SlideShare uma empresa Scribd logo
Processos Automatizados Utilizando Frameworks Alan Gonçalves Test Manager & Test Architect [email_address] 23 de Março de 2011
1.   Apresentação 2.  Ferramenta de Automação 3.  Técnicas de Teste 4.  Carreiras de Teste 5.  Metodologia de Testes Automatizados   5.1.  Conceito   5.2.  Fatores para o sucesso   5.3.  Vantagens   5.4.  Papéis e Responsabilidades   5.5.  Conhecimentos necessários   5.6.  Scopo de automação   5.7.  Boas Práticas 6.  Frameworks Reutilizáveis 7.  Conclusão Agenda
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],1. Apresentação – Alan Gonçalves
1. Apresentação – DeveloperWorks ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Qual a principal motivação para as grandes empresas investirem em Testes de Software ? O Mercado de Teste de Software
Por que testar  ? O Mercado de Teste de Software Modelo de Custo $4,394,100 $14,144,400 10,000 10,000 100% $7452 $2510 $941 $392 $235 $78.45 Custo de Remoção dos Defeitos *** $596,160 $50,200 $1,976,100 $1,097,600 $423,000 $251,040 Custo de Remoção de Defeitos  Ideal $3,353,400 $6,400,500  $2,823,000 $1,568,000 Custo de Remoção de Defeitos  Real 80 20 2100 2800 1800 3200 Defeitos Removidos  Ideal 450 2550 3000 4000 * * Defeitos Removidos  Real 95 .8% Produção 32 .2% Teste de Aceite de Usuário (UAT) 12 21% Teste Funcional / Sistema 5 28% Código, Teste Unitário / Componente 3 18% Design 1 32% Requisitos Multiplicador do Custo de Remoção dos Defeitos ** % Defeitos Removido Fase
Por que testar  ? O Mercado de Teste de Software
TITANIC DISASTERS O Mercado de Teste de Software
Ebay ,[object Object],[object Object],O Mercado de Teste de Software
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Victoria’s Secret O Mercado de Teste de Software
Outros ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],O Mercado de Teste de Software
1.  Apresentação 2.   Ferramenta de Automação 3.  Técnicas de Teste 4.  Carreiras de Teste 5.  Metodologia de Testes Automatizados   5.1.  Conceito   5.2.  Fatores para o sucesso   5.3.  Vantagens   5.4.  Papéis e Responsabilidades   5.5.  Conhecimentos necessários   5.6.  Scopo de automação   5.7.  Boas Práticas 6.  Frameworks Reutilizáveis 7.  Conclusão Agenda
Rational Functional Tester 2. Ferramentas de Automação A Ferramenta  IBM Rational Functional Tester , foi desenvolvida para trabalhar como uma IDE de desenvolvimento. Ela é baseada na plataforma eclipse. Composta por perspectivas com diversas views,  fornece um ambiente de fácil entendimento, proporcionando um aprendizado rápido.
Ferramentas Free Selenium – Testes Automatizados para Web por meios Funcionais e de Aceitação http://seleniumhq.org JMeter – Testes de Performance em aplicações de diferentes tipos de servidores (HTTP/HTTPS, SOAP, JMS, ETC)  http://jakarta.apache.org/jmeter Watir – Testes Automatizados para Web escritos na linguagem Ruby Existem Derivações em .NET (want) e Java (WatJ) http://watir.com FitNesse – Web server, Wiki e Ferramenta de Teste Automatizado para  Suportar Testes de Aceitação http://jakarta.apache.org/jmeter 2. Ferramentas de Automação
Ferramentas Pagas IBM Rational Functional Tester – Testes Automatizados para Desktop (.NET e Java) e Web http://pqeno.com/rrobot HP LoadRunner – Testes de Performance em diversos tipos de aplicações e protocolos (WEB, SOA, Java, .NET, Citrix, etc…) http://peqno.com/Irunner TestComplete – Testes Automatizados para Web e Desktop (Delphi, C++, VB, PowerBuilder) em diversos níveis de teste. http://pqeno.com/rrobot HP QuickTestProfessional – Testes Automatizados em Web e Desktop com suporte A diversas tecnologias. http://peqno.com/qtp 3. Ferramentas de Automação
1.  Apresentação 2.  Ferramenta de Automação 3.   Técnicas de Teste 4.  Carreiras de Teste 5.  Metodologia de Testes Automatizados   5.1.  Conceito   5.2.  Fatores para o sucesso   5.3.  Vantagens   5.4.  Papéis e Responsabilidades   5.5.  Conhecimentos necessários   5.6.  Scopo de automação   5.7.  Boas Práticas 6.  Frameworks Reutilizáveis 7.  Conclusão Agenda
3. Técnicas de Testes Automação Mais voltado para Testes de Regressão, ou geração de massa de dados, envolve a execução automatizada, usando recursos avançados de validação de testes sem a intervenção humana. Performance Abrange um amplo conjunto de avaliações, tendo como principal objetivo, verificar o quão estável encontra-se a aplicação. Segurança Está relacionado com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para um indivíduo ou uma organização. Manual Resume-se na validação de um produto, através de requerimentos ou levantamentos pré-determinados.
1.  Apresentação 2.  Ferramenta de Automação 3.  Técnicas de Teste 4.   Carreiras de Teste 5.  Metodologia de Testes Automatizados   5.1.  Conceito   5.2.  Fatores para o sucesso   5.3.  Vantagens   5.4.  Papéis e Responsabilidades   5.5.  Conhecimentos necessários   5.6.  Scopo de automação   5.7.  Boas Práticas 6.  Frameworks Reutilizáveis 7.  Conclusão Agenda
