SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
Preparação para o Teste Intermédio
Biologia e Geologia
(Resolução do Teste Intermédio de 2013)
2013/2014
Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres
JI nº 3 de Quarteira – EB1 /JI da Abelheira –EB1 nº 2 de Quarteira
EB1 da Fonte Santa - EB23 de Quarteira - Escola Secundária Drª Laura Ayres
Prof. Zenaida Lima
O litoral rochoso situado a leste de Quarteira, na região oriental algarvia, constitui um
exemplo evidente de um troço costeiro em rápido retrocesso. A taxa de recuo da linha
costeira, nos sectores da arriba localizados a leste de Quarteira, atingiu valores
significativos, sobretudo após a década de 70. A construção de algumas estruturas rígidas
transversais à linha de costa, representadas na Figura 1, para proteger Quarteira da
erosão costeira, agravou os problemas de erosão marinha a oriente da povoação.
Lê o texto com atenção e observa a figura 1
1. A direção predominante da ondulação na zona de Quarteira deverá ser
(A) SO-NE, conduzindo à acumulação de sedimentos a oriente de cada um dos esporões.
(B) SO-NE, conduzindo à acumulação de sedimentos a ocidente de cada um dos esporões.
(C) SE-NO, conduzindo à acumulação de sedimentos a oriente de cada um dos esporões.
(D) SE-NO, conduzindo à acumulação de sedimentos a ocidente de cada um dos esporões.
Se erraste esta questão deverás recordar:
- a leitura dos pontos cardeais;
- Oeste (O/W) = ocidente = poente ^ Este/leste (E) = oriente = nascente
SO-NE
SE-NO
2. A erosão costeira é um dos processos de fornecimento de sedimentos para o meio oceânico. A erosão de arribas
talhadas em rochas sedimentares
(A) detríticas consolidadas é responsável pelo fornecimento de materiais ricos em olivina.
(B) carbonatadas é responsável pelo fornecimento de grande volume de material sedimentar.
(C) carbonatadas é responsável pelo fornecimento de materiais ricos em quartzo.
(D) detríticas pouco consolidadas é responsável pelo fornecimento de grande volume de sedimentos.
Se erraste esta questão deverás recordar:
- a formação de minerais, nas rochas magmáticas, de acordo com a série fracionada de Bowen
- a composição das rochas carbonatadas (Rochas sedimentares quimiogénicas e biogénicas)
- a noção de rochas detríticas e o seu modo de formação
3. A litificação de areias em arenitos resulta de processos de
(A) aumento de volume, seguidos de compactação.
(B) transporte, seguidos de erosão.
(C) desidratação, seguidos de meteorização.
(D) redução de porosidade, seguidos de cimentação.
Se erraste esta questão deverás recordar:
- Diagénese das rochas sedimentares
4. Explique de que forma a manutenção de campos de golfe sobre arribas litorais pouco consolidadas pode
contribuir para aumentar a taxa de erosão dessas arribas.
Na resposta, são apresentados os seguintes tópicos:
• relação entre a manutenção de campos de golfe e a necessidade de rega;
• relação entre o aumento da quantidade de águas de infiltração nas arribas e uma maior facilidade de desagregação
da sua estrutura.
Moléculas de RNA com um pequeno número de nucleótidos podem vir a ser utilizadas como
fármacos, capazes de revolucionar o tratamento de algumas doenças humanas.
As funções dessas moléculas de RNA, normalmente na forma de cadeia dupla (dsRNA), foram
descobertas na década de 90, graças à identificação dos mecanismos de interferência do RNA, que
reduzem a tradução de RNA mensageiros de genes-alvo.
Um desses tipos de pequenos RNA é denominado micro-RNA (miRNA). Os genes que codificam
estes miRNA são transcritos em sequências denominadas miRNA primários (pri-miRNA), que
contêm regiões que se autocomplementam, dando origem a moléculas de cadeia dupla com
extremidades em forma de laço. Por ação de um complexo enzimático nuclear, estas moléculas são
processadas, formando-se os pré-microRNA (pré-miRNA) de cadeia dupla, com um número reduzido
de nucleótidos. As moléculas de pré-miRNA são exportadas para o citoplasma, associam-se ao
complexo RISC e são novamente processadas, formando-se o miRNA maduro de cadeia simples.
O miRNA maduro direciona o complexo RISC para RNA mensageiros (mRNA) que contêm uma
sequência complementar ao miRNA maduro. Quando se dá a complementaridade entre as duas
moléculas de RNA, o RISC corta o mRNA ou retém-no no complexo. Qualquer destas ações resulta
na inibição da tradução dos mRNA-alvo, silenciando o respetivo gene. A retenção no complexo, sem
quebra do mRNA, resulta de uma complementaridade imperfeita. Assim, é possível que um mesmo
miRNA tenha como alvo mRNA de diferentes genes.
A Figura 2 apresenta o esquema simplificado da biogénese e do funcionamento do miRNA.
Núcleo
pri-miRNA
pré-miRNA
mRNA
RISC
RISC
Citoplasma
miRNAmaduro
Figura2
1. Um determinado miRNA poderá
(A) regular vários genes num organismo.
(B) impedir o processamento do mRNA.
(C) provocar a separação de desoxirribonucleótidos.
(D) inibir a exportação de exões.
Se erraste esta questão deverás ter em conta a leitura atenta do texto:
“Assim, é possível que um mesmo miRNA tenha como alvo mRNA de diferentes genes.”
2. A cadeia de miRNA que silenciará a sequência de DNA 5’ ATTCGG 3’ de um determinado gene-
alvo deverá ter uma sequência
(A) 3’ AUUCGG 5’.
(B) 3’ UAAGCC 5’.
(C) 5’ AUUCGG 3’.
(D) 5’ UAAGCC 3’.
Se erraste esta questão deverás:
- ter em conta a leitura atenta do texto;
- Rever a complementaridade das bases azotadas dos ácidos nucleicos;
- Rever o sentido 5`3` da síntese dos ácidos nucleicos.
3. A quantidade de DNA de uma célula é reduzida para metade durante a
(A) telófase II.
(B) anáfase II.
(C) metáfase I.
(D) prófase I.
