SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
Qualidade e Teste de
Software
RODRIGO FONTE
ANALISTA DE SISTEMAS - CAPGEMINI
Agenda
 Quem sou?
 Atuação
 Desde os primórdios…
 Qualidade de software x Teste
 O que é teste?
 Por que teste é importante?
 Qual o impacto de não fazer teste?
 Técnicas de Teste
 Técnicas Ágeis
 Carreira de teste
Quem sou?
• 8 anos atuando com teste de software
Teste manual…
Teste de
performance…Automação de
teste…
Ferramentas…
Atuação
Demanda de
Teste
Entendimento
Criação de plano
de testes
Desenvolvimento de
scripts
Agendamento de
execução e revisão
Execução do teste
Geração de
laudo final
Performance Test
Desde os primórdios…
1848
Thomas Edson
Encontrado um inseto em uma
máquina
BUG
1947
Harvard Mark
Primeiro BUG de computador
1979
“The Art of Software Testing”
Glendford Myers
Qualidade de Software
1980
Modelos prescritivos de
desenvolvimento
E ferramentas de teste
Qualidade de software x Teste
 "Qualidade de software é um processo sistemático que focaliza todas as etapas e artefatos produzidos com
o objetivo de garantir a conformidade de processos e produtos, prevenindo e eliminando defeitos".
(BARTIÉ, 2002, p. 16)
 "Definir explicitamente o termo qualidade de software, quando o mesmo é dito";(PRESSMAN, 2005, p. 193)
 "Criar um conjunto de atividades que irão ajudar a garantir que cada produto de trabalho da engenharia de
software exiba alta qualidade"; (PRESSMAN, 2005, p. 193)
 "Realizar atividades de segurança da qualidade em cada projeto de software";(PRESSMAN, 2005, p. 193)
 "Usar métricas para desenvolver estratégias para a melhoria de processo de software e, como conseqüência, a
qualidade no produto final"; (PRESSMAN, 2005, p. 193)
 Teste é uma das atividades dentro do processo de qualidade.
O que é teste ?
 É o processo de execução de um produto para determinar se
ele atingiu suas especificações e funcionou corretamente no
ambiente para o qual foi projetado.
O que é teste ?
Executar o teste?
O que é teste ?
 Planejamento e controle;
 Escolha das condições do teste;
 Modelagem de casos de teste;
 Checagem dos resultados;
 Avaliação de critério de execução;
 Geração de relatórios;
O que é teste ?
 Testes podem possuir objetivos diferentes:
 Encontrar defeitos;
 Ganhar confiança sobre o nível de qualidade;
 Prover informações para tomada de decisão;
 Previnir defeitos;
Por que teste é importante?
 “O ser humano está sujeito a cometer um erro (engano), que produz um defeito
(falha, bug), no código, em um software ou sistema ou em um documento.“
 Possíveis causas:
 Pressão de prazo;
 Códigos complexos;
 Complexidade na infraestrutura;
 Mudanças de tecnologia;
Por que teste é importante?
 Redução dos riscos de ocorrências em ambiente operacional;
 Contribui para a qualidade da aplicação;
 Defeitos corrigidos antes de implantar em produção;
 Atender a requisitos contratuais ou legais;
Por que teste é importante?
Fonte: http://blog.onedaytesting.com.br/teste-de-software
Por que teste é importante?
Fonte: The Standish Group - Chaos Report 2015
Qual o impacto de não fazer teste?
 31.1% dos projetos serão cancelados antes mesmo de serem completados;
 16.2% dos projetos de software são completos no tempo correto e com o valor
planejado gasto;
 9% quando falamos de empresas de grande porte;
 52,7% dos projetos irão custar 189% do valor original estimado;
 Os projetos entregues possuem 42% das funcionalidades originalmente
propostas;
Qual o impacto de não fazer teste?
Opinião dos executivos:
Fonte: The Standish Group - Chaos Report 2015
Qual o impacto de não fazer teste?
Fatores que mais impactam um projeto:
Fonte: The Standish Group - Chaos Report 2015
Qual o impacto de não fazer teste?
 Problemas no Mariner (1962)
 Custo: 18,5 milhões dólares
 Desastre: Mariner, um foguete com uma
sonda espacial para Vênus, foi desviado de
seu percurso de voo logo após o lançamento.
O controle da missão destruiu o foguete 293
segundos após a decolagem.
 Causa: Um programador, ao passar para o
computador uma fórmula que haviam lhe
entregado escrita manualmente, se esqueceu
de uma barra. Sem ela, o software tratava
variações normais de velocidade como se
fossem sérios problemas, causando falhas por
tentativas de correções que acabaram por
enviar o foguete fora do curso.
 Bug do Milênio (1999)
 Custo: $500 bilhões
 Desastre: O desastre de um homem é a fortuna de
outro, como demonstra o Bug do Milênio. Empresas
gastaram bilhões com programadores para corrigir
uma falha no software legado. Embora nenhum
falha significativa ocorreu, a preparação para o Bug
do Milênio teve um custo significativo e impacto no
tempo em todas as indústrias que usam a tecnologia
computacional.
 Causa: Para economizar espaço de armazenamento
de computador, softwares legados muitas vezes
armazenavam anos para datas com números de dois
dígitos, como 99 para 1999. Esses softwares também
interpretavam 00 para significar 1900, em vez de
2000, por isso, quando o ano de 2000 veio, bugs
apareceriam.
Qual o impacto de não fazer teste?
 Desatre no FBI (2005)
