidade da Havana: do custodial ao pós-custodialArquivos da Universidade da Havana: do custodial ao pós-custodial
Arquivos da Universidade da Havana: do custodial ao pós-custodial
 
ArqARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE MANAUS E AS POSSIBILIDADES DE PESQUISA HISTÓR...
ArqARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE MANAUS E AS POSSIBILIDADES DE PESQUISA HISTÓR...ArqARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE MANAUS E AS POSSIBILIDADES DE PESQUISA HISTÓR...
ArqARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE MANAUS E AS POSSIBILIDADES DE PESQUISA HISTÓR...
 
Inf historia 5
Inf historia 5Inf historia 5
Inf historia 5
 

Último

Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 

Último (20)

Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 

Gestão eletrônica de documentos

  • 1. Oficina Gestão eletrônica de documentos Módulo 1, Contextualização da gestão eletrônica de documentos Cristian Berrío Zapata Phd CI/MA Administração/Esp. Gestão de Tecnologia/Psicólogo berriozapata@ufpa.br FAARQ – ICSA - UFPA
  • 2. Roteiro 1. Breve análise histórica entre a arquivologia brasileira e a automação (anos 1934, 1970, 1990). 2. Estado da arte da gestão eletrônica de documentos Definições CONARQ. 3. Iniciativas e regulamentações a nível internacional e nacional (mapa) UNESCO, e-Arc, etc. Elementos de organização, tratamento, recuperação e acesso aos documentos eletrônicos.
  • 7. Breve análise histórica 1. Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970, 1990). • Tecnologia e representação o University of Twente o Holanda o Ano 2014 o Antonius Schröeder
  • 8. Breve análise histórica 1. Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970, 1990). • Tecnologia e representação o Social Change in The "Aperspectival World" o The Paradox of Social Reproduction and Cultural Innovation o Farouk Y. Seif o Antioch University Seattle, USA o 2006 o O Signo de Peirce
  • 9. Breve análise histórica 1. Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970, 1990). • Tecnologia e representação o Social Change in The "Aperspectival World" o The Paradox of Social Reproduction and Cultural Innovation o Farouk Y. Seif o Antioch University Seattle, USA o 2006 o O Signo de Peirce
  • 10. Breve análise histórica 1. Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970, 1990). • Tecnologia e representação o Social Change in The "Aperspectival World" o The Paradox of Social Reproduction and Cultural Innovation o Farouk Y. Seif o Antioch University Seattle, USA o 2006
  • 11. Breve análise histórica 1. Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970, 1990). • Tecnologia e representação o Open book of social innovation o Murray, Caulier-Grice, Mulgan o Young Foundation
  • 12. Breve análise histórica 1. Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970, 1990). • Tecnologia e representação o Open book of social innovation o Murray, Caulier-Grice, Mulgan o Young Foundation o Ano 2010
  • 13. Breve análise histórica Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970, 1990). • Tecnologia e representação • O sentido sociocultural do registro duradouro • Tradição oral vs. Tradição escrita • Michel Serres e “l’ hominescence”, uma grande mudança na nossa relação com o tempo e a morte, uma participação crescente do sintético (não natural, uma construção virtual da realidade. • A questão da Sociedade Liquida de Zygmunt Bauman
  • 14. Breve análise histórica 1. Entre a arquivologia brasileira e a automação Ano 1934 Ano 1970 Ano 1990
  • 15. Breve análise histórica 1. Entre a arquivologia brasileira e a automação Ano 1934 Ano 1970 Ano 1990
  • 16. Breve análise histórica 1. Entre a arquivologia brasileira e a automação Ano 1934 Ano 1970 Ano 1990 https://www.youtube.com/watch?v=7bjpJvhGDlALa Cité Mondial
  • 17. Breve análise histórica 1. Entre a arquivologia brasileira e a automação Ano 1934 Ano 1970 Ano 1990
  • 18. Breve análise histórica 1. Entre a arquivologia brasileira e a automação Ano 1934 Ano 1970 Ano 1990 Multimídia
  • 19. Breve análise histórica 1. Entre a arquivologia brasileira e a automação Ano 1934 Ano 1970 Ano 1990 Multimídia Top significant moments from the Internet history A Visual History of the Internet João Bordalo citado por Steve Clayton (2009) Microsoft developer
  • 20. Breve análise histórica 1. Entre a arquivologia brasileira e a automação Ano 1934 Ano 1970 Ano 1990
  • 21. Breve análise histórica Entre a arquivologia brasileira e a automação(anos 1934, 1970, 1990). • 1838 Arquivo Público do Império (Constituição 1824) • cursos esporádicos de formação • Instituto de Desenvolvimento e Organização Racional do • Trabalho (IDORT/SP) • Fundação Getúlio Vargas (FGV) • Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP) • Pontifícia Universidade Católica (PUC/RJ) • 1911 Arquivo Nacional • 1960 Curso Permanente de Arquivos
  • 22. Breve análise histórica Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma disciplina arquivística “os membros da burocracia brasileira da época, de modo geral, tinham formação e cultura europeia, e a França constituía-se na principal referência da intelectualidade” (ESTEVÃO; FONSECA, 2010, p. 84). Destaca-se que, dentre as contribuições teóricas da Arquivologia francesa, a mais significativa é o “princípio da proveniência” ou como também é conhecido “princípio do respeito aos fundos”, desenvolvido pelo historiador e arquivista francês Natalis de Wailly, em 1841, na ocasião chefe dos arquivos departamentais do Ministério do Interior.” DE SOUZA, ÁVILA ARAÚJO. O ensino da arquivologia no Brasil: fases e influências Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, vol. 18, núm. 37, maio/agosto, 2013, pp. 83-102 (p. 86)