Se erraste esta questão deverás recordar:
- A meiose
4. Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica dos acontecimentos
que ocorrem durante o silenciamento de um gene através de um mecanismo mediado por um
miRNA.
A. Formação de um pré-miRNA.
B. Bloqueio da tradução do mRNA-alvo.
C. Transcrição de nucleótidos.
D. Formação de uma molécula com extremidades em forma de laço.
E. Processamento enzimático no citoplasma.
C
D
A
E
B
5. O desenvolvimento da tecnologia de silenciamento de genes associada ao RNA permite que pequenas
moléculas de dsRNA, denominadas siRNA, possam ser introduzidas em células. Atualmente, várias
empresas de biotecnologia podem produzir moléculas de siRNA para qualquer gene humano que o
investigador pretenda silenciar.
Explique como procederia para tratar, com recurso a moléculas de siRNA, uma doença celular cuja
manifestação dependesse da produção de um determinado péptido.
Na resposta, são apresentados os seguintes tópicos:
• referência à produção de um siRNA correspondente ao gene causador da doença;
• relação entre a introdução do siRNA nas células e o silenciamento do gene-alvo;
• relação entre o silenciamento do gene-alvo e a inibição da síntese do péptido por
ele codificado.
Se erraste esta questão deverás:
- Estudar os processos relativo à transcrição e tradução do ADN
No culminar do processo de acreção, a Terra teria uma composição quase homogénea, similar à dos meteoritos mais
primitivos. A enorme quantidade de energia térmica que a caracterizava, aliada à gravidade, conduziu à estrutura
diferenciada que hoje conhecemos.
O manto constitui 67% da massa e 82% do volume da Terra. Os materiais que constituem o manto só muito
raramente estão acessíveis, o que leva a que, para o seu conhecimento, tenhamos de nos socorrer da Geofísica.
Contudo, estudos isotópicos de alguns materiais mantélicos, em particular o estudo do decaimento do háfnio-
tungsténio (Hf-W), permitem calcular que a formação do núcleo empobreceu o manto em elementos metálicos. Este
processo terá sido extremamente rápido, estando concluído cerca de 35 M.a. após a formação do sistema solar.
O gráfico da Figura 3 representa as variações da energia térmica e da pressão no interior da Terra na
atualidade, traduzidas pelo traçado da curva geotérmica.
Baseado em Mata, J. e Martins, L., A evolução do manto: uma perspetiva geoquímica, FCUL, 2009
1. A partir da análise da Figura 3, verifica-se que
(A) o gradiente geotérmico é mais elevado no núcleo interno do que no núcleo externo.
(B) a temperatura no núcleo externo é inferior à temperatura de fusão dos materiais.
(C) a pressão aumenta de forma constante com a profundidade.
(D) o gradiente geobárico é maior no núcleo externo do que no núcleo interno.
Se erraste esta questão deverás recordar:
- Gradiente geobárico = Variação da pressão com a profundidade, no interior da Terra.
Crusta
Manto Superior
Manto Inferior
Núcleo Externo
Núcleo Interno
Descontinuidade de Mohorovicic
Descontinuidade de Gutenberg
Descontinuidade de Lehmann
Gradiente geotérmico é a taxa de variação do aumento da temperatura do interior da Terra com a
profundidade.
Grau Geotérmico é a profundidade em metros que, na crosta terrestre, é necessário descer para
que se verifique a elevação de temperatura de um grau
Não te esqueças que:
Quanto maior o grau geotérmico, menor o gradiente geotérmico e vice versa
Nas regiões interplacas, devido à intensa atividade vulcânica, o gradiente geotérmico é
muito elevado mas o grau geotérmico é baixo. Nas regiões intraplaca verifica-se o inverso
2. Considera-se um método direto de investigação do interior da geosfera
(A) a análise da composição mineralógica de meteoritos.
(B) a análise do comportamento das ondas sísmicas em profundidade.
(C) o estudo de fragmentos mantélicos transportados por magmas ascendentes.
(D) o estudo do campo magnético terrestre atual.
Se erraste esta questão deverás:
Rever os métodos diretos e indiretos de investigação do interior da geosfera ( 10º ano)
3. A individualização do núcleo deu-se por um processo de
(A) separação gravítica, que fez acumular no centro do planeta elementos de elevada densidade.
(B) separação gravítica, que fez acumular no centro do planeta elementos de baixa densidade.
(C) contração gravítica, que conduziu à concentração superficial de compostos ferroniquélicos.
(D) contração gravítica, que conduziu à concentração em profundidade de compostos siliciosos.
Se erraste esta questão deverás:
Rever a formação do sistema solar e os processos de acreção e diferenciação do planeta Terra (10º ano)
4. O sistema isotópico Hf-W caracteriza-
se por ter um período de semivida de 9 M.a., logo, o tempo necessário
para a desintegração de 75% de háfnio é
(A) 36 M.a.
(B) 18 M.a.
(C) 13,5 M.a.
(D) 9 M.a.
Se erraste esta questão deverás:
Recordar a datação radiométrica.
2X 9M.a.= 18M.a
5. Explique o elevado gradiente geotérmico registado nas zonas de dorsal médio-oceânica.
Na resposta, são apresentados os seguintes tópicos:
• referência ao conceito de gradiente geotérmico;
• relação entre a subida de materiais mantélicos na proximidade das dorsais e o rápido
aumento da temperatura.
6. Faça corresponder cada uma das descrições expressas na coluna A à respetiva designação da zona
da estrutura interna da Terra, que consta da coluna B.
Escreva, na folha de respostas, apenas as letras e os números correspondentes.
Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.
COLUNA A COLUNA B
(a) Superfície a partir da qual deixa de haver
propagação das ondas S.
(b) Camada mais superficial onde predominam
basaltos e gabros.