 Custo: $105 milhões jogados fora!
 Desastre: O FBI desistiu da revisão de um sistema após quatro anos de esforço. O
projeto Arquivo Virtual foi um maciço sistema de software integrado para agentes
compartilharem arquivos de casos e outras informações.
 Causa: Má gestão e uma tentativa de construir um projeto de longo prazo sobre
tecnologia ultrapassada, resultou em um sistema complexo e inutilizável.
Técnicas de teste
 Caixa Preta
 É uma forma de derivar e selecionar as condições e casos de testes baseados na análise
da documentação.
 Modelos, formais ou informais, são utilizados para especificação de um problema a ser
resolvido, o software ou seu componente.
 Os casos de testes podem ser derivados sistematicamente destes modelos.
Técnicas de teste
Caixa-Preta
Funcional
Não
Funcional
 Funcional
 Especificação de requisitos;
 Casos de uso;
 Especificação funcional;
 Podem não estar documentados.
 As funções representam “o que” o sistema faz.
 Testes funcionais são baseados em funções (descritas nos documentos ou
compreendidas pelos testadores)
 Teste funcional considera o comportamento externo do software (teste caixa-preta).
Técnicas de teste
Caixa-Preta
Funcional
Não
Funcional
 Não Funcional
 Como o sistema trabalha!
 Medir as características que podem ser quantificadas em uma escala variável como o
tempo de resposta;
 Avaliar:
 Capacidade;
 Robustez;
 Disponibilidade conforme as conexões simultâneas;
 Avaliar o comportamento do sistema em condições anormais.
 Evitar: indisponibilidade e insuficiência dos recursos;
Técnicas de teste
Caixa-Preta
Funcional
Não
Funcional
 Não Funcional
 Tipos:
 Teste de performance;
 Teste de carga;
 Teste de estresse;
 Teste de usabilidade;
 Teste de interoperabilidade;
 Teste de manutenibilidade;
 Teste de confiabilidade;
 Teste de portabilidade.
Técnicas de teste
Caixa-Preta
Funcional
Não
Funcional
 Não Funcional
 Benefícios:
 Verificar a qualidade do sistema desenvolvido;
 Testar a capacidade da infraestrutura contratada;
 Saber a quantidade de acessos simultâneos suportado;
 Identificar o ponto de exaustão da aplicação;
Técnicas de teste
Caixa-Preta
Funcional
Não
Funcional
 Não Funcional – Dados de pesquisa
 O carregamento ideal de páginas deve ser de 250 milissegundos ¼ de segundo ou UMA
PISCADA! (Harry Shum)
 Forest Research – Tempo que o usuário aguarda:
 Min 2 seg: aguardam
 Méd 3-5 seg: insatisfeito
 Máx 5> segundos: abandonam
 100 milissegundos a mais no tempo de carregamento de uma página resulta em uma perda de
1% nas vendas OU 1 segundo 10% de vendas perdidas.
Fonte: http://www.speedawarenessmonth.com/slow-websites-cost-the-us-ecommerce-market-504-billion-in-2011/#sthash.KYc3OVTu.dpuf
Técnicas de teste
 Automação
 Aplicação de estratégias e ferramentas com o objetivo de reduzir o
envolvimento humano em atividades manuais repetitivas.
 Testes regressivos com maior amplitude e profundidade.
 Baseado na interface gráfica
 Gravação/Execução (Capture/Playback)
 Dirigido a dados (Data-Driven)
 Dirigido à palavra-chave (Keyword-Driven)
 Baseado na lógica de negócio
 Baseado na linha de comando (Command Line Interface)
 Baseado em API (Application Programming Interface)
 Test Harness (criação de um pequeno programa)
Técnicas de teste
Técnicas de teste
 Caixa Branca
 Técnicas baseadas na estrutura interna de um componente ou sistema.
 Informações sobre como o software é construído é utilizada para derivar os casos de
testes. Por exemplo, código e informações detalhadas de modelagem.
 A extensão da cobertura do software pode ser medida pelos casos de testes. Além
disto, os casos de testes podem ser derivados sistematicamente para aumentar a
cobertura.
Técnicas ágeis
 TDD – Test Driven Development
 Escreva um teste que falhe;
 Escreva um código que faça o teste passar;
 Melhore o código;
 Teste como especificação;
Técnicas ágeis
 BDD – Behavior Driven Development
 Dan North 2003;
 Foco principal o comportamento do software;
 Envolver partes interessadas no processo;
 Utilizar linguagem ubíqua para descrever o comportamento de uma aplicação;
 Os nomes dos métodos devem ser sentenças;
 Um nome mais expressivo auxilia melhor quando um teste falha;
 Padrão:
 Given <context inicial>
 When <quando ocorre um evento>
 Then <garantir quais são as saídas>
 Ferramentas
Carreira de teste
 Não exige habilidades técnicas?
 É uma carreira para que não quer programar?
 Basta ter uma visão crítica?
PÉSSIMA ESCOLHA!!!!
ESCOLHA CERTA!!!
Carreira de teste
 Teste de software faz parte do desenvolvimento?
 Não gosta de fazer trabalhos repetitivos?
 Considera que teste faz parte da equipe toda?
Carreira de teste
 Cargos tradicionais:
 Testador – Executa
 Analista – Modela e Executa
 Automatizador – Automatiza os testes
 QA – Junção dos 3 papéis
A carreira de testes ainda vale a pena?
Mr. Client and Mr. Web
Fonte
 Qualister - www.qualister.com.br
 BSTQB - www.bstqb.org.br
 Profissionais de TI - www.profissionaisti.com.br
 OWASP – Chaos Report 2015
Contato
 Rodrigo Fonte
 E-mail: rodrigo.fonte@hotmail.com
 Medium: @rfonte
 Linkedin: rodrigofonte