  • 23. Breve análise histórica Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma disciplina arquivística “Em outras palavras: fundar uma arquivística científica com base científica, em consonância com os avanços tecnológicos já observados em centros internacionais mais evoluídos” (SOARES, 1987, p. 7).” (apud Araujo) DE SOUZA, ÁVILA ARAÚJO. O ensino da arquivologia no Brasil: fases e influências Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, vol. 18, núm. 37, maio/agosto, 2013, pp. 83-102 (p. 86)
  • 24. Breve análise histórica Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma disciplina arquivística 1973 Curso Permanente de Arquivos em com a Universidade do Brasil (Universidade Federal do Rio de Janeiro vira universitário 1977 o curso é transferido para o espaço universitário da Federação das Escolas Federais Isoladas do Rio de Janeiro, atual UNIRIO. 1977 Universidade Federal de Santa Maria 1978 Universidade Federal Fluminense, em 1978.
  • 25. Breve análise histórica Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma disciplina arquivística 2007 Decreto nº 6.096, de 24 de abril REUNI (Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais) possibilitou a criação de seis cursos de Arquivologia: Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • 26. Breve análise histórica Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma disciplina arquivística Proximidade acadêmico-institucional de Arquivologia, Biblioteconomia, Museologia: o Universidade de Brasília (UnB) o Universidade Federal da Bahia (UFBA) o Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) o Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) o Universidade Federal do Pará (UFPA) o Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) o Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)
  • 27. Breve análise histórica Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma disciplina arquivística Proximidade acadêmico-institucional de Arquivologia, Biblioteconomia: o Universidade Federal do Amazonas (UFAM) o Universidade Federal do Rio Grande (FURG) o Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) o Universidade Estadual de Londrina (UEL) o Universidade Federal da Paraíba (UFPB) o Universidade Federal Fluminense (UFF) o Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP)
  • 28. Breve análise histórica Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma disciplina arquivística o O Conselho Nacional de Arquivos – CONARQ o Criado art. 26 da Lei nº 8.159 1991 o Regulamentado Decreto nº 4.073 2002 o Órgão colegiado, vinculado ao Arquivo Nacional da Casa Civil da Presidência da República, que tem por finalidade definir a política nacional de arquivos públicos e privados, como órgão central de um Sistema Nacional de Arquivos, bem como exercer orientação normativa visando à gestão documental e à proteção especial aos documentos de arquivo. o Política nacional de arquivos públicos e privados o Constituição Federal 1988 o Lei nº 8.159 de 1991 o Decreto 1.173, de 1994 o Decreto 1.461 de 1995 o Decreto 2.182, de 1997 o Decreto 2.942 de 1999 o Decreto nº 4.073, de 2002
  • 29. Breve análise histórica • UNESCO 2003 • “Information for All” Programme • “Memory of the World” Programme o PATRIMÔNIO DIGITAL : Recursos exclusivos do conhecimento humano e expressão no cultural, educacional, científico e administrativo. o O objetivo é garantir que permaneça acessível ao público. • A ameaça de perda • Obsolescência • Incerteza sobre recursos, responsabilidade e métodos para a manutenção e Preservação • Falta de legislação de apoio • Mudança do comportamento tem ficado para trás da mudança tecnológica
  • 30. Breve análise histórica • UNESCO 2003 o Responsabilidade o Decidir o que manter o Trabalhando com produtores o Direitos o Controle, proteção e gerenciamento, gestão de risco, custos, padrões, estruturas organizacionais, políticas de preservação e planejamento o Autenticidade e proteção dos dados o Manter a acessibilidade • Compreender os materiais que estão sendo preservados o Objetos físicos ou suportes o Objetos lógicos como código legível pelo computador o Objetos conceituais que têm significado para os seres humanos o Elementos essenciais na mensagem sobre propósito ou recursos
  • 31. Breve análise histórica • Tendência de padronização mundial o UNESCO o ISSO (International Organization for Standardization) o ICA (International Council on Archives) o CONARQ (Conselho Nacional de Arquivos) o E-ARQ o Articulação, entendimento, compatibilidade
  • 33. Conclusão Arquivologia Biblioteconomia Museologia Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma disciplina arquivística AUTOMAÇÃOIndustrialismo Ciência Documental Tecnologia da Informação e Comunicação Informática (Eletrônico) Microfilme (Químico) Libro/papel (Clássico) Objetos (Pre-linguístico)
  • 34. Conclusão Entre a arquivologia brasileira e a automação: A construção de uma disciplina arquivística Informática (Eletrônico) Microfilme (Químico) Libro/papel (Clássico) Objetos (Pre-linguístico) Ressignificação da realidade documentaria Ressignificação tecnológica Apropriação estratégicas de normas Configuração de uma prática profissional adaptativa