Apres. eng. de software

321 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
321
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apres. eng. de software

  1. 1. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RN CAMPUS DE PARNAMIRIMEngenharia de Software Professor: Álvaro Hermano Componentes: Cristiane Leandro Viana Monic Laura Alves de Araújo William Rodrigo Augusto Nunes
  2. 2. O que são processos de software? “Um processo é o conjunto total de atividades de engenharia necessárias para transformar requisitos do usuário em software” (“Managing the Process”, Humphrey, 1989)
  3. 3. Processos de software Há 4 atividades fundamentais no processo de software:1. Especificação do Software – definição de requisitos e análise de requisitos2. Desenvolvimento do Software – projeto e implementação3. Validação do software – integração e teste4. Manutenção - mudanças no software
  4. 4. O que é a qualidade de software? “Conjunto de características que devem ser alcançadas em um determinado grau para que o produto atenda às necessidades de seus usuários.” (Ana R. C.Rocha 2001)
  5. 5. O que é a qualidade de software?• Satisfação das necessidades avaliadas;• Feita durante todo processo de software;• Reconhecida pelo cliente.A qualidade do software = cliente satisfeito
  6. 6. Ainda sobre qualidade software.• São referências para qualidade de software: ▫ ISO (The International Standardization Organization):  Fundada em 1947, coordena o trabalho de 127 países membros para promover a padronização de normas técnicas em âmbito mundial. ▫ IEC (The International Electrotechnical Commission):  Fundada em 1906, conta com mais de 50 países e publica normas internacionais relacionadas com eletricidade, eletrônica e áreas relacionadas.
  7. 7. Quais os objetivos?• Aprimorar o processo de desenvolvimento e, em consequência, melhorar a qualidade do produto resultante.• Avaliar a qualidade do produto visando emitir documento oficial sobre a qualidade de um software e sua conformidade em relação a uma norma ou padrão.• Adquirir um software, com o intuito de escolher o produto mais adequado dentre um conjunto de produtos selecionados.
  8. 8. CMM - CAPABILITY MATURITY MODEL(CMM - Modelo de Maturidade de Competência) É uma ferramenta de avaliação que permite o cliente selecionar softwares, de forma adequada, de seus fornecedores levando em consideração a qualidade do produto, o custo, os prazos, a manutenção.*A versão mais atual é o CMMI (Capability Maturity Model Integration)
  9. 9. CMM• Desenvolvido pelo SEI (Software Engineering Institute, Carnegie Mellon University);• Ferramenta de avaliação de software;• Ajuda o cliente a selecionar o(s) software(s) considerando: ▫ Qualidade do produto; ▫ Custo; ▫ Prazos; ▫ Manutenção.
  10. 10. Níveis do CMM
  11. 11. Objetivo• Melhorar o gerenciamento e desenvolvimento dos produtos de softwares, mas não garantindo a qualidade do produto final;• Manter a qualidade durante o princípio do processo.
  12. 12. Características do CMMAspectos abordados Características do CMMObjetivo Determinar a capacitação da organização e apoiar a sua evolução de acordo com os níveis estabelecidosAbordagem Avaliação dos processos e enquadramento da organização em um dos níveis de maturidadeOrganizações alvo Organizações que necessitam de comprovação formal de sua capacidadeDefinição de processos Estabelece 18 áreas de processos organizados em 5 níveis crescentes de maturidadeFlexibilidade nos aspectos definidos Níveis e áreas chaves são a base do modelo e não podem ser alteradospelo modeloInstrumento de avaliação QuestionárioInspiração e influência Princípios de Shewart, Deming, Juran, CrosbyAspectos positivos Estabelecimento de diretrizes para a melhoria contínua. Difusão extensa nos EUALimitações Pouca consideração à diversidade das organizações Dificuldade de aplicação em pequenas organizações Falta abordagem de produto