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Engenharia de Testes
Engenharia de TestesEngenharia de Testes
Engenharia de Testes
UFPA
 
Uniinfo2010 introdução teste de software - priscila coelho blauth2
Uniinfo2010 introdução teste de software - priscila coelho blauth2Uniinfo2010 introdução teste de software - priscila coelho blauth2
Uniinfo2010 introdução teste de software - priscila coelho blauth2
Priscila Coelho S. Blauth
 
Uma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De Processo
Uma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De ProcessoUma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De Processo
Uma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De Processo
crc1404
 

Mais procurados (20)

Engenharia de Testes
Engenharia de TestesEngenharia de Testes
Engenharia de Testes
 
Verificação e validação de software
Verificação e validação de softwareVerificação e validação de software
Verificação e validação de software
 
Fundamentos de Testes de Software
Fundamentos de Testes de SoftwareFundamentos de Testes de Software
Fundamentos de Testes de Software
 
Artigo - OS FUNDAMENTOS DE TESTE DE SOFTWARE E SUA IMPORTÂNCIA NA QUALIDADE D...
Artigo - OS FUNDAMENTOS DE TESTE DE SOFTWARE E SUA IMPORTÂNCIA NA QUALIDADE D...Artigo - OS FUNDAMENTOS DE TESTE DE SOFTWARE E SUA IMPORTÂNCIA NA QUALIDADE D...
Artigo - OS FUNDAMENTOS DE TESTE DE SOFTWARE E SUA IMPORTÂNCIA NA QUALIDADE D...
 