(c) Camada interna intermédia, rígida, constituída por
rochas ricas em silicatos de magnésio e de ferro.
(d) Camada da geosfera constituída pela crosta e
pelo manto superior rígido.
(e) Superfície de transição entre a crosta e o manto
superior.
(1) Astenosfera
(2) Crosta continental
(3) Crosta oceânica
(4) Descontinuidade de Gutenberg
(5) Descontinuidade de Lehmann
(6) Descontinuidade de Mohorovicic
(7) Litosfera
(8) Mesosfera
A-4 B-3 C-8 D-7 E-6
Se erraste esta questão deverás rever:
-Modelo físico e químico da estrutura interna da Terra
-Ondas Sísmicas
Cuscuta pentagona é uma planta trepadeira e parasita, cor de laranja, que produz pequenas flores brancas. Esta
planta é invulgar pelo facto de não ter folhas nem clorofila. Para viver, Cuscuta fixa-se numa planta hospedeira e suga
os seus nutrientes, inserindo-lhe um apêndice no sistema vascular.
Baseado em www2.uol.com.br/sciam (consultado em outubro de 2012)
1. Cuscuta pentagona é um ser heterotrófico, pois
(A) não realiza fotossíntese por ser desprovida de clorofila.
(B) necessita de obter compostos orgânicos através do xilema do hospedeiro.
(C) necessita de uma fonte externa de carbono orgânico.
(D) é incapaz de captar energia luminosa por não ter folhas.
2. Durante a fase fotoquímica, a incidência da luz nos tecidos clorofilinos da planta hospedeira provo
ca
(A) oxidação da água e imediata libertação de oxigénio.
(B) absorção da energia de comprimento de onda correspondente ao verde.
(C) redução da água e fixação de dióxido de carbono.
(D) fixação de dióxido de carbono com produção de compostos orgânicos.
Se erraste a questão tens que rever:
- a fotossíntese
- Não te esqueça que reações de oxidação envolvem a entrada de oxigénio ou a retirada de
hidrogénio de uma substância.
Luz
3. A abertura dos estomas das plantas deve-se
(A) à modificação da estrutura da membrana celular das células-guarda.
(B) ao decréscimo da pressão osmótica nas células-guarda.
(C) ao aumento da pressão de turgescência nas células-guarda.
(D) à alteração da espessura da parede das células-guarda.
Se erraste tens que rever o funcionamento dos estomas
4. Explique, de acordo com a hipótese do fluxo de massa, o mecanismo de translocação da
seiva floémica na planta hospedeira.
Na resposta, são apresentados os seguintes tópicos:
• referência à transformação de glicose em sacarose e à sua passagem para o floema por
transporte ativo;
• relação entre o aumento de pressão osmótica no interior dos tubos crivosos e a entrada
de água;
• relação entre o aumento da pressão de turgescência e o deslocamento da seiva floémica
para a célula seguinte;
• relação entre a passagem da sacarose para os órgãos de consumo (com a consequente
diminuição da pressão osmótica no interior dos tubos crivosos) e a saída de água para as
células vizinhas.
Com o objetivo de investigar as alterações nos valores de pH durante o aumento do exercício
físico em futebolistas profissionais, foram analisados três parâmetros que podem condicionar
–
a concentraçãode lactato.
Noâmbitodoestudo,foirealizadoumtestedecampoa19jogadores,queconsistiunaaplicaçãode
umprotocoloemqueháumaumentoprogressivodevelocidade:começou-secomumavelocidadede
11km/h(V11)e foi-se aumentandoa velocidade,1 km/hem cadaestádio,até completarum total de
cinco estádios (de V11a V15). A cada sujeito da amostra foram feitas colheitasde sangue capilar
antes do teste e no final de cada estádio.Os resultadosobtidosconstamda Tabela1.
TABELA1
REPOUSO V11 V12 V13 V14 V15
pH 7,42 7,42 7,40 7,38 7,36 7,33
PCO2
(mm Hg) 38,84 38,32 36,21 34,05 31,47 29,90
–
Lactato(mmol/L) 1,65 2,90 4,22 7,16 9,09 11,69
Baseadoem www.uax.es(consultadoem outubrode 2012)
1. No estudo apresentado, a variável dependente é
(A) o valor de pH.
(B) a pressão parcial de CO2.
(C) a concentração de HCO3 -
(D) a concentração de lactato.
2. Os resultados do estudo sugerem que
(A) a prática de exercício físico eleva os valores de alcalinidade do sangue.
(B) a intensificação do exercício físico aumenta a taxa de fermentação celular.
(C) o decréscimo da PCO2 reduz a utilização deste gás pelas células.
(D) o aumento dos níveis de lactato provoca uma diminuição brusca do pH sanguíneo.
Se erraste a questão terás que rever:
-Respiração celular
-Fermentação
3. O sistema respiratório desempenha um papel importante na manutenção do equilíbrio ácido-base do
organismo. A dissociação de ácido láctico para formar lactato provoca um aumento da concentração de
iões H+. Estes iões reagem com o HCO3 –, formando-se CO2, que é libertado durante a ventilação
pulmonar.
Explique a evolução dos dados obtidos durante o teste de campo, relativos ao lactato, ao pH e ao HCO3–
, tendo em conta o restabelecimento do equilíbrio ácido-base do organismo.
Na resposta, são apresentados os seguintes tópicos:
• relação entre o aumento da concentração de lactato, devido à fermentação láctica, e a
diminuição do pH;
• relação entre a reação do H+ com o HCO3 – (para manter o equilíbrio ácido-base do
organismo) e a diminuição da concentração de HCO3–.
Atenção!
Esta questão requer alguns conhecimentos de reações ácido-base.
-O lactato origina iões H+  acidificação do sangue
-para reduzir a quantidade de iões H+ e aumentar o pH vai-se dar a reação
H+ HCO3-  Co2 +H2O que neutraliza o pH. O co2 é libertado na expiração
- É por isso que a quantidade de HCO3- diminui.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluções
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluçõesTeste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluções
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluçõesIsaura Mourão
 
Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)
Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)
Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)Isaura Mourão
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicomargaridabt
 
Teste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese ProteicaTeste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese ProteicaJosé Luís Alves
 
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015Gijasilvelitz 2
 
Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanosandranascimento
 
Experiência de griffith e avery
Experiência de griffith e averyExperiência de griffith e avery
Experiência de griffith e averyCecilferreira
 
Ciclos de vida - exercícios
Ciclos de vida - exercíciosCiclos de vida - exercícios
Ciclos de vida - exercíciosAna Castro
 
IAVE Biologia Geologia 2017
IAVE Biologia Geologia 2017IAVE Biologia Geologia 2017
IAVE Biologia Geologia 2017Vitor Perfeito
 
Ficha De Trabalho BiomoléCulas
Ficha De Trabalho BiomoléCulasFicha De Trabalho BiomoléCulas
Ficha De Trabalho BiomoléCulasguestdc4752
 
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRelatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRicardo Dias
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosGabriela Bruno
 
Ondas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidadesOndas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidadesAna Castro
 
Teste de Avaliação nr. 2 (Biologia 10º) Soluções
Teste de Avaliação nr. 2  (Biologia 10º) SoluçõesTeste de Avaliação nr. 2  (Biologia 10º) Soluções
Teste de Avaliação nr. 2 (Biologia 10º) SoluçõesIsaura Mourão
 
Al2.2. bola saltitona
Al2.2. bola saltitonaAl2.2. bola saltitona
Al2.2. bola saltitonaAna Garcez
 

Mais procurados (20)

Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluções
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluçõesTeste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluções
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluções
 
Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)
Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)
Ficha de Trabalho nr 1 - Experiência de Frederick Griffith (resolução)
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
 
Teste2
Teste2Teste2
Teste2
 
BG11_T1a_2021_CC.pdf
BG11_T1a_2021_CC.pdfBG11_T1a_2021_CC.pdf
BG11_T1a_2021_CC.pdf
 
Teste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese ProteicaTeste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese Proteica
 
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
 
Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºano
 
Experiência de griffith e avery
Experiência de griffith e averyExperiência de griffith e avery
Experiência de griffith e avery
 
Ciclos de vida - exercícios
Ciclos de vida - exercíciosCiclos de vida - exercícios
Ciclos de vida - exercícios
 
Ocupação antrópica
Ocupação antrópicaOcupação antrópica
Ocupação antrópica
 
IAVE Biologia Geologia 2017
IAVE Biologia Geologia 2017IAVE Biologia Geologia 2017
IAVE Biologia Geologia 2017
 
Ficha De Trabalho BiomoléCulas
Ficha De Trabalho BiomoléCulasFicha De Trabalho BiomoléCulas
Ficha De Trabalho BiomoléCulas
 
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRelatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
 
Ondas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidadesOndas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidades
 
Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico
 
Exercicios de exame bio11
Exercicios de exame bio11Exercicios de exame bio11
Exercicios de exame bio11
 
Teste de Avaliação nr. 2 (Biologia 10º) Soluções
Teste de Avaliação nr. 2  (Biologia 10º) SoluçõesTeste de Avaliação nr. 2  (Biologia 10º) Soluções
Teste de Avaliação nr. 2 (Biologia 10º) Soluções
 
Al2.2. bola saltitona
Al2.2. bola saltitonaAl2.2. bola saltitona
Al2.2. bola saltitona
 

Destaque

Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2010
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2010Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2010
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2010Cristina Couto Varela
 
Bg 11 preparação para o teste de avaliação de biologia - exercícios
Bg 11   preparação para o teste de avaliação de biologia - exercíciosBg 11   preparação para o teste de avaliação de biologia - exercícios
Bg 11 preparação para o teste de avaliação de biologia - exercíciosNuno Correia
 
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANOTESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANOsandranascimento
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)Isaura Mourão
 
Biologia e geologia teste intermédio
Biologia e geologia   teste intermédioBiologia e geologia   teste intermédio
Biologia e geologia teste intermédioNuno Correia
 
Teste de Geologia (1º Período 2º Teste)
Teste de Geologia (1º Período 2º Teste)Teste de Geologia (1º Período 2º Teste)
Teste de Geologia (1º Período 2º Teste)Isaura Mourão
 
Recursos GeolóGicos
Recursos GeolóGicosRecursos GeolóGicos
Recursos GeolóGicosNuno Correia
 
BioGeo11-classificação das rochas sedimentares
BioGeo11-classificação das rochas sedimentaresBioGeo11-classificação das rochas sedimentares
BioGeo11-classificação das rochas sedimentaresRita Rainho
 
Teste de Biologia (2º Teste) - correcção
Teste de Biologia (2º Teste) - correcçãoTeste de Biologia (2º Teste) - correcção
Teste de Biologia (2º Teste) - correcçãoIsaura Mourão
 
Ocupação Antrópica
Ocupação AntrópicaOcupação Antrópica
Ocupação AntrópicaCatir
 
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10ºEXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10ºsandranascimento
 
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOSEXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOSsandranascimento
 
Factores condicionantes do regime alimentar(1)
Factores condicionantes do regime alimentar(1)Factores condicionantes do regime alimentar(1)
Factores condicionantes do regime alimentar(1)btrzMiranda
 
Geo 10 formação das rochas sedimentares (biogénicas)
Geo 10   formação das rochas sedimentares (biogénicas)Geo 10   formação das rochas sedimentares (biogénicas)
Geo 10 formação das rochas sedimentares (biogénicas)Nuno Correia
 
Bg 11 experiências de avery e colaboradores
Bg 11   experiências de avery e colaboradoresBg 11   experiências de avery e colaboradores
Bg 11 experiências de avery e colaboradoresNuno Correia
 
Necessidades energéticas
Necessidades energéticasNecessidades energéticas
Necessidades energéticasSofia Mendes
 
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010Cristina Couto Varela
 

Destaque (20)

Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2010
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2010Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2010
Exame de Biologia e Geologia: Época especial - 2010
 
Bg 11 preparação para o teste de avaliação de biologia - exercícios
Bg 11   preparação para o teste de avaliação de biologia - exercíciosBg 11   preparação para o teste de avaliação de biologia - exercícios
Bg 11 preparação para o teste de avaliação de biologia - exercícios
 
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANOTESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)
 
Biologia e geologia teste intermédio
Biologia e geologia   teste intermédioBiologia e geologia   teste intermédio
Biologia e geologia teste intermédio
 
Teste de Geologia (1º Período 2º Teste)
Teste de Geologia (1º Período 2º Teste)Teste de Geologia (1º Período 2º Teste)
Teste de Geologia (1º Período 2º Teste)
 