Analista de Testes Gerente de Defeitos Arquiteto de Testes Gerente de Testes Especialista em Testes de Performance Testador ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],4. Carreiras de Testes Coordenador de Teste Especialista em Automação de Testes
1.  Apresentação 2.  Ferramenta de Automação 3.  Técnicas de Teste 4.  Carreiras de Teste 5.   Metodologia de Testes Automatizados   5.1.  Conceito   5.2.  Fatores para o sucesso   5.3.  Vantagens   5.4.  Papéis e Responsabilidades   5.5.  Conhecimentos necessários   5.6.  Scopo de automação   5.7.  Boas Práticas 6.  Frameworks Reutilizáveis 7.  Conclusão Agenda
5.1. Conceito 5. Metodologia de Testes Automatizados ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Automação des testes de software  é uma  TÉCNICA  muito   reconhecida por seu potencial para:
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],5.1. Conceito 5. Metodologia de Testes Automatizados
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],5.2. Fatores para o sucesso 5. Metodologia de Testes Automatizados
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],5.3. Vantagens 5. Metodologia de Testes Automatizados
5.3. Vantagens - Case Projeto CCMS  Central Customer Master System 5. Metodologia de Testes Automatizados
5.3. Vantagens - Case 5. Metodologia de Testes Automatizados
5.3. Vantagens - Case 5. Metodologia de Testes Automatizados
5.3. Vantagens - Case 5. Metodologia de Testes Automatizados
[object Object],[object Object],[object Object],5.4. Papéis e responsabilidades 5. Metodologia de Testes Automatizados
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],5.5. Conhecimentos necessários 5. Metodologia de Testes Automatizados
[object Object],[object Object],5.6. Escopo da automação 5. Metodologia de Testes Automatizados
5.7. Boas Práticas ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],5. Metodologia de Testes Automatizados
1.  Apresentação 2.  Ferramenta de Automação 3.  Técnicas de Teste 4.  Carreiras de Teste 5.  Metodologia de Testes Automatizados   5.1.  Conceito   5.2.  Fatores para o sucesso   5.3.  Vantagens   5.4.  Papéis e Responsabilidades   5.5.  Conhecimentos necessários   5.6.  Scopo de automação   5.7.  Boas Práticas 6.   Frameworks Reutilizáveis 7.  Conclusão Agenda
6. Framework Um  teste automatizado  é mais eficaz quando implementado com o  auxílio  de um  Framework . Embora, em testes automatizados, o termo  Framework  seja freqüentemente utilizado para descrever as estruturas coletivas que compõem ferramentas de teste de unidade, ele também pode ser utilizado como definição de um conjunto de conceitos abstratos, processos, procedimentos e ambiente em que os testes automatizados serão concebidos, criados e implementados.
1a. Geração  de automação de teste é composto principalmente da abordagem linear para o desenvolvimento de testes automatizados. Gerações ,[object Object],[object Object],[object Object],6. Framework
2a. Geração  é o meio termo para quadros de automação de testes e pode ser simples ou muito bem definidos.  É importante ter uma boa compreensão desta geração, já que quadros de terceira geração também são baseados em conceitos de segunda geração.  Um  framework  que se encaixa nesta geração é o Data-driven. Gerações 6. Framework
2a. Geração  é marcada por: ,[object Object],[object Object],[object Object],Gerações 6. Framework
3a. Geração  são os  frameworks  mais definidos e devem ser considerados quando o escopo de automação é relativamente alto; quando pelo menos um dos recursos de automação tem fortes competências técnicas e lógicas e uma proficiência na ferramenta de automatização a ser utilizado para desenvolver o framework . Gerações 6. Framework
[object Object],[object Object],3a. Geração  : Keyword Driven Gerações 6. Framework
Exemplo 1 – IBM Framework 6. Framework
Exemplo 1 – IBM Framework 6. Framework
Exemplo 2 – GTO Test Framework (Banco de Dados) 6. Framework
Exemplo 3 – GTO Test Framework (XML Data-driven) 6. Framework
Exemplo 4 – GTO Test Framework (Evidence and Results) 6. Framework
1.  Apresentação 2.  Ferramenta de Automação 3.  Técnicas de Teste 4.  Carreiras de Teste 5.  Metodologia de Testes Automatizados   5.1.  Conceito   5.2.  Fatores para o sucesso   5.3.  Vantagens   5.4.  Papéis e Responsabilidades   5.5.  Conhecimentos necessários   5.6.  Scopo de automação   5.7.  Boas Práticas 6.  Frameworks Reutilizáveis 7.   Conclusão Agenda
7. Conclusão Entendemos que com a utilização de Frameworks o trabalho voltado para a Automação de Testes, pode melhorar os seguintes aspectos: - Otimização:  Evitar redundâncias no código. - Reuso:  Aumentar a produtividade. -  Manutenção :  Melhorar as correções existentes no código.
® ? ? ? ? ?
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ferramentas de Gestão de Testes
Ferramentas de Gestão de TestesFerramentas de Gestão de Testes
Ferramentas de Gestão de Testes
elliando dias
 