  13. 13. Processos Ágeis Um grupo de dezessete metodologistas formou a Agile Software Development Alliance (www.agilealliance.org) e definiram um manifesto como uma alternativa aos métodos tradicionais de desenvolvimento de software. Os conceitos chave do manifesto ágil são:1. Indivíduos e interações ao invés de processos e ferramentas.2. Software operante ao invés de documentação abrangente.3. Colaboração do cliente ao invés de negociação de contratos.4. Respostas rápidas a mudanças ao invés de seguir um plano.
  14. 14. RUP – Rational Unified Process• Foi criado pela Rational Software Corporation e adquirido em fevereiro de 2003 pela IBM.• É um método de desenvolvimento de software que contempla técnicas a serem seguidas pelos membros da equipe de desenvolvimento de software com o objetivo de aumentar a sua produtividade.
  15. 15. Fases e Iterações
  16. 16. REFERÊNCIAS• ALMEIDA, K.: As características do cmm e o desenvolvimento de software com qualidade, Goiás, Revista eletrônica de administração, ed. 8, jun. 2005. Disponível em:<http://www.revista.inf.br/adm08/pages/artigos/artigo03.pdf >. Acesso em: 15 jan. 2013.• BUENO, C.F.S.; CAMPELO, G.B.: Qualidade de software, Pernammbuco, , [20--?]. Disponível em:<http://www.riopomba.ifsudestemg.edu.br/dcc/dcc/materiais/ 1022789570_Qualidade%20de%20Software.pdf>. Acesso em: 13 jan. 2013.• CAETANO, V.A.: C.M.M. capability maturity model modelo de maturidade da capacidade, Santa Catarina, jun. 2000. Disponível em:< http://www.rblinux.com.br/Modelo%20de%20Maturidade%20da% 20Capacidade.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2013.
  17. 17. REFERÊNCIAS• FURLA, J.D.: Melhorando a qualidade do software através do cmm, São Paulo, [20--?]. Disponível em:<http://www.weinrich.eti.br/artigos/qualicmm.htm >. Acesso em: 15 jan. 2013.• JUNIA; ROSÂNGELA: Introdução aos sistemas de informação, [S.l.], [20--?]. Disponível em:<https://docs.google.com/viewer?a=v&q=cache:xz5 UA8ufKmoJ:www2.dc.ufscar.br/~junia/aula%25202.pd f+processos+de+software+%E2%80%93+engenharia+d e+sistemas+e+da+informa%C3%A7%C3%A3o&hl=pt- BR&gl=br&pid=bl&srcid=ADGEESgdxzex0kOzO9Kwpt P-c0duJ6GuyZz7lJ8OtJ37D6Q7Q2I9BwNqr2sMFV- lzj5uIkM2QgdgCADrlTyQBeC_Dr4ectwWBXb6XpcAbfjI DBlytzaWkBQPr- mRscxcOIR8ujtr1Ele&sig=AHIEtbSsTuk8QNNB3zigPho a6EwM82DbCQ>. Acesso em: 15 jan. 2013.
  18. 18. REFERÊNCIAS• MARTINEZ, M.: RUP, [S.l.], mar. 2010. Disponível em:<http://www.infoescola.com/engenharia-de-software/rup/>. Acesso em: 15 jan. 2013.• PATROCINIO, A. et. al. São Bernado do Campo, 2010. Disponível em:<http://www.ecnsoft.net/index.php/artigos/2o-semestre-de- 2010/introducao-ao-rup-rational-unified-process/all/1>. Acesso em: 15 jan. 2013.• VOLPE, R.L.D.; JOMORI, S.M; ZABEU, A.C.P.: Cmm – cmmi: principais conceitos, diferenças e correlações, Bahia, out. 2003. Disponível em:<http://www.asrconsultoria.com.br/downloads/pdf/SPIN_BH _CMMI.pdf>. Acesso em: 13 jan. 2013.• WILLIAM, H.: Processos ágeis para desenvolvimento de software parte 1, [S.l.], [200-?]. Disponível em:<http://www.devmedia.com.br/processos-ageis-para- desenvolvimento-de-software-parte-01/9207>. Acesso em: 15 jan. 2013.

×