Recursos GeolóGicos
Recursos GeolóGicosRecursos GeolóGicos
Recursos GeolóGicos
 
BioGeo11-classificação das rochas sedimentares
BioGeo11-classificação das rochas sedimentaresBioGeo11-classificação das rochas sedimentares
BioGeo11-classificação das rochas sedimentares
 
Teste de Biologia (2º Teste) - correcção
Teste de Biologia (2º Teste) - correcçãoTeste de Biologia (2º Teste) - correcção
Teste de Biologia (2º Teste) - correcção
 
Ocupação Antrópica
Ocupação AntrópicaOcupação Antrópica
Ocupação Antrópica
 
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10ºEXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
 
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOSEXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
 
Metodologia trab científico
Metodologia trab científicoMetodologia trab científico
Metodologia trab científico
 
Factores condicionantes do regime alimentar(1)
Factores condicionantes do regime alimentar(1)Factores condicionantes do regime alimentar(1)
Factores condicionantes do regime alimentar(1)
 
Geo 10 formação das rochas sedimentares (biogénicas)
Geo 10   formação das rochas sedimentares (biogénicas)Geo 10   formação das rochas sedimentares (biogénicas)
Geo 10 formação das rochas sedimentares (biogénicas)
 
Bg 11 experiências de avery e colaboradores
Bg 11   experiências de avery e colaboradoresBg 11   experiências de avery e colaboradores
Bg 11 experiências de avery e colaboradores
 
Necessidades energéticas
Necessidades energéticasNecessidades energéticas
Necessidades energéticas
 
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010
Exame de Biologia e Geologia: CC EE - 2010
 
Geologia 1011
Geologia 1011Geologia 1011
Geologia 1011
 
Saude factores infl
Saude factores inflSaude factores infl
Saude factores infl
 

Semelhante a Preparação para o teste intermédio 1 2014

Fichatrabalho n2 10ano
Fichatrabalho n2 10anoFichatrabalho n2 10ano
Fichatrabalho n2 10anoMagda Charrua
 
Ficha8 de-trabalho-metodos-estudo-interior-geosfera-converted
Ficha8 de-trabalho-metodos-estudo-interior-geosfera-convertedFicha8 de-trabalho-metodos-estudo-interior-geosfera-converted
Ficha8 de-trabalho-metodos-estudo-interior-geosfera-convertedSandra Semedo
 
Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...
Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...
Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...Roberto Cambruzzi
 
Matos et al.2010 sistemas de falhas de afloramentos do triásico superior na r...
Matos et al.2010 sistemas de falhas de afloramentos do triásico superior na r...Matos et al.2010 sistemas de falhas de afloramentos do triásico superior na r...
Matos et al.2010 sistemas de falhas de afloramentos do triásico superior na r...Bruno Pina
 
bg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docxbg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docxIsaura Mourão
 
Provaexemploareal
ProvaexemploarealProvaexemploareal
Provaexemploarealedugeoess
 
AULÃO DE EXATAS_04_11_2022.pptx
AULÃO DE EXATAS_04_11_2022.pptxAULÃO DE EXATAS_04_11_2022.pptx
AULÃO DE EXATAS_04_11_2022.pptxFabioFarias29
 
Aula hidrosfera 2020.ppt
Aula hidrosfera 2020.pptAula hidrosfera 2020.ppt
Aula hidrosfera 2020.pptRenanElias12
 
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...Diego Timoteo
 
Métodos para o estudo do interior da geosfera
Métodos para o estudo do interior da geosferaMétodos para o estudo do interior da geosfera
Métodos para o estudo do interior da geosferaPelo Siro
 
Http _www.gave.min-edu.pt_np3content__news_id=388&filename=bg702_epoca_e...
Http  _www.gave.min-edu.pt_np3content__news_id=388&filename=bg702_epoca_e...Http  _www.gave.min-edu.pt_np3content__news_id=388&filename=bg702_epoca_e...
Http _www.gave.min-edu.pt_np3content__news_id=388&filename=bg702_epoca_e...Daniela Borges
 
Teste de Avaliação Bde Geologia 11 ano
Teste de Avaliação Bde Geologia 11 anoTeste de Avaliação Bde Geologia 11 ano
Teste de Avaliação Bde Geologia 11 anoPetra802811
 

Semelhante a Preparação para o teste intermédio 1 2014 (20)

Bg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_ccBg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_cc
 
Fichatrabalho n2 10ano
Fichatrabalho n2 10anoFichatrabalho n2 10ano
Fichatrabalho n2 10ano
 
Ficha8 de-trabalho-metodos-estudo-interior-geosfera-converted
Ficha8 de-trabalho-metodos-estudo-interior-geosfera-convertedFicha8 de-trabalho-metodos-estudo-interior-geosfera-converted
Ficha8 de-trabalho-metodos-estudo-interior-geosfera-converted
 
Bg11 teste 5
Bg11 teste 5Bg11 teste 5
Bg11 teste 5
 
Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...
Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...
Suíte Granítica Rio Pien: Um arco magmático do Proterozóico Superior na Micro...
 
1 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v11 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v1
 
Matos et al.2010 sistemas de falhas de afloramentos do triásico superior na r...
Matos et al.2010 sistemas de falhas de afloramentos do triásico superior na r...Matos et al.2010 sistemas de falhas de afloramentos do triásico superior na r...
Matos et al.2010 sistemas de falhas de afloramentos do triásico superior na r...
 
bg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docxbg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docx
 
Provaexemploareal
ProvaexemploarealProvaexemploareal
Provaexemploareal
 
AULÃO DE EXATAS_04_11_2022.pptx
AULÃO DE EXATAS_04_11_2022.pptxAULÃO DE EXATAS_04_11_2022.pptx
AULÃO DE EXATAS_04_11_2022.pptx
 
Aula hidrosfera
Aula hidrosferaAula hidrosfera
Aula hidrosfera
 
Aula hidrosfera 2020.ppt
Aula hidrosfera 2020.pptAula hidrosfera 2020.ppt
Aula hidrosfera 2020.ppt
 
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
 
Exame de biologia pdf
Exame de biologia pdfExame de biologia pdf
Exame de biologia pdf
 
Métodos para o estudo do interior da geosfera
Métodos para o estudo do interior da geosferaMétodos para o estudo do interior da geosfera
Métodos para o estudo do interior da geosfera
 
FT8 - ROCHAS SEDIMENTARES
FT8 - ROCHAS SEDIMENTARESFT8 - ROCHAS SEDIMENTARES
FT8 - ROCHAS SEDIMENTARES
 
Revisão 2
Revisão 2Revisão 2
Revisão 2
 
Revisão 2
Revisão 2Revisão 2
Revisão 2
 
Http _www.gave.min-edu.pt_np3content__news_id=388&filename=bg702_epoca_e...
Http  _www.gave.min-edu.pt_np3content__news_id=388&filename=bg702_epoca_e...Http  _www.gave.min-edu.pt_np3content__news_id=388&filename=bg702_epoca_e...
Http _www.gave.min-edu.pt_np3content__news_id=388&filename=bg702_epoca_e...
 