Introdução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade IIntrodução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade I
João Lourenço
 
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidadeConceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
rzauza
 
Introdução a Automação de Teste de Software
Introdução a Automação de Teste de SoftwareIntrodução a Automação de Teste de Software
Introdução a Automação de Teste de Software
Camilo Ribeiro
 
Validação e Testes de Software - MOD1
Validação e Testes de Software - MOD1Validação e Testes de Software - MOD1
Validação e Testes de Software - MOD1
Fernando Palma
 
Fundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline Zanin
Fundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline ZaninFundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline Zanin
Fundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline Zanin
DevInPF
 
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreiraPalestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Taís Dall'Oca
 
Palestra GUTS - Viabilidade da Automacao Teste Software e Demo QTP
Palestra GUTS - Viabilidade da Automacao Teste Software e Demo QTPPalestra GUTS - Viabilidade da Automacao Teste Software e Demo QTP
Palestra GUTS - Viabilidade da Automacao Teste Software e Demo QTP
Priscila Coelho S. Blauth
 
Gestão de defeitos e testes com Jira
Gestão de defeitos e testes com JiraGestão de defeitos e testes com Jira
Gestão de defeitos e testes com Jira
Qualister
 
Uma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De Processo
Uma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De ProcessoUma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De Processo
Uma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De Processo
crc1404
 
Teste de Software Introdução à Qualidade
Teste de Software Introdução à Qualidade Teste de Software Introdução à Qualidade
Teste de Software Introdução à Qualidade
Camilo Ribeiro
 
Teste de Software
Teste de SoftwareTeste de Software
Teste de Software
Sérgio Souza Costa
 
Introdução a testes de sofwtare
Introdução a testes de sofwtareIntrodução a testes de sofwtare
Introdução a testes de sofwtare
Fernando Palma
 
Noções em teste de software e introdução a automação
Noções em teste de software e introdução a automaçãoNoções em teste de software e introdução a automação
Noções em teste de software e introdução a automação
Sandy Maciel
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
Rafael Sanches
 
Testes de software
Testes de softwareTestes de software
Testes de software
teste
 
Teste de Aceitação: problemas, desafios e abordagens
Teste de Aceitação: problemas, desafios e abordagensTeste de Aceitação: problemas, desafios e abordagens
Teste de Aceitação: problemas, desafios e abordagens
Synergia - Engenharia de Software e Sistemas
 
Minicurso - Teste de software (CACSI 2015)
Minicurso - Teste de software (CACSI 2015)Minicurso - Teste de software (CACSI 2015)
Minicurso - Teste de software (CACSI 2015)
Vanilton Pinheiro
 
Revisao inspecao artefatos testes estaticos
Revisao inspecao artefatos testes estaticosRevisao inspecao artefatos testes estaticos
Revisao inspecao artefatos testes estaticos
Cristiano Caetano
 
Testes de Software & Ferramentas de Testes
Testes de Software & Ferramentas de TestesTestes de Software & Ferramentas de Testes
Testes de Software & Ferramentas de Testes
Paulo César M Jeveaux
 

Mais procurados (20)

Ferramentas de Gestão de Testes
Ferramentas de Gestão de TestesFerramentas de Gestão de Testes
Ferramentas de Gestão de Testes
 
Introdução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade IIntrodução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade I
 
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidadeConceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
 
Introdução a Automação de Teste de Software
Introdução a Automação de Teste de SoftwareIntrodução a Automação de Teste de Software
Introdução a Automação de Teste de Software
 