Papéis em Teste e Qualidade de Software
Papéis em Teste e Qualidade de SoftwarePapéis em Teste e Qualidade de Software
Papéis em Teste e Qualidade de Software
 
Uniinfo2010 introdução teste de software - priscila coelho blauth2
Uniinfo2010 introdução teste de software - priscila coelho blauth2Uniinfo2010 introdução teste de software - priscila coelho blauth2
Uniinfo2010 introdução teste de software - priscila coelho blauth2
 
Introdução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade IIntrodução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade I
 
Validação e Testes de software
Validação e Testes de softwareValidação e Testes de software
Validação e Testes de software
 
Qualidade e Teste de Software
Qualidade e Teste de SoftwareQualidade e Teste de Software
Qualidade e Teste de Software
 
OS FUNDAMENTOS DE TESTE DE SOFTWARE E SUA IMPORTÂNCIA NA QUALIDADE DE PROJETOS
OS FUNDAMENTOS DE TESTE DE SOFTWARE E SUA IMPORTÂNCIA NA QUALIDADE DE PROJETOSOS FUNDAMENTOS DE TESTE DE SOFTWARE E SUA IMPORTÂNCIA NA QUALIDADE DE PROJETOS
OS FUNDAMENTOS DE TESTE DE SOFTWARE E SUA IMPORTÂNCIA NA QUALIDADE DE PROJETOS
 
Ctai Teste De Software Aula 2
Ctai Teste De Software Aula 2Ctai Teste De Software Aula 2
Ctai Teste De Software Aula 2
 
Testes de Software - Fundamentos
Testes de Software - FundamentosTestes de Software - Fundamentos
Testes de Software - Fundamentos
 
Teste de Software Introdução à Qualidade
Teste de Software Introdução à Qualidade Teste de Software Introdução à Qualidade
Teste de Software Introdução à Qualidade
 
Uma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De Processo
Uma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De ProcessoUma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De Processo
Uma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De Processo
 
Testes de software
Testes de softwareTestes de software
Testes de software
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
 
Revisao inspecao artefatos testes estaticos
Revisao inspecao artefatos testes estaticosRevisao inspecao artefatos testes estaticos
Revisao inspecao artefatos testes estaticos
 
Testes Funcionais
Testes FuncionaisTestes Funcionais
Testes Funcionais
 
Ctfl 2018 sample_b[v1.3br]
Ctfl 2018 sample_b[v1.3br]Ctfl 2018 sample_b[v1.3br]
Ctfl 2018 sample_b[v1.3br]
 
Certificações em Teste e Qualidade de Software
Certificações em Teste e Qualidade de SoftwareCertificações em Teste e Qualidade de Software
Certificações em Teste e Qualidade de Software
 

Semelhante a Teste de software

Introdução à Engenharia de Testes de Software
Introdução à Engenharia de Testes de SoftwareIntrodução à Engenharia de Testes de Software
Introdução à Engenharia de Testes de Software
Cloves da Rocha
 
Menos teste e mais qualidade - como equilibrar essa equação?
Menos teste e mais qualidade - como equilibrar essa equação?Menos teste e mais qualidade - como equilibrar essa equação?
Menos teste e mais qualidade - como equilibrar essa equação?
Igor Abade
 

Semelhante a Teste de software (20)

Dba Testes Gerentes B2
Dba Testes Gerentes B2Dba Testes Gerentes B2
Dba Testes Gerentes B2
 
O que é Teste de Software?
O que é Teste de Software?O que é Teste de Software?
O que é Teste de Software?
 
