SlideShare uma empresa Scribd logo

Análise de variância.pptx

A análise de variância compara médias de diferentes populações para verificar se essas populações possuem médias iguais ou não. Assim, essa técnica permite que vários grupos sejam comparados a um só tempo.

1 de 22
Baixar para ler offline
Análise de variância
• A análise de variância compara médias de diferentes populações para
verificar se essas populações possuem médias iguais ou não. Assim,
essa técnica permite que vários grupos sejam comparados a um só
tempo.
• Em outras palavras, a análise de variância é utilizada quando se quer
decidir se as diferenças amostrais observadas são reais (causadas por
diferenças significativas nas populações observadas) ou casuais
(decorrentes da mera variabilidade amostral). Portanto, essa análise
parte do pressuposto que o acaso só produz pequenos desvios, sendo
as grandes diferenças geradas por causas reais
Exigências para executar a análise de
variância
• Os pressupostos básicos da análise de variância são:
• As amostras são aleatórias e independentes;
• As populações têm distribuição normal (o teste é paramétrico).
• As variâncias populacionais são iguais.
• Na prática, esses pressupostos não precisam ser todos rigorosamente
satisfeitos. Os resultados são empiricamente verdadeiros sempre que
as populações são aproximadamente normais (isso é, não muito
assimétricas) e têm variâncias próximas.
Teste de Hipótese
• Um teste de hipótese é um método de inferência estatística usando
dados de um estudo científico. É um procedimento estatístico
baseado na análise de uma amostra, através da teoria de
probabilidades, usado para avaliar determinados parâmetros que são
desconhecidos numa população. A expressão teste de
significância foi criada por Ronald Fisher:
Anúncio

Recomendados

Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)
Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)
Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)Sandra Lago Moraes
 
Cap5 - Parte 2 - Intervalo De Confiança 1
Cap5 - Parte 2 - Intervalo De Confiança 1Cap5 - Parte 2 - Intervalo De Confiança 1
Cap5 - Parte 2 - Intervalo De Confiança 1Regis Andrade
 
Estatistica inferencial
Estatistica inferencial Estatistica inferencial
Estatistica inferencial Caio da Silva
 
Cap5 - Parte 1 - Conceitos
Cap5 - Parte 1 - ConceitosCap5 - Parte 1 - Conceitos
Cap5 - Parte 1 - ConceitosRegis Andrade
 
AMD - Aula n.º 1 - testes 1 amostra (1).pptx
AMD - Aula n.º 1 - testes 1 amostra (1).pptxAMD - Aula n.º 1 - testes 1 amostra (1).pptx
AMD - Aula n.º 1 - testes 1 amostra (1).pptxNunoSilva599593
 
Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosRosario Cação
 

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Análise de variância.pptx

Fundamentos da bioestatística
Fundamentos da bioestatísticaFundamentos da bioestatística
Fundamentos da bioestatísticaJuliano van Melis
 
Curso #H4A - Módulo 5
Curso #H4A - Módulo 5Curso #H4A - Módulo 5
Curso #H4A - Módulo 5Mgfamiliar Net
 
Tecnicas de Pesquisa em Psicologia 6
Tecnicas de Pesquisa em Psicologia 6Tecnicas de Pesquisa em Psicologia 6
Tecnicas de Pesquisa em Psicologia 6Alex Rilie
 
ESTATÍSTICA-BÁSICA-SUMÁRIO-1a-PARTE-REVISADO-2013.pdf
ESTATÍSTICA-BÁSICA-SUMÁRIO-1a-PARTE-REVISADO-2013.pdfESTATÍSTICA-BÁSICA-SUMÁRIO-1a-PARTE-REVISADO-2013.pdf
ESTATÍSTICA-BÁSICA-SUMÁRIO-1a-PARTE-REVISADO-2013.pdfssuserac1de6
 
estatistica.docx
estatistica.docxestatistica.docx
estatistica.docxpablovar159
 
Estatística Aplicada à Administração - Aula 17: Testes de Hipóteses
Estatística Aplicada à Administração - Aula 17: Testes de HipótesesEstatística Aplicada à Administração - Aula 17: Testes de Hipóteses
Estatística Aplicada à Administração - Aula 17: Testes de HipótesesMarcus Araújo
 