Validação e Testes de Software - MOD1
Validação e Testes de Software - MOD1Validação e Testes de Software - MOD1
Validação e Testes de Software - MOD1
 
Fundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline Zanin
Fundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline ZaninFundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline Zanin
Fundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline Zanin
 
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreiraPalestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
 
Palestra GUTS - Viabilidade da Automacao Teste Software e Demo QTP
Palestra GUTS - Viabilidade da Automacao Teste Software e Demo QTPPalestra GUTS - Viabilidade da Automacao Teste Software e Demo QTP
Palestra GUTS - Viabilidade da Automacao Teste Software e Demo QTP
 
Gestão de defeitos e testes com Jira
Gestão de defeitos e testes com JiraGestão de defeitos e testes com Jira
Gestão de defeitos e testes com Jira
 
Uma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De Processo
Uma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De ProcessoUma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De Processo
Uma Metodologia Para Teste De Software No Contexto Da Melhoria De Processo
 
Teste de Software Introdução à Qualidade
Teste de Software Introdução à Qualidade Teste de Software Introdução à Qualidade
Teste de Software Introdução à Qualidade
 
Teste de Software
Teste de SoftwareTeste de Software
Teste de Software
 
Introdução a testes de sofwtare
Introdução a testes de sofwtareIntrodução a testes de sofwtare
Introdução a testes de sofwtare
 
Noções em teste de software e introdução a automação
Noções em teste de software e introdução a automaçãoNoções em teste de software e introdução a automação
Noções em teste de software e introdução a automação
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
 
Testes de software
Testes de softwareTestes de software
Testes de software
 
Teste de Aceitação: problemas, desafios e abordagens
Teste de Aceitação: problemas, desafios e abordagensTeste de Aceitação: problemas, desafios e abordagens
Teste de Aceitação: problemas, desafios e abordagens
 
Minicurso - Teste de software (CACSI 2015)
Minicurso - Teste de software (CACSI 2015)Minicurso - Teste de software (CACSI 2015)
Minicurso - Teste de software (CACSI 2015)
 
Revisao inspecao artefatos testes estaticos
Revisao inspecao artefatos testes estaticosRevisao inspecao artefatos testes estaticos
Revisao inspecao artefatos testes estaticos
 
Testes de Software & Ferramentas de Testes
Testes de Software & Ferramentas de TestesTestes de Software & Ferramentas de Testes
Testes de Software & Ferramentas de Testes
 

Destaque

Acelerando o desenvolvimento java com rad 7.5
Acelerando o desenvolvimento java com rad 7.5Acelerando o desenvolvimento java com rad 7.5
Acelerando o desenvolvimento java com rad 7.5
Webcasts developerWorks Brasil
 
Road Map da Virtualização para Cloud Computing
Road Map da Virtualização para Cloud ComputingRoad Map da Virtualização para Cloud Computing
Road Map da Virtualização para Cloud Computing
Webcasts developerWorks Brasil
 
Definição de processos para AS Brasil utilizando Rational Method Composer
Definição de processos para AS Brasil utilizando Rational Method ComposerDefinição de processos para AS Brasil utilizando Rational Method Composer
Definição de processos para AS Brasil utilizando Rational Method Composer
Webcasts developerWorks Brasil
 
Integração passo a passo entre Rational Asset Manager and Rational Method Com...
Integração passo a passo entre Rational Asset Manager and Rational Method Com...Integração passo a passo entre Rational Asset Manager and Rational Method Com...
Integração passo a passo entre Rational Asset Manager and Rational Method Com...
Webcasts developerWorks Brasil
 
Descrevendo funcionalidades únicas ao Informix em relação aos seus concorrentes
Descrevendo funcionalidades únicas ao Informix em relação aos seus concorrentesDescrevendo funcionalidades únicas ao Informix em relação aos seus concorrentes
Descrevendo funcionalidades únicas ao Informix em relação aos seus concorrentes
Webcasts developerWorks Brasil
 
Gerenciando dados e criando um plano efetivo de recuperação com Tivoli Storag...
Gerenciando dados e criando um plano efetivo de recuperação com Tivoli Storag...Gerenciando dados e criando um plano efetivo de recuperação com Tivoli Storag...
Gerenciando dados e criando um plano efetivo de recuperação com Tivoli Storag...
Webcasts developerWorks Brasil
 
Activism x Technology
Activism x TechnologyActivism x Technology
Activism x Technology
WebVisions
 

Destaque (7)

Acelerando o desenvolvimento java com rad 7.5
Acelerando o desenvolvimento java com rad 7.5Acelerando o desenvolvimento java com rad 7.5
Acelerando o desenvolvimento java com rad 7.5
 
