Oficina De GináStica I

2.116 visualizações

Publicada em

motivação para crianças em seus primeiros contactos com o mundo da ginástica.

Publicada em: Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.116
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
31
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Oficina De GináStica I

  1. 1. <ul><li>A ginástica vivenciada na escola e </li></ul><ul><li>analisada na perspectiva da criança </li></ul><ul><li>maio/2008 </li></ul>
  2. 2. <ul><li>“[...] as informações são arquivadas na memória, mas as experiências são cravadas no coração.” </li></ul><ul><li>(CURY, 2003, p. 79) </li></ul><ul><li>Experiências positivas com o corpo e seus movimentos, aliados à música, promovem a auto-estima da criança, valorizando o que é seu, sua forma de expressar sentimentos. </li></ul><ul><li>Rolar, correr, saltar,equilibrar seu corpo são </li></ul><ul><li>exemplos de habilidades motoras fundamentais. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>“ A temática abordada visa a desmistificação da G.A. como modalidade “perigosa” e exclusivamente praticada por atletas de alto nível.” </li></ul>
  4. 4. O nosso corpo é uma máquina, e ao nosso movimento uma série de alavancas se mobilizam, vencendo a inércia, a força da gravidade, avançando sobre o espaço que ocupamos com nossos desejos.
  5. 5. A G.A. na escola não deve estar voltada somente para a formação de atletas, mas para ajudar no desenvolvimento motor da criança. Os aparelhos masculinos e femininos são : Tapete para o Solo, mesa de saltos, traves, paralelas assimétricas, paralelas, cavalo com alças, argolas e barra fixa. Todos os aparelhos seguem uma execução do simples para o complexo, utilizando as posições do corpo:grupado, carpado ou esticado.
  6. 6. KOREN, Susana Bastos Ribas. A ginástica vivenciada na escola e analisada na perspectiva da criança. Campinas, SP, 2004.

×