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem DanielAula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem Danielguest8af68839
 
EstatíStica Aula 00
EstatíStica Aula 00EstatíStica Aula 00
EstatíStica Aula 00educacao f
 
Pesquisa Quantitativa: aspectos teóricos e computacionais
Pesquisa Quantitativa: aspectos teóricos e computacionaisPesquisa Quantitativa: aspectos teóricos e computacionais
Pesquisa Quantitativa: aspectos teóricos e computacionaisRodrigo Rodrigues
 
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnósticoICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnósticoRicardo Portela
 
Distribuição Amostral da Média
Distribuição Amostral da MédiaDistribuição Amostral da Média
Distribuição Amostral da MédiaAnderson Pinho
 
Teste de hipóteses - paramétricos
Teste de hipóteses - paramétricosTeste de hipóteses - paramétricos
Teste de hipóteses - paramétricosRodrigo Rodrigues
 
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.pptCurso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.pptssuser2b53fe
 
Aula parte6 distribuicao_amostral
Aula parte6 distribuicao_amostralAula parte6 distribuicao_amostral
Aula parte6 distribuicao_amostraligorjlc
 
Seminário bioestatística testes paramétricos
Seminário bioestatística   testes paramétricosSeminário bioestatística   testes paramétricos
Seminário bioestatística testes paramétricosMarlio Carlos
 
Aula 5 - Educação física
Aula 5 - Educação físicaAula 5 - Educação física
Aula 5 - Educação físicaCaroline Godoy
 

Semelhante a Análise de variância.pptx (20)

Fundamentos da bioestatística
Fundamentos da bioestatísticaFundamentos da bioestatística
Fundamentos da bioestatística
 
Curso #H4A - Módulo 5
Curso #H4A - Módulo 5Curso #H4A - Módulo 5
Curso #H4A - Módulo 5
 
Tecnicas de Pesquisa em Psicologia 6
Tecnicas de Pesquisa em Psicologia 6Tecnicas de Pesquisa em Psicologia 6
Tecnicas de Pesquisa em Psicologia 6
 
ESTATÍSTICA-BÁSICA-SUMÁRIO-1a-PARTE-REVISADO-2013.pdf
ESTATÍSTICA-BÁSICA-SUMÁRIO-1a-PARTE-REVISADO-2013.pdfESTATÍSTICA-BÁSICA-SUMÁRIO-1a-PARTE-REVISADO-2013.pdf
ESTATÍSTICA-BÁSICA-SUMÁRIO-1a-PARTE-REVISADO-2013.pdf
 
estatistica.docx
estatistica.docxestatistica.docx
estatistica.docx
 
Estatística - Aula 6
Estatística - Aula 6Estatística - Aula 6
Estatística - Aula 6
 
Teste hip facil
Teste hip facilTeste hip facil
Teste hip facil
 
Estatística Aplicada à Administração - Aula 17: Testes de Hipóteses
Estatística Aplicada à Administração - Aula 17: Testes de HipótesesEstatística Aplicada à Administração - Aula 17: Testes de Hipóteses
Estatística Aplicada à Administração - Aula 17: Testes de Hipóteses
 
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem DanielAula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
 
EstatíStica Aula 00
EstatíStica Aula 00EstatíStica Aula 00
EstatíStica Aula 00
 
Tq7
Tq7Tq7
Tq7
 
Pesquisa Quantitativa: aspectos teóricos e computacionais
Pesquisa Quantitativa: aspectos teóricos e computacionaisPesquisa Quantitativa: aspectos teóricos e computacionais
Pesquisa Quantitativa: aspectos teóricos e computacionais
 
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnósticoICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
 
Distribuição Amostral da Média
Distribuição Amostral da MédiaDistribuição Amostral da Média
Distribuição Amostral da Média
 
Teste de hipóteses - paramétricos
Teste de hipóteses - paramétricosTeste de hipóteses - paramétricos
Teste de hipóteses - paramétricos
 