Road Map da Virtualização para Cloud Computing
Road Map da Virtualização para Cloud ComputingRoad Map da Virtualização para Cloud Computing
Road Map da Virtualização para Cloud Computing
 
Definição de processos para AS Brasil utilizando Rational Method Composer
Definição de processos para AS Brasil utilizando Rational Method ComposerDefinição de processos para AS Brasil utilizando Rational Method Composer
Definição de processos para AS Brasil utilizando Rational Method Composer
 
Integração passo a passo entre Rational Asset Manager and Rational Method Com...
Integração passo a passo entre Rational Asset Manager and Rational Method Com...Integração passo a passo entre Rational Asset Manager and Rational Method Com...
Integração passo a passo entre Rational Asset Manager and Rational Method Com...
 
Descrevendo funcionalidades únicas ao Informix em relação aos seus concorrentes
Descrevendo funcionalidades únicas ao Informix em relação aos seus concorrentesDescrevendo funcionalidades únicas ao Informix em relação aos seus concorrentes
Descrevendo funcionalidades únicas ao Informix em relação aos seus concorrentes
 
Gerenciando dados e criando um plano efetivo de recuperação com Tivoli Storag...
Gerenciando dados e criando um plano efetivo de recuperação com Tivoli Storag...Gerenciando dados e criando um plano efetivo de recuperação com Tivoli Storag...
Gerenciando dados e criando um plano efetivo de recuperação com Tivoli Storag...
 
Activism x Technology
Activism x TechnologyActivism x Technology
Activism x Technology
 

Semelhante a Reusabilidade na Utilização de Frameworks Automatizados

T@rget trust t-curso de ferramentas para automação de teste de software
T@rget trust   t-curso de ferramentas para automação de teste de softwareT@rget trust   t-curso de ferramentas para automação de teste de software
T@rget trust t-curso de ferramentas para automação de teste de software
Targettrust
 
T@rget trust t-curso de ferramentas para automação de teste de software
T@rget trust   t-curso de ferramentas para automação de teste de softwareT@rget trust   t-curso de ferramentas para automação de teste de software
T@rget trust t-curso de ferramentas para automação de teste de software
Targettrust
 
Desenvolvimento de software - novas abordagens e desafios - Ricardo Cristalli
Desenvolvimento de software - novas abordagens e desafios - Ricardo CristalliDesenvolvimento de software - novas abordagens e desafios - Ricardo Cristalli
Desenvolvimento de software - novas abordagens e desafios - Ricardo Cristalli
Rio Info
 
Gerenciando Testes Com Qualidade V2a
Gerenciando Testes Com Qualidade V2aGerenciando Testes Com Qualidade V2a
Gerenciando Testes Com Qualidade V2a
Leonardo Molinari
 
Teste de software
Teste de software Teste de software
Teste de software
Allan Almeida de Araújo
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
Rodrigo Cardoso Alves Fonte
 
Brisa - Cases Qualidade Sofware
Brisa -  Cases Qualidade SofwareBrisa -  Cases Qualidade Sofware
Brisa - Cases Qualidade Sofware
Gilda M Manetti Lauriano
 
Automação de testes de desempenho para sistemas web utilizando a ferramenta J...
Automação de testes de desempenho para sistemas web utilizando a ferramenta J...Automação de testes de desempenho para sistemas web utilizando a ferramenta J...
Automação de testes de desempenho para sistemas web utilizando a ferramenta J...
Leandro Ugioni
 
O que é Teste de Software?
O que é Teste de Software?O que é Teste de Software?
O que é Teste de Software?
testedesoftwarepe
 
Introdução a automação de testes - 5º Congresso Online de TI
Introdução a automação de testes - 5º Congresso Online de TIIntrodução a automação de testes - 5º Congresso Online de TI
Introdução a automação de testes - 5º Congresso Online de TI
Rafael Amaral
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Roberto Nunes
 
GOTEST-Aula3-Automacao-Processo-Testes.pdf
GOTEST-Aula3-Automacao-Processo-Testes.pdfGOTEST-Aula3-Automacao-Processo-Testes.pdf
GOTEST-Aula3-Automacao-Processo-Testes.pdf
RodolphoCesar2
 
Maturidade em automação de testes
Maturidade em automação de testesMaturidade em automação de testes
Maturidade em automação de testes
Cristiano Caetano
 
Apresentação Artigo SBQS 2015 - Um Comparativo na Execução de Testes Manuais ...
Apresentação Artigo SBQS 2015 - Um Comparativo na Execução de Testes Manuais ...Apresentação Artigo SBQS 2015 - Um Comparativo na Execução de Testes Manuais ...
Apresentação Artigo SBQS 2015 - Um Comparativo na Execução de Testes Manuais ...
Vanilton Pinheiro
 