Teste de Avaliação Bde Geologia 11 ano
Teste de Avaliação Bde Geologia 11 anoTeste de Avaliação Bde Geologia 11 ano
Teste de Avaliação Bde Geologia 11 ano
 

Último

Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 

Preparação para o teste intermédio 1 2014

  • 1. Preparação para o Teste Intermédio Biologia e Geologia (Resolução do Teste Intermédio de 2013) 2013/2014 Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres JI nº 3 de Quarteira – EB1 /JI da Abelheira –EB1 nº 2 de Quarteira EB1 da Fonte Santa - EB23 de Quarteira - Escola Secundária Drª Laura Ayres Prof. Zenaida Lima
  • 2. O litoral rochoso situado a leste de Quarteira, na região oriental algarvia, constitui um exemplo evidente de um troço costeiro em rápido retrocesso. A taxa de recuo da linha costeira, nos sectores da arriba localizados a leste de Quarteira, atingiu valores significativos, sobretudo após a década de 70. A construção de algumas estruturas rígidas transversais à linha de costa, representadas na Figura 1, para proteger Quarteira da erosão costeira, agravou os problemas de erosão marinha a oriente da povoação. Lê o texto com atenção e observa a figura 1
  • 3. 1. A direção predominante da ondulação na zona de Quarteira deverá ser (A) SO-NE, conduzindo à acumulação de sedimentos a oriente de cada um dos esporões. (B) SO-NE, conduzindo à acumulação de sedimentos a ocidente de cada um dos esporões. (C) SE-NO, conduzindo à acumulação de sedimentos a oriente de cada um dos esporões. (D) SE-NO, conduzindo à acumulação de sedimentos a ocidente de cada um dos esporões. Se erraste esta questão deverás recordar: - a leitura dos pontos cardeais; - Oeste (O/W) = ocidente = poente ^ Este/leste (E) = oriente = nascente SO-NE SE-NO
  • 4. 2. A erosão costeira é um dos processos de fornecimento de sedimentos para o meio oceânico. A erosão de arribas talhadas em rochas sedimentares (A) detríticas consolidadas é responsável pelo fornecimento de materiais ricos em olivina. (B) carbonatadas é responsável pelo fornecimento de grande volume de material sedimentar. (C) carbonatadas é responsável pelo fornecimento de materiais ricos em quartzo. (D) detríticas pouco consolidadas é responsável pelo fornecimento de grande volume de sedimentos. Se erraste esta questão deverás recordar: - a formação de minerais, nas rochas magmáticas, de acordo com a série fracionada de Bowen - a composição das rochas carbonatadas (Rochas sedimentares quimiogénicas e biogénicas) - a noção de rochas detríticas e o seu modo de formação 3. A litificação de areias em arenitos resulta de processos de (A) aumento de volume, seguidos de compactação. (B) transporte, seguidos de erosão. (C) desidratação, seguidos de meteorização. (D) redução de porosidade, seguidos de cimentação. Se erraste esta questão deverás recordar: - Diagénese das rochas sedimentares
  • 5. 4. Explique de que forma a manutenção de campos de golfe sobre arribas litorais pouco consolidadas pode contribuir para aumentar a taxa de erosão dessas arribas. Na resposta, são apresentados os seguintes tópicos: • relação entre a manutenção de campos de golfe e a necessidade de rega; • relação entre o aumento da quantidade de águas de infiltração nas arribas e uma maior facilidade de desagregação da sua estrutura.
  • 6. Moléculas de RNA com um pequeno número de nucleótidos podem vir a ser utilizadas como fármacos, capazes de revolucionar o tratamento de algumas doenças humanas. As funções dessas moléculas de RNA, normalmente na forma de cadeia dupla (dsRNA), foram descobertas na década de 90, graças à identificação dos mecanismos de interferência do RNA, que reduzem a tradução de RNA mensageiros de genes-alvo. Um desses tipos de pequenos RNA é denominado micro-RNA (miRNA). Os genes que codificam estes miRNA são transcritos em sequências denominadas miRNA primários (pri-miRNA), que contêm regiões que se autocomplementam, dando origem a moléculas de cadeia dupla com extremidades em forma de laço. Por ação de um complexo enzimático nuclear, estas moléculas são processadas, formando-se os pré-microRNA (pré-miRNA) de cadeia dupla, com um número reduzido de nucleótidos. As moléculas de pré-miRNA são exportadas para o citoplasma, associam-se ao complexo RISC e são novamente processadas, formando-se o miRNA maduro de cadeia simples. O miRNA maduro direciona o complexo RISC para RNA mensageiros (mRNA) que contêm uma sequência complementar ao miRNA maduro. Quando se dá a complementaridade entre as duas moléculas de RNA, o RISC corta o mRNA ou retém-no no complexo. Qualquer destas ações resulta na inibição da tradução dos mRNA-alvo, silenciando o respetivo gene. A retenção no complexo, sem quebra do mRNA, resulta de uma complementaridade imperfeita. Assim, é possível que um mesmo miRNA tenha como alvo mRNA de diferentes genes. A Figura 2 apresenta o esquema simplificado da biogénese e do funcionamento do miRNA.
  • 8. 1. Um determinado miRNA poderá (A) regular vários genes num organismo. (B) impedir o processamento do mRNA. (C) provocar a separação de desoxirribonucleótidos. (D) inibir a exportação de exões. Se erraste esta questão deverás ter em conta a leitura atenta do texto: “Assim, é possível que um mesmo miRNA tenha como alvo mRNA de diferentes genes.” 2. A cadeia de miRNA que silenciará a sequência de DNA 5’ ATTCGG 3’ de um determinado gene- alvo deverá ter uma sequência (A) 3’ AUUCGG 5’. (B) 3’ UAAGCC 5’. (C) 5’ AUUCGG 3’. (D) 5’ UAAGCC 3’. Se erraste esta questão deverás: - ter em conta a leitura atenta do texto; - Rever a complementaridade das bases azotadas dos ácidos nucleicos; - Rever o sentido 5`3` da síntese dos ácidos nucleicos.