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.pptCurso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
 
Aula parte6 distribuicao_amostral
Aula parte6 distribuicao_amostralAula parte6 distribuicao_amostral
Aula parte6 distribuicao_amostral
 
Amostragem
AmostragemAmostragem
Amostragem
 
Seminário bioestatística testes paramétricos
Seminário bioestatística   testes paramétricosSeminário bioestatística   testes paramétricos
Seminário bioestatística testes paramétricos
 
Aula 5 - Educação física
Aula 5 - Educação físicaAula 5 - Educação física
Aula 5 - Educação física
 

Último

"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer""Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"josianispflia
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...Unicesumar
 
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdfGuia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdfomelhordashoppeestaa
 
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...sdl192405
 
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPOCONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPOAnderson Souza
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024taynaradl79
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...taynaradl79
 
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...Unicesumar
 
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...sdl192405
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...Unicesumar
 
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024dlp391622
 
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...sdl192405
 
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\Renandantas16
 
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024dlalicia08
 
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024dlkauana81
 
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024dlkauana81
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.Unicesumar
 

Último (17)

"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer""Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdfGuia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
 
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
 
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPOCONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
 
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
 
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
 
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
 
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
 
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
 
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
 
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
 

Análise de variância.pptx

  • 2. • A análise de variância compara médias de diferentes populações para verificar se essas populações possuem médias iguais ou não. Assim, essa técnica permite que vários grupos sejam comparados a um só tempo.
  • 3. • Em outras palavras, a análise de variância é utilizada quando se quer decidir se as diferenças amostrais observadas são reais (causadas por diferenças significativas nas populações observadas) ou casuais (decorrentes da mera variabilidade amostral). Portanto, essa análise parte do pressuposto que o acaso só produz pequenos desvios, sendo as grandes diferenças geradas por causas reais
  • 4. Exigências para executar a análise de variância • Os pressupostos básicos da análise de variância são: • As amostras são aleatórias e independentes; • As populações têm distribuição normal (o teste é paramétrico). • As variâncias populacionais são iguais.
  • 5. • Na prática, esses pressupostos não precisam ser todos rigorosamente satisfeitos. Os resultados são empiricamente verdadeiros sempre que as populações são aproximadamente normais (isso é, não muito assimétricas) e têm variâncias próximas.
  • 6. Teste de Hipótese • Um teste de hipótese é um método de inferência estatística usando dados de um estudo científico. É um procedimento estatístico baseado na análise de uma amostra, através da teoria de probabilidades, usado para avaliar determinados parâmetros que são desconhecidos numa população. A expressão teste de significância foi criada por Ronald Fisher:
  • 7. • Os testes de hipótese são constituídos de alternativas que são testadas. Uma população tem uma amostra retirada e através da aplicação de teoria de probabilidades é possível tirar conclusões em relação a essa amostra, como determinar sua veracidade em relação a composição da população, distinguir entre diferentes populações das quais a amostra pode ser oriunda, auxiliar na comprovação de uma teoria ou no remodelamento dos métodos de testes aplicados para a sua comprovação, determinar limites estatísticos para uma população (doenças, intenções de voto, salário, por exemplo), checar a confiabilidade de um estudo e no auxílio de qualquer tomada de decisão simples em que seja necessário um rigor estatístico para comprovação da escolha.