Cmg falando de testes de desempenho
Cmg falando de testes de desempenhoCmg falando de testes de desempenho
Cmg falando de testes de desempenho
 
Gerenciando Testes Com Qualidade V2a
Gerenciando Testes Com Qualidade V2aGerenciando Testes Com Qualidade V2a
Gerenciando Testes Com Qualidade V2a
 
Falando de Testes de Desempenho - por Evandro Grezeli
Falando de Testes de Desempenho - por Evandro GrezeliFalando de Testes de Desempenho - por Evandro Grezeli
Falando de Testes de Desempenho - por Evandro Grezeli
 
Teste de software - Processo de Verificação e Validação
Teste de software - Processo de Verificação e ValidaçãoTeste de software - Processo de Verificação e Validação
Teste de software - Processo de Verificação e Validação
 
Introdução à Engenharia de Testes de Software
Introdução à Engenharia de Testes de SoftwareIntrodução à Engenharia de Testes de Software
Introdução à Engenharia de Testes de Software
 
Aula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdfAula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdf
 
Principais conceitos em testes de software
Principais conceitos em testes de softwarePrincipais conceitos em testes de software
Principais conceitos em testes de software
 
Teste de Software - Bluesoft Labs
Teste de Software - Bluesoft Labs Teste de Software - Bluesoft Labs
Teste de Software - Bluesoft Labs
 
4 engenharia de software
4   engenharia de software4   engenharia de software
4 engenharia de software
 
Aula - Teste de Software
Aula - Teste de SoftwareAula - Teste de Software
Aula - Teste de Software
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
 
Teste de Software
Teste de SoftwareTeste de Software
Teste de Software
 
INTRODUÇÃO AOS TESTES NO FRONT-END COM REACT JS E REACT NATIVE.pdf
INTRODUÇÃO AOS TESTES NO FRONT-END COM REACT JS E REACT NATIVE.pdfINTRODUÇÃO AOS TESTES NO FRONT-END COM REACT JS E REACT NATIVE.pdf
INTRODUÇÃO AOS TESTES NO FRONT-END COM REACT JS E REACT NATIVE.pdf
 
XII Café e CODE - Provocações do Mestre
XII Café e CODE - Provocações do MestreXII Café e CODE - Provocações do Mestre
XII Café e CODE - Provocações do Mestre
 
Application Lifecycle Management - Campus Party Brasil 2009
Application Lifecycle Management -  Campus Party  Brasil 2009Application Lifecycle Management -  Campus Party  Brasil 2009
Application Lifecycle Management - Campus Party Brasil 2009
 
Menos teste e mais qualidade - como equilibrar essa equação?
Menos teste e mais qualidade - como equilibrar essa equação?Menos teste e mais qualidade - como equilibrar essa equação?
Menos teste e mais qualidade - como equilibrar essa equação?
 
Questionario CTFL - Foundation Level
Questionario CTFL - Foundation LevelQuestionario CTFL - Foundation Level
Questionario CTFL - Foundation Level
 
Reusabilidade na Utilização de Frameworks Automatizados
Reusabilidade na Utilização de Frameworks Automatizados Reusabilidade na Utilização de Frameworks Automatizados
Reusabilidade na Utilização de Frameworks Automatizados
 

Mais de Allan Almeida de Araújo

Mais de Allan Almeida de Araújo (20)

Instalações elétricas de baixa tensão
Instalações elétricas de baixa tensãoInstalações elétricas de baixa tensão
Instalações elétricas de baixa tensão
 
NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADENR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
 
NOÇÕES DE ELETROSTÁTICA
NOÇÕES DE ELETROSTÁTICANOÇÕES DE ELETROSTÁTICA
NOÇÕES DE ELETROSTÁTICA
 
Psicologia Criminal
Psicologia CriminalPsicologia Criminal
Psicologia Criminal
 
Fundamentos da psicologia forense
Fundamentos da psicologia forenseFundamentos da psicologia forense
Fundamentos da psicologia forense
 
Manual logística
Manual logísticaManual logística
Manual logística
 
Fiscal de Loja
Fiscal de LojaFiscal de Loja
Fiscal de Loja
 
Tecnico em manutencao de notebook
Tecnico em manutencao de notebookTecnico em manutencao de notebook
Tecnico em manutencao de notebook
 
MULTÍMETRO DIGITAL
	MULTÍMETRO DIGITAL 	MULTÍMETRO DIGITAL
MULTÍMETRO DIGITAL
 
SISTEMA MONOFÁFICO E TRIFÁSICO
SISTEMA MONOFÁFICO E TRIFÁSICOSISTEMA MONOFÁFICO E TRIFÁSICO
SISTEMA MONOFÁFICO E TRIFÁSICO
 