  • 9. 3. A quantidade de DNA de uma célula é reduzida para metade durante a (A) telófase II. (B) anáfase II. (C) metáfase I. (D) prófase I. Se erraste esta questão deverás recordar: - A meiose 4. Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica dos acontecimentos que ocorrem durante o silenciamento de um gene através de um mecanismo mediado por um miRNA. A. Formação de um pré-miRNA. B. Bloqueio da tradução do mRNA-alvo. C. Transcrição de nucleótidos. D. Formação de uma molécula com extremidades em forma de laço. E. Processamento enzimático no citoplasma. C D A E B
  • 10. 5. O desenvolvimento da tecnologia de silenciamento de genes associada ao RNA permite que pequenas moléculas de dsRNA, denominadas siRNA, possam ser introduzidas em células. Atualmente, várias empresas de biotecnologia podem produzir moléculas de siRNA para qualquer gene humano que o investigador pretenda silenciar. Explique como procederia para tratar, com recurso a moléculas de siRNA, uma doença celular cuja manifestação dependesse da produção de um determinado péptido. Na resposta, são apresentados os seguintes tópicos: • referência à produção de um siRNA correspondente ao gene causador da doença; • relação entre a introdução do siRNA nas células e o silenciamento do gene-alvo; • relação entre o silenciamento do gene-alvo e a inibição da síntese do péptido por ele codificado. Se erraste esta questão deverás: - Estudar os processos relativo à transcrição e tradução do ADN
  • 11. No culminar do processo de acreção, a Terra teria uma composição quase homogénea, similar à dos meteoritos mais primitivos. A enorme quantidade de energia térmica que a caracterizava, aliada à gravidade, conduziu à estrutura diferenciada que hoje conhecemos. O manto constitui 67% da massa e 82% do volume da Terra. Os materiais que constituem o manto só muito raramente estão acessíveis, o que leva a que, para o seu conhecimento, tenhamos de nos socorrer da Geofísica. Contudo, estudos isotópicos de alguns materiais mantélicos, em particular o estudo do decaimento do háfnio- tungsténio (Hf-W), permitem calcular que a formação do núcleo empobreceu o manto em elementos metálicos. Este processo terá sido extremamente rápido, estando concluído cerca de 35 M.a. após a formação do sistema solar. O gráfico da Figura 3 representa as variações da energia térmica e da pressão no interior da Terra na atualidade, traduzidas pelo traçado da curva geotérmica. Baseado em Mata, J. e Martins, L., A evolução do manto: uma perspetiva geoquímica, FCUL, 2009
  • 12. 1. A partir da análise da Figura 3, verifica-se que (A) o gradiente geotérmico é mais elevado no núcleo interno do que no núcleo externo. (B) a temperatura no núcleo externo é inferior à temperatura de fusão dos materiais. (C) a pressão aumenta de forma constante com a profundidade. (D) o gradiente geobárico é maior no núcleo externo do que no núcleo interno. Se erraste esta questão deverás recordar: - Gradiente geobárico = Variação da pressão com a profundidade, no interior da Terra. Crusta Manto Superior Manto Inferior Núcleo Externo Núcleo Interno Descontinuidade de Mohorovicic Descontinuidade de Gutenberg Descontinuidade de Lehmann
  • 13. Gradiente geotérmico é a taxa de variação do aumento da temperatura do interior da Terra com a profundidade. Grau Geotérmico é a profundidade em metros que, na crosta terrestre, é necessário descer para que se verifique a elevação de temperatura de um grau Não te esqueças que: Quanto maior o grau geotérmico, menor o gradiente geotérmico e vice versa Nas regiões interplacas, devido à intensa atividade vulcânica, o gradiente geotérmico é muito elevado mas o grau geotérmico é baixo. Nas regiões intraplaca verifica-se o inverso
  • 14. 2. Considera-se um método direto de investigação do interior da geosfera (A) a análise da composição mineralógica de meteoritos. (B) a análise do comportamento das ondas sísmicas em profundidade. (C) o estudo de fragmentos mantélicos transportados por magmas ascendentes. (D) o estudo do campo magnético terrestre atual. Se erraste esta questão deverás: Rever os métodos diretos e indiretos de investigação do interior da geosfera ( 10º ano) 3. A individualização do núcleo deu-se por um processo de (A) separação gravítica, que fez acumular no centro do planeta elementos de elevada densidade. (B) separação gravítica, que fez acumular no centro do planeta elementos de baixa densidade. (C) contração gravítica, que conduziu à concentração superficial de compostos ferroniquélicos. (D) contração gravítica, que conduziu à concentração em profundidade de compostos siliciosos. Se erraste esta questão deverás: Rever a formação do sistema solar e os processos de acreção e diferenciação do planeta Terra (10º ano)
  • 15. 4. O sistema isotópico Hf-W caracteriza- se por ter um período de semivida de 9 M.a., logo, o tempo necessário para a desintegração de 75% de háfnio é (A) 36 M.a. (B) 18 M.a. (C) 13,5 M.a. (D) 9 M.a. Se erraste esta questão deverás: Recordar a datação radiométrica. 2X 9M.a.= 18M.a