Aula09_TesteSoftware_Parte1_apremdeeghku
Aula09_TesteSoftware_Parte1_apremdeeghkuAula09_TesteSoftware_Parte1_apremdeeghku
Aula09_TesteSoftware_Parte1_apremdeeghku
MoniqueEstevo2
 
Aula07_TesteSoftware_Parte1_semResposta.pdf
Aula07_TesteSoftware_Parte1_semResposta.pdfAula07_TesteSoftware_Parte1_semResposta.pdf
Aula07_TesteSoftware_Parte1_semResposta.pdf
HoctairBernardino
 
Teste de Performance - 3º Encontro da ALATS
Teste de Performance - 3º Encontro da ALATSTeste de Performance - 3º Encontro da ALATS
Teste de Performance - 3º Encontro da ALATS
Fabrício Campos
 
Guday2015 - GUTS-RS
Guday2015 - GUTS-RSGuday2015 - GUTS-RS
Guday2015 - GUTS-RS
Antonio Andrade
 
AppTesting
AppTestingAppTesting
AppTesting
lucyverde
 
Aula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdfAula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdf
MichaelArrais1
 

Semelhante a Reusabilidade na Utilização de Frameworks Automatizados (20)

T@rget trust t-curso de ferramentas para automação de teste de software
T@rget trust   t-curso de ferramentas para automação de teste de softwareT@rget trust   t-curso de ferramentas para automação de teste de software
T@rget trust t-curso de ferramentas para automação de teste de software
 
T@rget trust t-curso de ferramentas para automação de teste de software
T@rget trust   t-curso de ferramentas para automação de teste de softwareT@rget trust   t-curso de ferramentas para automação de teste de software
T@rget trust t-curso de ferramentas para automação de teste de software
 
Desenvolvimento de software - novas abordagens e desafios - Ricardo Cristalli
Desenvolvimento de software - novas abordagens e desafios - Ricardo CristalliDesenvolvimento de software - novas abordagens e desafios - Ricardo Cristalli
Desenvolvimento de software - novas abordagens e desafios - Ricardo Cristalli
 
Gerenciando Testes Com Qualidade V2a
Gerenciando Testes Com Qualidade V2aGerenciando Testes Com Qualidade V2a
Gerenciando Testes Com Qualidade V2a
 
Teste de software
Teste de software Teste de software
Teste de software
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
 
Brisa - Cases Qualidade Sofware
Brisa -  Cases Qualidade SofwareBrisa -  Cases Qualidade Sofware
Brisa - Cases Qualidade Sofware
 
Automação de testes de desempenho para sistemas web utilizando a ferramenta J...
Automação de testes de desempenho para sistemas web utilizando a ferramenta J...Automação de testes de desempenho para sistemas web utilizando a ferramenta J...
Automação de testes de desempenho para sistemas web utilizando a ferramenta J...
 
O que é Teste de Software?
O que é Teste de Software?O que é Teste de Software?
O que é Teste de Software?
 
Introdução a automação de testes - 5º Congresso Online de TI
Introdução a automação de testes - 5º Congresso Online de TIIntrodução a automação de testes - 5º Congresso Online de TI
Introdução a automação de testes - 5º Congresso Online de TI
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
 
GOTEST-Aula3-Automacao-Processo-Testes.pdf
GOTEST-Aula3-Automacao-Processo-Testes.pdfGOTEST-Aula3-Automacao-Processo-Testes.pdf
GOTEST-Aula3-Automacao-Processo-Testes.pdf
 
Maturidade em automação de testes
Maturidade em automação de testesMaturidade em automação de testes
Maturidade em automação de testes
 
Apresentação Artigo SBQS 2015 - Um Comparativo na Execução de Testes Manuais ...
Apresentação Artigo SBQS 2015 - Um Comparativo na Execução de Testes Manuais ...Apresentação Artigo SBQS 2015 - Um Comparativo na Execução de Testes Manuais ...
Apresentação Artigo SBQS 2015 - Um Comparativo na Execução de Testes Manuais ...
 