CIRCUITO MAGNÉTICO
CIRCUITO MAGNÉTICOCIRCUITO MAGNÉTICO
CIRCUITO MAGNÉTICO
 
Direitos Fundamentais na Prestação da Segurança Pública
Direitos Fundamentais na Prestação da Segurança PúblicaDireitos Fundamentais na Prestação da Segurança Pública
Direitos Fundamentais na Prestação da Segurança Pública
 
MANUAL DE INSTALAÇÃO KIT SOLAR
MANUAL DE INSTALAÇÃO KIT SOLARMANUAL DE INSTALAÇÃO KIT SOLAR
MANUAL DE INSTALAÇÃO KIT SOLAR
 
Guia para Instaladores de Colectores Solares
Guia para Instaladores de Colectores SolaresGuia para Instaladores de Colectores Solares
Guia para Instaladores de Colectores Solares
 
Uso de paineis solares térmicos
Uso de paineis solares térmicos Uso de paineis solares térmicos
Uso de paineis solares térmicos
 
PÓSITRON LANÇA RASTREADOR COM SEGURO
PÓSITRON LANÇA RASTREADOR COM SEGUROPÓSITRON LANÇA RASTREADOR COM SEGURO
PÓSITRON LANÇA RASTREADOR COM SEGURO
 
Tecnologia em rastreamento
Tecnologia em rastreamentoTecnologia em rastreamento
Tecnologia em rastreamento
 
Manual rastreador
Manual rastreadorManual rastreador
Manual rastreador
 
Motivação Pessoal
Motivação PessoalMotivação Pessoal
Motivação Pessoal
 
Relacionamento Interpessoal
Relacionamento InterpessoalRelacionamento Interpessoal
Relacionamento Interpessoal
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 

