Bacia Potiguar

10.575 visualizações

Publicada em

GEOLOGIA DO PETRÓLEO APLICADA AO ESTUDO DA BACIA POTIGUAR

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.575
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
535
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
269
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bacia Potiguar

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA GEOLOGIA DO PETRÓLEO APLICADA AO ESTUDO DA BACIA POTIGUAR Disciplina: Fundamentos do Setor de Petróleo e Gás Prof. Dr. Francisco César Costa Nogueira Aluna: Ana Cláudia Bento Melchíades Campina Grande-PB Abril /2011
  2. 2. Roteiro de Apresentação 1. Dados Gerais 2. Localização da Bacia 3. Evolução da Bacia Potiguar 4. Origem da Bacia 5. Estratigrafia 6. Localização Seção Geológica 7. Seção Geológica Esquemática – Emersa 8. Histórico
  3. 3. 9. Poços Exploratórios 9.1 Esforço exploratório em terra 9.2 Resultados exploratórios 10. Sistema Petrolífero 10.1 Distribuição relativa do óleo 11. Principais Campos 12. Setores em Licitação 12. 1 Operadoras e Concessionárias 12. 2 Infra-Estrutura 13. Estatísticas 14. Agradecimentos.
  4. 4. Situa-se no extremo leste da Margem Equatorial Brasileira, compreendendo um segmento emerso e outro submerso, ao longo dos Estados do Rio Grande do Norte e do Ceará. O Alto de Fortaleza define seu limite oeste com a Bacia do Ceará, enquanto que o Alto de Touros define seu limite leste com a Bacia de Pernambuco-Paraíba. Sua área, até a isóbata de 3.000m, alcança 119.295 km², sendo 33.200 km² (27,8%) emersos e 86.095 km² (72,2%) submersos.
  5. 5. É uma bacia de rifte, formada a partir do Neojurássico, durante a separação das placas sul- americana e africana. Sua origem está ligada à formação do Oceano Atlântico Sul e está relacionada a uma série de bacias neocomianas, intracontinentais, que compõem o Sistema de Riftes do Nordeste Brasileiro, segundo MATOS (1992).
  6. 6. O primeiro pulso tectônico que culminou com a formação do rifte Potiguar ocorreu durante o Titoniano. Os inúmeros diques alojados nas fraturas E-W (extensão N-S contemporânea), datam do período 150-120 Ma e fazem parte do Magmatismo Rio Ceará-Mirim. 3. Evolução da Bacia Potiguar
  7. 7. 4. Origem da Bacia Formada a partir do fraturamento do super-Continente Gondwana, que resultou no Rifte neocomiano NE-SW, coberto por sedimentos neocretáceos e terciários.
  8. 8. A estratigrafia da Bacia Potiguar divide-se em três grupos (parte emersa):  Areia Branca, constituído pelas formações Pendência e Alagamar;  Apodi, com as formações Açu, Quebradas e Jandaíra;  Grupo Agulha, reunindo as formações Ubarana, Guamaré e Tibau. 5. Estratigrafia da Bacia Potiguar
  9. 9. Contato entre os arenitos da formação Açu e os calcários da Formação Jandaíra na borda sudoeste da Chapada do Apodi.
  10. 10. Camadas de folhelhos intercalados com calcário micrítico, próximas do contato com a Formação Açu.
  11. 11. 6. Localização Seção Geológica
  12. 12. 7. Seção Geológica Esquemática - Emersa
  13. 13. Datas Significativas: •Início da exploração (em terra): 1956 (no mar): 1972 1ª descoberta no mar –Campo de Ubarana: 1973 1ª descoberta em terra –Campo de Mossoró: 1979  Descoberta do campo de Canto do Amaro: 1985
  14. 14. Linhas sísmicas (até 05/06/2007): 2D: 36.815 km 3D: 3.948 km² Poços perfurados (até 05/06/2007): Total de poços perfurados: 6.271 Exploratórios: 835 Explotatórios: 5.436
  15. 15. Campos de óleo e gás: 56 Volume in place (dez/2002):  -Óleo: 87 MM m³ (547,23 MM bbl)  -Gás: 14,899 BB m³ (526,1 bcf) Reserva provada (dez/2002):  -Óleo: 52 MM m³ (327,08 MM bbl)  -Gás: 18,918 BB m³ (667,994 bcf) Volume in place (dez/2002):  - Óleo: 833 MM m³ (5,239 BB bbl)  - Gás: 66,461 BB m³ (2,346 tcf) 9.2. Resultados exploratórios
  16. 16. Geração: Fm. Pendência e Fm. Alagamar. Reservatórios: Arenitos flúvio-deltaicos e Turbiditos. Selos: Folhelhos sobrepostos ou intercalados, e calcilutitos. Trapas: Estratigráficas, estruturais ou mistas. Migração: Planos de falhas ou contato direto gerador-reservatórios. 10. Sistema Petrolífero
  17. 17. 10. Sistema Petrolífero Geração Seqüência Rift (Fm. Pendência): Base: - Início: Barremiano Topo: - Início: Paleoceno Seqüência Transicional (Fm. Alagamar): Início: Paleoceno-Oligoceno
  18. 18. 10.1. Distribuição Relativa do Óleo Seqüência Rift (Fm. Pendência) - 10% Seqüência Transic. (Fm. Alagamar) - 5% Seqüência Drift (Fm. Açu) - 85%
  19. 19. (em volume de óleo + gás equivalente) Canto do Amaro Estreito Alto do Rodrigues Fazenda Pocinho Fazenda Belém
  20. 20. 11. Principais Campos
  21. 21. 12.Setores em Licitação
  22. 22. 12.1. Operadoras e Concessionárias
  23. 23. A área licitada é servida de boa malha viária.  A área dos blocos licitados que circundam o campo em produção de Fazenda Belém situa-se cerca de 130 km da fábrica de lubrificantes da Petrobras em Fortaleza e cerca de 135 km da UPGN (Unidade de Processamento de Gás Natural) de Guamaré/RN. 12.2. Infra-Estrutura
  24. 24. Dutos, URGN e Refinaria
  25. 25. Segunda maior produção de óleo;  Alto índice de óleo recuperável descoberto: 4.190 m³ (26.340 bbl) / Km² ou 16.750 m³ (105.400 bbl) /km² (considerando-se apenas a área do graben principal) Estágio de exploração semimaduro! 13. Estatísticas
  26. 26. Obrigada Ana Cláudia Bento Melchíades melchiades_ggs@hotmail.com Campina Grande - Paraíba

×