Aula09_TesteSoftware_Parte1_apremdeeghku
Aula09_TesteSoftware_Parte1_apremdeeghkuAula09_TesteSoftware_Parte1_apremdeeghku
Aula09_TesteSoftware_Parte1_apremdeeghku
 
Aula07_TesteSoftware_Parte1_semResposta.pdf
Aula07_TesteSoftware_Parte1_semResposta.pdfAula07_TesteSoftware_Parte1_semResposta.pdf
Aula07_TesteSoftware_Parte1_semResposta.pdf
 
Teste de Performance - 3º Encontro da ALATS
Teste de Performance - 3º Encontro da ALATSTeste de Performance - 3º Encontro da ALATS
Teste de Performance - 3º Encontro da ALATS
 
Guday2015 - GUTS-RS
Guday2015 - GUTS-RSGuday2015 - GUTS-RS
Guday2015 - GUTS-RS
 
AppTesting
AppTestingAppTesting
AppTesting
 
Aula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdfAula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdf
 

Último

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 

Último (7)

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 

Reusabilidade na Utilização de Frameworks Automatizados

  • 1. Processos Automatizados Utilizando Frameworks Alan Gonçalves Test Manager & Test Architect [email_address] 23 de Março de 2011
  • 2. 1. Apresentação 2. Ferramenta de Automação 3. Técnicas de Teste 4. Carreiras de Teste 5. Metodologia de Testes Automatizados 5.1. Conceito 5.2. Fatores para o sucesso 5.3. Vantagens 5.4. Papéis e Responsabilidades 5.5. Conhecimentos necessários 5.6. Scopo de automação 5.7. Boas Práticas 6. Frameworks Reutilizáveis 7. Conclusão Agenda
  • 3.
  • 4.
  • 5. Qual a principal motivação para as grandes empresas investirem em Testes de Software ? O Mercado de Teste de Software
  • 6. Por que testar ? O Mercado de Teste de Software Modelo de Custo $4,394,100 $14,144,400 10,000 10,000 100% $7452 $2510 $941 $392 $235 $78.45 Custo de Remoção dos Defeitos *** $596,160 $50,200 $1,976,100 $1,097,600 $423,000 $251,040 Custo de Remoção de Defeitos Ideal $3,353,400 $6,400,500 $2,823,000 $1,568,000 Custo de Remoção de Defeitos Real 80 20 2100 2800 1800 3200 Defeitos Removidos Ideal 450 2550 3000 4000 * * Defeitos Removidos Real 95 .8% Produção 32 .2% Teste de Aceite de Usuário (UAT) 12 21% Teste Funcional / Sistema 5 28% Código, Teste Unitário / Componente 3 18% Design 1 32% Requisitos Multiplicador do Custo de Remoção dos Defeitos ** % Defeitos Removido Fase
  • 7. Por que testar ? O Mercado de Teste de Software
  • 8. TITANIC DISASTERS O Mercado de Teste de Software
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. 1. Apresentação 2. Ferramenta de Automação 3. Técnicas de Teste 4. Carreiras de Teste 5. Metodologia de Testes Automatizados 5.1. Conceito 5.2. Fatores para o sucesso 5.3. Vantagens 5.4. Papéis e Responsabilidades 5.5. Conhecimentos necessários 5.6. Scopo de automação 5.7. Boas Práticas 6. Frameworks Reutilizáveis 7. Conclusão Agenda
  • 13. Rational Functional Tester 2. Ferramentas de Automação A Ferramenta IBM Rational Functional Tester , foi desenvolvida para trabalhar como uma IDE de desenvolvimento. Ela é baseada na plataforma eclipse. Composta por perspectivas com diversas views, fornece um ambiente de fácil entendimento, proporcionando um aprendizado rápido.
  • 14. Ferramentas Free Selenium – Testes Automatizados para Web por meios Funcionais e de Aceitação http://seleniumhq.org JMeter – Testes de Performance em aplicações de diferentes tipos de servidores (HTTP/HTTPS, SOAP, JMS, ETC) http://jakarta.apache.org/jmeter Watir – Testes Automatizados para Web escritos na linguagem Ruby Existem Derivações em .NET (want) e Java (WatJ) http://watir.com FitNesse – Web server, Wiki e Ferramenta de Teste Automatizado para Suportar Testes de Aceitação http://jakarta.apache.org/jmeter 2. Ferramentas de Automação
  • 15. Ferramentas Pagas IBM Rational Functional Tester – Testes Automatizados para Desktop (.NET e Java) e Web http://pqeno.com/rrobot HP LoadRunner – Testes de Performance em diversos tipos de aplicações e protocolos (WEB, SOA, Java, .NET, Citrix, etc…) http://peqno.com/Irunner TestComplete – Testes Automatizados para Web e Desktop (Delphi, C++, VB, PowerBuilder) em diversos níveis de teste. http://pqeno.com/rrobot HP QuickTestProfessional – Testes Automatizados em Web e Desktop com suporte A diversas tecnologias. http://peqno.com/qtp 3. Ferramentas de Automação