  • 8. • São fundamentais os seguintes conceitos para um teste de hipótese: • Hipótese nula (H0) : é a hipótese que assumimos como verdade para a construção do teste. É o efeito, teoria, alternativa que estamos interessados em testar. • Hipótese alternativa (H1) : é o que consideramos caso a hipótese nula não tenha evidência estatística que a defenda. • Erro do tipo I: a probabilidade de rejeitarmos a hipótese nula quando ela é efetivamente verdadeira (alpha) • Erro do tipo II: a probabilidade de rejeitarmos a hipótese alternativa quando ela é efetivamente verdadeira.
  • 9. • Também é fundamental compreender que o estudo da teoria das probabilidades e a eficiência em determinar a estatística de teste correta são componentes cruciais para um resultado coerente da aplicação. Caso as hipóteses não sejam assumidas de forma correta, ou sejam cometidos erros em relação a suas atribuições ou estatísticas relacionadas, também será incorreto o resultado do teste e sua informação será incoerente com o problema estudado.
  • 10. Procedimento Geral de um Teste de Hipótese • Avaliando o problema, escolhemos as hipóteses. A hipótese nula, que será testada, e a hipótese alternativa. • Utilizando da teoria estatística e informações disponíveis no problema, decidimos qual será a estatística utilizada para testar a hipótese nula. Em outras palavras, qual será o estimador para o teste. Geralmente obtemos as propriedades para esse estimador (média, desvio padrão, distribuição estatística). • Admita um valor para o Erro do tipo I (alpha), também chamado nível de significância. Com o valor para alpha escolhido, e com os parâmetros que desejamos testar e os que obtemos do problema, construímos a região crítica. Esta que nos servirá de regra de decisão para rejeitarmos ou não a hipótese nula.
  • 11. • Retiramos da população uma amostra, e, usando as observações desta, como a média, desvio padrão, distribuição, executamos os cálculos para determinarmos o valor da estatística de teste. Geralmente tratamos da Distribuição Normal, que usamos a estatística de teste Z, ou da Distribuição t de Student, cuja estatística é t. • Se o valor da estatística (Z ou t) calculado com os dados da amostra retirada da população não pertencer à região crítica estabelecida pelo nível de significância, não rejeitamos a hipótese nula. Se pertencer, rejeitamos a hipótese nula.
  • 12. • Para situações onde não é possível rejeitar a hipótese nula, o procedimento pode ser repetido com diferentes valores para o nível de significância, a fim de dar maior precisão para a decisão fornecida pelo cálculo da região crítica e da estatística de teste. •
  • 13. Procedimento Alternativo para um Teste de Hipótese • Existe um caminho mais rápido para concluirmos a respeito da hipótese testada. Ao invés da construção de uma região crítica procedemos direto para o P-valor. O p -valor é uma estatística muito utilizada para sintetizar o resultado de um teste de hipóteses. Formalmente, é definido como a probabilidade de se obter uma estatística de teste igual ou mais extrema quanto aquela observada em uma amostra, assumindo verdadeira a hipótese nula.
  • 14. • Adotado um nível de significância para o problema a ser estudado, calculamos a estatística de teste Z ou t. • Ao invés de compararmos o valor obtido com a região crítica definida pelo nível de significância, calculamos a probabilidade de obtermos valores da estatística de teste mais extremos do que o encontrado. • Nosso trabalho é averiguar se essa probabilidade é comparável a de um evento raro dado o nível de significância que escolhemos. Quanto mais raro o evento, com mais força podemos concluir a respeito da hipótese nula.
  • 15. • Fisher estipulou um padrão para o P-valor quando utilizado contra a hipótese nula, conferindo um índice de força para a natureza da evidência que estava sendo testada. Em suma, para um valor de erro escolhido, calculamos um p-valor através de resultados mais extremos que o obtidos da estatística de teste da amostra, o que nos possibilita rejeitar a hipótese nula sempre que nosso nível de significância for maior que o P-valor calculado. • Na literatura, o P-valor é muitas vezes chamado de Probabilidade de Significância.
  • 16. Exemplo Semente 1 Semente 2 Semente 3 Semente 4 103 110 114 115 105 108 114 117 108 107 113 113 106 107 116 115
  • 17. 1- Construção das Hipóteses • Ho=µ1=µ2=µ3=µ4 • H1=Existe pelo menos 1 diferença;
  • 18. Semente 1 Semente 2 Semente 3 Semente 4 103 110 114 115 105 108 114 117 108 107 113 113 106 107 116 115 ∑ 422 432 457 460 µ 105,5 108 114,25 115
  • 19. 2 – Atribuição do erro admisível • α=0,05 Fonte da variação SQ Entre grupos 261,6875 Dentro dos grupos 31,75 Total 293,4375