  • 16. 5. Explique o elevado gradiente geotérmico registado nas zonas de dorsal médio-oceânica. Na resposta, são apresentados os seguintes tópicos: • referência ao conceito de gradiente geotérmico; • relação entre a subida de materiais mantélicos na proximidade das dorsais e o rápido aumento da temperatura. 6. Faça corresponder cada uma das descrições expressas na coluna A à respetiva designação da zona da estrutura interna da Terra, que consta da coluna B. Escreva, na folha de respostas, apenas as letras e os números correspondentes. Utilize cada letra e cada número apenas uma vez. COLUNA A COLUNA B (a) Superfície a partir da qual deixa de haver propagação das ondas S. (b) Camada mais superficial onde predominam basaltos e gabros. (c) Camada interna intermédia, rígida, constituída por rochas ricas em silicatos de magnésio e de ferro. (d) Camada da geosfera constituída pela crosta e pelo manto superior rígido. (e) Superfície de transição entre a crosta e o manto superior. (1) Astenosfera (2) Crosta continental (3) Crosta oceânica (4) Descontinuidade de Gutenberg (5) Descontinuidade de Lehmann (6) Descontinuidade de Mohorovicic (7) Litosfera (8) Mesosfera A-4 B-3 C-8 D-7 E-6
  • 17. Se erraste esta questão deverás rever: -Modelo físico e químico da estrutura interna da Terra -Ondas Sísmicas
  • 18. Cuscuta pentagona é uma planta trepadeira e parasita, cor de laranja, que produz pequenas flores brancas. Esta planta é invulgar pelo facto de não ter folhas nem clorofila. Para viver, Cuscuta fixa-se numa planta hospedeira e suga os seus nutrientes, inserindo-lhe um apêndice no sistema vascular. Baseado em www2.uol.com.br/sciam (consultado em outubro de 2012) 1. Cuscuta pentagona é um ser heterotrófico, pois (A) não realiza fotossíntese por ser desprovida de clorofila. (B) necessita de obter compostos orgânicos através do xilema do hospedeiro. (C) necessita de uma fonte externa de carbono orgânico. (D) é incapaz de captar energia luminosa por não ter folhas. 2. Durante a fase fotoquímica, a incidência da luz nos tecidos clorofilinos da planta hospedeira provo ca (A) oxidação da água e imediata libertação de oxigénio. (B) absorção da energia de comprimento de onda correspondente ao verde. (C) redução da água e fixação de dióxido de carbono. (D) fixação de dióxido de carbono com produção de compostos orgânicos. Se erraste a questão tens que rever: - a fotossíntese - Não te esqueça que reações de oxidação envolvem a entrada de oxigénio ou a retirada de hidrogénio de uma substância.
  • 19. Luz
  • 20. 3. A abertura dos estomas das plantas deve-se (A) à modificação da estrutura da membrana celular das células-guarda. (B) ao decréscimo da pressão osmótica nas células-guarda. (C) ao aumento da pressão de turgescência nas células-guarda. (D) à alteração da espessura da parede das células-guarda. Se erraste tens que rever o funcionamento dos estomas
  • 21. 4. Explique, de acordo com a hipótese do fluxo de massa, o mecanismo de translocação da seiva floémica na planta hospedeira. Na resposta, são apresentados os seguintes tópicos: • referência à transformação de glicose em sacarose e à sua passagem para o floema por transporte ativo; • relação entre o aumento de pressão osmótica no interior dos tubos crivosos e a entrada de água; • relação entre o aumento da pressão de turgescência e o deslocamento da seiva floémica para a célula seguinte; • relação entre a passagem da sacarose para os órgãos de consumo (com a consequente diminuição da pressão osmótica no interior dos tubos crivosos) e a saída de água para as células vizinhas.
  • 22. Com o objetivo de investigar as alterações nos valores de pH durante o aumento do exercício físico em futebolistas profissionais, foram analisados três parâmetros que podem condicionar – a concentraçãode lactato. Noâmbitodoestudo,foirealizadoumtestedecampoa19jogadores,queconsistiunaaplicaçãode umprotocoloemqueháumaumentoprogressivodevelocidade:começou-secomumavelocidadede 11km/h(V11)e foi-se aumentandoa velocidade,1 km/hem cadaestádio,até completarum total de cinco estádios (de V11a V15). A cada sujeito da amostra foram feitas colheitasde sangue capilar antes do teste e no final de cada estádio.Os resultadosobtidosconstamda Tabela1. TABELA1 REPOUSO V11 V12 V13 V14 V15 pH 7,42 7,42 7,40 7,38 7,36 7,33 PCO2 (mm Hg) 38,84 38,32 36,21 34,05 31,47 29,90 – Lactato(mmol/L) 1,65 2,90 4,22 7,16 9,09 11,69 Baseadoem www.uax.es(consultadoem outubrode 2012)
  • 23. 1. No estudo apresentado, a variável dependente é (A) o valor de pH. (B) a pressão parcial de CO2. (C) a concentração de HCO3 - (D) a concentração de lactato. 2. Os resultados do estudo sugerem que (A) a prática de exercício físico eleva os valores de alcalinidade do sangue. (B) a intensificação do exercício físico aumenta a taxa de fermentação celular. (C) o decréscimo da PCO2 reduz a utilização deste gás pelas células. (D) o aumento dos níveis de lactato provoca uma diminuição brusca do pH sanguíneo. Se erraste a questão terás que rever: -Respiração celular -Fermentação
  • 24. 3. O sistema respiratório desempenha um papel importante na manutenção do equilíbrio ácido-base do organismo. A dissociação de ácido láctico para formar lactato provoca um aumento da concentração de iões H+. Estes iões reagem com o HCO3 –, formando-se CO2, que é libertado durante a ventilação pulmonar. Explique a evolução dos dados obtidos durante o teste de campo, relativos ao lactato, ao pH e ao HCO3– , tendo em conta o restabelecimento do equilíbrio ácido-base do organismo. Na resposta, são apresentados os seguintes tópicos: • relação entre o aumento da concentração de lactato, devido à fermentação láctica, e a diminuição do pH; • relação entre a reação do H+ com o HCO3 – (para manter o equilíbrio ácido-base do organismo) e a diminuição da concentração de HCO3–. Atenção! Esta questão requer alguns conhecimentos de reações ácido-base. -O lactato origina iões H+  acidificação do sangue -para reduzir a quantidade de iões H+ e aumentar o pH vai-se dar a reação H+ HCO3-  Co2 +H2O que neutraliza o pH. O co2 é libertado na expiração - É por isso que a quantidade de HCO3- diminui.