Teste de software

  • 1. Qualidade e Teste de Software RODRIGO FONTE ANALISTA DE SISTEMAS - CAPGEMINI
  • 2. Agenda  Quem sou?  Atuação  Desde os primórdios…  Qualidade de software x Teste  O que é teste?  Por que teste é importante?  Qual o impacto de não fazer teste?  Técnicas de Teste  Técnicas Ágeis  Carreira de teste
  • 3. Quem sou? • 8 anos atuando com teste de software Teste manual… Teste de performance…Automação de teste… Ferramentas…
  • 4. Atuação Demanda de Teste Entendimento Criação de plano de testes Desenvolvimento de scripts Agendamento de execução e revisão Execução do teste Geração de laudo final Performance Test
  • 5. Desde os primórdios… 1848 Thomas Edson Encontrado um inseto em uma máquina BUG 1947 Harvard Mark Primeiro BUG de computador 1979 “The Art of Software Testing” Glendford Myers Qualidade de Software 1980 Modelos prescritivos de desenvolvimento E ferramentas de teste
  • 6. Qualidade de software x Teste  "Qualidade de software é um processo sistemático que focaliza todas as etapas e artefatos produzidos com o objetivo de garantir a conformidade de processos e produtos, prevenindo e eliminando defeitos". (BARTIÉ, 2002, p. 16)  "Definir explicitamente o termo qualidade de software, quando o mesmo é dito";(PRESSMAN, 2005, p. 193)  "Criar um conjunto de atividades que irão ajudar a garantir que cada produto de trabalho da engenharia de software exiba alta qualidade"; (PRESSMAN, 2005, p. 193)  "Realizar atividades de segurança da qualidade em cada projeto de software";(PRESSMAN, 2005, p. 193)  "Usar métricas para desenvolver estratégias para a melhoria de processo de software e, como conseqüência, a qualidade no produto final"; (PRESSMAN, 2005, p. 193)  Teste é uma das atividades dentro do processo de qualidade.
  • 7. O que é teste ?  É o processo de execução de um produto para determinar se ele atingiu suas especificações e funcionou corretamente no ambiente para o qual foi projetado.
  • 8. O que é teste ? Executar o teste?
  • 9. O que é teste ?  Planejamento e controle;  Escolha das condições do teste;  Modelagem de casos de teste;  Checagem dos resultados;  Avaliação de critério de execução;  Geração de relatórios;
  • 10. O que é teste ?  Testes podem possuir objetivos diferentes:  Encontrar defeitos;  Ganhar confiança sobre o nível de qualidade;  Prover informações para tomada de decisão;  Previnir defeitos;
  • 11. Por que teste é importante?  “O ser humano está sujeito a cometer um erro (engano), que produz um defeito (falha, bug), no código, em um software ou sistema ou em um documento.“  Possíveis causas:  Pressão de prazo;  Códigos complexos;  Complexidade na infraestrutura;  Mudanças de tecnologia;
  • 12. Por que teste é importante?  Redução dos riscos de ocorrências em ambiente operacional;  Contribui para a qualidade da aplicação;  Defeitos corrigidos antes de implantar em produção;  Atender a requisitos contratuais ou legais;
  • 13. Por que teste é importante? Fonte: http://blog.onedaytesting.com.br/teste-de-software
  • 14. Por que teste é importante? Fonte: The Standish Group - Chaos Report 2015
  • 15. Qual o impacto de não fazer teste?  31.1% dos projetos serão cancelados antes mesmo de serem completados;  16.2% dos projetos de software são completos no tempo correto e com o valor planejado gasto;  9% quando falamos de empresas de grande porte;  52,7% dos projetos irão custar 189% do valor original estimado;  Os projetos entregues possuem 42% das funcionalidades originalmente propostas;
  • 16. Qual o impacto de não fazer teste? Opinião dos executivos: Fonte: The Standish Group - Chaos Report 2015
  • 17. Qual o impacto de não fazer teste? Fatores que mais impactam um projeto: Fonte: The Standish Group - Chaos Report 2015
  • 18. Qual o impacto de não fazer teste?  Problemas no Mariner (1962)  Custo: 18,5 milhões dólares  Desastre: Mariner, um foguete com uma sonda espacial para Vênus, foi desviado de seu percurso de voo logo após o lançamento. O controle da missão destruiu o foguete 293 segundos após a decolagem.  Causa: Um programador, ao passar para o computador uma fórmula que haviam lhe entregado escrita manualmente, se esqueceu de uma barra. Sem ela, o software tratava variações normais de velocidade como se fossem sérios problemas, causando falhas por tentativas de correções que acabaram por enviar o foguete fora do curso.  Bug do Milênio (1999)  Custo: $500 bilhões  Desastre: O desastre de um homem é a fortuna de outro, como demonstra o Bug do Milênio. Empresas gastaram bilhões com programadores para corrigir uma falha no software legado. Embora nenhum falha significativa ocorreu, a preparação para o Bug do Milênio teve um custo significativo e impacto no tempo em todas as indústrias que usam a tecnologia computacional.  Causa: Para economizar espaço de armazenamento de computador, softwares legados muitas vezes armazenavam anos para datas com números de dois dígitos, como 99 para 1999. Esses softwares também interpretavam 00 para significar 1900, em vez de 2000, por isso, quando o ano de 2000 veio, bugs apareceriam.