  • 16. 1. Apresentação 2. Ferramenta de Automação 3. Técnicas de Teste 4. Carreiras de Teste 5. Metodologia de Testes Automatizados 5.1. Conceito 5.2. Fatores para o sucesso 5.3. Vantagens 5.4. Papéis e Responsabilidades 5.5. Conhecimentos necessários 5.6. Scopo de automação 5.7. Boas Práticas 6. Frameworks Reutilizáveis 7. Conclusão Agenda
  • 17. 3. Técnicas de Testes Automação Mais voltado para Testes de Regressão, ou geração de massa de dados, envolve a execução automatizada, usando recursos avançados de validação de testes sem a intervenção humana. Performance Abrange um amplo conjunto de avaliações, tendo como principal objetivo, verificar o quão estável encontra-se a aplicação. Segurança Está relacionado com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para um indivíduo ou uma organização. Manual Resume-se na validação de um produto, através de requerimentos ou levantamentos pré-determinados.
  • 18. 1. Apresentação 2. Ferramenta de Automação 3. Técnicas de Teste 4. Carreiras de Teste 5. Metodologia de Testes Automatizados 5.1. Conceito 5.2. Fatores para o sucesso 5.3. Vantagens 5.4. Papéis e Responsabilidades 5.5. Conhecimentos necessários 5.6. Scopo de automação 5.7. Boas Práticas 6. Frameworks Reutilizáveis 7. Conclusão Agenda
  • 19.
  • 20. 1. Apresentação 2. Ferramenta de Automação 3. Técnicas de Teste 4. Carreiras de Teste 5. Metodologia de Testes Automatizados 5.1. Conceito 5.2. Fatores para o sucesso 5.3. Vantagens 5.4. Papéis e Responsabilidades 5.5. Conhecimentos necessários 5.6. Scopo de automação 5.7. Boas Práticas 6. Frameworks Reutilizáveis 7. Conclusão Agenda
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25. 5.3. Vantagens - Case Projeto CCMS Central Customer Master System 5. Metodologia de Testes Automatizados
  • 26. 5.3. Vantagens - Case 5. Metodologia de Testes Automatizados
  • 27. 5.3. Vantagens - Case 5. Metodologia de Testes Automatizados
  • 28. 5.3. Vantagens - Case 5. Metodologia de Testes Automatizados
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. 1. Apresentação 2. Ferramenta de Automação 3. Técnicas de Teste 4. Carreiras de Teste 5. Metodologia de Testes Automatizados 5.1. Conceito 5.2. Fatores para o sucesso 5.3. Vantagens 5.4. Papéis e Responsabilidades 5.5. Conhecimentos necessários 5.6. Scopo de automação 5.7. Boas Práticas 6. Frameworks Reutilizáveis 7. Conclusão Agenda
  • 34. 6. Framework Um teste automatizado é mais eficaz quando implementado com o auxílio de um Framework . Embora, em testes automatizados, o termo Framework seja freqüentemente utilizado para descrever as estruturas coletivas que compõem ferramentas de teste de unidade, ele também pode ser utilizado como definição de um conjunto de conceitos abstratos, processos, procedimentos e ambiente em que os testes automatizados serão concebidos, criados e implementados.
  • 35.
  • 36. 2a. Geração é o meio termo para quadros de automação de testes e pode ser simples ou muito bem definidos. É importante ter uma boa compreensão desta geração, já que quadros de terceira geração também são baseados em conceitos de segunda geração. Um framework que se encaixa nesta geração é o Data-driven. Gerações 6. Framework
  • 37.
  • 38. 3a. Geração são os frameworks mais definidos e devem ser considerados quando o escopo de automação é relativamente alto; quando pelo menos um dos recursos de automação tem fortes competências técnicas e lógicas e uma proficiência na ferramenta de automatização a ser utilizado para desenvolver o framework . Gerações 6. Framework
  • 39.
  • 40. Exemplo 1 – IBM Framework 6. Framework
  • 41. Exemplo 1 – IBM Framework 6. Framework
  • 42. Exemplo 2 – GTO Test Framework (Banco de Dados) 6. Framework
  • 43. Exemplo 3 – GTO Test Framework (XML Data-driven) 6. Framework
  • 44. Exemplo 4 – GTO Test Framework (Evidence and Results) 6. Framework
  • 45. 1. Apresentação 2. Ferramenta de Automação 3. Técnicas de Teste 4. Carreiras de Teste 5. Metodologia de Testes Automatizados 5.1. Conceito 5.2. Fatores para o sucesso 5.3. Vantagens 5.4. Papéis e Responsabilidades 5.5. Conhecimentos necessários 5.6. Scopo de automação 5.7. Boas Práticas 6. Frameworks Reutilizáveis 7. Conclusão Agenda
  • 46. 7. Conclusão Entendemos que com a utilização de Frameworks o trabalho voltado para a Automação de Testes, pode melhorar os seguintes aspectos: - Otimização: Evitar redundâncias no código. - Reuso: Aumentar a produtividade. - Manutenção : Melhorar as correções existentes no código.
  • 47. ® ? ? ? ? ?