  • 19. Qual o impacto de não fazer teste?  Desatre no FBI (2005)  Custo: $105 milhões jogados fora!  Desastre: O FBI desistiu da revisão de um sistema após quatro anos de esforço. O projeto Arquivo Virtual foi um maciço sistema de software integrado para agentes compartilharem arquivos de casos e outras informações.  Causa: Má gestão e uma tentativa de construir um projeto de longo prazo sobre tecnologia ultrapassada, resultou em um sistema complexo e inutilizável.
  • 20. Técnicas de teste  Caixa Preta  É uma forma de derivar e selecionar as condições e casos de testes baseados na análise da documentação.  Modelos, formais ou informais, são utilizados para especificação de um problema a ser resolvido, o software ou seu componente.  Os casos de testes podem ser derivados sistematicamente destes modelos.
  • 21. Técnicas de teste Caixa-Preta Funcional Não Funcional  Funcional  Especificação de requisitos;  Casos de uso;  Especificação funcional;  Podem não estar documentados.  As funções representam “o que” o sistema faz.  Testes funcionais são baseados em funções (descritas nos documentos ou compreendidas pelos testadores)  Teste funcional considera o comportamento externo do software (teste caixa-preta).
  • 22. Técnicas de teste Caixa-Preta Funcional Não Funcional  Não Funcional  Como o sistema trabalha!  Medir as características que podem ser quantificadas em uma escala variável como o tempo de resposta;  Avaliar:  Capacidade;  Robustez;  Disponibilidade conforme as conexões simultâneas;  Avaliar o comportamento do sistema em condições anormais.  Evitar: indisponibilidade e insuficiência dos recursos;
  • 23. Técnicas de teste Caixa-Preta Funcional Não Funcional  Não Funcional  Tipos:  Teste de performance;  Teste de carga;  Teste de estresse;  Teste de usabilidade;  Teste de interoperabilidade;  Teste de manutenibilidade;  Teste de confiabilidade;  Teste de portabilidade.
  • 24. Técnicas de teste Caixa-Preta Funcional Não Funcional  Não Funcional  Benefícios:  Verificar a qualidade do sistema desenvolvido;  Testar a capacidade da infraestrutura contratada;  Saber a quantidade de acessos simultâneos suportado;  Identificar o ponto de exaustão da aplicação;
  • 25. Técnicas de teste Caixa-Preta Funcional Não Funcional  Não Funcional – Dados de pesquisa  O carregamento ideal de páginas deve ser de 250 milissegundos ¼ de segundo ou UMA PISCADA! (Harry Shum)  Forest Research – Tempo que o usuário aguarda:  Min 2 seg: aguardam  Méd 3-5 seg: insatisfeito  Máx 5> segundos: abandonam  100 milissegundos a mais no tempo de carregamento de uma página resulta em uma perda de 1% nas vendas OU 1 segundo 10% de vendas perdidas. Fonte: http://www.speedawarenessmonth.com/slow-websites-cost-the-us-ecommerce-market-504-billion-in-2011/#sthash.KYc3OVTu.dpuf
  • 26. Técnicas de teste  Automação  Aplicação de estratégias e ferramentas com o objetivo de reduzir o envolvimento humano em atividades manuais repetitivas.  Testes regressivos com maior amplitude e profundidade.  Baseado na interface gráfica  Gravação/Execução (Capture/Playback)  Dirigido a dados (Data-Driven)  Dirigido à palavra-chave (Keyword-Driven)  Baseado na lógica de negócio  Baseado na linha de comando (Command Line Interface)  Baseado em API (Application Programming Interface)  Test Harness (criação de um pequeno programa)
  • 28. Técnicas de teste  Caixa Branca  Técnicas baseadas na estrutura interna de um componente ou sistema.  Informações sobre como o software é construído é utilizada para derivar os casos de testes. Por exemplo, código e informações detalhadas de modelagem.  A extensão da cobertura do software pode ser medida pelos casos de testes. Além disto, os casos de testes podem ser derivados sistematicamente para aumentar a cobertura.
  • 29. Técnicas ágeis  TDD – Test Driven Development  Escreva um teste que falhe;  Escreva um código que faça o teste passar;  Melhore o código;  Teste como especificação;
  • 30. Técnicas ágeis  BDD – Behavior Driven Development  Dan North 2003;  Foco principal o comportamento do software;  Envolver partes interessadas no processo;  Utilizar linguagem ubíqua para descrever o comportamento de uma aplicação;  Os nomes dos métodos devem ser sentenças;  Um nome mais expressivo auxilia melhor quando um teste falha;  Padrão:  Given <context inicial>  When <quando ocorre um evento>  Then <garantir quais são as saídas>  Ferramentas
  • 31. Carreira de teste  Não exige habilidades técnicas?  É uma carreira para que não quer programar?  Basta ter uma visão crítica? PÉSSIMA ESCOLHA!!!!
  • 32. ESCOLHA CERTA!!! Carreira de teste  Teste de software faz parte do desenvolvimento?  Não gosta de fazer trabalhos repetitivos?  Considera que teste faz parte da equipe toda?
  • 33. Carreira de teste  Cargos tradicionais:  Testador – Executa  Analista – Modela e Executa  Automatizador – Automatiza os testes  QA – Junção dos 3 papéis A carreira de testes ainda vale a pena?
  • 34. Mr. Client and Mr. Web
  • 35. Fonte  Qualister - www.qualister.com.br  BSTQB - www.bstqb.org.br  Profissionais de TI - www.profissionaisti.com.br  OWASP – Chaos Report 2015
  • 36. Contato  Rodrigo Fonte  E-mail: rodrigo.fonte@hotmail.com  Medium: @rfonte  Linkedin: rodrigofonte